A Parábola do Grão de Mostarda

A Parábola do Grão de Mostarda
Texto: Mateus 13:31-32

Introdução

A. Muitas pessoas hoje em dia estão se conscientizando de que algo está errado em suas igrejas. Costumo ouvir as pessoas dizerem: “Minha igreja só fala sobre questões sociais” ou “Minha igreja está mais interessada em organizações e programas em expansão do que no ensino da Bíblia”. Há uma razão para o que está acontecendo e creio que essa razão é apresentada na parábola do grão de mostarda.

B. A título de revisão, devemos lembrar que nosso Senhor propôs esta série de parábolas em Mateus 13 para descrever algumas verdades sobre o desenvolvimento do programa do reino enquanto o Rei e Seu reino físico estão ausentes da terra. Esses mistérios sobre o reino abrangem o período entre o primeiro e o segundo advento de Cristo, então a maioria das características do reino pode ser vista em nossa época.

I. Leis de Interpretação

A. Existem quatro parábolas em Mateus 13 onde nosso Senhor não dá nenhuma interpretação, então é muito difícil entender o verdadeiro significado. Sem dúvida, há alguma especulação sobre essas parábolas, pois ninguém sabe ao certo o que elas significam exatamente. Com certeza, não ousamos construir nenhuma doutrina importante sobre uma parábola que não tenha uma interpretação declarada.

B. No entanto, uma lei de interpretação muito simples é ir ao contexto imediato para o significado antes de sair do contexto. As duas primeiras parábolas (a Parábola do Semeador e a Parábola do Trigo e o Joio) podem ser usadas como um guia para a interpretação dessas parábolas onde não há explicação do significado. A partir dos símbolos que Cristo empregou nas duas primeiras parábolas, podemos entender os símbolos nessas quatro outras parábolas sem qualquer interpretação declarada.

C. O mau uso dessas leis simples de interpretação fez com que alguns cometessem um erro grave na teologia. Com certeza, nunca devemos construir qualquer doutrina importante em uma parábola que não seja interpretada por nós. Por exemplo, muitos tomaram a Parábola do grão de Mostarda para provar uma posição pós-milenar de escatologia ou coisas futuras. Essa visão é que haverá mil anos de cristianização do mundo antes que o Senhor volte em Seu segundo advento. A ideia é que o mundo inteiro se tornará cada vez mais cristão e então Cristo virá em Seu segundo advento. Eles consideraram que o grão de mostarda significa o reino e que crescerá até que o mundo inteiro seja dominado pelo reino. Essas pessoas estão comprometidas em “trazer o reino”, e essa visão pode ser defendida tanto por evangélicos quanto por liberais. Os pós-milenistas julgaram mal todo o movimento da história porque, por um uso equivocado dos símbolos que Cristo emprega, eles entenderam mal o que nosso Senhor está dizendo.

II. A Parábola do Grão de Mostarda. V. 31-32

A. É bastante fácil interpretar os primeiros dois símbolos. O “semeador” é obviamente o próprio Senhor Jesus (13:37), pois Ele é o semeador nas duas primeiras parábolas. O “campo” novamente é o mundo (13:38), então esta parábola tem algo a ver com o mundo em geral e não trata principalmente da verdadeira igreja.

B. Com isso em mente, tentemos identificar os outros três símbolos: (1) o grão de mostarda é a mensagem do reino; (2) a árvore é a monstruosidade de professar a cristandade; e (3) os pássaros se referem à atividade satânica.

III. A Interpretação

A. O que Jesus plantou no mundo foi um grão de mostarda. Este grão de mostarda é a mensagem do reino. Cristo semeou uma mensagem radical e revolucionária na sociedade humana. O grão de mostarda é usado como símbolo por duas razões: (1) para ensinar o impacto mordaz do evangelho neste mundo, e (2) para ensinar até que ponto esta mensagem cobriria o mundo.

B. O grão de mostarda é um tipo peculiar de semente. A mostarda tem a qualidade de pungência. É mordaz, perturbadora, irritante e tem um odor pungente. A mostarda é ígnea e desperta as sensações das pessoas. 

NOTA: Nosso Senhor está usando o grão de mostarda como um símbolo que indica que a mensagem do reino de Deus vai despertar, irritar e perturbar os homens quando for pregada. Quando o evangelho é declarado com poder, indivíduos, igrejas e comunidades são estimulados, entusiasmados e agitados, seja positiva ou negativamente. A palavra pregada deve confortar o aflito e afligir o confortável.

C. O pensamento principal desta parábola diz respeito a outra qualidade do grão de mostarda. Nosso Senhor diz que o grão de mostarda é a menor de todas as sementes. Se você já viu uma semente de mostarda, sabe que não é a menor de todas as sementes, mas é muito pequena. Alguns achavam que Cristo ignorava a agricultura e questionaram a inspiração das Escrituras sobre esse ponto. Esta declaração vem de um provérbio judeu que usava o grão de mostarda como símbolo de pequenez ou insignificância. Os judeus diriam: "Pequeno como um grão de mostarda". Costumamos dizer: “Tão pequena quanto uma pulga”, mas sabemos que a pulga não é o menor dos insetos.

NOTA: Cristo está enfatizando aqui a aparente insignificância do evangelho de Cristo. É muito simples. Não parece muito. A mensagem “Creia no Senhor Jesus Cristo e você será salvo” não soa muito impressionante para a maioria das pessoas. É tão simples que você pode ensiná-la a crianças. No entanto, o evangelho é tão complexo que as maiores mentes não podem compreender tudo o que ele contém. O mundo como um todo não está entusiasmado com o evangelho e não muito impressionado com ele. O mundo despreza o evangelho e não o considera uma filosofia tremenda que abala a terra. Não encontramos cátedras de filosofia nas universidades dedicadas ao evangelho simples. Na verdade, o mundo despreza o evangelho. Mas deixe alguém ser tocado pela graça sobrenatural de Deus e creia no evangelho da verdade e algo revolucionário acontecerá. Deixe alguém com uma fé simples confiar em Cristo e convidá-lo para sua vida e essa pessoa experimenta um novo nascimento e uma mudança radical ocorre em sua vida. O evangelho é uma tolice para o mundo, mas é um poder para os verdadeiros cristãos (I Coríntios 1:23-24).

NOTA: Observe também que a propagação do evangelho a partir de uma pequena semente se desenvolve em uma grande árvore. Isso indica que haverá um crescimento fenomenal da mensagem do reino antes que o reino seja estabelecido. O evangelho terá uma ampla extensão de proclamação no mundo, mas não necessariamente será acreditado (Mateus 24:14).

I Coríntios 1:23-24: “nós pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus, e loucura para os gregos, mas para os que são chamados, tanto judeus como gregos, Cristo, poder de Deus, e sabedoria de Deus”

Mateus 24:14: “E este evangelho do reino será pregado no mundo inteiro, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim”

D. Mas agora olhe para a árvore que cresce a partir dela. Nosso Senhor disse: “Mas quando cresce, é a maior entre as ervas (arbustos) e se torna uma árvore”. A mostarda, por natureza, não é uma árvore, mas uma planta que cresce nos campos. A mostarda não se transforma em uma árvore enorme. Então por que Cristo disse que sim? Porque ele estava falando proverbialmente. Nosso Senhor obviamente pretendia ensinar que esse crescimento do grão de mostarda não era natural e normal. Em vez da planta pequena, humilde e desprezada, havia um crescimento enorme, anormal e não natural em uma árvore.

NOTA: Qual é o crescimento natural do evangelho do reino quando ele genuinamente se aloja no coração da pessoa? Produz humildade de coração, quebrantamento, amabilidade, mansidão e disposição para se submeter a Deus e aos homens. O evangelho destrói o orgulho, o egoísmo e o egocentrismo, de modo que a pessoa adquire um tipo de atitude submissa. O que então seria um crescimento não natural da semente? Seria altivez, orgulho, ambição, dominar outros, arrogância e preocupação consigo mesmo. Frequentemente, uma árvore é usada simbolicamente na Bíblia para autoridade e domínio.

NOTA: O Cristianismo, que começou com a mensagem pungente e simples de Cristo e Seu reino no primeiro século, ao longo de mais de vinte séculos de existência se desenvolveu em uma árvore enorme, desajeitada e anormal, preocupada com poder, orgulho e dominação.

NOTA: Por meio de concessões, ignorância, desejo de poder e grandeza, a chamada igreja professa se tornou uma monstruosidade horrível. A igreja professa no mundo pode concordar intelectual e verbalmente com o evangelho, mas ele se tornou um monstro que ninguém pode controlar. Tanto protestantes quanto católicos são culpados de desenvolver uma estrutura de poder. Construímos grandes edifícios para igrejas e substituímos a Palavra de Deus por hierarquia organizacional e igrejas altamente organizadas. Poder, grandeza e organizações tomam o lugar do Cristianismo real, vivo e dinâmico. A religião se torna a regra em vez da regeneração.

NOTA: Mesmo nos círculos evangélicos, nos preocupamos com nosso prestígio, nosso status na comunidade, nossa imagem e buscamos o patrocínio e a admiração do mundo. Os evangélicos são culpados de anunciar sua igreja em vez de Cristo. Apelamos para que os homens venham à igreja. Temos um pregador que é um bom orador; temos muitas funções sociais; temos um grupo de jovens em expansão; temos um grande coro; temos um berçário excelente e assim por diante, mas não há uma conversa real sobre Jesus Cristo. Os primeiros cristãos não andavam falando sobre igreja, mas sobre os propósitos de Cristo e Deus.

E. Observe também que a árvore tem muitos galhos. Talvez esta seja uma previsão das divisões e denominações da cristandade. De acordo com a Bíblia, em cada vila ou cidade que os Apóstolos organizaram igrejas, as igrejas sempre foram independentes umas das outras governamentalmente, mas estavam unidas no amor e na comunhão do Espírito. Eles estavam unidos por interesses mútuos, mas nunca organizacionalmente. As igrejas começaram a se reunir organizacionalmente para evitar____________________. Devido às diferenças doutrinárias e ressentimentos, a igreja se fragmentou e isso nos trouxe as muitas denominações da cristandade.

F. Finalmente, somos informados de que os pássaros vêm e se aninham nos seus ramos. Presumimos que isso se refere a fazer ninhos. O Senhor já nos disse em outra parábola que os pássaros simbolizam Satanás (13:4, 19).

NOTA: Haverá muita atividade satânica que se aninhará na enorme superestrutura da igreja professa. Homens maus e ideias más encontrarão hospedagem na igreja professa e suas ideias serão aceitas por muitos.

NOTA: Esta grande igreja professa é simbolizada para nós no livro do Apocalipse (Apocalipse 18:2). A implicação é que, à medida que avançamos em direção ao tempo do fim, o segundo advento, essa igreja professa aumentará em número. Em 1973, heresia e doutrinas de demônios eram lugar comum na igreja professa. Embora ainda existam muitos crentes que estão pregando o evangelho pungente e a mensagem de Cristo está sendo espalhada por este mundo como nunca antes por causa de comunicações muito melhoradas, a igreja professa é uma monstruosidade sempre crescente que um dia quase eliminará o verdadeira igreja na terra.

Apocalipse 18:2: “E ele clamou com voz forte, dizendo: Caiu, caiu a grande Babilônia, e se tornou morada de demônios, e guarida de todo espírito imundo, e guarida de toda ave imunda e detestável”

ILUSTRAÇÃO: Você percebe que só depois que a árvore está totalmente crescida e se ramificou é que isso aconteceu. É quando nos aproximamos do fim dos tempos, isso aconteceu. Quão visivelmente isso foi demonstrado em nossos dias, quando dos púlpitos e dos porta-vozes da igreja veio uma enxurrada de ideias estúpidas, malucas e confusas - conceitos malignos que destruíram, arruinaram e perverteram os corações e mentes das pessoas, simplesmente como nosso Senhor disse. Faz pouco tempo que as grandes denominações de nossos dias, embora representassem um desenvolvimento não natural e anormal, ainda eram basicamente fiéis à fé e permaneciam solidamente na autoridade da Bíblia e proclamavam o verdadeiro Evangelho. Mas veio a racionalização e teorias de alta crítica e filosofias socialistas. A Bíblia foi derrubada e outro evangelho foi substituído e a fé sobrenatural foi negada, e as aves de rapina se moveram direto para os púlpitos em muitos lugares. Um por um, homens de verdadeira fé foram expulsos. E ainda está acontecendo hoje.

Conclusão

A. Você é um verdadeiro cristão? Talvez você seja um cristão professo e um bom frequentador da igreja, mas é genuinamente cristão? Você tem Cristo ou igreja? Você já experimentou religião ou regeneração? O diabo tem enganado muitos na chamada igreja visível e professa, a pensar que estão salvos, quando na verdade não o são. A cada ano a igreja professa ganha força e a igreja verdadeira se enfraquece, mas não lance sua sorte com a maioria da igreja visível. A maioria raramente está certa em questões espirituais.

B. Você já se viu um pecador, separado de Deus, perdido e caminhando para o juízo eterno? Se você nunca se viu como realmente é diante de um Deus santo, então você não está salvo. Você vê Cristo como o substituto perfeito para seus pecados, sua maldição, seu inferno e você O recebeu em sua vida como seu Senhor e Salvador pessoal? Se não o fez, você não está salvo. Como você pode ser salvo? “Creia no Senhor Jesus Cristo e você será salvo”

Postar um comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postagem Anterior Próxima Postagem
Gostou Desse Esboço? Olha a Novidade Que Tenho Para Você!

Eu preparei um E-book Com 365 Esboços de Sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! CLIQUE AQUI para adquirir seu livro.