31 de dezembro de 2013

O Segredo Para Uma Vida Abençoada em 2014
O segredo para uma vida abençoada em 2014Texto: Salmos 128
 
Introdução: O que significa ser abençoado? Quem são os abençoados? Como podemos ser abençoados?

O Salmo 128 declara que uma vida abençoada é quando Deus está no centro da vida e quando isso acontece, o trabalho, a família e a vida pessoal se tornam todos abençoados pelo Senhor.

Você está vivendo uma vida abençoada?

I. O que significa ser abençoado?

A. As pessoas costumam associar bênçãos apenas com questões materiais e financeiras. Mas essa é uma falsa visão e que coloca limitações sobre a grande capacidade de Deus abençoar.

B. Ser abençoado significa possuir o poder para o sucesso e prosperidade em ambos os reinos materiais e espirituais. Ser abençoado fala de uma vida rica e abundante de Deus; fisicamente (Deuteronômio 15:14), mentalmente (Isaías 26:3 ), emocionalmente (Salmo 146:5 ) e espiritualmente (Efésios 1:3) .

II. Quem são os abençoados?

A. A Bíblia é clara sobre quem é abençoado nos: Salmos 1:1; 32:1; 34:8; 84:5, 12; 119:1 ; 146:5 e etc.
B. A verdadeira bem-aventurança está mais ligada com o que você é no Senhor e não o que você tem no mundo!

III. Como podemos ser abençoados?

A. A condição de bem-aventurança está na nossa vontade de ser obediente a Deus e Sua Palavra (Salmo 128:1).

B. A benção vem quando nossas vidas estão arraigadas e alicerçadas em Deus e Sua Palavra (Deuteronômio 11:26-28 ).
C. Você sabe que você é abençoado quando sua consciência está limpa e em paz com Deus e com os homens (Atos 24:16 ).

D. Podemos ser abençoados em nossa vida pessoal, trabalho e vida doméstica se desobedecermos a Palavra de Deus? Não! (Amós 3:3).
1. Ser abençoado no trabalho (Salmo 128:2). Deus planejou o trabalho para ser uma bênção, mas muitas vezes parece uma maldição para algumas pessoas (Gênesis 2:15 ). Depois que o homem pecou e veio o juízo sobre o homem e a terra, o trabalho tornou-se pesado e oneroso. Algumas estatísticas dizem que, a maioria das pessoas aos 40 anos estão doentes, cansadas e infelizes com seu trabalho.
a. O trabalho é uma bênção quando a vida está centrada em Deus. Seus anos de trabalho vão trazer felicidade e alegria à sua vida e família.
b. Deus pode não nos dar tudo o que queremos , mas Ele certamente vai suprir tudo o que precisamos (Salmo 37:25 ; 55:22 ; Filipenses 4:19).
c. Deus nos garante que se estivermos com o foco correto, Ele vai cuidar de nós.
2. Ser abençoado em casa (Salmo 128:3,6)
a. A bênção de uma mulher piedosa (Provérbios 31:10)
b. A bênção de filhos piedosos (Salmos 127:3)
3. Ser abençoado pessoalmente (Salmos 128:4-5). Sião era visto como o coração da cidade, politicamente e espiritualmente. O salmista confirma que a vida abençoada é o resultado de temer e obedecer a Deus e, em seguida, sugere que o Senhor promete segurança e estabilidade como o Monte Sião.
 
Conclusão: A vida abençoada está condicionada à vida centrada em Deus! E quando a vida está centrada na palavra de Deus e na sua vontade, torna-se uma vida abençoada e maravilhosa que afeta positivamente o trabalho, lar e vida pessoal.
 
A vida abençoada começa quando uma pessoa percebe que ele é um pecador sob o juízo de Deus e vê sua necessidade de receber Jesus como Senhor e Salvador. Se você não é salvo e nascido de novo todos os seus trabalhos e esforços serão em vão. Jesus disse: "Pois que aproveita ao homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?" (Marcos 8:36)
 
Vários esboços de sermões para o ano novo: Aqui

22 de dezembro de 2013

Natal: Três Reações ao Menino Jesus
Três reações ao menino JesusTexto: Mateus 2:1-12
 
Introdução: Em 1247 um hospital foi fundado na Inglaterra chamado, Saint Mary's of Bethlehem (Santa Maria de Belém). Dois séculos mais tarde, foi transformado em um asilo de loucos. Naqueles dias, os doentes mentais eram acorrentados e abusados e suas mentes atormentadas os faziam gritar e gemer constantemente. Devido a isso o Saint Mary's of Bethlehem tornou-se conhecido como um lugar de barulho e confusão. Os Ingleses para encurtar as palavras gradualmente levou o nome “Bethlehem” a se tornar "Beth-lem”, então anos mais tarde, tornou-se "Bedlam”. Uma palavra que passou a significar confusão e tumulto.

Não é surpreendente que um nome pacífico como Belém poderia tornar-se confusão. Bem tal transformação bizarra aconteceu com o aniversário do nosso Senhor. O Natal foi transformado de uma celebração do nascimento do Messias para uma orgia materialista.
 
A maior novidade da temporada é que a gente vai gastar 30% a mais que no ano passado. A maior parte dos jornais é a seção de venda. As maiores concentrações de pessoas não está na casa do Senhor, mas no shopping. Assim como “Bethlehem” mudou para “Bedlam” (confusão) o aniversário do Senhor mudou para uma farra de materialismo.
 
Por quê? Porque o homem quer evitar a verdade, de que Jesus é o Senhor. As pessoas querem viver em sua condição pecaminosa egoísta sem serem confrontadas com as reivindicações de Cristo.
 
O Natal força até o mais mundano dos homens a olhar para o Salvador. Há três atitudes predominantes nos homens a respeito de Jesus. Homens que veem Jesus em termos de um rival, em termos de religião ou em termos de redenção.

I. Para Herodes era um monarca rival. V. 3

1. Herodes ficou perturbado. Por quê? Ele estava preocupado que Jesus o tiraria da jogada. Acaso os sábios não estavam em busca de um novo rei?

2. A cidade inteira estava perturbada. (v. 3) Por quê? Toda uma caravana de dignitários estrangeiros apareceu anunciando que o Messias havia nascido. Ei! Isso ia chatear o status quo, isto iria afetar os negócios.

3. A verdade é que Jesus veio para perturbar o status quo. Ele veio trazer uma mudança dramática para o mundo. Ele veio trazer uma mudança dramática em sua vida.

4. É por isso que os homens ainda estão preocupados com o Natal. Jesus veio para mudar a vida. Ele veio para salvar os homens de seus pecados. Ele veio para tomar o controle de vidas que estão fora de controle. Ele veio para dar abundância de vida para aqueles que agora estão vazios e tristes. Isso incomoda as pessoas, porque elas veem Jesus como um rival para o trono de suas vidas.

5. Orgulho e o eu está sentado no trono de muitos corações aqui hoje. O orgulho não admite que você é um pecador. O orgulho lhe diz que você é bom o suficiente para ir ao céu sem receber Jesus. O orgulho deve ser destronado para Jesus reinar

6. Herodes ficou perturbado, porque Jesus era um rival para o seu trono. Você está perturbado hoje? Talvez você só precise tirar o rei que está no trono de seu coração agora e colocar Jesus lá.

II. Para os escribas ele era apenas um mito religioso. V. 4-6. Então, eles eram indiferentes.

1. Eles sabiam que o Messias viria. Eles sabiam tudo sobre ele. Na verdade, eles ainda disseram a Herodes onde estava para nascer. Então, por que não montaram em seus camelos e foram para Belém? Eles estavam muito ocupados fazendo suas coisas religiosas. Eles tinham que participar de reuniões, dar aulas e atender aos negócios dos rituais judaicos. Eles não tinham qualquer interesse na busca insensata dos homens sábios. Os estudiosos consideraram o Messias apenas mais uma de suas religiões muitas tradições e mitos.

2. O maior evento na história dos judeus ocorreu e os líderes religiosos perderam.

3. É a mesma coisa hoje. A maioria dos Brasileiros vai celebrar o nascimento de Cristo, sem nunca querer Jesus Cristo em seus pensamentos. Vamos falar de Papai Noel, renas e presentes. Teremos um Natal de presentes, comidas e bebidas, vamos deixar o Grinch roubar o Natal, e totalmente deixar de fora o Senhor do Natal.
 
Ilustração: Duas mulheres estavam desfrutando de um almoço em um restaurante chique, quando outro amigo se aproximou para vê-las. O amigo se aproximou da mesa e perguntou qual era a ocasião especial? Uma das mulheres disse: "É o aniversário do meu bebê" "Bem, onde é que está o bebê, então" perguntou o amigo. "Você não acha que eu iria trazer o bebê para este restaurante e estragar meu almoço, não é?"
 
A maioria dos brasileiros celebra o nascimento do Salvador, mas eles não o convidam para a sua celebração.
 
3. Há um perigo real que nós, pessoas religiosas fazendo todas as coisas religiosas associadas ao Natal e estamos esquecendo a adoração ao Senhor.
 
Quando Cristo nasceu em Belém. Herodes pensou que ele fosse um monarca rival; os escribas um mito religioso...

III. Mas os sábios o consideravam um messias redentor. V. 11

1. João 1:11 “Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Mas a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome”

2. Quando os sábios gentios vieram do oriente a Jesus apresentaram seus presentes e se tornaram filhos de Deus. Por quê? Eles acreditavam em Jesus.

3. Quando o carcereiro da cidade de Filipos perguntou "O que eu devo fazer para ser salvo?" a resposta foi: Atos 16:31 "Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e tua casa"

4. O Natal é sobre um redentor. Não sobre Papai Noel, bonecos de neve ou arvores, mas sobre o maior presente que você pode sempre receber. O dom de Deus.
 
Veja também: A verdadeira expressão do natal

18 de dezembro de 2013

Sermão de Natal 2013: A Visita Dos Magos
Sermão de Natal 2013: A visita dos MagosTexto: Mateus 2:1-12
 
Introdução: Uma das histórias fascinantes relacionadas com o nascimento de Cristo foi a visita dos magos. Nós não podemos dizer o quão longe eles viajaram. Viajar era extremamente difícil naqueles tempos. Havia rios para atravessar, desertos sem caminhos para penetrar e talvez montanhas para atravessar, mas eles não foram impedidos pelas dificuldades ou os perigos do caminho.
 
Onde quer que a história do nascimento de Jesus é contada, também é mencionado esses homens estranhos de alguma terra distante que trouxeram presentes para o menino Jesus.
 
A história vem a nós somente no evangelho de Mateus. Tudo o que sabemos sobre os Reis Magos encontramos no capítulo 2. Eles aparecem no versículo 1 e desaparecem no versículo 12, deixando para trás muitas perguntas sem respostas.
 
Mateus nos apresenta três tipos de pessoas e como cada uma delas reagiu à notícia sobre o nascimento messiânico. Cada resposta revela-nos o tipo de pessoa que eram.

1. O rei Herodes

A. A resposta de Herodes foi carnal. O Novo Testamento diz que ele era um inseguro, tirano e um líder assassino.

B. Ele percebeu o nascimento de Jesus como uma ameaça. Ele tentou matar a criança e com isso mandou assassinar todos os meninos em Belém e seus arredores.

C. Herodes estava muito perto da verdade, mas perdeu porque sua mentalidade carnal ficou entre ele e o Messias.

2. Os escribas

A. Os escribas eram apáticos. O fato de que Belém estava a apenas 6 quilômetros de distância de Jerusalém, nenhum deles fez uma visita confirma isso.

B. Os escribas eram um grupo formado por fariseus e saduceus. Eles eram os intérpretes das Escrituras.

C. O mais apaixonado muitas vezes não é o que tem mais conhecimento da Escritura, mas a pessoa que aprendeu a viver em conformidade com as escrituras.

3. Os Reis Magos

A. Ao contrário de Herodes e os escribas que tinham acesso à Escritura, os Magos responderam ao sinal com o coração aberto.

B. Embora fossem as pessoas mais intelectuais da época, não hesitaram em reconhecer a superioridade de Jesus.

C. Mateus escreve que os Magos adoraram a Jesus, porque o que mais importa é a maneira pela qual eles responderam a descoberta.
 
Conclusão: Jesus é a Palavra encarnada de Deus (João 1:14). À luz do mesmo modo como reagimos à palavra de Deus, da mesma forma iriamos responder a Jesus se ele nascesse entre nós hoje. Deixe-me desenhar três implicações na conclusão.
 
O cristão carnal - Como Herodes ele está preocupado apenas com as coisas terrenas. Eles resistem à correção, anseiam por poder e veem os outros como uma ameaça.
 
O cristão apático - Ele tem um conhecimento apenas de cabeça da escritura. Mas trata a palavra de Deus de qualquer maneira, gosta de mostrar seus conhecimentos, é rápido para julgar os outros.
 
O cristão de coração aberto - Embora possa não possuir uma grande quantidade de conhecimento intelectual sobre as escrituras, ele está aberto à correção. Cristo é o Senhor da sua vida.

16 de dezembro de 2013

Adoração em espirito
Adoração em espiritoTexto: João 4:24
 
Introdução
A. Sabemos que é essencial que adoremos a Deus "em verdade", mas também devemos entender a importância da adoração "em espírito".
B. Não adorar a Deus com a atitude correta é tão improdutivo como não adora-lo de acordo com Seu padrão.

I. Deus espera que nossos corações estejam focados nele quando o adoramos.

[post_ad]
A. Preciso considerar que Deus não precisa da oferta que eu trago (Isaías 1:11-15, Jeremias 7:22-23, Amós 5:21-23, Hebreus 10:5-6).
B. O que Deus realmente deseja é a nossa obediência (1 Samuel 15:22-23, Jeremias 29:10-14, Hebreus 10:7-10).
C. Deus não aceita sacrifícios oferecidos com impuro coração (Isaías 1:15, Jeremias 7:9-11, Amos 2:6-8, 3:10, 8:5-6).
D. Devemos ter zelo na adoração que oferecemos a Deus (Salmo 9:1, 111:1, 2 Coríntios 9:7, Efésios 5:18-20).

II. Como podemos desenvolver a atitude correta na adoração?

A. Precisamos plantar a Palavra de Deus profundamente em nossos corações (Salmo 119:11, Colossenses 3:16, Efésios 5:18).
B. Precisamos ter corações limpos da iniquidade (1:5-6,16-19 Isaías, Jeremias 7:5-7, Amós 5:6,14,24, Tiago 4:8).
C. Precisamos nos preparar em todos os sentidos possíveis para adorar a Deus (1 Tessalonicenses 5:16-19).
 
Conclusão
A. Enquanto determinados a adorar a Deus em verdade, não negligenciemos a adoração em espirito.
B. Se precisarmos de uma limpeza em nossos corações, devemos permitir que Ele faça.
 
Pr. Aldenir Araújo

11 de dezembro de 2013

A rebelião de um filho e o amor do Pai
A rebelião de um filho e o amor do PaiTexto: Lucas 15: 12-24
 
Introdução: Esta é uma história sobre o amor. O amor de um pai para com seu filho. É uma história sobre a rebelião. A rebelião de um filho para com seu pai. É uma história sobre uma dura lição de vida e sobre o maior evento da vida.
 
Jesus contou esta história para que você e eu pudéssemos entender os motivos de Deus.

I. O Amor de um Pai

[post_ad]
A. Observe o quanto o pai amava seu filho: Um dia o filho que ele amava dirigiu-se ao seu pai e pediu a sua parte da herança. O pai o amava tanto que dividiu a sua riqueza e deu ao seu filho mais novo, o que seria dele. Esta não foi uma obrigação que o pai teve que fazer. Foi um ato de amor.
 
1. Deus lhe deu uma rica herança também: pense em tudo que você tem hoje. Pense em suas habilidades. Você pode cantar? Você gosta de esportes? Conte-os. Quantas bênçãos e dons que Deus lhe deu? Por que ele os deu a você? Porque ele te ama.

II. A Rebelião de um Filho

A. Pródigo = imprudente desperdício. A Bíblia descreve o estilo de vida deste jovem como dissolutamente. Em outras palavras, ele estava vivendo como se não houvesse amanhã. Desperdiça a herança de seu pai, como se seu pai não existisse.
 
1. A maioria aqui tem sido pródigo no uso do precioso dom da vida, dado por Deus. Vivendo como se não houvesse Deus. Passando o tempo que Deus nos deu de uma maneira que também poderia ser chamado dissolutamente.

III. Uma lição difícil de aprender

A. “Começou a passar necessidade”. Uma coisa que eu tenho certeza sobre o pecado é que, ele vai leva-lo a lugares que você nunca pensou que iria. Este jovem nunca sonhou que iria acabar como um servo alimentando porcos.
B. Ele estava prestes a morrer.
1. "O salário do pecado é a morte"
C. “Ninguém lhe dava nada”
1. As coisas não mudaram muito nos últimos 2000 anos. Quando você tem dinheiro e está vivendo bem, há muitas pessoas que dizem ser seus amigos. Enquanto você está gastando, festejando e vivendo como um filho pródigo a multidão mundana irá ajudá-lo a gastar o que você tem. Mas onde estão eles quando você está na lona e sem nada? Eu vou lhe dizer onde estão; eles estão sendo amigos de algum outro otário. Hei! Há um amigo mais chegado do que um irmão; Jesus.
2. Não foi possível salvar a si mesmo: Assim como todos os outros pecadores perdidos este jovem achou que, se ele trabalhasse duro o suficiente, ele seria capaz de salvar a si mesmo.
a. O trabalho duro não vai te salvar: Ele recebe o único trabalho que conseguiu encontrar na esperança de tornar um sucesso sua vida desperdiçada. Assim como muitos hoje que pensam que se conseguirem obter dinheiro suficiente, serão felizes.
D. “caiu em si”. Verso 17: Ele percebeu que estava fora de si ao buscar uma vida com sentido completo no estilo de vida desregrada.
1. “Cair em si” envolve ser honesto consigo mesmo. Este jovem fez algo que muitos de vocês ainda têm de fazer. Ele olhou para a condição que ele estava sem seu pai e comparou com onde ele poderia estar com o pai.
a. Deus quer que você tenha vida abundante. João 10:10 “O ladrão não vem .... mas eu vim para que tenhais vida .... tenham em abundância”
2. “Cair em si” envolve ouvir a voz convincente de Deus. Quando você ouve a palavra de Deus e sente um aperto em seu coração a melhor coisa é se render à sua vontade.

IV. Um grande presente recebido (v. 20)

E. Receber; começou com sua mudança. Não somente virou o rosto para casa como virou seu coração em direção a casa. Sua situação começou a mudar quando ele mudou a sua mente para se arrepender e pedir perdão a seus pais.
 
1. Arrependimento; significa mudança de mente. (Grego) Metanoia. Quando você se arrepende do seu pecado, você está mudando seu coração para o caminho de Deus. Você está mudando o coração para longe do pecado em direção a Deus.
 
2. Seu pai estava o esperando. Imagine a cena. A cada dia o seu pai olhava ao longo do caminho que conduzia à sua fazenda na esperança de que um dia o seu filho fosse voltar. Então um dia ele vê uma figura mancando em direção a fazenda. Poderia ser ele! SIM.
 
3. Ele foi abraçado com o amor de seu pai. Seu pai correu ao seu encontro, lançou-se sobre seu pescoço e o beijou. Ordenou que a festa fosse preparada. POR QUÊ? Será que este filho merecia? NÃO! Ele conquistou? NÃO! Eu vou te dizer o porquê. Porque seu pai o amava! DEUS AMA VOCÊ! (João, 3:16)
 
Jesus não contou esta parábola para que todos os filhos apreciassem melhor os seus pais. Ele contou esta parábola para que você pudesse entender como Deus perdoa e salva os pecadores. Você pode receber o perdão hoje, porque Deus te ama e enviou seu filho Jesus para morrer por seus pecados.
 
Conclusão: Permita que o amor do pai o abrace. Oração!
 
Pr. Aldenir Araújo

7 de dezembro de 2013

A volta de Jacó a Betel, e as lições que aprendemos
A volta de Jacó a Betel, e as lições que aprendemosTexto: Gênesis 35:1-7
Introdução: A vida de Jacó é um estudo interessante. Alguns personagens bíblicos estraram em cena e podemos saber muito pouco sobre eles, mas a vida de Jacó é detalhada nas Escrituras para que possamos realmente conhecê-lo. Nós sabemos sobre o seu nascimento, juventude, maturidade, sonhos, aspirações, decepções, velhice e morte. A Palavra de Deus dá-nos uma foto sem retoques da vida de Jacó. Ele era ao mesmo tempo ruim e bom. Ele era um trapaceiro, um mentiroso, um enganador, um conspirador, e um vigarista. Ao mesmo tempo, vemos que ele luta com um anjo de Deus pedindo uma bênção. Em nosso texto, esta noite, encontramo-lo limpando a sua casa do mal, enquanto se preparava para voltar a Betel e voltar para Deus.
[post_ad]
Ele tinha estado em Betel no passado. Ele tinha visto o Senhor de uma forma que mudou sua vida. Mas o tempo e a distância o envolveram. Ele havia fugido do Senhor e esteve envolvido em todos os tipos de dificuldade. Ora, Deus ordena que ele volte a Betel. Deus lhe diz para voltar para aquele lugar de bênção em seu passado.

I. O que era Betel?

A. Era uma localização geográfica, perto da cidade de Luz, onde Jacó havia passado uma noite incrível.
1. Ele estava fugindo de seu irmão Esaú a quem tinha enganado para vender seu direito de primogenitura.
2. Esaú estava zangado com ele e estava ameaçando matá-lo. Gênesis 27:41-44
3. O pecado afastou Jacó de sua casa e de sua família.
a. O pecado não vai deixar você ficar.
b. O pecado sempre leva a pessoa para longe de sua casa, amigos, alegria e paz.
c. Exemplos:
1) Adão e Eva foram expulsos do jardim.
2) O filho pródigo deixou a sua casa, porque ele queria viver uma vida de pecado.
3) Pedro pecou e negou o seu Senhor e a Bíblia diz que ele saiu.
4) O pecado tem um impacto sobre aqueles que nos rodeiam e, muitas vezes, nos leva ou leva-os para longe de nós.
B. Era um lugar de grande vitória para Jacó.
1. Ele veio a este lugar enquanto ele estava em fuga, e Deus se encontrou com eleDeus se encontrou com ele lá.
2. Ali Deus afirmou uma aliança com ele e prometeu Sua presença, proteção e provisão.
3. Observe: Gênesis 28:10-15
C. Era um lugar de compromisso espiritual para Jacó. Gênesis 28:16-22
1. Ele chamou o lugar de Betel (que significa Casa de Deus).
2. Ele fez algumas promessas a Deus em Betel.
a. Ele prometeu ser fiel a Ele: "o Senhor será o meu Deus"
b. Ele prometeu se lembrar do lugar como a casa de Deus, onde Deus havia se encontrado com ele, e erigiu uma pedra para um memorial.
c. Ele prometeu dar o dízimo de todas as bênçãos de Deus para ele. Nota: Para aqueles que pensam que o dízimo é apenas para aqueles sob a lei, isso foi anos antes de a lei ser dada. Dízimo, é devolver a Deus um décimo do que Ele nos deu, é um princípio bíblico que encontramos ao longo das Escrituras.

II. O que significou para Jacó voltar a Betel?

A. Ele teve lançar fora os seus ídolos.
1. Jacó esteve ausente de Betel, talvez uns trinta anos.
2. Durante esse tempo ele havia construído altares para Deus, mas ele também havia tolerado a falsa adoração de ídolos.
3. O que aconteceu com ele foi que ele tinha desenvolvido uma filosofia de adoração que abraçou o mundo, enquanto tentava manter um relacionamento com Deus.
4. Não funcionou para Jacó, e não vai funcionar para nós!
B. Ele tinha que limpar e fazer uma mudança.
1. Isso tem a ver com arrependimento.
2. Muitos querem ficar perto de Deus, sem limpar-se da sujeira deste mundo.
3. Se estivermos verdadeiramente arrependidos, vamos virar as costas para o pecado e voltar-se para o Deus santo e justo.
C. Ele levou sua família de volta para Deus.
1. Sua família tinha seguido o seu exemplo antes.
a. Seus filhos se tornaram enganosos e assassinos.
b. Suas esposas estavam envolvidas com a idolatria.
c. Cada passo para longe de Deus, levou a sua família consigo.
2. Agora era a hora de ele voltar para Deus e levar sua família com ele.
3. Deus constituiu o marido e pai para ser o líder espiritual em casa, e muitas vezes eles levam suas famílias para longe de Deus, em vez de leva-los na direção dele.
4. A menina olhou para o pai, sentado no seu colo e perguntou: "Papai, Deus está morto?" O pai disse: "Porque você está fazendo essa pergunta?" Sua filha respondeu: "Bem, eu nunca ouvi você falar com ele”.
5. Jacó assumiu a liderança e trouxe a família com ele quando ele voltou para Betel.

III. O que tudo isso significa para nós hoje?

A. Significa voltar ao primeiro amor.
1. O Senhor repreendeu a igreja de Éfeso, porque eles tinham deixado o seu primeiro amor.
2. Lembre-se da alegria e a emoção que você conheceu quando você se tornou um Cristão?
3. O desejo que você tinha de passar tempo na Palavra de Deus, na Casa de Deus, e com o povo de Deus?
4. Você se esfriou para as coisas de Deus? Volte a Betel.
B. Significa abandonar nossos ídolos.
1. Não se engane; qualquer coisa que ocupa o lugar de Deus é um ídolo.
2. Isso pode ser um trabalho, uma família, ou bens materiais.
3. Onde é que colocamos as nossas prioridades? Isso vai nos dizer muito sobre o que são ídolos em nossas vidas.
4. Jacó enterrou todos os ídolos debaixo de uma árvore, devemos pôr de lado qualquer coisa que impede nosso relacionamento com o Senhor e voltar a Betel.
C. Significa voltar ao serviço ativo para o Senhor.
1. Não há lugar de parada para o filho de Deus, quando se trata de servir ao Senhor.
2. Você pode se aposentar de sua ocupação, mas não de servir ao Senhor.
3. Deus não nos salvou para ficar sentados... Ele nos salvou para servir!
4. Precisamos voltar a Betel!
 
Conclusão: Nós temos falado sobre a importância de voltar a Deus esta noite. Mas, talvez haja alguns aqui hoje que nunca conheceram o Senhor pessoalmente. Você pode hoje! Deus te ama e deseja ser seu Senhor e Salvador, você vai vir e confiar nEle hoje?
 
Irmãos, Deus mostrou-lhe que você precisa voltar a Betel? Por que esperar? Volte para o lugar de bênçãos. Volte para o lugar de serviço. Volte para o lugar onde Deus quer que você esteja. Faça-o hoje!
 
Pr. Aldenir Araújo

6 de dezembro de 2013

Jesus é a fonte da alegria mais profunda
Jesus é a fonte da alegria mais profundaTexto: Salmos 51:12
 
Introdução: Quando estamos estressados ​​e angustiados com o estado de nossas vidas, nós nos encontramos em condições patéticas:
- Ficamos irritados até mesmo com os menores inconvenientes e problemas,
- Raramente rimos,
- Somos rápidos para irar com as pessoas,
- Nós caímos na cama toda noite, exaustos,
- Não temos alegria em nossas vidas.
 
É esta última questão que é de particular preocupação para nós nesta noite, porque eu acredito que há uma estreita relação entre a presença de estresse em nossas vidas e a ausência de alegria em nossas vidas.
[post_ad]
Muitos cristãos têm desistido da alegria em suas vidas e presume que um ritual religioso seco é o máximo que pode esperar. O que Jesus diria para aqueles cuja alegria acabou?
 
A nossa primeira preocupação é. . .

O que a alegria tem a ver com seguir a Jesus?

1. A vida cristã é projetada para ser de alegria abundante.
- Muitos têm uma imagem do "cristão sério" como um puritano que nunca sorri cuja falta de humor é uma evidência de sua piedade. Na realidade, Paulo disse que a alegria é uma das evidências de que o Espírito está presente em nossas vidas (Gálatas 5:22-23).
2. Jesus era a vida da festa (que é outra maneira de dizer que Jesus estava cheio de alegria).
- Jesus era uma pessoa que os pecadores realmente queriam em suas festas. De quantos pregadores modernos você pode dizer isso? De quantos cristãos modernos, você pode dizer isso?
- Mateus 11:19, Lucas 7:39, e Lucas 19:7 são alguns exemplos do desejo que os pecadores tinham de estar perto dele.
- Além disso, considere que o primeiro milagre de Jesus foi para manter uma festa (João 2:1-10). Considere também que, na história do filho pródigo, a primeira coisa que o Pai fez no retorno do filho pródigo foi uma festa (Lucas 15:22-24 )
3. Embora não sem problemas, a vida cristã normal deve ser cheia de alegria.
- Lucas 2:10 , Mateus 13:44 e João 17:33 são alguns exemplos da alegria que Jesus deseja transmitir em nossas vidas. Há também, é claro, a passagem de Gálatas 5.

De onde é que esse tipo de alegria vem?

1. A alegria mais profunda não é encontrada no poder, posição ou posses, mas sim nos relacionamentos.
2. Não nos relacionamos com Deus através de uma religião, mas sim através de um relacionamento.
- Em João 15 (ver especialmente v. 11), Jesus compartilha a ideia simples, mas profunda que uma vida de alegria e fecundidade vem de permanecer nele. Ou seja, é a proximidade do relacionamento que mais importa.
- Sua relação com o pai era a fonte primária da alegria de Jesus (Ele mesmo se referiu a ele como seu "pão").
- Por isso, a nossa maior fonte de alegria é um relacionamento. . . com Deus.
3. A segunda maior fonte de alegria de Jesus era dar-se para aqueles em torno dele.
- Se a alegria principal de Jesus era seu relacionamento com seu Pai, o próximo da fila era Seu relacionamento com aqueles ao redor dele.
- A única vez que Jesus é descrito nos Evangelhos como "cheio de alegria" (NVI) é Lucas 10:21.
A ocasião? Primeira tentativa dos discípulos em fazer o trabalho do reino por conta própria. Jesus estava cheio de alegria pela vitória deles (que Ele, é claro, tinha feito possível).
- Hebreus 12:2 diz que Jesus suportou a cruz "em troca da alegria que lhe estava proposto" A alegria de poder estar eternamente no relacionamento conosco.

Como posso ter esse tipo de alegria mais profunda em minha vida?

1. Decida se você está satisfeito como você está ou se você quer que seu cálice cheio.
- Há uma velha canção que diz: "Estou bebendo do meu cálice, porque o meu cálice transbordou" Você quer viver uma vida de alegria transbordante?
- O Salmo 51:12 contém uma oração para você orar.
- Você nunca vai chegar a essa alegria profunda, a menos que você decida que está insatisfeito com a condição que você está agora.
2. Reconhecer que a alegria aumenta quanto mais perto você chega de Deus.
- Você não pode estar distante de Deus ou preocupado com outras prioridades em sua vida e ainda esperar desfrutar de uma alegria mais profunda.
- Chegar mais perto de Deus não é ser "religioso"; trata-se de permanecer na plenitude da alegria do Senhor. Trata-se de receber a vida abundante que Ele quer dar (João 10:10).
3. Procure maneiras de fazer aqueles a sua volta, felizes.
- Pare de acreditar na mentira de que a alegria virá quando você se colocar à frente dos outros. A alegria virá em sua vida através de se dar para aqueles que o rodeiam.
- O que você pode fazer hoje que traria um sorriso ao rosto de seu esposo? O que você pode fazer esta semana que faria com que os seus filhos dissessem: "Legal!" Coloque um sorriso em seus rostos e haverá um no seu também. Por quê? Porque você está investindo nessas relações importantes.
4. Rejeitar a tentação de "felicidade instantânea", que é, na verdade, imitações patéticas da alegria mais profunda de Jesus.
- A atração da pornografia ou de se tornar uma viciada em compras inclui a promessa de que essas coisas vão fazer você feliz. Cuidado com o anzol nessas iscas! Essas tentativas rasas na felicidade são um substituto pálido e patético para a alegria duradoura e mais profunda que Jesus oferece.
 
Conclusão: Você está cansado de viver com o seu poço seco? Dê um passo em direção a Deus, esta noite, crendo que Ele é a fonte de alegria mais profunda.
 
Pr. Aldenir Araújo

4 de dezembro de 2013

Três Razões Porque Deus Permite a Adversidade
Três razões porque Deus permite a adversidadeTexto: Atos 9:1-8
 
Introdução: Deus permite adversidade, angústia, provações, tribulações e sofrimentos para que sejam valiosas lições de experiência em nossas vidas.

Estas adversidades podem levar-nos a um nível maior de conhecimento e entendimento. Elas também podem mudar a nossa percepção ou visão do mundo que nos rodeia e nosso relacionamento com Deus. A adversidade também pode nos levar a mudar o nosso comportamento.

O Senhor é o mestre final e devemos olhar para ele para entender o significado ou a lição que ele está nos dando na adversidade. Primeiro temos que estar dispostos a reconhecer que a adversidade que estamos passando pode trazer algo de positivo em nossas vidas. Precisamos nos lembrar de que Deus deseja que a adversidade tenha um propósito bom e benéfico para nos tornar mais semelhantes a Jesus Cristo.
 
Com tudo isso em mente, podemos fazer uma perguntar quando a adversidade chega: Qual proposito o Senhor tem para permitir esta adversidade na minha vida?

Deus permite a adversidade, por três razões:

1. Para chamar nossa atenção
2. Para nos levar a um autoexame
3. Para nos levar a um lugar onde vamos mudar a nossa crença ou o nosso comportamento

I. Deus Usa a Adversidade Para Chamar Nossa Atenção

A. Em muitos sentidos somos como alunos em uma sala de aula, quando se trata de ouvir a Deus.
1. Para que o professor na sala de aula alcance qualquer aprendizagem dos alunos, primeiro ele tem que chamar a atenção deles.
2. Às vezes o Senhor usa a adversidade para nos acordar e para chamar nossa atenção para que possamos olhar para ele e aprender com ele.

B. O exemplo de Saulo de Tarso, em Atos 9:1-8
1. Saulo de Tarso tinha uma missão:
a. A missão de Saulo era ir a Damasco e matar o maior número de discípulos do Senhor que ele pudesse encontrar e qualquer pessoa que ele encontrasse ao longo do caminho.
b. Até esta viagem o objetivo principal de Saulo em toda a sua vida foi a perseguição dos cristãos. Nota Atos 9:1
2. A adversidade chama a atenção de Saulo: Nota Atos 9:3
a. O Senhor chama a atenção de Saulo, fazendo com que uma grande luz lhe cegasse temporariamente.
b. Esta adversidade não só chama a atenção de Saulo, mas também o humilha diante de seus companheiros de viagem que iam com ele.
c. O Senhor perguntou a Saulo no versículo 4 "Por que me persegues" fazendo Saulo perceber que toda a sua vida tinha sido perseguir o Senhor e não apenas os cristãos.
d. Isso fez com que Saulo olhasse para si mesmo e percebesse o quão errado sua vida e suas ações tinham sido.
3. A conversão de Saulo:
a. Esta aflição intensa de adversidade levou Saulo a mudar sua vida completamente ao redor.
b. Vemos no versículo 20 que, em questão de dias, ele estava pregando e anunciando Jesus Cristo como o Filho de Deus.
c. É fácil ver o valor da adversidade, quando olhamos para a história de Saulo.
d. Porque ele foi humilhado e inclusive ficou cego, Saulo reconheceu que precisava mudar de vida.
e. Deste ponto em diante, Saulo passou a ser conhecido como o apóstolo Paulo.
f. Ele pregou o evangelho de Jesus Cristo e plantou igrejas por todo o mundo romano.

C. Nota. Salmo 25:1-7
1. Esta é uma oração que Davi escreveu que podemos aplicar em nossas vidas, quando o Senhor nos chama a atenção com a adversidade.
2. Devemos responder rápido e humildemente a ele e ouvir o que ele está dizendo para nós.

II. A Adversidade Nos Leva a um Autoexame.

A. Examine-se a si mesmo.
1. Quando Deus usa a adversidade para nos desperta ou nos motivar, devemos parar de olhar para a vida dos outros e examinar a nós mesmos.
a. Muitas vezes quando o problema ocorre, tendemos a assumir outra personalidade.
b. O termo "O verdadeiro eu" pode finalmente mostrar completamente.
2. Como cristãos devemos praticar o autoexame de uma forma contínua, regular.
a. Nota I Coríntios 11:28
b. Aqui Paulo está dizendo aos coríntios para examinarem-se a si mesmos para avaliar o seu merecimento na participação da ceia do Senhor.
3. Devemos tomar o tempo para pesquisar dentro de nós mesmos para descobrir o que nos impulsiona, motiva ou nos seduz.

B. Seja um templo para o Senhor.
1. Se vivemos em circunstâncias negativas do passado, elas vão nos arrastar para baixo e nos impedir de se aproximar mais de Deus.
2. Algumas das coisas que podem ser lembranças antigas, tentações, feridas não curadas, ou relacionamentos irreconciliáveis ​​do passado.
3. Cada um de nós é um templo do Espírito Santo e a vontade de Deus para nós é que sejamos vasos limpos e utilizáveis ​​para o Senhor.
4. Ele deseja que sejamos livres de qualquer coisa que vai nos atrapalhar mentalmente, psicologicamente, espiritualmente de segui-lo.
5. Às vezes, temos a tendência de ser complacentes e aceitar o sofrimento e a dor do passado como apenas uma parte de quem somos.
6. Foi quando o Senhor enviou a adversidade para nós fazer examinar a nós mesmos e nos encorajar a seguir o que podemos ser em Cristo, se nós só olharmos para ele.
7. Quanto mais tempo nós deixamos as questões espirituais sem solução, maior será a sua influência negativa em nossas vidas e será mais fácil se afastar de Deus e esquecer que ele está lá para nós.
 
Pensamento: Se Deus não permitisse a pressão sobre nós por meio da adversidade, seríamos atraídos para mais perto dele e do propósito que ele tem para a nossa vida, ou nós iriamos a deriva para mais longe dele? Como Deus pode influenciar a nossa vida e nos guiar para onde ele quer que estejamos se não estamos indo na direção certa?

III. A Lição Eficaz Conduz a Uma Mudança de Comportamento

A. Reconhecer a necessidade de uma mudança
1. O professor, por vezes, irá preparar os objetivos comportamentais como uma medida para ver se seus alunos estão respondendo ao seu ensino.
2. Esperamos que o caráter que o professor tem se esforçado para ensinar; seja indicado por uma mudança de comportamento e atitudes por parte dos alunos.
3. As lições que o Senhor nos dá através da adversidade são também para mudar nosso comportamento e mudar as nossas crenças que podem influenciar o nosso comportamento.
4. Para alguns, o autoexame pode ser uma experiência dolorosa.
a. Precisamos lembrar que não importa o que encontramos dentro de nós, Deus sabe disso e está pronto para que nós nos acheguemos a ele.
b. Ele tem o nosso melhor interesse em mente e está sempre lá para nos ajudar a lidar com a dor e os sofrimentos que temos escondido dentro de nós.
c. Quando Deus nos mostra as nossas falhas e deficiências por meio das adversidades, precisamos reconhecer a necessidade de olhar para ele para nos ajudar e reconhecer a necessidade de uma mudança nossa vida.
d. O resultado será uma caminhada mais íntima com Deus e um amadurecimento do nosso espírito em direção a ele e um reflexo do seu amor será mostrado através de nós para aqueles que nos rodeiam.

B. Nosso crescimento contínuo é o desejo do Senhor
1. Não é suficiente que Deus pode chamar nossa atenção através de adversidades e exercitar o autoexame por causa deles.
2. Nós também temos que mudar a nossa resposta para com Deus de alguma forma para nos beneficiar plenamente e crescer a partir da adversidade que ele nos envia.
3. O Senhor não deseja que nós paremos em algum momento de nosso crescimento em direção ao todo completo como seres humanos.
4. Ele tem um nível de perfeição para as nossas vidas que, provavelmente, não vai chegar, mas devemos nos esforçar continuamente para crescer espiritualmente e chegar o mais próximo a esse nível que pudermos.

C. A adversidade inspira uma resposta para o crescimento
1. Quando nos tornamos complacentes em nossas vidas o Senhor faz com que as adversidades entrem em nossas vidas como uma forma de nos mover para frente em nossa caminhada espiritual com ele.
2. Ele não quer chamar a atenção apenas de pecadores não salvos, mas ele também deseja a atenção daqueles que o amam também. Deus deseja e incentiva todos nós a praticar com frequência o autoexame, para que possamos ver nossos defeitos e ver aquelas coisas que temos escondido dentro de nós que precisamos cuidar.

D. A adversidade inspira uma mudança
1. A vontade do Senhor para nós é completar essa tarefa difícil de mudar nossas crenças e mudar o nosso comportamento em nossas vidas, para que possamos ser um em harmonia com Deus e usar nossas vidas como se o próprio Deus estivesse andando conosco.
2. Para que isso aconteça, temos que usar as adversidades para avançar, crescer espiritualmente e olhar continuamente em direção a Jesus Cristo para nos ajudar através delas.
 
Conclusão e questões para reflexão: Você consegue se lembrar de uma experiência em sua vida em que você crê que o Senhor chamou a sua atenção? Como você respondeu a isso? Qual foi o resultado?

Você consegue se lembrar de uma experiência em que você crê que o Senhor o levou a examinar uma determinada área de sua vida de uma maneira específica e focada? Foi uma experiência dolorosa para você? Como você respondeu a isso? Qual foi o resultado?

2 de dezembro de 2013

Seguros em um mundo inseguro
Seguros em um mundo inseguroTexto: Salmos 46:1-11
 
Introdução: Como podemos estar seguros vivendo em um mundo inseguro?

O salmista nos diz através de sua própria experiência: "Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia" Isso é onde podemos encontrar a verdadeira segurança e paz.
 
Neste salmo, o salmista nos lembra de três coisas:

1. A nossa segurança está em Deus, não neste mundo.

Devemos olhar para o Criador, e não para a criação, amar o Doador, e não os presentes. Este mundo tem pouco a nos oferecer. Ele diz que a terra pode se transtornar, as montanhas podem cair no mar, e as águas podem tumultuar e espumar, e os montes podem se abalar.
 
Somos convidados a voltar-se para Deus, pois só Ele pode ser o nosso refúgio e fortaleza. Deus é o nosso auxílio sempre presente. Ele é a nossa esperança, e nada mais.
 
Temos apenas uma fonte de segurança - Deus. Quando a economia entra em colapso, estalam as guerras, os desastres naturais destroem nossas casas, o governo falha, a nossa saúde se deteriora, ou amigos nos traem, Deus é o único lugar onde podemos encontrar segurança. Nosso mundo, com todos os seus avanços em educação, tecnologia e ciência, não é mais seguro hoje do que era há milhares de anos. Na verdade, nos sentimos mais ameaçados hoje do que aqueles dias em que as pessoas viviam em aldeias, em cabanas de madeira.
 
Uma história verdadeira: Um casal aposentado estava alarmado com a ameaça da guerra nuclear, e, portanto eles realizaram um estudo sério de todos os lugares habitados no globo. O objetivo deles era determinar em que lugar do mundo seria o lugar menos provável ser afetado por uma guerra, um lugar de segurança máxima.
 
Eles estudaram e viajaram, viajaram e estudaram. Finalmente encontraram o lugar - uma ilha. E no Natal eles enviaram ao pastor um cartão de sua nova casa - nas Ilhas Falkland.
No entanto, a história nos diz que o que eles chamaram de "paraíso" logo se transformou em uma zona de guerra entre a Grã-Bretanha e a Argentina.
 
Qualquer coisa pode acontecer, a qualquer momento. Estamos à mercê das circunstâncias. Não há nenhuma segurança a menos que tenhamos nos colocado na mão daquele que detém a eternidade, que está no controle de todas as coisas.
 
Nós precisamos nos voltar para Deus, mais ainda nestes últimos dias. O tema para este ano será a oração. Somente quando buscamos a Deus, podemos encontrar descanso para nossa alma. O salmista escreveu: "Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus" (V.10)
 
A Bíblia diz: "Uns confiam em carros, outros, em cavalos; nós, porém, nos gloriaremos em o nome do Senhor, nosso Deus. Eles se encurvam e caem; nós, porém, nos levantamos e nos mantemos de pé" (Salmo 20:7-8).
 
Deus está sempre esperando nos ouvir clamar a Ele por ajuda. E se nós clamarmos, ele vai responder.
 
Isto é importante. Quando você está seguro em Deus, você não precisa da segurança de outras coisas. Nós acreditamos que Deus ainda está no controle e bem colocado em seu trono. É por isso que podemos dizer: "Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia. Portanto, não temeremos, ainda que a terra se transtorne e os montes se abalem nos seio dos mares" (Salmo 46:1-2).
 
A segunda verdade que precisamos ter plantada profundamente em nossas vidas é esta:
 

2. Nossa segurança vem da nossa fé, não de nossa circunstância.

Mas o salmista foi capaz de se sentir seguro e feliz, não por causa dessas coisas. Ele diz no versículo 5 - Deus está no meio da cidade, e, portanto, ela não vai cair. E no versículo 7: "O Senhor dos Exércitos está conosco... " Sua fé está na presença de Deus, que lhe dá esperança e segurança. Não porque a cidade tem enormes muros ou portões fortes, não porque eles são guerreiros experientes ou tem grandes armas, mas porque Deus está com eles.
 
Oramos hoje, não para ter uma boa vida ou para Deus nos tornar ricos. Deus pode nos abençoar materialmente com as riquezas. Deus quer que desfrutemos Seus bons presentes, assim como queremos que nossos filhos desfrutem do que nós lhes damos. Mas Ele não quer que a gente dependa dessas coisas - Ele quer que dependamos dele. Nossa confiança não está nas coisas, mas nEle.
 
Oramos por uma fé forte, que, no meio de um mundo em mudança, vamos continuar a confiar que Deus está conosco. Sua presença será a nossa paz e alegria. Queremos ter fé nEle, não importa o que aconteça.
Jesus disse: "Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; eu não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize" (João 14:27)
 
Há aqueles que vivem em grande prosperidade - eles têm muito dinheiro e posses - mas suas vidas são consumidas com preocupação e medo. Há aqueles no mundo de hoje que vivem em lugares muito difíceis e perigosos, e ainda têm uma grande sensação de segurança, porque eles colocaram sua fé e esperança em Deus.
 
Jó estava privado de tudo ao seu redor, mas ele optou por colocar sua confiança em Deus. Ele estava abalado, mas ele não caiu. A Bíblia diz: "Os que confiam no Senhor são como o monte Sião, que não pode ser abalado, mas permanece para sempre" (Salmo 125:1).
 
Segurança não é a ausência de problemas, mas a confiança e a coragem que temos no meio da angústia - isto vem de uma fé em Deus. É essa fé que dá ao salmista a coragem de dizer: "Não temeremos" (V.2)
 
Podemos ter a mesma coragem hoje. Jesus disse: "Tenho-vos dito estas coisas, para que em mim tenhais paz. Neste mundo tereis aflições. Mas tende bom animo! Eu venci o mundo" (João 16:33) . Nossa confiança não pode ser abalada, porque nós temos um Deus que está no controle completo. Temos coragem, não porque somos fortes, mas porque temos um Deus que é forte. Ele é poderoso e Ele governa sobre tudo. Deus não mudou, e Seu amor vai nos manter seguros.
 
Paulo pergunta: "35 quem nos separará do amor de Cristo? a tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada?... 37 Mas em todas estas coisas somos mais que vencedores, por aquele que nos amou" (Romanos 8:35, 37)
 
Estamos seguros em um mundo inseguro porque Aquele que nos ama está conosco.
 
A terceira verdade que precisamos ter plantada profundamente em nossas vidas é esta:
 

3. A nossa segurança está na eternidade, não no presente.

"Vinde, comtemplai as obras do Senhor" Em última análise, Deus vence.
 
Este mundo não é nosso lar. Se você está olhando apenas para as circunstâncias presentes, você será abalado, mas se a sua vida está fundamentada na eternidade você vai se manter firme.
 
Como cristãos, nossa vida tem uma dimensão eterna. Sabemos que nada do que acontece aqui pode prejudicar ou alterar as coisas que são importantes para nós - a nossa relação com Deus, nosso lar no céu, a presença de nossos entes queridos e amigos que conheceram Cristo e vivem por ele. Nada pode mudar essas coisas. Ninguém pode levá-las embora.
 
A Bíblia diz: "E sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito" (Romanos 8:28). Deus age em todas as situações de nossas vidas para trazer o Seu proposito. Ele não é a causa delas, mas Ele as usa.
 
Entendemos que determinadas coisas como, por exemplo, o ataque terrorista as torres gêmeas nos Estados Unidos não eram a vontade de Deus. Aqueles que o fizeram iam contra a sua vontade. Deus não teve nada a ver com eles, mas Deus vai usar essas coisas para os Seus propósitos eternos.
 
Nossa confiança não está no sobe e desce da bolsa de valores. Nossa segurança não está na forma como a notícia é boa na televisão. Pois o Senhor diz neste salmo: "Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus; sou exaltado entre as nações, sou exaltado na terra" (Salmo 46:10).
 
Como cristãos, nós entendemos que há mal no mundo. Mas também sabemos que Deus está no mundo. Mas Deus julgará o mal neste mundo. Em última análise, o bem triunfará sobre o mal, a verdade será vitoriosa sobre a mentira e o amor vai prevalecer sobre o ódio. Deus vence, sempre!
 
Não há garantias neste mundo para nenhum um de nós. Nós não estamos imunes aos danos deste mundo, mas somos amados - temos um Pai que cuida de nós, Seus filhos - e essa é a nossa segurança. A canção diz: "Este mundo não é a nossa casa, estamos só de passagem. Os nossos tesouros estão em algum lugar além do céu azul"
 
Estamos seguros em um mundo inseguro, porque nossa segurança está na eternidade, não no presente.
Nós temos um Deus bom, e Ele vai nos levar com segurança de volta para a nossa casa eterna no céu.
 
Podemos nos voltar para ele. Devemos nos voltar para ele. Ele está conosco. Não importa onde a viagem nos levará, Ele toma a nossa mão e caminha ao nosso lado. Não há melhor notícia. Não há maior segurança.
A segurança que você deve ter é a segurança do próprio Deus.
 
Salmo 9:9-10 "O Senhor é também um alto refúgio para o oprimido, um alto refúgio em tempos de angústia. Em ti confiam os que conhecem o teu nome; porque tu, Senhor, não abandonas aqueles que te buscam”.
 
Através da oração, entramos no refúgio de Deus. Vamos melhorar a nossa vida de oração no próximo ano.

Que o próximo ano seja um ano de oração perseverante.
 
Pr. Aldenir Araújo
Minha Sombra e Eu
Minha sombra e euTexto: Atos 5:15
 
Introdução: A necessidade de sombras.
- Há muita mágoa, sofrimento e cansaço no mundo.
- Os que sofrem estão à espera de alguém que passe pelo seu caminho e lance uma sombra de compaixão sobre eles.
- O homem coxo olhou para Pedro e João, porque ele acreditava que eles poderiam ajudar.
- Os oprimidos, os angustiados, os tristes, os solitários, os desanimados, os pecadores, os necessitados, todos olham para nós esperando uma bênção.
- Eles têm o direito de fazê-lo. Afinal de contas, nós nos denominamos "cristãos”.
[post_ad]
Vamos determinar hoje lançar uma boa sombra. Podemos não ter esta oportunidade com alguém novamente.

1. Minha sombra é inevitável.

- Independentemente da nossa estatura, todos nós temos uma sombra.
- Ricos e pobres lançam uma sombra.
- Crentes e não crentes lançam uma sombra.
- Nossa sombra é inevitável, para o bem ou para o mal?

2. Minha sombra é silenciosa.

- Muitas coisas nós fazemos em público: pregar, ensinar, orar, cantar, testemunhar...
- Mas a nossa maior influência é a vida que vivemos.
- Muitos anos atrás, na Inglaterra foi publicado um livro intitulado, John Inglefant. O livro foi um fiasco. Apenas 100 cópias foram vendidas, e 60 delas foram dados ao autor. Um dia William Gladstone, primeiro-ministro da Grã-Bretanha, foi sentar-se para uma fotografia. Para tornar a foto mais realista, o fotógrafo pediu a Gladstone para segurar um livro, como se estivesse lendo. A foto oficial foi lançada e as pessoas por toda a Inglaterra e o mundo viram Gladstone lendo John Inglefant. Houve uma corrida para as livrarias e várias novas edições esgotadas.

3. Minha sombra me representa.

- Nossa vida diz às pessoas mais sobre nós do que nossas palavras.
- Estamos escrevendo um evangelho que vivemos a cada dia, pelas obras que fazemos, e as palavras que dizemos. Homens leem o evangelho seja infiel ou verdadeiro, é o "Evangelho segundo você”.
- (2 Coríntios 3:2) Vós sois a nossa carta, escrita em nossos corações, conhecida e lida por todos os homens:
- Em Atos 5, o povo conhecia o caráter de Pedro, e queria sua influência em sua vida para o bem.
- A nossa sombra nos representa, seja bom ou ruim.
- No Chile há uma árvore que fornece uma sombra maravilhosa no calor do sol tropical, mas um veneno sai de sua casca. As pessoas que não sabem, muitas vezes se sentam debaixo da árvore para alívio e acaba com rostos inchados, ou as mãos, e algumas vezes a morte.
- 2 lições : (1) Não deixe que a sua sombra envenene outros, e (2) não se sente sob a sombra da influência de outros que podem envenenar a sua doutrina, atitude, confiança em Deus , ou a sua fé nas pessoas.

4. Minha sombra é indestrutível.

- Assim que lançamos uma influência, não podemos tomá-lo de volta.
- Uma alma miserável clamou em seu leito de morte: "Oh! Que a minha influência possa ser recolhida e enterrada comigo".
- Mais de 100 anos depois de John Wesley pregar em uma pequena aldeia, um nobre parou na vila para tomar uma bebida, e não encontrou um lugar que vendia bebida alcoólica.

5. Minha sombra se estende.

- À medida que vivemos nossas vidas, nossa influência toca mais e mais pessoas.

6. Minha sombra deve abençoar.

- Nossa sombra deve levar o abatido a olhar para cima, e deve fazer com que o desanimado tome um novo coração.

7. Eu lanço a melhor sombra quando estou na relação adequada com a luz.

- Aqueles que vivem na escuridão não pode lançar nenhuma sombra para o bem.
- Jesus é a luz do mundo.
- Ande com ele e lance sua sombra para o bem.
 
Conclusão:
 
Pr. Aldenir Araújo

27 de novembro de 2013

A quem escolher servir?
A quem escolher servir?Texto: Josué 24:15
 
Introdução
A. A palavra comumente traduzida como “adoração” no Novo Testamento está imbuída da ideia de grande humildade e respeito.
B. Quando os antigos falavam de adoração, o faziam com o entendimento de que estavam aproximando-se de alguém que merecia grande reverencia.

I. Devemos escolher a quem servir.

[post_ad]
A. Israel teve que tomar esta decisão quando se estabeleceu em Canaã (Josué 24:15).
B. Esta escolha determinou toda a questão durante toda uma geração (Josué 24:31; cf. Juízes 2:10).
C. Alguns não sabem o que ou a quem adoram (2 Reis 17:25-33; João 4:22; Atos 17:23).
D. Nós podemos escolher somente um objeto de adoração (Josué 24:23; Mateus 6:24).
E. Se decidirmos escolher a Deus, isto determinará a verdade com relação a muitos outros temas (Deuteronômio 12:5; 2 Timóteo 3:16-17).

II. Se escolhermos servir a Deus, como devemos adora-lo?

A. Primeiramente devemos entender que Deus tem padrões mais elevados (Levítico 11:44; Josué 24:19-20; 1 Pedro 1:14-16).
B. Em cada situação devemos dar a Deus o melhor (Miquéias 6:6-8; Malaquias 1:8; Mateus 2:11).
C. Em cada situação devemos adora-lo como Ele ordena (1 Coríntios 11:23-34; Hebreus 10:25).
 
Conclusão
A. Nosso objeto de adoração será a quem obedeceremos em qualquer decisão que tomemos (Romanos 6:16).
B. Em vez de servir a “os deuses de nossos pais” ou “os deuses da terra” (cf. Josué 24:15), determinemos servir ao Deus verdadeiro do céu.
 
Pr. Aldenir Araújo

25 de novembro de 2013

A História do Pecado
A história do pecadoTexto: Hebreus 3:13
"antes exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama Hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado"
 
Introdução: Charles Haddon Spurgeon reconheceu como o maior elogio feito a ele as palavras de um inimigo declarado, que disse: "Aqui está um homem que não se moveu uma polegada para frente em todo o seu ministério. No final do século 19 ele ainda está pregando a teologia do primeiro século e está proclamando a doutrina de Nazaré e Jerusalém, que era atual há 1.800 anos”.
[post_ad]
O que foi dito de Spurgeon precisa ser dito de cada pregador do Novo Testamento. Precisamos pregar sobre o pecado, uma vez que foi pregado pelos servos de Deus 2000 anos atrás.
 
Definição de pecado
1. "O pecado é uma transgressão, um mal, uma violação da moral aceita, código religioso”.
2. Pecado é qualquer falta de conformidade com o caráter de Deus.
3. O pecado é uma doença incurável irremediavelmente da alma.
4. O pecado é rebelião contra Deus.
5. O pecado é o oposto da santidade de Deus e da moralidade.

I. A forma como o pecado começou

1. O pecado começou no universo com a rebelião de Satanás.
Isaías 14:12-14 "Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filha da alva! como foste lançado por terra tu que prostravas as nações! E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono; e no monte da congregação me assentarei, nas extremidades do norte; subirei acima das alturas das nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo"
2. O pecado começou no mundo com a rebelião de Adão e de Eva.
Gênesis 3:6-7 "Então, vendo a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento, tomou do seu fruto, comeu, e deu a seu marido, e ele também comeu. Então foram abertos os olhos de ambos, e conheceram que estavam nus; pelo que coseram folhas de figueira, e fizeram para si aventais"
Romanos 5:12 "Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porquanto todos pecaram"
3. O pecado começa no homem, pois o coração é enganoso.
Jeremias 17:9 "Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o poderá conhecer?”.
Mateus 15:18-19 "Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, de modo nenhum passará da lei um só i ou um só til, até que tudo seja cumprido. Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus"

II. A forma como o pecado afeta o homem

1. Ele fez do homem um transgressor - Separado de Deus.
Isaías 59:2 "mas as vossas iniquidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados esconderam o seu rosto de vós, de modo que não vos ouça"
2. Tornou o homem culpado e condenado perante Deus.
João 3:18 "Quem crê nele não é julgado; mas quem não crê, já está julgado; porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus"

III. A forma como o pecado afeta Deus

1. É contrário à sua santidade.
2. Ele provoca a ira de Deus.
João 3:36 "Quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, porém, desobedece ao Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus"

IV. A forma como o pecado afeta as nossas vidas

1. O pecado tem uma lei da semeadura e da colheita.
Gálatas 6:7-8 "Não vos enganeis; Deus não se deixa escarnecer; pois tudo o que o homem semear, isso também ceifará. Porque quem semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas quem semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna" .
2. O pecado é excessivamente maligno
a. Êxodo 20:3-17 - Dez Pecados
b. I Coríntios 6:9,10 - 5 Pecados
c. Romanos 1:29-31 - 19 Pecados
d. I Timóteo 1:19-11 - 6 pecados
e. Colossenses 3:5-8 - 7 pecados
f. Gálatas 5:19-21 - 9 Pecados
g. Marcos 7:20-23 - 3 pecados
 
Mais de 50 pecados separados

V. A forma como o pecado afeta o nosso futuro

1. Hebreus 9:27 "E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo"
2. Romanos 5:12 "Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porquanto todos pecaram"

VI . A maneira de escapar - Deus providenciou um meio

João 3:16 "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna"
Romanos 5:8 "Mas Deus dá prova do seu amor para conosco, em que, quando éramos ainda pecadores, Cristo morreu por nós”.
Efésios 1:7 "em quem temos a redenção pelo seu sangue, a redenção dos nossos delitos, segundo as riquezas da sua graça"
João 5:24 "Em verdade, em verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna e não entra em juízo, mas já passou da morte para a vida"
 
Pr. Aldenir Araújo
Pecado; a pior prisão que existe
Pecado; a pior prisão que existeTexto: Marcos: 15:7
 
Introdução: O texto nos diz sobre um homem chamado Barrabás, que foi preso e estava simplesmente esperando a execução. Não há muito na Bíblia sobre Barrabás. Não há nada sobre a sua juventude ou seus pais. Parece que Barrabás pode ter sido criado com a turma errada e ele definitivamente estava andando com as pessoas erradas.
Sabemos que ele está na prisão com outros que fizeram uma insurreição contra o governo e cometeram homicídio. Ele também era um ladrão de acordo com João 18:40 e Atos 3:14. Durante anos, ele tinha estado cometendo crimes com seus amigos, até que foi finalmente capturado e colocado em algum lugar, de onde ele não podia sair.
[post_ad]
Eu quero pregar sobre este assunto: “Pecado; a pior prisão que existe”.

I. Ele estava preso a seu pecado

A. E havia um, chamado Barrabás, que estava preso. (Marcos 15:7).
B. Ele era um prisioneiro, portanto, ele estava algemado.
C. Muitos de vocês esta noite estão acorrentados ao seu pecado e a coisa mais triste sobre isso é que você não tem a chave para abrir as algemas.
D. O pecado tem te envolvido e muitos de vocês nem sabem como chegaram lá. Tudo o que você sabe é que você está lá e você não quer estar.

II. Ele estava com aqueles que lhe prometeram muito, mas lhe deram o mínimo.

A. Ele estava preso com aqueles que tinham feito o motim juntamente com ele. (Marcos 15:7).
B. Ele havia seguido a multidão errada e agora ele era o único que ia pagar por isso.
C. Em nenhum lugar da Bíblia você encontra os outros que estavam com ele, serem condenados a morrer a morte que Barrabás foi condenado.
D. Muitos de vocês que estão ouvindo a minha voz simplesmente seguiram a multidão errada e agora você é o único a pagar por isso.
E. Eles arrastaram você para longe de Deus e as pessoas que amam você, e agora eles se foram e deixaram você em uma prisão escura e fria para morrer.
F. Você é o único a sofrer as consequências.

III. Ele estava em um lugar onde ele não podia sair

A. Ele estava na prisão. (João 23:19)
B. A prisão é um lugar onde há trancas e a câmara da morte está lá.
C. Muitos de vocês nesta manhã estão detidos na prisão de pecados.
D. É um lugar frio, escuro e solitário.
E. É frio e escuro, porque não há luz brilhando.
F. Você percebe que uma pessoa que permanece no escuro por um longo período de tempo se torna cego fisicamente. Alguns estão no escuro por muito tempo.
G. É solitário porque não há amor na prisão. Há apenas raiva e tristeza e a angustia de querer saber como você chegou lá.
H. Já passou pela sua mente como você pode sair?

IV. Ele precisava de alguém para abrir a porta

A. Barrabás não poderia desbloquear seus grilhões por conta própria.
B. Ele não tinha a chave da porta.
C. Tudo o que ele sabia era que ele nunca teve a chance de sair por aquela porta que o segurava, o prendia.
D. Um dia a oportunidade surgiu, não por acidente, mas um homem chamado Jesus pagou a sua fiança.
E. Você nunca leu que Barrabás esteve na prisão novamente.
 
Conclusão: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” João 8:32
 
Pr. Aldenir Araújo

22 de novembro de 2013

20 erros que o pregador não deve cometer
20 erros que o pregador não deve cometer

  1. Pregar sem ter um alvo ou objetivo a ser alcançado.
  2. Desistir de pregar porque não foi bem sucedido em ocasiões anteriores
  3. Viver sempre improvisando ou preparando sermões de ultima hora ou não, nunca meditar.
  4. Falar de um assunto que não está bem familiarizado ou começar em gêneses e de repente, já tá em apocalipse.
  5. Gritar exageradamente no microfone, lembrar que os irmãos tem 2 ouvidos. (Retificando que, o espírito santo age, conforme seja a sua personalidade, temperamento, mas, ter um pouquinho de controle é sempre bom como Ético.)
  6. Exagerar nas gesticulações, machucar a bíblia ou testar a resistência do Púlpito
  7. Pregar sempre os mesmos sermões,(versículos) nunca procurar algo novo.
  8. Pregar um sermão que ouviu de outro pregador e até mesmo distorcê-lo.
  9. Pregar sem ler a bíblia. (Motivos: não sabe ler ou tá sem enxergar ou acha-se uma máquina de recitação de versículos, a gloria é pra Deus, não pra você).
  10. Pregar “muito” e orar pouco, exigir muito e não fazer nem um pouco
  11. Brincar excessivamente durante a pregação. Onde fica a moral?
  12. Usar o púlpito para desabafar, detonar “alguém”, criticar.
  13. Nunca receber críticas e nunca admitir que pode-se e precisa melhorar
  14. Não gostar de ler a (bíblia, bíblia, bíblia) A palavra é alimento Espiritual Mateus 4.4
  15. Pregar com fins lucrativos ou preocupado com venda de apostila, CD,DVD e etc.
  16. Citar, durante a pregação, testemunhos que não se conhece a procedência ou incoerente com a realidade, vindo de outro “mundo”.
  17. Querer fazer de uma experiência pessoal, uma doutrina a todos.
  18. Só pregar sermões preparados por outra pessoa.
  19. Manipular o povo, conduzindo-os a um falso "mover do espirito"
  20. Não se Preocupar com o RELÓGIO e O TEMPO NÃO É SÓ SEU. O povo precisa também dormir. Não é obrigado se guiar por aqui.
Qual o objetivo aqui? Diminuir alguém? Só pessoas egocêntricas ou que não quer admitir que, poderá pensar assim pois, isso é pra orientar e aperfeiçoar os servos de Deus. Pois não é de qualquer forma, jeito ou maneira que se sobe ao púlpito e acabou já era.
 
Ordem e decência sobre tudo no templo do altíssimo. 1 Timóteo 4.16 Tem cuidado de ti mesmo e do teu ensino...( Uma obra pra quem quer servir a Deus sem correr o risco de: (Mangação, ridículo, imaturidade, etc.) Um mini-auxilio a guiar os servos de YHWH o El Roi. Pois ele é o nosso Yasha. Deus sempre quer o melhor de todos.
 
Contextualizado por Marquinhos Lutero.
 
Bibliografia: Marinho, Robson Moura. A arte de pregar. Edições Vida Nova. cabral, Elienai. O pregador eficaz. Edições CPAD key, jerry Stanley. O preparo e a pregação do sermão. Editora Juerp.

Recomendo 102 erros que os pregadores não devem cometer

É um livro com destino prático. Você terá acesso a coletânea das experiências vividas por quem prega a palavra de Deus a quase 2 décadas. O Livro tem o propósito de oferecer uma ferramenta prática de consulta e ajuda a todos amantes e pregadores da genuínos da palavra de Deus. 

1 - RECOMENDADO - Para pregadores iniciantes que desejam evitar os erros mais comuns no início do seu ministério. 

2 - TRANSFORMAÇÃO - O objetivo principal do livro e trazer uma transformação real e prática para todos que desejam tornar-se grandes pregadores. 

2 - GARANTIA - Se depois de 30 dias você achar que o material não é para você Eu devolvo todo seu dinheiro sem burocracia. Clique aqui para saber mais

20 de novembro de 2013

As características de liderança de Moisés
As características de liderança de MoisésTexto: Hebreus 11:23-29
 
Hebreus 11:23 Pela fé Moisés, logo ao nascer, foi escondido por seus pais durante três meses, porque viram que o menino era formoso; e não temeram o decreto do rei.
Hebreus 11:24 Pela fé Moisés, sendo já homem, recusou ser chamado filho da filha de Faraó;
Hebreus 11:25 escolhendo antes ser maltratado com o povo de Deus do que ter por algum tempo o gozo do pecado,
Hebreus 11:26 tendo por maiores riquezas o opróbrio de Cristo do que os tesouros do Egito; porque tinha em vista a recompensa.
Hebreus 11:27 Pela fé deixou o Egito, não temendo a ira do rei; porque ficou firme, como quem vê aquele que é invisível.
Hebreus 11:28 Pela fé celebrou a páscoa e a aspersão do sangue, para que o destruidor dos primogênitos não lhes tocasse.
Hebreus 11:29 Pela fé os israelitas atravessaram o Mar Vermelho, como por terra seca; e tentando isso os egípcios, foram afogados.
[post_ad]
Introdução: Um dos exemplos mais notáveis ​​de liderança na Bíblia é o exemplo de Moisés. Eu acho que é importante notar que ele aprendeu os princípios de liderança e a fé de seus pais (ver versículo 23) e ele aprendeu princípios de liderança e organização de seu sogro, Jetro (Êxodo 18:13-27 ).
 
Moisés foi um aluno capaz e se torna um líder capaz, com grandes características de liderança. Hebreus 11 lista Moisés na grande galeria dos heróis da fé e descreve as características de liderança que lhe permitiu ter sucesso na imensa tarefa que lhe foi dada pelo Senhor.

I. Fé

Hebreus 11:24 “Pela fé Moisés, sendo já homem, recusou ser chamado filho da filha de Faraó”.
 
Que incrível história de fé. Moisés, como você sabe, foi colocado pela fé no rio e salvo das águas pela filha do Faraó e levado para ser criado como seu próprio filho. No entanto, ele foi realmente criado por seus próprios pais que fizeram o papel de babá.
 
Mas quando Moisés tinha certa idade, ele escolheu Deus e seu povo ao invés da casa, fama e riqueza de Faraó. Para isso foi necessário esperança e fé em Deus, mas isso é o que devemos ter para ser um grande líder para Deus.
 
Hebreus 11:1 “Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se vêem”.
 
Precisamos de pessoas de fé genuína na liderança cristã hoje.

II. Fidelidade

Hebreus 11:25 “escolhendo antes ser maltratado com o povo de Deus do que ter por algum tempo o gozo do pecado”
 
A integridade é a solidez moral e ética. No plano físico, é uma integralidade ou totalidade não reduzida ou ininterrupta. Muitas pessoas em posições de liderança realmente não se qualificam para a liderança, porque eles são um fracasso na área da moralidade e da ética. Eles são um fracasso na área de sua relação com Deus e isso se nota em suas relações com o homem.
 
Precisamos de mais pessoas com integridade na liderança cristã hoje.

III. Prevenção

Hebreus 11:26 “tendo por maiores riquezas o opróbrio de Cristo do que os tesouros do Egito; porque tinha em vista a recompensa”
 
Moisés viu o grande panorama não apenas os problemas do momento. Ele viu a grande figura de Deus. Muitos ficam focados na pequena figura... figura do homem. A grande figura de Deus é maior do que a figura do homem, não importa quão boa a figura do homem é.
 
As riquezas de Cristo são maiores do que as riquezas de Faraó, mesmo que o caminho para a riqueza de Cristo nos leva através do sofrimento. Ainda vale a pena seguir a Cristo.
 
Nós temos que ter uma visão que vê mais do que os problemas, mas também vê a possibilidade por causa do poder de Deus. Esta é a visão que devemos compartilhar com aqueles que Deus nos dá para liderar.

IV. Firmeza

Hebreus 11:27 “Pela fé deixou o Egito, não temendo a ira do rei; porque ficou firme, como quem vê aquele que é invisível”.
 
Decisões devem ser tomadas, mesmo se elas envolvem medo e risco. Moisés tomou a decisão de abandonar o Egito (a segurança de Israel) e sair para a terra prometida (segurança de Deus).
 
Mas sair da segurança do homem para segurança real de Deus, inevitavelmente, nos leva através do deserto e prova a nossa fé em Deus. Mas, é preciso líderes espirituais reais para liderar o caminho, mesmo em face da oposição.

V. Desempenho

Hebreus 11:28 “Pela fé celebrou a páscoa e a aspersão do sangue, para que o destruidor dos primogênitos não lhes tocasse”.
 
Agora; uma coisa é decidir e outra coisa é fazer. Quando Moisés estava negociando a libertação de Israel do Egito com Faraó, ele pronunciou as pragas, uma por uma para o Egito. Quando chegou a páscoa, Moisés conduziu Israel para ser obediente à observância, mesmo em uma terra estranha, porque isso era o certo.
 
Era uma figura da cobertura e da redenção fornecida pelo sangue derramado de Cristo na cruz. Essa aspersão do sangue salvou o crente Israel e condenou o descrente Egito. É a mesma coisa hoje. Precisamos de líderes espirituais para nos conduzir em obediência a Cristo.

VI. Liberdade

Hebreus 11:29 “Pela fé os israelitas atravessaram o Mar Vermelho, como por terra seca; e tentando isso os egípcios, foram afogados”.
 
Quando Deus diz marche, é hora de se mover. É responsabilidade dos líderes espirituais liderar o povo de Deus através do Mar vermelho da vida. O mar está na frente de nós, as montanhas estão de ambos os lados de nós, e o inimigo está se aproximando atrás de nós.
 
Deus diz que Ele vai abrir o mar e nos dar passagem a seco para o outro lado. É hora de marchar e os verdadeiros líderes com as características de liderança de Moisés conduzir o povo de Deus para o outro lado.
 
Conclusão: Não é à toa que a maioria dos judeus e dos cristãos e de outras religiões igualmente considera Moisés um dos líderes mais capazes de todos os tempos. Ele foi um grande líder espiritual que encarna as grandes características de liderança listadas na Bíblia e que não descrevem apenas Moisés, mas outros grandes líderes que seguiram a Deus, incluindo Davi, Neemias e o Apóstolo Paulo, para citar apenas alguns.
 
E, claro, as características de liderança de Cristo e seus ensinos sobre a fé ofuscam todos eles. (Hebreus 12:1-3)
 
Hebreus 12:1 Portanto, nós também, pois estamos rodeados de tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com perseverança a carreira que nos está proposta,
Hebreus 12:2 fitando os olhos em Jesus, autor e consumador da nossa fé, o qual, pelo gozo que lhe está proposto, suportou a cruz, desprezando a ignomínia, e está assentado à direita do trono de Deus.
Hebreus 12:3 Considerai, pois aquele que suportou tal contradição dos pecadores contra si mesmo, para que não vos canseis, desfalecendo em vossas almas.
 
Será que estas características de liderança descrevem o seu tipo de liderança? Talvez você precise trabalhar em uma ou duas dessas características para se tornar o líder que Deus quer que você seja para Ele na obra do Reino que Ele lhe deu.
 
Pr. Aldenir Araújo

19 de novembro de 2013

Ele é digno - A Cura do Servo do Centurião de Cafarnaum

Ele é digno - A Cura do Servo do Centurião de Cafarnaum

Texto: Lucas 7:1-10
 
Introdução: Lucas 7:4 "E chegando eles junto de Jesus, rogavam-lhe com instância, dizendo: É digno de que lhe concedas isto”.
Jesus veio buscar e salvar o que estava perdido. Nunca há um chamado para a salvação baseado no próprio merecimento. Este é um caso raro e não era um chamado com base no mérito para a salvação.
 
O povo disse: "ele é digno", mas ele mesmo sentia diferente. Podemos observar isto, em Lucas 7:6 "Ia, pois, Jesus com eles; mas, quando já estava perto da casa, enviou o centurião uns amigos a dizer-lhe: Senhor, não te incomodes; porque não sou digno de que entres debaixo do meu telhado"
[post_ad]
Uma coisa é as pessoas acharem que você é digno e outra bem diferente é você achar-se digno. O orgulho vem antes da destruição e um espírito altivo, antes da queda. Este centurião não estava motivado pelo orgulho, mas por uma fé humilde.
 
Nós não sabemos como este homem veio a conhecer Jesus. Ele pode ter visto ele em uma ocasião, ou ele pode ter visto alguém que Jesus tinha operado um milagre. Mas ele tinha a confiança evidente em Jesus e Seu poder de curar. Vamos notar algumas coisas que deve ter motivado o centurião para que enviasse os anciãos a Jesus para pedir que curasse o seu servo.

I. Em primeiro lugar, ele cria no Deus de Israel.

Isto é evidente, uma vez que ele havia construído uma sinagoga para o culto e a leitura do pergaminho.

II. Em segundo lugar, ele tinha fé. Ele tinha uma fé que Jesus elogiou.

Lucas 7:9 "Jesus, ouvindo isso, admirou-se dele e, voltando-se para a multidão que o seguia, disse: Eu vos afirmo que nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé”.
 
Aqui está um gentio sendo elogiado por sua fé. Nem uma vez Jesus elogiou seus discípulos por sua grande fé.

III. Em terceiro lugar, ele entendeu que Jesus estava operando sob a autoridade.

Ele usou a si mesmo para comparar a Jesus. Isto pode ser observado em Lucas 7:8 "Pois também eu sou homem sujeito à autoridade, e tenho soldados às minhas ordens; e digo a este: Vai, e ele vai; e a outro: Vem, e ele vem; e ao meu servo: Faze isto, e ele o faz”.
 
Quando ele disse: "Eu também sou homem sujeito à autoridade”. Ele está reconhecendo que Jesus é um homem sob autoridade. Podemos observar em João 17:2 "assim como lhe deste autoridade sobre toda a carne, para que dê a vida eterna a todos aqueles que lhe tens dado" Novamente no versículo 18 "Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviarei ao mundo"
 
O centurião reconheceu isso muito tempo antes dos discípulos de Jesus. Quando o centurião disse isso, Jesus ficou surpreso e elogiou-o por sua fé.
 
Conclusão: Verdadeiramente este homem era digno, ainda que ele não se achasse digno. Precisamos procurar ser dignos, não aos nossos próprios olhos, mas aos olhos dos outros. Mateus 5:16 "Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras, e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus"
 
Pr. Aldenir Araújo

18 de novembro de 2013

O Pregador Predileto de Jesus
O Pregador Predileto de JesusVocê pode se surpreender ao saber que Jesus tinha um pregador predileto. Pode se surpreender ainda mais em saber que não era luterano, metodista, pentecostal, anglicano ou presbiteriano. Pelo contrário, era Batista! Nós o conhecemos como João Batista, é claro! Jesus disse a respeito dele:
Digo-lhes a verdade: Entre os nascidos de mulher não surgiu ninguém maior do que João Batista (Mateus 11:11a).
Já que todos são “nascidos de mulher,” essa era outra forma de dizer que, na estima de Jesus, João Batista era a maior pessoa que já havia existido. Porque Jesus sentia isso é questão de conjectura. Contudo, parece razoável pensar que Jesus estimava João por suas qualidades espirituais. Se for verdade, com certeza seria sábio estudar e imitar tais qualidades. Encontrei pelo menos sete qualidades espirituais em João Batista que são dignas de louvor. Mesmo que o ministério de João represente melhor o ministério de um evangelista, todas as sete qualidades são apropriadas para qualquer ministro do evangelho.

Vamos considerar a primeira das sete.

A Primeira Qualidade de João

Este foi o testemunho de João, quando os judeus de Jerusalém enviaram sacerdotes e levitas para lhe perguntarem quem ele era. Ele confessou e não negou; declarou abertamente: “Não sou o Cristo”. Perguntaram-lhe: “E então, quem é você? É Elias?” Ele disse: “Não sou”. “É o Profeta?” Ele respondeu: “Não”. Finalmente perguntaram: “quem é você? Dê-nos uma resposta, para que a levemos àqueles que nos enviaram. Que diz você acerca de si próprio?” João respondeu com as palavras do profeta Isaías: “Eu sou a voz do que clama no deserto: ‘Façam um caminho reto para o Senhor’” (João 1:19-23).
João sabia seu chamado e o seguiu. É tão importante que ministros saibam seus chamados e os sigam. Se você for um evangelista, não deve tentar ser um pastor. Se for um pregador, não tente ser um profeta. Caso contrário, só encontrará frustração.
 
Como saber seu chamado? Primeiro, buscando a Deus, aquele que o chamou. Segundo, examinando seus dons. Se Deus o chamou para ser um evangelista, Ele lhe equipará para a tarefa. E terceiro, pela confirmação de outros que com certeza notarão seus dons.
 
Uma vez que tenha certeza de seu chamado, deve segui-lo de todo coração, sem deixar que obstáculos o atrapalhem. Muitos estão esperando que Deus faça o que Ele espera que eles façam. Noé não esperou que Deus construísse a arca!
 
Tem sido dito que a palavra ministério se escreve T R A B A L H O. Sem dúvida, Satanás tentará detê-lo para não cumprir seu chamado, mas deve resisti-lo e continuar em frente. Mesmo que as Escrituras não digam, podemos ter certeza que houve um dia em que João pregou pela primeira vez na região do Jordão. Com certeza suas primeiras audiências eram bem menores que as de mais tarde. Pode ter certeza que as pessoas riram dele e que ele passou por perseguições. Mas não seria detido. Seu único objetivo era agradar seu Deus, que o tinha chamado para o ministério. No fim das contas, ele conseguiu.
 
A primeira qualidade espiritual de João que é digna de louvor é esta: João sabia seu chamado e o seguiu.

A Segunda Qualidade de João

Naqueles dias surgiu João Batista, pregando no deserto da Judéia. Ele dizia: “Arrependam-se, pois o Reino dos céus está próximo” (Mateus 3:1-2).
Jesus, com certeza aprovava a mensagem simples de João, já que era a mesma mensagem que pregava onde quer que fosse (veja Mateus 4:17). João chamava as pessoas ao arrependimento — para se voltarem de uma vida de pecado para uma vida de justiça. Ele sabia que uma vida com Deus começa com o arrependimento e que aqueles que não se arrependem serão lançados no inferno.
 
Diferente de tantos evangelistas modernos, João nunca mencionou o amor de Deus. Nem falou sobre as “necessidades” das pessoas para fazê-las proferir orações insignificantes para “aceitar a Jesus” para que pudessem começar a desfrutar de “vida abundante.” Ele não levou pessoas a acreditarem que eram basicamente boas e que Deus queria levá-las para o céu se percebessem que a salvação não vem por meio de obras. Pelo contrário, ele as via como Deus as via — rebeldes em perigo de encarar consequências eternas por seus pecados. Ele os avisou solenemente da ira que estava por vir. Queria ter certeza que entendiam que estavam condenados se não mudassem seus corações e ações.
 
Então, a segunda qualidade de João que é digna da imitação de cada ministro discipulador é esta: João proclamava que o arrependimento era o primeiro passo em um relacionamento com Deus.

A Terceira Qualidade de João

As roupas de João eram feitas de pelos de camelo, e ele usava um cinto de couro na cintura. O seu alimento era gafanhotos e mel silvestre (Mateus 3:4).
Com certeza, João não se encaixa na figura do moderno “pregador da prosperidade.” Aliás, eles nunca permitiriam um homem como João na plataforma de suas igrejas porque ele não enfeitava a parte do sucesso.
 
Contudo, João era um verdadeiro homem de Deus que não tinha interesse em buscar tesouros terrenos ou impressionar pessoas com sua aparência exterior, sabendo que Deus olha para o coração. Ele viveu simplesmente e seu estilo de vida não causou tropeço a ninguém, já que podiam ver que seu motivo não era dinheiro. Como isso contrasta com o viver de muitos ministros modernos ao redor do mundo, que usam o evangelho principalmente para ganho pessoal. E quando interpretam a Jesus mal, causam grande dano à causa de Cristo.
 
A terceira qualidade de João que contribuiu a ser o pregador predileto de Jesus é esta: João viveu simplesmente.

A Quarta Qualidade de João

João dizia às multidões que saiam para serem batizadas por ele: “Raça de víboras! Quem lhes deu a ideia de fugir da ira que se aproxima? Deem frutos que mostrem arrependimento. E não comecem a dizer a si mesmos: ‘Abraão é nosso pai’. Pois eu lhes digo que destas pedras Deus pode fazer surgir filhos a Abraão.” (Lucas 3:7-8).
Quando o ministério de João começou a tocar mais pessoas, ele, obviamente, não comprometeu sua mensagem. Pôde até ter suspeitado dos motivos das pessoas quando notou que o batismo estava ficando popular. Até escribas e fariseus estavam fazendo o trajeto ao Jordão (veja Mateus 3:7). Ele temia que muitas pessoas estivessem simplesmente seguindo a multidão. Então, fez tudo o que pôde para preveni-los de enganar a si mesmos, derrubando qualquer coisa que sustentasse sua decepção. Ele não queria que pensassem que o simples ato do batismo os salvaria, ou que uma simples profissão de arrependimento os livraria do inferno. Ele os avisou que o verdadeiro arrependimento tráz o fruto da obediência.
 
Mais adiante, porque muitos judeus se consideravam salvos por causa de sua linhagem física de Abraão, João expôs a ilusão de tal esperança.
 
A quarta qualidade de João digna de louvor é esta: Ele amava o povo o suficiente para dizer-lhes a verdade. Ele nunca asseguraria um pecador não arrependido, que iria para o céu.

A Quinta Qualidade de João

João não batizaria pessoas que não pareciam arrependidas, não querendo sustentar a ilusão das pessoas. Ele as batizava quando confessavam “seus pecados” (Mateus 3:6). Ele avisou aqueles que iam:
O machado já está posto à raiz das árvores, e toda árvore que não der bom fruto será cortada e lançada ao fogo...Ele traz a pá em sua mão e limpará sua eira, juntando seu trigo no celeiro, mas queimará a palha com fogo que nunca se apaga (Mateus 3:10, 12).
João não estava com medo de falar a verdade sobre o inferno, um assunto que é muitas vezes evitado por pregadores que tentam ganhar um concurso de popularidade ao invés de almas para o Reino de Deus. E também não falhou, proclamando o mesmo tema, que descobrimos, do ‘Sermão do Monte’ de Cristo — somente os santos herdarão o Reino de Deus. Aqueles que não dão bons frutos serão lançados no fogo.
 
Se João estivesse vivo hoje, com certeza seria punido por muitos crentes professos como “pregador do fogo do inferno e enxofre,” um “profeta de trevas e perdição,” “não seeker-sensitive,” ou pior, “negativo,” “condenador,” “legalista” ou “farisaico.”  Mesmo assim, João era o pregador favorito de Jesus.
 
Sua quinta qualidade: João pregava sobre o inferno e deixava claro que tipos de pessoas estavam a caminho de lá. É interessante notar que Lucas se referiu à mensagem de João como “as boas novas” (Lucas 3:18).

A Sexta Qualidade de João

Mesmo sendo usado grandemente por Deus e ter se tornado muito popular entre as multidões, João sabia que não era nada comparado a Jesus, e então, sempre exaltava seu Senhor:
Eu os batizo com água para arrependimento. Mas depois de mim vem alguém mais poderoso do que eu, tanto que não sou digno nem de levar suas sandálias. Ele os batizará com o Espírito Santo e com fogo (Mateus 3:11).
A auto avaliação de João se contrasta tanto com a arrogância que é muitas vezes encontrada em “ministros” em nossos dias. Suas revistas coloridas de ministério têm fotos deles em todas a páginas, enquanto Jesus é poucas vezes mencionado. Eles desfilam como pavões pelas plataformas da igreja, exaltando a si mesmos aos olhos de seus seguidores. São intocáveis e inalcançáveis, cheios de presunção.
 
Alguns até dão ordens aos anjos e a Deus! Ainda assim, João não se considerava indigno de tirar as sandálias de Jesus, o que seria considerado um ato de baixa escravidão. Ele se opôs quando Jesus foi a ele para ser batizado e uma vez que percebeu se tratava de Cristo, imediatamente disse a todos, declarando que Ele era “o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (João 1:29). “É necessário que ele cresça e que eu diminua” (João 3:30), este se tornou o humilde lema de João.
 
Esta é a sexta qualidade de João que o ajudou a ser o pregador predileto de Jesus: João se humilhou e exaltou a Jesus. Não desejava exaltar a si mesmo.

A Sétima Qualidade de João

Pregadores modernos falam muitas vezes em generalidades vagas a fim de não ofender a quem quer que seja. É tão fácil pregar: “Deus quer que façamos o que é certo!” Verdadeiros e falsos cristãos dirão: “Amém” a tal pregação. Muitos pastores também acham fácil continuar falando sobre os pecados escandalosos do mundo, evitando mencionar qualquer pecado similar que esteja dentro da igreja. Por exemplo, eles podem se enfurecer contra a pornografia, mas não ousam mencionar os vídeos e DVDs imorais recomendados para maiores de 18 anos que muitos paroquianos assistem e até colecionam. O medo do homem os capturou.
Contudo, João não hesitou em pregar especificamente. Lucas diz:
“O que devemos fazer então?”, perguntavam as multidões. João respondia: “Quem tem duas túnicas dê uma a quem não tem nenhuma; e quem tem comida faça o mesmo”. Alguns publicanos também vieram para serem batizados. Eles perguntaram: “Mestre, o que devemos fazer?” Ele respondeu? “Não cobrem nada além do que lhes foi estipulado”. Então alguns soldados lhe perguntaram: “E nós. O que devemos fazer?” Ele respondeu: “Não pratiquem extorsão nem acusem ninguém falsamente; contentem-se com o seu salário” (Lucas 3:10-14).
É interessante que cinco das seis diretrizes específicas que João deu tinham alguma coisa a ver com dinheiro ou coisas materiais. João não tinha medo de pregar sobre como a mordomia se relaciona com a regra de ouro e segundo maior mandamento. Ele também não esperou vários dias até que os novos “crentes” estivessem prontos para conceitos tão “pesados.” Ele acreditava que era impossível servir a Deus e às riquezas, e portanto, mordomia era de importância principal desde o começo.
 
Isso levanta outro ponto. João não aumentou a importância de coisas menores, insistindo em usos e costumes e outros assuntos de santidade relacionados à aparência exterior. Ele focou nos “preceitos mais importantes da lei” (Mateus 23:23). Ele sabia que o mais importante é amar nosso próximo como a nós mesmos e tratar os outros da mesma forma como queremos ser tratados. O que significa compartilhar alimentos e roupas com aqueles que necessitam, tratar os outros com honestidade e ficar satisfeitos com o que temos.
 
Esta é a sétima qualidade que fez Jesus gostar de João: Ele não pregava generalidades vagas, mas citava coisas específicas que as pessoas deveriam fazer para agradar a Deus, mesmo as relacionadas à mordomia. E focava o que era mais importante.

Concluindo

O ministério de um pastor ou professor seria, é claro, caracterizado por um alcance de assuntos maior que o de João. João pregava para os incrédulos. Pastores e professores devem ensinar principalmente aqueles que já se arrependeram. Seus ensinos são baseados naqueles pontos que Jesus disse a Seus discípulos e que estão gravados nas epístolas do Novo Testamento.
 
Contudo, muitas vezes não conseguimos identificar corretamente nossas audiências, e hoje parece que pregam aos perdidos como se fossem santos. O simples fato de as pessoas estarem sentadas dentro de um prédio de igreja não significa que nosso trabalho é assegurá-las de sua salvação, especialmente se suas vidas são essencialmente indistinguíveis daquelas do mundo. Existe hoje, uma necessidade desesperadora de milhões de “Joãos Batistas” para pregarem nos púlpitos das igrejas.
 
Você se mostra à altura do desafio?
 
Você se tornará um dos pregadores prediletos de Jesus?
 
Pr. David Servant