O Tipo de Pregação Que Urgentemente Precisamos

O Tipo de Pregação Que Urgentemente Precisamos
Diz-nos na Bíblia: “... aprouve a Deus salvar pela loucura da pregação os que creem” (1 Coríntios 1:21). Portanto, de alguma forma Deus “precisa” da pregação, se quiser que os homens sejam salvos. Toda a organização da escola dominical, todo o trabalho educacional e social que a igreja pode fazer não pode substituir o plano de Deus. "... aprouve a Deus salvar pela loucura da pregação os que creem"

Os homens perdidos não podem ser achados sem a pregação, porque eles não podem ser salvos sem a pregação da Palavra.

É verdade que um indivíduo pode pregar para um indivíduo. Uma professora da escola dominical pode pregar para o aluno. Um pai ou mãe pode pregar para uma criança. Mas o plano da Bíblia é também que haja pregação de um homem designado por Deus e ungido por Deus diante das congregações. Esse é o exemplo e o preceito da Bíblia, tanto no Antigo quanto no Novo Testamento.

A pregação é, portanto, de extrema importância no plano de Deus de salvar os homens. Nada pode substituir a pregação. Por isso, precisamos de um reavivamento de grandes pregações. O cristianismo floresce quando a pregação floresce. Quando os homens estão nos púlpitos e fazem resenhas de livros ou ensaios morais, em vez de pregar no sentido bíblico, o cristianismo definha. Quando homens, homens tímidos, entregam recados em vez de discursos ousados, poderosos e dominantes, o cristianismo está em declínio.

O ganhador de almas individuais também é um pregador. A ordem da Grande Comissão em Marcos 16:15 é que todo cristão deve participar de todo o mundo e deve “pregar o evangelho a toda criatura”. Isso significa pregar aos indivíduos individualmente. Portanto, o ganhador de almas precisa, em algum grau, pregar ou ensinar o mesmo evangelho e as mesmas advertências e pressionar por decisões como o pregador no púlpito. O pregador ganhador de almas e o ganhador pessoal de almas precisam saber que tipo de pregação do Evangelho Deus quer.

Visto que a pregação é de uma importância tão sublime no plano de Deus, vale a pena estudar seriamente que tipo de pregação urgentemente precisamos. E podemos encontrar o tipo de pregação de que precisamos, recorrendo à Bíblia e considerando os preceitos e os exemplos dados pela Palavra de Deus para a pregação. O que a Bíblia diz que os homens devem pregar? E como os pregadores da Bíblia pregavam? A resposta para essas perguntas é extremamente necessária hoje.

Vamos nos voltar para a Bíblia e ver o tipo de pregação necessária.

I. Precisamos de Pregação do Evangelho da Salvação Pelo Sangue de Cristo

Aqui está o primeiro e mais forte de todos os requisitos relacionados à pregação. Todo pregador deve pregar o Evangelho, pois é somente o Evangelho que salva. Em Romanos 1:16, Paulo nos diz por inspiração divina: “Porque não tenho vergonha do evangelho de Cristo, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê; primeiro ao judeu, e também ao grego”

E o que é o evangelho? Em 1 Coríntios 15:1-4, Paulo nos diz o evangelho que ele pregou e pelo qual seus convertidos foram salvos: “Ora, eu vos lembro, irmãos, o evangelho que já vos anunciei; o qual também recebestes, e no qual perseverais, pelo qual também sois salvos, se é que o conservais tal como vo-lo anunciei; se não é que crestes em vão. Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras; que foi sepultado; que foi ressuscitado ao terceiro dia, segundo as Escrituras”

Cristo morreu por nossos pecados, de acordo com as Escrituras, e foi sepultado e ressuscitou no terceiro dia, de acordo com as Escrituras. Esse é o evangelho. Esse é o evangelho que Paulo recebeu, o evangelho que ele pregou, o evangelho pelo qual seus convertidos foram salvos. É o mesmo evangelho que todo pregador em toda parte deve pregar hoje. Toda pregação que não prega a salvação pela morte expiatória de Cristo não é pregação cristã.

Uma maldição horrível é pronunciada sobre quem prega outro evangelho que não seja o da salvação pelo sangue de Cristo. Em Gálatas 1:6–9, está essa declaração apostólica na inspirada Palavra de Deus: “Estou admirado de que tão depressa estejais desertando daquele que vos chamou na graça de Cristo, para outro evangelho, o qual não é outro; senão que há alguns que vos perturbam e querem perverter o evangelho de Cristo. Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos pregasse outro evangelho além do que já vos pregamos, seja anátema. Como antes temos dito, assim agora novamente o digo: Se alguém vos pregar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema”

Mesmo que um anjo do céu pregue qualquer outro evangelho, "seja amaldiçoado"! Mesmo que o próprio apóstolo Paulo viesse pregar outro evangelho, "seja amaldiçoado"! E novamente a maldição é pronunciada: "Como antes temos dito, assim agora novamente o digo: Se alguém vos pregar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema".

Qualquer homem que prega a salvação por caráter é um pecador condenado e perdido com a maldição do Deus Todo-Poderoso sobre ele! Qualquer homem que prega o chamado “evangelho social”, que não é evangelho, “seja amaldiçoado”, seja anátema. Ele é um pecador condenado, que rejeita a Cristo. Ele nem é cristão e não tem o direito de pregar. Ele é um líder cego dos cegos. Ele é um lobo em pele de cordeiro, o próprio Jesus Cristo sendo testemunha. Para homens como esses, Jesus disse: “Vós, serpentes, geração de víboras, como podem escapar da condenação do inferno?” (Mateus 23:33).

Em II João, versículos 9 a 11, há outro mandamento claro de Deus sobre aqueles que não pregam o verdadeiro Evangelho, ou a verdadeira doutrina da salvação por Cristo: “Todo aquele que vai além do ensino de Cristo e não permanece nele, não tem a Deus; quem permanece neste ensino, esse tem tanto ao Pai como ao Filho. Se alguém vem ter convosco, e não traz este ensino, não o recebais em casa, nem tampouco o saudeis. Porque quem o saúda participa de suas más obras”

Mais uma vez, somos informados de que quem não se mantém fiel a essa doutrina de que o próprio Cristo, o Filho de Deus, veio em carne para salvar as pessoas, que Ele morreu e ressuscitou - quem não recebe essa doutrina - não tem Deus. Ele não é cristão. Ele é um pecador perverso e preso no inferno. A maldição de Deus está sobre ele. Nenhum cristão jamais deveria ouvir alguém assim pregar. Nenhum cristão jamais deveria dar um centavo ao seu apoio. Um homem assim nem deveria ser recebido em sua casa. Você nunca deve oferecer a ele a saudação de Deus. Apoiá-lo, emprestar seu encorajamento, dar-lhe comunhão é participar de suas ações perversas em condenar almas, negando o verdadeiro Evangelho.

Nenhum cristão deve apoiar, encorajar ou receber em sua casa um pregador modernista, alguém que não acredita na Bíblia e que não confiou no Cristo da Bíblia, o Filho de Deus nascido da virgem, que morreu por nossos pecados e ressuscitou corporalmente do túmulo e subiu ao céu e está voltando novamente. Quem não crê neste evangelho não é cristão e não está apto a pregar.

Em toda igreja na terra onde há cristãos sinceros, eles devem imediatamente expulsar qualquer pregador que não prega o evangelho da salvação pelo sangue. Se não puderem expulsar o pregador, devem sair e nunca dar um centavo ao apoio de uma igreja e de um infiel modernista e incrédulo.

A primeira coisa essencial sobre a pregação é que deve ser a pregação do Evangelho, fiel ao sangue, fiel ao ensino bíblico da salvação pela fé em Cristo, que morreu uma morte expiatória e ressuscitou da sepultura para ser nosso Salvador. Oh, amados pregadores, preguem Cristo e Seu sangue e Sua salvação oferecidos gratuitamente aos pecadores que estão morrendo!

II. Precisamos de Pregação da Palavra de Deus, a Bíblia

Precisamos da pregação da Bíblia! Um livro calunioso e anti-bíblico contra o evangelismo de um presidente de seminário diz que os evangelistas não deveriam pregar nada além do simples evangelho de como ser salvo. Mas quando Paulo escreveu a Timóteo dizendo-lhe para "fazer a obra de um evangelista", ele lhe deu a responsabilidade solene de pregar toda a Palavra de Deus. “Conjuro-te diante de Deus e de Cristo Jesus, que há de julgar os vivos e os mortos, pela sua vinda e pelo seu reino; prega a palavra, insta a tempo e fora de tempo, admoesta, repreende, exorta, com toda longanimidade e ensino” II Timóteo 4:1-2.

Essa é a mesma passagem em que Paulo ordena que Timóteo "faze a obra de um evangelista". Tanto o evangelista quanto o pastor devem "pregar a palavra". O missionário estrangeiro deve "pregar a palavra".

Você observa que o evangelho da salvação não é toda a Bíblia. A Bíblia tem outras coisas além do plano de salvação. Os dez mandamentos não estão no plano de salvação. O Sermão da Montanha é bonito e bom, e deve ser pregado, mas não é o plano de salvação pelo sangue de Cristo. Primeiro Coríntios 13, o capítulo do amor, que ensina a caridade fraterna, está na Bíblia, mas não é o plano de salvação. Um pregador deve pregar toda a Palavra de Deus. Sua pregação deve ser a Bíblia.

Um pregador da Bíblia deve “pregar a palavra”. Ele deve reprovar com a Palavra de Deus. Ele deve repreender com a Palavra de Deus. Ele deve “exortar com toda a longanimidade e doutrina” (ensino); isto é, sua exortação deve ser baseada na Bíblia, feita em termos bíblicos e apoiada nas Escrituras citadas ou lidas. A pregação deve começar com um texto ou passagem da Bíblia e expor esse texto ou passagem. A pregação deve deixar claro o significado das Escrituras. As observações feitas devem ser comprovadas pelas Escrituras e ilustradas por exemplos das escrituras. Há espaço para lógica, há espaço para ilustrações; mas estes são secundários. A própria Palavra de Deus deve ser preeminente na pregação.

Tenho diante de mim um sermão apresentado por um eminente e muito usado homem de Deus para publicação. Mas não posso publicá-lo como está. Começa sem uma Escritura como texto. Não é baseado em nenhuma passagem da Bíblia. Mais tarde, ele usa duas Escrituras para provar um ou dois argumentos, e há menção feita de três ou quatro outras Escrituras, frases das Escrituras. Mas não é um sermão da Bíblia. É verdade e é bom. Mas o tema em si não foi encontrado nas Escrituras, e o esboço não foi encontrado nas Escrituras. Não é uma exposição da Bíblia. Ele contém algumas escrituras, mas não é um sermão bíblico no sentido de que é fundado direta e obviamente na Palavra de Deus.

Eu acredito que algumas pregações devem ser tópicas, ou seja, pregando sobre um assunto. Mas, nesse caso, o assunto deve ser encontrado nas Escrituras, e então os argumentos que o pregador faz sobre esse assunto devem ser provados, cada um, pela própria Escritura.

Um belo exemplo de pregação da Bíblia é encontrado no capítulo 8 de Neemias. Lá todo o povo estava reunido na praça que estava diante da porta das águas, e Esdras, o escriba, trouxe a Lei de Moisés. Lá Esdras estava em pé sobre um púlpito de madeira e abriu o Livro à vista de todas as pessoas. Então, vários pregadores piedosos ajudaram a explicar as Escrituras. “Assim leram no livro, na lei de Deus, distintamente; e deram o sentido, de modo que se entendesse a leitura” (Neemias 8:8). Essa foi a pregação da Bíblia. Eles leram a Palavra de Deus, explicaram o sentido e fizeram as pessoas entenderem o significado. E também não era pregação seca como poeira, pois as pessoas estavam tão comovidas que lamentaram, choraram e se arrependeram de seus pecados.

No Pentecostes, temos um ótimo exemplo de pregação da Bíblia. Pedro levantou-se diante do povo e citou cinco versículos de Joel, capítulo 2, e pregou um sermão maravilhoso sobre o derramamento do Espírito Santo e o plano de salvação. Leia a história em Atos 2:14–39 e lembre-se de que “com muitas outras palavras ele testificou e exortou”. E na breve parte do sermão que é dada, também há uma exposição clara do Salmo 16:8–10 Pedro começou com as Escrituras e expôs essas escrituras e outras escrituras e acrescentou fervorosa exortação e explicação.

Leia Mateus 5, parte do Sermão da Montanha. Certamente você ficará impressionado com a pregação de Jesus, que Ele repetidamente tomou uma Escritura do Antigo Testamento e expôs o significado mais profundo, mais do que era aparente na superfície. Não se deixe enganar pelo ensino de infiéis e modernistas que Jesus estava eliminando a Lei. Ele disse claramente: “Eu não vim destruir a lei, mas cumpri-la”. Ele disse claramente que nenhum jota ou til deve passar até que tudo seja cumprido. Mas em cada caso, Ele usou as Escrituras e explicou o significado mais profundo das Escrituras.

Então, pregador, comece com as Escrituras. Encontre o tema, o assunto real em si, nas Escrituras. Encontre o esboço nas Escrituras; ou se o esboço em si for apenas deduzido logicamente, encontre as Escrituras para apoiar cada afirmação e citá-las. Use muitas Escrituras para deixar claro o ponto e use ilustrações da Bíblia sempre que possível. Existe poder vivo na Palavra de Deus. A própria Escritura traz convicção para as pessoas que não são condenadas, traz luz para as pessoas nas trevas, traz salvação para os que estão perdidos. Precisamos da pregação da Bíblia.

III. Precisamos de Pregação Contra o Pecado

A pregação da Bíblia seria necessariamente a pregação contra o pecado. Paulo ordenou a Timóteo: “Pregue a palavra ... admoesta, repreenda, exorte com toda a longanimidade e doutrina”. Tem que haver repreensão das escrituras e repreensão pelo pecado, se for a verdadeira pregação da Bíblia, pregando como a dos grandes homens de Deus na Bíblia.

Considere a pregação do profeta Isaías. No capítulo 1 de sua profecia, é eloquente e bonita, mas surpreendente pregação contra o pecado. Com palavras ardentes, com ataques ousados, Isaías lembra o povo de seu país desolado, suas cidades queimadas com fogo, a terra devorada por estranhos, a nação atingida e ferida. Ele denuncia seus sacrifícios hipócritas e diz que Deus despreza suas oblações, incenso, dias santos e festas. Ele diz que Deus esconderá Seus olhos e não ouvirá suas orações porque suas mãos estão cheias de sangue. Nesse capítulo, ele os denuncia pela opressão dos pobres, por sua rebelião contra Deus, por sua prostituição espiritual. Ele diz que seus príncipes correm com ladrões, que todos procuram subornos, que líderes não dão proteção honesta a viúvas e órfãos. E esse é apenas um exemplo de muitos na pregação de Isaías. Ele pregou contra pecados definidos.

Quando Natã, o profeta, foi a Davi, deu um exemplo emocionante de um pregador chamado e ungido por Deus, pregando contra o pecado. Diante dele estava o rei Davi em suas vestes reais, com o poder da vida e da morte sobre todos os assuntos. Ainda assim, Natã pregou com ousadia um sermão, usando uma parábola para mostrar a maldade do pecado de Davi. Então, quando a ira de Davi foi despertada contra o rico homem hipotético que havia levado o cordeirinho da ovelha de seu vizinho, Natã com um efeito esmagador e poderoso apontou o dedo para o rei Davi e disse: "Tu és o homem" (II Samuel 12:7), e mostrou a ele o pecado horrível que ele havia cometido ao tomar Bate-Seba, esposa de Urias, e assassinar Urias. Foi um momento tenso. Natã poderia ter perdido a vida. Mas ele defendeu a Deus e denunciou abertamente o pecado. Deus nos dê mais Natãs hoje no púlpito, bem como em conversas particulares!

Quão dolorosamente aguda, quão pontiaguda e sem tato foi a pregação de João Batista! “Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira vindoura? Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento” (Mateus 3:7-8). Em seguida, ele alertou os principais judeus que eles não deveriam ser salvos apenas porque eram filhos de Abraão e que provavelmente seriam cortados como árvores infrutíferas para serem lançados no fogo do inferno.

E a pregação de João Batista foi tão ousada quando ele enfrentou o rei Herodes e lhe disse claramente que não tinha o direito de tomar a esposa de seu irmão (Mateus 14:3,4). Os pregadores hoje que alegam que devem pregar apenas "uma mensagem positiva", que pregar contra o pecado é uma "mensagem negativa", certamente não seguem o padrão deste grande homem de Deus, um dos maiores já nascidos de mulheres, como Jesus disse. João Batista pregou contra o pecado, contra pecados particulares. E ele fez isso com ousadia. Ele machucou os sentimentos das pessoas, irritou as pessoas, causou um distúrbio. Mas ele foi fiel a Deus e à Bíblia.

Oh, pregadores, testemunhem a pregação de Estêvão! Naquele dia ele estava com suas vestes de coroação! Eu acho que ele deve ter sussurrado docemente em seu próprio coração, ó Senhor Jesus, hoje eu verei Teu rosto! Hoje é o dia do meu martírio, da minha coroação e da minha glória! Atos, capítulo 7, conta a história.

Que série de escrituras Estevão recordou e resumiu ao contar a história de como Israel havia rejeitado os profetas de Deus e resistido ao Espírito. Que sermão das escrituras! E a narrativa emocionante subiu ao seu clímax, e o povo ficou fascinado quando Estevão se virou contra eles com o fogo de Deus nos olhos e na voz e disse: “Homens de dura cerviz, e incircuncisos de coração e ouvido, vós sempre resistis ao Espírito Santo; como o fizeram os vossos pais, assim também vós. A qual dos profetas não perseguiram vossos pais? Até mataram os que dantes anunciaram a vinda do Justo, do qual vós agora vos tornastes traidores e homicidas, vós, que recebestes a lei por ordenação dos anjos, e não a guardastes” Atos 7:51–53

"Assassinos"! "Traidores"! 'Perseguidores!' "De dura cerviz incircuncisos no coração e nos ouvidos"! “Vós sempre resistis ao Espírito Santo”! Essa é a Bíblia pregando contra o pecado!

É verdade que isso trouxe a ira da multidão sobre Estêvão. É verdade que ele foi espancado em uma massa sangrenta, apedrejado até a morte em sua ira. Mas ele voltou para o céu naquele dia, e Jesus, que geralmente se senta à direita do Pai, levantou-se para recebê-lo! (Apocalipse 3:21; Atos 7:56).

Oh, ir para o céu como Estevão foi! Oh, ir com os lábios purificados pela pregação ousada em nome de Cristo, pregando contra o pecado, pregando no poder do Espírito Santo!

Como Jesus pregou contra o pecado! Ele pregou contra a cobiça; Ele pregou contra a descrença; Ele pregou contra o adultério ou até mesmo procurar uma mulher para cobiçá-la. Ele pregou contra rancores e disse que, se os homens não perdoassem, o Pai Celestial também não os perdoaria. Ele disse aos fariseus e aos escribas: "Vós tendes por pai o diabo, e os desejos de seu pai o farão". Ele disse aos líderes religiosos que eram impenitentes que haviam recebido o uso da vinha de Deus, a liderança sobre Seu povo, mas que eles seriam expulsos e a vinha alugada a outros. Os homens odiavam Jesus porque Ele pregava contra o pecado. Deus nos perdoe pregadores que nunca irritam ninguém pregando como Jesus!

Alguns pregadores pregam sobre o amor, mas nunca pregam contra o pecado. O Senhor Jesus amou os homens, amou os pecadores o suficiente para morrer por eles, mas como Ele odiava o pecado! Lembre-se de quando Ele fez um chicote, expulsou os comerciantes do templo, derrubou as mesas dos cambistas, espalhou o dinheiro no chão de pedra! A pregação às vezes deveria ser assim. Com santa ousadia, os pregadores devem odiar o pecado e expor o pecado.

Quão nitidamente Paulo o apóstolo pregou contra o pecado. Em sua primeira jornada missionária, Paulo e Barnabé chegaram a Pafos. Quando Elimas, o feiticeiro, resistiu a eles e tentou impedir que Sergio Paulo, o vice governante do país, fosse salvo, Paulo o enfrentou, cheio do Espírito Santo, e disse: “Ó filho do Diabo, cheio de todo o engano e de toda a malícia, inimigo de toda a justiça, não cessarás de perverter os caminhos retos do Senhor?” (Atos 13:10). E a mão de Deus veio sobre ele como Paulo, pela fé predita, e o homem ficou cego por uma temporada por seus pecados, e o procônsul foi maravilhosamente salvo.

Jovem pregador, não se deixe enganar pelos sofismas dos pregadores que servem o tempo que não pregam contra o pecado. Não seja influenciado por líderes denominacionais que temem que você cause perturbações em sua igreja. Não fique muito comovido com os argumentos de sua esposa, que teme que seu salário seja reduzido ou que você estará sem emprego e sem lugar para onde ir. Seja fiel a Cristo, e Cristo será fiel a você. "Aqueles que me honrarem, honrarei" é a promessa de Deus (1 Samuel 2:30).

É verdade que um pregador não deve ser covarde, dizer no púlpito o que não ousa dizer a um indivíduo que precisa dele. É verdade que os pregadores devem pregar com amor, compaixão e lágrimas. Mas isso não muda o fato de que somos claramente ordenados a repreender e reprovar, que devemos pregar a Palavra sobre pecados específicos. O pregador que nunca tem uma palavra a dizer contra embriaguez, adultério, lascívia, cobiça e blasfêmia é um cão burro que não pode latir. Ele é um Balaão pregando para obter lucro. Ele caiu na armadilha do medo do homem. Precisamos pregar contra o pecado, contra pecados particulares.

IV. Precisamos de Pregação Sobre o Inferno e o Juízo

Uma pregação que não prega sobre o inferno não é uma pregação Bíblica honesta. O homem é um pecador. Se ele não se arrepender, ele morrerá sem conversão, para sempre longe de Deus. Os homens devem ser avisados ​​do destino horrível de morrer sem Cristo.

Estou farto de ouvir as pessoas dizerem: "Não acredito em assustar homens". Acredito! Eu gostaria de ter assustado Hitler e dito a ele o que aconteceria com ele por seus crimes contra a humanidade e contra Deus. Se eu pudesse lhe contar a verdade e o fizesse acreditar, teria salvado o mundo dos horrores da Segunda Guerra Mundial.

Eu gostaria de poder avisar todo garoto do que vai acontecer se ele entrar em uma vida de crime. Eu gostaria de poder deixar as pessoas com medo do crime.

Eu gostaria de poder assustar todas as meninas sobre os perigos dos bailes funks e caricias, e os horrores da vida de uma prostituta e a condenação que virá a ela.

Eu gostaria de poder assustar todos os rapazes sobre o terror que existe no uísque, cerveja e drogas. Um homem que não tem medo da bebida é um tolo.

Tentei sinceramente e consegui deixar meus filhos com medo do fogo quando eram pequenos. Há algumas coisas das quais qualquer pessoa sensata em sã consciência deveria ter medo. E não há nada no universo tão assustador quanto o fato do inferno, um inferno cheio de pecadores que rejeitam a Cristo, que foram ao inferno porque não se arrependeram. Sou a favor do tipo de pregação bíblica que faz as pessoas quererem evitar o inferno.

Está chegando um juízo quando os pecadores que rejeitam a Cristo serão arrastados para fora do inferno para enfrentar Deus e dar conta de seus pecados. Esse é um pensamento horrível e assustador. Deveria ser pregado.

Todos os pregadores da Bíblia pregavam sobre esses temas do inferno, do juízo e da ira de Deus.

Isaías pregou sobre o inferno. Ele disse: "O Seol desde o profundo se turbou por ti, para sair ao teu encontro na tua vinda" (Isaías 14:9). Ele pregou: “Por isso o Seol aumentou o seu apetite, e abriu a sua boca desmesuradamente; e para lá descem a glória deles, a sua multidão, a sua pompa, e os que entre eles se exultam” (Isaías 5:14).

Repetidas vezes Isaías pregou aflição e juízo. No capítulo 5, versículo 16, ele deu falou sobre seis problemas a Israel. Ele disse que "Mas o Senhor dos exércitos é exaltado pelo juízo, e Deus, o Santo, é santificado em justiça".

Mas Jesus era o grande “pregador sobre o inferno”. Ele pregou: “E não temais os que matam o corpo, e não podem matar a alma; temei antes aquele que pode fazer perecer no inferno tanto a alma como o corpo” (Mateus 10:28).

Foi Jesus quem pregou que "todo aquele que disser: Tolo, estará em perigo de fogo do inferno" (Mateus 5:22).

Foi Jesus quem pregou: “Assim será no fim do mundo: sairão os anjos, e separarão os maus dentre os justos, e lançá-los-ão na fornalha de fogo; ali haverá choro e ranger de dentes” (Mateus 13:49-50).

Foi Jesus quem pregou no mesmo capítulo: “Pois assim como o joio é colhido e queimado no fogo, assim será no fim do mundo. Mandará o Filho do homem os seus anjos, e eles ajuntarão do seu reino todos os que servem de tropeço, e os que praticam a iniquidade, e lançá-los-ão na fornalha de fogo; ali haverá choro e ranger de dentes” (Mateus 13:40–42).

Jesus anunciou que Ele próprio, o Filho do Homem, um dia “diria também a eles à esquerda: Afastai-vos de mim, amaldiçoados, no fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos” (Mateus 25:41). . E Ele disse: “E estes irão para o castigo eterno, mas os justos para a vida eterna” (v. 46).

Foi Jesus quem contou, em Lucas 16:19–31, aquela história horrível e aterrorizante do homem rico que morreu e foi para o Inferno; ali ergueu os olhos, atormentado pelas chamas, e implorou que Lázaro fosse enviado para molhar o dedo na água para esfriar sua língua ressecada.

Eu digo, Jesus Cristo era um pregador do fogo do inferno. Quem não prega sobre o inferno e o juízo não é fiel a ele.

Foi Jesus quem disse que todo juízo foi dado ao Filho. Cristo sentará em um trono, julgando os pecadores, enviando-os para o lago de fogo.

Paulo pregou, como outros pregadores da Bíblia, sobre o inferno, o juízo e a ira de Deus. Muitas vezes eu prego na primeira noite de domingo de uma campanha de avivamento sobre o inferno ou sobre o juízo final. E faço isso com um bom precedente, pois Paulo, na primeira vez em que pregou em Atenas, pregou: “porquanto determinou um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do varão que para isso ordenou; e disso tem dado certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos” (Atos 17:31).

Quando Paulo ficou diante de Félix, ele pregou sobre pecado e juízo. "E discorrendo ele sobre a justiça, o domínio próprio e o juízo vindouro, Félix ficou atemorizado" (Atos 24:25). Quando Paulo pregou sobre justiça, domínio próprio e juízo vindouro, isso foi a pregação da Bíblia. E quando Felix tremeu sob a profunda convicção do Espírito Santo, isso foi resultado da Bíblia. Afaste-se desses sermões agradáveis e fáceis que não despertam os medos de ninguém, não trazem medos, não trazem lágrimas, não levam os homens a se arrependerem! Afaste-se dessa pregação que deixa os pecadores adormecidos em seus pecados, imperturbáveis e satisfeitos! Ó Deus, nos dê o tipo de pregação que faz os homens tremerem ao pensarem no inferno e no juízo vindouro!

V. Precisamos de Pregação Que Exija Arrependimento

É tolice tentar ensinar os homens a confiar em Cristo para a salvação, a menos que inclua nesse ensino a clara necessidade de um coração iníquo se afastar do pecado. Em todo lugar que a Bíblia diz: “Crê no Senhor Jesus Cristo, e serás salvo” ou equivalente, entende-se que ninguém pode voltar-se para Jesus Cristo sem se desviar do pecado. Inevitavelmente e necessariamente, a fé em Cristo chega apenas ao coração penitente, o coração disposto e ansioso para fazer o que é certo e agradar a Deus, desejando bondade e pureza. As pessoas que se arrependem nem sempre fazem o certo sobre tudo, mas querem fazer o certo. Não quero dizer que a salvação é um processo estendido. Eu nem quero dizer que existem dois passos separados na salvação, mas é tolice e não é bíblico ensinar qualquer salvação sem arrependimento.

Todos os pregadores da Bíblia pregaram arrependimento.

Ezequiel exortou Israel a se arrepender: “Dize-lhes: Vivo eu, diz o Senhor Deus, que não tenho prazer na morte do ímpio, mas sim em que o ímpio se converta do seu caminho, e viva. Convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois, por que morrereis, ó casa de Israel?” (Ezequiel 33:11). Todo pregador deve pregar com esse pedido imperativo em sua voz e mensagem hoje.

João Batista pregou: “Arrependei-vos, porque o reino dos céus está próximo” (Mateus 3:2). E Jesus começou a pregar exatamente a mesma mensagem: "A partir de então, Jesus começou a pregar e a dizer: Arrepende-se: porque o reino dos céus está próximo" (4:17).

A pregação de Jesus é ilustrada por Lucas 13:1–5: 1 Ora, naquele mesmo tempo estavam presentes alguns que lhe falavam dos galileus cujo sangue Pilatos misturara com os sacrifícios deles. 2 Respondeu-lhes Jesus: Pensais vós que esses foram maiores pecadores do que todos os galileus, por terem padecido tais coisas? 3 Não, eu vos digo; antes, se não vos arrependerdes, todos de igual modo perecereis. 4 Ou pensais que aqueles dezoito, sobre os quais caiu a torre de Siloé e os matou, foram mais culpados do que todos os outros habitantes de Jerusalém? 5 Não, eu vos digo; antes, se não vos arrependerdes, todos de igual modo perecereis”.

Quando Jesus deu a Grande Comissão aos Seus apóstolos, Ele ordenou que "em seu nome se pregasse arrependimento e remissão de pecados entre todas as nações, começando em Jerusalém" (Lucas 24:47).

Pedro pregou no Pentecostes: “Arrependei-vos e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo” (Atos 2:38). Quando Pedro voltou da conquista de Cornélio e sua família a Cristo e explicou o assunto aos apóstolos e irmãos na Judéia: “Quando ouviram essas coisas, mantiveram a paz e glorificaram a Deus, dizendo: Então Deus também concedeu a Deus aos gentios. arrependimento para a vida” (Atos 11:18). Foi determinado então que o arrependimento era oferecido aos gentios. Até os gentios podem se arrepender e ser salvos. Não há salvação sem arrependimento. Precisamos pregar sobre arrependimento.

Paulo, pregando aos homens de Atenas, disse: “Mas Deus, não levando em conta os tempos da ignorância, manda agora que todos os homens em todo lugar se arrependam” (Atos 17:30).

Oh, que Deus nos dê um coração para exigir que os homens se arrependam a Deus e confiem em Seu Filho para a salvação. Esse é o tipo de pregação que precisamos.

VI. Precisamos de Pregação Que Exija Decisão Imediata a Cristo

Os fatalistas, os hiper-calvinistas que dizem que alguns homens estão predestinados a se perder, não querem que os pregadores façam um convite público e pressionem por uma decisão. O Dr. Lewis Sperry Chafer, em seu livro difamando evangelistas e opondo-se ao evangelismo em massa, diz que é errado fazer um convite público para que as pessoas aceitem a Cristo, errado pressionar para tomar uma decisão imediata. Mas ele é anti-bíblico e contrário aos preceitos e práticas da Bíblia. Ao longo dos séculos, os grandes ganhadores de almas pressionaram as pessoas a decidirem, e ao mesmo tempo, por Deus ou contra Ele.

Quando Moisés, no monte Sinai, por quarenta dias, deixou os filhos de Israel por conta própria, eles pediram a Arão que fizesse um bezerro de ouro, e depois dançaram ao redor deste bezerro de ouro nus e bêbados e disseram: “Estes são teus deuses, Ó Israel, que te tirou da terra do Egito” (Êxodo 32:4). A ira de Deus ardeu quente contra esse povo idólatra. Moisés, com o coração partido, partiu para disciplinar o povo. Antes que os principais idólatras fossem mortos, ele pediu uma separação, uma decisão pública e imediata. “pôs-se em pé à entrada do arraial, e disse: Quem está ao lado do Senhor, venha a mim. Ao que se ajuntaram a ele todos os filhos de Levi”. (Êxodo 32:26). Então Moisés ordenou que os levitas, que representariam Deus, tomassem suas espadas e passassem pelo acampamento, matando os iníquos. Foi uma decisão difícil para os homens tomarem, saírem do lado do Senhor publicamente e partirem para matar seus próprios irmãos e entes queridos, mas era isso que Moisés exigia e a decisão que eles tomavam - tomada com ousadia por Deus. É o plano de Deus. Os pregadores da Bíblia devem pedir uma decisão imediata por Cristo.

Josué era um homem velho. Logo ele deixaria a nação Israel, e outros assumiriam a liderança. Então ele reuniu os chefes das tribos e os oficiais da nação em Siquém. Lá, ele apresentou uma proposta simples e exigiu sua decisão. Em Josué 24:15, está registrado que ele lhes disse: “Mas, se vos parece mal o servirdes ao Senhor, escolhei hoje a quem haveis de servir; se aos deuses a quem serviram vossos pais, que estavam além do Rio, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra habitais. Porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor”. O povo insistiu que eles serviria ao Senhor, e ele dificultou a proposição, e eles registraram que serviriam ao Senhor.

“Escolheis hoje a quem servireis”, deveria ser subcorrente na pregação de todo pregador da Bíblia. Isso significa convite público. Isso significa colocar as pessoas no lugar. Isso significa insistir que eles decidam de uma vez, aqui e agora, a favor ou contra Jesus Cristo.

Jesus pressionou seus discípulos com a pergunta: "Quem dizeis que eu sou?" E como ficou satisfeito quando Simão Pedro respondeu e disse: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo" (Mateus 16:15-16).

Mais uma vez Jesus colocou Seus discípulos no lugar e disse: “Quereis vós também retirar-vos?” (João 6:67). A multidão parou de seguir Jesus. Eles descobriram que Ele exigia arrependimento e uma vida e um coração mudados. Não era tudo fácil como comer alimento imerecido e seguir um rei que faria todo o trabalho. Então Jesus pressionou Seus discípulos que eles também deveriam decidir. E, graças a Deus, eles tiveram o suficiente para responder, nas palavras de Pedro: “Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna. E nós já temos crido e bem sabemos que tu és o Santo de Deus” (João 6:68,69).

Então Jesus pressionou a mulher que foi curada quando ela se abaixou e tocou a orla de Suas vestes, e Ele insistiu que ela o confessasse aberta e publicamente (Lucas 8:43–48).

João Batista exigiu decisão imediata e pressionou as pessoas a saírem abertamente e serem batizadas, confessando seus pecados e confessando sua fé no Messias vindouro.

Paulo passou “noite e dia com lágrimas”, instando as pessoas a se arrependerem e irem a Cristo. Em todos os lugares ele exigia arrependimento.

Deve haver uma urgência convincente que exige decisão imediata em toda mensagem do evangelho. Jesus disse que o homem que fez uma grande ceia e ordenou a muitos enviou seu servo de novo e de novo e ordenou-lhe: “Sai pelas estradas e sebes, e os compele a entrar, para que minha casa fique cheia” (Lucas 14: 23). É assim que o Senhor Jesus quer que conquistem almas e preguemos. Deveria haver uma nota convincente, uma nota insistente, uma urgência ousada e poderosa, exigindo que as pessoas decidissem hoje por Cristo e pelo Céu.

Ninguém sabe o que será amanhã. Precisamos de uma pregação que exija atenção imediata e decisão imediata sobre as grandes questões da vida e da morte, salvação ou condenação, Cristo ou Satanás, Céu ou Inferno.

Vamos orar para que Deus levante pregadores ungidos; ousados, pregadores da Bíblia e ganhadores de almas pessoais:

Quem pregará o verdadeiro evangelho da salvação pelo sangue;
Quem pregará a Palavra de Deus, a Bíblia;
Quem pregará contra o pecado, contra pecados particulares, pregando com ousadia;
Quem pregará sobre o inferno e o juízo, como fizeram os pregadores de Cristo e da Bíblia;
Quem pregará exigindo arrependimento, afastando o coração do pecado e voltando-se para Deus;
Quem pregará exigindo decisão imediata por Cristo.

Deseja Pregar Com Conhecimento Bíblico Profundo, Dominando a Oratória, com boa Dicção, Citando Versículos de Memória, sem Timidez e com total Eloquência?

Então você precisa conhecer o Extraordinário Curso Manual Completo Pregador Vocacionado

CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS


Gostou Desse Esboço? Olha a Novidade Que Tenho Para Você!

Eu preparei um E-book Com 365 Esboços de Sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! CLIQUE AQUI para adquirir seu livro.

O Tipo de Pregação Que Urgentemente Precisamos O Tipo de Pregação Que Urgentemente Precisamos Reviewed by Aldenir Araújo on outubro 15, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Tecnologia do Blogger.