A Visão Dos Quatro Animais Simbólicos
Texto: Daniel 7:1-28

Tema: Uma visão geral da história dos tempos dos gentios que precede o reino de Cristo na terra.

Chegamos agora à segunda grande divisão do livro de Daniel. Os primeiros seis capítulos foram sobre a história pessoal de Daniel. E agora, os próximos seis capítulos lidam com a história profética - isto é, a história que ainda estava para ocorrer no momento em que foi contada a Daniel.

Este capítulo em particular acompanha o sonho que foi dado a Nabucodonosor no capítulo 2; e que também foi sonhado e interpretado por Daniel. Embora este capítulo apresente a natureza terrível e brutal dos impérios mundiais dos tempos dos gentios, ele, no entanto, termina na mais alta de todas as notas altas - isto é, do reino terrestre de Jesus Cristo. Deus não nos deixa no escuro sobre seus planos. Ele nos permite saber que, embora os tempos dos gentios se tornem cada vez mais brutais, o alegre retorno e reinado de Seu Filho é seguro e certo.

I. O Contexto do Sonho (v. 1).

A segunda metade do livro de Daniel relata profecias que foram dadas a Daniel durante várias ocasiões durante a história pessoal que nos é dada nos seis primeiros capítulos. Esta primeira profecia registrada (a primeira de quatro) foi dada durante o primeiro ano do reinado de Belsazar, rei da Babilônia - colocando-a aproximadamente quatorze anos antes da 'escrita na parede' descrita no capítulo cinco.

Essa profecia foi dada a Daniel numa época em que ele estava com sessenta e poucos anos. Foi dada por Deus a ele na forma de "um sonho e visões" em sua cabeça, enquanto em sua cama à noite. Uma vez que foi concluído, Daniel escolheu manter o conteúdo do sonho para si mesmo (v. 28). Mas ele ficou claramente impressionado com a autoridade dele, porque ele imediatamente “escreveu o sonho, e relatou a suma das coisas” (ou “a soma dos assuntos”, como está na KJV). Ele dá o "ponto de vista divino" do sonho que ele havia recebido vários anos antes, sob o reinado do avô de Belsazar, Nabucodonosor (capítulo 2).

II. O Conteúdo do Sonho (vv. 2-14).

Observe a cena do sonho (vv. 3-4). Foi o Grande Mar (isto é, o Mar Mediterrâneo) sendo instigado pelos quatro ventos do céu. O nome "Mediterrâneo" significa "meio da terra"; e se você fosse observar os diferentes reinos representados neste sonho, descobriria que todos são reinos que compartilham o litoral do Mar Mediterrâneo. Muitos estudiosos observam que o “mar” é frequentemente usado como uma figura para as massas gentias (Mateus 13:47; Apocalipse 13:1). Os quatro ventos do céu provavelmente representam circunstâncias, sob a mão divina do Deus Soberano, que causam turbulência e uma agitação no mundo gentio. É a partir desta “agitação” do “mar” que estes quatro reinos do mundo surgem.

Observe os reinos representados no sonho (v. 17):

1. O Império Babilônico (v. 4). Ele é representado como um leão - o rei dos animais. Era a cabeça de ouro no sonho de Nabucodonosor. Suas duas asas simbolizam a rapidez com que ele conquistou. Mas suas duas asas foram arrancadas, e ele foi levantado da terra e colocado em dois pés como um homem; e o coração de um homem foi dado a ele. Isso provavelmente simbolizava a humilhação de Nabucodonosor - o maior rei da Babilônia - como descrito no capítulo 4.

2. O Império Medo-Persa (v. 5). Este segundo reino é representado como um urso - uma criatura pesada e desajeitada; mas extremamente brutal e mortal. Note que ele aparece “de repente” (veja o final do capítulo 5). Foi levantado de um lado; provavelmente representando o fato de que a parte persa daquele império logo excedeu e ganhou domínio sobre a parte medo. Tinha três costelas na boca entre os dentes. Isso pode representar uma oração perfeitamente capturada e consumida; mas também pode simbolizar as três principais cidades do império babilônico que o império Medo-Persa capturou: Babilônia, Ecbátana e Borsipa. Foi lhe dito: "Levanta-te, devora muita carne"; e isso o império medo-persa certamente fez! É representado pelos braços de prata no capítulo 2.

3. O Império Greco-Macedônico (v. 6). Este terceiro reino é representado como um leopardo ou uma pantera rápida e mortal. Tal criatura é naturalmente rápida; mas esta rapidez é ainda mais acentuada por dois conjuntos de asas. "e foi-lhe dado domínio". Isso representa a rapidez notável com que Alexandre, o Grande - o maior dos reis gregos - conquistou grande parte do mundo. Este animal tem quatro cabeças; que representam a divisão posterior do reino de Alexandre para seus quatro generais após sua morte súbita aos 33 anos: Grécia e Macedônia para Cassandro; Trácia e Ásia Menor para Lisímaco; a Síria e o Oriente Médio a Seleuco; e o Egito para Ptolomeu. Alexandre também é representado pelo bode macho com quatro chifres notáveis ​​em 8:8. Seu reino também é representado como o ventre e a coxa de bronze no capítulo 2.

4. O Império Romano (vv. 7-8). Este último reino é representado por uma criatura mais horripilante que todas as outras - espantoso e terrível, extremamente forte. Seus enormes dentes de ferro, e o fato de que devorou ​​e pisoteou o “sobejo” (dos outros), simboliza sua extrema força e brutalidade. Suas divisões são representadas pelas pernas e pés de ferro no capítulo 2. Observe que ele tinha dez chifres, representando as dez nações que mais tarde caracterizariam o império romano (veja os dez artelhos no capítulo 2; também Apocalipse 13:1-2; 17:3, 12-13). Outro chifre surgiu entre eles, fazendo com que três deles fossem removidos. Este chifre parece ser representado como agindo como um homem; e é simbólico do Anticristo que surgirá no fim dos tempos. Note cuidadosamente que este "chifre pequeno" não deve ser confundido com o "chifre pequeno" de 8:9-12. O “chifre” desse capítulo fala de Antíoco Epifânio (B.C. 175-170), um rei de origem grega que meramente tipifica o Anticristo. Mas o chifre descrito aqui no capítulo 7 (isto é, o Anticristo) é um produto do reino simbolizado pela quarta besta. Este chifre é o "príncipe que há de vir" (Daniel 9:26, 27); o "rei" (Daniel 11:36-45); aquele que traz a “abominação da desolação” (Daniel 12:11; Mateus 24:15); o "homem do pecado" (2 Tessalonicenses 2:4-8); o "Anticristo" (1 João 2:18); e a “Besta” (Apocalipse 13:4-10).

5. O Reino Milenar De Cristo (vv. 9-14). O último desses reinos gentios é seguido pelo retorno de Cristo - o “Filho do Homem” - à terra para reinar sobre a terra. Seu reinado será introduzido pela destruição do Anticristo (Apocalipse 19:19-20). O resíduo dos outros reinos permanecerá, mas apenas por um tempo. O reino de Cristo será dado a Ele pelo Ancião de Dias (Deus o Pai); e o seu reino não passará. Os eventos desta passagem - isto é, o estabelecimento deste reino nos reinos celestes - são descritos para nós em Apocalipse 5. Note como, mesmo que o "chifre pequeno" esteja se exaltando na terra - entre os versículos 8 e 11 - o reino de nosso Senhor está sendo estabelecido nas cortes do céu!

III. A Interpretação do Sonho (vv. 15-27).

Essas visões tiveram um impacto sobre Daniel fisicamente e emocionalmente. Em seu sonho, ele chegou perto de um ser - provavelmente um anjo - e perguntou “a verdadeira significação de tudo isso”. O anjo explicou que esses quatro animais são quatro "reis" (provavelmente com os reis servindo como representantes dos reinos); mas que “os santos do Altíssimo receberão o reino e o possuirão para todo o sempre, sim, para todo o sempre” (v. 18). Isto descreve o reino milenar de Cristo na terra com os Seus santos remidos (Apocalipse 20).

Daniel pede mais explicações sobre o quarto animal. Ele notou que a mesma besta guerreara contra os santos e prevaleceu contra eles “até que veio o ancião de dias, e foi executado o juízo a favor dos santos do Altíssimo” (vv. 21-22). O anjo então descreve a história do império romano revivido que virá ainda no futuro; e os detalhes do reinado do Anticristo que governará sobre esse reino - perseguindo os santos por três anos e meio (Apocalipse 13:5-7) - isto é, “por um tempo, e tempos, e metade de um tempo”. Sua repentina destruição ocorre no tempo do retorno de Cristo; momento em que “O reino, e o domínio, e a grandeza dos reinos debaixo de todo o céu serão dados ao povo dos santos do Altíssimo” (v. 27).

IV. A Resposta ao Sonho (v. 28).

Daniel indicou um final definitivo para o seu sonho. Estava completo; porque não era algo que ele inventou, mas sim uma mensagem específica dada a ele por Deus. O conteúdo desse sonho perturbou Daniel grandemente - até mesmo mudando seu "semblante". Talvez isso indique que ele nunca foi o mesmo após a experiência. Mas ele manteve o assunto para si mesmo; “guardei estas coisas no coração”- exceto como está escrito aqui. Muito do que foi mostrado será expandido em visões posteriores nos capítulos posteriores deste notável livro.