A Escrita na Parede
Texto: Daniel 5:1-31

Tema: Este capítulo ilustra a derrota final do domínio do mundo gentio através do retrato da queda da Babilônia.

Os últimos seis capítulos do livro de Daniel são proféticos; mas os seis primeiros fornecem a história pessoal de Daniel. Eles nos dão o pano de fundo para as mensagens proféticas que Deus deu através dele. Em termos gerais, os capítulos 1 e 2 lidam com a juventude de Daniel, os capítulos 3 e 4 com sua meia-idade, e os capítulos 5 e 6 com eventos perto do fim de sua vida. Ao chegarmos aos Capítulos 5 e 6, estamos lendo a história da notável transição de Daniel, como judeu, de uma alta posição de liderança em um império mundial para uma alta posição de liderança em outro - verdadeiramente algo notável na história.

Este capítulo trata da queda do Império Babilônico (a cabeça de ouro que lemos no Capítulo 2) e a dominação do império Medo-Persa (os braços de prata). A história registra que essa transição ocorreu em apenas uma noite (539 a.C.). Os eventos daquela noite são profetizados em Isaías 13:17-22; 21:1-10 e Jeremias 51:33-58.

Várias coisas precisam ser observadas para apreciar os eventos deste capítulo:

- Primeiro, o fundo profético relativo aos eventos na interpretação de Daniel já lhe foi dado; isto é, as profecias nos Capítulos 7 e 8 já haviam sido dadas a Daniel no início do reinado de Belsazar (ver 7:1 e 8:1). No momento em que Daniel falou as coisas que ele disse ao rei neste capítulo, ele já sabia delas. Elas estavam simplesmente agora sendo reveladas ao rei.

- Segundo, embora essas coisas fossem novas para Belsazar, sua conduta era indesculpável, porque ele sabia claramente as coisas que aconteceram com seu avô, Nabucodonosor, como estão registradas no capítulo 4. (Veja a repreensão de Daniel em 5:22-23). O comportamento de Belsazar nos primeiros versículos, portanto, constituiu um ato conscientemente desafiador de rebelião contra o Deus de Israel.

Em terceiro lugar, enquanto os eventos do capítulo 5 estavam em andamento, os exércitos medos-persas liderados por Dario já estavam trabalhando para penetrar na aparentemente inexpugnável capital do império babilônico. O rio Eufrates corria sob a capital; e Dario simplesmente redirecionou o rio, o que permitiu que seu exército marchasse através do leito do rio e sob as muralhas da cidade - pegando a cidade de surpresa e sem competição. Assim, o governo do mundo mudou de mãos durante a noite - tanto como o juízo de Deus sobre Belsazar, e em cumprimento da palavra de Deus para Daniel.

- Os eventos deste capítulo prefiguram os eventos descritos em Apocalipse 17-18; isto é, a história do sistema religioso do mundo iníquo simbolizado como a mulher, o mistério da Babilônia, a Grande, os reis que se alinham com a besta e a queda da cidade perversa Babilônia.

I. A Festa Arrogante de Belsazar (vv. 1-4).

O rei falado aqui - Belsazar - é melhor entendido como o neto de Nabucodonosor; e como o filho e co-reinante de seu pai ausente Nabonido. Talvez, na ausência de seu pai, ele se sentisse livre para viver imprudentemente e dar um banquete. Ao longo do caminho, ele pediu os vasos que seu avô havia levado do templo em Jerusalém em sua deportação do povo judeu.

Esses vasos sagrados - separados para a glória de Deus - estavam sendo usados em uma festa selvagem e devassa; e estavam até sendo usados para brindar os falsos deuses da Babilônia. Isso nos mostra como esse rei estava se comportando mal. Não é de admirar que o juízo de Deus estivesse à mão!

II. O Anúncio Sinistro de Deus (vv. 5-9).

Diz o texto que, "Na mesma hora" - isto é, na mesma hora em que o rei e sua multidão brindavam a seus deuses - a mão de um homem apareceu e escreveu na parede de gesso do palácio do rei. O fato de ser um gesso esbranquiçado - e de estar em frente à lâmpada - sugere que a mão e a escrita foram claramente vistas. O rei apavorado chamou seus astrólogos, os caldeus e os adivinhos - todos os seus sábios - e prometeu grandes honras e poder a quem quer que desse a interpretação do misterioso escrito.

Mas ninguém poderia. Isso talvez signifique tornar a entrada de Daniel na cena ainda mais dramática (ver também 4:7-9). O fato de que nenhuma interpretação poderia ser dada deixou o rei e seus conselheiros ainda mais aterrorizados.

III. O apelo Respeitoso da Rainha (vv. 10-12).

A rainha falada aqui é provavelmente a mãe de Belsazar. Ela teria idade suficiente para lembrar que Daniel provou ser um homem de Deus com maior sabedoria do que todos os outros sábios; e também a maneira que ele ministrara ao pai de Belsazar, Nabucodonosor.

Note que ela diz que nele estava "o Espírito do Deus Santo" (v. 11) - sugerindo que ela pode ter mantido algum remanescente da fé que Nabucodonosor eventualmente professou. Ela encorajou Belsazar a chamar Daniel e procurar que ele desse a interpretação.

IV. A Repreensão Severa de Daniel (vv. 13-23).

O fato de Daniel não estar presente nesta festa pode indicar que ele se retirou do serviço político direto para este império. Ou pode ser porque ele era um homem santo demais para estar presente em tal festa. De qualquer forma, ele honrou a autoridade de Belsazar e veio ao seu chamado. Fala muito sobre a ignorância e o caráter superficial deste rei que teve que perguntar a Daniel quem ele era (v. 13). Ele ofereceu honra e poder a Daniel; mas Daniel recusou a oferta - ou porque não sentia necessidade disso, ou porque sabia que o que era oferecido não teria qualquer valor em pouco tempo. No entanto, ele disse que daria a interpretação.

Note que ele precedeu a interpretação com uma forte repreensão. Ele apontou para a história do avô de Belsazar (ver capítulo 4); e de como Deus o humilhou para demonstrar que Ele governa os assuntos dos homens. "E tu, Belsazar, que és seu filho, não humilhaste o teu coração, ainda que soubeste tudo isso; porém te elevaste contra o Senhor do céu" (vv. 22-23a).

V. A interpretação Solene da Escritura (vs. 24-28).

Foi nesse contexto que Daniel deu a interpretação. Note que Daniel explica que os dedos da mão foram enviados pelo próprio Deus que Belsazar havia zombado (v. 24). As próprias palavras foram traduzidas de várias maneiras; mas o significado é dado claramente para nós nos versos 25-27 - "MENE: Contou Deus o teu reino, e o acabou. TEQUEL: Pesado foste na balança, e foste achado em falta. PERES: Dividido está o teu reino, e entregue aos medos e persas" (vv. 26-28).

O fato de que a primeira palavra MENE é usada duas vezes sugere a severa certeza do julgamento.

VI. A Honra Inútil do Rei (v. 29).

O rei respondeu honrando Daniel; e fez dele 'terceiro governante' (talvez em segundo lugar para Nabonido e Belsazar). Daniel talvez tenha recebido essas coisas com humilde obediência; mas elas não tinham valor.

VII. A Queda Súbita do Império (vv. 30-31).

"Naquela mesma noite", nos é dito, Belsazar foi morto, e Dario, o medo, recebeu o reino. Como as Escrituras advertem: “Aquele que, sendo muitas vezes repreendido, endurece a cerviz, será quebrantado de repente sem que haja cura” (Provérbios 29:1). Que quadro é esse da verdade dessa advertência!