Nabucodonosor, Orgulho e Punição
Texto: Daniel 4:1-37

Tema: Este capítulo ilustra como Deus afirma a si mesmo como o soberano sobre as nações deste mundo.

Este capítulo nos revela a grande intenção de Deus em relação aos reinos gentios. Nabucodonosor, como o maior dos governantes em todos os 'tempos dos gentios', é um exemplo do trabalho de 'humildade' que Deus pretende; e mostra como Ele procura demonstrar a realidade da frase repetida neste capítulo: "o Altíssimo tem domínio sobre o reino dos homens, e o dá a quem quer" (v. 32; ver vv. 17 e 25; e também vv. 26, 35 e 36).

Como o apóstolo Paulo uma vez disse aos atenienses; “e de um só fez todas as raças dos homens, para habitarem sobre toda a face da terra, determinando-lhes os tempos já dantes ordenados e os limites da sua habitação; para que buscassem a Deus, se porventura, tateando, o pudessem achar. . . ” (Atos 17:26-27). A história de Nabucodonosor é uma ilustração do apelo no Salmo 2:10-12; “Agora, pois, ó reis, sede prudentes; deixai-vos instruir, juízes da terra. Servi ao Senhor com temor, e regozijai-vos com tremor. Beijai o Filho, para que não se ire, e pereçais no caminho; porque em breve se inflamará a sua ira. Bem-aventurados todos aqueles que nele confiam”.

I. A Saudação de Nabucodonosor (vv. 1-3).

Algo que mostra que a obra realizada na vida de Nabucodonosor produziu humildade é demonstrado no fato de que ele mesmo conta essa história. Pode ser que outro tenha escrito enquanto ele ditava; mas Deus levou Daniel a incluí-lo em seu livro de profecia. Este é um capítulo notável; porque foi escrito pelo maior monarca terreno do maior império mundial gentílico em seu maior ponto de majestade.

Ele fala essas palavras para todo o mundo gentio - “a todos os povos, nações, e línguas, que moram em toda a terra”. Podemos tomar suas palavras para nos apresentar hoje em nossa própria nação. E sua saudação é de paz - não apenas paz política, mas verdadeira paz que vem de um relacionamento correto com o Deus de toda a terra através de Seu próprio Rei designado (Lucas 2:8-14). Ele diz que achou por bem “declarar os sinais e maravilhas” que Deus havia feito a ele. Note que ele chama Deus “o Altíssimo Deus”, louva-O e afirma que o Seu reino é um reino eterno (Salmos 145:10-13). Ao dizer isso, ele abraçou totalmente a visão que Deus lhe dera anteriormente (2:36-44; especialmente no v. 44). Ele escreve essa saudação do ponto de vista de ter experimentado tudo o que ele está prestes a relatar.

II. A História da Humilhação de Nabucodonosor - Em Três Atos.

A. Primeiro Ato: O sonho do rei (vv. 4-27).

O rei tem um sonho perturbador (vv. 4-7). A história começa com o rei em repouso e prospero em seu palácio. Sua paz é interrompida por um sonho que o deixou "espantado". É tão perturbado que ele recorreu a uma política que ele havia usado antes - o de pedir aos funcionários de seu palácio para interpretá-lo para ele (2:2). Eles não fizeram a interpretação conhecida para ele, no entanto. Pode ser que, por causa de experiências passadas, ele não esperasse realmente obter deles; e talvez, por causa dessas mesmas experiências passadas, achassem prudente não tentar! Foi só depois que Daniel entrou em cena. Talvez sua chegada tardia tenha sido feita para demonstrar a incapacidade dos outros conselheiros do rei de fornecer uma interpretação (dando à aparição de Daniel na história uma espécie de "entrada dramática" divinamente designada).

O rei descreve o sonho para Daniel (vv. 8-18). O rei confiava na interpretação de Daniel porque “no qual há o espírito dos deuses santos”. O rei o chama pelo seu nome babilônico porque a história é para o povo do império babilônico. Ele descreve o sonho em detalhes para Daniel em termos que eram símbolos comuns para um grande rei (veja Ezequiel 17). Talvez o sonho tenha sido particularmente perturbador para o rei por causa do aviso de que seu resultado foi uma “decisão” pelo “decreto dos vigias, e por mandado dos santos” (v. 17). A advertência de fechamento teria recebido particularmente a atenção do rei!

Daniel dá ao rei a interpretação de seu sonho (vv. 19-26). Uma vez contado a ele, o sonho fez com que Daniel ficasse "atônito por algum tempo, e os seus pensamentos o perturbaram”. (v. 19). Seria difícil imaginar a tensão que isso teria criado para o rei. Apesar do espanto de Daniel, o rei assegura a Daniel que é seguro contá-lo a ele. O amor e respeito de Daniel pelo rei é demonstrado no fato de que ele deseja o sonho aos inimigos do rei. O sonho descreveu a intenção de Deus de humilhar o rei - embora também prometesse que seu reino seria restaurado para ele.

Daniel apela ao rei, com base no sonho, para que se arrependa (v. 27). Esta seria a terceira vez que Nabucodonosor foi apresentado a uma situação que exigia sua humildade diante do Deus de Israel. Daniel agora pede a ele que responda com genuíno arrependimento e submissão a Deus, na esperança de que o evento humilhante prometido pelo sonho pudesse ser adiado.

B. Segundo Ato: A humilhação do Rei (vv. 28-33).

O rei se orgulha de suas próprias realizações (vv. 28-30). Os eventos prometidos no sonho ocorrem um ano depois. O rei teve tempo suficiente para se humilhar diante de Deus; mas aparentemente, ele não o fez. Ele foi encontrado, em vez disso, gabando-se dos muitos programas de construção pelos quais ele é historicamente famoso.

Deus emite juízo sobre o rei (vv. 31-32). Enquanto ele falava, as palavras de juízo foram emitidas. Sem dúvida, ouvi-los imediatamente teria trazido a terrível percepção de que o sonho estava prestes a se tornar realidade. Envolvia o juízo de que seu reino se afastaria dele, que ele seria expulso dos homens como um louco, que iria morar com as bestas do campo e comer grama como um boi, e permaneceria nessa condição por sete anos até que ele aprendesse que Deus - não ele - era o verdadeiro soberano.

O rei é humilhado por um período de sete anos (v. 33). A continuação do reino pode ser explicada pelo fato de que Nabucodonosor havia desenvolvido um governo bem administrado. Também pode ter sido por causa da fidelidade de Daniel, que amava o rei e sabia de Deus que seu reino seria restaurado. Muitos eruditos identificam a loucura de Nabucodonosor com doenças mentais conhecidas nas quais os homens agem como animais; como zoantropia (um homem acreditando ser um animal), ou licantropia (uma forma de comportamento como 'lobisomem'), ou boantropia (uma desordem em que um homem age como um bovino; notando que somos informados de Nabucodonosor comer grama como bois). Pode ter sido uma doença mental conhecida como qualquer uma dessas; mas seu início foi claramente um ato direto de juízo de Deus; e deixou o rei em uma condição patética e humilhante. Que juízo terrível foi esse!

C. Terceiro Ato: A Restauração do Rei (vv. 34-36).

O rei ergueu os olhos para o céu e recuperou seu entendimento (v. 34a). Algo da mente do rei ainda deveria estar suficientemente sã para ele, no final do período de sete anos, olhar para Deus e lembrar o chamado à humildade.

O rei, tendo sido humilhado, bendiz a Deus (vv. 34b-35). Ele reconhece que Deus vive para sempre, tem um domínio eterno e um reino que é de geração em geração. Ele está sobre todos os habitantes da terra, faz de acordo com a Sua vontade "no exército do céu", e tem uma mão poderosa que nenhum homem pode conter. Este é um testemunho de um rei verdadeiramente humilde.

O rei é totalmente restaurado ao seu reino e se destaca (v. 36). Na época da restauração de sua razão, a glória e a honra de seu reino não só são restauradas, mas são até mesmo levadas a se sobressair. Deus deu-lhe muito mais do que ele tirou.

III. A conclusão de Nabucodonosor (v. 37).

É melhor, deixar o rei falar por si mesmo: “Agora, pois, eu, Nabucodonosor, louvo, e exalço, e glorifico ao Rei do céu; porque todas as suas obras são retas, e os seus caminhos justos, e ele pode humilhar aos que andam na soberba”. Este será um dia de testemunho para todas as pessoas (Filipenses 2:10-11).