28 de dezembro de 2010

Mulher Cananéia: As marcas de uma grande fé

Mulher Cananéia: As marcas de uma grande fé
Texto: Mateus 15:21-28

Introdução: Jesus Cristo não exagerou ou usou meias palavras. Ele falou a verdade, e somente a verdade. Quando ele elogia a fé de alguém como "grande", então devemos tomar conhecimento.

Apenas duas vezes, ambas com gentios, Jesus Cristo, classifica a fé de alguém como "grande". Várias vezes, Ele repreendeu aqueles que não tinham fé, e repreendeu os discípulos por ter pouca fé, mas raramente Ele classifica a fé de alguém como "grande".

Ouso dizer que, nenhum de nós aqui esta noite que afirmam ter "muita fé". Podemos dizer que nossa fé é fraca, mas não que temos muita fé. O texto lido faz referencia a uma mulher entre os gentios, que Cristo considerou ter apresentado grande fé - o tipo de fé que encontra com sua sincera aprovação.

Em nosso texto, encontramos uma mulher a quem Jesus disse-lhe: "Ó mulher, grande é a tua fé." Jesus disse isto sobre uma mulher que não sairia até que ela conseguisse o que queria de Cristo. A fé é o cálice que levantamos a Deus para que Ele encha com respostas à oração. A fé é a mão que agarra as promessas de Deus.

Quando é dito a alguém que sua fé é grande, vale a pena o nosso estudo e meditação.

Quais foram às marcas da fé, desta mulher Cananéia?

Há pelo menos quatro marcas de uma grande fé!

I. Uma grande fé começa com um grande problema

O único material que Deus pode usar na edificação de nossa fé são as nossas dificuldades. Se podemos encontrar algo melhor, não precisamos de fé. Se um problema é um problema menor e pode ser resolvido pela nossa razão e bom senso, ele não precisa de fé.

Deus não edifica uma grande fé, com pequenas provas.

Esta mulher tinha uma grande dificuldade. Sua filha era atrozmente atormentada por um demônio. Eu não tenho dúvida, mas no momento que ela decidiu procurar Jesus, ela já havia tentado todos os recursos que ela podia tentar. Ela provavelmente foi a todos os médicos e tentou todos os remédios caseiros que ela poderia procurar para ajudar a filha. No momento que ela procura Jesus, ela era uma mulher muito desesperada. Toda a esperança tinha ido embora. E ela não sabia mais o que fazer.
Esta mulher Cananéia tinha um grande problema, sua filha era atrozmente atormentada por um demônio. Deus não edifica uma grande fé em nós, com pequenos problemas, uma grande fé não é edificada por escalar montanhas pequenas. O precipício que é impossível de escalar, que desafia a nossa fé em sua grandeza.

Por sua própria avaliação, sua filha estava "cruelmente atormentada por um demônio."
Esta mãe sentiu o desamparo de ver sua filha sob o controle dos demônios. E então ela gritou para Jesus: "Senhor, Filho de Davi, tem compaixão de mim!" O texto sugere que ela fez isso por várias vezes. Ela estava desesperada.

Ela entendeu que ela poderia fazer muitas coisas para sua filha, mas ela não podia livrá-la de ser demonizada. Ela tinha um grande problema.

George Muller expressou desta forma: "Deus se deleita em aumentar a fé de Seus filhos Devemos, ao invés de não querer nenhuma prova antes da vitória, nenhum exercício de paciência, estar disposto a tomá-los da mão de Deus como um meio. Eu digo - e digo isso deliberadamente - provas, obstáculos, dificuldades, e algumas vezes fracassos, são o alimento da fé".

II. Uma grande fé está colocada dentro de uma grande pessoa

Tudo o que esta senhora sabia a respeito de Cristo, não sabemos. Obviamente ela tinha ouvido falar do seu poder curador. Talvez ela conheceu algumas pessoas que tinham sido curadas por ele. Ela o chama de "Senhor" e no versículo 25, ela adorou, dizendo: "Senhor, socorre-me!"

Esta senhora estava plenamente convencida da capacidade do Senhor para curar sua filha. Uma grande fé tem confiança na capacidade de Deus.

Não havia nenhum "plano B" para ela, nenhuma outra opção, e nenhum outro a quem ela pudesse procurar. Ela olhou para Cristo, e confiou em sua capacidade de atender sua necessidade desesperada.
Efésios 3:20 "Ora, àquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos segundo o poder que opera em nós..."

Antes de eu ir a alguém para fazer um pedido, eu preciso estar convencido de que esta pessoa tem a capacidade de satisfazer esse pedido.

Quanto mais aprendemos de Cristo, quanto mais sabemos sobre a sua capacidade, mais a fé é gerada em nós. Tozer disse que a fé é um órgão do conhecimento. Não podemos colocar fé em alguém que não conhecemos. E quanto mais conhecemos alguém, mais confiamos ou desconfiamos dessa pessoa.

A fé dessa mulher foi devidamente colocada. Nós nunca vamos construir uma grande fé em nossas vidas até conseguirmos o nosso foco total sobre a pessoa que tem a capacidade de responder às nossas orações.

Tozer disse: "O único homem que pode ter certeza que tem fé verdadeiramente Bíblica é o que se colocou em uma posição onde ele não pode voltar atrás."

Enquanto temos uma carta na manga, enquanto nós temos outras alternativas, sempre que Cristo for apenas uma fonte de ajuda e não o único que é capaz, fracassaremos em nossa fé.

Esta senhora não saiu do lado de Cristo até que Ele a respondeu, porque ela sabia que ele era a única resposta para a sua filha cruelmente atormentada. Agora isso é uma grande fé! O pré-requisito para qualquer fé é sempre a habilidade de Deus. As pessoas não vão buscar a ajuda de alguém, a menos que acredita que ele ou ela pode ajudá-los.

III. Uma grande fé é apoiada por uma grande perseverança

Esta senhora mostrou grande perseverança.

Perseverança significa apenas continuar insistindo. 

Esta fé mulher foi testada de três maneiras:

A. O silêncio de Cristo

Em Mateus 15:23 nos é dito que ela foi até ele e fez o seu pedido e "Ele não lhe respondeu palavra." Ele praticamente a ignorou, mas Ele estava testando a sua fé. Ele sabia o que havia no homem, Ele sabia que ela tinha fé. Ele estava esperando por sua fé para encontrar a plena expressão.
 
Algumas das maiores lições de fé são aprendidas quando Deus parece estar em silêncio quando estamos desesperados. V. 22.

Mais e mais a mulher clamava a Jesus por misericórdia. "Mas ele não lhe respondeu palavra." Nem uma palavra solitária de reconhecimento foi pronunciada. Nem mesmo um "não agora", "Eu vou falar com você mais tarde", "Eu ouvi, deixe-me pensar sobre isso", foi dito. Nada além de silêncio divino encontrado com gritos e choros.

Todos nós queremos ser ouvidos quando falamos. Nada pode despertar a raiva em nós mais rápido do que se sentir desprezado por um parente ou um amigo, quando estamos falando. Mesmo se alguém não concorda com o que dizemos, pelo menos, queremos ser reconhecidos!

No entanto, aqui estava uma senhora que sentia no fundo de sua alma o desespero de ver a filha possuída por demônios, e em seu clamor a Jesus Cristo por socorro, encontrou apenas o silêncio. Por que Jesus ficou silencioso para com seus apelos?

Seu silêncio testou a sua fé. 

Ela estava reclamando mérito, mas ela precisava de misericórdia. Ela estava colocando-se em terreno judaico, quando ela gritou "Filho de Davi." Ela não podia fazer isso porque era uma gentia. O Senhor respondeu do jeito que Ele respondeu para ela, não para destruir a sua fé, mas para desenvolvê-la.
Ele tinha um propósito em seu silêncio. O efeito foi o de desenvolver, fortalecer e manifestar a sua fé. Seu silêncio não foi sem propósito, e certamente não por desinteresse a necessidade dessa mulher.

Ela não desanimou a ponto de desistir apesar da aparente negação Senhor. Ela esperou e se agarrou, com fé.

B. O espírito dos discípulos

Os discípulos disseram: "Mande-a embora, pois vem clamando atrás de nós", Mateus 15:23. Que tristeza, que eles pensavam mais em sua facilidade do que na necessidade dessa mulher.

A atitude deles tornou-a mais determinada do que nunca! Ela determinou-se a insistir até que ela recebesse a bênção que tanto necessitava. A grande fé persiste.

C. As declarações do Senhor

As palavras de Jesus, registradas em Mateus. 15:24, deve ter parecido fechar a porta para a bênção, e ainda assim ela não aceitou isso. Jesus quis dizer que seu ministério primário era para os judeus, enquanto a mulher era uma gentia, mas ela reagiu maravilhosamente as Suas palavras, versículo 25. Ela soltou um rápido "telegrama" oração: "Senhor, me ajude! Tudo o que você diz pode ser verdade, mas por favor me ajude!"

O Senhor estava testando a sua fé, e ela passou no teste também.

Uma grande fé obtém as coisas de Deus, que uma pouca fé não consegue obter.

Esta mulher persiste em pedir e confiar mesmo que tudo parecia contra ela.

IV. Uma grande fé é sustentada por grandes promessas

Deixe-me mostrar-lhe a marca final de uma grande fé.

Disse-lhe Jesus: "Seja-te feito como queres." Isso era tudo o que ela precisava. Ela se foi. Ela tinha que voltar para casa para encontrar sua filha curada, mas ela foi curada no momento a palavra foi pronunciada.

Tudo o que essa mulher precisava era a promessa da Palavra. Ela saiu sem dizer uma palavra. A Palavra de Cristo foi suficiente para ela. Isso é uma grande fé.

Creio que enquanto ela voltava para sua filha, ela cantava pelo caminho.

“Firmes nas promessas do meu Salvador, 
Cantarei louvores ao meu Criador 
Fico pelos séculos no seu amor, 
Firme nas promessas de Jesus!”


Mas a maioria dos cristãos não perseveram tempo suficiente em um problema para obter uma promessa, pois eles não perseveram através dos seus desânimos para ouvir a Palavra.

“Firmes nas promessas não irei falhar, 
Vindo as tempestades a me consternar. 
Pelo Verbo Eterno eu hei de trabalhar, Firme nas promessas de Jesus!”

“Firme firme, firme nas promessas de Jesus Meu Mestre, 
Firme, firme, sim firme nas promessas de Jesus!”


Conclusão:
  1. Como ela estava desesperada
  2. Como ela estava determinada 
  3. Como ela foi distinguida, notável 
Pr. Aldenir Araújo
Juntos somos melhores
Juntos somos melhores Texto: Eclesiastes 4:9

1. Juntos adoramos melhor! 

É verdade que Deus está sempre conosco, mas há um sentido de sua presença, único e poderoso, que só pode ser desfrutado em comunidade, junto com outros crentes.
O fato de adorarmos junto com outros cristãos nos ajuda a enxergarmos além de nós mesmos e de nossos problemas.
Adorar em comunidade aumenta nossa alegria, amplia nossas perspectivas, ajuda outros a crerem e garante a presença de Deus em nosso meio. Jesus disse: “Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles”. Mateus 18: 20.[post_ad]É verdade que Deus está sempre conosco, mas há um sentido de sua presença, único e poderoso, que só pode ser desfrutado em comunidade, junto com outros crentes.

2. Juntos nos servimos melhor!

Há mais benefícios em servir juntos a Deus, do que sozinhos: compensamos as deficiências uns dos outros, somos mais eficazes, multiplicamos nosso desempenho, podemos enfrentar problemas maiores, e conseguimos sustentar uns aos outros quando estamos cansados ou desanimados.
Você sabia que seus talentos não são para seu beneficio apenas? Deus os deu para beneficiar os outros. O Senhor também deu talentos aos outros para beneficiar você. Dessa forma, nenhum de nós pode afirmar com arrogância que é autossuficiente, completo em si mesmo. Deus quer que dependamos uns dos outros para cumprirmos seus propósitos.
De fato, nossos talentos são melhor utilizados quando os combinamos com os talentos dos outros. A Bíblia diz: “É melhor haver dois do que um, porque duas pessoas trabalhando juntas podem ganhar muito mais”. (Eclesiastes 4:9). Deus planejou que o servíssemos juntos.

3. Juntos temos melhor comunhão!

A Bíblia diz que você foi criado para comunhão. Todos nós somos parte dele “Corpo de Cristo”... Assim pertencemos uns aos outros e cada um precisa de todos os demais. Romanos12.5b
Obviamente não é possível ter comunhão sozinho! São necessárias pelo menos duas pessoas. Ao mesmo tempo, você não consegue ter comunhão com uma multidão de pessoas. A verdadeira comunhão ocorre num pequeno grupo de pessoas. É por isso que Jesus tinha um Pequeno grupo de doze discípulos! Ele deixou o modelo da comunhão.
A comunhão não acontece automaticamente. O fato de reunirmos-nos numa igreja não garante a comunhão! Você pode frequentar as reuniões da igreja durante toda a sua vida e ainda assim, sentir-se sozinho e desconectado. A Bíblia diz: “Irmãos; peço pela autoridade do nosso Senhor Jesus Cristo que vocês estejam de acordo no que dizem e que não haja divisões entre vocês. Sejam completamente unidos num só pensamento e numa só intenção” (I Coríntios 1:10). Note que comunhão é algo que precisamos aprender. Tem que ser intencionalmente cultivada.
O que significa cultivar uma vida em comum? Na Bíblia, a palavra grega para comunhão é Koinonia. Significa estar comprometido mutuamente, como estamos com Jesus Cristo. A comunhão verdadeira nos leva além de uma socialização simples, de um estudo em conjunto, para níveis mais profundos de serviço mútuo e, às vezes, passarmos por sofrimento juntos. Esse tipo de comunhão é o antídoto para a penetrante solidão que assombra tantas pessoas.
Como podemos desenvolver uma comunhão mais profunda? 1 - Admitindo nossas necessidades uns dos outros.
2 - Apoiando uns aos outros.
3 - Respeitando uns aos outros.
4 - Sendo pacientes uns com os outros.
5 - Encorajando uns aos outros.

4. Juntos, alcançamos melhor os outros!

Deus espera que nos unamos para compartilhar as Boas Novas com outros. Porque é testemunho para o mundo.
Se vocês tiverem amor uns pelos outros, todos saberão que vocês são meus discípulos. João 13:35.
Nossa comunidade, em união, deveria refletir a fé que temos no amor de Jesus Cristo. Nossa “célula” foi idealizada para ser um ponto de amor e luz nas trevas de nossa cidade.
Devemos deixar nossa luz brilhar para que outros possam ver nossas boas ações e glorificar nosso Pai celestial Mateus 5:16.
Um modo prático pelo qual você pode fazer isso é através do convite a outras pessoas de seu convívio para participar da reunião da célula, com você! Muitas pessoas que talvez relutem ou hesitem em visitar a igreja nos cultos, aceitariam alegremente um convite para uma reunião informal em uma casa ou escritório. Não perca essa oportunidade tão boa de alcançar seus vizinhos, amigos e colegas de trabalho.
NO MODO COMO VOCÊ AMA AOS OUTROS, FALA SOBRE O AMOR DE DEUS, ENTÃO, O QUÃO CLARA E ALTA TEM SIDO A SUA VOZ?
”Sejam sábios no procedimento para com os de fora; aproveitem ao máximo todas as oportunidades. O seu falar seja sempre agradável e temperado com sal, para que saibam como responder a cada um”. Colossense 4:5,6

5. Juntos crescemos melhor!

Da mesma forma que sua mão não pode desenvolver-se quando separada de seu corpo, você não pode crescer espiritualmente quando estiver separado da comunhão do corpo de crentes de sua igreja local. A Bíblia diz que juntos, formamos o Corpo de Cristo. Dessa forma, cada membro do corpo é importante e necessário para que ele funcione de acordo com o planejado. “Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo, de quem todo o corpo, bem ajustado e consolidado pelo auxílio de toda junta, segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu próprio aumento para a edificação de si mesmo em amor” Efésios 4:15,16
Do mesmo modo que um bebê precisa de uma família para crescer, você precisa de uma família espiritual a fim de transformar-se, e ser tudo o que Deus planejou que fosse.
É somente em comunidade que aprendemos a mais importante lição de vida, que é amar. Sem relacionamentos, nunca seremos capazes de desenvolver paciência, bondade, altruísmo, perdão e todas as outras qualidades cristãs que Deus quer que possuamos.

Autor: Pr. Honório Portes Jr.
Deus Quer Reavivar as Nossas Vidas Nas Áreas Onde Estamos em Processo de Morte

Deus quer reavivar as nossas vidas nas áreas onde estamos em processo de morte
Texto: Ezequiel 47, Ezequiel 37, João 11

Introdução: A palavra que Deus me deu para compartilhar com você hoje é sobre reavivamento espiritual. Nos últimos dias Deus me falou sobre este assunto e pude experimentar isso dentro de mim.

Precisamos de reavivamento, quando não conseguimos mais sonhar, quando não conseguimos mais crer, ou quando não conseguimos mais ter esperança.

Precisamos de reavivamento quando a nossa alegria em servir ao Senhor está desaparecendo em nossos corações.

Precisamos de reavivamento quando os dons do Espirito estão se apagando em nós ou quando não temos mais o prazer de evangelizar vidas, ganhando-as para Cristo.

Quantos estão espiritualmente quase mortos, vivendo sem alegria e gozo em estar na presença de Deus. Quantos estão presos a uma rotina de trabalho cansativa, desanimadora, onde não conseguem enxergar horizontes melhores e perspectivas de prosperidade.

Quantos vivem uma vida familiar desgastada, arruinada e destruída pelo Diabo. Quantos estão na Igreja desanimados frios e sem vontade de produzir frutos no reino de Deus.

Hoje Deus quer mudar teu destino, tua sorte, e gerar vida.

1. Vejamos o que Deus nos ensina sobre a vida!

a) É preciso mergulhar com profundidade nos rios da vida (v.3, v.4, v.5)
O profeta tem a visão do rio que sai do trono de Deus. O rio da vida. Este rio simboliza a obra do reavivamento produzido pelo Espírito em nós.

Na visão o profeta recebe a ordem de entrar no rio. Ele começa a entrar no rio. Ao entrar inicialmente o rio lhe dava pelos pés, mais adiante o rio lhe dava pelos joelhos, mais á frente o rio era tão profundo que ele não podia mais entrar.

Deus está nos mostrando irmãos que é necessário sermos mais profundos em nossa comunhão com o Senhor. Existem pessoas que se contentam apenas em ficar com os pés na beira do rio. Estes são aqueles que não se aprofundam na comunhão com o Senhor. Estão na Igreja, mas vivem uma vida cristã cheia de inconstâncias e dificuldades.

Pessoas que estão na beira do rio, são aquelas que não experimentaram uma profunda restauração de Deus, uma grande libertação, uma grande mudança em suas vidas ou uma verdadeira obra de reavivamento. São pessoas que se contentam com uma vida cristã superficial e sem experiências com Deus.

Deus te chama para conhecer as profundidades deste rio.Deus quer você em comunhão profunda. Portanto, busque e encontrarás o Senhor.

b) Por onde o rio passa a vida é gerada (“…Quando entram no mar, as águas se tornam saudáveis” v.8)
O rio de Deus é a própria presença dele dentro de nós. O rio passa por lugares que estão mortos e desérticos. Assim é também nossa vida em muitas áreas. Alguns estão vivendo em situações parecidas como a da visão do vale de ossos secos. A visão do vale de ossos secos representava a própria condição espiritual de Israel. Muitos estavam frios e distantes espiritualmente de Deus. Assim a visão do vale de ossos secos ao povo de Deus que embora muitos tivessem a aparência de que estavam bem espiritualmente na verdade, estavam espiritualmente mortos.

Às vezes, estamos literalmente num deserto, e ali não vemos qualquer caminho aberto. Mas, aqui nesta visão o rio de Deus abre caminhos produzindo a vida. O rio de Deus é o poder do seu Santo Espírito. Este rio quer passar dentro de nós nos santificando e nos renovando. Em nome de Jesus experimente este reavivamento, pois por onde o rio passa a vida se renova.

Conclusão: Voltemos a visão do vale de ossos secos. Ali, Deus literalmente colocou carne e vida em um lugar onde só haviam ossos. Talvez hoje, você veja apenas os ossos e o deserto. Talvez, hoje você esteja envolvido numa vida sem projeção, com caminhos obscuros e não está experimentando a graça protetora graça de Deus. Talvez alguns aqui desta Igreja estão vivendo momentos difíceis, que tem gerado o abatimento.

Mas, Deus tem o poder de gerar o milagre onde não existem quaisquer recursos disponíveis para você. Só Ele pode reavivar em nossas vidas o que esta em processo de morte. Creia, busque, entregue-se a Deus.

Lembre-se ainda do milagre que aconteceu com a família de Lázaro (João 11). Marta, irmã de Lazaro via aquela situação como insolúvel. Ela chega a dizer a Jesus: “Se o senhor estivesse aqui…”. Parece até, que Marta experimentou aquele momento como se Deus estivesse longe dela. Mas, Deus sempre está perto.

Em certo momento Jesus chama Lázaro para a vida. Jesus dá três ordens:

“Tirai a pedra”. V.39 Deus que tirar qualquer pedra que esteja dentro do seu coração, da sua mente e dos seus sentimentos impedindo você de ser restaurado e liberto. São estas pedras que impedem o avivamento.

Depois Jesus diz: “Lazaro, vem para fora”. V.43 – Vejo aqui Deus chamando Lázaro para a vida. Jesus está mandando que Lázaro saia da caverna, de sua câmara mortuária e venha para a vida. Meu irmão saia desta redoma, desta caverna de morte, de desânimo e venha para a vida em nome de Jesus. Lembre-se que fomos chamados para a vida, e vida em abundancia. Portanto, desfrute da alegria abundante do Espírito.

“Desatai-o e deixai-o ir” v.44 – Depois que Deus chama Lázaro para fora, começa uma grande obra de cura e libertação espiritual. Há muita gente salva nas igrejas, que porém esta vivendo no corpo de Cristo com dificuldades emocionais e espirituais. Estas pessoas não conseguem avançar, progredir, produzir frutos. Deus que desatar sua alma neste momento. Quando estas amarras caírem você estará livre para avançar e correr em direção aos grandes sonhos de Deus para sua vida.

Estamos num momento importante de renovação e reavivamento. Abra o seu coração, quebrante-se perante o Senhor, e Ele sarará o teu coração.

A promessa do Senhor para nós em 2 Crônicas 7:14 é: “se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e me buscar, e se converter dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus, perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra.”

Autor: Pr. Josias Moura de Menezes

25 de dezembro de 2010

Dias extraordinários
dias-extraordinariosTexto: Mateus 17:24-27

Introdução: Jesus desafiou a Pedro a viver um dia extraordinário, pois ele era um pescador profissional, e agora teria que experimentar o impossível.

A vontade do Senhor é que recebamos um suprimento fruto de um milagre. A maneira que o milagre acontece, é sempre algo que confronte aquilo que é natural.

O encontro com JESUS nos dá a habilitação para viver o sobrenatural:
  • É ter a provisão aonde ninguém tem
  • É viver as liberações aonde a probabilidade é nula
O Peixe simboliza não somente o crescimento e o desenvolvimento da Igreja. Mas também, o poder supridor que existe no corpo de Jesus Cristo, indo muito além de uma compreensão natural.

O corpo de Jesus Cristo é auto-suficiente, inclusive no aspecto financeiro e material. Uma dimensão a ser explorada na sua plenitude.

1. Não viva pela lógica humana. V.27

“o primeiro peixe que fisgar, tira-o; e, abrindo-lhe a boca, acharás um estáter”

O normal em meio a crise é tomar atitudes precipitadas, que muitas vezes aumentam a dificuldade, como tomar dinheiro emprestado para pagar dívidas, tornando assim o que era uma solução rápida num longo problema, ou seja, a dívida continua só que agora maior.

A obediência da palavra nos habilita a viver milagres e soluções, muitas vezes que nunca imaginamos. Não podemos viver como os outros vivem, pois somos diferenciados pela palavra profética, e devemos buscar a resposta da boca de Deus.

2 Coríntios 5:7 “visto que andamos por fé, e não pelo que vemos.”

2. Praticar a palavra com todas as suas forças. V.27

“vai ao mar, lança o anzol, e o primeiro peixe que fisgar, tira-o;”

Pedro olhou para Jesus – onde estava sua provisão.

Assim será nossa vida, se haviam situações que estavam enfraquecendo nossas finanças, o Senhor fortalecerá nossas mãos e aonde todos viam a vergonha, o Senhor nos dará a dupla honra.

A dificuldade financeira vem para tirar as forças do homem natural, criando um ciclo de miséria e dívidas que não tem fim, é a rotina da dificuldade, que aliás só muda para pior.

3. Desejar viver os milagres. V.27

“e o primeiro peixe que fisgar, tira-o; e, abrindo-lhe a boca, acharás um estáter. Toma-o e entrega-lhes por mim e por ti.”

O desprendimento de Pedro precedeu aquilo que nunca havia acontecido antes. As situações mais loucas desta terra vão se manifestar em nossas vidas.

Conclusão: Creia que você viverá dias extraordinários em sua vida, é possível…

Projeto Atenda
Glórias ao Rei dos reis…

21 de dezembro de 2010

Quatro Âncoras Fortes para os Mares Tempestuosos da Vida
Quatro Âncoras Fortes para os Mares Tempestuosos da Vida
Texto: Atos 27:27-29

Introdução: Estes bravos marinheiros estavam em uma tempestade que parecia ser esmagadora. Em um esforço para salvar o navio e as suas vidas, lançaram quatro âncoras no mar. Infelizmente, essas âncoras foram ineficazes contra a tempestade, e o navio foi finalmente perdido.

No entanto, a bordo do navio estava um homem chamado Paulo. Ele era um homem especial por motivos diversos:
1. Ele era um filho de Deus,
2. Ele era um homem com uma missão
3. Ele era um homem de fé, e
4. Ele estava em comunhão com Deus. Por causa de quem ele era, Paulo foi ancorado no meio daquela tempestade, apesar de o navio não estar ancorado!

Os marinheiros lançaram quatro âncoras no mar, em uma tentativa para estabilizar o navio. As âncoras falharam. Enquanto eu lia esse texto, eu me dei conta de que Paulo tinha quatro âncoras também. Essas âncoras firmaram-lhe durante a tempestade. Mesmo o navio sendo sacudido e abalado, Paulo foi capaz de permanecer firme e forte.

Gostaria de por alguns momentos desta noite compartilhar com vocês as âncoras que manteve Paulo firme durante a tempestade. As mesmas âncoras estão disponíveis para você e para mim esta noite. Permitam-me compartilhar com vocês quatro âncoras fortes para os mares tempestuosos da vida.

I. A Âncora Forte da Presença de Deus. V. 23

A. Mesmo no meio da tempestade, Paulo descobriu que ele não estava sozinho. O Senhor veio a ele para ministrar a paz ao seu coração.

B. Independente da tempestade que chacoalha sua vida e a minha, se tivermos a mesma confiança que Paulo tinha em seu relacionamento com o Senhor, v.23, então podemos ter fé em sua promessa de estar sempre conosco - Mateus 28:20; Hebreus 13:05 (Davi - Salmos 23:4 )

C. Que incentivo é saber que nunca iremos enfrentar um instante da vida sozinho! Cada passo, cada vale, cada montanha será agraciada por Sua presença! Salmos 23:6 - Os pés abençoados de Deus, bondade e misericórdia nos seguirão todos os dias da nossa vida!

D. Seria uma bênção se contássemos sempre com a presença manifesta do Senhor, como fez Paulo. Mas, mesmo quando você não consegue vê-Lo, Ele ainda está lá: observando, conduzindo, protegendo, sendo Deus.

II. A Forte Âncora Das Promessas de Deus. V. 24-25

A. Enquanto Paulo resistia a terrível tempestade, o Senhor veio a ele com uma promessa preciosa. Ele lembrou Paulo que ele estaria diante de César, e que todos a bordo do navio seriam poupados também. Para Paulo, apenas ter uma palavra de Deus foi suficiente para ancorá-lo e dar-lhe uma segurança abençoada. Por quê? Ele sabia que Deus é tão bom quanto a Sua Palavra, Romanos 4:21.

B. Sua promessa é fiel e verdadeira! Romanos 3:4; Hebreus 6:18.
Observe o que Ele promete que teremos que garante a segurança total.
1. Dias melhores - Salmos 30:5
2. Livramento - Salmos 34:19
3. Tudo é para o nosso bem - Romanos 8:18, 28, 32 II Coríntios 4:17
4. Graça Divina - 2 Coríntios 12:9
5. Gloria final - Apocalipse 21:4

C. Suas promessas são baseadas em e sobre a Sua Palavra. É pura, inspirada e vai permanecer quando o mundo estiver em chamas, Salmos 119.89!

“As Sagradas Escrituras contêm um total de 8.810 promessas”.
  • 7487 promessas de Deus ao homem (cerca de 85 por cento de todas as promessas da Bíblia).
  • Existem 991 ocorrências de uma pessoa que fez uma promessa para outra pessoa.
  • Existem 290 promessas do homem a Deus.
  • 29 promessas feitas pelos anjos, a maioria delas encontrados em Lucas.
  • nove promessas feitas pelo "velho mentiroso, o diabo" (Por exemplo, sua promessa de dar a Jesus todos os reinos do mundo se ele prostrasse e o adorasse).
  • 2 promessas são feitas por um espírito maligno.
  • 2 são feitas por Deus Pai, ao Deus Filho. Um livro da Bíblia não contém nenhuma promessa, Tito. Efésios têm apenas seis promessas. Por outro lado, Isaías, Jeremias, Ezequiel, tem mais de 1.000 promessas cada. "Praticamente todos os versos do Salmo 37 é uma maravilhosa promessa”.
D. Reivindique as promessas de Deus como uma âncora para sua alma enquanto você navega pelos mares tempestuosos da vida! Elas vão desbloquear as prisões de desespero em que o diabo procura prender você!

III. A Forte Âncora da Providência de Deus. V. 24

A. O Senhor diz a Paulo que a tempestade é da parte de Deus trabalhando o seu plano na vida de Paulo. Naquele momento, a tempestade era o lugar mais seguro do mundo para Paulo estar! Por quê? Porque ela era a vontade do Senhor e Deus estava trabalhando de uma maneira poderosa na situação para trazer a Sua vontade para a vida de Paulo.

B. Você sabia que Deus pode estar fazendo a mesma coisa em sua vida também? Pode ser uma fé simples, mas eu ainda acredito que Deus é soberano! Isto significa que Ele está no controle absoluto de tudo que acontece na vida! Ele é o Senhor Soberano - Isaías 45:7. Ouça o testemunho de Tiago sobre este soberano Senhor – Tiago 1:17. Se eu não soubesse que Deus está no trono, eu não quereria viver neste mundo um segundo, mas enquanto eu sei que Ele ordena as tempestades (Discípulos e tempestade - Marcos 6:45-50 ), eu posso confiar nEle. Ele sabe o que é melhor e isso é tudo o que Ele envia em sua vida. Romanos 8:28 . A melhor coisa que podemos fazer quando a tempestades vier sobre nós é correr para Ele em busca de refúgio e se agarrar a ele até que a tempestade passe. Salmos 57:1; Isaías 25:4.

C. Esse é o tipo de confiança que vai lhe permitir bater na cara do Diabo, mesmo quando a tempestade continua a fazer estragos. Jó 1:20-21!

D. Observe que: mesmo depois de Paulo receber a grande promessa do Senhor para si e para todos a bordo do navio, os homens ainda tentaram cuidar dos assuntos por conta própria, v. 28-39, e alguns até tentaram sair do navio, v. 30-31. Mesmo diante da promessa de Deus, v. 21-26, os homens no navio, lutavam, temiam e lançavam trastes no meio da tempestade. Havia apenas um a bordo que estava gostando da viagem: Paulo! Por quê? Porque ele acreditava em Deus! Ele sabia que Deus estava trabalhando e ele usou essa verdade como uma âncora!

Amigos, vivemos numa época em que os homens estão abandonando o navio em um ritmo alarmante! A tempestade da vida ataca-os e eles abandonam a igreja, o velho barco de Sião. Quero lembrar-lhe que o melhor lugar que você pode estar nas tempestades da vida, é o barco, onde o Senhor quer que você esteja. Se você deixar o barco, você pode enfrentar a fúria da tempestade com as suas próprias forças. Se você ficar onde o Senhor te plantou, você pode ter certeza de que Sua obra providencial na sua vida será realizada até a conclusão!

IV. A Forte Âncora do Agir de Deus. V. 44

A. O que o Senhor disse a Paulo, e que Paulo acreditava que iria acontecer aconteceu: todos com segurança chegaram à praia. Deus manteve a Sua Palavra! Ele poupou a vida de todos e provou ser tão bom quanto a Sua Palavra!

B. Deus é capaz de resolver tudo! Ele vai conduzi-lo através da tempestade e chegarás a terra com segurança! Pode parecer esta noite que o barco vai afundar. Pode parecer que as tempestades da vida vão prevalecer. No entanto, quando as ondas se acalmarem, quando os ventos cessaram o seu sopro, quando as chuvas diminuírem, quando as nuvens de tempestade se afastar do horizonte: você vai ver que Deus estava no controle o tempo todo! Eu posso te prometer, nenhuma tempestade nesta vida será capaz de surpreendê-lo fora do curso que Deus determinou para sua vida! Ele vai proteger você durante a tempestade e ele vai conseguir entregá-lo ao porto seguro da sua glória!

C. Gostaria apenas de lembrá-lo esta noite que o nosso Deus é um Deus forte e poderoso, Lucas 1:37; Jó 42:2. Ele é capaz de fazer qualquer coisa que precisa ser feito, Efésios 3:20. O fato é, Ele não salvou você para perder o controle sobre você em uma tempestade. Não! Ele salvou-lhe levar pra casa para a glória e isso é exatamente o que Ele vai fazer, João 6:37-40!

Conclusão: Você lançou suas âncoras profundas no Senhor, esta noite? Se você lançou, então você pode resistir às tempestades da vida. Se você não tiver lançado, se prepare para ser soprado pelos ventos da adversidade. Eu incentivo-o a vir diante do Senhor e dizer algo como: "Senhor, eu não posso resolver a minha situação. não posso acalmar a fúria dos mares da minha vida e eu não posso ainda os ventos que sopram contra mim. Preciso de ajuda hoje. Pela fé, eu coloco as âncoras da sua presença, da sua promessa, da sua providência e do seu agir em meu mar revolto. Estou decidido a confiar em ti para andar em minha tempestade e falar de paz quando for a sua vontade fazê-lo. Até então, eu não o medo, não vou traste, e não vou lutar. Vou confiar em ti para fazeres o que é melhor para mim" Quando você joga a toalha e chega a um lugar de total confiança diante do Senhor em sua tempestade, ele recebe sua atenção e você pode ter certeza que ele vai fazer alguma coisa sobre a sua situação!
A chave para a paz
A chave para a pazTexto: Filipenses 4:6-7

Introdução: Existe três tipos básicos de paz mencionados na Bíblia.
· A paz de Deus que vem com a salvação. Romanos 5:1.
· A paz de Deus que vem através da entrega total a Deus em todas as coisas. Filipenses 4:6-7 - João 14:1, 27.
· A paz na terra, que virá quando Jesus Cristo voltar para reinar em glória e poder. Isaías 2:1-4.

O texto que lemos lida com a paz de Deus que vem com a total entrega a Deus em todas as coisas.
1. É a paz de Deus nos momentos de dificuldade.
2. É a paz de Deus que supera as nossas preocupações e que nos ajuda a descansar na vontade de Deus, mesmo quando não podemos ver o que está por vir.

A chave para ter este tipo de paz está no fato de possuir um coração agradecido.
Ação de graças é um tema importante em toda a Bíblia. Ela é mencionada mais de 140 vezes.
· Davi falou sobre isso - Salmo 103 - A lista de bênçãos é inesgotável e torna-o digno da nossa gratidão.
· Daniel praticou - Daniel 6:10 - Daniel demonstra o poder de dar graças mesmo quando você está no meio das provações.
· Paulo escreveu sobre isso - 1 Tessalonicenses 5:18 - Deus merece, ordena e espera a nossa gratidão em todas as áreas da vida e em todos os momentos.

A chave para experimentar a paz mencionado no versículo 7 está em possuir um coração agradecido. Eu quero pregar nesta noite sobre a chave para a paz.

Quero mostrar-lhes algumas razões porque eu afirmo que a ação de graças é a chave para a paz.

I.  A ação de graças vem quando olhamos para cima.

· O versículo 6 faz referência aos cuidados desta vida. A palavra "cuidado" significa "estar ansioso ou preocupado". Essa palavra nos lembra que às vezes as preocupações da vida pode tornar a ação de graças difícil.
· Todos nós passamos por esses momentos: João 16:33 - Eclesiastes 2:23.
· Quando tiramos um momento para parar em nossas lutas e olhamos para Deus para a sua ajuda, vamos descobrir que temos muitas razões para agradecer.
· Quando olhamos para cima, vamos descobrir que:
1. Deus está agindo em nossa dor - Romanos 8:28
2. Deus está sempre presente em nossa dor. Hebreus 13:5
3. Deus proverá em nossa dor, tanto material quanto espiritualmente. Mateus 6:25-34, 2 Coríntios 12:9
4. Deus está interessado em nossa dor e Ele nos convida a levar as nossas preocupações a Deus em oração. Hebreus 4:15-16
· Quando aprendemos a fazer uma pausa em nossa dor e olhamos para Deus, vamos descobrir que Ele está sempre presente.
I.   A ação de Graças vem quando olhamos para cima.

II.   A ação de graças vem quando olhamos ao redor.

· O versículo 6 sugere uma vida que é vivida, totalmente dependente da relação com Deus.
· Quando paramos e olhamos para todas as bênçãos que desfrutamos por causa do nosso relacionamento com o Senhor, é fácil ver porque é que devemos ser um povo agradecido. Precisamos parar e fazer um inventário espiritual de todas as bênçãos que desfrutamos no Senhor. Mencionei o Salmo 103. Neste Salmo Davi cataloga as bênçãos do Senhor, e convida o povo de Deus para lembrar as bênçãos, v.2, e para louvar o Senhor por essas bênçãos, v.1.
· As bênçãos incluem:
1. Perdão - v. 3, 8-12
2. Saúde espiritual - v. 3
3. Redenção - v. 4
4. Bênçãos - v. 4
5. Satisfação - v. 5
6. Força - v. 5
7. A Palavra de Deus - v. 7
8. A infinita misericórdia de Deus - v. 8, 17
9. O relacionamento da nossa família com Deus - v. 13
10. Sua paciência - v. 14
· Pense em tudo o que você tem Nele:
1. Seu amor, Sua misericórdia e graça.
2. Sua salvação e perdão
3. A Palavra de Deus
4. A Igreja
5. O privilégio da oração, v. 6 – A ação de graças adiciona o elemento da expectativa ao ato de oração. A ação de graças nos dá fé para esperar a resposta às orações que fizemos.
· Agora, pare para pensar em como o Senhor tem te abençoado:
1. Financeiramente
2. Fisicamente
3. Espiritualmente
4. Com a família e amigos
5. Com uma morada no céu
6. Ao responder as orações, ao mover as montanhas, satisfazer as necessidades, confortando seu coração, oferecendo amor e perdão incondicional.
· Quando paramos para olhar ao redor em todas as bênçãos que desfrutamos como filhos de Deus, é fácil ver que temos razão suficiente para oferecer a Ele ação de graças!
I.  A ação de Graças vem quando olhamos para cima.
II. A ação de graças vem quando olhamos ao redor.

III. A ação de graças vem quando olhamos para o futuro.

· O versículo 6 menciona ansiedade e preocupação. A ansiedade e a preocupação florescem sempre que há dúvida e medo. A área da nossa vida mais frequentemente consumida com a dúvida é o futuro. Nós simplesmente não sabemos o que o amanhã vai trazer e a falta do conhecimento nos enche de medo sobre o desconhecido.
· A dúvida encolhe e se esconde com medo dos desapontamentos, perdas e os problemas de amanhã.
1. A fé, no entanto, dá boas vindas ao futuro com otimismo grato.
2. A fé olha para o futuro com confiança porque a fé sabe quem controla o amanhã, Romanos 8:28.
3. A fé sabe que Deus planeja o amanhã, Isaias 46:9-10.
4. A fé sabe que Deus conduz com segurança o seu povo hoje e por todos os amanhãs da vida, Salmo 37:23.
· Por que a fé pode ser tão esperançosa quando ele olha para o futuro? O versículo 8 nos diz que a fé concentra a sua atenção nas coisas que glorificam a Deus e nas coisas que levam os santos para mais perto de Deus.
· A fé é grata quando encara o futuro, porque a fé não se preocupa com o amanhã. A fé te leva a olhar para o rosto de Deus, sabendo que, o amanhã pode ser preenchido com a sua quota de dor e decepção, a fé sabe Quem detém todos os amanhãs da vida em Suas mãos.
· Quando seus olhos estão no Senhor, você pode encarar o futuro com ação de graças!

Conclusão: A ação de graças é a chave para uma paz duradoura. Quando você olhar para cima você vai encontrar razões abundantes para a gratidão. Quando você olhar em volta, ainda mais razões para apresentar ação de graças ao Deus Santo. Quando você olhar para o futuro, você pode fazê-lo com gratidão quando você sabe quem detém os seus amanhãs.
· O que você tem para agradecer? Venha para o Senhor e renda-Lhe graças e a adoração que a Ele é devida!
· O que impede você de ser tão grato como deveria ser? Venha a Ele e lide com as questões que impedem hoje o seu agradecimento!

Pr. Aldenir Araújo

18 de dezembro de 2010

A matemática da cruz
A matemática da cruzTexto: I Coríntios 1:17 - 1:18
Introdução: A matemática é uma ciência que tem quatro operações fundamentais, a saber: adição, subtração, multiplicação e divisão.

Em nossa passagem, a cruz é uma referência não aos dois pedaços de madeira que foram usados como instrumentos de morte nos tempos romanos, mas sim o sofrimento, a morte, sepultamento e ressurreição de Jesus segundo as escrituras. Agora, se meditarmos sobre a cruz de Cristo, vamos ver como Deus trabalha por ela usando as quatro operações da matemática.

Nesta noite vamos meditar sobre - A Matemática da Cruz.

1.  A cruz subtrai uma alma do inferno

Cada um de nós estava no caminho para o inferno. Nós éramos por natureza filhos do orgulho e da desobediência. A ira de Deus e o juízo estava sobre todos nós. Louvado seja Deus, quando acreditamos na cruz de Cristo - isto é, Sua morte, sepultamento e ressurreição, fomos imediatamente subtraídos do fogo do inferno (João 5:24).

Não obras, cerimônias ou rituais religiosos estavam envolvidos nele, mas só a fé pura no perfeito, uma vez por todas, e terminou o trabalho de Jesus Cristo na cruz (Romanos 3:24). Assim, foram subtraídas eternamente as vítimas do Inferno (Romanos 8:1). Na verdade, é somente através do poder de Deus - a pregação da cruz, que a humanidade pode ser capaz de fugir da ira de Deus e da punição do inferno. Graças a Deus por essa subtração!

2. A cruz adiciona almas para o céu

Uma vez que um pecador totalmente confia em Jesus e Sua obra consumada no Calvário, ele é adicionado à família de Deus (Gálatas 3:26) e ele sabe disso (Romanos 8:16). Um pecador que é salvo pela graça de Deus também é adicionado a proteção nos céus, a vista do diabo e aqueles que o servem (Salmo 34:7). Assim, um crente é adicionado à habitação celestial prometida por Jesus (João 14:2-3). Louve a Deus por esta adição abençoada!

3. A cruz divide uma alma do mundo

Quando uma pessoa se converte a Cristo, ele é dividido ou separado do mundo, porque ele agora é uma nova criatura diante de Deus (II Coríntios 5:17). Um homem salvo não é apenas reformado ou melhorado, porque isso não é o suficiente aos olhos de Deus. Ele deve ser realmente transformado e renascido espiritualmente!

A Bíblia ensina que um homem nascido de novo está morto para o mundo, mas vivo em Deus (Romanos 6:1-2, 6; Colossenses 3:3; Gálatas 2:20). O corpo do pecado da carne do cristão já foi crucificado e morto, mas ressuscitou para viver em Cristo, como Cristo, com Cristo e por Cristo! Doravante, ele não deve mais viver como um servo do pecado, mas sim como um servo de Deus e sua justiça!

Um verdadeiro crente se divide deste mundo mau, que é governado por Satanás e seus principados. Os verdadeiros crentes em Cristo são selados, habitados, cheios e possuído pelo Espírito Santo de Deus (II Coríntios 1:22;. Efésios 4:30;. I João 4:04, etc.) O cristão é o templo e morada de Deus através do Espírito (Efésios 2:22, I Coríntios 6:19-20). O Espírito de Deus deve estar residindo e presidindo ele! Agradeço a Deus por esta grande divisão provocada pela cruz de Cristo!

4. A cruz multiplica as bênçãos de uma alma

A cruz não tira nada de precioso do homem, mas ao contrário multiplica; tanto bênçãos espirituais como físicas. Ela multiplica o amor de Deus, a graça, a paz e a herança que não pode ser destruída nem roubada (II Pedro 1:2; I Pedro 1:4). A cruz multiplica as oportunidades de fazer bem e ser útil no serviço de Deus e ao próximo de modo que nós trazemos glória ao Seu nome (I Coríntios 3:9;. 10:31). Irmãos, não devemos ter vergonha de servir a Deus. Quando ainda éramos pecadores e servíamos ao diabo, não tínhamos vergonha de nossos atos maus, mas muitos se orgulhavam de fazer tal!

Conclusão: A cruz de Cristo é algo que o cristão pode verdadeiramente se gloriar (Gálatas 6:14). Amigo, na verdade, somos todos responsáveis pela morte de Jesus na cruz. Nossas ações egoístas e rebeldes enviou Jesus para a cruz! Jesus voluntariamente entregou sua vida e morreu para pagar a pena pelos nossos pecados. Ele tomou o castigo que nós merecíamos e agora oferece a todo homem, mulher e criança a vida eterna e salvação!

Pr. Aldenir Araújo
Um propósito na vida

Um propósito na vida
Texto: Mateus 5:13-16

Introdução
1. As pessoas hoje estão procurando por algum tipo de significado para a vida. As pessoas estão se voltando para as drogas ilegais, estilo de vida imoral, e alguns ao suicídio, porque a vida é um ciclo sem sentido de desilusão e desespero.
2. Muitos cristãos sofrem da mesma maneira com um sentimento de inutilidade. A alegria da vida se torna um ciclo de tédio e rotina.
3. As igrejas muitas vezes se tornam letárgicas e estagnadas porque elas perdem o senso de propósito e direção.
4. Qual é o seu propósito de vida? Qual é o propósito da existência de sua igreja?

Jesus aborda estas questões e nos diz que:

I. Devemos ser o sal da terra. V. 13.

A. Devemos ser preservadores.
1. O sal não deixa que as coisas se estraguem. Ele preserva o que entra em contato com ele.
2. Devemos dar um bom exemplo, lutando pelo que é correto, decente e honrado.
a. Isto fala de:
- Honestidade
- Integridade pessoal e
- Os bons costumes da família
b. Imaginem sua comunidade ou bairro sem cristãos. Haveria alguma diferença no ambiente e na conduta das pessoas?
3. Será que o seu local de trabalho, escola, profissão seria diferente, sem nenhum cristão presente? Espero que sim! Os crentes devem agir como o sal em preservar o que é bom e direito.
B. Devemos ser puros.
1. O sal é um produto limpo, puro. Ele ajuda na cura. Ela causa dor no momento da aplicação, por ter qualidades de purificação.
2. Devemos ser curandeiros. Muitas vezes, os cristãos são agentes de infecção e dor, em vez de cura. Você é um agente de cura, uma influência purificadora em sua casa, igreja, local de trabalho?
C. Devemos dar uma nova vida para aqueles que estão ao nosso redor.
1. O sal dá sabor aos alimentos. O alimento que é insosso e sem sabor pode ser dada uma nova vida e entusiasmo apenas adicionando um pouco de sal.
2. Muitas pessoas vivem uma vida monótona e sem sabor. Temos que mostrar às pessoas a Vida Abundante que está disponível em Cristo Jesus!
D. Não devemos nos tornar inúteis.
1. Jesus nos adverte sobre o perigo de se tornar como o sal sem sabor. Sal sem sabor é descrito como sendo "inútil, lento, imprestável”.
2. Quando deixamos de ser o sal da terra, ao longo do tempo, corremos o risco de tornar-se inútil no plano de Deus, como o sal que já não é salgado.
3. Hoje, ou você está "temperando o mundo em torno de você" ou você está sendo corrompido pelo mundo ao seu redor. Qual é?

II. Devemos ser luz do mundo. V. 14-16.

Estamos vivendo no mundo, mas o ponto além dele também!

A. Temos a Luz de Deus. O Espírito de Deus foi colocado dentro de você no momento em que você recebeu Jesus como seu Salvador e Senhor. Seu amor pode fluir através de você para os outros.
B. Temos que dar direção. Devemos estar com as pessoas sem Cristo como um farol para os navios durante a noite em mares tempestuosos.
C. Devemos ser faróis de esperança. Pessoas precisam de esperança para viver. Um cristão deve se destacar em suas atitudes, prioridades, ações, palavras, trazendo esperança para outros porque nem todas as pessoas são iguais – quer dizer: egoísta, fria, insensível.
D. Não devemos esconder a nossa luz. Você não pode esconder uma cidade edificada sobre um monte, nem colocar sua luz debaixo de um cesto. Isso não faz sentido. A natureza da luz é brilhar!
E. Nosso serviço é para a glória de Deus, não para nós mesmos.

Conclusão: A vida cristã tem um preço. Vai custar tudo o que você é, e têm, para ser verdadeiramente sal e luz para o mundo ao seu redor. Mas também trará verdadeiro significado e propósito para a vida! Você é Sal e Luz em sua casa, igreja, trabalho, comunidade? Ouça a Jesus! Aceite Seu chamado para ser sal e luz!

Pr. Aldenir Araújo

15 de dezembro de 2010

As Preciosas Promessas de Deus

As Preciosas Promessas de Deus
Texto: II Pedro 1:4
Introdução: De acordo com o Moderno Dicionário da Língua Portuguesa “Promessa” é o ato ou efeito de prometer. Declaração pela qual alguém se obriga, pela fidelidade e pela justiça, a fazer ou deixar de fazer alguma coisa. É uma declaração juridicamente vinculativa que dá à pessoa a quem é feita a promessa o direito de esperar o desempenho ou cumprimento de um ato específico.
Quando se trata das promessas que Deus deu a cada crente, Pedro diz que elas são "mui grandes” - isto é, elas são mais do que grandes.
Pedro não se contentou apenas em nos fazer saber que as promessas de Deus são muito grandes. Ele também nos diz que elas são de fato "preciosas promessas".[post_ad]É interessante notar que a palavra grega traduzida por “precioso” que Pedro usa, ele usa apenas três vezes - uma vez na descrição da nossa fé preciosa, uma vez na descrição do precioso sangue de Cristo que foi derramado por nossos pecados, e aqui no nosso texto que descreve as preciosas promessas de Deus.
“Precioso” significa: estimado especialmente, caro, de grande valor ou de grande excelência. Precioso é, no entanto, uma palavra subjetiva. Algumas coisas podem ser preciosas para você e não para mim. As coisas variam de valor, dependendo do papel que desempenham e o impacto que podem ter na vida de alguém.
Vamos dar uma olhada em algumas das promessas que Deus tem nos dado. Vamos avaliar o impacto que elas têm desempenhado ou podem desempenhar em nossas vidas para determinar se Pedro está correto quando ele chama de "preciosas promessas".

I. As promessas de Deus podem desempenhar um papel importante no nosso futuro glorioso.

A. Está alguém doente e cansado deste velho mundo pecaminoso em que vivemos?
B. Um dia destes as coisas mudarão drasticamente.
1. I Tessalonicenses 4:16-17 – “Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com a voz do arcanjo, e com a trombeta de Deus: e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, ao encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor”
2. I Coríntios. 2:9 – “Mas, como está escrito, o que os olhos não viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou no coração humano é o que Deus tem preparado para aqueles que o amam”.
3. Apocalipse 21:4 – “E Deus enxugará toda lágrima de seus olhos, e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem haverá mais dor: porque as primeiras coisas são passadas”.

II. As promessas de Deus não só afetam o nosso futuro glorioso, eles também são pertinentes para o nosso presente conturbado.

A. Está alguém enfrentando dificuldades diárias?
B. Você está coberto pelas promessas de Deus.
1. Isaías 59:19 - "... Quando o inimigo vier como uma enchente, o Espírito do Senhor levantará um estandarte contra ele".
2. Isaías 54:17 - "Toda arma forjada contra ti não prosperará, e toda língua que se levantar contra ti em juízo tu a condenarás. Esta é a herança dos servos do Senhor..."
3. Salmo 23:4 - "Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam”.
4. Romanos 37-39 “Mas em todas estas coisas somos mais que vencedores, por aquele que nos amou. Porque estou certo de que nem morte, nem vida, nem anjos, nem principados, nem as potestades, nem coisas presentes, nem o porvir, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura, poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor”.

III. As promessas de Deus se remontam ao mais profundo escuro de nossas vidas e impacta nosso passado pecaminoso.

A. O verdadeiro valor das promessas preciosas de Deus não são realmente encontrados completamente; em como elas afetam o nosso futuro ou até mesmo nosso presente.
B. Alguns hoje aqui podem estar dizendo: "Estas promessas são para os cristãos; sou alguém que tem uma longa história de uma vida pecaminosa que me impede de lançar a reivindicação de tais promessas”.
C. As preciosas promessas de Deus cuidam de seu passado pecaminoso.
1. Salmos 103:12 - "Quanto o oriente está longe do ocidente, tanto tem ele afastado de nós as nossas transgressões”.
2. Isaías 1:18 - "Vinde, pois, e arrazoemos, diz o SENHOR: ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve, ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a lã"
3. I João 1:7 - "O sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo pecado”.

Conclusão: As promessas de Deus são para todos aqui presente. Elas prometem um futuro glorioso, preservando o seu presente, apagando seu passado.
Por favor, não permita que as coisas do seu passado o impeça de reivindicar as preciosas promessas que Deus tem para você hoje.
Eu creio que você tem que concordar comigo. São promessas realmente preciosas.

Pr. Aldenir Araújo
Um convite com uma missão

Um convite com uma missão
Texto: Marcos  1:16-20
Introdução: Encontramos nesta passagem algo de grande profundidade espiritual. Nosso Senhor Jesus faz um convite com um propósito especial para um grupo de homens; Ele tornaria estes, pescadores humildes em verdadeiros instrumentos nas mãos do Pai Celestial. De fato, eles se tornariam “pescadores de almas”.   Jesus está à procura de pessoas. Muitas dessas pessoas estão ocupadas. Jesus está chamando os esotéricos, os bruxos, os idólatras, os prostitutos, os religiosos para O seguirem e se tornarem seus discípulos. Basta que cada um ouça a Sua voz e atenda o Seu chamado. O chamado para o Reino de Deus muda nosso estilo de vida e nos torna cidadãos do Reino de Deus e discípulos de Jesus Cristo.[post_ad]Não se assuste se você faz parte de um desses grupos. Entretanto, Cristo tem um “Convite e uma Missão” para você.
“Jesus os chamou para um glorioso trabalho; serem pescadores de homens. Ele não os chamou para um trabalho burocrático ou apenas para uma posição de liderança, mas, sobretudo para um trabalho de ganhar almas, de buscar os perdidos, de arrancar pessoas da morte para a vida”. Rev. Hernandes Dias Lopes
Vejamos que exigências o nosso Senhor faz, meditando neste contexto, no qual  encontramos pescadores comuns, que aceitaram este convite e esta missão.

1. O convite de Jesus implica num relacionamento pessoal com Ele. V. 17.

“Disse-lhes Jesus: Vinde após mim...” A expressão “segue-me” é o principal termo para descrever o chamado para o discipulado no Evangelho de Marcos. Jesus não os chamou para prioritariamente fazerem um trabalho, mas para um relacionamento pessoal. Seguir a Cristo, estar com Cristo é uma exigência real, não podemos segui-Lo sem antes conhecê-Lo. A vida com Cristo precede o trabalho para Cristo. Primeiro damos ao Senhor Jesus o nosso coração, depois consagramos a Ele tudo o que temos. Inverter esta ordem é o mesmo que trocar o errado pelo certo. A palavra “Intimidade” no seio do cristianismo precisa ser resgatada urgentemente. Ë necessário vivermos esta verdade através da oração, meditação, jejum e adoração.

2. O convite de Jesus implica no rompimento com o passado. V. 18.

“Então, eles deixaram imediatamente as redes e o seguiram” Fazer parte do projeto de Deus exige renúncias, eles deixaram para trás o trabalho, a profissão, a empresa e os sonhos financeiros. Eles abriram mão de tudo para investir o tempo, o coração e a vida no Reino. Não há discipulado sem renúncia. Primeiro, é preciso desapegar para abraçar os projetos de Deus. É preciso cortar as pontes que nos prendem ao passado. De fato, o mundo; o diabo e a carne tem nos aprisionado em sistemas que somente serão quebrados pela Verdade de Jesus, “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará...”. O passado em nossa vida que se encontra atrelado ao pecado precisa deste rompimento urgente, para que possamos avançar seguindo a voz de Jesus. Este rompimento pode ser visto de três maneiras:
Negar-se a si mesmo – enquanto formos preocupados conosco mesmos, com nossas dores e sofrimentos, com nossa vontade, nossos desejos, nossas limitações, nossas fragilidades, etc., não vamos conseguir seguir a Jesus. O primeiro nível de renúncia envolve  a nós mesmos.
Tomar a cruz – é um nível um pouco mais profundo porque envolve morte. Morte para o mundo, para os desejos da carne, para o que as pessoas pensam. É renunciar nossa própria reputação em favor de nosso chamado para o reino de Deus.
Seguir a Jesus – é estar pronto para obedecer a vontade dEle. Ir aonde Ele for e fazer o que Ele quer. Servi-lo com todo o coração, sem questionar. Seguir a Jesus envolve a decisão mais séria que alguém pode tomar neste mundo, pois significa que vamos renunciar tudo por amor a Ele. 

3. O convite de Jesus implica na consagração do presente. V. 17

“...e eu vos farei pescadores de homens” Jesus sabe que estes homens precisavam de um grande investimento espiritual, antes que eles fossem enviados. É Jesus quem os faz pescadores de homens. Nesta caminhada de consagração Jesus andou com os discípulos, comeu com eles, socorreu-os nas suas aflições, exortou-os nas suas dúvidas, encorajou-os em suas fraquezas. Jesus não apenas os consagrou com palavras, mas, sobretudo, com exemplo. Trabalhar no Reino de Deus exige consagração todos os dias. Chamar os pecadores ao arrependimento e oferecer a eles o dom da vida eterna é a mais sublime missão que podemos ocupar na vida. Dedicação total neste projeto deve ser a maior aspiração da nossa vida. Precisamos então de investir mais nosso tempo, nossa agenda, nosso propósito, nosso estilo de vida no Reino de Deus.
É hora de deixarmos as justificativas de lado, e como André agiu, levando pessoas a Cristo, em meio a uma dificuldade, apresentar soluções. Este estilo de vida consagrada precisa ser o nosso cotidiano.

Aplicação: Compartilhe com sua célula como você tem respondido ao convite de Jesus para ir após ele e cumprir sua missão.

Autor: Rev. Ivan Moreira
Josué um Líder em Evidência

Josué um Líder em Evidência
Texto: Josué 1:1-9
Introdução: Para se tornar um grande líder, a serviço de Deus, Josué teve de ser trabalhado ao longo de muitos anos. A primeira vez que a bíblia o menciona ele era tão somente um Israelita que sonhava com a libertação do seu povo. Todavia, o eterno viu naquele um jovem comandante capaz de conduzir Israel com segurança à terra prometida. O trabalho pesado, o sofrimento e as vicissitudes da sua vida de escravo proporcionaram as qualidades de liderança eficaz. Apos o êxodo do Egito, Josué tornou-se um fiel servidor de Moisés. Sua eficiente liderança sobre Israel somente seria demonstrada mais tarde, quando estivesse preparado pelo senhor.

l. A ordem divina para a conquista da terra.

[post_ad]1. Deus ordena a travessia do Jordão. Josué 1:2. O intento divino de libertar Israel não foi afetado com a morte de Moisés. Deus levantou Josué justamente para dar prosseguimento a esse grande projeto. Entrar em Canaã era uma ordem que deveria ser comprida a risca. Nenhum obstáculo poderia ser colocado à frente dessa meta divina. Deus já havia prometido a Abraão (Gênesis 12:7 - 17:18), e suas promessas são infalíveis.
2. Deus dá a Josué o mapa da terra prometida. Josué 1:4. Segundo estudiosos, essa nova terra era delimitada pelo deserto, ao sul e ao leste. Nos lados leste e oeste aparecem as fronteiras setentrionais, “o Líbano e o Eufrates". O mar grande, mais conhecido como mediterrâneo, é o a fronteira ocidental daquela terra. O texto fala da "terra dos heteus", que inclui uma porção da Ásia menor. Em razão de sua infidelidade e desobediência, até o dia de hoje a terra prometida não foi plenamente conquistada pelos hebreus. 13:1.Entretanto, Deus não desistiu de seu povo. Todas as promessas feitas Abraão e a Moisés serão compridas, independente da incredulidade de muitos.
3. Deus revela a Josué o segredo da conquista. Josué 1:5-9. Quanto ao comprimento da promessa Deus asseverou  a Josué “como fui com Moisés, assim serei contigo" (Josué 1:5). Essa era a garantia que ele precisava; afinal Moisés fora invencível diante de todas as adversidades e provações. Porém, o senhor queria que Josué cumprisse todas as ordens entregues a Moisés sem desviar "nem para a direita nem para a esquerda" (1:7) deveria se manter fiel aos objetivos do eterno. Por ultimo, para evitar a superficialidade e o esquecimento, o novo líder deveria meditar no livro da lei "dia e noite" (1:8) a vitória só seria plena se toda estratégia divina fosse obedecida por Josué e por todo o povo de Israel. a palavra de Deus deveria ser cumprida cabalmente. "não te mandei eu?" Josué 1:9.

II. A preparação do povo para atravessar o Jordão.

1. Josué deveria executar o plano revelado por Deus. Josué 1:4,10-13. Transpor o Jordão era o firme propósito de Deus. Do outro lado estava a terra da promessa divina. Josué teria de agir com fé em Deus, vigor e determinação.  e foi exatamente o que fez: reuniu seus principais auxiliares e ordenou-lhes que instruíssem o povo. Preparando-o para a grande jornada todos deveriam estar prontos para quaisquer circunstâncias. Para alcançarem a benção, eram-lhes indispensáveis: coragem, ação e fé genuína em Deus. Tiago 2:17.
2. Josué ordena o povo que se prepare. Josué 1:10-13.
Todos deveriam estar convictos de Deus lhes entregariam aquelas terras. Josué precisava também da confiança daquele povo (vv.16-18) ele sabia que um líder não subsistiria sem o apoio de seus liderados, e que sua liderança precisava ser reconhecida publicamente: "tudo quanto nos ordenares faremos,  e aonde quer que nos enviar iremos" Josué 1:16.

III. Os espias são enviados  a Jericó. Josué 2:1-24.

1. A previsão é imprescindível ao líder. Josué 2:1. Um autêntico líder cristão nada faz por mero impulso, mas age com fé, segurança e previdência. A despeito da confiança e garantia de vitória que o senhor lhe havia dado, Josué procurava cumprir cabalmente sua parte, planejando suas ações. Prever e antever  o desconhecido. Por isso, enviou dois espias em Jericó. Na igreja, um dirigente espiritual, capaz, experiente e com discernimento deve planejar cuidadosamente suas ações.
2. Deus enviou os espias à casa de Raabe. Josué 2:1-8. Embora prostituta Raabe reconhecesse o poderio e a grandeza de Deus ela creu que o senhor era capaz de subjugar aquela cidade, a despeito de sua fortaleza e fama; por isso tornou-se o elo da vitória de Israel sobre o restante de Canaã. Apos salvar a vida dos espias, Raabe abandonou a idolatria unindo-se pela fé a Israel e ao seu Deus. Hebreus 11:31; Tiago 2:25. Isto ilustra que Deus aceita qualquer pessoa "que em qualquer nação, que o teme o faz o que e justo” Atos 10:35.
3. O cordão de escarlate na janela. Josué 2: 15-18. Esse cordão forma um paralelo com o cordeiro da páscoa. Assim como o sangue do cordeiro foi colocado nas portas das dos Israelitas  a fim de protegê-los (Êxodo 12: 21-23), igualmente o cordão de escarlate  pendurado na janela da casa de Raabe resultou em segurança e libertação de sua família. Como nas muitas proezas que Deus realizou por seu povo, mais uma vez, ele faz valer sua soberania usando as coisas pequenas e até ilógicas como um cordão de escarlate (l Coríntios 1:27-29).

Conclusão: um dos grandes ensinamentos sobre o êxito na vida de Josué, é que um bom líder deve ser fiel em tudo, corajoso e determinado, porém, preventivo, prudente e moderado. Josué era um autêntico guerreiro, porém jamais agia precipitadamente.

Autor: Pr. Devanir Rodrigues Pêgo

14 de dezembro de 2010

Como ser uma igreja que cresce?
Como ser uma igreja que cresce? Texto: II Pedro 3:18
Introdução: Deus quer a nossa igreja seja uma igreja forte. Ela pode ser uma igreja que vai fazer grandes coisas para Deus, mas só se nós, como seus membros, fizermos as mesmas coisas. Ela é o que fazemos dela. Se ela deve ser a igreja que Deus quer que ela seja, ela deve cumprir determinadas condições que Deus exige.
Vamos olhar para essas condições.

I. Uma igreja que testemunha.

Para sermos uma igreja que cresce, temos de ser uma igreja que testemunha.[post_ad]1. Deus requer que façamos a Sua obra.
a. Parábola dos dez talentos (Mateus 25:14-30).
b. De acordo com a nossa capacidade (Lucas 12:48).
2. Onde e como testemunhar.
a. No lar (Marcos 5:19-20).
b. Na Igreja (Efésios 5:19).
c. Em todo o mundo (Mateus 28:19-20).
d. Sem vergonha ou medo (II Timóteo 1:8).
e. Sempre pronto (I Pedro 3:15).

II. Uma Igreja que serve.

Antes de uma igreja ser uma igreja que testemunha, ela primeiro deve ser uma igreja que serve.
1. Deus exige (Deuteronômio 10:12).
2. Imediato serviço (Marcos 1:16-20, Lucas 19:5-6).
3. Não servir com a mente dividida ou coração dividido (Lucas 16:13).
4. Servir com convicção ou certeza (Lucas 9:62).

III. Uma Igreja unida.

Antes de uma igreja ser uma igreja que serve, ela primeiro deve ser uma Igreja unida.
1. Na oração (Mateus 18:19).
2. Em Cristo (Romanos 12:5).
3. Foi o desejo de Jesus e a oração para a Sua igreja (João 17:21).
4. Para levar os homens a Cristo (Marcos 2:3-12).

Conclusão: Deus quer que sejamos esta igreja neste ano. Você já fez sua parte para tornar a nossa igreja a igreja que Deus quer que ela seja? Se não, faça o compromisso com Deus agora.

Pr. Aldenir Araújo

13 de dezembro de 2010

A Celebração do Natal
natalTexto: Lucas 2:14 "Glória a Deus nas alturas e paz na terra, boa vontade para com os homens"

Introdução: Muitas semanas antes do dia finalmente chegar, as pessoas começam a comemorar o Natal. Tem luzes piscando à noite nas janelas, nas árvores e no exterior dos edifícios. Tem muitos que correm para comprar uma árvore de Natal. Tem música de Natal nas lojas e nas rádios. Tem pensamentos sobre o que comprar, e as vendas para chamar nossa atenção. Nós estamos tendo um tempo de celebração. Mas, estamos celebrando o natal da maneira certa, ou da maneira errada?

1. A maneira errada de celebrar o Natal.

Muitas pessoas vão fazer do Natal uma época de festas pecaminosa. Muitos vão fazer do Natal uma época para beber e entrar em atividade pecaminosa que podem terminar em tragédias. Satisfação carnal não é o caminho certo para comemorar o nascimento do Senhor Jesus. Certamente, a pessoa que bebe e dirige pode acabar matando alguém ou se matar. Não beba bebida forte para celebrar o Natal. Deixe o Espírito Santo levantar o seu espírito a verdadeira e duradoura felicidade neste Natal para a realização do verdadeiro significado do Natal.

2. A maneira certa de celebrar o Natal.

Natal é tempo de promover a paz na Terra. Podemos orar para que as armas de guerra sejam deixadas de lado, e os bilhões de dólares que estão sendo usados para matar pessoas e destruir casas possam ser usados para alimentar os famintos, para vestir os pobres que vivem nas ruas e milhões de famintos e fornecer habitação que vai protegê-los do frio e da chuva. Esta é a "boa vontade" que honra e agrada a Jesus. É o nascimento de Jesus que estamos celebrando.

3. Os resultados maravilhosos de celebrar o natal da maneira correta.

Quando celebramos o Natal da maneira certa, nós trazemos a glória e honra a Deus. Os anjos disseram: "Glória a Deus nas alturas", e nossa maior ambição deve ser glorificar a Deus em todas as nossas atividades no Natal. Então, devemos ter a certeza de manter a Jesus Cristo no centro de nossas celebrações.

Muitas vezes, muita atenção também é dada para o Papai Noel e as decorações. Natal é tudo sobre Jesus, nosso único Salvador.

12 de dezembro de 2010

A Importância da Bíblia na Vida do Homem
A importância da Bíblia na vida do homemTexto: Salmos 119:105

Introdução: Por milênios Deus se revelou ao homem através de suas obras, isto é, a Criação (Romanos 1:20; Salmos 19:1-6).

Porém, segundo seu propósito, chegou o tempo em que Ele desejou alcançar o homem com uma revelação maior, o que fez em forma dupla:

a) através da Bíblia - A Palavra Escrita, e
b) através de Jesus Cristo - A Palavra Viva (João 1:1).

Esta dupla revelação é muito especial e tornou-se necessária devido à queda do homem

Desse modo o estudo das Escrituras se impõe como o principal meio do homem natural conhecer Deus e a Sua vontade para com a sua vida, bem como do crente conhecer o propósito santificador de Deus para si e para com todos os salvos.

I. O Alcance do Estudo da Bíblia

O estudo da Bíblia é uma necessidade que se impõe ao crente por causa do grande alcance que o livro divino tem. O seu estudo:

1. Prepara o crente para responder àqueles que lhe pedem a razão da fé, que nele há (I Pedro 3:15). Isto implica no fato de que o testemunho cristão só é válido quando Fundamentado – no conhecimento e prática da Palavra de Deus.

2. Faz o obreiro aprovado. Quanto ao correto manejo da palavra da verdade (II Timóteo 2:15). Homens e mulheres que manejam bem a Palavra de Deus! Eis uma das grandes necessidades da Igreja do senhor neste século!

3. Acresce a fé do crente quanto ao fato de que as Escrituras são a infalível Palavra de Deus (Isaías 34:16). O valor espiritual das Escrituras tende a arraigar-se em nossa convicção à medida da nossa aplicação à sua leitura.

4. Dá luz e entendimento aos simples (SI 119.130). A ignorância espiritual do crente não se dá pela ausência de formação acadêmica, mas pela falta de apego à revelação divina manifesta nas Escrituras.
Ninguém é tão sábio como pensa quando ignora o valor da Palavra de Deus, nem tão indouto como possa imaginar quando ama o livro da lei do Senhor.

II. Porque Estudar a Bíblia?

Dentre outras razões por que o crente deve ler e estudar a Bíblia poderíamos destacar as seguintes:

1. A Bíblia é o manual do crente. Sendo a Bíblia o livro texto do cristão, é imperioso que este a maneje bem para o eficiente desempenho de sua missão (2 Timóteo 2.15). Um bom profissional sabe empregar bem as ferramentas de seu oficio. Essa eficiência não é automática; vem pelo estudo e pela prática. Assim deve ser o crente em relação à Bíblia Sagrada. Entre as promessas de Deus àqueles que conhecem devidamente a sua Palavra, temos a de Isaías 55.11: "Assim será a palavra que sair da minha boca: ela não voltará para mim vazia, antes fará o que me apraz, e prosperará naquilo para que a enviei”

2. A Bíblia alimenta nossas almas (Mateus 4:4; Jeremias 15:16; 1 Pedro 2:2). Não há dúvida que o estudo da Palavra de Deus traz nutrição e crescimento espiritual. Ela é tão indispensável a alma, como o pão é ao corpo. Nas passagens citadas, ela é comparada ao alimento, porém, este só nutre o corpo quando é absorvido pelo organismo. O texto de 1 Pedro 2.2 fala do intenso apetite do recém-nascido; assim deve ser o nosso apetite pela Palavra divina. Bom apetite pela Bíblia é sinal de saúde espiritual.

3. A Bíblia é o instrumento do Espírito (Efésios 6:17). Se em nós houver abundância da Palavra de Deus, o Espírito Santo terá o instrumento com que operar. É preciso, pois meditar nela (Salmos 1:2; Josué 1:8). É preciso deixar que ela domine todas as esferas da nossa vida, nossos pensamentos, nosso coração, e assim molde todo o nosso viver diário. Em suma: precisamos ficar saturados da Palavra de Deus.

4. A Bíblia enriquece a vida do cristão (Salmos 119:72). Essas riquezas vêm pela revelação do Espírito Santo, primeiramente (Efésios 1:17). A pessoa que procurar entendimento bíblico somente através da capacidade intelectual, muito cedo desistirá. Só o Espírito de Deus conhece as coisas de Deus (I Coríntios 2:10).

III. Como Estudar a bíblia

Como a divina e inspirada Palavra de Deus, a Bíblia é um livro singular, do qual maior proveito tirará aquele que melhor souber estudá-lo. E é exatamente com o propósito de ajudá-lo a tirar o máximo de proveito do estudo da Bíblia que lhe damos os cinco passos seguintes a serem seguidos:

1. Leia a Bíblia conhecendo o seu Autor. Isto é de suprema importância. É a melhor maneira de estudar a Bíblia. Ela é o único livro cujo Autor está presente quando o lemos. O autor de um livro pode explicá-lo como ninguém. A Bíblia é um livro fácil e ao mesmo tempo difícil; simples e ao mesmo tempo complexo. Não basta ler suas palavras e analisar detidamente suas declarações. É preciso conhecer e amar a Deus, o seu Autor.

2. Leia a Bíblia diariamente. (Deuteronômio 17:19). Esta regra é excelente. É estimado que 90% dos crentes não leem a Bíblia diariamente; portanto não é de admirar haver tantos deles frios e infrutíferos no testemunho e no serviço cristão. Mais do que isto: são anãos, raquíticos, mundanos, carnais e indiferentes, nervosos e iracundos. Não basta assistir aos cultos, ouvir sermões e testemunhos, assistir estudos bíblicos, e ler boas obras de literatura cristã. É preciso ler a Bíblia individualmente. Há crentes que só comem espiritualmente quando lhe dão comida na boca. Ê a colher do pastor, do professor da Escola Dominical, etc. Se ninguém lhe der comida, ele morrerá de inanição espiritual.

3. Leia a Bíblia com a melhor atitude. Ler a Bíblia com a melhor atitude mental e espiritual é de capital importância para o êxito no estudo bíblico. A atitude correta é a seguinte:
a. Estudar a Bíblia como a Palavra de Deus, e não como uma obra literária qualquer.
b. Estudar a Bíblia com o coração e em atitude devocional, e não apenas com o intelecto,

4. Leia a Bíblia meditando. Assim têm feito os servos de Deus no passado, a exemplo de Davi (Salmos 119:15,16), Daniel (Daniel 9:2-4). O caminho ainda é o mesmo. Na presença do Senhor, em oração, as coisas incompreensíveis são esclarecidas (Salmos 73:16,17). A meditação aprofunda o sentido. Muitos leem a Bíblia para estabelecer recorde de leitura somente. Ao leres a Bíblia, aplica-a primeiro a ti próprio, senão não haverá virtude nenhuma.

5. Leia a Bíblia toda. Há uma riqueza insondável nisso. É a única maneira de conhecermos a verdade completa dos assuntos tratados na Bíblia, visto que a revelação de Deus mediante ela é progressiva. Como o irmão pensa compreender um livro que nem sequer leu ainda? Podemos ler a Bíblia toda, porém jamais a compreenderemos toda. Sendo a Palavra de Deus ela é infinita! Mesmo as mentes mais férteis do mundo são incapazes de abarcá-la completamente. Não há no mundo ninguém capaz de esgotar ou dissecar a Bíblia.

IV. A Aplicação da Bíblia

A diferença básica entre a Bíblia e os outros livros que lemos ao longo da vida, é que não temos nenhuma obrigação moral de obedecer ao que estes ensinam, enquanto que a Bíblia é um livro escrito não apenas para ser lido, mas também, e principalmente, para ser obedecido e aplicado.

1. Aplique a Bíblia à sua vida. Você sabia que é de nenhum valor conhecer a letra das Escrituras, contudo não se dispor a obedecê-la? Satanás conhece a Bíblia e é capaz de citá-la decoradamente como fez diante de Jesus enquanto o tentava no deserto (Mateus 4:6). Acontece que esse conhecimento do tentador não é capaz de diminuir, ainda que por um pouco, a impiedade e maldade do seu vil coração. Aplicando a Bíblia à nossa vida, sem dúvida poderemos dizer como disse o salmista Davi: "Escondi a tua palavra no meu coração, para eu não pecar contra ti" (Salmos 119:11).

2. Aplique a Bíblia às necessidades do mundo. O conhecimento acadêmico tem ajudado os estudiosos do comportamento humano a detectar os problemas que afligem a nossa sociedade. No entanto, tem fracassado na análise das causas e na aplicação de soluções a estes problemas. Por exemplo: é impressionante ver como homens que ignoram a Bíblia atribuem a violência e outras anomalias que afligem a sociedade contemporânea, a causas, como a pobreza e o analfabetismo. Eles não conseguem olhar o mundo e ver as pessoas como Deus as vê: caídas, espiritualmente pobres e carentes de Deus. No contexto de toda esta confusão, o crente e estudioso da Bíblia tem grande vantagem sobre as demais pessoas. Com o jornal da cidade numa das mãos e a Bíblia na outra, ele é capaz de detectar tanto os problemas quanto de aplicar eventuais soluções a eles. Ele vê o mundo moribundo, espiritualmente enfermo. "Toda a cabeça está enferma e todo o corpo fraco. Desde a planta do pé até à cabeça não há nele coisa sã, senão feridas, e inchaços, e chagas podres, não espremidas, nem ligadas, nem nenhuma delas amolecida com óleo" (Isaías 1:5,6). Tudo isto porque, como disse João: “... todo o mundo está no maligno" (I João 5.19).

Conclusão: Se a Bíblia é o que dizemos ser para a nossa vida, guardemo-nos da atitude farisaica de lê-la e, inclusive, proferi-la sem que ela seja parte inseparável do nosso caráter.

No princípio da Obra Pentecostal no Brasil, era muito comum ouvir pessoas não crentes se referirem aos pentecostais como "os Bíblias", decorrente do apego ao livro e à prática da Bíblia. 

Deveríamos nos penitenciar diante de Deus pelo nosso gradual afastamento das verdades e virtudes do Evangelho propugnadas na Bíblia.

Pr. Aldenir Araújo

10 de dezembro de 2010

Acaz - A progressão real para o erro

Acaz - A progressão real para o erro
Texto: II Reis 16, - II Crônicas 28

Introdução: Um estudo do Rei Acaz, revela como as bênçãos podem se transformar em maldições! Quando Acaz subiu ao trono, Judá estava desfrutando de uma prosperidade maravilhosa. O rei Uzias tinha começado a prosperidade e o reinado justo de seu filho, o rei Jotão continuou. O profeta Isaías disse que não havia fim para os tesouros, a terra estava cheia de cavalos, os carros não podiam ser contados. O comércio nacional estava em pleno apogeu. Mas antes que o rei Acaz morresse (depois de reinar apenas 16 anos) tudo mudou! Exércitos inimigos uns após os outros com invasões estrangeiras varreram os tesouros e matou milhares. A terra tornou-se desolada. O rei foi reduzido a uma figura de proa em sujeição aos assírios poderosos. "Em vez de o sol da prosperidade, havia em cada lado a sombra escura da desolação e decadência...” Acaz começou mal, e cada movimento novo em sua vida foi um passo de mal a pior. Sua história é mais um exemplo de como um pecado leva ao outro. Foi um caminho contínuo para baixo.

Acaz era completamente mal! Nem uma coisa boa ficou gravada sobre ele ou sua carreira. Ele é registrado como "um rei, literalmente, sem religião... a carreira desse filho está escrita, aparentemente, sem um aspecto positivo a ser colocado em sua conta”

A história deste rei pode ser resumida pela palavra "fracasso".

I. O fracasso de Acaz como filho

1. O pai de Acaz, foi rei Jotão. Em memória de Jotão, o historiador lembra que havia um desejo de obedecer a Deus (II Cr 27:6). No entanto, Acaz tinha pouca consideração sobre a devoção do seu pai porque ele rejeitou a Deus e é conhecido como o primeiro rei do Reino do Sul, que começou a fazer as imagens dos deuses pagãos.
2. Ele não tinha a bondade de seu pai. Um pai pode dar a seu filho, a riqueza, o aprendizado, poder e fama, mas ele não pode dar-lhe um bom coração - este deve ser escolhido pelo filho! "Exemplo pode ser potente, mas não é onipotente!”

II. O fracasso de Acaz como rei.

1. Ele ascendeu ao trono com uma paixão pela idolatria. Esta foi a sua devoção e ele foi consumido com o afrouxamento de todas as restrições. Seu coração estava totalmente dedicado ao mal.
2. Suas paixões foram demonstradas nas alterações que ele introduziu para corromper a adoração. Acaz era muito "religioso". No entanto, ele foi religiosamente errado! Seus erros religiosos iriam arruinar a si mesmo e todos os de Judá!
a. Rejeitou a verdadeira adoração ordenada por Deus. As cerimônias do templo não eram aceitáveis para ele.
b. Ele adotou o culto dos que se opõem a Deus (II Cr 28:2). O culto a Baal era típico do Reino do Norte. Acaz incentivou-o em Judá. Ele adotou as piores práticas dos reis piores do Norte
c. Ele utilizou os locais idólatras e negligenciou o Templo (II Cr 28:3, 4). Acaz não apenas usou os locais antigos, mas ele criou outros novos (II Crônicas 28:25).
d. Ele introduziu o culto horrível de Moloque (II Crônicas 28:3). Este foi o desafio aberto a Deus (cf. Levitico 18:21; Deuteronômio 18:10). Ele não só apresentou isso, mas ele participou da abominação também.
e. Ele introduziu o culto pagão de nações estrangeiras (2 Crônicas 28:23, 2 Reis 16:10). Ele achava que esses deuses estrangeiros lhe daria a vitória. Ele era cego à verdade que ele sofreu uma derrota, porque ele estava rejeitando Deus.
f. Ele sutilmente removeu o altar de bronze que foi construído depois que o projeto dado por Deus para um novo altar, projetando-o para uso em um templo pagão em Damasco! O novo altar do rei é um excelente exemplo de como as inovações corrompem a adoração. Observe os passos pelos quais as inovações levam a pessoa para longe da adoração a Deus –
a) Ela começa privada (II Reis 16:12). Acaz estava indo para usar o altar somente para seu sacrifício pessoal e privado.
b) Ele ganha mais aceitação (II Reis 16:14) - Tendo introduzido o altar, Acaz não estava satisfeito em mantê-lo de forma privada. O altar de Salomão foi deslocado para um lado e o altar da inovação tornou-se o "altar principal."
c) A novidade usurpa a autoridade completa e passa a ser o único utilizado (II Reis 16:15). Acaz viu que os sacrifícios da manhã e da tarde eram oferecidos sobre ele; os sacrifícios real; todas as ofertas privadas. Assim o altar de bronze de Salomão tornou-se inútil.
d) A autorização é destruída (2 Reis 16:17). O altar autorizada foi mutilado! O total repúdio do rei pela forma de culto foi autorizado, portanto, exposto.
3. Em tempos de emergência este rei deveria ter virado sua nação para Deus, mas ele não fez. Isaías foi enviado a Acaz com uma mensagem de aconselhamento para o rei confiar em Deus e não temer os reis que estavam conspirando contra ele. O profeta garantiu a Acaz que Deus daria a vitória a Judá (Isaias 7:1-13). Acaz ignorou o conselho de Deus e confiou na ajuda da síria.

III. O fracasso de Acaz como guerreiro.

Este Rei mal trouxe calamidade sobre sua nação. O Todo-Poderoso enviou punição na forma de exércitos estrangeiros. 
1. Rezim, rei da Síria derrotou Acaz e levou cativos para Damasco (2 Crônicas 28:5).
2. Peca, rei de Israel abateu o exército de Acaz (2 Crônicas 28:6).
3. Os edomitas foram vencedores e levaram presos em cativeiro (2 Crônicas 28:17). Estes inimigos tinham sido derrotados por Uzias (2 Crônicas 26:2), mas a fraca liderança de Acaz, permitiu-lhes recuperar a força.
4. Os filisteus invadiram e tomaram as cidades mais distantes de Acaz (2 Crônicas 28:18). Estas também tinham sido conquistadas pelos reis anteriores (2 Crônicas 26:6). Mas eles reafirmaram suas forças e conquistaram e ocuparam uma série de cidades.
5. Os reis anteriores tinha ganhado a liberdade e ganhado território, porque confiaram no Senhor Deus e seguiram a regra do céu. Todas as vitórias passadas foram efetivamente canceladas pelo comportamento de um homem! Vitória e segurança foram perdidas porque um rei escolheu rejeitar a Deus!

IV. Seu fracasso na morte.

1. A morte de Acaz, não foi significativa para Judá. "Por fim o seu reinado de dezesseis anos" terminou, e as pessoas, por esse tempo doente das suas obras, marcaram seu senso de sua indignidade, ao recusar-lhe uma sepultura nos túmulos dos reis
2. Acaz foi achado indigno da honra de ser sepultado na catacumba real.
3. Acaz morreu deixando um legado trágico da corrupção religiosa - A situação religiosa em Judá, não poderia ter sido pior! Que diferença drástica este homem fez na vida da nação.
4. Qual foi o motivo dessa falha miserável? A resposta é simples - "Ele não fez bem aos olhos do Senhor" Ao rejeitar as leis de Deus e desobedecendo aos mandamentos de Deus, Acaz condenou a si mesmo e sua nação. Ao definir ele mesmo como a autoridade de sua religião, sua vida era miserável. Ele gostava de "liberdade", mas em fazê-lo, encontrou-se escravizados por toda parte!
5. A progressão de Acaz na depravação maior e maior é facilmente descrita em sua história. Sua vida ilustra um fato assustador - um pecado sempre leva a outro e outro e... Uma inovação sempre leva a outra e outra e...!
a. O primeiro passo - Ele abandonou o caminho certo.
  Ele se recusou a seguir a Davi (II Crônicas 28:1). Ele sabia o que era o caminho certo, mas ele preferiu ignorá-lo.
b. O segundo passo - Ele substituiu os mandamentos de Deus.
  Ele licenciou e incentivou a idolatria. Ele fez tudo que podia para promover a rejeição a Deus. Ele andou nos "caminhos" que tentou melhorar a ordem de Deus. Ele reescreveu a sistemática da Lei de Deus e flagrantemente quebrou o pacto. Ele não teve tempo para temer, amar, obedecer e servir ao Senhor Deus.
c. O terceiro passo - Ele redefiniu os limites da amizade.
  Deus havia deixado claro que Acaz não recorresse à Assíria, mas o Rei preferiu fazê-lo. Acaz desprezou o conselho de Deus, porque o rei queria ir para a Assíria. Acaz demonstrou um traço comum a todos os que seguem o seu estilo - ele confiava no homem mais do que em Deus.
d. O quarto passo - Ele saqueou o Templo de Deus (II Reis 16:8,9,17,18). Ele já tinha desonrado a Deus, rejeitando as restrições da comunhão divina, mas agora ele profanou o Templo Sagrado. A prata e o ouro que foram deixados de lado para Deus foram usados para beneficio próprio! Aqueles que buscam a comunhão com os rebeldes da justiça vai dar o que pertence a Deus em troca da amizade do mundo!
e. O quinto passo - Ele montou um altar pagão no lugar do altar de Deus (2 Reis 16:10-17). Este é o fim. O homem vai adora algo - se não o Deus Todo-Poderoso, em seguida, um deus feito por mãos e da mente. Aqueles que começam por rejeitar a maneira "correta" serão, eventualmente, levados a este estado trágico (2 Crônicas 28:23). Quando isso acontece, pode-se também fechar as portas do Templo!
f. NOTA: Que condição trágica! Aquele que abandona o jeito "certo" negligencia os avisos claros de Deus encontra apenas uma maior iniquidade, uma maior punição, e uma maior degradação! Tudo na vida vai ser em ruína.
6. Observe tudo o que o rei Acaz experimentou porque ele escolheu rejeitar o jeito certo de Deus:
a. Todas as restrições na vida foram retiradas (II Crônicas 28:19).
b. Multiplicadas tragédias existia, em vez de ajuda (2 Crônicas 28:20).
c. Situações da vida pioram progressivamente (2 Crônicas 28:23).
d. O templo de Deus foi fechado (2 Crônicas 28:24).
e. Deus foi provocado a ira (2 Crônicas 28:25).
f. Para sempre separado da comunhão divina (2 Crônicas 28:27).
g. O progresso do passado é desfeito (2 Crônicas 28:17-18).

Conclusão:

1. Quando somos tomados por preocupações e temores, devemos levá-los a Deus e buscar a Sua orientação.
2. A influência é um dom de Deus que pode ser usada tanto para o bem quanto para o mal daqueles que nos seguem.
3. Devemos ser exemplo de santidade ao mundo.
4. Devemos mostrar que a adoração pertence somente ao único Deus.

Pr. Aldenir Araújo