Série: José: Amargura, Traição E Bênção - Que Confusão # 10

Série: José: Amargura, Traição E Bênção - Que Confusão # 10
Texto: Gênesis 43:15-34
Introdução: À medida que continuamos a estudar a vida de José, seus irmãos estão novamente se preparando para fazer uma viagem ao Egito. As coisas estavam muito diferentes nesta ocasião do que durante a primeira visita deles ao Egito. Simeão havia sido deixado para trás, preso com José como uma promessa de seu retorno. Benjamin foi obrigado a voltar com eles e Jacó não estava certamente feliz com a situação atual. Os irmãos também não tinham certeza sobre a viagem. Eles estavam preocupados como eles seriam recebidos, temendo que eles fossem marcados como ladrões e estavam incertos como os egípcios iriam responder. No entanto, a seca era tão grave que eles não tinham escolha. Se eles quisessem sobreviver, eles deveriam voltar para o Egito.

Até o momento os irmãos não tinham reconhecido José. Suas emoções estavam a flor da pele. Eles perceberam que a situação se transformou em uma grande confusão. José reconheceu seus irmãos e ele aguardava ansiosamente a chegada de Benjamin. Eles não esperavam que as coisas ficassem como ficaram. Suas emoções estavam confusas. Na conclusão do nosso texto, os irmãos estão sentados diante de José e Benjamim recebe uma porção maior do que os outros. A confusão parece ser o tema da passagem, então eu quero examinar as facetas desse encontro enquanto nós consideramos o pensamento: Que confusão.

I. Uma Ocasião De Medo. V. 15-22

- Alguns sugerem que a viagem para o Egito, de onde eles estavam em Canaã, seria cerca de 250 milhas. Você pode imaginar a conversa entre os irmãos enquanto eles faziam a viagem? É claro no texto que eles estavam com medo do que os esperava uma vez que eles chegassem. Vamos considerar suas ações. Observe:

A. A preparação. V. 15 - Nós observamos que eles tomaram o presente e seu pai os instruiu a levar juntamente com o dinheiro em dobro para a compra de alimentos. Eles queriam fazer todo o possível para garantir que seriam bem recebidos no Egito. Eles entenderam a terrível situação que estavam e decidiram não se arriscar. Toda precaução foi tomada e cada detalhe atendido.

- Como eu disse, eu nunca iria defender a possibilidade de comprar a nossa salvação, mas tem um princípio importante aqui. Eles estavam indo para estar diante do soberano e queria fazer todo o possível para serem aceitos. Nós também estaremos diante do Soberano um dia, e as preparações feitas nesta vida vão determinar a nossa aceitação ou rejeição. Temos de estar vestido com a justiça de Cristo, nascidos de novo, se quisermos ser aceitos por Deus.

B. A apreensão. V. 16-18 - Os irmãos estavam genuinamente preocupados com o próximo encontro com José. O dinheiro levado na primeira viagem foi encontrado nos sacos e eles temiam ser acusados de roubar os egípcios. Ao descobrir que estavam sendo escoltados até a casa do governador, eles ficaram ainda mais preocupados. Isto não era uma prática comum para uma compra de trigo. Estou convencido de que eles sentiram condenados pelo tratamento com José e sentiram como se o dia de prestação de contas tivesse chegado.

- Muitas vezes, esta é a forma como aqueles que vivem em pecado antecipam o futuro. Eles estão bem conscientes do pecado passado que ainda tem que ser reconciliado e estão apreensivos sobre o encontro com o Senhor. Com certeza os irmãos não sabiam que estavam lidando com José, mas eles temiam que este era um castigo pelo pecado que eles tinham cometido. Eu estou contente que eu não tenho que temer ao estar em pé diante do Soberano. Eu não tenho vivido uma vida livre do pecado, mas a minha conta foi resolvida na cruz do Calvário. O pecado do meu passado, presente e futuro foram expiados pelo sangue de Cristo. Quando eu o recebi como meu Salvador, sua justiça foi imputada na minha conta!

C. A explicação. V. 20-22 - Ao chegar na casa de José, os irmãos imediatamente começar a explicar a situação relativa ao dinheiro para o mordomo. Desta vez, os irmãos eram inocentes e eles queriam que o egípcio ouvisse seu lado da história. Agora eles sinceramente queriam fazer a coisa certa, devolver o dinheiro e pagar por outra compra. Parece que os irmãos estavam aprendendo com os erros do passado. Eles aprenderam que a honestidade é sempre a melhor política, mesmo que eles não tinham revelado a verdade sobre José a seu pai.

- Nós também devemos seguir este exemplo. A honestidade é sempre o melhor caminho a seguir, mesmo se não temos certeza da reação dos outros. Deus honrará honestidade, e enquanto nós falarmos a verdade, não precisamos nos preocupar com o que falamos.

D. A apresentação. V. 26, 28b - Quando os irmãos se apresentaram diante de José, mais uma vez, se prostraram diante dele. Eles se humilharam em submissão absoluta a José. Eles estavam bem conscientes de sua posição e autoridade, e eles sabiam que para garantir mais mantimento, José teria de concordar com a compra. Eles estavam à mercê do soberano.

- Que imagem revela a nós hoje. Nós também precisamos ter uma atitude submissa ao chegarmos diante do Senhor. Só Ele garantiu a nossa redenção e Ele está no controle de nossa própria existência. Nós não poderíamos sobreviver sem a ajuda do Senhor. Nossas vidas dependem de Sua misericórdia e graça. Nós devemos ir diante dele com um coração de humildade e reverência. Temo que a maioria tem se tornado casual demais com o Senhor e prestam pouca reverencia ao estar em Sua presença impressionante.

II. Uma Expressão De Favor. V. 23-30

- Enquanto os irmãos falavam com o mordomo de José, eles não são tratados da maneira que eles esperavam. Ao invés de palavras duras e condenação, favor lhes é oferecido. Observe:

A. O alívio. V. 23a - Eles descobrem que os egípcios estavam bem conscientes do dinheiro devolvido em seus sacos. É provável que José tinha combinado isso com o mordomo, mas seja qual for o caso, os irmãos dizem que Deus tinha estendido favor a eles e Ele foi responsável por sua boa sorte. O mordomo pode não ter acreditado em Deus, mas ele falou a verdade absoluta. Você pode imaginar o alívio que sentiram quando descobriram que não foram considerados ladrões, mas eram de fato os beneficiários da graça?

- Lembro-me da sensação terrível de culpa pelo meu pecado. Eu sabia que era culpado e condenado diante de Deus. Os irmãos eram realmente inocentes aqui, mas eu mereço receber a minha recompensa justa. Quando o juízo era merecido, a graça foi estendida. Deus foi misericordioso, estendendo favor!

B. O reencontro. V. 23b – A medida que eles continuavam a conversar com o mordomo, Simeão foi trazido até eles, e libertado de seu cativeiro. Eles não somente foram absolvidos de delito, como o seu irmão foi libertado do cativeiro. Naturalmente José nunca pretendeu causar qualquer dano a Simeão, mas os irmãos não sabiam disso. Isto estava muito longe de anos antes, do dia que José foi vendido como escravo sem pensarem no seu bem-estar. Certamente eles estavam aliviados que Simeão tivesse sido liberto e a esperança para o futuro deve ter sido renovada. Desta vez, eles haviam sido honestos e a honestidade tinha valido a pena.

- Enquanto eu considerava o significado desta provação, percebi a importância de ser honesto, de estar na posição vertical. Os pecados de seu passado tinham causado o cativeiro de Simeão, mas, quando eles responderam como eles deveriam, ele foi libertado. O pecado e suas consequências criaram separação e divisão para muitos, mas o arrependimento e a busca ao Senhor podem trazer restauração.

C. O refrigério. V. 24 - A bondade não terminou com a libertação de Simeão. Aos irmãos foram oferecidos refrigério de sua viagem e seus animais foram tratados muito bem. Cada necessidade que tinham estava sendo cuidada em uma terra estrangeira. Em meio a um lugar estranho eles foram consolados. Pode não ter sido ganho ou merecimento, mas foi oferecido livremente. Isso não é uma bênção quando tomamos um momento para considerar isso?

- Nós também estamos em uma viagem através de uma terra estrangeira, nos dirigindo para o céu. A vida aqui é difícil às vezes. Muitas vezes sentimos como se nós estivéssemos no meio de um deserto estéril e nossas almas ressecadas, sedentas. Mesmo no meio da dificuldade, Deus proverá. Seu cuidado para nós não é limitado ou parcial. Alguns são destinatários da graça por causa da fidelidade de Seu povo.

D. A recepção. V. 27-30 - Estes versículos revelam o encontro de José com seus irmãos. Ele os reconheceu, mas eles não o reconheceram. Ele pergunta sobre o bem-estar de seu pai e, em seguida, age como se ele não soubesse de Benjamin. Ele pergunta se aquele era o irmão mais novo. Havia uma ligação especialmente próxima entre eles. Eles eram os filhos de Raquel. Quando ele olha para Benjamin suas emoções correm solta e ele tem que sair da presença deles, a fim de ganhar a compostura. Os irmãos foram levados para a presença do primeiro-ministro e recebidos por ele. José poderia ter ficado irritado e os mandado embora, mas ele estava genuinamente feliz em vê-los. Ele estava preocupado com o bem-estar deles e queria garantir a sua sobrevivência.

- Não é como o nosso Senhor? Se Ele tivesse nos tratados como nós merecíamos, Ele teria nos deixado morrer perdido em nosso pecado. Seu favor não teria sido estendido. Temos sido levados à presença do Rei da glória, pelo Espírito, e através da salvação recebemos Seu favor amoroso!

III. Um Convite Para Um Banquete. V. 31-34

- A viagem de volta para o Egito tomou um rumo inesperado quando José ordena prepara um banquete e convida seus irmãos como seus convidados. Observe:

A. O cenário. V. 32 - À medida que a refeição estava preparada, os hebreus foram levados para jantar, mas os egípcios comeram separados. Era considerado uma abominação para um egípcio comer com um hebreu. O povo de Deus sempre foi rejeitado e o antissemitismo permanece até hoje. É evidente que isto era nada menos do que preconceito e racismo.

- Nós não toleramos ou promovemos essa atividade, mas eu vejo uma figura interessante aqui. José tinha um banquete preparado para sua família. Este foi reservado para os filhos de Jacó. Que imagem dos redimidos de Cristo. Um dia, a ceia das bodas do Cordeiro será preparada e somente aqueles que compõem a noiva de Cristo se assentarão a mesa. Aqueles que não pertencem a Cristo não estarão presentes para apreciar a refeição de celebração. Alegro-me que eu fiz os preparativos para participar.
 
B. A seleção. V. 33 - Quando os irmãos entram na sala de jantar, a mesa estava preparada e os assentos pré-arranjados. Eles se assentarão de acordo com sua idade. Ainda sem conhecer José, os irmãos se maravilharam com um evento como aquele. Eles estavam sentados exatamente como estariam em casa. José sabia muito mais sobre eles do que eles perceberam. Mais uma vez eles estavam sendo testados para ver como reagiriam à posição nomeada para eles.

- Como isso é verdade de nosso Senhor também. Podemos pensar, por vezes, que somos vidas vividas de forma privada e desconhecidas, mas nosso Senhor nos conhece melhor do que nós mesmos. Ele está ciente do nosso relacionamento com Ele, assim como a nossa fidelidade a Ele. Devemos aceitar a Sua vontade para nossas vidas e de bom grado servir a sua vontade sem ciúmes ou inveja dos outros. Ele tem nos colocado dentro da família como lhe agrada.

C. O significado. V. 34 – Quando a refeição terminou, cada irmão recebeu sua porção ou recompensa, mas a porção de Benjamim era cinco vezes maior do que a de qualquer deles. Ele era o mais novo, e no momento da traição de José, Benjamin não tinha parte significativa dentro da família, mas aqui ele recebeu a maior recompensa. Sua bênção excedeu os outros cinco vezes. Nós vemos uma mudança significativa aqui. Após as porções serem trazidos, eles beberam e se regalaram com ele. Não há acusações em direção Benjamin ou ciúme relativos à sua parte. Parece que os irmãos estavam contentes com a parte que receberam.

- Cada um de nós é responsável pela nossa vida diante do Senhor. Nós podemos influenciar e encorajar uns aos outros, mas cada um de nós dará conta pessoal da vida que vivemos. Nossas recompensas serão variadas. Alguns receberão grandes recompensas, e outros irão receber uma recompensa ainda mais abundante. Alguns poderão ter pouca recompensa quando estiverem diante do Senhor. 1 Coríntios 3:8 – “Ora, uma só coisa é o que planta e o que rega; e cada um receberá o seu galardão segundo o seu trabalho”. Apocalipse 22:12 – “Eis que cedo venho e está comigo a minha recompensa, para retribuir a cada um segundo a sua obra”.

- Mais uma vez, não somos que determina quem faz o quê e quanto eles recebem. Isto é obra do Senhor e da Sua vontade soberana. Precisamos trabalhar juntos, lado a lado, regozijando-se pela bondade de Deus em todas as nossas vidas.

Conclusão: Certamente este não era o resultado que os irmãos esperavam, mas Deus tinha um plano que eles desconheciam. Seu irmão tinha sido elevado no Egito, e mesmo que o haviam traído, ele iria atender as suas necessidades e garantir a sua sobrevivência. Eles ainda não sabiam que era José, mas a viagem com medo terminou com paz e contentamento. O que parecia ser uma confusão conturbada, tornou-se uma verdadeira benção. Sua relação com o soberano fez toda a diferença.

O mesmo é verdade para cada um de nós. Há momentos em que parece que nossas vidas estão em uma confusão. Ficamos desesperados por ajuda e não vemos nenhuma maneira de sair da situação. Devemos lembrar que Deus é soberano e Ele está no controle de nossas vidas. Nosso relacionamento com Ele faz toda a diferença agora e na eternidade. Você tem um relacionamento pessoal com Cristo? Se assim for, é a sua vida o que deveria ser? Se você fosse estar diante do Senhor hoje, que recompensa você receberia? Se há uma necessidade na sua vida, venha nessa noite; não jogue fora esse momento!

Gostou desse esboço? Olha a novidade que tenho para você!

Eu preparei um e-book com 365 sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! Clique Aqui para adquirir seu livro.

Série: José: Amargura, Traição E Bênção - Que Confusão # 10 Reviewed by Aldenir Araujo on quarta-feira, abril 13, 2016 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:
1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

All Rights Reserved by O Pregador © 2014 - 2015
Designed by Blogger

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.