Série: José: Amargura, Traição E Bênção - Uma Reunião De Lembranças # 8

Série: José: Amargura, Traição E Bênção - Uma Reunião De Lembranças # 8
Texto: Gênesis 42:1-25
Introdução: A seca revelada por Deus por intermédio de José estava tomando conta do Egito e as zonas circundantes. Tornou-se tão grave, que a fome ameaçava lugares distantes como Canaã. Sabemos que Deus usou José para se preparar para a chegada da seca e da fome, mas nem ele nem sua família teria imaginado que essa dificuldade iria reuni-los novamente. José agora estava casado, abençoado pelo Senhor, tendo superado as dificuldades da sua juventude. Ele é, sem dúvida, um homem ocupado, cuidando dos armazéns e do racionamento da colheita.

Em um país distante do Egito, a família de José está sofrendo com a fome e a noticia chega; há trigo no Egito. Com base nas informações recebidas, Jacó envia seus filhos ao Egito para comprar suprimentos suficientes para sustentá-los através da seca. Deus orquestrou todo o evento, e nossa texto revela uma espécie de reunião para os irmãos. Esta era a primeira vez que José via os desde que foi vendido como escravo. Ele ocupa uma posição tão proeminente que seus irmãos não conseguem reconhecê-lo, mas esta reunião começa o processo de restauração e de salvação para a família de Jacó. Eu quero olhar para aquele dia registrado para nós e discutir os detalhes desse encontro enquanto nós consideramos: Uma Reunião de Lembranças. Embora os irmãos não conseguem reconhecer José, este encontro traz lembrança de um tempo anterior para cada um deles.

I. O Desespero Na Reunião. V. 1-5

- Como vamos descobrir, esta reunião não foi planejada por José ou seus irmãos. Até o momento Jacó ainda não sabia que José estava vivo. Esta reunião foi provocada por Deus através do desespero. Observe:

A. A Crise. V. 2“Disse mais: Tenho ouvido que há trigo no Egito; descei até lá, e de lá comprai-o para nós, a fim de que vivamos e não morramos”. As coisas não estavam desesperadas apenas para os egípcios; a fome também tinha chegado a Canaã. Jacó sabia que a família não iria sobreviver sem a abundância que o Egito havia armazenado. Ele não estava feliz com a ideia de enviar seus filhos ao Egito, mas ele não tinha escolha. O protegido trigo do Egito era a sua única esperança de sobrevivência.

- Como descobrimos na vida de José, problemas e dificuldade vem para todos, independentemente do seu estatuto, riqueza ou relacionamento com o Senhor. O problema é simplesmente uma parte da vida.

B. A Complacência. V. 1“Ora, Jacó soube que havia trigo no Egito, e disse a seus filhos: Por que estais olhando uns para os outros? ” Esta parece ser uma repreensão de Jacó a seus filhos. As coisas estavam desesperadas para toda a família. Eles enfrentavam a possibilidade muito real de fome se algo não fosse feito, e ainda assim eles pareciam complacentes com a situação. Jacó percebeu que eles estavam apenas sentados, à espera de alguém fazer algo por eles, em vez de procurar uma solução para o problema. Este parece ser o caráter e atitude que os irmãos mais velhos possuíam. Eles estavam apenas preocupados com o seu estilo de vida luxuoso, provocada por sua associação com Jacó. Ele declara que é tempo para eles assumirem a responsabilidade e se tornar homens, e cuidar de suas famílias.

- Eu não tenho tempo para pregar sobre isso, mas há uma grande aplicação para nós também. Eu sei que Deus é soberano e Ele está no controle absoluto de nossas vidas, mas há momentos em que temos de tomar a iniciativa, usar as habilidades que Deus nos deu para trabalhar em nosso favor. Deus não está satisfeito com complacência ou a preguiça.

C. A conformidade. V. 3 - “Então desceram os dez irmãos de José, para comprarem trigo no Egito”. Não posso deixar de pensar que os irmãos estavam relutantes em fazer a viagem, mas eles honraram a ordem de seu pai e foram para o Egito. Pode ser que eles não queriam ir, mas por obrigação eles foram.

- Isso também tem aplicação para nós. A vontade de Deus e Sua direção nem sempre levam em uma direção que ficamos felizes em seguir. Na verdade, às vezes até pode não fazer sentido para nós, mas temos de estar dispostos a submeter-se a vontade de Deus para nossas vidas. Podemos ter conforto sabendo que seus caminhos são sempre melhores, e Ele nunca nos levará onde Sua graça e provisão não é suficiente para nos manter!

II. O Reconhecimento Na Reunião. V. 6-17

- Enquanto os irmãos foram para o Egito eles não tinham ideia do que os esperava. Eles certamente não esperavam que José seria o primeiro-ministro no Egito. Observe:

A. A submissão. V. 6“José era o governador da terra; era ele quem vendia a todo o povo da terra; e vindo os irmãos de José, prostraram-se diante dele com o rosto em terra”. Isto é muito diferente do último encontro deles com José. Eles não sabem que é ele, e eles se humilharam na sua presença. Eles não estão arrogantes e cheios de ódio como antes. Eles sabiam que se fossem para receber o trigo eles precisavam, eles teriam que mostrar respeito.

- É evidente que a arrogância e o orgulho são pecaminosos, não agrada a Deus, mas há uma outra lição aqui também. Os irmãos nunca pensaram que iriam ver José novamente. Eles provavelmente sentiram como se tivessem acabado com seu esquema, mas o pecado é sempre revelado eventualmente. Tenha certeza que seu pecado irá encontrá-lo. Estes homens iriam em breve ser confrontados com seu pecado e assim seremos eventualmente.

B. A Interrogação. V. 7-12 - Estes versículos revelam o encontro inicial com José depois de todos esses anos. Observamos que, não há malícia ou ódio no coração de José para com seus irmãos, mas você pode imaginar como ele deve ter se sentido ao vê-los pela primeira vez. Sua última lembrança deles era de amargura e traição. Eles o venderam como escravo, sem considerar para o seu bem-estar. José queria ver como reagiriam. Ele queria ver quais eram seus motivos e se poderia ter havido uma mudança em seus corações. Quando José examinou-os, eles foram forçados a lidar com o pecado de seu passado.

- Como já discutimos, eventualmente, vamos enfrentar o nosso pecado. Os salvos são habitados pelo Espírito de Deus, trazendo convicção imediatamente quando pecamos. Nossa carne é teimosa, às vezes, e nós continuamos a despeito dos rogos do Espírito. Podemos sentir, como os irmãos sentiram, quando seguimos com o nosso pecado, mas eventualmente vamos ser examinados do Espírito. José amava demais para lançá-los de lado, e Deus nos ama demais para não confrontar o nosso pecado.

C. A consideração. V. 9, 13“Lembrou-se então José dos sonhos que tivera a respeito deles, e disse-lhes: Vós sois espias, e viestes para ver a nudez da terra”. [13] “Mas eles disseram: Nós, teus servos, somos doze irmãos, filhos de um homem da terra de Canaã; o mais novo está hoje com nosso pai, e outro já não existe”. Certamente nenhum deles imaginou aquele momento durante os anos atrás, enquanto ainda em Canaã, mas ali no Egito, Deus começou a trabalhar dentro de seus corações, trazendo lembranças e o início da reconciliação. Neste momento, José se lembrou dos sonhos de seu passado. Ele começou a perceber que Deus tinha mantido sua palavra. Provavelmente isso começou a fazer sentido quando José ponderou os sonhos da juventude. Os irmãos mais velhos foram forçados a ser verdadeiros em relação ao fato de que José não estava mais com sua família. Muitos anos se passaram, mas através de tudo que Deus tinha sido fiel. Ele havia abençoado José, e ele não tinha esquecido o pecado de seus irmãos.

- Isso me lembra a fidelidade do nosso Deus e Sua natureza imutável. Podemos ter a certeza nas promessas de Deus. Podemos ter conforto sabendo que Ele está trabalhando para o nosso bem e Sua glória. Podemos desviar como os irmãos fizeram, mas, eventualmente, seremos confrontados por um Deus amoroso e santo. Ele deseja que o sigamos pela fé, caminhando de uma forma que lhe agrada!

III. A Admissão Na Reunião. V. 21-22

- Aqui descobrimos uma grande ironia. Os irmãos não tinham nenhuma maneira de saber que eles estavam de pé na presença de José e ainda assim eles admitem os maus tratos deles. Nós observamos o remorso deles por suas ações. Observe:

A. A confissão. V. 21a, 22a - “Então disseram uns aos outros: Nós, na verdade, somos culpados no tocante a nosso irmão, porquanto vimos a angústia da sua alma, quando nos rogava, e não o quisemos atender” [22] “Respondeu-lhes Rúben: Não vos dizia eu: Não pequeis contra o menino; mas não quisestes ouvir? ” Na presença de José eles confessaram os seus pecados sobre seu tratamento dele. Muitos anos mais tarde, eles foram confrontados com os seus pecados e eles confessaram. Lembraram-se da angústia que José revelou e o desprezo deles por seu irmão. Isto não apagou o pecado ou as consequências associadas a ele, mas pelo menos eles estavam dispostos a admiti-lo. Este foi o início do processo de cura.

- O mesmo é verdade em nossas vidas. Nós nunca iremos experimentar o perdão e a restauração da comunhão sem a confissão. José sabia tudo sobre o pecado deles, mas eles precisavam confessá-los. Deus sabe tudo sobre o nosso pecado, mas temos de estar dispostos a confessá-lo diante dele.

B. A antecipação. V. 21b, 22b“...é por isso que vem sobre nós esta angústia”. [22b] “...por isso agora é requerido de nós o seu sangue”. Tenha em mente que estes homens estavam endurecidos. Tinham vivido todos estes anos com este segredo sombrio. Eles não tinham mencionado isso a seu pai. É provável que eles lidavam com a culpa e o arrependimento, mas até agora eles não tinham lidado com o pecado de seu passado. Eles percebem que o pecado trouxe consequências. Eles estão convencidos de que eles estão lidando com essas consequências e antecipam mais por vir. Eles perceberam que é impossível esconder o pecado, e que o nosso pecado afeta os outros, mesmo as pessoas inocentes.

- Esta é uma lição que todos nós precisamos aprender. Nossa nação especialmente precisa entender esta verdade. Pode levar algum tempo para que o pecado venha para a superfície, mas eventualmente ele vai vir. Deus não permitirá que um indivíduo ou um povo continue no pecado sem castigo ou julgamento. Muitos se sentem como se eles estivessem fora do alcance de Deus, mas temo que o julgamento possa estar no horizonte. Faríamos bem em ser honestos com nós mesmos e ao Senhor sobre a condição de nossos corações.

IV. A Compaixão Na Reunião. V. 23-25

- Os nossos versos finais revelam a compaixão de José para com seus irmãos, apesar de terem maltratado muito dele. Mais uma vez vemos uma grande imagem de nosso Senhor. Observe:

A. A dor. V. 24“Nisto José se retirou deles e chorou. Depois tornou a eles, falou-lhes, e tomou a Simeão dentre eles, e o amarrou perante os seus olhos”. Não podemos imaginar a emoção que José deve ter sentido no momento. Ele estava tão tomado pela emoção que ele se afastou deles e chorou. Certamente havia uma mistura de emoções. Ele provavelmente sentiu uma inundação de dor mais uma vez pela forma como ele foi tratado pelos seus próprios irmãos. Ele estava provavelmente consumido pelo alívio de que eles tinham finalmente admitido seu pecado. José foi movido por este encontro com seus irmãos.

- O mesmo é verdadeiro de nosso Senhor. Não podemos imaginar como ele se sente quando ele vê nossas vidas. Certamente estamos cientes de que nossas ações o entristece às vezes. Ele deve se perguntar por que vivemos e nos comportamos e fazemos depois de tudo que ele fez por nós. Eu quero viver de uma forma que agrada ao meu Senhor ao invés de trazer dor e tristeza a Ele através de minhas ações.

B. A graça. V. 25“Então ordenou José que lhes enchessem de trigo os sacos, que lhes restituíssem o dinheiro a cada um no seu saco, e lhes dessem provisões para o caminho. E assim lhes foi feito”. Devemos lembrar a posição de José neste momento. Ele tinha o poder e a autoridade para fazer com eles o que quisesse. Ele poderia manda-los para a prisão ou ele poderia até mesmo mandado executa-los. Se eles tivessem tido o que mereciam, eles teriam sido presos por suas ações, no mínimo. Em vez disso, deu-lhes o que eles precisavam, trigo para sobreviver. Ele até devolveu o dinheiro deles dentro dos sacos de trigo. Eles tinham o que precisavam e ele gentilmente deu a eles. O dinheiro não pode comprar o que eles receberam.

- Não é assim com o nosso Senhor? Se tivéssemos recebido o que nós merecíamos teríamos sido condenados a uma eternidade no inferno. Jesus seria justificado em rejeitar e nos condenar a juízo eterno. Em vez disso Ele ofereceu misericórdia e graça. Somente Ele tem o que precisamos e não está disponível através de dinheiro ou de boas obras. É tudo um ato da graça. O que compassivo, amoroso Salvador, servimos!

Conclusão: Eu fui abençoado e muito confrontado por essa passagem. José é um tipo de Cristo. Eventualmente seus irmãos pecadores estavam diante dele e foram forçados a lidar com o pecado de seu passado. José tinha o poder de punir ou graciosamente perdoar. Ele escolheu o perdão e suprir as suas necessidades. Lembro-me que eu também lhe darei uma conta para a vida que eu vivo. As decisões que tomo nesta vida traz consequências. Alegro-me que eu conheci o Senhor na salvação e eu fui perdoado de meus pecados, passado, presente e futuro. Isso não me dá uma licença para pecar, mas traz conforto.

Talvez esta passagem tenha falado com você. Existem áreas em sua vida que você precisa levar diante do Senhor? Ele já está ciente delas. Ele está esperando por você admitir sua necessidade e leva-las diante dele. Se você nunca foi salvo, Jesus espera para tratá-lo como José fez com seus irmãos. Ele tem o que você precisa e dinheiro não é necessário. Ele estende a salvação pela graça através da fé. Por que não vir esta noite se encontrar com o Senhor?

Pr. Aldenir Araujo

Gostou desse esboço? Olha a novidade que tenho para você!

Eu preparei um e-book com 365 sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! Clique Aqui para adquirir seu livro.

Série: José: Amargura, Traição E Bênção - Uma Reunião De Lembranças # 8 Reviewed by Aldenir Araujo on segunda-feira, março 07, 2016 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:
1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

All Rights Reserved by O Pregador © 2014 - 2015
Designed by Blogger

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.