Série: José: Amargura, Traição E Bênção - Esperança, Cura E Honra # 7

Série: José: Amargura, Traição E Bênção - Esperança, Cura E Honra # 7
Texto: Gênesis 41:45-57
Introdução: Dizer que a vida foi difícil para José seria um eufemismo. Não podemos imaginar a solidão e angústia que ele sofreu desde que foi vendido como escravo por seus irmãos. Houve momentos em que parecia que as circunstâncias estavam melhorando, mas cada vez ele era forçado a lidar com outro revés. Anos se passaram sendo escravizado em uma terra estrangeira, mas através de tudo, a fé de José nunca vacilou quando ele esperou pacientemente no Senhor para proporcionar a libertação. Esse tempo tinha finalmente chegado. José nunca mais voltou para as prisões do Egito. Em seu tempo, Deus havia feito todas as coisas para o bem de José.

Hoje à noite nós começaremos logo após a libertação de José da prisão. Anos tinham sido gasto em cativeiro, mas ele enfrenta agora um futuro promissor. Todas as dificuldades do passado logo se tornariam uma memória distante. Há uma grande lição para cada um de nós nesta passagem. A vida tem a sua quota de dificuldade, mas através de tudo Deus é fiel. Independentemente das circunstâncias, a esperança continua para o filho de Deus. Embora nem sempre podemos ver ou entender o que estamos lidando, Deus está sempre presente em nossas vidas e trabalhando em nosso favor. Nós também devemos permanecer comprometidos com a fé a medida que nós pacientemente esperamos no Senhor. Eu quero considerar as circunstâncias atuais na vida de José enquanto nós pregamos sobre o pensamento: Esperança, Cura e Honra.

I. A Promoção de José. V. 45-46

- Estes versículos revelam a grande promoção que José recebeu quando ele foi levado da prisão para o palácio. Descobrimos:

A. Um novo reconhecimento. V. 45a“Faraó chamou a José Zafnate-Paneã...” Tenha em mente que José era um hebreu entre os egípcios. Ele tinha sido falsamente acusado e condenado por crimes graves. Quando ele foi tirado da prisão, Faraó deu a José um nome egípcio pelo qual ele seria reconhecido do povo. O significado exato do nome é desconhecido, mas sugestões revelam que pode ter significado "Abundância de vida", "Salvador do mundo" ou "revelador de segredos". Nós nunca saberemos, mas é evidente que o novo nome revela a posição de José e a classificação. Ele certamente identificava os seus dons e habilidades. Era um nome que o separava dos outros, revelando quem ele era, e eu acredito, o Deus que ele servia.

- Como podemos ver José como um tipo de Cristo, somos lembrados de que nosso Senhor tem um nome acima de todo nome. Ele é o doador da vida abundante, o Salvador do mundo, e o revelador de toda a verdade! Não há ninguém que se compara a Cristo Senhor.

- Também vemos uma imagem de todos os crentes em José. Nós também éramos conhecidos por um nome associado a culpa e condenação. Quando chegamos a Cristo na salvação nos foi dado um novo nome nele. Nós já não somos contados entre os transgressores, mas fazemos parte da família de Deus!

B. Um novo relacionamento. V. 45b“e deu-lhe por mulher Asenate, filha de Potífera, sacerdote de Om. Depois saiu José por toda a terra do Egito”. Ao ser tirado da prisão e promovido a primeiro-ministro, José recebeu uma esposa como um presente de Faraó. A mulher que José recebeu como sua noiva se chamava Asenate. Este nome significa "pertencente à deusa Neith". Neith era conhecido como "A mãe terra do Delta". Ela era adorada como a mãe dos deuses egípcios Isis, Horus e Osíris. Esta deusa era conhecida como a fonte de toda sabedoria. Os egípcios acreditavam que todos os outros deuses iriam a Neith para advoga-los, quando eles tinham uma disputa entre si. Asenate foi criado para adorar deuses falsos, pagãos.

- Asenate era filha de Potífera, sacerdote de Om. Seu nome significa "Dado pelo deus sol". Om, também conhecido como Heliópolis, era uma das cidades religiosas mais importantes no Egito. O grande templo de Rá, o deus do sol, estava lá.

- Rá é descrito como um grande falcão usando um disco de ouro como uma coroa. Este templo também abrigava um touro sagrado que era adorado pelos egípcios. Faraó se acreditava ser a encarnação de Rá, e era adorado como um deus. Asenate havia sido criada no paganismo profundo e profunda escuridão espiritual.

- Que imagem da graça encontramos em Asenate! Ela foi trazida para fora do paganismo, da adoração de ídolos e casada com a pessoa que iria liberta-la do Egito, para ser apresentada ao Deus vivo e verdadeiro. Ela é uma figura da igreja, crentes gentios libertos das trevas do pecado através da graça salvadora de Deus, tornando-se a noiva de Cristo aguardando a grande Ceia das Bodas do Cordeiro!

C. Uma nova responsabilidade. V. 45c-46“Depois saiu José por toda a terra do Egito. [46] Ora, José era da idade de trinta anos, quando se apresentou a Faraó, rei do Egito”. E saiu José da presença de Faraó e passou por toda a terra do Egito. Aqui nós descobrimos o quão rapidamente as coisas podem mudar. José acordou uma manhã para o mesmo medo e dificuldade da escravidão e foi para a cama naquela noite como primeiro-ministro do Egito. Ele tinha sido elevado ao segundo em comando, levando a responsabilidade de livrar o Egito da próxima seca e fome. Esta era uma tarefa enorme para um jovem de trinta anos de idade, no entanto, Deus tinha preparado José para este tempo desde sua adolescência. Ele estava agora em posição de influenciar todo o Egito.

- Não posso deixar de pensar no grande fardo e responsabilidade que o nosso Senhor levou em cerca da mesma idade. Sim, ele era totalmente Deus, mas Ele também era plenamente homem. Ele levou os pecados do mundo, tornando-se o sacrifício pela humanidade, garantindo a salvação para todos os que vêm a Ele pela fé. José teve a oportunidade de beneficiar e influenciar o Egito, enquanto Cristo influenciou o mundo e todos os tempos. Tem se passado milhares de anos desde a sua morte e ressurreição, mas ele ainda salva pelo Seu poder!

- Não fomos chamados para salvar o mundo, mas nós também temos uma responsabilidade devido à nossa relação com Cristo. Todo crente nascido de novo é chamado a ser testemunha e prestar testemunho de Cristo. Nós temos o potencial para mudar nossas comunidades e em essência o mundo. Que possamos ser fiéis ao chamado que recebemos, honrar a Cristo em tudo que fazemos!

II. A Provisão Por Intermédio De José. V. 47-49

- Aqui lemos de como Deus usou José para se preparar para a chegada da fome, poupando assim Israel e a linhagem de Cristo da fome. Observe:

A. O fornecimento da colheita. V. 47“Durante os sete anos de fartura a terra produziu a mancheias”. O povo fez como José instruído, preparou o solo e plantou as culturas. Eles sabiam que os anos de fome viriam e não perderam tempo em preparação. Eles fizeram tudo o que podiam, mas no final foi a boa mão de Deus que proveu o aumento. Nos sete anos bons, a terra produziu uma colheita abundante. Deus colocou José em um lugar como este para um momento como este, e ele permaneceu fiel.

- Precisamos ser lembrados da bondade de Deus e nossa dependência dEle. Vivemos em uma era de excesso. Muitos ao redor do mundo não gostam de tudo o que fazemos, e ainda assim parecem ser ingratos. Muitos supõem que as coisas nunca poderiam mudar. Somos abençoados com milhões de acres de terra para a produção de culturas para nos sustentar, mas é Deus que dá o crescimento. Todas as bênçãos que desfrutamos vem da boa mão de Deus. Tudo o que nós apreciamos é Dele!

B. O armazenamento da colheita. V. 48-49“e José ajuntou todo o mantimento dos sete anos, que houve na terra do Egito, e o guardou nas cidades; o mantimento do campo que estava ao redor de cada cidade, guardou-o dentro da mesma. Assim José ajuntou muitíssimo trigo, como a areia do mar, até que cessou de contar; porque não se podia mais contá-lo”. Com a sabedoria dada por Deus, José armazenou a colheita abundante nos anos bons para a fome que estava por vir. A terra produziu trigo em tal abundância que não se podiam contar em números. Deus tomou providências para assegurar que as pessoas teriam o que comer quando a terra se recusasse a dar frutos. Os celeiros estavam cheios o suficiente para sustentar nos anos de vacas magras.

- Que bênção quando consideramos a partir de uma perspectiva espiritual. Nós não olhamos para um celeiro físico em si, mas o celeiro de Deus tem uma oferta abundante. Nossas necessidades Ele é capaz de atender. Sua graça é suficiente para cada prova. Não precisamos temer uma pequena escassez. Deus é Deus!

III. A Prosperidade De José. V. 50-52

- A mão da provisão de Deus não se limitou a autoridade, posição e bênçãos materiais para José. Ele fez prosperar José de forma que ele provavelmente nunca imaginou. Considere a abundância de sua prosperidade. Nós vemos:

A. Sua Família. V. 50“Antes que viesse o ano da fome, nasceram a José dois filhos, que lhe deu Asenate, filha de Potífera, sacerdote de Om”. Deus não somente abençoou a obra das mãos de José e o fruto da terra, como Ele também abençoou José com uma família. É evidente que ele não estava perto de Jacó e estou certo de que ele continuava a sentir muito a falta dele. Deus permitiu que José desfrutasse de uma família própria. Ele estava longe de Canaã e aqueles que ele amava, mas Deus o abençoou enquanto no Egito.

- Estou verdadeiramente grato pela família que Deus tem me abençoado e estou certo de que você também está. Há um princípio aqui é preciso entender que excede até a bênção da família. Deus abençoou José em uma terra estrangeira onde parecia que não havia esperança. No meio da tragédia, traição e desespero, Deus abençoou a vida de José. As circunstâncias que enfrentamos não são páreas para a graça e a disposição de nosso Senhor. Ele nos amou o suficiente para morrer por nossos pecados e Ele deseja nos abençoar com Sua abundância nesta vida. Isso não quer dizer que vamos receber riqueza material abundante, mas devemos saber que Deus pode abençoar até mesmo em uma terra estrangeira, mesmo longe dos confortos de casa!

B. Seu favor. V. 51-52“E chamou José ao primogênito Manassés; porque disse: Deus me fez esquecer de todo o meu trabalho, e de toda a casa de meu pai. Ao segundo chamou Efraim; porque disse: Deus me fez crescer na terra da minha aflição”. José compreendeu a bênção de Deus e se alegrou em seu favor. Ele tinha sido traído por seus irmãos, obrigado a suportar dificuldades no Egito, e ainda assim Deus foi fiel. Não tinha sido fácil, mas Deus tinha apagado as memórias do passado. José foi capaz de esquecer o sofrimento que ele suportou e a dor de ser separado de sua família. Deus tinha abençoado José além da medida e ele estava grato por todas as bênçãos.

- Deus nem sempre acalma a tempestade em torno de nós ou remove as circunstâncias difíceis, mas Ele pode abençoar-nos no meio da adversidade. Ele pode fazer as rosas florescer no deserto. Ele pode abrir um caminho onde não há caminho. Ele pode trazer a paz aos nossos corações perturbados. Somos amados de Deus e nós somos abençoados para desfrutar de seu favor abundante em nossas vidas!

IV. A Proeminência De José. V. 53-57

- Nos versos finais vemos o destaque que José desfrutou no Egito e como Deus o abençoou enquanto usou-o para abençoar os outros. Observe:

A. Seu conselho. V. 53-55“Acabaram-se, então, os sete anos de fartura que houve na terra do Egito; e começaram a vir os sete anos de fome, como José tinha dito; e havia fome em todas as terras; porém, em toda a terra do Egito havia pão. Depois toda a terra do Egito teve fome, e o povo clamou a Faraó por pão; e Faraó disse a todos os egípcios: Ide a José; o que ele vos disser, fazei”. Alguns podem ter ficados céticos sobre a sabedoria do hebreu durante os sete anos bons, mas, eventualmente, a seca e a fome vieram como José tinha previsto. Deus continuou a elevar José enquanto suas palavras eram validadas diante de todo o Egito. Quando as pessoas ficaram sem alimentos, Faraó lhes ordenou que fossem a José e seguissem o seu conselho.

- No meio de um mundo em crise, em busca de respostas, temos a verdade da Palavra de Deus para conduzir e guiar-nos. Sempre haverá os céticos e zombadores, mas podemos ter conforto em ter a verdade absoluta para guiar-nos. Não há nenhuma razão para olhar para o mundo em busca de sabedoria e não precisamos pedir desculpas por permanecermos na Palavra de Deus. Ele irá sempre honrar a Sua Palavra e aqueles que a segui-la. Nossa sociedade precisa buscar mais a Deus para sabedoria nesta vida.

B. Sua custódia. V. 56-57“De modo que, havendo fome sobre toda a terra, abriu José todos os depósitos, e vendia aos egípcios; porque a fome prevaleceu na terra do Egito. Também de todas as terras vinham ao Egito, para comprarem de José; porquanto a fome prevaleceu em todas as terras”. A medida que a seca se espalhou sobre a terra, a fome se espalhou sobre toda a terra. A única fonte de comida era no Egito, e José era responsável por toda a disposição. Todos os que desejavam a prestação do Egito tinha que ir a José se esperava receber algo para comer. Não havia outros meios; ele era a única fonte sobre a terra.

- Que representação poderosa de Cristo vemos nesta figura de José. Só Jesus é a fonte de salvação e vida eterna. Não há outro meio de reconciliação com Deus e libertação da morte espiritual. Cristo é o único caminho para a humanidade ser salva. Só ele tem o que todos precisamos. Ele é o doador e sustentador da vida. Quando eu considero tudo o que Jesus é, e a esperança oferecida Nele, eu me pergunto por que tantos se recusam a vir a Ele para a necessidade de suas vidas. Não há outro caminho, e ainda muitos se recusam a vir a Cristo pela fé. Oro para que esse não seja o seu caso!

Conclusão: É evidente que Deus está no controle, mesmo quando parece que o nosso mundo está caindo aos pedaços. As coisas estavam desesperadas para José, mas a partir das cinzas da miséria e desespero, surgiu a esperança, a cura e a honra. Deus abençoou a José, apesar de suas circunstâncias, e o usou para trazer libertação para todos. Ele é capaz de atender às suas necessidades, bem como, qualquer que seja a sua necessidade. Basta olhar para ele com os olhos da fé. Quero enfatizar novamente, Jesus é o único meio de salvação. Não há necessidade de olhar para o outro. Se você ainda não é salvo, venha a Cristo enquanto Ele fala com você!

Pr. Aldenir Araujo

Gostou desse esboço? Olha a novidade que tenho para você!

Eu preparei um e-book com 365 sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! Clique Aqui para adquirir seu livro.

Série: José: Amargura, Traição E Bênção - Esperança, Cura E Honra # 7 Reviewed by Aldenir Araujo on segunda-feira, fevereiro 29, 2016 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:
1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

All Rights Reserved by O Pregador © 2014 - 2015
Designed by Blogger

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.