Série: José: Amargura, Traição E Bênção - Falsas Acusações E Prisão #4

Série: José: Amargura, Traição E Bênção - Falsas Acusações E Prisão
Texto: Gênesis 39:13-23
Introdução: Em nosso último sermão encontramos José vendido como escravo no Egito. Esta foi, sem dúvida, uma provação terrível para um jovem hebreu, mas mesmo em suas dificuldades Deus foi fiel. Em meio a grande tragédia um vislumbre de esperança brilhou. Ele tinha sido comprado por Potifar, o capitão da guarda do faraó. Deus abençoou a José e ele logo foi elevado para supervisionar tudo o que Potifar possuía. No entanto, não demorou muito para que os ventos da adversidade soprassem mais uma vez.

José foi observado pela esposa de Potifar e ela procurou todas as maneiras imagináveis para seduzi-lo. Não estando disposto a pecar contra Deus ou seu senhor, José repetidamente recusou seus avanços. Ela não desistiu facilmente e continuou pressionando fortemente José. Durante seu último encontro, José fugiu dela ao invés de se entregar a tentação da carne. Enquanto fugia, ela pegou sua capa, que foi deixado em sua mão. Enfurecida pela rejeição, a esposa de Potifar concebeu um esquema horrível para punir José por rejeita-la. Ele logo se encontrou em uma confusão e sofrimento novamente.

Esta passagem lida com as acusações falsas e os danos que elas causaram. José era inocente, mas ele seria condenado pelas mentiras de outro. Certamente que todos nós já tivemos comentários feitos sobre nós que eram falsos. Sabemos a dor de ser acusado de coisas que não fizemos. Infelizmente essas ocorrências acontecem devido à natureza caída da humanidade. Mesmo em face da acusação e represálias, precisamos permanecer fiéis ao Senhor e nossa fé. Vamos observar esse momento difícil na vida de José e as acusações que enfrentou enquanto consideramos: Falsas Acusações e prisão.

I. A Calúnia Nas Acusações. V. 13-18

- Estes versos registram a maneira caluniosa que a esposa de Potifar falou de José. Observe:

A. A Trama. V. 13, 16 – Descobrimos que ela imediatamente viu que José deixara a sua capa em suas mãos enquanto ele fugia dela. Ele sabia a verdade sobre o encontro, e ela também, mas ela começou a inventar uma trama para condenar José. Ele era um hebreu, um escravo em sua casa. Ela era a esposa de um homem poderoso. Ela tinha as provas contra José, embora completamente falsas, seria muito convincente.

- Ao pensar na tragédia nestes versos, lembrei-me do poder do pecado. Enfrentamos um adversário que procura todas as maneiras imagináveis para nos tentar, e se ele não pode levar-nos a sucumbir à tentação, ele trata de arruinar a nossa reputação. Se você está vivendo para o Senhor, honrando-O, posso assegurar-lhe que o inimigo já notou. Ele gostaria de arruinar o seu testemunho.

B. A Propaganda. V. 14-15, 17-18 - Depois de fugir dela, a mulher de Potifar começou a gritar como se José tivesse tentado violentá-la. Ela sabia que os servos iriam ouvir e vir correndo. Se seu plano era para ser bem-sucedido, ela teria que imediatamente fazer a acusação. Seus avanços lascivos foram rejeitados e agora ela estava empenhada em arruinar a vida de José espalhando uma falsa acusação. Ela mostrou a sua história e repetiu a acusação falsa a Potifar também.

- Você observou que ela também tentou fazer os funcionários se sentirem como se eles também de alguma forma tivessem sido violados? Ele trouxe um hebreu para nos insultar. Sua história enganosa teria mais credibilidade com os outros se eles sentissem como se José os tivesse prejudicado também.
 
- A miséria adora companhia. Muitos não se importam de aceitar uma mentira como verdade, não importa o quão absurdo possa parecer. Infelizmente muitos estão mais dispostos a abraçar uma mentira do que a verdade. Muitas vezes, uma vez que uma acusação é levantada, o acusado é considerado culpado, independentemente da evidência. Muitas vidas foram arruinadas por falsa acusação. Devemos ser cautelosos, procurando saber a verdade e abstendo-se de fofocas.

C. O Paralelo. V. 13, 18 - A peça-chave das provas para provar a acusação era a peça deixada para trás. Esta era a segunda vez na vida de José, onde a sua roupa foi usada para espalhar mentiras sobre ele. Seus irmãos usaram a túnica de muitas cores para encobrir suas más ações, fazendo com que Jacó acreditasse que José havia sido morto por animais selvagens. Aqui a esposa de Potifar usa a sua roupa para trazer acusação falsa sobre seu caráter e integridade.

- Devemos entender que o inimigo procura atacar e desacreditar aquilo que somos identificados. José era conhecido por suas vestes. Somos conhecidos para o mundo pela nossa fé e serviço ao Senhor. Ele quer nada mais do que estragar as suas vestes à vista de outros!

II. O Desprezo Nas Acusações. V. 19-20

- Aqui encontramos o engano do acusador e a reação de Potifar a esta falsa acusação. José sofreria por causa de enganos e mentiras. Observe:

A. A determinação. V. 19a“Tendo o seu senhor ouvido as palavras de sua mulher, que lhe falava, dizendo: Desta maneira me fez teu servo...”. Ela havia sido rejeitada e ela estava determinada a cobrir seu pecado e se nivelar com José. Ela sabia que José era inocente e todas as acusações eram falsas, mas ela pressionou Potifar a respeito do assunto. A outra opção era dizer a verdade e isso teria revelado sua infidelidade. E ela não ia fazer isso.

- Mais uma vez temos de ser lembrados da determinação do inimigo. Ele não se preocupa com o seu bem-estar ou a sua reputação. Na verdade, ele quer derrotar e destruir toda a influência cristã. Ele sabe que não pode fazer nada a respeito de nossa salvação ou a vida eterna, mas ele vai fazer tudo o que pode para destruir a nossa influência e arruinar nossas vidas.

- José enfrentou sofrimento e agonia por causa de uma mentira. Quantas vidas e lares são devastados hoje por causa de uma mentira? O inimigo vai dizer-lhe que uma vez não vai doer. Ele vai dizer que ninguém vai saber ou descobrir. Todo mundo está fazendo isso, você também pode. Estas são as mentiras que arruínam vidas. Estamos diante de um adversário determinado. 1 Pedro 5:8 – “Sede sóbrios; vigiai; O vosso adversário, o diabo, como um leão que ruge, anda em derredor, buscando a quem possa tragar”.

B. A Condenação. V. 19b-20“...a sua ira se acendeu. Então o senhor de José o tomou, e o lançou no cárcere, no lugar em que os presos do rei estavam encarcerados; e ele ficou ali no cárcere”. Aqui vemos a indignação de Potifar e as consequências difíceis de sua ira contra José. Alguns comentários afirmam que Potifar presumia que sua esposa estava mentindo, e pegou leve com José. Eles afirmam que ele poderia ter matado José por tal crime. Isso pode muito bem ser o caso, mas Deus estava trabalhando na vida de José, para o bem do seu povo. Potifar pode ter desejado matar José, mas Deus teria que permitir.

- Eu acredito que é evidente que Potifar estava enfurecido com José. Ele queria que ele fosse punido severamente e sofrer por aquilo que ele pensou que havia sido cometido contra sua esposa. Ele foi colocado em uma prisão política, onde aqueles que tinham cometido crimes contra Faraó ou a nação eram colocados. Esta era muito diferente da prisão para criminosos comuns. José foi tratado como um inimigo do Estado. Eu realmente acredito que Potifar destinou José para passar o resto de sua vida na prisão. Mais uma vez, parecia que José havia sido abandonado.

- Enquanto eu considerava o tratamento de José, eu estava novamente lembrando das táticas do inimigo. Seria tolice pensar que Satanás não gosta de destruir literalmente nossas vidas. Ele não está interessado em apenas de impedir você de buscar o Senhor. Ele não quer criar pequenas quantidades de desespero. Ele procura consumir totalmente a nossa alegria e nos deixar em ruína espiritual. Ele sabe que cada crente está liberto da escravidão do pecado, mas ele deseja nos prender através derrota e ruína espiritual. Ele quer destruir nosso testemunho e nos tornar ineficazes para o Senhor.

III. O Soberano Nas Acusações. V. 21-23

- Assim como foi com seus irmãos, José tinha sido traído novamente, mas ele não tinha sido inteiramente abandonado. Mesmo em seus mais sombrios momentos da vida, Deus estava com ele e estava no controle. José é lançado na prisão, mas ele não está sozinho! Observe:

A. A presença de Deus. V. 21“O Senhor, porém, era com José, estendendo sobre ele a sua benignidade e dando-lhe graça aos olhos do carcereiro”. A esposa de Potifar pode ter achado que havia conseguido se vingar de José por sua recusa aos seus avanços. Potifar pode ter pensado que o jovem hebreu iria definhar em seu cativeiro, mas José nunca estava sozinho. Quando ele se encontrou nas profundezas do desespero em uma prisão egípcia, ele encontrou um amigo familiar lá com Ele. Deus sabia a verdade na situação de José. Ele sabia que José era inocente das acusações apresentadas contra ele. José, até o momento, não entendia tudo o que Deus estava fazendo, mas Ele estava fazendo uma obra soberana em sua vida. Lá na prisão, José experimentou a misericórdia e a graça de Deus. Quando parecia que toda a esperança havia ido, Deus se movia a favor de José.

- Isso deve confortar nossos corações em qualquer situação que enfrentamos. Nós nunca estamos fora do alcance dos olhos que tudo vê de nosso Senhor. Nós nunca estamos além de seu alcance. Nós nunca estamos sozinhos nesta jornada da vida. Haverá momentos de desespero, quando parece que fomos abandonados, mas de pé nas sombras da nossa dor está um amigo familiar. Jesus está sempre perto de nós, mesmo quando não podemos vê-Lo ou reconhecer Sua presença. Os salvos são mantidos na mão do Salvador, nunca estão sozinhos.

B. A provisão de Deus. V. 22“o qual entregou na mão de José todos os presos que estavam no cárcere; e era José quem ordenava tudo o que se fazia ali”. A chama da esperança de José se acendeu enquanto na casa de Potifar, mas foi extinta quando ele foi lançado na prisão, mas lá em uma cela escura e solitária, a chama começou a se acender novamente. Toda a esperança não estava perdida. Certamente não era o que ele esperava. Ele não estava rodeado pela família que o amava ou morava em acomodações confortáveis, mas mesmo na prisão, a mão da provisão de Deus estava trabalhando. Tal como aconteceu com Potifar, o guarda da prisão rapidamente percebeu que José era especial. Ele logo foi feito superintendente dos outros prisioneiros. Não havia nenhum direito de se gabar com esta nova posição, mas é evidente que Deus estava trabalhando, fazendo provisão para José.

- Você pode estar em uma situação semelhante, esta noite. Você não está limitado na prisão, mas talvez você se sente como se a última chama de esperança estivesse prestes a ser extinta. Você pode ter questionado qual a necessidade de ir mais longe. A vida é dura às vezes, mas mesmo assim Deus é bom. Temos de aprender a ser grato pelas pequenas bênçãos que desfrutamos todos os dias. Elas não mudam as nossas circunstâncias, mas elas vão torná-los mais suportável e nos permitir suportar. Independentemente do que você enfrenta, se você é um filho de Deus, você é abençoado além da medida. Você é amado do Senhor e Ele vai te acompanhar! Ele não prometeu que a vida seria fácil, mas ele fez a promessa de estar conosco enquanto caminhamos. Entre os espinhos crescem as rosas. Do sofrimento e da dor, as pérolas são formadas. As provações virão, mas as bênçãos seguirão.

C. A paz de Deus. V. 23“E o carcereiro não tinha cuidado de coisa alguma que estava na mão de José, porquanto o Senhor era com ele, fazendo prosperar tudo quanto ele empreendia”. Estou certo de que aos presos nessa época não eram oferecidos as liberdades e os direitos exigidos hoje. Provável que eles eram abusados e maltratados com bastante frequência. Em meio a um ambiente como esse, Deus proveu paz. O guarda da prisão entregou a prisão para José. Ele não se preocupava com as coisas, porque Deus estava prosperando José de tal forma que tudo estava bem. Isso deve ter dado a José uma medida bem-vinda de paz.

- Está além da explicação, mas Deus pode proporcionar paz que excede todo o entendimento. Ele pode trazer a paz no meio de uma tempestade ou nas profundezas de um vale. Nossas vidas podem estar em turbulência em torno de nós, mas o filho de Deus pode experimentar a paz, apesar das circunstâncias externas. Através de Cristo nós desfrutamos da habitação do Espírito. No Espírito há paz.

Conclusão: José sofreu nas mãos de pessoas fraudulentas devido as falsas acusações. Ele foi mesmo obrigado a suportar uma longa pena na prisão, mas Deus nunca deixou. Em toda a sua adversidade, Deus estava lá para liderar e abençoar José.

Em tudo o que lemos esta noite, nós não encontramos nenhuma menção de José reclamando. Ele provavelmente se perguntou por que tudo isso tinha acontecido, mas ele não acusou Deus ou culpou-o. Ele continuou a confiar no Senhor, mesmo quando ele não entendeu. Nós também teremos de enfrentar a adversidade, e quando ela chegar, espero que possamos ser capazes de responder como José.

Encontramos também uma grande figura de nosso Senhor nesta passagem. Ele foi falsamente acusado e condenado. Ele não discutiu em sua defesa. Ele voluntariamente suportou o castigo e o juízo pelo nosso pecado. Ele fez provisão para nossa redenção. Você já colocou sua fé e confiança em Cristo através da salvação? Já o conhece como seu Salvador e Senhor? Se não, procure-o enquanto ele está chamando!

Pr. Aldenir Araujo

Gostou desse esboço? Olha a novidade que tenho para você!

Eu preparei um e-book com 365 sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! Clique Aqui para adquirir seu livro.

Série: José: Amargura, Traição E Bênção - Falsas Acusações E Prisão #4 Reviewed by Aldenir Araujo on quarta-feira, fevereiro 10, 2016 Rating: 5

2 comentários:

  1. Parabéns Mensagens tremendo falou muito comigo,,, me ensinou mt.que DEUS O ABENÇOE

    ResponderExcluir

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:
1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

All Rights Reserved by O Pregador © 2014 - 2015
Designed by Blogger

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.