O Espírito e a Crucificação da Natureza Pecaminosa

O Espírito e a Crucificação da Natureza Pecaminosa
Texto: Gálatas 5:24-25

Introdução: No Cristianismo moderno, ouvimos tanto sobre o lado positivo da vida cristã que esquecemos que há um lado negativo. A maioria dos brasileiros sofre uma lavagem cerebral com slogans que apresentam o lado feliz, descontraído e emocionante da vida. Essa atitude foi transportada para o pensamento de muitos cristãos, e é bastante comum ouvir sermões sobre a vida de Cristo, o enchimento do Espírito, a excitante vida de descanso da fé, a dinâmica do Cristianismo, a vida positiva de fé. Existe uma base bíblica para o lado positivo do Cristianismo, mas representa apenas metade do quadro. É muito raro ouvirmos uma mensagem sobre a batalha da fé, o conflito dentro do cristão, a necessidade de autodisciplina ou a crucificação de nossas paixões e desejos.

O aspecto positivo da vida cristã é muito mais atraente e simpático para os homens e exige muito pouco do crente. No entanto, o cristianismo positivo deve ser equilibrado com a responsabilidade do homem de trabalhar em sua salvação e lidar com a necessidade de santidade em sua vida (Filipenses 2:12-13 “...efetuai a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade”).

Esta noite vamos aprender que pela fé o cristão anda na dependência do Espírito Santo, e em obediência ele leva à morte os desejos malignos da natureza pecaminosa (carne, princípio do pecado). Ambos os aspectos são verdadeiros e quando um deles é negligenciado, encontramos cristãos espiritualmente anões.

I. Crucificação da Natureza Pecaminosa. V. 24

“E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências”

O que exatamente significa crucificar a natureza pecaminosa?

A. A crucificação envolve a natureza do pecado. Ainda resta dentro de cada cristão uma natureza pecaminosa (carne, natureza adâmica, princípio do pecado). É esse princípio do pecado no cristão que afasta os impulsos pecaminosos. A natureza pecaminosa nem sempre se manifesta em pecado grosseiro e imoral, mas sempre se manifesta em uma atitude egocêntrica que deseja agradar a si mesmo. A natureza pecaminosa no cristão é muito real e muito ativa, mas deve ser crucificada ou morta.

B. A crucificação deve ser feita pelo cristão. A crucificação falada aqui em Gálatas não é algo feito ao cristão, mas algo feito pelo cristão. Este é um ato no qual o crente está ativamente envolvido, pois ele leva à morte os desejos, paixões, concupiscências e afeições da carne. Isso envolve uma renúncia positiva da natureza pecaminosa pelo verdadeiro filho de Deus.

C. A crucificação ocorreu na conversão. Este versículo indica que o ato de matar a carne ocorreu em um ponto passado no tempo, pois os cristãos crucificaram a carne. Aparentemente, esse ato está intimamente relacionado ao arrependimento. Pela fé, um homem confia em Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador pessoal, e pelo arrependimento ele muda de ideia sobre o pecado, Cristo e Deus e escolhe andar em um novo tipo de vida em Cristo. Em arrependimento, a pessoa reconhece o direito de Cristo de governar em sua vida e se afasta de sua velha vida de pecado, declarando seu desejo de ter um novo estilo de vida em Cristo. Portanto, na conversão, o homem está dizendo que toma sua carne, seu eu obstinado e rebelde, e o crava na cruz. Este é um ato definitivo, mas trata da atitude ou do compromisso de uma pessoa. O crente tem uma atitude que deseja matar a natureza pecaminosa e vai atrás de uma nova vida em Cristo. A carne ainda está muito viva no cristão, mas há um desejo e atitude definida de crucificá-la ao não obedecê-la. O arrependimento começou em um momento em que a pessoa recebeu a Cristo, mas o cristão vive uma vida inteira de arrependimento. Portanto, assim como o crente tem uma atitude de fé para matar sua carne na conversão, ele deve ter uma atitude constante de desejar matar a natureza pecaminosa em sua experiência diária.

- Uma das grandes conversões de todos os tempos foi a de Agostinho no século V. Agostinho foi criado por uma mãe cristã, mas desde cedo rejeitou o Cristianismo como totalmente insustentável. Ele foi para a faculdade em Cartago e começou a andar com uma multidão imunda de companheiros. Ele se tornou depravado e pervertido em sua vida sexual e encheu sua vida com todo tipo de pecado concebível. Aos dezessete anos, ele teve um filho ilegítimo. Ele odiava a escola, mas amava a filosofia e buscava as respostas para a vida. Quando estava com vinte e poucos anos, percebeu que a educação, a filosofia, a vida selvagem e até a religião pagã não traziam paz para sua vida. Então Agostinho perdeu um amigo próximo e ele percebeu que não apenas não tinha resposta para a vida, mas também para a morte. Ele foi convencido pelo Espírito Santo, mas por anos ele lutou para se tornar um cristão e ainda se aprofundou no pecado.

Então, um dia, com vinte e poucos anos, Agostinho foi salvo por Deus. Ele leu Romanos 13:13-14: “Andemos honestamente, como de dia: não em glutonarias e bebedeiras, não em impudicícias e dissoluções, não em contendas e inveja. Mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo; e não tenhais cuidado da carne em suas concupiscências”. Naquele momento ele creu em Cristo e crucificou sua carne. Grande segurança inundou sua alma. Ele não estava totalmente livre de sua natureza pecaminosa, mas sua conversão foi o início do processo de derrotar a natureza pecaminosa em sua experiência.

Poucos anos após a conversão de Agostinho, ele estava caminhando em uma certa área da cidade onde havia vivido muito de sua vida pecaminosa como um homem não salvo. Ele viu uma mulher com quem teve relações sexuais e seus olhos se encontraram. Agostinho rapidamente se virou, ergueu sua longa toga e correu! A mulher correu atrás dele, gritando “Austin, Austin, pare; sou só eu! ” Agostinho respondeu: “Não devo parar, pois não sou eu. Sou uma nova criatura em Cristo e crucificado com Cristo. Vou obedecer a Cristo e não aos meus desejos pecaminosos!”

D. A crucificação da carne é possível por meio da união com Cristo. A razão pela qual o cristão pode e deve matar as obras da natureza pecaminosa é que ele foi crucificado com Cristo. No momento da conversão, o cristão foi colocado em união mística com Jesus Cristo para que ele compartilhasse a morte de Cristo para o pecado, bem como Sua ressurreição para a vida eterna (Romanos 6:3-4, 6-7 “Ou, porventura, ignorais que todos quantos fomos batizados em Cristo Jesus fomos batizados na sua morte? Fomos, pois, sepultados com ele pelo batismo na morte, para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida.... sabendo isto, que o nosso homem velho foi crucificado com ele, para que o corpo do pecado fosse desfeito, a fim de não servirmos mais ao pecado. Pois quem está morto está justificado do pecado”). A nova união do cristão com Cristo quebrou o poder da natureza pecaminosa sobre o crente, de modo que o cristão não precisa mais servir ao pecado como escravo e pode caminhar em um novo tipo de vida.

- Antes da conversão, a pessoa é escrava de sua natureza pecaminosa e não tem poder sobre ela. Após a conversão, por meio da união com Cristo, o poder e a autoridade da natureza pecaminosa foram quebrados. Agora, o cristão não tem que obedecer aos ditames de sua carne, embora possa fazê-lo. O cristão tem a capacidade de dizer “NÃO” à natureza pecaminosa. Antes da salvação ele sempre obedeceu a natureza pecaminosa, mas agora o cristão está sendo libertado e por sua vontade ele pode dizer “não” a todos os impulsos, paixões, desejos e anseios de sua natureza pecaminosa. O cristão nem sempre diz “sim” ao Espírito Santo e “não” à natureza pecaminosa, mas agora ele pode escolher por Deus e contra o pecado, e terá novos desejos por Deus (Gálatas 2:20 “Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé no filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim”).

- Este é um grande mistério, pois o cristão foi crucificado posicionalmente e se crucificou experiencialmente. Existem muitos desses mistérios na Bíblia e, embora sejam ambos verdadeiros, não podem ser reconciliados com a mente humana. Por exemplo:

  • Deus está renovando o cristão e o cristão deve renovar sua própria mente.
  • O crente se revestiu de Cristo na conversão, mas deve se revestir de Cristo em sua experiência.
  • As obras espirituais são um produto total de Deus e, no entanto, devem ser produzidas pelos homens.
  • O cristão tem vida eterna, mas deve obter a vida eterna.

- Não é difícil ver como o cristão foi crucificado na carne e ainda assim ele deve crucificar a natureza pecaminosa em sua experiência (Colossenses 3:5 “Exterminai, pois, as vossas inclinações carnais; a prostituição, a impureza, a paixão, a vil concupiscência, e a avareza, que é idolatria”).

E. A crucificação é uma experiência diária. Todo cristão deve negar a natureza pecaminosa e fazer a vontade de Deus. Isso é certamente o que Cristo quis dizer quando disse: “Se alguém quiser vir após mim, deve negar a si mesmo, tomar a sua cruz e seguir-me”. (Marcos 8:34).

- No mundo romano, aqueles que carregavam uma cruz eram criminosos condenados a caminho de serem crucificados na fogueira. O cristão deve tratar a natureza pecaminosa como um criminoso condenado e não lhe mostrar misericórdia, pois posicionalmente ela perdeu seu domínio sobre o crente e não precisa ser obedecida. Em Lucas 9:23, nosso Senhor disse que devemos tomar nossa cruz diariamente e segui-lo, então a batalha com a carne continua enquanto estivermos nestes corpos pecaminosos.

- Na conversão, pregamos nossa velha vida na cruz pela fé e devemos ter cuidado para não despregá-la por falta de fé. Se começarmos a alimentar a natureza pecaminosa, a acariciá-la, a satisfazê-la, estaremos atiçando as chamas para uma maior rendição aos anseios e desejos malignos. Quando algum pensamento maligno entra na mente, não devemos tolerá-lo nem por um momento e expulsá-lo imediatamente. Se as tentações vierem, devemos entender que elas vêm de nosso inimigo na carne, e devemos derrotá-lo antes que ele nos derrote. Quando vierem as tentações, devemos dizer a nós mesmos: “Fui crucificado com Cristo; Eu crucifiquei a natureza pecaminosa na Cruz; Eu declarei guerra à carne; Eu não tenho que obedecer e pela graça do Deus soberano eu não vou obedecer!”

- Então, o que acontece se você se render à natureza pecaminosa? Confesse seu pecado imediatamente e pela fé coloque sua natureza pecaminosa de volta na cruz, onde ela foi crucificada. Confesse seu pecado e levante-se e continue se movendo para Deus.

II. Andando no Espírito. V. 25

“Se vivemos pelo Espírito, andemos também pelo Espírito”

A. A esfera da existência espiritual do cristão. O cristão tem a posição de estar "no Espírito Santo". Da perspectiva de Deus, o crente tem uma nova esfera de existência, e essa esfera é o próprio Espírito Santo. Os cristãos, em virtude do novo nascimento e união com Cristo, estão vivendo no Espírito Santo. Deus criou cada cristão para a vida no Espírito.

- Deus criou todas as Suas criaturas para viver em seus respectivos ambientes. Os peixes foram criados para viver no mar. Tire-os do mar e eles morrem. Os animais foram criados para viver na esfera do ar na terra, mas se não respirarem, morrerão. O homem cristão é uma criação espiritual de Deus, feito para viver na esfera do Espírito Santo. Quando o cristão não anda no Espírito, ele está vivendo no reino da natureza pecaminosa, para a qual não foi criado. Portanto, ele é uma pessoa miserável.

B. A responsabilidade do cristão de andar no Espírito. Isso literalmente diz: “Vamos continuar a andar em sintonia com o Espírito”. Visto que todo cristão vive no Espírito, todo cristão deve andar pela regra ou andar na linha ou andar em sintonia com o Espírito. Seguimos em sintonia com o Espírito cedendo à Sua vontade soberana para nossas vidas e fazemos isso passo a passo. É privilégio e responsabilidade de todo cristão andar pelo Espírito. O cristão que não está em submissão à liderança e comandos do Espírito está operando na natureza pecaminosa e é uma pessoa miserável, pois foi criado para viver no Espírito.

Conclusão

Andar na dependência do Espírito Santo e crucificar a natureza pecaminosa são formas de vitória para aqueles que receberam a Cristo como Senhor e Salvador. Aqueles fora de Cristo nada podem saber sobre a vitória em Cristo. Como uma pessoa pode se tornar cristã? Deve haver primeiro a convicção e atração sobrenatural de Deus, e então essa pessoa deve colocar sua fé e confiança somente em Jesus Cristo para a salvação.

As escrituras nos contam como o carcereiro filipense perguntou a Paulo e Silas: "O que devo fazer para ser salvo?" Eles respondem: “Crê no Senhor Jesus Cristo e você será salvo”. A vida cristã começa na experiência de alguém quando ele confia em Jesus Cristo. Você já começou a vida cristã? Você confiou em Cristo como seu Salvador? Se ainda não o fez, sugiro que tome essa decisão imediatamente, pois Cristo é o único caminho para o céu.

Postar um comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postagem Anterior Próxima Postagem
Gostou Desse Esboço? Olha a Novidade Que Tenho Para Você!

Eu preparei um E-book Com 365 Esboços de Sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! CLIQUE AQUI para adquirir seu livro.