A Páscoa e as Ervas Amargas
Texto: Êxodo 1:8-14; 6:5-13; 12:8; I Coríntios 10:11; Lucas 15:10

Introdução: A atitude do mundo em relação aos maus momentos é "esqueça o passado" ... mas tudo o que vemos na Bíblia diz: "não esqueça o passado, lembre-se de onde você veio".
1. Vemos isso no serviço da comunhão - "fazei isso em memória de mim" ... lembrando a morte de Cristo por nós.
2. Várias vezes no Antigo Testamento, Deus lembrou a Israel como eles haviam sido escravos ... e na celebração da Páscoa eles deveriam comer ervas amargas como um lembrete daqueles dias amargos de escravidão ... para que não esquecessem o que foram!
a. Porquê? Tantas vezes no deserto, quando esqueciam sua escravidão passada, queriam voltar ao Egito que se lembravam de "maravilhosas" e cheias de todos os tipos de guloseimas, como pepinos, cebolas, etc. ... tudo porque esqueciam como era realmente a escravidão!
b. O apóstolo Paulo lembrou aos coríntios que eles já tinham sido “idolatras, adúlteros, bêbados, ladrões, caluniadores, gananciosos ... e alguns de vocês eram assim. mas fostes justificados... ". (1 Coríntios 6:9-11). Paulo estava lembrando-os não para fazê-los sentir-se culpados, mas para lembrar o que deixaram para trás, para que não voltassem a isso. Era importante lembrar por esse motivo.

Devemos lembrar o passado para não repeti-lo! Não devemos lembrá-lo, a fim de nos sentirmos culpados novamente, mas manter diante de nós a escravidão da época, para que não fiquemos tentados a voltar a ela.

De fato, em Cristo, os eventos dolorosos do passado podem realmente nos permitir ser ainda mais fortes para Deus no presente e no futuro ...

A Bíblia nos ensina que é importante lembrar a escravidão do pecado, para que não sejamos atraídos a voltar a ela; devemos lembrar do que Deus nos libertou, para que possamos apreciar a grande graça que nos foi dada em Cristo.

I. A Amargura da Escravidão. Êxodo 1:8-14; 12:8

A. As Tensões. Êxodo 1:8-13
1. Pertencer a Deus não significa isenção de experiências dolorosas.
a. Muitos cristãos tornam-se insensíveis e retrocedem quando os problemas acontecem.
b. Isto é devido a um entendimento incorreto da vida de fé.
c. A vida de fé não nos isenta de sofrer ... Jesus declarou "para que vos torneis filhos do vosso Pai que está nos céus; porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos". (Mateus 5:45) igualdade no sofrimento e nas bênçãos!
2. Os israelitas não entenderam que a permissão de Deus para o sofrimento era realmente uma ferramenta para torná-los mais fortes!
a. Para as pessoas de fé, as provações realmente desenvolvem seu caráter, não o destrói.
b. Isto é precisamente o que Tiago quis dizer em Tiago 1:2-4 "Meus irmãos, tende por motivo de grande gozo o passardes por várias provações, sabendo que a aprovação da vossa fé produz a perseverança; e a perseverança tenha a sua obra perfeita, para que sejais perfeitos e completos, não faltando em coisa alguma".
3. A verdade é que quanto mais uma nação se afasta de Deus, mais difícil pode ser para aqueles que abraçam a Deus. Foi exatamente isso que aconteceu com Israel depois do faraó que sabia que José havia morrido.
a. Essa tendência pode continuar se não virmos um reavivamento espiritual.
b. Não devemos achar estranho os crentes serem perseguidos, inclusive Jesus disse que deveríamos esperar perseguição, assim como ele. (João 16:33)
4. Embora seja difícil de aceitar, a verdade é que o sofrimento nos ensina melhor a viver para Deus do que a prosperidade.

B. As Provações. Êxodo 1:14; 12:8
1. Israel realmente floresceu, embora um grande sofrimento tenha sido causado pelos egípcios.
a. Para o crente, Deus realiza tudo para o nosso bem ... novamente uma promessa encontrada em Romanos 8:28.
b. Embora possa ser difícil ver no momento, o sofrimento nas mãos de Deus é um instrumento de crescimento, não de destruição.
2. O fato é que os cristãos encontrarão muito sofrimento neste mundo, assim como todos os outros, o que nos diferencia é a maneira como percebemos o sofrimento e nossas reações a ele e os frutos que daí advêm.
3. A dor nos torna mais cautelosos ... uma função do nosso corpo natural para nos proteger de escolhas tolas que poderiam causar danos irreparáveis ​​se não sentíssemos essa dor.
4. Aqui é onde entram as ervas amargas (12:8) ... Deus queria que elas comessem ervas amargas todos os anos para se lembrarem da escravidão amarga que outrora conheciam como escravos ... elas não deveriam esquecer a escravidão dolorosa para que não fossem tentadas a retornar a ela.
a. Com muita frequência, os cristãos deixam de se lembrar da vida dolorosa do pecado e começam a comprometer sua vida cristã e lentamente voltam ao pecado.
b. Israel no deserto esqueceu como a escravidão era ruim, eles até "se lembraram" de quão "bom" a possuíam no Egito e desejavam voltar para lá quando as coisas ficaram difíceis no deserto.
c. A verdade é que a escravidão é horrível, e não devemos esquecê-la!
5. Porque lembrar o passado? Apreciar o presente e o futuro e não repetir o passado!

II. Crer e Salvação. Êxodo 6:5-13; I Coríntios 10:11; Lucas 15:10

A. A Transformação. Êxodo 6:5-13
1. Os israelitas não achavam que Deus se importava ou os ouvia, mas, na realidade, Ele os ouvia e se importava muito.
a. Ele os transformaria de uma colônia de escravos em uma nação poderosa que seria temida por todas as outras nações da Terra.
b. Deus nesse processo também julgará todas as outras nações por sua insolência e maldade.
2. Embora Moisés tenha dito a eles que Deus iria libertá-los, a princípio eles não acreditam nele.
a. Eles pensavam como escravos, não como filhos de Deus.
b. Deus, no entanto, tinha um plano ... que ministraria a eles e revelaria Deus aos egípcios ...
c. Nesse sentido, eles já estavam livres, mas, porque se consideravam escravos, continuavam duvidando do amor de Deus.
d. Moisés teve que não apenas convencer o Faraó a deixar Israel ir, mas também convencê-los de que eles seriam libertados por Deus!
3. Deus teve que mostrar a Israel que Seu poder os libertou, suas mentes ainda os escravizavam mesmo quando Deus lhes prometeu liberdade.
a. Deus os transformaria de um povo de escravidão para um reino de poderosos guerreiros.
b. Essa transformação, no entanto, teria que começar em suas próprias mentes.
c. Paulo nos diz em Romanos 12:2 "E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus".
4. Quando aceitamos a Cristo, a primeira coisa que notamos é que pensamos de maneira diferente.
a. Não somos mais culpados pelos pecados passados, somos livres para desfrutar do amor e favor de Deus.
b. Não vemos mais as coisas deste mundo do ponto de vista mundano, mas agora do ponto de vista eterno. 2 Coríntios 5:16-17 "Por isso daqui por diante a ninguém conhecemos segundo a carne; e, ainda que tenhamos conhecido Cristo segundo a carne, contudo agora já não o conhecemos desse modo. Pelo que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo"
5. Este é um processo contínuo, até Israel descobriu isso.

B. A Prova. I Coríntios 10:11
1. Porque registrar todas essas histórias sobre a vida de Israel no Antigo Testamento?
a. Para nos dar um exemplo para aprendermos.
b. Para aprender com seus sucessos e fracassos e não precisarmos repeti-los.
2. Esse é o ponto das ervas amargas ingeridas em toda Páscoa - lembrar que elas não repetiriam os erros passados ​​de seu modo de vida anterior.
a. Também para lembrar a vida dolorosa da escravidão, para não voltar a ela.
b. É bom lembrarmos do passado doloroso dos pecados, não para nos sentirmos novamente culpados por esses pecados, mas para aprender com a experiência para não repeti-los.
3. Essas provas poderiam torná-los melhores ou piores, eles teriam que escolher.
4. Deus esperava que a memória da escravidão fosse adequada para purificar o desejo de Israel de seguir na direção errada no futuro, e comer aquelas ervas amargas em cada celebração da Páscoa ajudaria a reforçar.

C. O Tesouro. Lucas 15:10
1. Embora a lembrança da amarga experiência da escravidão fosse importante, também estava comemorando a nova vida de liberdade!
a. Todos os anjos no céu se alegram com a salvação de uma pessoa.
b. A libertação da escravidão foi uma experiência maravilhosa e, embora as ervas amargas tenham sido usadas como um lembrete da experiência amarga de ser escravo, foi apenas parte da celebração, assim como a liberdade alegre que veio ... mas essa é uma mensagem futura.
2. Israel era o tesouro de Deus, nós somos o tesouro de Deus quando somos salvos.
3. Frequentemente, ficamos atolados ao tentar entender toda a teologia da salvação, e embora esse seja um bom estudo, é a alegria de ser livre que é o foco da salvação.
4. A alma faminta pela liberdade pode não compreender tudo sobre a natureza da salvação ou até mesmo como tudo funciona, mas quando encontramos o "pão da vida" em Cristo, importa apenas que não sentimos mais as dores da fome ... Cristo nutre a alma e é isso que mais importa!
a. As ervas amargas lembraram-lhes o sofrimento na escravidão ... MAS
b. Revelou também a alegria da liberdade que agora era deles pelo grande poder libertador de Deus.
5. E você? Você conhece a alegria da libertação da escravidão do pecado ... são as ervas amargas SOMENTE um lembrete agora ou é sua ÚNICA experiência ... Cristo pode torná-lo apenas um lembrete se você vier a Ele hoje.

Conclusão: As ervas amargas usadas em todas as celebrações da Páscoa eram para lembrar o crente da amargura da escravidão. Porque isso era tão importante? Toda vez que Israel esquecia o quão amarga era a escravidão, eles desejavam retornar ao Egito. Porque qualquer cristão desejaria retornar ao estilo de vida de um pecador está além da crença! Lembre-se, Cristo nos liberta da escravidão do pecado! Faça das ervas amargas uma lembrança e não um erro!

Postar Comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postagem Anterior Próxima Postagem

Gostou? Olha a Novidade Que Tenho Para Você!

Eu preparei um E-book Com 365 Esboços de Sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! CLIQUE AQUI para adquirir seu livro.