OS PRIMEIROS QUATRO DIAS DA CRIAÇÃO

OS PRIMEIROS QUATRO DIAS DA CRIAÇÃO
Lição 10

I. INTRODUÇÃO

A. Gênesis 1:1 dá uma afirmação abrangente de que Deus é o Criador do universo. De Gênesis 1:2 a 1:31, recebemos um registro de como Deus criou todas as coisas com atenção completamente voltada para a terra.

B. Gênesis 1:2 dá uma imagem da terra em seu estado mais primitivo, no qual as águas primitivas cobriam a terra. Até Gênesis 1:9, a terra estava realmente coberta ou cercada por água.

II. O PRIMEIRO DIA DA CRIAÇÃO: LUZ (1:3-5)

A. Deus, por uma palavra falada, chamou a luz à existência. O Deus onipotente começa a criar. Imediatamente se vê que Deus é divinamente poderoso, inteligente e muito acima do nível de Suas pobres criaturas (Salmo 33:9).

B. A luz foi o primeiro e mais essencial elemento da criação, pois até então não havia nada além de trevas.

PROBLEMA: Como poderia haver luz antes do sol, que foi criada no quarto dia?

RESPOSTA: A fonte de luz pode ter sido diferente do que a conhecemos hoje. A ciência moderna mostrou a existência de luz à parte do sol, como no caso da fosforescência e dos fenômenos da aurora boreal (aurora polar). Provavelmente foi nessa época que surgiram outras formas de energia, como calor, luz ultravioleta, ondas de rádio e radiação atômica.

NOTA: Os teóricos da Idade Aparente não têm o problema da luz, assim como os teóricos do Dia Era, pois precisam acreditar que havia milhões de anos de vegetação antes que houvesse sol.

C. Deus viu que Sua criação da luz era boa (excelente) e ele separou as trevas da Luz e a chamou noite e dia. A tarde e a manhã foram o primeiro dia. Enquanto o sol ainda não foi criado, a sucessão de noites e manhãs indica que a rotação axial da Terra havia começado. O dia foi equivalente ao que conhecemos como dia solar.

III. O SEGUNDO DIA DA CRIAÇÃO: FIRMAMENTO (1:6-8)

A. A segunda criação mais importante foi a do firmamento (expansão). Provavelmente isso se refere à troposfera, que se estende da terra para cima cerca de 16 quilômetros.

B. Deus dividiu as águas primitivas em dois grandes reservatórios. As águas acima do firmamento eram mais prováveis ​​na forma de vapor d'água invisível (um dossel de água), que não existe mais por causa das chuvas no dilúvio. As águas sob o firmamento ainda constituíam um oceano sem litoral.

NOTA: Este é o único ato criativo que não é concluído com "é bom". Talvez Deus tenha pensado que o segundo dia da criação estava incompleto sem o terceiro dia.

IV. TERCEIRO DIA DA CRIAÇÃO: TERRA, MAR E PLANTAS (1:9-13)

A. Terra e mar. Deus agora fez com que a terra seca se elevasse do oceano e o oceano se retirasse para bacias inferiores, formando uma rede de mares. A corrida de grandes quantidades de água sobre a terra em ascensão teria causado grandes mudanças geológicas. O nono verso certamente ensina que o que chamamos de formações geológicas ocorreu em uma medida titânica e gigantesca em um ritmo muito acelerado em um trabalho criativo verdadeiramente milagroso, tão espantoso quanto o resto. Deus disse que isso era bom (excelente).

B. Plantas. Agora Deus cria vegetação sobre a terra, pois está preparando a terra para habitação (animais e homens).
1. Na criação do terceiro dia, a Terra se torna o agente intermediário para toda a vida das plantas, sendo ordenada a produzir qualquer vegetação necessária por um processo de crescimento altamente acelerado.
2. Existem três classificações básicas da vida vegetal: relva (musgos e outras plantas projetadas para tapar a terra), ervas (os vegetais, ou pelo menos, de um modo geral, tudo entre grama e árvores e, sem dúvida, as várias grãos) e árvores de fruto com frutos, nozes e cones e todos os arbustos que produzem frutos).
3. É importante perceber que as ervas já estavam produzindo sementes e as árvores já produziam frutos, assim que apareciam. Isso também implica que a “terra seca” que acabara de sair das águas já estava preparada com solos e nutrientes adequados para as plantas. Tudo foi criado de forma totalmente desenvolvida e completamente funcional. Tudo tinha a aparência de idade.
4. Cada planta possui sua própria semente e é produzida de acordo com seu próprio tipo, o que estabelece uma limitação peculiar e definida na mistura de diferentes tipos. Isso é contrário ao ensino da evolução geral.
a. A evolução orgânica afirma que a vida se originou de material não-vivo e que todos os seres vivos se desenvolveram a partir de formas inferiores de vida. Em relação às plantas, os evolucionistas dizem que as sequoias evoluíram a partir de uma única célula e vírus. A teoria da evolução deve sustentar que não pode haver limites fixos para as possibilidades de variação nos seres vivos, pois a teoria da evolução deve sustentar que pode haver não há limites fixos para as possibilidades de variação nos seres vivos, pois a teoria pressupõe que todos os seres vivos no mundo de hoje, plantas e animais, tenham se desenvolvido a partir de um organismo unicelular.

NOTA: No entanto, a própria natureza nos mostra que existem limites fixos entre tipos ou espécies de plantas.

EXEMPLO: É bem possível cruzar um pessegueiro e uma ameixeira e obter uma nectarina, pois são da mesma família em geral. Mas ninguém jamais cruzou uma planta de cebola com um pessegueiro.
b. É bastante óbvio que pode haver variação dentro do tipo (espécie) no mundo das plantas. Se é isso que alguns querem dizer com evolução, do que todos os criacionistas são evolucionistas em um sentido limitado, pois todos os criacionistas acreditam que, de qualquer tipo (espécie) em sua forma selvagem, pode haver várias possibilidades genéticas. Mas não há hibridização (cruzamento) entre distintas espécies.

EXEMPLO: O repolho tem muitas variedades, como repolho selvagem, couve-lombarda, couve de Bruxelas, couve, couve-chinesa, couve-flor, repolho cônico e couve de folhas largas. É impossível distinguir essas variedades nos estágios iniciais do crescimento e as flores, vagens e sementes são idênticas. O importante é que as centenas de variedades dessa espécie natural se cruzam prontamente entre si e produzem sementes férteis, mas são incapazes de se cruzar com outras espécies naturais e produzem filhos férteis. Isso não é evolução, mas apenas segregando as várias possibilidades genéticas, que estavam latentes na forma selvagem original.

V. O QUARTO DIA DA CRIAÇÃO: SOL, LUA E ESTRELAS (1:14-19)

A. A fonte de luz estabelecida no primeiro dia foi concentrada em dois grandes “portadores de luz”, um para o dia e outro para a noite (o sol e a lua). Os "portadores de luz" (luzes) foram colocados "no firmamento do céu (a expansão atmosférica do espaço) para iluminar a terra". As estrelas também foram criadas neste momento, sua função também era iluminar a terra, bem como servir para "sinais e estações, para dias e anos".

NOTA: É um pouco confuso saber qual é o verdadeiro significado de "sinais". Barnes, em seu Comentário de Gênesis, diz:
Eles são "sinais" da fé devota, declarando a glória de seu Criador (Salmo 8 e 19). São "sinais" pelos quais os homens se orientam, ou o ponto da bússola de dia ou de noite. Eles podem transmitir “sinais” em referência a eventos futuros (Mateus 2:2; Lucas 21:25). Eles fornecem "sinais" bastante confiáveis ​​para determinar antecipadamente o clima esperado (Mateus 16:2-3). Eles podem ser "sinais" de julgamentos divinos (Joel 2:30; Mateus 24:29).
B. Existem duas visões principais sobre a criação do sol, lua e estrelas. Uma sustenta que, embora os corpos celestes tenham sido criados no começo, sua luz não foi capaz de penetrar nas brumas até o quarto dia; a outra, que o sol, a lua e as estrelas entraram em ação no quarto dia como as luzes do universo. É possível que no primeiro dia os céus tenham sido criados em bruto, com os corpos celestes em vastos espaços ainda não funcionando, como foram feitos no quarto dia.

VI. POR QUE É IMPOSSÍVEL HARMONIZAR GÊNESIS UM COM A TEORIA DA EVOLUÇÃO.

A. O Gênesis coloca a criação de todos os tipos básicos de terra, plantas (incluindo árvores frutíferas) no terceiro dia, dois dias antes da criação de criaturas marinhas, enquanto os geólogos evolucionistas insistem que as criaturas marinhas surgiram centenas de milhões de anos antes das árvores frutíferas.

B. Gênesis nos diz que Deus criou o sol, a lua e as estrelas no quarto dia, após a criação das plantas, enquanto os evolucionistas assumem que o sol existia antes da formação da Terra.

C. Gênesis afirma que os pássaros foram criados no quinto dia com os peixes, mas o cronograma geológico tem pássaros seguindo répteis (que não foram criados até o sexto dia).

D. Gênesis coloca a criação de insetos (“repteis)” no sexto dia, três dias após a criação de plantas com flores; mas isso seria impossível se os dias fossem eternos, pois a polinização requer insetos.

Gostou Desse Esboço? Olha a Novidade Que Tenho Para Você!

Eu preparei um E-book Com 365 Esboços de Sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! CLIQUE AQUI para adquirir seu livro.

OS PRIMEIROS QUATRO DIAS DA CRIAÇÃO OS PRIMEIROS QUATRO DIAS DA CRIAÇÃO Reviewed by Aldenir Araújo on outubro 31, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Tecnologia do Blogger.