A CRIAÇÃO DA VIDA ANIMAL

A CRIAÇÃO DA VIDA ANIMAL
Lição 11

Gênesis 1:20-26

I. INTRODUÇÃO

A. O quinto e o sexto dia da criação tratam da criação de todos os animais por Deus (mar e terra). Um ato direto de criação só pode explicar com precisão o mundo animal como o conhecemos.

B. Por causa dos primeiros quatro dias da criação, tudo o que era necessário para a vida animal - água, ar, luz, plantas e materiais químicos da terra - estava agora disponível.

II. O RELATO BÍBLICO DA CRIAÇÃO DE ANIMAIS

A. A declaração, “Produzam as águas cardumes de seres viventes” (v. 20), pode implicar que Deus usou a água como um agente mediador na criação de vida marinha, mas literalmente no hebraico isso diz: “Que as águas se aglomerem com enxames, e os voadores voem acima da terra”.

B. Deus criou (bara) a vida animal do nada; isto é, não havia conexão com materiais pré-existentes. Este versículo afirma claramente que a vida animal não evoluiu da matéria sem vida. Ele também afirma que a criação de todos os animais (mar, ar e terra) foi imediata e concluída.

NOTA: É interessante que também é isso que os registros fósseis sugerem. Um dos muitos quebra-cabeças para os cientistas tem sido a total ausência de elos perdidos, corpos intermediários, entre matéria inorgânica e a primeira aparição da vida, bem como entre as formas de vida mais antigas e algumas das estruturas mais complexas que conhecemos hoje. O fascinante é que, de acordo com o registro fóssil, a vida nos mares aparece repentinamente e totalmente desenvolvida. As principais divisões da vida animal como as conhecemos, exceto os vertebrados, aparecem quase simultaneamente muito cedo nos registros fósseis. Os crustáceos (mariscos, como lagostas, camarões, caranguejos, cracas, etc.), por exemplo, variam apenas um pouco daqueles que conhecemos hoje. Esse fenômeno está de acordo com o registro de Gênesis, que diz que Deus produziu toda a vida marinha subitamente.

C. No versículo 21, afirma que "monstros marinhos" (baleias e etc). Literalmente, isso significa "coisas de longa duração".

NOTA: É bem possível que isso se refira a monstros de répteis, que podem ter sido anfíbios como o dinossauro. Isso, é claro, é apenas especulação.

NOTA: A criação de monstros marinhos é muito difícil para os evolucionistas, pois ele diz que todas as coisas evoluíram de uma única célula, do simples ao complexo. Mas Deus escolhe monstros marinhos, criaturas muito complexas, como um exemplo de Sua criação.

D. Os versículos 20 e 24 falam de criaturas viventes. Criaturas viventes são uma tradução de uma única palavra hebraica, Nefesh, que significa alma. Aqui temos a primeira aparição de criaturas com almas. Os animais têm almas e é a alma que marca a diferença entre a vida animal e a vegetal. Os três fatores de uma alma são: o racional, o emocional e o volitivo. Os animais são distintos das plantas porque podem sentir, pensar e decidir até certo ponto.

E. A criação dos vários tipos de animais foi "segundo as suas espécies". Cada divisão familiar de animais tinha sua própria pele, sangue, composição genética etc., para que não houvesse cruzamento entre os tipos.
F. Deus colocou suas bênçãos sobre a criação do mundo animal (“era bom”) e Suas bênçãos parecem estar ligadas de alguma forma à função do sexo, pois Ele diz: “Frutificai e multiplicai-vos; enchei a terra”.

NOTA: As plantas também se reproduzem, mas não possuem as qualidades da vontade e da emoção. No entanto, existe no reino animal a adição de desejo e escolha à função do sexo, e esse parece ser o significado da bênção de Deus.

IV. A TEORIA DA EVOLUÇÃO REFUTADA

A. Definição de evolução. A evolução orgânica afirma que a vida se originou através da geração espontânea de material não vivo, e que todos os seres vivos se desenvolveram a partir de formas inferiores de vida (organismos unicelulares). Levou milhões de anos para que isso acontecesse.

B. Ordem da Evolução. Os evolucionistas tentam organizar os organismos em um sistema classificado do mais simples ao mais complexo (do mais baixo ao mais alto). Ele os organiza na seguinte ordem: ameba (animal unicelular), hidra (multicelular), verme de três camadas, anfioxo, peixe, anfíbio, réptil, mamíferos inferiores e mamíferos superiores (homem).

C. Provas para a evolução
1. Anatomia Comparada. Ao estudar a anatomia, a pessoa percebe que há semelhança entre os animais nos ossos, músculos, artérias, veias, etc. Certos animais se assemelham a outros e uma suposta ordem lógica é estabelecida.

OBJEÇÕES: (1) A similaridade é provavelmente devida à função e finalidade; (2) É mais provável que a similaridade prove o fato de um grande arquiteto (Deus), que tinha em mente um grande padrão que Ele usou ao criar Sua espécie natural com as modificações necessárias para suas diferentes condições de vida.

ILUSTRAÇÃO: Uma mesa e uma cadeira têm muitas semelhanças, mas cada uma é diferente para sua função específica. Seria ilógico concluir que a mesa evoluiu da cadeira.

2. Órgãos Vestigiais. Alguns animais têm órgãos que parecem inúteis, enquanto o mesmo tipo de órgão pode ser bastante funcional em outros tipos de animais. Os membros posteriores e as garras de uma píton são um exemplo. Porque uma cobra precisaria de garras? Os evolucionistas diriam que estava evoluindo para outro tipo de animal.

OBJEÇÃO: (1) Os cientistas agora ensinam que todas as partes do corpo de um animal têm uma função. No caso da píton, os membros posteriores agem como pernas e as garras como triturador para matar alimentos; (2) Esta é uma prova da des-evolução, não da evolução, pois, se os evolucionistas estiverem certos, devem ser capazes de mostrar o desenvolvimento de novos órgãos nos animais, o que não podem fazer.

3. Embriologia. Alguns zoólogos afirmam que, durante o desenvolvimento de um organismo a partir de uma única célula para a forma adulta (em um ser humano), existe uma recapitulação de sua história racial. Ou seja, o embrião se desenvolve através dos estágios da evolução (muitas células, peixes, répteis, estágios dos macacos). Eles acham que podem detectar brânquias e caudas.

OBJEÇÕES: (1) Este é apenas um crescimento natural no desenvolvimento desigual do embrião; (2) Isso foi rejeitado pela maioria das autoridades em embriologia.

4. Fósseis. Os evolucionistas sentem que, pelo registro fóssil, podem provar a evolução. TH Huxley disse:
“Se a evolução ocorreu, ali (nas rochas) sua marca será deixada: se não tiver ocorrido, haverá sua refutação”
OBJEÇÕES: (1) O registro fóssil mostra realmente o surgimento repentino de todos os invertebrados com sua especialização distinta na era cambriana e a completa ausência de fósseis indiscutíveis nas rochas pré-cambrianas; (2) Não há ligações ausentes. De fato, existem lacunas embaraçosas no registro fóssil. (3) Os fósseis mais antigos conhecidos de cavalos, roedores, morcegos, etc. ainda são cavalos, roedores e morcegos.

NOTA: A datação de animais, que deveriam ter caráter pré-histórico e milhões de anos é muito reveladora. O tigre dente de sabre, que deveria ter vivido no período do Pleistoceno e com pelo menos cinco milhões de anos, já foi datado na U.C.L.A. por datação por radiocarbono aos 28.000 anos. O osso gigantesco que se dizia ter mais de 20 milhões de anos foi datado em 12.000 anos e os ossos de mastodonte (elefante) que se diz serem milhões de anos foram datados em 11.000 anos.

PONTO: Após cem anos de evolução, eles deveriam ter sido capazes de apresentar um elo perdido, mas não há evidências para isso.

D. Sete suposições da evolução que não podem ser comprovadas
1. A primeira suposição é que coisas não-vivas deram origem a material vivo, isto é, ocorreu geração espontânea.
2. A segunda suposição é que a geração espontânea ocorreu apenas uma vez.
3. A terceira suposição é que vírus, bactérias, plantas e animais estão todos inter-relacionados.
4. A quarta suposição é que os protozoários deram origem aos metazoários
5. A quinta suposição é que os vários filos de invertebrados estão inter-relacionados.
6. A sexta suposição é que os invertebrados deram origem aos vertebrados.
7. A sétima suposição é que, dentro dos vertebrados, os peixes deram origem aos anfíbios, aos anfíbios aos répteis e os répteis as aves e mamíferos. Às vezes isso é expresso em outras palavras, ou seja, que os anfíbios e répteis modernos tinham um ancestral comum e assim por diante.

Gostou Desse Esboço? Olha a Novidade Que Tenho Para Você!

Eu preparei um E-book Com 365 Esboços de Sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! CLIQUE AQUI para adquirir seu livro.

A CRIAÇÃO DA VIDA ANIMAL A CRIAÇÃO DA VIDA ANIMAL Reviewed by Aldenir Araújo on novembro 01, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Tecnologia do Blogger.