Gideão: Um Campeão Obediente

Gideão: Um Campeão Obediente
Texto: Juízes 6-7

Introdução

1. A história de Gideão é uma historia de fé e coragem. (Hebreus 11:32-34)
2. Devido à desobediência, Israel estava em opressão. (Juízes 6:1-6)
a. Dos 350 anos entre a morte de Josué até Samuel, o profeta, cerca de 100 anos foram passados em deslealdade a Deus.
b. Os livros de Juízes e Primeiro Samuel apresentam quinze “libertadores que os libertaram das mãos de seus adversários”. (Neemias 9:27)
3. Deus levantou Gideão, um “homem valoroso” (Juízes 6:11-16).

I. Antecedentes: O Período dos Juízes

A. Período de tempo: Da morte de Josué até a morte de Sansão.
1. O período dos juízes de Otniel a Samuel durou cerca de 350 anos. (Juízes 11:26)
2. Este é o período do regime teocrático em que o próprio Deus é o rei de Israel. (1 Samuel 8:7)
B. O Cenário.
1. A geração contemporânea de Josué foi corajosa, fiel e, em sua maior parte, livre da obstinação e da dúvida que havia desonrado seus pais (Juízes 2:7). Mas à medida que cada tribo recebia sua porção da terra, eles se envolviam em estabelecer e cultivar, tornando-se egocêntricos.
2. Vivendo entre os idólatras, a quem eles deixaram de expulsar, os israelitas copiaram o exemplo, casaram-se com eles e se contaminaram com suas abominações e idolatrias. (Juízes 2:10-13)
3. As pessoas abandonaram a Deus e se tornaram seu próprio padrão de conduta. (Juízes 17:6)
4. Os antigos habitantes da terra de Canaã, deixados sozinhos, reuniram forças para lutar contra Israel.
5. Nações circunvizinhas como a Síria, Filisteus, Moabe e Midiã se aproveitaram da facilidade de Israel e começaram a saqueá-las. (Juízes 2:14-15; 3:7-8)
6. “Naquelas dias não havia rei em Israel; cada qual fazia o que parecia bem aos seus olhos”. (Juízes 17:6; 18:1; 19:25). Cada tribo pensava por si mesma como melhor servir e manter um território adequado, de modo que interesses separados de todos os tipos logo se tornassem prevalentes, e a consideração pelo bem-estar geral foi cada vez mais esquecido. Essa separação das partes da nação foi ajudada pela desunião e inveja das várias tribos, nenhuma das quais tinha a preeminência. Então, também os antigos habitantes ainda mantinham seu domínio em grandes extensões ou em posições importantes em todo o país. Os poderes vizinhos ainda consideravam os recém-chegados como uma presa fácil para a incursão e a devastação, se não para a subjugação real. Nem Israel escapou da influência perniciosa da idolatria, tanto de Canaã quanto dos países vizinhos.
7. O livro dos Juízes é uma das partes mais tristes da Bíblia, humanamente falando. Alguns o chamaram de "Livro do Fracasso". O último capítulo do livro precedente, Josué, prevê a continuação da bênção sobre o povo de Deus na terra de sua herança (Josué 24:19-28). Mas não se vai longe no relato dos juízes antes de perceber que nem tudo está bem.
8. Israel estava em apuros porque o povo não conseguiu:
a. Completar a tarefa que eles receberam para fazer - expulsar as outras nações.
b. Continuar com as lições que eles aprenderam em sua reforma.
1) Quando Deus levantou juízes para libertá-los, o povo só respondeu na medida em que servia aos seus fins egoístas do momento.
2) Eles não amavam sinceramente a Deus nem o serviam de coração. Quando as coisas voltavam a ser toleráveis ​​novamente, eles rapidamente o abandonavam e voltavam aos seus velhos hábitos.
c. Lidar com um problema familiar, nacional ou comunitário. Eles estavam tão centrados que não buscavam soluções para seus problemas até que estivessem desesperados.
C. Um resumo divino dos tempos. (Juízes 2:7-19)
1. Durante o governo de Josué, Israel serviu a Deus. (7-9)
2. Depois da morte de Josué, surgiu uma geração que não conhecia o Senhor, nem o que Ele havia feito por Israel, portanto, fizeram o mal acendendo a ira do Senhor contra eles. (10-14a)
3. Deus, portanto, os entregou aos inimigos que foram vitoriosos sobre eles, causando-lhes grande aflição. (14b-15)
4. Deus levantou juízes para libertá-los e eles teriam paz. (16)
5. Quando o juiz morria, o povo retornava aos seus velhos hábitos e abandonava o caminho de Deus. (17-19)
D. Os juízes.
1. Os juízes não eram funcionários judiciais que presidiam os tribunais de Israel.
a. Eles não tinham autoridade civil, mas agiam com autoridade espiritual como agentes de Deus.
b. Durante esse período, o governo do povo consistia na autoridade dos anciãos em suas respectivas tribos.
2. Os juízes foram libertadores (Juízes 3:9) que foram dirigidos pelo poder do Espírito de Deus, a quem Deus levantou para levar Israel à liberdade da opressão das nações opostas. (Juízes 3:10; 6:34; 11:29; 13:25; 14:6, 19; 15:14)
3. Os juízes e seu trabalho. (Juízes 3:7 - 16:31)
a. A libertação de Otniel da Mesopotâmia. (3:7-11)
b. A libertação de Eúde de Moabe. (3:12-30)
c. A libertação de Sangar dos Filisteus. (3:31)
d. A libertação de Debora dos cananeus. (cap. 4-5)
e. A libertação de Gideão de Midiã. (cap. 6-9)
f. Tola libertou Israel. (10:1-2)
g. Jair julgou Israel. (10:3-5)
h. A libertação de Jefté de Amon. (10: 6 - 12: 7)
i. Ibzã julgou Israel. (12:8-10)
j. Elom julgou Israel. (12:11-12)
k. Abdom julgou Israel. (12:13-15)
l. Libertação de Sansão dos Filisteus. (cap. 13-16)

II. O Chamado de Gideão (Juízes 6:11-24)

A. Gideão era filho de Joás, um idólatra da família de Abiezer.
B. Seu lar era Ofra. A maioria acredita ter sido localizada na divisão ocidental da tribo de Manassés. (Juízes 6:11, 15; Josué 17:2)
C. Ele tinha um elemento de caráter sobre ele que Deus poderia usar, então “Apareceu-lhe então o anjo do Senhor e lhe disse: O Senhor é contigo, ó homem valoroso” (Juízes 6:12)
D. Quando ele é encontrado pela primeira vez, ele é um fracasso na incredulidade.
1. Então lhe é apresentado provas destinadas a desenvolver a fé.
2. Após sua crença, ele demonstrou arrependimento.
3. Ele então cedeu sua vontade à vontade de Deus.
4. Ele se tornou um servo consagrado e dedicado.
5. Ele foi levantado por Deus para ser um líder e salvador de seu povo.

III. Algumas Lições Sobre a Obediência de Gideão

A. Gideão derribou os altares de Baal. (Juízes 6:25-31)
1. Uma vez que a idolatria era o pecado predominante em Israel, aqui está a chance de Gideão de mostrar sua lealdade a Deus e sua aversão aos ídolos.
2. A idolatria é um pecado constante em todas as eras.
a. Não há esperança para alguns. (“Efraim está entregue aos ídolos; deixa-o” Oséias 4:17)
b. O símbolo da idolatria tinha que ser removido para que Israel tivesse esperança.
3. Como você define a idolatria?
a. Algo que se interpõe entre você e Deus. Algo que toma precedência sobre Deus.
b. Considere a lição do jovem rico. (Marcos 10:17-22)
B. A peneira para servir no exército de Gideão. (Juízes 7:1-8)
1. O exército de Gideão consistia de 32.000 homens. (7:1-3)
2. “Os midianitas, os amalequitas, e todos os filhos do oriente jaziam no vale, como gafanhotos em multidão; e os seus camelos eram inumeráveis, como a areia na praia do mar” (7:12)
3. O primeiro teste, os “covardes e medrosos” foram deixados de lado. (Deuteronômio 20:8)
a. O medo é contagioso; a falta de disciplina prejudica a todos.
b. O medo é o oposto da fé.
c. Muitas vezes queremos evitar o perigo. (Mateus 10:34-39)
d. Cerca de 10.000 homens permaneceram, mas Deus mais uma vez declarou que o exército era muito grande. (7:4)
4. A prova da água - apenas 300 qualificado. (7:4-8)
a. Embora sob as aflições da sede, apenas 300 dos homens de Gideão exibem cautela e autocontrole.
b. A maioria era descuidada na presença do inimigo. Nós somos?
c. Como falamos sobre a igreja enquanto trabalhamos?
d. No final, tornou-se "força através da subtração".
C. A vitória da fé.
1. Nenhuma arma foi usada - nenhum método mundano. (Juízes 7:12,16-22)
a. Isso os libertou da ilusão de que eles venceram a batalha pelo seu próprio poder e força.
b. A força da igreja não está em números ou projetos.
c. Alguns irmãos querem imitar o mundo ao nosso redor.
d. Apelo ao homem carnal e é isso que você terá.
2. A razão para o sucesso deles foi encontrada em três partes:
a. Unidade. Eles ouviram apenas a voz do seu capitão.
b. Obediência. Eles seguiram o exemplo de Gideão.
c. Fidelidade. "E conservou-se cada um no seu lugar"
3. Unidos no grito de guerra: "A espada do Senhor e de Gideão".
a. Nossa espada hoje é a palavra de Deus. (Efésios 6:17; Hebreus 4:12; Romanos 1:16)
b. A palavra é toda suficiente e sempre vitoriosa. (Isaías 55:11)

Conclusão

1. Aliste-se no exército de Deus hoje!
2. Não tenha medo, porque a fé na palavra de Deus trará a vitória sobre o pecado e a morte.

Gostou Desse Esboço? Olha a Novidade Que Tenho Para Você!

Eu preparei um E-book Com 365 Esboços de Sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! CLIQUE AQUI para adquirir seu livro.

Gideão: Um Campeão Obediente Gideão: Um Campeão Obediente Reviewed by Aldenir Araújo on agosto 19, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Tecnologia do Blogger.