Defesa e Acusação - O Fechar de Toda Boca

Defesa e Acusação - O Fechar de Toda Boca
Texto: Romanos 3:1-20

Introdução: Quase todo mundo gosta de um bom "drama de tribunal" - a menos, é claro, que seja o réu. Você pode imaginar essa passagem como um drama de tribunal; mas desta vez, é você e eu que estamos em julgamento.

A acusação foi feita contra nós de que nós - juntamente com todos os outros seres humanos nascidos de Adão - pecamos contra Deus e agora nos tornamos culpados perante Ele como pecadores condenados. Nesta passagem, Paulo - o advogado de acusação - sistematicamente tira toda a nossa defesa e nos deixa sem nenhum apelo. Mas ele não faz isso simplesmente para nos deixar condenados, mas para nos apresentar a única esperança que temos - a declaração livre e graciosa de Deus de que podemos ser justificados pela fé no sacrifício de Seu Filho Jesus. Deus prova nossa culpa, para que Ele possa derramar Sua graça sobre nós.

Estes são os argumentos finais de Paulo em uma seção muito importante e firmemente argumentada de Romanos - a seção na qual Ele prova nossa necessidade do grande tema de sua carta, que é "justificação pela fé". Ele introduziu este tema pela primeira vez em 1:16-17, e ele finalmente declara em 3:21-31. Essa passagem nos leva à beira daquela grande e maravilhosa declaração. Ele coloca o toque final na apresentação de Paulo das "más notícias" sobre o nosso pecado que torna a "Boa Nova" da graça de Deus tão maravilhosamente boa!

O tribunal está em sessão. Uma série de testemunhas contra a defesa já foi apresentada.

Primeiro, a "criação" deu testemunho contra nós; declarando que ela revelou a verdade sobre Deus, mas que nós temos suprimido essa verdade em injustiça (1:18-23).

Segundo, a "Consciência" nos deu testemunho; declarando que testificou da lei de Deus em nossos corações, mas que embora saibamos o que é certo, não o fizemos (2:1-16).

Terceiro, os "mandamentos" deram testemunho contra nós; declarando que Deus confiou claramente seu código moral escrito ao povo judeu, mas nem mesmo eles o guardaram (2:17-24).

E finalmente, a "Circuncisão" apresentou seu testemunho contra nós; declarando que procuramos apenas nos conformar à religião do lado de fora, mas falhando em cumpri-la no coração, no interior (2:25-29). As testemunhas combinadas da Criação, Consciência, Mandamentos e Circuncisão é que "todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus" (Romanos 3:23).

Paulo apresenta seu caso como se contra o judeu - e ao fazê-lo, ele está apresentando seu caso contra todos os outros; porque ninguém poderia defender melhor a aceitação de Deus através das obras do que o judeu. (3:9 nos mostra que Paulo está realmente falando sobre todos nós.) E agora, você e eu - como réus - devemos tomar a posição ...

I. A Defesa Faz um Apelo Patético de Inocência. (vv. 1-8).

A. "Mas eu sou judeu! Isso não conta para algo?" Sim; conta. A grande vantagem é que você foi encarregado da lei escrita - os "oráculos de Deus". No entanto, tudo o que isso faz é compor a sua culpa porque você não cumpriu essa lei (vv. 1-2).

B. "Mas Deus fez promessas aos judeus! E daí se eu não acreditei! Isso não afeta a fidelidade de Deus, não é?". Deus nos livre de que nossas falhas tornem a fidelidade de Deus sem efeito! Mas isso também aumenta sua culpa; pois que Deus seja verdadeiro, e todo homem seja provado mentiroso - assim como é dito em passagens como Salmos 51:4 e 62:9 (vv. 3-4).

C. "Tudo bem então. Mas se é verdade que a minha infidelidade fez com que a fidelidade de Deus brilhasse ainda mais - quero dizer, se Ele acabar recebendo glória por causa do meu pecado - então Ele não está sendo injusto em derramar Sua ira sobre mim?" "Meu pecado não o beneficiou?". Já chega!!! Como ousa insinuar que Deus é injusto ao julgar seu pecado? (vv. 5-6a). Isso está errado por dois motivos:
1. Primeiro, se Deus é injusto para julgar o pecado, então como Ele poderia julgar o mundo? Se Ele estiver errado em julgar você pelo seu pecado; então como poderia Ele estar certo em julgar alguém? (v. 6b).
2. Segundo, se a verdade de Deus aumentou através de sua mentira para a Sua glória, então o que o impediria de fazer o argumento de que você deveria “pecar demasiadamente para a glória de Deus”? As pessoas que fizeram racionalizações semelhantes para os seus pecados estão condenadas - e com razão! (vv. 7-8).

II. A Acusação Contra a Defesa é Lida. (vv. 9-18).

A. Meritíssimo, a promotoria conclui que o acusado - mesmo que fosse judeu - não é mais inocente do que qualquer outro pecador. Nós acusamos anteriormente que tanto os judeus (2:17-29) e os gregos (1:18 - 2:16), estão todos igualmente sob a culpa do pecado (v. 9).

B. A acusação, portanto, traz as seguintes acusações contra o réu:
1. Seis acusações contra ele por sua completa corrupção de caráter (versos 10-12; ver também Salmos 14:1-3; 53:1-3; Eclesiastes 7:20).
a. Ele é injusto diante de ti, pois "Não há justo, nem sequer um"
b. Ele é corrupto em seu pensamento acerca de ti, pois "Não há quem entenda..."
c. Ele é irreverente para contigo, pois "não há quem busque a Deus...."
d. Ele é resistente em relação a ti, pois "Todos se extraviaram; juntamente se fizeram inúteis...."
e. Ele está entre aqueles que fazem o mal diante de ti, pois "Não há quem faça o bem, não há nem um só".

2. Quatro acusações contra ele por seu discurso injusto - que é completamente corrompido na garganta, língua, lábios e boca (versos 13-14; ver também Salmos 5:9; 140:3; 10:7).
a. Seu discurso é a morte, pois "A sua garganta é um sepulcro aberto..."
b. Seu discurso é caracterizado por mentiras habituais, pois "com as suas línguas tratam enganosamente..."
c. Sua fala fere outros, pois "peçonha de áspides está debaixo dos seus lábios..." (veja também Tiago 3:8).
d. Seu discurso é vil, pois ele está entre aqueles "cuja boca está cheia de maldição e amargura".

3. Três acusações contra ele de como ele se relaciona com seus semelhantes (vv. 15-17; ver também Provérbios 1:16; Isaías 59:7-8).
a. Ele é assassino para os outros, pois "Os seus pés são ligeiros para derramar sangue...."
b. Ele é perigoso para os outros, pois "Nos seus caminhos há destruição e miséria..."
c. Ele é hostil para com os outros: "e não conheceram o caminho da paz...."
4. Um fato contra ele pela forma como ele se relaciona com Deus (o mais grave conto de todos - v. 18; ver também Salmo 36:1). Ele está errado desde o início (1:18-21), pois "Não há temor de Deus diante dos seus olhos".

III. A Defesa Deve Agora Descansar Seu Caso. (v. 19).

A. Essas acusações responsabiliza a todos com culpa diante de Deus - aqueles sob a lei e, portanto, todos os outros que estão sem a lei.

B. Como consequência, a defesa deve fechar sua boca contra essas acusações e admitir culpa.

IV. O Veredicto: Culpado Como Acusado. (v. 20).

A. Seus esforços para que sua posição diante de Deus seja correta com base em seus atos falharam. Ele não é justificado diante de Deus (Isaías 64:6).

B. Em vez disso, tudo o que seus esforços fizeram é condená-lo sob a lei. Ele merece a ira justa de Deus. A sentença, portanto - que deve ser totalmente executada - é a morte (Romanos 6: 23a).

Antes de concluir nossas observações sobre as más notícias sobre nosso pecado, contudo; lembre-se: é por causa desse veredicto final que Paulo - o promotor público - agora salta de alegria e nos declara que Deus, o Justo Juiz, providenciou Seu próprio Filho para pagar a penalidade pelos nossos pecados! Paulo expressa essa maravilhosa notícia para nós em 3:21-31! Louvado seja Deus!! Deus justamente nos condena à morte; mas então graciosamente fornece um Substituto que voluntariamente paga a pena de morte por nós!

Deus não simplesmente ignora Sua santa lei para nos salvar; mas, ao contrário, cuida para que Sua lei seja cumprida enquanto, ao mesmo tempo, nos declara pecadores "justos" - todos através de outra pessoa, para pagar a penalidade por nós. Deus, assim, se prova ser "justo" e "o justificador daquele que tem fé em Jesus" 3:26)! Louvai-o por sua maravilhosa graça!

Gostou Desse Esboço? Olha a Novidade Que Tenho Para Você!

Eu preparei um E-book Com 365 Esboços de Sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! CLIQUE AQUI para adquirir seu livro.

Defesa e Acusação - O Fechar de Toda Boca Defesa e Acusação - O Fechar de Toda Boca Reviewed by Aldenir Araújo on junho 21, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.