Deus Meu, Deus Meu, Porque Me Desamparaste?

Deus Meu, Deus Meu, Porque Me Desamparaste?
Texto: Marcos 15:33-36

Introdução: Nós passamos as últimas três semanas considerando as declarações de Cristo na cruz. Até este ponto, temos testemunhado a maravilhosa graça e misericórdia de nosso Senhor quando Ele orou por perdão, prometeu salvação e fez provisão para Sua mãe.

Para mim, esta é a mais difícil das sete declarações a serem considerados. Trata-se de um problema que preferimos não considerar. De fato, com todo o respeito, nossa natureza é repelida por essa relato. Como filhos de Deus, olhamos para a cruz com grande humildade e admiração, mas nossa humanidade tem dificuldade em aceitar o fato de que Jesus foi abandonado quando pendurado na cruz, levando os pecados do mundo.

Este pode ser um assunto que temos dificuldade em considerar, mas no entanto, é verdade. Nosso bendito Senhor levou nosso pecado em Seu corpo e, ao fazer isso, Ele suportou um momento de separação de Deus Pai. Eu quero por alguns momentos examinar esta passagem preciosa ao considerarmos as verdades eternas reveladas quando Cristo clamou: Deus Meu, Deus Meu, Porque me Desamparaste?

I. O Momento Dessas Palavras. V. 33-34a

- “E, chegada a hora sexta, houve trevas sobre a terra, até a hora nona. E, à hora nona, bradou Jesus em alta voz”. Neste momento da crucificação, Jesus já está na cruz há cerca de três horas. Na hora sexta (meio-dia), a escuridão invade a terra até a hora nona (15:00).

- Não podemos imaginar ou compreender o sofrimento que Jesus suportou durante aquelas três horas na cruz. Cravos ultrapassam suas mãos e pés. Seus músculos estão se contraindo; é difícil até respirar sob tais condições. O Filho de Deus foi pendurado numa cruz, reservada para o mais vil dos criminosos, e suportou o escárnio e a vergonha da multidão que O atormentavam.

- Mas agora, quando a hora sexta se aproxima, a escuridão cobre a terra. Isso foi no meio do dia, meio-dia, e há uma completa e absoluta escuridão. Isso não poderia ter sido um eclipse porque sabemos que foi na Páscoa, durante a lua cheia. O sol e a lua não estavam nas posições certas para um eclipse. Este foi um milagre de Deus! Então, porque houve escuridão neste momento durante a crucificação?

1. Profecia - Amós 8:9 – “E sucederá, naquele dia, diz o Senhor Deus, que farei que o sol se ponha ao meio dia, e em pleno dia cobrirei a terra de trevas”.

2. Misericórdia - Cristo suportou o sofrimento do ridículo e da vergonha ao ser pendurado nu sobre a cruz. Deus apagou as luzes do ridículo!

3. Cumprimento - A humanidade estava sob as garras e a escuridão do pecado. Jesus entrou na escuridão do pecado para que todos pudessem ser libertados de suas trevas para a Sua luz gloriosa!

4. Soberania - Deus estava julgando os pecados do mundo em Seu Filho, e o mundo não tinha nada a ver com essa transação soberana!

II. A Verdade Dessas Palavras. V. 34

- “E, à hora nona, bradou Jesus em alta voz: Eloí, Eloí, lamá, sabactani? que, traduzido, é: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”. O que podemos descobrir nestas palavras duradouras de nosso Senhor? Observe:

A. A profecia - Muito havia sido profetizado sobre a vinda do Senhor e a crucificação pelos profetas antigos. Quando Jesus fez a sua entrada para este mundo, andou entre os homens, morreu e ressuscitou, Ele cumpriu cada uma dessas profecias ao pé da letra. Estas palavras foram profetizadas a respeito de Davi sobre a crucificação de Cristo. Salmo 22:1 – “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? por que estás afastado de me auxiliar, e das palavras do meu bramido?”

B. A despedida - Porque me desamparaste? Não podemos imaginar a agonia e o sofrimento que Jesus suportou neste momento. Isso revela a realidade da cruz para Cristo, nosso Senhor. Ele foi desamparado por Deus, literalmente "abandonado, desertado, deixado indefeso e totalmente desamparado”.

- Nós realmente não podemos apreciar a enormidade da emoção que Jesus sentiu. Nunca houve um tempo em que Jesus não existisse. Ele sempre foi, mesmo antes da criação do mundo, e durante a Sua existência Ele nunca experimentou a separação do Pai.

- Nunca houve um tempo em que Ele não agradou a Deus. Nunca houve um tempo em que Ele pecasse ou precisasse pedir perdão. Ele sempre gostara daquela doce e abundante comunhão com Deus, mas quando Ele estava pendurado na cruz, carregando nossos pecados, aquela comunhão foi quebrada. Foi lá quando Jesus se tornou nosso sacrifício, levando nosso pecado, que Deus deu as costas ao seu Filho unigênito porque não podia olhar para o pecado.

- Isso certamente deve nos fazer olhar para o nosso pecado de uma perspectiva diferente. Se Deus não tolerou o pecado, ou mesmo olhou para ele, quando foi colocado em Seu Filho, quem somos nós para pensar que podemos pecar e sobreviver?

C. A punição - É provável que isso seja difícil para nós aceitarmos, mas Deus puniu o pecado em Seu Filho. Jesus sofreu o juízo justo de Deus pelo pecado de toda a humanidade. Isaias 53:10 – “Todavia, foi da vontade do Senhor esmagá-lo, fazendo-o enfermar; quando ele se puser como oferta pelo pecado, verá a sua posteridade, prolongará os seus dias, e a vontade do Senhor prosperará nas suas mãos”.

- Isso não foi um erro ou acidente. Cristo não havia simplesmente sido pego no ódio e no plano desonesto daqueles que procuravam matá-lo. Esta foi a vontade de Deus desde antes da fundação do mundo. Deus e Cristo sabiam que chegaria o dia em que Ele levaria os pecados do mundo e o justo juízo de Deus em Seu corpo. (Eu não sei sobre você, mas eu dei um novo olhar ao amor de Deus por nós. Ele estava disposto a oferecer Seu Filho, punindo os justos pelos injustos! Você pode imaginar como Deus o Pai deve ter sentido durante esse momento?)

- Tome apenas um momento para considerar o que Cristo suportou. Todo pecado vil que havia sido ou jamais seria cometido foi colocado sobre Ele no Calvário!

D. A provisão. V. 34“E, à hora nona, bradou Jesus em alta voz: Eloí, Eloí, lamá, sabactani? que, traduzido, é: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”. Há uma verdade maravilhosa que não podemos ignorar quando consideramos essa declaração de nosso Senhor. Ele não tinha ido ao Calvário sem propósito. Deus nunca teria permitido isso se não estivesse em Seu plano. Cristo nunca teria se submetido a essa terrível morte se Ele não estivesse disposto a comprar nossa redenção.

- Cristo não morreu porque Ele era culpado. Ele não morreu porque não conseguiu escapar nem ter um julgamento justo. Ele não morreu porque os sumos sacerdotes, Sinédrio e Pilatos haviam lançado suas vozes contra ele. Ele morreu para prover nossa salvação. Ele morreu para que pudéssemos ser perdoados, reconciliados com Deus e herdar a vida eterna! 2 Coríntios 5:21 – “Àquele que não conheceu pecado, Deus o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus”. 1 Pedro 2:24 – “levando ele mesmo os nossos pecados em seu corpo sobre o madeiro, para que mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e pelas suas feridas fostes sarados”.

E. A Perfeição - Mesmo em sofrimento e morte, Jesus manteve Sua divindade. Mesmo tendo suportado os pecados do mundo, Ele nunca deixou de ser Deus. Ele nasceu como homem, mas continuou a ser Deus. Ao sofrer na cruz, Ele continuou a fornecer o exemplo que precisamos seguir.

- Sem dúvida, Sua divindade, assim como Sua humanidade, foi repelida pelo pecado que Ele carregou. Ele nunca conheceu o pecado e agora suportou o pecado do mundo. Mesmo naquele momento, Ele não rejeitou a Deus nem o acusou falsamente. No momento mais difícil de sua existência eterna, Cristo continuou clamando a seu pai. Ele continuou a confiar em Deus e se submeter à Sua vontade.

- Precisamos aprender essa lição quando servimos ao Senhor. Muitas vezes, em tempos difíceis, ficamos amargurados e queremos culpar a Deus. Muitas vezes, quando as pessoas mais precisam do Senhor, elas se afastam Dele. Jó 13:15 – “Eis que ele me matará; não tenho esperança; contudo defenderei os meus caminhos diante dele”.

III. A Tragédia Dessas Palavras. V. 35-36

- A resposta daqueles que ouviram estas palavras preciosas revelam uma grande tragédia que permanece até hoje.

A. A mensagem foi mal compreendida. V. 35“Alguns dos que ali estavam, ouvindo isso, diziam: Eis que chama por Elias”. Alguns dos que ali estavam pensaram que Jesus clamou para que Elias viesse ao seu socorro. Eles não o viam como o Messias, e eles certamente não entendiam que Ele estava clamando a Deus. Eles perderam todo o sentido das palavras que Jesus falou. Eles entenderam mal o que Ele havia dito.

- É trágico, mas a mensagem da cruz continua sendo mal entendida em nossos dias também. Nós temos a completa revelação de Deus em Sua santa Palavra e ainda assim os homens continuam a entender mal e interpretar erroneamente a Escritura. Os judeus consideravam a presença e a pessoa de Elias mais do que a Jesus. A humanidade ainda opta por negar a verdade do evangelho e o caminho da salvação. Muitos hoje foram para a heresia e a falsa doutrina porque não entenderam a Palavra de Deus. Muitos querem estabelecer seus próprios termos ou condições em relação à salvação.

- Paulo compartilhou o evangelho em algumas palavras curtas e concisas: 1 Coríntios 15:3-4 – “Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras; que foi sepultado; que foi ressuscitado ao terceiro dia, segundo as Escrituras”. Isso é simples o suficiente para que uma criança possa entender e ainda assim muitos têm dificuldade em abraçar o evangelho. Se você o rejeitar ou escolher ignorá-lo, então não há outra esperança para você.

B. O Messias foi ridicularizado. V. 36“Correu um deles, ensopou uma esponja em vinagre e, pondo-a numa cana, dava-lhe de beber, dizendo: Deixai, vejamos se Elias virá tirá-lo”. Muitos dos presentes naquele dia continuaram a zombar e rejeitar a Cristo como o Messias. Enquanto Ele aguentava o tormento da separação, a zombaria continuou. Estes estavam cegos para a verdade e não tinham ideia de que Ele estava lá para o benefício deles.

- Eu quero deixar você com esse pensamento. Nós também fomos levados a um lugar de decisão esta noite. Você já ouviu o evangelho. Você já ouviu falar do sofrimento e sacrifício que Jesus fez pelo seu pecado. A questão é: o que você fará com o que ouviu? Você abraçará a Cristo como o Salvador do mundo ou continuará a rejeitá-lo e zombará de Seus sofrimentos e provisões para você?

- Você não pode permanecer neutro sobre isso. Você deve decidir nesta vida o que você fará com Jesus. A decisão de afastá-lo por enquanto é uma decisão de rejeição. O que você fará com Jesus? Você vai aceitá-lo ou negá-lo? Tenha cuidado como você decide; seu destino eterno repousa nesta decisão!

Nós observamos para uma das passagens mais difíceis e bonitas da Escritura. Jesus suportou tanto sofrimento e agonia por nós. Ele suportou tudo isso para que pudéssemos ser salvos. Você conhece ele? Crente, quanto tempo se passou desde que você adorou o Senhor e ofereceu graças pelo que Ele providenciou para você?

Gostou Desse Esboço? Olha a Novidade Que Tenho Para Você!

Eu preparei um E-book Com 365 Esboços de Sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! CLIQUE AQUI para adquirir seu livro.

Deus Meu, Deus Meu, Porque Me Desamparaste? Deus Meu, Deus Meu, Porque Me Desamparaste? Reviewed by Aldenir Araújo on abril 15, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Tecnologia do Blogger.