O Propósito do Coração em Uma Terra Pagã
Texto: Daniel 1:1-21

Tema: A utilidade para Deus nas circunstâncias futuras vem da fidelidade a Deus nas provações atuais.

O livro de Daniel é um dos livros mais notáveis ​​de todos os tempos. Ele nos fala - entre outras coisas - da história de um homem que se destaca como um dos homens mais exemplares em todas as Escrituras quando se trata de justiça (Ezequiel 14:14, 20) e sabedoria (Ezequiel 28:3).

Ele pode ter sido um membro da família real de Judá (como sugerido por Daniel 1:3); mas ele recebeu a maior educação possível na aprendizagem do que era a maior cultura mundial da época. Ele tinha uma distinção que parece verdadeiramente sem precedentes em toda a história do mundo - isto é, como um estrangeiro que serviu na mais alta capacidade oficial nos governos de dois impérios mundiais sucessivos (os da Babilônia e do Medo-Persa). E mais, o livro que leva seu nome - como "a mais abrangente e completa revelação registrada por qualquer profeta do Antigo Testamento".

O livro de Daniel pode ser dividido naturalmente em duas partes. A primeira parte está relacionada principalmente com a história pessoal de Daniel (capítulos 1-6); e a segunda parte diz respeito principalmente ao ministério profético de Daniel (capítulos 7-12). Os capítulos 2 a 7 são amplamente escritos na língua aramaica - a língua gentia predominante do império mundial daquela época. Isso ocorre porque esses capítulos se preocupam com assuntos que lidam com o plano de Deus para o mundo gentio; enquanto o capítulo 1 e os capítulos 8 a 12 - escritos em hebraico - tratam do plano de Deus para o povo judeu contra o pano de fundo da história do mundo gentio.

Este livro foi escrito, em parte, para incentivar a fidelidade da parte do povo judeu durante tempos de opressão. Mas o propósito maior de Deus neste livro é o de apresentar diante de nós Seu plano para as nações antes do retorno de Jesus Cristo.

Por descrever os eventos da história mundial com uma precisão profética tão notável, alguns duvidam que tenha sido verdadeiramente escrito pelo homem Daniel durante o sexto século antes de Cristo. Por descrever a história antes de ocorrer com tanta precisão, alguns insistiram que ela deve ter sido escrita no século II antes de Cristo. Mas é claramente referenciado no livro de Ezequiel (veja acima), que foi escrito durante o tempo do cativeiro de Israel; e a autoria de Daniel é atestada pelo não menos que o próprio Senhor Jesus (Mateus 24:15; Marcos 13:14).

O primeiro capítulo define o tom para muito que se seguirá no livro. Nele, vemos o caráter desse grande homem a quem Deus revelou tanto de Seu plano para as eras. Nós vemos . . .

I. O Começo de Daniel na Terra do Exílio (vv. 1-2).

A história de Daniel começa com o reinado de Nabucodonosor, rei da Babilônia. Nabucodonosor chegou a Jerusalém e sitiou-a pela primeira vez no ano 605 a.C. - pouco depois de sua notável vitória do Egito em Carquêmis. A história de sua ida a Jerusalém - e a trágica queda do rei Jeoiaquim de Judá em suas mãos - é contada em 2 Reis 24:1-2 e 2 Crônicas 36:5-7.

A esse respeito, é importante notar o que nos é dito, no versículo 2. Não foi apenas Nabucodonosor quem provocou isso. Pelo contrário, nos diz que “o Senhor entregou Jeoiaquim, rei de Judá, em sua mão”.

II. As Oportunidades de Daniel Diante do Rei (vv. 3-7).

Entre os muitos artigos do templo que Nabucodonosor trouxe para a casa do seu deus - junto com muitos dos cativos de Jerusalém - estavam alguns dos melhores jovens de Israel que poderiam ser encontrados.

Estes seriam cuidados por ele, ensinados sob seu comando e transformados em servos leais em seu reino. Eles foram escolhidos por suas superioridades físicas, suas capacidades intelectuais e o potencial pessoal para comparecer perante o rei com honra. Eles passariam por um rigoroso programa de educação e treinamento. Eles seriam ensinados na língua e literatura dos caldeus; e seriam alimentados com as mais delicadas iguarias da própria mesa do rei. Depois de três anos, eles seriam apresentados perante o rei.

É nos dito que entre esses jovens notáveis ​​havia quatro de Judá: Daniel ("Deus é Juiz"), Hananias ("Jeová tem sido gracioso"), Misael ("quem é como Deus?") E Azarias ("O Senhor Ajuda”).

Eles foram confiados ao chefe dos eunucos; que então lhes deu nomes babilônicos: Daniel tornou-se Beltessazar ("Bel Proteja Sua Vida"), Hananias se tornou Sadraque (um nome composto que significa "comando de Aku" com uma referência a Aku, o deus da lua), Misael se tornou Mesaque ("quem é como Deus?”), e Azarias tornou-se Abednego (“ Servo de Nebo”, um filho do deus babilônico Bel).

A mudança de nomes refletiu um pouco seus nomes originais em hebraico; e era a maneira dos reis separá-los de suas raízes hebraicas e estabelecê-los na cultura babilônica. É interessante notar que o nome babilônico de Daniel é semelhante ao do filho de Nabucodonosor, encontrado mais adiante no livro (ver 5:1); mas aquele mensageiro angélico de Deus usava seu nome hebraico (Daniel) quando falava com ele (9:22).

III. O Propósito do Coração de Daniel Diante de Deus (vv. 8-10).

Daniel (e sem dúvida seus amigos) se propôs a permanecer fiel às leis alimentares judaicas (ver Levítico 11), mesmo enquanto viviam em uma terra pagã. Também pode ter sido porque a comida do rei era oferecida aos ídolos - e seria por isso que Daniel se abstinha de participar de seu vinho.

Ele pediu que ele não "se contaminar". O fato de Daniel ser a favor do eunuco chefe do rei é um claro testemunho de seu caráter notável. Mas o eunuco temeu por sua vida se Daniel não comesse a comida dos reis. Se os quatro jovens não parecessem tão saudáveis quanto os outros, isso significaria a cabeça do chefe eunuco (ver também Neemias 2:1-2).

IV. A Proposta de Daniel em um Tempo de Desafio (vv. 11-16).

Daniel propôs ao “despenseiro” - isto é, um oficial inferior que trabalhava sob o comando do chefe eunuco (chamado na língua original “o Melzar”) - que um tempo de teste fosse administrado. Durante dez dias, ele e seus companheiros só comeriam vegetais. Depois desse período, eles poderiam ser reexaminados, e o despenseiro poderia fazer o que ele achava melhor.

Muito provavelmente, se eles não conseguissem mostrar uma melhora, eles ainda teriam se recusado a se contaminar - e teriam de bom grado sofrido as consequências! No final do teste de dez dias, no entanto, eles pareciam melhores do que todos os outros. Como resultado, o despenseiro tirou a provisão do rei para longe de todos os jovens e alimentou-os com a dieta que Daniel e seus amigos pediram. Daniel agiu com sabedoria diante da autoridade. Ele não resistiu ou se rebelou; mas ofereceu uma alternativa.

V. A Benção de Daniel Após o Exame (vs. 17-21).

Deus abençoou Daniel e seus três amigos com grande superioridade sobre os outros. Eles foram excelentes no conhecimento da literatura e sabedoria; e Daniel foi especialmente abençoado com a capacidade de compreender sonhos e visões (uma habilidade que desempenha um grande papel no restante do livro).

Ao comparecer diante do rei, eles foram encontrados (literalmente) “dez vezes” acima de todos os outros; e foram feitos para servir o rei. Daniel permaneceu em serviço até o reinado do rei Ciro dos persas - uns sessenta e cinco anos depois!

Conclusão: A obediência de Daniel à lei de Deus - mesmo em uma terra pagã e durante um tempo em que ninguém mais obedecia - foi um teste de fidelidade. Ele era respeitoso; mas sua posição fiel levou a Deus concedendo-lhe o privilégio de servir como o profeta dos séculos.

Deus deu-lhe uma grande percepção, porque ele havia se mostrado fiel em uma coisa pequena. Isso nos lembra que nossa própria utilidade para Deus nas circunstâncias futuras vem da nossa fidelidade a Deus nos momentos atuais de prova. Vamos nos manter fiéis e fazer a diferença?