A Provisão de Deus Para o Nosso Crescimento Espiritual
Texto: 1 Pedro 2:1-2

Introdução: Uma ideia falsa mantida por muitos é que o filho de Deus nasce plenamente crescido. Eles acreditam que, uma vez que uma pessoa se converta, instantânea e automaticamente, ela se torna um cristão maduro. Consequentemente, a conduta cristã madura é esperada daqueles que são na realidade simples bebês na família de Deus. Mas o nascimento espiritual não produz automaticamente a maturidade espiritual. Nas palavras de nosso texto, Pedro fala aos novos conversos sobre sua necessidade contínua de deixar de lado atitudes e ações que são contraditórias ao espírito e aos ensinamentos de Cristo. Afirma que eles serão capazes de deixar essas atitudes prejudiciais à medida que crescem espiritualmente.

Muitos novos convertidos ficam muito angustiados por não terem conseguido chegar ao que acreditam que deveriam ser como seguidores de Jesus Cristo. Eles erroneamente trabalham sob a impressão de que uma vez que você se torne um filho de Deus, o caráter e a maturidade cristã seguirão naturalmente. Alguns ficam terrivelmente angustiados ao descobrir que, apesar de terem uma nova natureza dentro de seus corações, o mal continua atormentando-os.

Como filhos de Deus, cada um de nós precisa reconhecer que o crescimento espiritual é tanto uma responsabilidade quanto uma oportunidade contínua. Também precisamos encarar nossa responsabilidade para com os cristãos mais novos, aqueles que são apenas bebês em Cristo, e fazer tudo o que pudermos para ajudá-los em seu progresso em direção à maturidade espiritual.

Todas as pessoas são criaturas de Deus, mas somente aqueles que são nascidos de novo são filhos de Deus. Se os filhos de Deus se tornam servos de Deus, eles devem crescer. Nosso texto fala das provisões para nosso crescimento. Fala do nosso Pai, nosso alimento e nosso futuro como filhos de Deus.

I. Nosso Pai.

A. Somos os pequeninos de Deus - bebês em Cristo. Nós podemos ser velhos em pecado, mas somos jovens em Cristo no momento do nosso nascimento espiritual.

B. Este texto deve nos ensinar humildade. Nosso é o privilégio de sermos filhos do eterno Deus. João regozijou-se com a certeza da filiação: “Vede que tipo de amor o Pai nos deu, para que fôssemos chamados filhos de Deus; por isso o mundo não nos conhece, porque não o conheceu. Amados, agora somos os filhos de Deus, e ainda não aparece o que seremos, mas sabemos que, quando ele aparecer, seremos como ele; porque o veremos como ele é ”(1 João 3:1-2).

C. Este texto deve transmitir esperança a cada um de nós. Nós não somos o que deveríamos ser. Nem nós somos agora o que podemos ser. O Pai celestial fez provisões para nosso crescimento. Com o passar do tempo, será possível nos assemelharmos tanto ao Pai celestial como o nosso irmão mais velho.

D. Este texto nos revela a atitude que devemos ter em relação ao Pai celestial.
1. Como seus filhos, devemos amá-lo.
2. Como seus filhos, devemos confiar nele implicitamente.
3. Como seus filhos, devemos obedecê-lo.

II. Nosso Alimento.

A. O Pai fez provisões para seus filhos.
1. Na igreja, ele nos deu uma família para crescer em direção à maturidade espiritual e à eficácia.
2. Na Bíblia, ele nos deu o leite, a carne e o pão que precisamos para a energia espiritual.

B. O leite sincero da Palavra.
1. “Nascer de novo. . . pela palavra de Deus ” (1 Pedro 1:23).
2. Purifique sua alma, obedecendo a verdade da Palavra de Deus (1 Pedro 1:22).
3. A Palavra de Deus tem a vida de Deus nela (1 Timóteo 3:16 - 17; 1 Pedro 1:23).
4. A Palavra de Deus dura para sempre (1 Pedro 1:25).

C. Deseje o leite sincero da Palavra. É uma lei da natureza e também uma lei no reino espiritual que logo após o nascimento o recém-nascido tem um apetite por alimento. O filho de Deus desejará o leite da Palavra de Deus.
1. Devemos conhecer a verdade de Deus revelada em sua Palavra.
2. Devemos obedecer à verdade de Deus aprendida a partir do estudo de sua Palavra. Quando estudamos e obedecemos a Palavra de Deus, nossa fé cresce, nosso amor se aprofunda e ganhamos força e vitalidade espiritual.

III. Nosso Futuro.

Pedro revela o nobre destino que Deus planejou para seus filhos. É a vontade de Deus que os seguidores de Cristo assumam os privilégios e as responsabilidades que foram concedidos a Israel como nação.

A. Nós somos uma geração escolhida.
B. Nós somos sacerdócio real.
C. Nós somos nação santa.
D. Nós somos povo para a possessão de Deus.
E. Nós devemos mostrar os louvores daquele que nos chamou das trevas para a luz.

Conclusão: O nobre destino que Deus propôs para nós revela a necessidade de nosso crescimento para a maturidade espiritual.