Entrando na Santa Presença de Deus
Texto: Êxodo 40:1-38

Introdução: Eu nunca conheci a Rainha da Inglaterra (e provavelmente nunca vou conhecer), mas eu entendo que antes de conhecer a Rainha, você precisa aprender algumas regras de etiqueta apropriada sobre o que fazer ou não fazer e dizer na presença dela. A regra básica é não ser íntimo e familiar. Respeito e formalidade adequada são essenciais. Até o príncipe Charles se curva a sua mãe e a chama de "senhora". No Brasil, não temos realeza, então provavelmente somos um pouco confiantes sobre como podemos saudar nossos líderes.

Mas a questão mais importante é: como você entra na santa presença de Deus? Ele é seu bom amigo no céu? Você pode simplesmente entrar na presença Dele e pedir os favores de que precisa? Ou existe uma maneira certa e errada de entrar na presença do Rei dos reis? A verdade é que, um dia, todos estaremos na gloriosa presença de Deus, seja por recomendação (“Muito bem, servo bom e fiel”) ou por condenação (“apartai-vos de mim”). A diferença será determinada se, nesta vida, você entrou em Sua santa presença pela maneira que Ele providenciou.

O tabernáculo do Antigo Testamento foi projetado para ensinar a Israel como entrar na presença do Santo Deus. Tem sido dito que a Bíblia tem apenas dois capítulos de como Deus criou o universo, mas dedica 50 capítulos ao tabernáculo. Na verdade, mais espaço é dedicado ao tabernáculo do que a qualquer outro assunto único nas Escrituras! Mas eu estou supondo que, se você for honesto, você terá que admitir que quando você lê a Bíblia, você pula ou folheia os capítulos que descrevem esta estrutura que Israel construiu e carregou através do deserto. Se você é realmente honesto, você pode até admitir que você tem pavor de ler esses capítulos!

Não há uma porção da Escritura mais rica em significado, ou mais perfeita em seu ensino do plano de redenção, do que este edifício divinamente projetado.

O Tabernáculo é o mais grandioso de todos os tipos de Cristo do Velho Testamento. Em seu maravilhoso mobiliário, sacerdócio e adoração, vemos, com uma vivacidade que não encontramos em nenhum outro lugar, a glória e a graça de Jesus e os privilégios de Seu povo redimido.

Desde que os livros foram escritos no tabernáculo, eu posso apenas roçar a superfície nesta mensagem. Mas ao estudar a vida de Moisés, pensei que deveria dar uma visão geral dessa característica central da adoração de Israel que Deus orientou Moisés a construir. Aplicada a nós, a mensagem é:

Para entrar na presença santa de Deus você deve entrar através do único caminho que Ele providenciou.

Se você tentar se aproximar de Deus de qualquer outra forma, as consequências podem ser severas. Nadabe e Abiu, dois filhos de Arão que eram sacerdotes, foram criativos e ofereceram “fogo estranho”, que Deus não havia ordenado. Imediatamente (Levítico 10:2), “O fogo saiu da presença do Senhor e os consumiu, e eles morreram perante o Senhor”. Você pode pensar: “Mas isso foi no Antigo Testamento!” Mas, se você tentar entrar na santa presença de Deus pelo seu próprio caminho, em vez do caminho de Deus, um dia você será eternamente excluído da presença de Deus (Mateus 25:10-12). Então é importante acertar isso!

1. O Caminho de Deus Para a Sua Presença Era Através do Tabernáculo, Que Retrata Jesus Cristo.

Em Êxodo 25:8-9, Deus ordenou a Moisés: “E me farão um santuário, para que eu habite no meio deles. Conforme a tudo o que eu te mostrar para modelo do tabernáculo, e para modelo de todos os seus móveis, assim mesmo o fareis”. Assim, pelo mandamento de Deus, o tabernáculo era para ser Sua morada entre Israel. Quando você chega ao Novo Testamento, você lê (João 1:14), “E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a Sua glória, glória como do unigênito do Pai, cheio de graça e verdade”. A palavra “habitou” é literalmente “tabernaculou”. Assim como a glória de Deus foi revelada no tabernáculo do Antigo Testamento, Ele também revelou Sua glória em nosso tabernáculo, o Senhor Jesus Cristo. Pedro, Tiago e João viram essa glória revelada no monte quando Jesus se transfigurou diante deles, com Moisés e Elias presentes (Mateus 17:1-13).

A glória do amor, santidade, justiça e graça de Deus também foi mostrada supremamente na cruz. Jesus, o sumo sacerdote perfeito e final, oferecendo-se como o Cordeiro de Deus, abriu o caminho para a presença de Deus para todos os que passam por Ele! Quando Ele morreu, o véu no templo separando o lugar santo do santo dos santos foi rasgado de alto a baixo (Mateus 27:51). O tabernáculo do Velho Testamento retratou Jesus e Sua morte sacrificial como a única maneira de entrarmos na santa presença de Deus. De fato, é aqui que Deus está tomando toda a história. Em Apocalipse 21:1-3, João escreveu:

“E vi um novo céu e uma nova terra. Porque já se foram o primeiro céu e a primeira terra, e o mar já não existe. E vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que descia do céu da parte de Deus, adereçada como uma noiva ataviada para o seu noivo. E ouvi uma grande voz, vinda do trono, que dizia: Eis que o tabernáculo de Deus está com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e Deus mesmo estará com eles”.

Porque o tabernáculo é um tipo incrivelmente preciso do Senhor Jesus Cristo, escrito cerca de 1.400 anos antes de Ele nascer, serve como forte evidência para a inspiração divina da Escritura e prova de que Jesus é o Messias de Deus. Não poderia ser coincidência que Jesus tenha cumprido tantos aspectos do tabernáculo, alguns dos quais eu mencionarei a medida que passamos por ele!

A. Deus ordenou todos os detalhes do tabernáculo.
Em Êxodo 39 e 40, que descrevem a construção das vestes sacerdotais e do tabernáculo, a frase “como o Senhor ordenara a Moisés” ocorre 17 vezes (Êxodo 39:1, 5, 7, 21, 26, 29 31, 42, 43; Êxodo 40:16, 19, 21, 23, 25, 27, 29, 32; 25:8-9)! Sete vezes na Bíblia nos é dito que Moisés fez o tabernáculo segundo o modelo que lhe foi mostrado no monte (Êxodo 25:9, 40; 26:30; 27:8; Números 8:4; Atos 7:44; Hebreus 8:5). Mais uma vez, isso mostra a inspiração detalhada das Escrituras! O tabernáculo não era uma ideia brilhante de Moisés. Ele veio diretamente de Deus para Moisés para Israel e para nós como um retrato do Salvador que forneceria o caminho para que todas as pessoas entrassem em Sua santa presença.

B. Uma visita guiada: o tabernáculo está montado.
O tabernáculo, chamado “tenda da revelação”, foi estabelecido pela primeira vez um ano após o dia em que Israel saiu do Egito (Êxodo 40:2). Pelos próximos 39 anos, ele seria montado e desmontado toda vez que Israel se mudasse para um novo lugar no deserto (pelo menos 31 acampamentos diferentes depois do Monte Sinai, Números 33:5-49!). Se você já acampou com sua família, sabe o quanto é demorado montar e, em seguida, desmontar tudo em seu acampamento. Isso teria sido muito mais complicado! O tabernáculo media 45 pés de comprimento por 15 pés de largura e era coberto por três camadas de peles de animais. Aqui está um breve esboço, baseado em Êxodo 40:

1) A arca do testemunho e o véu:
A arca (Êxodo 40:3, 20, 21), colocada no santo dos santos, era feita de madeira revestida de ouro, representando a humanidade e divindade de Cristo. Media cerca de 4x2x2 pés, com anéis de ouro para transportar. Continha os Dez Mandamentos, um vaso de maná e (depois, Números 17:1-10) a vara de Arão que floresceu. Os dez Mandamentos representava a santa lei de Deus para o Seu povo. Jesus guardou a lei de Deus perfeitamente. Seu sangue expiatório no propiciatório está entre nós e a santa presença de Deus. O jarro de maná lembrou a Israel o sustento diário que Deus proveu para eles no deserto, assim como Cristo nos sustenta diariamente. A vara de Arão que floresceu representa Jesus como o sumo sacerdote escolhido por Deus, que possui vida em si mesmo.

O propiciatório de ouro puro no topo da arca era onde o sumo sacerdote aspergia o sangue uma vez por ano para expiar os pecados de Israel. Dois querubins pairavam sobre a arca com os rostos voltados para o propiciatório e suas asas tocando acima. O santo dos santos onde estava o tabernáculo era um cubo perfeito, como a nova Jerusalém será. A única luz veio da glória de Shekinah, também verdadeira na nova Jerusalém (Apocalipse 21:23).

O véu azul, púrpura e carmesim (Êxodo 26:31-32; 40:21), feito de linho retorcido com querubins, separava o santo dos santos do lugar santo. A tradição diz que era um palmo de espessura. Foi milagroso quando o véu no templo foi rasgado de alto a baixo quando Jesus morreu! Somente o sumo sacerdote, apenas uma vez por ano, poderia ir além do véu para fazer expiação pelo povo.

2) A mesa dos pães da proposição:
Movendo-se para o lugar santo, a mesa dos pães da proposição no lado norte (Êxodo 25:23-30; 37:10-16; 40:22-23) tinha cerca de 3 pés de comprimento, 18 polegadas de largura e 27 polegadas de altura. Era feita de madeira de acácia coberta de ouro, com anéis de ouro presos para transportá-la. Em cima da mesa, os sacerdotes colocavam doze pães, um para cada tribo, e os substituíram por pães frescos a cada semana. Havia também cálices para as ofertas de vinho.

A mesa em si, como a arca, feita de madeira coberta de ouro, retrata Jesus em Sua perfeita humanidade e divindade intacta. O pão era chamado “o pão da proposição” (Êxodo 25:30). Junto com o vinho, o pão retratava Jesus como o Pão da Vida, cuja carne é alimento verdadeiro e cujo sangue é a verdadeira bebida (João 6:55). Ele é Emanuel (Mateus 1:23), Deus presente conosco. Ele fornece alimento espiritual e sustento a todos os que se alimentam Dele.

3) O candelabro de ouro:
O candelabro era feito de um talento (cerca de 40 quilos) de ouro puro e colocado no lugar santo no lado sul, oposto à mesa dos pães da proposição (Êxodo 25:31-40; 37:17-24; 40:24). Consistia de um tronco ou ramo no centro, com três ramos saindo de cada lado. O ouro puro retrata Jesus em Sua divindade como aquele que revela o Pai a nós (João 14:9). As sete lâmpadas retratam Jesus como a perfeita revelação do Pai para nós. O candelabro era a única fonte de luz no lugar sagrado. Jesus é a nossa única fonte para a verdadeira sabedoria e conhecimento (Colossenses 2:3; Provérbios 21:30). As lâmpadas queimavam azeite puro, um símbolo do Espírito Santo. Jesus fez tudo em Seu ministério terreno no poder do Espírito (Lucas 4:1). Da mesma forma, o Espírito Santo revela a sabedoria de Deus em Cristo para nós (1 Coríntios 2:6-13).

Jesus proclamou de Si mesmo (João 8:12): “Eu sou a Luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida”. Ninguém a não ser Deus em carne humana poderia legitimamente fazer tal afirmação! Da nova Jerusalém, lemos (Apocalipse 21:23), “A cidade não necessita nem do sol, nem da lua, para que nela resplandeçam, porém a glória de Deus a tem alumiado, e o Cordeiro é a sua lâmpada”

4) O altar do incenso
O altar do incenso (Êxodo 30:1-10; 37:25-28; 40:26-27) tinha três pés de comprimento, 18 polegadas de largura e 24 polegadas de altura, com anéis de ouro para transportá-lo. Era feito de madeira de acácia coberta com ouro puro, novamente representando Cristo em Sua humanidade e divindade. Foi colocado fora do véu que separava o Santo dos Santos do lugar sagrado. Toda manhã, quando Arão colocava em ordem as lâmpadas, ele oferecia incenso aromático sobre este altar (Êxodo 30:7). Uma vez por ano ele aspergiu com o sangue da oferta pelo pecado.

Este altar e o incenso queimando retratam Jesus Cristo como nosso sumo sacerdote, que agora está à direita do Pai, orando por nós (Romanos 8:34; Hebreus 7:25). E como agora somos crentes-sacerdotes, o incenso também representa as orações dos santos (Apocalipse 5:8; 8:3, 4).

5) O altar da oferta queimada:
Saindo do lugar santo e entrando no pátio, o altar de holocaustos (Êxodo 27:1-8; 38:1-7; 40:29) era o primeiro item que um sacerdote ou adorador encontraria depois de entrar no complexo. Era de madeira coberta de bronze, um símbolo de julgamento, e tinha sete pés quadrados e quatro e meio metros de altura, com chifres nos quatro cantos e anéis para o transporte. Ensinava a Israel que o único caminho para a presença santa de Deus era através dos sacrifícios apropriados (descritos em Levítico 1-7, 16; Números 19). Deus ordenou sacrifícios de sangue porque a vida da carne está no sangue (Levítico 17:11) e a penalidade pelo nosso pecado é a morte. Deus aceitou esses sacrifícios substitutos no lugar do pecador culpado. Mas todos os sacrifícios do Antigo Testamento apontavam para Jesus, o sacrifício perfeito e final de Deus pelos nossos pecados (Hebreus 9:11-14; 10:1-18). Agora não há mais necessidade de sacrifícios de animais.

6) A pia:
Entre o altar do holocausto e a entrada do lugar santo estava a pia, ou bacia para lavar (Êxodo 30:17-21; 38:8; 40:30-32). Também era feita de bronze, feito dos espelhos das mulheres que serviam na entrada do tabernáculo. Os sacerdotes tinham que lavar as mãos e os pés nesta pia antes de entrarem no lugar sagrado e quando se aproximavam do altar para oferecer oferendas queimadas. Retratava Jesus como aquele que nos purifica de toda contaminação e pecado através da água da Palavra e Seu Espírito (João 3:5; 13:1-18; Efésios 5:26; Ezequiel 36:25; Zacarias 13: ). Pela fé em Jesus, podemos ter nossos corações purificados de uma consciência maligna e nossos corpos lavados com água pura (Hebreus 10:22).

7) O Átrio:
O átrio (Êxodo 27:9-18; 38: 9-20; 40:33) era formado por cortinas de linho, penduradas entre colunas. Media cem côvados de comprimento por cinquenta côvados de largura. O átrio separava a presença de Deus do resto do acampamento. Mas havia uma entrada, mostrando que podemos entrar em Sua presença através do sacrifício apropriado, que é Jesus Cristo.

O tabernáculo estava localizado no centro do acampamento de Israel, mas se entrava pelo acampamento de Judá, sugerindo que Jesus nasceria da tribo de Judá (a tribo de Davi). Sua centralidade mostra que Jesus deveria estar sempre no centro de seu povo.

C. A dedicação: O tabernáculo é consagrado.
Depois que o tabernáculo foi concluído, Deus disse a Moisés para ungir o tabernáculo e tudo o que havia nele com o óleo da unção (Êxodo 40:9-11). Isso simbolizava a unção do Pai a Jesus com o Espírito Santo no Seu batismo. Da mesma forma, todo crente em Cristo recebe o Espírito Santo, que o diferencia para Deus (Romanos 8:9).

Assim, o caminho de Deus para a Sua presença foi através do tabernáculo, que retrata Jesus Cristo, o verdadeiro tabernáculo. Mas também,

2. O Caminho de Deus Para a Sua Presença Era Através Dos Sacerdotes Consagrados, Agora Cumpridos em Jesus Cristo.

Todos os israelitas podiam entrar no pátio do tabernáculo para trazer sacrifícios ao altar, mas isso é o máximo que eles poderiam ir. Não havia visitas guiadas para mostrar às pessoas como era o interior do tabernáculo! Somente os sacerdotes podiam entrar no lugar sagrado e somente o sumo sacerdote podia entrar no Santo dos Santos uma vez por ano no Dia da Expiação. Ele só podia entrar depois de oferecer um sacrifício pelos seus próprios pecados e depois levar o sangue expiatório pelos pecados do povo.

Mas quando Jesus morreu, o caminho para a presença de Deus foi aberto através da Sua morte. Agora todo crente em Cristo é um sacerdote com acesso, não apenas ao lugar santo, mas até mesmo no santo dos santos, na santa presença de Deus (Hebreus 4:14-16; Efésios 2:18; 1 Pedro 2:9)! Mas assim como os sacerdotes do Antigo Testamento tiveram que ser ungidos e purificados antes de entrarem no tabernáculo (Êxodo 40:12-15, 31-32), então só podemos entrar na santa presença de Deus quando somos entregues ao Espírito Santo e purificados confessando todos os nossos pecados (1 João 1:9).

3. A Glória de Deus Através da Nuvem, Agora Cumprida no Espírito Santo, Mostrou Sua Aprovação do Tabernáculo.

Depois que o tabernáculo foi montado pela primeira vez, a nuvem cobriu-o e a glória de Deus encheu-o de uma forma tão incomum que Moisés não pôde entrar (Êxodo 40:34-35). As pessoas podiam ver que o tabernáculo não se devia ao gênio de Moisés. Ele havia realizado apenas o projeto específico de Deus. Tudo o que ele podia fazer nessa ocasião era se prostrar com todo o povo e adorar o Deus da glória que estava satisfeito em habitar com o Seu povo neste tabernáculo. A nuvem que se instalou no tabernáculo daquele dia em diante durante o tempo de Israel no deserto proveu pelo menos três coisas.

Primeiro, a nuvem era um lembrete visível da presença de Deus com o Seu povo. Os israelitas podiam vê-la durante o dia e à noite se tornava uma coluna de fogo. Mostrava a Israel a transcendência de Deus: Ele é muito maior do que nós e está separado da Sua criação pela Sua santidade. E mostrava a imanência de Deus: Ele é gracioso por habitar com o Seu povo escolhido. Quando o ressuscitado Senhor Jesus retornou ao Pai, Ele prometeu não nos deixar como órfãos, mas enviar Seu Espírito para habitar em nós (João 14:16-17), o que foi cumprido no dia de Pentecostes.

Em segundo lugar, a nuvem representava a proteção de Deus sobre Israel. A nuvem protegia-os do calor do deserto durante o dia. Como fogo, iluminava e os aquecia durante à noite (Salmo 105:39). Quando o exército de Faraó perseguiu Israel nas margens do Mar Vermelho, a nuvem se moveu para trás deles para fornecer uma barreira de escuridão para os egípcios, mas uma fonte de luz para Israel (Êxodo 14:19-20). A presença do Espírito Santo conosco nos assegura que ninguém pode nos prejudicar além de Sua vontade soberana (João 16:1-7; Lucas 21:12-19).

Terceiro, a nuvem fornecia a orientação de Deus para Israel através do deserto. Quando a nuvem se movia, Israel se movia. Quando ficava parada, Israel ficava parado. A princípio, você pode pensar: “Eu gostaria que a orientação de Deus fosse tão clara assim para mim!” Mas, a orientação da nuvem poderia ter sido uma verdadeira dor de cabeça. Você acabou de arrumar sua barraca e desembalar suas coisas e a nuvem começou a se mover! Então, você empacota tudo e segue. Você parou para jantar e quer dormir durante a noite, mas a nuvem, agora um pilar de fogo, continua! Então, da próxima vez que você diz: "Não desmonta nada nesse momento. Vamos esperar até que a nuvem se mova”. Mas desta vez não se move por semanas! Então você finalmente desembala tudo e monta sua barraca, apenas para ver a nuvem se movendo! Deus não lhes dava nenhum aviso: eles apenas tinham que seguir essa nuvem muitas vezes frustrante!

Deus não nos guia através da nuvem, mas através do Seu Espírito Santo. Ele habita em nós para nos guiar em toda a Sua verdade através da Sua Palavra, que revela a vontade de Deus sobre como devemos viver (João 16:13; Romanos 8:15-17; 1 Coríntios 2:6-13). Mas, nós temos que segui-lo quando ele lidera, mesmo que isso não seja conveniente! Temos que obedecer a seus comandos, mesmo quando eles podem não ser o que queríamos ouvir!

Conclusão: Você pode até não querer entrar na santa presença de Deus, mas como eu disse no começo desta mensagem, algum dia você estará lá! É muito melhor vir agora pela única maneira que Ele providenciou: confiar na morte e ressurreição de Jesus em seu favor. Ele é o tabernáculo de Deus que habitou entre nós. Ele convida você a entrar na presença santa de Deus através do Seu sangue.

Como crentes em Cristo, visto que Jesus é o nosso tabernáculo onde encontramos com Deus e nosso sumo sacerdote, temos o grande privilégio de nos aproximarmos diariamente de Deus através dele (Hebreus 4:14-16):

“Tendo, portanto, um grande sumo sacerdote, Jesus, Filho de Deus, que penetrou os céus, retenhamos firmemente a nossa confissão. Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado. Cheguemo-nos, pois, confiadamente ao trono da graça, para que recebamos misericórdia e achemos graça, a fim de sermos socorridos no momento oportuno”.