Vida Santa no Espírito
Título do Estudo Bíblico: Vida Santa no Espírito

Texto da lição: Gálatas 5:18 - 6:10

Introdução: A vida cristã é uma luta diária entre a carne e o Espírito. A carne, o que somos por natureza, é forte e pode causar muitos problemas para o crente. Mas o Espírito Santo é mais forte e prevalece.

Em nosso texto da lição, o apóstolo Paulo descreve a obra do Espírito em nossas vidas enquanto ele luta contra a carne e nos conduz vitoriosamente. Paulo tem falado sobre a importância do amor e como ele cumpre a Lei e sobre o perigo de não amar, o que resulta em morder e devorar um ao outro como crentes.

Onde o crente consegue a força para amar um ao outro quando não é natural faze-lo? Como o crente sabe qual caminho certo ou qual caminho seguir? Como o crente sabe viver? A resposta é a Lei ou o Espírito.

Nenhuma lei externa ou conjunto de regras pode dar a força necessária para viver a vida cristã. Nenhuma lei externa pode nos dar o desejo de obedecer ou nos encher de amor. Nenhuma lei externa pode produzir vida santa. A lei pode fornecer orientação a uma pessoa e limites para viver. Mas não tem poder para produzir uma vida santa. Paulo quer que os gálatas saibam que a vida santa é possível somente através do Espírito de Deus.

Uma Escolha a Fazer (Gálatas 5:18)

Verso 18 “Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais debaixo da lei”.

Todo crente em Jesus Cristo tem o Espírito Santo. No momento da fé, o Espírito habita no crente e sela-o até o dia da redenção (Efésios 1:13). É o Espírito Santo, não a Lei, que é nosso guia, protetor e Aquele que nos capacita a viver a vida cristã e vencer a carne.

“Mas, se sois guiados pelo Espírito” significa que o crente deve fazer uma escolha para seguir a liderança do Espírito. Os cristãos são “guiados pelo Espírito”. O Espírito toma a iniciativa de liderar, mas devemos fazer uma escolha para segui-Lo contra a atração da carne. Como o Espírito nos conduz? Ele sempre conduz de acordo com os princípios da Palavra de Deus. Através da palavra de Deus, Ele nos guia e nos ilumina para a vontade de Deus. O crente que é voluntariamente “conduzido pelo Espírito” prova que ele não está vivendo “debaixo da lei”.

Evidência de uma Vida Carnal (Gálatas 5:19-21)

Nos versículos 19-21, Paulo dá a evidência de uma vida carnal, não vivida sob a liderança do Espírito Santo. Esta lista de pecados é uma medida da verdadeira condição espiritual de uma pessoa e evidencia a ausência da verdadeira salvação. Paulo não está falando de atos de uma só vez, mas de um padrão de vida que ele chama de "as obras da carne".

Verso 19-21 “Ora, as obras da carne são manifestas, as quais são: a prostituição, a impureza, a lascívia, a idolatria, a feitiçaria, as inimizades, as contendas, os ciúmes, as iras, as facções, as dissensões, os partidos, as invejas, as bebedices, as orgias, e coisas semelhantes a estas, contra as quais vos previno, como já antes vos preveni, que os que tais coisas praticam não herdarão o reino de Deus”.

Paulo começa dizendo: “Ora, as obras da carne são manifestas, as quais são …” Isso significa que elas são óbvias para todos e claramente vêm da velha natureza pecaminosa. A lista de Paulo não é completa. Ele diz: "e coisas semelhantes a estas", o que significa que há muito mais pecados que poderiam ser adicionados à lista.

A lista das “obras da carne” não é fácil de categorizar, mas inclui pecados sexuais, pecados religiosos, pecados sociais e pecados relacionados a álcool e drogas. Por causa do nosso estudo hoje, vamos dar uma definição simples e breve de cada palavra.
  • Adultério - infidelidade sexual por parte de dois indivíduos, quando um deles é casado com uma terceira pessoa.
  • Prostituição - é a palavra grega porneia de onde obtemos nossa palavra portuguesa, pornografia. Esta palavra refere-se a toda e qualquer forma de relações sexuais ilícitas.
  • Impureza - um termo amplo que se refere à impureza moral no pensamento, palavra ou ação (Efésios 5:3-4).
  • Lascívia - é uma exposição aberta e desavergonhada de atividades imorais. Ela carrega a ideia de obscenidade.
  • Idolatria - a adoração da divindade de uma forma visível, quer a imagem adorada seja o símbolo do verdadeiro Deus ou de um falso deus. Tudo o que colocamos nosso afeto antes de Deus se torna um objeto de idolatria.
  • Feitiçaria - “é a tradução da palavra grega pharmakeia da qual vem o termo “farmácia. Nos tempos antigos, a adoração dos poderes do mal era acompanhada pelo uso de drogas para criar transes. Esse vício também será proeminente no período da Tribulação (Apocalipse 9:21; 18:23)”.
  • Ódio - significa “abominar”. Qualquer um que nutra antipatia por alguém até o ponto de detestá-lo está manifestando os atos da carne.
  • Facções - é o resultado do ódio. Significa discórdia ou dissensão. Este foi provavelmente um grande problema na igreja da Galácia por causa da lei versus a divisão da graça.
  • Emulação - é competição ou rivalidade. Quando, por causa da inveja, você se esforça para ser igual ou superior aos outros, manifesta as ações da carne.
  • Ira - é uma explosão de raiva violenta vinda de ciúmes latentes. É um ressentimento furioso no interior, finalmente saindo como um vulcão em erupção.
  • Contenda - é uma disputa pela superioridade entre dois indivíduos. É a atitude que se mostra em superar os outros às suas custas (Filipenses 2:3).
  • Dissensões - são divisões. As dissensões são um problema na igreja, resultando em uma comoção ou rebelião.
  • Heresias - são escolas de pensamento contrárias à doutrina bíblica e à fé cristã.
  • Inveja - é um desejo errado de possuir o que pertence aos outros.
  • Assassinatos - é a tomada ilegal e intencional de um ser humano por outro ser humano de boa mente. "Assassinato" também pode ser cometido de outras maneiras (1 João 2:11; 3:15).
  • Bebedices - é o uso excessivo de bebidas intoxicantes fortes. Inclui também sendo intoxicado pela indulgência mundana.
  • Orgias - é da palavra grega komos. A palavra significa “orgias” ou “bacanal”. Isso sugere engajar-se em atividades que eliminam toda restrição moral.
“… contra as quais vos previno, como já antes vos preveni”, indica que Paulo havia avisado previamente aos gálatas sobre esses pecados. “os que tais coisas praticam não herdarão o reino de Deus”, não significa que um crente pode perder sua salvação se cometer um desses pecados. Isso não significa que os cristãos nunca cometem esses pecados. Os cristãos cometem esses pecados e outros. Paulo está dizendo que se esses pecados são característicos da vida de alguém, e eles os cometem habitualmente, eles serão excluídos do reino de Deus (1 Coríntios 6:9-11). “Não podemos entrar no reino de Deus por nossos próprios esforços, sendo bons e guardando a lei. Mas certamente podemos ser mantidos fora do reino de Deus praticando esses pecados”.

Evidência de Uma Vida Espiritual (Gálatas 5:22-26)

Verso 22-23 “Mas o fruto do Espírito é: o amor, o gozo, a paz, a longanimidade, a benignidade, a bondade, a fidelidade. a mansidão, o domínio próprio; contra estas coisas não há lei”

Um verdadeiro filho de Deus terá um padrão de vida que produz “o fruto do Espírito”. Os nove frutos da lista do Espírito Paulo estão em contraste com as obras da carne listadas nos versículos 19-21. Note que eles são chamados de “fruto” em contraste com “obras” no versículo 19. “Obras” falam do que o homem pode fazer. O “fruto” deve crescer a partir da vida existente, que neste caso é o Espírito Santo que habita no crente.

O "Fruto" é singular, que enfatiza que todas as nove dessas virtudes são uma unidade. Eles não podem ser separados. Todos eles andam juntos como um cacho de uvas. Se algum está faltando, então não temos o "fruto do Espírito".
  • Amor - é a palavra grega ágape e significa “amor abnegado”. O amor abnegado é uma marca distintiva de um verdadeiro discípulo de Jesus Cristo (João 13:35). Amar uns aos outros é o que o mundo deve ver do filho de Deus. Mas o mais importante é que o amor deve ser direcionado para Deus. É a motivação para tudo que fazemos como crentes. "Amor" é produzido pelo Espírito Santo, não pelas obras da carne (Romanos 5:5).
  • Gozo - é a palavra grega chara e significa “um profundo e permanente regozijo interior que foi prometido a todos os que habitam em Cristo (João 15:11). Gozo e felicidade são duas coisas diferentes. A felicidade depende das circunstâncias e não é confiável. O “gozo” depende do Senhor e é confiável. Os crentes têm esse “gozo” por causa do que Cristo fez por nós, não por causa do que fizemos por nós mesmos.
  • Paz - é “quietude interior diante de circunstâncias adversas”. É o dom de Cristo para o crente e desafia a compreensão humana (João 14:27; Filipenses 4:7).
  • Longanimidade - significa “sofrer por muito tempo”. É uma virtude que tem origem em Deus (Êxodo 34:6). Não tem pensamentos de retaliação.
  • Benignidade - é “bondade em ação”. Visto que Deus é bondoso com os pecadores, os crentes devem ser bondosos com os pecadores e com todos (Colossenses 3:12).
  • Bondade - é uma virtude que “alcança os outros para fazer o bem quando o bem não é merecido”. Não há “bondade” no homem pecador (Romanos 7:18). Mas uma vez que somos salvos pela graça de Deus, somos uma nova criação e pelo Espírito Santo podemos dar o fruto da “bondade” (Romanos 15:14).
  • Fidelidade - é a palavra grega pistis é “a qualidade que torna uma pessoa confiável ou fidedigno, como o servo fiel em Lucas 16:10-12”.
  • Mansidão - é uma atitude humilde e gentil que é submissa, ensinável e atenciosa com os outros (Efésios 4:2).
  • Temperança - é “autocontrole em todas as coisas”. Enquanto o incrédulo pode exercer uma certa quantidade de autocontrole, a “temperança” do crente é mais do que a mente e as emoções sendo controladas pela força da vontade humana. Essa "temperança" é a vontade humana sendo controlada pelo Espírito Santo.
“contra estas coisas não há lei”, significa que o “fruto do Espírito” está acima do reino da “lei”. Nenhuma “lei” pode fazer um homem amar, dar-lhe alegria e paz, ou produzir as virtudes listadas no “fruto do Espírito”. Sob o controle do Espírito Santo, o crente se eleva acima dos próprios padrões da lei.

Verso 24 “E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências”.

“E os que que são de Cristo crucificaram a carne” é um lembrete para os gálatas de que o relacionamento deles com a carne está morto. No momento da salvação, todas as paixões e desejos carnais são “crucificados”. “Crucificados” significa “aconteceu em um ponto no tempo”. A morte do velho homem e o poder da carne com “as afeições e luxúrias” foi garantido para todo crente quando Cristo morreu na cruz (Romanos 6:11).

Versículo 25 "Se vivemos pelo Espírito, andemos também pelo Espírito".

Estas palavras não questionam se o crente está vivo em Cristo pela obra do Espírito Santo. A ideia é que, como isso é um fato, nós “vivemos no Espírito”, devemos “também andar no Espírito”.

A palavra "andar" neste verso é uma palavra grega diferente do que no versículo 16. "Andar" aqui tem a ideia de andar em linha. É um termo militar de marchar em fila para a batalha. A exortação de Paulo é: “mantenha em sintonia com o Espírito Santo”. Os gálatas estavam lutando para manter o passo com o Espírito, por isso Paulo os exorta a aprender a andar e a seguir a liderança do Espírito Santo.

Versículo 26 “Não nos tornemos vangloriosos, provocando-nos uns aos outros, invejando-nos uns aos outros"

Tentando fazer da lei nosso padrão e legalismo, nosso livro de regras leva à “glória vã” e “invejar uns aos outros”. Os gálatas estavam obviamente engajados em “provocar uns aos outros” e se gabar de suas realizações espirituais. A santidade que vive no poder do Espírito não permitirá tal arrogância.

Ajudando os Outros a Viver (Gálatas 6:1-10)

Paulo tem descrito a vida cristã como uma luta entre a carne e o Espírito. A única maneira de experimentar a vitória é andar no Espírito. Mas há mais requerido do crente. Devemos ajudar uns aos outros ao longo do caminho e lembrar que cada crente se esforça e precisa de ajuda e encorajamento.

Verso 1 “Irmãos, se um homem chegar a ser surpreendido em algum delito, vós que sois espirituais corrigi o tal com espírito de mansidão; e olha por ti mesmo, para que também tu não sejas tentado”.

Mais uma vez Paulo se dirige aos gálatas como “irmãos”. Aqueles a quem ajudamos nas lutas da vida são nossos irmãos e irmãs em Cristo. Houve uma batalha ocorrendo na igreja da Galácia, que resultou em alguns superestimando-se. Essa atitude pode ter sido um fator em alguns sendo “surpreendido em algum delito”.

"Surpreendido" significa "apanhado". Carrega a ideia de ser surpreendido pelo pecado. "Falha" significa "sair da fronteira, cair de um lado, um lapso ou desvio da verdade". Alguns na Galácia se afastaram voluntariamente da verdade, mas outros falharam por causa da influência e tentação esmagadora. Paulo queria que aqueles que fossem "espirituais" ajudassem a "restaurar" aqueles que falharam com um "espírito de mansidão", lembrando que poderiam ser aqueles que foram "tentados" e falharam.

Crentes “espirituais” não são pessoas que louvam vocalmente ao Senhor durante um culto de adoração. Crentes “espirituais” são aqueles que andam no Espírito, são cheios do Espírito e carregam o “fruto do Espírito”. Aqueles que eram “espirituais” deveriam ajudar aqueles que foram “surpreendidos” (Romanos 15:1).

"Restaurar" é a palavra grega katartizo. Refere-se “à habilidade de um artista de moldar algo de matéria-prima de maneira especializada”. Esse é um procedimento meticuloso e demorado.

“Espírito de mansidão” significa que não há arrogância ou motivação egoísta quando um crente cheio do Espírito ajuda a restaurar outro crente que foi surpreendido por uma falta.

“e olha por ti mesmo, para que também tu não sejas tentado”, significa “ficar de olho em si mesmo” enquanto você está tentando ajudar os outros. “Olhar” é a palavra grega skopeo que significa “mirar em; considerar”. Nossas palavras, telescópio, microscópio, estetoscópio estão enraizadas nessa palavra. Todos esses são instrumentos pelos quais observamos, escutamos ou ampliamos o que está longe.

Verso 2 "Levai as cargas uns dos outros, e assim cumprireis a lei de Cristo".

A admoestação de Paulo para “suportar as cargas uns dos outros” reconhece o fato de que a pessoa descrita no versículo 1 será fraca e precisará de ajuda. “Carga” é a palavra grega baros que significa “carga pesada ou opressora”. Tentar viver de acordo com a lei ou o legalismo coloca pesadas ​​“cargas” sobre as pessoas. Foi assim que Jesus descreveu os escribas e fariseus em Mateus 23:4: “Pois atam fardos pesados e difíceis de suportar, e os põem aos ombros dos homens; mas eles mesmos nem com o dedo querem movê-los”.

Nota: O legalista é sempre mais duro com as outras pessoas do que consigo mesmo.

Quando os crentes “levam as cargas uns dos outros, eles “cumprem a lei de Cristo”. A “lei de Cristo” é a lei do amor que “cumpre” toda a lei de Deus (Romanos 13:8-10). Paulo está dizendo: "Se você insiste em observar a lei, certifique-se de que é a lei de Cristo e não a lei de Moisés".

Verso 3 “Pois, se alguém pensa ser alguma coisa, não sendo nada, engana-se a si mesmo"

Estas palavras levam um tom de advertência de Paulo aos Gálatas. Uma das principais razões pelas quais os cristãos não ajudam uns aos outros é um sentimento de superioridade para com aqueles que pecaram. É mais fácil julgar e condenar do que “restaurar” e “considerar” o fato de você pode estar em situação semelhante amanhã!

Um cristão que pensa que é melhor do que as outras pessoas “não é nada” e “engana a si mesmo”. Paulo disse que um homem que pensa que é superior aos outros não é “nada”.

Auto presunção é autoengano. Aqueles que sabem que são “nada” e sabem que podem ser facilmente tentados e surpreendidos são geralmente aqueles que ajudam os outros na vida cristã.

Verso 4 "Mas prove cada um a sua própria obra, e então terá motivo de glória somente em si mesmo, e não em outrem”.

Uma maneira de evitar o orgulho de pensar que somos algo que não somos é evitar comparações pessoais. Os legalista gostam de se comparar aos outros. Paulo diz: “Mas prove cada um a sua própria obra”. Isso significa que cada um de nós é responsável pela tarefa que Deus nos deu, nosso “próprio trabalho”. Cristo é nosso padrão, não um ao outro.

“e então terá motivo de glória somente em si mesmo, e não em outrem” significa que o crente cheio do Espírito “se alegra” ou se jacta no Senhor pelo que Deus fez nele, não o que ele realizou comparado a outros (2 Coríntios 10:12-18).

Verso 5 “porque cada qual levará o seu próprio fardo”.

A palavra “fardo” é da palavra grega “porção”, que significa “obrigações rotineiras da vida”. Isso não é uma contradição ao versículo 2, onde Paulo nos diz para suportar a carga pesada e opressiva de cada um. O “fardo” do versículo 2 é uma carga pesada demais para alguém carregar sozinho. O “fardo” do versículo 5 são as obrigações diárias da vida que ninguém pode suportar para você. Cada crente tem uma missão individual e, no Tribunal de Cristo, daremos conta de como cumprimos essa missão. Naquele dia, o Senhor não nos perguntará como fizemos em comparação com outras pessoas. Ele não perguntará a Paulo como ele fez em comparação com Pedro ou como você fez em comparação com os outros.

Verso 6 “E o que está sendo instruído na palavra, faça participante em todas as boas coisas aquele que o instrui"

Depois de enfatizar a responsabilidade do crente para com ele, Paulo retorna à responsabilidade do crente para com os outros. A palavra chave neste versículo é “comunicar”. Significa “compartilhar com os outros, distribuir”. O crente “que é ensinado” ou trazido à restauração por um crente cheio do Espírito está “comunicando” ou compartilhando “em todas as coisas boas” com "aquele que o instruiu" ou ajudou a restaurá-lo. As “boas coisas” são “coisas benéficas”. Isso significa que tanto o crente que ensina quanto aquele que é “ensinado” compartilha uma comunhão mútua “em todas as coisas boas”.

Verso 7 “Não vos enganeis; Deus não se deixa escarnecer; pois tudo o que o homem semear, isso também ceifará”.

Paulo dá outro aviso neste verso usando um exemplo agrícola. Seu ponto é que, se você quer uma cultura em particular, você deve semear uma semente em particular. Você não pode esperar “colher” o milho se você “semear” o trigo. Se você pensa o contrário, você está "enganado".

A lei de semear e colher aplica-se a uma vida santa no Espírito. O que quer que semeamos, colhemos. Se você semear sua aveia selvagem, não espere colher pêssegos! Ações têm consequências. “Deus não se deixa escarnecer”. Paulo está dizendo: “Você não pode virar o nariz para Deus e esperar ser mais esperto que Deus”. A Bíblia está cheia de pessoas que achavam que eram mais espertas que Deus e descobriram que haviam “enganado” a si mesmas e sofreram eternamente perda.

Ilustração: O faraó teve muitas oportunidades para se arrepender. Praga após praga foi enviada por Deus, mas o faraó continuou a endurecer seu coração. Finalmente, Deus endureceu o coração de faraó e ele colheu o que havia semeado.

Verso 8 “Porque quem semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas quem semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna”.

As consequências de “semear na carne” é “colher corrupção”. “Corrupção” é a decadência da morte. Os atos da “carne” são sempre corruptíveis e não produzem nada senão decadência e morte. Embora um crente não possa perder sua salvação, ele pode pelo pecado não confessado “ceifar a corrupção”. A alternativa é “semear no Espírito” e “ceifar a vida eterna”. “Semear no Espírito” é andar na plenitude do Espírito.. É permanecer em Cristo e na Sua Palavra (João 15:7).

A recompensa de “semear no Espírito” é “vida eterna”. “Colher vida eterna” não significa ganhar a sua salvação. A recompensa de “semear ao Espírito” é colher uma colheita e uma colheita que durará para sempre.

Versículo 9 “E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido”.

O viver santo no Espírito não é um evento instantâneo. Plantar ou semear sementes para uma colheita requer tempo e estações difíceis. Uma safra produtiva requer atenção e vigilância. Portanto, não devemos “ficar desfalecidos”. “Desfalecido” vem de um termo grego forte que se refere a “abandonar-se a uma rendição covarde”. Significa “desanimar” ou “ficar cansado, frustrado, ansioso”.

Viver para uma boa safra é “bem fazer”. Uma boa safra virá para ser colhida na “época devida… se não desfalecermos”. “Desfalecer” é uma metáfora agrícola que retrata um trabalhador agrícola sucumbindo ao calor do sol do Mediterrâneo. "A seu tempo" virá para o crente quando Deus a enviar. Não é nosso para determinar a estação, mas sim "não desfalecer" e "não estar cansado".

Verso 10 “Então, enquanto temos oportunidade, façamos bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé”.

De volta para onde Paulo começou no versículo 1, como crentes, devemos ajudar uns aos outros. “Então, enquanto temos oportunidade”, não se refere a oportunidades ocasionais, mas ao período total desta vida terrena presente. Literalmente, “enquanto temos” significa “vamos ter” ou “vamos fazer oportunidades” para ajudar uns aos outros.

“Façamos bem a todos” significa “ser ativo” para fazer algum “bem espiritual” ou ajudar alguém pelo poder do Espírito Santo que opera em nós. Devemos "fazer o bem a todos", mesmo os não salvos.

“...mas principalmente aos domésticos da fé” refere-se à nossa família espiritual, nossos irmãos e irmãs em Cristo. Eles são representantes de Cristo neste mundo, as pessoas com quem passaremos a eternidade. Se falharmos em “fazer o bem” para nossa própria família espiritual, nosso testemunho para o mundo será de pouco valor.

Conclusão

Paulo respondeu ao falso ensino dos judaizantes com uma poderosa mensagem de liberdade em Cristo e vida no Espírito Santo. Nossa carne pecaminosa ignora Deus e frequentemente adota o pensamento e a metodologia do mundo. Nada além de morte e decadência pode vir da carne.

A luta entre a carne e o Espírito pode às vezes ser desencorajadora. Não desanime na luta. Ajude aqueles que lutam cada vez que você puder. Suportar o fardo do outro. Suportar seu próprio fardo. Semeie no Espírito todos os dias. Não fique desfalecido. Não tente enganar o Senhor. Viva pelo poder do Espírito Santo e você “colherá a vida eterna”.