Um Confronto Sobre a Ressurreição

Um Confronto Sobre a Ressurreição
Texto: Marcos 12:18-27

Introdução: Aqueles que abraçam Jesus como o Cristo, tendo-o recebido como Senhor e Salvador, todos concordam em um elemento essencial de Sua existência - Sua gloriosa ressurreição. Se Ele não tivesse ressuscitado da sepultura, Ele teria sido como todos os que vieram antes dele. Todos nós ainda estaríamos em nosso pecado e não teríamos esperança de vida eterna ou aceitação de Deus no céu. Tendo ressuscitado triunfalmente da sepultura, Jesus conquistou o pecado e o inferno; e Ele também conquistou o último inimigo que enfrentaremos - a morte.

Esta verdade eterna e essencial em relação a Jesus Cristo não é aceita por todas as pessoas. Enquanto a maioria das pessoas ao redor do mundo, independentemente de suas tendências sociais ou religiosas, acredita em alguma forma de vida em um mundo posterior, nem todos abraçam a ressurreição. A maioria assume quando eles passam desta vida, eles vão entrar em alguma forma de utopia além do túmulo. Evidências arqueológicas de civilizações antigas revelam que essa crença tem sido mantida por séculos. Muitas culturas enterraram seus mortos com itens que se acredita serem necessários para a vida além do túmulo. Enquanto estes esperavam uma existência continuada, poucos abraçaram a doutrina da ressurreição em Cristo.

Jesus também lidou com aqueles que estavam confusos sobre a ressurreição. Nós lemos sobre um desses grupos em nosso texto hoje. Ao discutirmos as percepções transmitidas no texto, quero considerar: Um confronto sobre a ressurreição.

I. A Questão dos Saduceus. V. 18-23

- Os versículos iniciais revelam que Jesus foi abordado e questionado pelos saduceus a respeito da ressurreição. Observe:

A. A Identificação. V. 18“Então se aproximaram dele alguns dos saduceus, que dizem não haver ressurreição”. Jesus acabara de responder a uma pergunta dos fariseus e herodianos sobre se era lícito prestar tributo a César, e sua pergunta foi imediatamente seguida por uma pergunta dos saduceus. Os saduceus não são mencionados com frequência nas Escrituras como os fariseus, mas eles eram um grupo muito conhecido e influente. Embora fossem uma minoria entre os judeus, os saduceus possuíam grande autoridade. Eles controlavam o sacerdócio entre o povo judeu, com todos os sumos sacerdotes e principais sacerdotes sendo saduceus. Eles tinham maioria no Sinédrio, o conselho governante entre os judeus. Eles controlavam o comércio dentro do Templo, regulando o que era comprado e vendido dentro do terreno do Templo. Os saduceus eram muito ricos e também favoráveis ​​às autoridades romanas. Junto com os fariseus e herodianos, os saduceus odiavam Jesus e queriam destruí-lo.

- Os saduceus podem ter desfrutado de grande riqueza e autoridade, mas não tiveram o favor ou aprovação do judeu comum. As pessoas comuns os viam como arrogantes, rudes e condescendentes para o público em geral. Os saduceus e a maioria do povo judeu também discordaram em muitos pontos de doutrina. Isso nos leva ao próximo ponto. Observe:

B. A Inclinação. V. 18“Então se aproximaram dele alguns dos saduceus, que dizem não haver ressurreição”. Os saduceus rejeitavam a doutrina da ressurreição. Descobriremos que a questão deles foi motivada por sua discordância com o ensinamento de Jesus nessa doutrina fundamental. Os saduceus eram muito liberais em sua teologia, contrastando fortemente com os fariseus que eram muito conservadores em sua teologia. Enquanto ambos erraram muito, pelo menos os fariseus consideravam as Escrituras em alta consideração. Os saduceus só abraçaram o Pentateuco - os primeiros cinco livros da Bíblia. Eles sustentavam a ideia de que a verdadeira doutrina não poderia ser baseada no que os profetas ou outros escritores do Antigo Testamento haviam escrito.

- Espero que você perceba o perigo em tal pensamento e maneira de doutrina. Paulo declarou a inspiração e benefício de toda a Escritura. 2 Timóteo 3:16-17 – “Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente preparado para toda boa obra”. Uma abordagem como a dos saduceus para com as Escrituras é sempre perigosa, levando a falsas doutrinas a serem acreditadas e promovidas. Eu tenho lidado com aqueles que negligenciam tudo, exceto as palavras de Cristo. Eu lidei com aqueles que rejeitam tudo para que a igreja hoje espere os escritos do apóstolo Paulo. Devemos considerar a Palavra de Deus em sua totalidade, estudando todo o conselho de Deus, a fim de compreender plenamente a doutrina bíblica.

- Eles acreditavam na existência de Deus, mas eles rejeitavam tudo o mais que era de natureza sobrenatural. Eles não acreditavam em demônios, anjos ou diabo, eles não acreditavam em milagres. Eles não acreditavam no céu ou no inferno. Eles não acreditavam em um juízo futuro. Eles não acreditavam na vida após a morte, nem acreditavam na ressurreição dos mortos. Eles não conseguiram encontrar essas doutrinas na leitura do Pentateuco, então as rejeitaram de imediato.

- Tal doutrina e filosofia sobre a vida e a morte afetaram o modo de vida deles. Os saduceus adotaram a filosofia dos epicuristas - coma, beba e seja feliz, pois amanhã você pode morrer. Tal atitude continua a permear a sociedade moderna. Nosso mundo está cheio daqueles que não creem em Deus, nem consideram a Sua Palavra. Eles veem esta vida como tudo o que existe, sem conexão entre a vida aqui e a vida futura.

C. A Indagação. V. 19-23 - Discutindo as doutrinas mantidas pelos saduceus e sua rejeição à ressurreição, compreende-se melhor a questão que eles colocaram. Eles foram a Jesus com um cenário hipotético, na esperança de encontrar razão para acusá-lo e rejeitar seu ensinamento. Como os fariseus e os herodianos, eles se dirigiam a Jesus como Mestre, mas não o consideravam como tal. Tudo isso foi feito em vão, esperando ser visto por aqueles que ouviram sua pergunta. Eles descreveram um cenário em que um homem se casou com uma esposa e morreu sem filhos. De acordo com a Lei de Moisés, que eles tinham em alta consideração, o irmão do homem era obrigado a se casar com a mulher e criar filhos em seu nome. O homem que morreu no cenário deles tinha seis irmãos. Quando o primeiro marido morreu, outro irmão se casou com a mulher, mas também morreu sem deixar filhos. Supostamente este cenário foi repetido por todos os irmãos que se casaram com a mulher, e ainda não deixando filhos. Não acreditando na ressurreição, eles pensavam que haviam perguntado sobre uma situação que seria impossível de responder. Uma vez que que se casou com seu primeiro marido e seus seis irmãos, não tendo filhos, tampouco, de qual ela seria mulher no céu, depois da ressurreição? Ao considerarmos a resposta de Jesus, devemos nos lembrar da motivação em sua pergunta. Não se pediu a ele que buscasse conhecimento ou entendesse melhor a doutrina da ressurreição. Eles procuraram se mostrar superiores a Jesus em palavra e doutrina.

II. A Explicação do Salvador. V. 24-27

- Aqui descobrimos como Jesus respondeu a uma pergunta tão absurda. Observe:

A. A Admoestação. V. 24“Respondeu-lhes Jesus: Porventura não errais vós em razão de não compreenderdes as Escrituras nem o poder de Deus?”. Em vez de abordar imediatamente a questão, Jesus declarou o erro no pensamento deles. Ele proclamou que eles claramente não conheciam as Escrituras ou o poder de Deus. Eles usaram as partes da Escritura que concordaram com seus desejos de vida e ignoraram o resto. Eles acreditavam que Deus foi capaz de criar o mundo e tudo o que ele contém, mas negou que Ele tivesse qualquer habilidade sobrenatural em relação às vidas e necessidades de Sua criação. (Como já discutimos, é perigoso construir doutrinas quando todo o conselho de Deus não é considerado. Através do isolamento de passagens ou extração de versículos fora do contexto, pode-se construir uma doutrina para quase qualquer crença).

B. O Esclarecimento. V. 25“Porquanto, ao ressuscitarem dos mortos, nem se casam, nem se dão em casamento; pelo contrário, são como os anjos nos céus”. É interessante que Jesus tenha realmente usado a pergunta deles supostamente bem elaborada para revelar o erro na doutrina. Em vez de ser enganado e incapaz de responder, Jesus virou a mesa para eles. Jesus declarou que os relacionamentos não serão os mesmos no céu. Eles não se casarão ou serão dados em casamento, mas existirão semelhantes ao estado dos anjos de lá.

- Esta é uma passagem que é difícil para alguns receberem. Abordo isso com compaixão e compreensão, mas não podemos negar a verdade que revela. O casamento foi ordenado por Deus com propósitos específicos para esta vida. No entanto, o casamento está relacionado principalmente às necessidades físicas que todos enfrentamos nesta vida. Nossa existência no céu será espiritual, não física. Enquanto eu estou convencido de que vou conhecer a Cristina no céu, nosso relacionamento será muito diferente do que é aqui na terra. Não posso me relacionar com o sofrimento vivido por aqueles que perderam o cônjuge. Eu nunca procuraria minimizar sua dor ou desencorajá-los de seu desejo de se reunir no céu com seu cônjuge, mas devemos entender que nossos relacionamentos serão diferentes lá. Eu amo minha esposa com todo o meu ser, mas ela não será o objeto da minha afeição no céu - Jesus, meu Senhor e Salvador será! Ele é o Noivo e nós somos Sua noiva.

C. Sua Afirmação. V. 26-27“Quanto aos mortos, porém, serem ressuscitados, não lestes no livro de Moisés, onde se fala da sarça, como Deus lhe disse: Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó? Ora, ele não é Deus de mortos, mas de vivos. Estais em grande erro”. Tendo lidado com a pergunta deles, Jesus agora lidou com o cerne da questão. A negação deles acerca da ressurreição realmente negava o verdadeiro caráter e existência de Deus. Usando uma passagem que eles abraçaram como correta e confiável, Jesus revelou o erro de sua doutrina. Deus declarou a Moisés, quando lhe falava da sarça ardente, que Ele era o Deus de Abraão, Isaque e Jacó. Deus falou destes homens como estando vivos; Ele não tinha sido o seu Deus, Ele era o seu Deus. Se eles deixassem de existir na morte, eles não teriam tido nenhum relacionamento com Deus no momento em que Ele falou a Moisés a respeito deles. Ele não é o Deus dos mortos, mas o Deus dos vivos!

- Que conforto encontramos nas palavras do nosso Senhor. Ele está se aproximando da cruz e logo morrerá pelo pecado da humanidade. Ele enfrentará a morte, mas a morte não derrotará a Jesus. Ele conquistará a morte ao se erguer triunfantemente da sepultura. Porque Ele vive, aqueles que são salvos pela Sua graça têm a promessa da vida eterna além do túmulo. Ele não é o Senhor dos mortos, mas dos vivos. Se o Senhor não voltar em breve, todos nós enfrentaremos a morte física, mas isso não será o fim. Este corpo físico será colocado no chão e retornará ao pó de onde foi feito. No entanto, quando o Senhor voltar para Sua igreja, os mortos em Cristo ressuscitarão da sepultura, trocando o corpo mortal da carne por um novo corpo glorificado e ressuscitado!

Conclusão: Você está convencido da ressurreição dos mortos em Cristo? Você já fez preparativos para encontrar o Senhor quando essa vida terminar? A salvação por meio de Sua obra consumada na cruz é nossa única esperança de salvação e vida eterna. Se você foi salvo pela graça, você viverá eternamente com o Senhor. Se por acaso você não for salvo, peço-lhe que venha a Cristo para a salvação enquanto houver tempo e oportunidade. Depois de passar pelos portões da morte, será tarde demais.

Gostou desse esboço? Olha a novidade que tenho para você!


Eu preparei um e-book com 365 sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá á  disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! Clique Aqui para adquirir seu livro.

Um Confronto Sobre a Ressurreição Um Confronto Sobre a Ressurreição Reviewed by Aldenir Araujo on junho 23, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Tecnologia do Blogger.