Texto: Atos 12:1-16

Introdução: Nosso texto trata de um tempo intenso para a igreja primitiva. Deus estava claramente trabalhando e a igreja estava crescendo. Milhares foram salvos pela graça de Deus e a influência da igreja estava se espalhando. Tal crescimento criou muita preocupação para o estabelecimento religioso em Jerusalém, e o desprezo pela igreja resultou em intensa perseguição. Acredita-se que esses eventos tenham acontecido cerca de oito anos após o apedrejamento de Estêvão. Embora Saulo tivesse se convertido, a perseguição não diminuiu e parecia estar crescendo.

Enquanto a igreja primitiva sofreu muita oposição, ela prosperou através da provisão de nosso Senhor. Nós também enfrentamos muita oposição em nossa cultura moderna, mas isso não significa que não podemos ser eficazes no ministério enquanto crescemos em nossa fé. A igreja tem durado dois mil anos, e ela permanecerá até que o Senhor a chame. Enfrentaremos a adversidade enquanto servimos ao Senhor, mas não precisamos sucumbir à derrota.

Quero examinar os aspectos do encontro de Pedro ao considerarmos o pensamento: Detido, mas não derrotado.

I. A adversidade que ele enfrentou. V. 1-4

- Estes versos revelam a grande adversidade que Pedro e outros na igreja enfrentaram. Observe:

A. A oposição. V. 1 - “Por aquele mesmo tempo o rei Herodes estendeu as mãos sobre alguns da igreja, para os maltratar”. Tenha em mente, que isto aconteceu vários anos após o Pentecostes e o terrível apedrejamento de Estêvão, e ainda assim a perseguição continua. Herodes está propositadamente tentando intimidar aqueles em lugares de liderança dentro da igreja. Ele sancionou sua perseguição. Ele procurou oprimir a igreja e trazer dano àqueles que aderiram à doutrina cristã.

- Estamos milhares de anos distante, e ainda assim essa intensa oposição continua. Registros provam que os cristãos são o grupo religioso mais perseguido no mundo hoje. Embora não o enfrentemos em níveis experimentados em outros países, a oposição aos crentes está aumentando no mundo.

B. O desespero. V. 2“e matou à espada Tiago, irmão de João”. Herodes cometeu um ato hediondo em matar Tiago. Isso também foi uma tentativa de perturbar a igreja, removendo um de seus líderes mais eficazes, enquanto que, no coração de todos os que criam, causava medo e desalento. Sem dúvida, isso criou uma atmosfera de grande preocupação e desespero dentro da igreja.

- Nós permanecemos em tempos desesperados em relação à perseguição global. Muitos são forçados a escolher entre sua fé e suas vidas. Os números aumentam anualmente à medida que Satanás e aqueles que odeiam a igreja fazem todo o possível para impedir o Evangelho e derrotar a igreja. Estamos vivendo em tempos desesperados que exigem fé e compromisso com o Senhor.

C. O encarceramento. V. 3-4“Vendo que isso agradava aos judeus, continuou mandando prender também a Pedro. (Eram então os dias dos pães ázimos.) E, havendo-o prendido, lançou-o na prisão, entregando-o a quatro grupos de quatro soldados cada um para o guardarem, tencionando apresentá-lo ao povo depois da páscoa”. Sabendo que a liderança judaica desprezava aqueles que aderiram ao Evangelho, e em um esforço para obter seu favor, Herodes continuou sua campanha de devastação contra a igreja. Ele prendeu Pedro e colocou-o na prisão interna, sob o cuidado atento de dezesseis soldados. Este foi um movimento estratégico, calculado para trazer maior elogio dos judeus, ao mesmo tempo em que atingia um medo intenso nos corações daqueles dentro da igreja. Pedro foi preso durante a Páscoa, a mais sagrada das celebrações para os judeus. Neste momento, dezenas de milhares de judeus haviam feito a peregrinação a Jerusalém. Provavelmente, Herodes pretendia executar Pedro após a Páscoa, buscando maximizar a exposição entre a população judaica.

II. A vantagem que ele desfrutava. V. 5-11

- Enquanto Herodes pensava que ele havia elaborado um plano infalível, Pedro desfrutava de uma vantagem decisiva de que Herodes nada sabia. Encontramos Pedro desfrutando:

A. As orações da Igreja. V. 5“Pedro, pois, estava guardado na prisão; mas a igreja orava com insistência a Deus por ele”. Enquanto Pedro era mantido na prisão interior, a igreja orava por ele sem cessar. Eles imediatamente começaram a interceder por Pedro, chamando a Deus em seu favor. Como descobriremos, suas orações não foram oferecidas em vão.

- O mundo e aqueles que se opõem à igreja buscam todas as vantagens para impedir a propagação do Evangelho, mas eles não podem impedir a igreja de orar. Como a igreja primitiva, devemos ser um povo de oração, intercedendo continuamente pelos que estão dentro da igreja. As necessidades são variadas, espalhadas por todo o mundo, mas podemos levar essas necessidades diante do Senhor em oração!

B. A presença do Senhor. V. 6-7“Ora quando Herodes estava para apresentá-lo, nessa mesma noite estava Pedro dormindo entre dois soldados, acorrentado com duas cadeias e as sentinelas diante da porta guardavam a prisão. E eis que sobreveio um anjo do Senhor, e uma luz resplandeceu na prisão; e ele, tocando no lado de Pedro, o despertou, dizendo: Levanta-te depressa. E caíram-lhe das mãos as cadeias”. Herodes achava que seu esquema desonesto estava seguindo o plano, mas Deus tinha um plano diferente. Na noite antes de Pedro ser levado perante o povo, Deus apareceu na prisão. Ele enviou Seu anjo para libertar Pedro da prisão. Enquanto ele dormia, acorrentado a um soldado de ambos os lados, o anjo do Senhor apareceu a ele, libertando-o das correntes que o prendiam.

- Satanás e aqueles que se opõem a nós podem sentir como se tivessem ganho a vantagem, mas nós nunca estamos separados do Senhor. Ele está lá conosco onde quer que vamos e em qualquer situação que enfrentamos. Não precisamos ter medo de enfrentar este mundo e a oposição que ele traz.

- Eu não pude deixar de pensar no maravilhoso dia em que o Espírito Santo veio a mim, pois eu estava preso nas cadeias do pecado, condenado e enfrentando uma sentença de morte. A graça de nosso Senhor trouxe a salvação para mim e eu fui libertado dos laços do pecado e da morte!

C. O poder do Senhor. V. 8-10 - O anjo do Senhor instruiu Pedro a se vestir e segui-lo. Embora Pedro acreditasse que tudo era um sonho, ele obedientemente seguiu o anjo. Ele foi conduzido após a primeira e segunda ala da prisão e levado para o portão de ferro que levava à cidade. A porta se abriu para eles e Pedro foi libertado de sua prisão.

- Não há correntes que nosso Senhor não tenha o poder de quebrar e fornecer liberdade. Ele quebrou as amarras do pecado, nos libertando da condenação. Ele tem o poder de satisfazer qualquer necessidade que possamos enfrentar. Ele pode quebrar as correntes da derrota e do desespero. Ele tem a capacidade de restaurar a nossa alegria e fornecer a coragem de que precisamos para continuar nossa caminhada com Ele!

D. A perspectiva da fé. V. 11“Pedro então, tornando a si, disse: Agora sei verdadeiramente que o Senhor enviou o seu anjo, e me livrou da mão de Herodes e de toda a expectativa do povo dos judeus”. Você consegue imaginar a alegria que Pedro sentiu neste momento? Se houvesse alguma dúvida ou medo, agora seria substituído por uma fé abundante. Pedro percebeu que o Senhor o libertara da mão de Herodes e da morte iminente que ele enfrentava.

- Todo crente tem uma vantagem decisiva sobre o mundo e todos os problemas que ele traz. Nós temos o benefício da fé. Aqueles que estão em Cristo estão seguros em Sua poderosa mão. O mundo não pode trazer nada contra nós que nosso Senhor não permita. Ele é mais do que capaz de nos guardar através de qualquer adversidade ou julgamento que enfrentamos. Ele nos amou o suficiente para morrer pelo nosso pecado no Calvário. Ele jamais nos abandonará na jornada da vida!

III. A apreensão que ele encontrou. V. 12-16

- Ao considerarmos esses versículos finais, tenha em mente que a igreja estava reunida, fazendo oração contínua pela segurança e libertação de Pedro. Isso deve servir como um desafio em relação à nossa vida de oração. Observe:

A. O propósito. V. 12“Depois de assim refletir foi à casa de Maria, mãe de João, que tem por sobrenome Marcos, onde muitas pessoas estavam reunidas e oravam”. Após a sua libertação milagrosa, Pedro segue o seu caminho para a casa de Maria, mãe de João. Muitos da igreja estavam reunidos lá orando por sua libertação. Estes estavam intercedendo fielmente por Pedro no meio da noite. Eles estavam comprometidos com a oração, dia e noite.

- Isso serve como um desafio para a igreja ser persistente na oração. Muitas vezes somos muito casuais e breves em nossas orações. Há momentos e necessidades que exigem orações fervorosas e contínuas! Devemos nos comprometer a orar por aqueles que ainda não receberam a salvação. Precisamos continuar a orar pela igreja e por aqueles que servem ao Senhor. Há aqueles que são fracos, sobrecarregados, doentes e feridos que precisam de nossas orações. Nós devemos ser um povo de oração!

B. O pessimismo. V. 13-15 - Enquanto as pessoas estavam reunidas, orando a noite toda, Pedro chegou à casa de Maria. Uma jovem chamada Rode veio até a porta enquanto Pedro estava lá, batendo. Ela reconheceu sua voz e ficou tão tomada de alegria que esqueceu de abrir a porta. Ela imediatamente disse aos outros que Pedro estava na porta. Tenha em mente que eles estavam orando pela libertação de Pedro, mas duvidavam do que Rode havia compartilhado. Alguns a acusaram de ser louca, e com sua persistência, eles presumiram que seria o anjo de Pedro. Infelizmente, isso mostra a fé que eles tinham na oração. Embora fossem dedicados à oração, não tinham fé para crer.

- Podemos ser críticos, mas todos nós somos culpados do mesmo. Sei que orei muitas vezes e, no entanto, imaginei se Deus responderia genuinamente à minha oração. Eu me curvei em oração antes, e peguei o fardo enquanto me levantava da oração, nunca deixando aos pés de Jesus. Não devemos ser apenas um povo de oração, mas um povo de fé que crê que Deus vai ouvir e responder!

C. A convicção. V. 16“Mas Pedro continuava a bater, e, quando abriram, viram-no e pasmaram”. Enquanto Pedro continuava a bater na porta, alguém finalmente abriu a porta e todos ficaram surpresos ao ver Pedro. Neste momento, a dúvida deles se transformou em crença quando eles encontraram Pedro em sua presença. Todos ficaram surpresos ao vê-lo.

- A persistência de Pedro trouxe muita fé para as pessoas. Devemos estar dispostos a continuar pelo Senhor, mesmo que os outros não tenham fé ou não estejam dispostos. O Senhor é capaz de prover todas as necessidades que enfrentamos e devemos permanecer persistentes na fé. Espero que nos tornemos tão acostumados à oração e vendo a mudança de Deus em nosso meio que desenvolvamos grande fé. Isso não quer dizer que devemos perder nossa admiração e perplexidade quando Deus se move, mas que oramos com uma atitude de fé que espera que Deus ouça e responda nossas orações!

Conclusão: Eu acho que você vai concordar que Pedro enfrentou uma situação terrível. Muitos estavam orando por sua libertação, mas na verdade não esperavam que Deus respondesse às suas orações. Devemos orar com fé, acreditando que Deus é capaz, enquanto esperamos que Ele faça o impossível. Não há nada que encontremos na vida que Ele não possa nos fazer vencer.

Você está sobrecarregado com preocupações e lutas hoje? Você orou para que o Senhor fornecesse libertação para sua situação? Enquanto você orava, você creu que Ele responderia a sua oração? Nós podemos vencer em Cristo, mas devemos ter fé. Se o seu coração está cheio de dúvida e medo, venha ao Senhor e confesse sua falta de fé enquanto busca que Ele forneça a fé que você precisa. Se você não é salvo, Jesus está chamando você para responder à Sua oferta de salvação. Venha a Ele pela fé, com um coração de arrependimento pelo pecado e receba a salvação!