29 de abril de 2016

27 Esboços de Pregação sobre Família
familia-orandoFamílias abençoadas não existem por seu próprio poder. Em vez disso, elas têm um significado histórico que vem de Deus. A família não surgiu por sua própria decisão, mas pela decisão de Deus. Na família reside o desejo de Deus.

A maioria das pessoas que conhecemos querem ter uma família abençoada. Elas querem um casamento perfeito; elas querem que seus filhos amem o Senhor e uns aos outros; elas querem que todos na família tenham sucesso na vida, a medida que eles identificam seus dons e vocações particulares e crescem em todo o seu potencial em Deus.

A boa notícia é que o Senhor quer isso para todos nós, também! Compartilho com você 27 esboço de pregação sobre família. Você pode usar esses 27 esboços de pregação para edificar famílias.
  1. Algumas Verdades Bíblicas Sobre A Família
  2. Lar: A Primeira Sala de Aula de Uma Criança
  3. O desenvolvimento da autoestima nas crianças
  4. A Verdade Sobre o Divórcio
  5. Treinando nossos filhos
  6. Como Jesus dá o exemplo perfeito para todo marido
  7. Um verdadeiro lar
  8. A difícil tarefa de viver de acordo com as prioridades corretas
  9. A receita para um grande casamento
  10. Virgindade e fornicação
  11. A hora da decisão (O casamento de Isaque)
  12. Controvérsia sobre “casamentos” homossexuais
  13. Não é bom que o homem esteja só
  14. Irás com este homem? Isaque e Rebeca
  15. Transformando meu lar num vale de bênçãos
  16. Convém a Jesus estar hoje em minha casa
  17. Pródigos na família, a esperança é Jesus
  18. Filhos rebeldes: De quem é a culpa?
  19. Como Deus pode ajudar a sua família
  20. Juntos e de acordo
  21. Amar o cônjuge, significa investir tempo para estarem juntos
  22. Antes e depois do casamento
  23. A jornada de uma família abençoada
  24. Quatro pilares para construir seu lar
  25. Segredos para um casamento bem sucedido
  26. A vontade de Deus para o casamento
  27. O que Deus une
Deus abençoe você e sua família!

Pr. Aldenir Araújo
Neemias: Um Coração Limpo Para Um Novo Começo
Neemias: Um Coração Limpo Para Um Novo Começo
Texto: Neemias 4:1-23

Introdução: Deus castigou Israel por seus pecados. Os judeus passaram 70 anos em cativeiro na Babilônia. Deus havia prometido que Ele os traria de volta à Terra Prometida depois dos 70 anos. O castigo tinha acabado e agora Deus estava trazendo seu povo de volta para casa como havia prometido. Neemias estava em uma missão. Ele iria reconstruir os muros ao redor da cidade de Jerusalém. Eles estavam começando de novo, um novo começo para o povo de Deus. Estamos prestes a iniciar um novo ano.

Há algumas lições de Neemias que podemos aplicar às nossas vidas para ter sucesso espiritual no Ano Novo.

I. A reprovação pelos adversários (4:1-3)

A. A ira do inimigo. (4:1, 6-7)
1. Satanás e o mundo não são amigos do cristão. Satanás não quer que os cristãos sejam testemunhas espiritualmente fortes e eficazes para Deus. O diabo fica irado com os cristãos que estão sendo usados e abençoados por Deus. Satanás usará qualquer coisa para atacar o povo de Deus. No caso de Neemias, os adversários eram Sambalate, Tobias e outros.
2. Deus castigou Israel por seus pecados. Os judeus passaram 70 anos em cativeiro na Babilônia. Deus havia prometido que Ele os traria de volta à Terra Prometida depois dos 70 anos. O decreto para reconstruir o Templo foi dado a Esdras, o sacerdote, pelo rei da Pérsia. (Esdras 1:1-11) O sacerdote Esdras retornou a Jerusalém primeiro para reconstruir o Templo.
3. O rei Artaxerxes deu a Neemias a permissão para ir a Jerusalém e reconstruir o muro. Os inimigos de Israel se opuseram à obra de Deus.
4. A oposição não é apenas uma evidência de que Deus está abençoando, mas é também uma oportunidade para crescer. As dificuldades que vieram durante o trabalho trouxeram o melhor em Neemias e seu povo.

B. A investida do inimigo. (4:11-12)
1. Neemias descreveu diferentes tentativas do inimigo para impedi-los de reconstruir o muro. O inimigo usou o ridículo, (4:1-6) o desânimo, (4:10) o medo, (4:11-23) a calúnia, (6: 5-9) e ameaças (6:10-16) só para citar alguns.
2. Como cristãos, devemos colocar toda a armadura de Deus. (Efésios 6: 13-17.) O diabo está disparando seus dardos inflamados contra nós. Ele tenta nos intimidar e desencorajar-nos de fazer o trabalho de Deus. Nós devemos "Resisti ao diabo", e ele fugirá de nós. (Tiago 4:7)
3. Devemos lembrar as palavras de Paulo em Efésios 6:11: "Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais resistir às ciladas do diabo"
4. Alguém disse: "Construção e luta são parte normal da vida cristã, se formos fiéis discípulos" (Lucas 14:28-33). Nós devemos permanecer em guarda contra os nossos adversários.

II. O lixo do passado (4:10)

A. A razão para o lixo.
1. O muro e a cidade sofreram a destruição pelos babilônios. O muro foi destruído e as portas foram queimadas a fogo. (Neemias 1:2-3). Os muros da cidade tinham ficado em ruínas há mais de 70 anos. O lixo era um fardo e obstáculo para reconstruir os muros.
2. Podemos permitir que o lixo se acumule em nossas vidas. A menos que estejamos dispostos a lidar com o lixo que acumulamos em nossas vidas durante 2015, vamos trazer esse lixo para o Ano Novo. Quais são alguns do lixo em sua vida esta noite?
3. O lixo pode ser medo, culpa, amargura, falta de perdão, preocupação e ansiedade ou inveja. Você pode abrigar pecado em sua vida esta noite que você não tenha se arrependido e confessado a Deus. O lixo afeta o seu relacionamento com Jesus Cristo. O lixo promove atitudes erradas e comportamento pecaminoso. Corrói seu testemunho e rouba-lhe o seu potencial dado por Deus.

B. A remoção do lixo.
1. Ao chegar em Jerusalém, Neemias examinou as ruínas do muro à noite. (Neemias 2:12-14)
2. O lixo teve que ser removido antes que eles pudessem construir as paredes em uma base sólida. Foi um grande empreendimento limpar todo o lixo, antes de começar a reconstruir as paredes.
3. Nós precisamos nos livrar do lixo em nossas vidas hoje, ou vamos levá-lo conosco ao longo do Ano Novo.
4. Nós como crentes podemos permitir lixo em nossas vidas. Se permitirmos que o lixo acumule e permaneça, nós nunca vamos se tornar o que Deus deseja para nós. O lixo destrói o nosso testemunho, dificulta o trabalho de Deus, rouba-nos a alegria da nossa salvação, e traz vergonha ao nome do Senhor. O primeiro passo na remoção do lixo de nossas vidas é reconhecer que o lixo é pecado.
5. Só você e Deus sabe o lixo que você tem em sua vida. Não se deixe enganar e cometer o erro de ignorar o pecado em sua vida. Confesse-o a Deus. Nada que o mundo ou o diabo lhe oferece vale a pena, na perda de um relacionamento quebrado com o Senhor.

III. Resoluções para o futuro

Muitas pessoas fazem resoluções de Ano Novo. Seja qual for as resoluções que podemos fazer, elas só são boas se nós as cumprirmos. Neemias e os judeus resolveram que iriam reconstruir os muros de Jerusalém. Podemos aprender com as Escritura várias coisas para aplicar em nossas vidas durante o próximo ano para tornar-nos cristãos mais fortes. A firmeza é essencial para nós termos vitórias espirituais.

A. Sua firmeza.
1. Comprometidos em oração a Deus. (v. 9) "Nós, porém, oramos ao nosso Deus"
2. Vigilância contínua do inimigo. (v. 9) "pusemos guarda contra eles de dia e de noite"
3. Confiantes na presença de Deus. (v. 14, 20) "O nosso Deus pelejará por nós"
4. Continuidade na obra de Deus. (v. 6, 15) "povo se inclinava a trabalhar"
5. Coragem em face do perigo. (v. 16-21)

B. Seu sucesso. (Neemias 6:15-16)
1. Os judeus terminaram o muro em 52 dias. Este foi um feito inacreditável sob tais circunstâncias terríveis. As pessoas foram bem-sucedida. Deus tinha atribuído a Neemias e o povo uma tarefa além de si mesmos. Com fé em Deus e disposição para o trabalho, eles concluíram o muro.

Conclusão:

1. Como cristãos, nós vivemos em um ambiente hostil a nossa fé. Temos muitos adversários.
2. Nossa maior ameaça vem de nós mesmos. Não devemos permitir que o lixo do pecado permaneça em nossas vidas.
3. Deus nos salvou com o potencial de nos fazer crescer em gigantes espirituais. O pecado impede o nosso crescimento espiritual.
4. Você deve colocar de lado o lixo do passado e ter a vontade de ser tudo o que Deus planejou para você ser.
5. Se você ainda é salvo, comece o Ano Novo experimentando o novo nascimento. Coloque sua fé em Jesus Cristo como seu Salvador.
O Caminho Errado – Caim, Balaão e Coré
O Caminho Errado – Caim, Balaão e Coré
Texto: Judas 11

Introdução: Em João 14:6 “Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim”. Você não vai conseguir algo mais claro sobre o caminho para o céu do que isso. Podemos nos perguntar por que muitos têm dificuldade para entender uma verdade tão simples. Mas há um inimigo à verdade; seu nome é Satanás. Jesus chama Satanás de o pai (ou originador) de todas as mentiras. João 8:44 “Vós tendes por pai o Diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai; ele é homicida desde o princípio, e nunca se firmou na verdade, porque nele não há verdade; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio; porque é mentiroso, e pai da mentira”.

Como um mentiroso, as táticas do inimigo é torcer e distorcer a verdade de Deus e enganar a humanidade. É triste dizer que ele tem sido muito eficaz em arrastar as pessoas para longe do verdadeiro caminho, levando-as a seguir um substituto insuficiente. Judas escreve sobre três caminhos que os homens seguiram após ... e os homens ainda seguem após esses caminhos. Judas 1:11 "Ai deles! porque foram pelo caminho de Caim, e por amor do lucro se atiraram ao erro de Balaão, e pereceram na rebelião de Coré"

I. Caim - fez as coisas à sua maneira - Rejeitando o sacrifício de sangue.

Caim é um tipo do homem natural religioso, que acredita em um Deus e na religião, mas depois de sua própria vontade, e que rejeita a redenção pelo sangue.
A. Deus exigia um sacrifício de sangue, mas Caim mudou a exigência de Deus para agradar a si mesmo.
1. Isto continua até hoje.
2. Muitas pessoas religiosas desejam remover o poder, e a necessidade do sangue.
3. Por quê? O sangue é ofensivo para muitos.
4. Estamos vendo essa mesma atitude hoje em um número de igrejas que tiraram o sangue para fora de sua doutrina ou estão considerando fazê-lo.
5. Todas as vezes que os caminhos e métodos do homem substituir os caminhos de Deus, Deus vai retirar o seu poder e suas bênçãos.
B. Caim tentou mudar a ordem de Deus para agradar a seus próprios desejos. (Malaquias 3:6) “Porque eu sou o Senhor, não mudo; isso vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos”.
1. Há aqueles hoje que querem seguir este caminho.
2. Eles querem adorar a Deus em seus próprios termos, em vez de em Espírito e em Verdade.
3. Você observa que é mais do que apenas a sinceridade de alguém.
4. Caim não queria oferecer o que Deus exigia.
5. Alguma vez você já ouviu alguém dizer: "Adoro a Deus, mas eu faço isso da minha própria maneira"?
6. Era exatamente isso o que Caim estava fazendo.
C. Culto na Bíblia é sempre dirigido para Deus e para a Sua honra e glória.
1. A adoração é para o Seu propósito e prazer.
2. Não para o nosso prazer ou entretenimento.
3. A verdadeira adoração é sempre dirigida a Deus. 1 João 3:12 “não sendo como Caim, que era do Maligno, e matou a seu irmão. E por que o matou? Porque as suas obras eram más e as de seu irmão justas”.

II. Balaão - Tentou se comprometer com o mundo

A. O caminho de Balaão. (2 Pedro 2:15) “os quais, deixando o caminho direito, desviaram-se, tendo seguido o caminho de Balaão, filho de Beor, que amou o prêmio da injustiça”
1. Balaão era um profeta conhecido.
2. Ele foi contratado para pronunciar uma maldição contra o povo de Deus.
3. Ele estava disposto a dizer o que o maior lance queria que ele dissesse.
4. Como o versículo diz: "... que amou o prêmio da injustiça"
B. A doutrina de Balaão. (Apocalipse 2:14) "entretanto, algumas coisas tenho contra ti; porque tens aí os que seguem a doutrina de Balaão, o qual ensinava Balaque a lançar tropeços diante dos filhos de Israel, introduzindo-os a comerem das coisas sacrificadas a ídolos e a se prostituírem"
1. Uma vez que Deus não permitiria que ele amaldiçoasse o povo de Israel, Balaão "ensinava Balaque a lançar tropeços diante deles”.
2. Ensinar outros para corromper o povo de Deus é tão errado quanto fazê-lo por si mesmo.
3. Esta era a doutrina ou ensino de Balaão.
4. Ele propagou a injustiça entre o povo de Deus.
5. Havia alguns na igreja de Pérgamo, que estavam fazendo a mesma coisa.
6. Eles estavam ensinando e incentivando o povo de Deus a fazer coisas ímpias.
7. Esta prática continua hoje com aqueles que buscam compromisso com o mundo e incentivam a injustiça entre os crentes.
8. Muitas vezes ensinamos as pessoas a pecar em pelo menos três maneiras. Nós ensinamos as pessoas a pecar pelo exemplo que estabelecemos, pelas palavras que usamos e pelas coisas que aprovamos.
C. O erro de Balaão. Judas 1:11 “Ai deles! porque foram pelo caminho de Caim, e por amor do lucro se atiraram ao erro de Balaão, e pereceram na rebelião de Coré”.
1. Ele pensou que Deus iria ver as coisas da mesma forma que ele as vias.
2. O "erro de Balaão" foi que ele racionou do natural.
3. O que fazia sentido para ele era que, se Israel estava fazendo algo errado, então Deus queria que ele os amaldiçoassem
4. Ele não conseguiu reconhecer que o amor de Deus por Seu povo é grande ... Ele é longânimo para convosco.
5. Através da cruz, Ele tornou possível redimir o pecador enquanto condena o pecado.
6. Muitos ainda seguem após o “erro de Balaão” em pensar que Deus deve agir como agiriam ... aqueles que pensam que cabe ao homem ir a Deus, quando na realidade foi Deus que veio ao homem no Calvário!
7. É impossível para nós compreender a graça de Deus ... temos de simplesmente aceitá-la.

III. Coré - rejeitou a autoridade do Deus.

A. Deus havia dado a Moisés grande autoridade (Êxodo 4:16) " E ele falará por ti ao povo; assim ele te será por boca, e tu lhe serás por Deus"
1. Moisés disse a Deus que ele não era eloquente o suficiente para ser o porta-voz de Deus.
2. Mas Deus disse que Arão poderia ir com ele, mas que Moisés colocaria as palavras na boca de Arão.
3. Deus estava dizendo a Moisés que ele, Moisés, era para ser o porta-voz de todos, e Arão deveria ver Moisés como sendo a autoridade de Deus.
4. Se Arão quisesse saber o que Deus disse sobre uma determinada coisa, ele deveria perguntar a Moisés.
5. Se Arão quisesse saber a vontade de Deus, ele deveria perguntar a Moisés.
B. Coré era o bisneto de Levi.
1. No entanto, ter uma herança divina não é garantia de comportamento piedoso.
2. "Você tem que crescer por si mesmo, não importa o quão alto seu avô pode ter ido"
3. Coré foi rebelde para com Deus e ele foi rebelde para com o representante de Deus, Moisés.
4. Coré era um levita do clã de Coate, um dos que estava trabalhando na tenda de reunião - basicamente um passo abaixo de um sacerdote.
5. Mas Coré não se contentou com essa posição - ele queria ser elevado, ele queria ser poderoso.
6. Coré, Datã e Abirão, juntamente com 250 líderes de Israel, se levantaram contra a autoridade de Moisés.
7. Eles disseram: "O Senhor está entre nós todos. Ele chama a todos nós de santos. Por que você é o único responsável aqui? Por que Arão deve ser o sumo sacerdote? Por que só os seus filhos se tornam sacerdotes?"
8. Moisés disse: "Amanhã, o Senhor irá demonstrar quem é quem por aqui"
9. Deus abriu o solo e a terra engoliu Coré e tudo o que tinha.
10. Os 250 chefes de Israel foram destruídos pelo fogo de Deus.
C. Lição para nós hoje.
1. Deus escolheu liderar o Seu povo através de homens.
2. Nesta dispensação, é através do pastor da igreja local.
3. Não se trata de personalidades; trata-se de obediência ao plano e o propósito de Deus.
4. Deus condenou Coré por sua oposição que significa disputar.
5. A verdade é que os filhos de Deus não devem se permitir entrar em disputa com os líderes de Deus que lideram em conformidade com a Palavra de Deus.
6. Se o fizermos, nós nos colocamos na mesma posição de Coré.

Conclusão: Judas nos dá três exemplos do Velho Testamento sobre ir na direção errada! Deus nos chamou para seguir após o seu caminho ... não para rejeitá-lo e fazer a nossa própria maneira. Muitos pensam que não importa para Deus, que Ele vai esquecer os seus pecados. Mas Deus deixa claro o que Ele deseja de Seu povo.
  • Caim - o caminho da rejeição
  • Balaão - o caminho do compromisso
  • Coré - o caminho da rebelião
Qual caminho vamos seguir? A decisão é nossa, mas temos de escolher com sabedoria. Nossa decisão terá um grande impacto sobre aqueles a quem amamos. Podemos optar por seguir o Senhor na verdade da Sua Palavra e receber Sua bênção. Ou podemos optar por seguir nosso próprio caminho e trazer sobre nós o Seu juízo. Qual caminho nós vamos escolher?

Pr. Aldenir Araujo

26 de abril de 2016

Conquistando Nossa Jericó
Conquistando Nossa Jericó
Texto: Josué 6:1-27
Introdução: A nação de Israel deveria entrar em Canaã para conquistar a terra que Deus havia prometido a Abraão, Isaque e Jacó. A fé de Israel seria testada ao reivindicar suas terras. O Senhor deu ao cristão "visto como o seu divino poder nos tem dado tudo o que diz respeito à vida e à piedade, pelo pleno conhecimento daquele que nos chamou por sua própria glória e virtude" (2 Pedro 1:3) Paulo escreveu: "Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como não nos dará também com ele todas as coisas? ” (Romanos 8:32)

Deus deu ao cristão promessas espirituais, mas elas devem ser reclamadas pela fé, assim como Israel tinha que tomar posse da Terra Prometida. A nossa fé é testada na posse de nossas bênçãos espirituais. Devemos viver pela fé e não por vista. "Pela fé caíram os muros de Jericó, depois de rodeados por sete dias" (Hebreus 11:30).

Nossa Jericó vai cair diante de nossos olhos se confiarmos e obedecermos a Deus.

I. Os Obstáculo Para a Fé

A. A pecaminosidade dos cananeus.
1. Os cananeus eram pessoas muito pecaminosas. Deus tinha pronunciado a destruição completa dos Cananeus antes de os israelitas entrarem na terra.
B. A fortaleza dos cananeus.
1. Jericó representa as fortalezas do pecado em cada uma de nossas vidas. Deus quer que nós vençamos a batalha sobre a velha carne do pecado, o mundo e o diabo.
2. Você não é mais do que um pobre soldado de Cristo, se você acha que pode vencer sem lutar, e supõe que pode ter a coroa sem conflito"

Quais são as fortalezas espiritual em sua vida?

II. A Obediência Da Fé

A. A obediência ao capitão. (Josué 5:13-15)
1. A Palavra do Senhor. (Josué 6:2)
2. Os Caminhos do Senhor. (Josué 6:3-5)
B. A obediência ao comando. (Josué 6:6-15)
1. A Preparação. (Josué 6: 6-16)
2. A Separação. (Josué 6:18-19)
Você tem fé em Deus quando enfrenta sua Jericó?

Você está disposto a aceitar a Palavra de Deus e o caminho de Deus para lidar com a sua Jericó?

III. O Resultado Da Fé

A. O triunfo sobre Jericó. (Josué 6:20-21)
B. Os tesouros para o senhor. (Josué 6:24)

Você dá a glória a Deus quando você tem vitória sobre as fortalezas em sua vida?

IV. A Obrigação Da Fé

A. A Promessa feita a Raabe. (Josué 2:14, 19)
B. A Proteção de Raabe. (Josué 6:25)

Você aceita a sua responsabilidade dada por Deus de contar aos outros sobre Jesus? Você está dizendo aos outros como Deus tem abençoado sua vida?

Conclusão:
1. Estamos lutando uma guerra espiritual. Nós todos temos a nossa Jericó. "pois não é contra carne e sangue que temos que lutar, mas sim contra os principados, contra as potestades, conta os príncipes do mundo destas trevas, contra as hostes espirituais da iniquidade nas regiões celestes" (Efésios 6:12) Nossa arma é a Palavra de Deus. (Efésios 6:17

2. Devemos estar na ofensiva e não na defensiva nesta batalha. "pois as armas da nossa milícia não são carnais, mas poderosas em Deus, para demolição de fortalezas; derribando raciocínios e todo baluarte que se ergue contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência a Cristo" 2 Coríntios 10:4-5

3. A fé e obediência é fundamental para ter as bênçãos de Deus.

4. Nós somos "mais do que vencedores, por meio daquele que nos amou" Romanos 8:37

"Graças, porém, a Deus que em Cristo sempre nos conduz em triunfo, e por meio de nós difunde em todo lugar o cheiro do seu conhecimento" (2 Coríntios 2:14)

23 de abril de 2016

É o falar em línguas a evidência de receber o batismo com o Espírito Santo ou de estar cheio do Espirito Santo?
É o falar em línguas a evidência de receber o batismo com o Espírito Santo ou de estar cheio do Espirito Santo?
Os pentecostais têm tradicionalmente ensinado que o falar em línguas é a prova de que uma pessoa foi batizada com o Espirito Santo ou está cheia do Espírito Santo. Aqueles que defendem esta posição o fazem principalmente com base em um padrão que eles discernem em Atos.

Eles observam que quando os discípulos foram batizados pela primeira vez no Espírito no dia de Pentecostes, "todos eles ... começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito lhes concedia que falassem" (Atos 2:4). Da mesma forma, quando os gentios foram inicialmente cheios com o Espírito Santo, Pedro e os outros judeus cristãos reconheceram, "pois os ouviam falando em línguas e exaltando a Deus" (Atos 10:46). E quando os discípulos de João Batista receberam pela primeira vez esta bênção de Deus depois que Paulo pregou a eles e orou com eles, todos eles "falavam em línguas e profetizavam" (Atos 19:6). Nesta base, eles argumentam que todos devem procurar ser cheios do Espírito Santo (Efésios 5:18), e que eles vão saber que foram cheios quando falarem em outras línguas.

A maioria dos evangélicos rejeitam essa linha de argumentação por uma série de motivos. Há cinco argumentos convincentes que podem ser levantados contra ela.

- Em primeiro lugar, os detratores da doutrina da evidência inicial argumentam que é ilegítima hermenêutica basear uma doutrina sobre a narrativa histórica. Quando o historiador, Lucas relatou o que aconteceu; ele não ensinou o que deve sempre acontecer. Sua narrativa é descritiva, não prescritiva. Se tomarmos tudo o que Lucas registrou como uma receita de como a igreja deve ser, crer e se comportar, teríamos de insistir que todas as igrejas sejam comunistas (Atos 2:44-45) e que os lenços e aventais deveriam ser enviados para curar as pessoas (Atos 19:11-12).

- Em segundo lugar, a Bíblia fornece uma boa quantidade de ensino explícito (e não mera inferência histórica) sobre a evidência de ser cheio do Espírito, e nenhum deles gira em torno de falar em línguas. Quando as pessoas estão cheias do Espírito Santo, elas manifestam os frutos do Espírito, especialmente o amor (Gálatas 5:22-23; l Coríntios 13; Romanos 5:5). Suas vidas são caracterizadas por um zelo pelo Senhor, uma ousadia para proclamar a verdade e a santidade (Atos 1: 8; Romanos 8:2-6; 2 Coríntios 3:17-18; Gálatas 5:16-18). Se algum fenômeno carismático deve ser associado a ser cheio do Espírito, é a profecia - falar a palavra do Senhor com uma unção poderosa e reveladoras visões, Pedro ensinou que estes seguiriam o derramamento do Espírito Santo (Atos 2:17-18).

- Terceiro, se falar em línguas é a evidencia de a pessoa estar cheia do Espírito Santo, deveríamos esperar que essas pessoas que falam em línguas geralmente manifestassem mais do fruto do Espírito do que os outros. Mas esse não é inegavelmente o caso. Não era também o caso no Novo Testamento. Os crentes da igreja de Corinto falavam em línguas, mas Paulo os repreendeu por serem bebês espirituais (1 Coríntios 3:1-4).

- Em quarto lugar, parece claro a partir da epístola de Paulo aos Coríntios que ele não presumia que todos os crentes iriam falar em línguas em algum momento. Paulo pergunta, "são todos apóstolos? São todos profetas? São todos mestres? ... têm todos dons de curar? Falam todos em línguas?" (1 Coríntios 12:29-30). A resposta, naturalmente, é não. No entanto, Paulo encoraja todos os crentes a buscar continuamente, serem "cheios do Espírito" (Efésios 5:18). Isso parece sugerir claramente que Paulo não esperava que todos os crentes falassem em línguas e não identificava línguas como uma manifestação necessária de ser cheio do Espírito.

- Finalmente, em uma nota mais prática, como um ministro do evangelho posso atestar o fato de que a "doutrina da evidência inicial" inevitavelmente cria um cristianismo de duas classes, distinguindo entre aqueles que falam em línguas e os que não falam. O Novo Testamento não conhece essa classificação. Aqueles nos círculos pentecostais que não falam em línguas são encorajados a procurar esta prova.

No entanto, o Novo Testamento não contém relatos de crentes que procuram a experiência de falar em línguas. Até mesmo nos episódios em Atos que os pentecostais citam em apoio a posição deles, o ato de falar em línguas simplesmente acontece. Ninguém está procurando por ele.

Portanto, embora eu acredite que o dom de línguas é uma bênção, e que todos os crentes são encorajados a serem desejosos pelos dons espirituais (especialmente profecia), eu não acredito que falar em línguas é algum tipo de "evidencia" de ser cheio o espírito Santo.

Pr. Aldenir Araujo
O Pregador E Suas Palavras
O Pregador E Suas Palavras
O pregador gasta incontáveis horas de leitura durante a semana, estudando, cavando, e escrevendo palavras. As palavras da Escritura, as palavras de livros e comentários, palavras de pregação, palavras de oração e meditação, palavras de conversas ... todas estas palavras (centenas de milhares) são cultivadas, processadas e consideradas quando nos aproximamos da hora marcada de subir no púlpito. Nosso desafio é tomar essas palavras e condensá-las em uma mensagem que seja relevante, convincente, espiritual e bíblica. Portanto, devemos garantir que temos as palavras certas. Isso, meu amigo é uma tarefa séria.

Esta é uma tarefa séria, não só por causa dos condicionalismos de tempo que enfrentamos nesta geração, mas mais importante, porque as nossas palavras têm significado. Nossas palavras têm influência imediata, contínua e externa sobre aqueles que as ouvem. As "palavras certas", como Mark Twain coloca, é a diferença entre "um relâmpago e o vagalume". As palavras de um pregador, ao contrário de outros profissionais, revelam não só o caráter do pregador, mas o caráter de Deus. Portanto, devemos tomar cuidado e usar de bom senso quando se trata das palavras que usamos.

O líder pode ter a estratégia mais brilhante em sua mente, a visão mais impressionante em sua mira, e uma paixão irreprimível em seu coração, mas se estas coisas não são comunicadas aos outros, a verdadeira liderança não ocorre. Em suma, os nossos pensamentos, visão e paixão são tão boas quanto as palavras que usamos para transmiti-las.

O pregador deve colocar as suas palavras através de algumas provas:

1. A prova da clareza

Nós não somos chamados para impressionar com nossas palavras, somos chamados para apresentar uma mensagem clara e concisa da Palavra de Deus. Uma das maiores descobertas no início do meu ministério foi aprender que as minhas palavras só devem reiterar o que a Escritura já confirmou. A minha responsabilidade como um mensageiro é simplesmente entregar a mensagem. Quando desordenamos nossas palavras com os pensamentos em curso e intermináveis que distorcem a verdade das Escrituras, desengatamos os nossos ouvintes. Em caso de dúvida, utilize sempre a metodologia; simples, claro. O velho provérbio de tentar pegar dois coelhos é muito prático na pregação - você não vai pegar nenhum deles; nem você irá capturar a atenção de sua congregação.

2. A prova da convicção

Você nunca vai influenciar as pessoas com suas palavras se suas palavras não lhe influenciaram primeiro. "Em momentos como o presente", disse Abraham Lincoln, "o homem não deve proferir nada que ele não esteja disposto a ser responsável através do tempo e da eternidade". Não acreditamos no que pregamos? Talvez uma pergunta melhor: vivemos o que pregamos? As palavras em nossos lábios só são justificadas quando elas correspondem com o testemunho de nossas vidas. Se você não estiver pessoalmente convicto por uma coisa particular, você não deve tentar comunicar essa coisa particular. É claro que estamos pregando todo o conselho de Deus, não é isso que estou dizendo. O que quero dizer é que a sua autenticidade como um pregador está enraizada em suas convicções. Veja: O Pregador E Sua Chamada

3. A prova da criatividade

Nós nunca devemos comprometer a verdade pela criatividade; mas com o que foi dito, nada parece transmitir a verdade mais do que quando entregue de uma forma criativa. Oliver Wendell Holmes disse: "A mente do homem, uma vez expandida por uma nova ideia, nunca mais recupera as suas dimensões originais". Como pregador, você tem a oportunidade única de "expandir mentes" para as coisas de Deus. É claro que devemos evitar truques e artifícios; mas devemos lembrar que parte de nossa vocação é a comunicação de palavras. Nesta geração, é cada vez mais difícil as pessoas se concentrarem e dar total atenção. O pregador deve encontrar maneiras exclusivas com palavras para comunicar a verdade. Leia também: O Pregador e a Oração

4. A prova da confiança

Muitos pregadores, inclusive eu, têm experimentado o que chamo de "complexo Jeremias". O profeta Jeremias, quando chamado por Deus, sofria de medo de rostos. Literalmente, ele estava com medo de falar porque ele sentia que não tinha nada a dizer, ele não tinha palavras. Foi então que Deus lembrou o pregador apreensivo: "Não temas diante deles; porque eu sou contigo para te livrar ... ponho as minhas palavras na tua boca" (Jeremias 1:8-9). Nós não somos confiantes em nós mesmos, nossas habilidades, ou a nossa força; mas podemos pregar com confiança, sabendo que a nossa mensagem é validada pelas próprias palavras de Deus. Se você não está confiante em falar, eles não vão estar confiantes em ouvir. Leia também: O Pregador E Seus Críticos

5. A prova da consistência

A consistência valida a sua integridade e caráter e confirma a sua mensagem. Um pregador consistente é mais eficaz do que um falador extravagante. Todo mundo sabe que a repetição é a chave para uma comunicação eficaz. Regra de ouro: diga-lhes o que você quer dizer, diga o que você vai dizer, em seguida, dizer-lhes o que você acabou de dizer. Eles vão sair, pelo menos, sabendo que você foi consistente e, portanto, digno de confiança.
Lembre-se, as palavras ocupam espaço ... não apenas em uma tela, ou em um livro, ou em uma conversa. Elas fundamentalmente ocupam espaço nos corações e mentes. Use suas palavras com clareza, com convicção, com criatividade, com confiança e com consistência ... alguém, em algum lugar vai estar ouvindo. Isto inclui o próprio Deus. Veja também: O Pregador E Sua Saúde

Pr. Aldenir Araujo

22 de abril de 2016

O amor nos conduz à obediência
O amor nos conduz à obediência
“Pois o amor de Cristo nos constrange...” 2 Coríntios 5:14a

"Se você sabe que Deus lhe ama, você nunca deve questionar uma diretiva Dele"

Fazendo o nosso dever

Nós não podemos nos gabar ou vangloriar sobre a nossa salvação de forma alguma (Efésios 2: 8-9), porque somos servos indignos somente cumprindo o nosso dever, nada mais, mas não deveríamos ser obrigados a viver uma vida de obediência uma vez que Ele morreu por nós enquanto ainda Seus inimigos e pecadores maus e ímpios? (Romanos 5: 6-10). A resposta óbvia é sim, devemos; e como Jesus disse: "Assim também vós, quando fizerdes tudo o que vos for mandado, dizei: Somos servos inúteis; fizemos somente o que devíamos fazer" (Lucas 17:10).

Os olhos da fé

Quando apoiamos em Deus para nossa compreensão e entendimento, não temos que confiar no que vemos com os nossos olhos, mas podemos ver com os olhos da fé. Quando o servo de Eliseu viu os milhares de soldados que cercavam ele e Eliseu, mas Eliseu não estava preocupado, "E Eliseu orou, e disse: Ó Senhor, peço-te que lhe abras os olhos, para que veja. E o Senhor abriu os olhos do moço, e ele viu; e eis que o monte estava cheio de cavalos e carros de fogo em redor de Eliseu" (2 Reis 6:17). O que o servo de Eliseu não viu, Deus sabia que estava lá, então não devemos questionar as diretivas de Deus porque Ele nos ama e busca sempre o nosso melhor.

Lealdade cega

Antes de Davi ser ungido rei sobre Israel, os filisteus e o poderoso gigante Golias colocava medo nos corações de Israel e "E todos os homens de Israel, vendo aquele homem, fugiam, de diante dele, tomados de pavor" (1 Samuel 17:24), mas "Davi disse a Saul: Não desfaleça o coração de ninguém por causa dele; teu servo irá, e pelejará contra este filisteu" (1 Samuel 17:32) e assim "Disse mais Davi: O Senhor, que me livrou das garras do leão, e das garras do urso, me livrará da mão deste filisteu. Então disse Saul a Davi: Vai, e o Senhor seja contigo" (1 Samuel 17:37) e, claro, Deus estava com Davi e ele matou Golias porque ele tinha uma lealdade cega a Deus e desprezava aqueles que desafiavam ao Deus vivo.

Confiar em Deus e não em si mesmo

Salomão nos diz: "Confia no Senhor de todo o teu coração, e não te estribes no teu próprio entendimento" (Provérbios 3:5) porque não podemos nos apoiar no ar, mas é nisso que apoiamos se nós confiarmos apenas em nós mesmos, porque "O que confia no seu próprio coração é insensato; mas o que anda sabiamente será livre" (Provérbios 28:26). Eu confio em Deus, não nos meus próprios sentimentos ou conhecimentos, porque, como disse anteriormente, "Se você sabe que Deus lhe ama, você nunca deve questionar uma diretiva Dele"

Conclusão

Se nós totalmente compreendêssemos o amor de Deus, nós estaríamos dispostos a correr qualquer risco para Deus, porque mesmo nos vales escuros e ameaças sombrias da morte (Salmo 23:4), o nosso Grande Pastor está conosco e nunca nos deixará ou nos abandonará, "Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida, e habitarei na casa do Senhor por longos dias" (Salmo 23:6).

Pr. Aldenir Araujo

19 de abril de 2016

3 Razões Porque Deus É Suficiente
3 Razões Porque Deus É Suficiente
"Você nunca vai precisar mais do que Deus pode suprir"

A Água Viva

Beber da água natural, não satisfaz realmente, porque você vai ficar com sede de novo, mas se você beber da Água Viva que Cristo dá, sua sede estará saciada para sempre. Jesus disse: "Quem crê em mim, como diz a Escritura do seu interior fluirão rios de água viva" (João 7:38) e assim, Ele clama a todas as almas cansadas, secas e sedentas" Se alguém tem sede, venha a mim e beba" (João 7:37) e esta água satisfaz para sempre.

O Pão da Vida

Assim como acontece com a água, comer o pão deste mundo te deixa com fome de novo e realmente nunca satisfaz, então porque não ir a Jesus que diz: "...Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim, de modo algum terá fome, e quem crê em mim jamais terá sede" (João 6:35). Como o maná no deserto só satisfez Israel por um dia, o mesmo acontece com este mundo; ceder seus prazeres passageiros; somente satisfação fugaz, mas "o pão de Deus é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo”. (João 6:33). Quando você participa do Pão da Vida, você está sempre satisfeito.

Nossas Necessidades Diárias

Jesus não diz que é errado orar "Dá-nos hoje o nosso pão de cada dia" (Mateus 6:11), na verdade, ensinou seus discípulos a orar dessa maneira (Mateus 6:9a) de modo que "Não estejais ansiosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer, ou pelo que haveis de beber; nem, quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo mais do que o vestuário?" (Mateus 6:25) e "Olhai para as aves do céu, que não semeiam, nem ceifam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta. Não valeis vós muito mais do que elas?" (Mateus 6:26) Claro que você vale muito mais. Confie em Deus, ore por suas provisões, "Mas, buscai primeiro o reino de Deus e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas" (Mateus 6:33).

Conclusão

Se você tiver recebido o Pão da Vida e tomado da Água Viva, confie em Deus para as demais coisas, porque "O Senhor não deixa o justo passar fome" (Provérbios 10:3a) e o salmista escreve: "Fui moço, e agora sou velho; mas nunca vi desamparado o justo, nem a sua descendência a mendigar o pão" (Salmo 37:25), saiba que Deus é suficiente e, "Você nunca vai precisar mais do que Deus pode suprir".

17 de abril de 2016

Série: José: Amargura, Traição E Bênção - Quem Tem a Taça de Prata? #11
Série: José: Amargura, Traição E Bênção - Quem Tem A Taça De Prata? #11
Texto: Gênesis 44:1-34

Introdução: Hoje à noite chegamos a uma passagem interessante e reveladora na vida de José e sua família. Os irmãos fizeram a segunda viagem ao Egito, garantindo as provisões necessárias que buscavam. Simeão foi libertado como José havia prometido. Depois de desfrutar de uma refeição abundante, os irmãos estavam preparados para fazer a viagem de volta para Canaã. Eles provavelmente estavam se sentindo muito bem quando acordaram naquela manhã, mas eles não tinham ideia de como o dia se desdobraria.

Até o momento os irmãos não haviam reconhecido José. Ele tinha visto sinais de promessa neles, mas ele ainda não estava satisfeito sobre o seu caráter e compromisso com a família. Quando eles partem José elabora um plano para um teste final que irá revelar a verdadeira natureza dos irmãos. O plano envolvia uma taça de prata que pertencia a José. Através deste item ele iria se revelar a seus irmãos.

Há uma grande aplicação para nós nesta passagem. Deus conhece nossos corações melhor do que nós conhecemos a nós mesmos, e em ocasiões Ele traz circunstâncias que revelam claramente a natureza dos nossos corações, não só para nós, mas para aqueles que nos rodeiam também. Uma coisa é certa, Deus sabe como chamar nossa atenção. Eu quero discutir as circunstâncias deste encontro enquanto nós consideramos a pergunta: Quem tem a Taça de Prata?

I. A Preparação Para O Encontro. V. 1-2

- José tinha um plano e aqui vamos descobrir como o plano estava sendo realizado. Observe:

A. A graça envolvida. V. 1 - Enquanto os irmãos se preparavam para partir, José novamente ordenou ao mordomo para encher os sacos com tanto quanto eles podiam transportar e devolver-lhes o dinheiro. Este era certamente um ato de graça. Naturalmente, ele queria garantir a sobrevivência deles, mas já seria bom se ele ficasse com o dinheiro, não querendo fazer mais do que era absolutamente necessário. Afinal de contas, eles não tinham se preocupado com o bem-estar de José anteriormente. Este foi um ato gracioso da parte de José. Não temos nós todos recebido mais do que merecemos? Será que Deus não tem suprido nossas necessidades além daquilo que esperávamos às vezes? Nós somos os destinatários da graça de Deus!

B. O objetivo envolvido. V. 2 - completamente desconhecido pelos irmãos, José instruiu o mordomo para esconder sua taça de prata no saco de Benjamim. Isso foi feito com um propósito. José sabia quem o tinha traído anos antes. Isso foi feito para provar seus irmãos. Enquanto vendo Benjamin acusado e enfrentando dura punição, eles iriam ficar com ele ou traí-lo como eles tinham feito com José. Isso iria realmente revelar os corações dos irmãos mais velhos.

- Podemos não gostar de admitir isso, mas há momentos em que Deus coloca uma taça de prata em nosso meio. Ele não nos tenta, mas há momentos em que ele prova a nossa fé para nos provar e reforçar a nossa fé. Muitas vezes, estes testes revelam áreas de fraqueza em nossas vidas, bem como nos confirmar com o que é realmente importante. (Abraão, Elias, Discípulos na tempestade, Pedro peneirado, o espinho de Paulo).

II. A Investigação No Encontro. V. 3-13

- Estes versos lidam com a investigação e descoberta da taça de prata plantada. Observe:

A. A acusação. V. 4-6 - Imagine a surpresa que os homens tiveram quando eles foram rapidamente alcançados pelo mordomo de José. Sem dúvida, eles deixaram de pensar que tudo estava bem e que tinham sido bem-sucedidos em todos os sentidos. Eles não tinham ideia que a taça estava no saco de Benjamim. O mordomo os acusa abertamente de roubo. Eles eram completamente inocentes, e eles estavam sendo falsamente acusados. José criou uma situação em que eles iriam experimentar a ansiedade que ele experimentou por causa de sua traição.

- Isso me lembra a vida que vivemos, às vezes. Deus oferece oportunidades para vermos claramente o pecado em nossas vidas e a necessidade de arrependimento. Ele usa várias situações e circunstâncias, mas eventualmente ele nos leva para um lugar onde temos de lidar com as necessidades em nossas vidas.

B. A afirmação. V. 7-9 - Uma vez confrontados e acusados de roubo, os irmãos insistentemente negam qualquer atitude errada. Eles foram honestos sobre o dinheiro que devolveram, mas honestamente eles não sabiam nada da taça que foi furtada. Eles até mesmo concordam com a execução do culpado e a escravidão disposta pelos outros, se a taça fosse achada em posse deles.

- Isto serve como um duplo desafio para nós. Primeiro; nossa vida deve ser vivida de tal forma que, mesmo se a acusação for dirigida contra nós, não haverá provas para nos condenar. Precisamos viver de tal maneira que não tenhamos que nos preocupar que os outros descubram o que está em nosso saco. No entanto, como no caso dos irmãos, é fácil permitir que o pecado não arrependido permaneça em nossas vidas e, eventualmente, atinja o nível em que nós nos tornamos insensíveis a ele. Eles nunca tinham lidado com o pecado do passado e provavelmente começaram a se sentir como se as consequências seriam limitadas. Como já dissemos, o pecado acabará por ser revelado se não for confessado e tratado. Não podemos continuar a pecar e ficar por isso mesmo.

C. A angústia. V. 10-13 - O mordomo imediatamente começou a procurar no saco de cada um, começando com o mais velho dos irmãos. Procurando por último no saco de Benjamin, a taça foi encontrada em sua posse. Qualquer confiança que eles tinham foi embora. Os irmãos foram tomados pelo pavor, depois de terem concordado que a parte culpada morreria. Eles já estavam lidando com a culpa interna sobre José e agora eles seriam responsáveis por Benjamin também. Este era o início da mudança em seus corações.

- Este encontro vai levar os irmãos ao arrependimento genuíno. Eles estavam começando a se sentir culpados por seus pecados passado, mas ainda tinha que confessá-lo a Jacó e lidar com ele. Aqui, Deus os levou a um lugar onde o arrependimento era absolutamente necessário. O genuíno arrependimento envolve abandonar nosso pecado, não apenas sentir remorso porque fomos apanhados em flagrante. Podemos nos recusar a lidar com nosso pecado, mas, eventualmente, Deus vai colocar um copo no nosso saco e vamos ter de lidar com isso.

III. O Confronto No Encontro. V. 14-17

- Aqui nós descobrimos a posição deles diante de José quando confrontados com as acusações contra eles. Observe:

A. A humildade. V. 14 - Não há nenhum sinal de arrogância ou orgulho. Mais uma vez se humilham perante José, em um ato de submissão e desejo de misericórdia. Eles sabiam que seu destino estava em suas mãos e não havia necessidade de esperar ou exigir nada. Precisamos ser lembrados de nossa necessidade de humildade também. Os salvos podem se achegar corajosamente diante do trono da graça, mas não há espaço para arrogância ou orgulho enquanto estamos de pé diante do Senhor. Ele é soberano sobre nossas vidas! Se Deus colocou um copo no nosso saco, devemos chegar com humildade perante Ele em arrependimento.

B. A honestidade. V. 15-16 - Não há dedo sendo apontado ou acusação interposta pelos irmãos. Eles não estão procurando alguém para culpar pela situação difícil. Eles admitem que a situação e risco foi provocada por seu próprio pecado. O dia do julgamento tinha chegado e eles foram honestos com José.

- Oh, como precisamos desenvolver um coração aberto e honesto diante do Senhor. Ele sabe onde estamos. Ele conhece o pecado que cometemos e as falhas em nossas vidas. É fácil tentar racionalizar nosso comportamento ou procurar alguém para culpar, mas nós somos responsáveis pelas vidas que vivemos e as decisões que tomamos. A comunhão pode ser restaurada, mas temos de ser honestos com Deus se isso é para acontecer. Cristo morreu pelos pecados do mundo, mas até o perdido admitir sua necessidade e confessar seu pecado, a salvação não é recebida. Evitar as nossas responsabilidades nunca vai resultar em bênção.

C. A audiência. V. 17 - Como a audição prossegue, José passa o julgamento. Ele declarou que Benjamin continuará a ser um escravo no Egito e os outros poderão ir em paz. Esta era a chave para o teste. Como os irmãos respondem? Será que eles abandonarão Benjamin como eles tinham feito com José anos antes ou será que eles irão intensificar e fazer a coisa certa? O inocente seria mais uma vez condenado, enquanto os culpados foram autorizados a ir livremente.

- Mais uma vez eu não quero cometer o excesso de espiritualizar a Escritura, mas eu não podia deixar de pensar em nosso Senhor aqui. Os irmãos eram culpados do pecado passado, enquanto Benjamin não tinha cometido nada de errado contra José. Nesse ponto, ele foi acusado, enquanto aqueles que deveriam ter sido condenados foram oferecidos a liberdade. Eu era como os irmãos de José, culpados do pecado contra o meu soberano. Jesus assumiu o meu lugar e eu fui livre. Sabemos que Benjamin não morreu por seus irmãos, mas isso oferece um vivo lembrete do sacrifício que Cristo fez em nosso favor!

IV. A Revelação No Encontro. V. 18-34

- A última parte desta passagem revela a resposta de Judá a José. Ele serve como porta-voz dos irmãos, mas sua resposta reflete a atitude que todos eles possuem. Através das suas palavras, descobrimos muito sobre eles. Observe:

A. A preocupação. V. 20, 29, 31 - Judá e os outros não podem imaginar voltando para Canaã sem Benjamin. Eles sabiam que seu pai não seria capaz de suportar tal dor. Eles realmente temiam que tamanho sofrimento iria acabar com a vida de seu pai. Esta é uma mudança drástica de suas atitudes antes. O ódio que eles tinham de José excedeu o amor deles por Jacó, mas agora eles aprenderam a pensar em alguém além de si mesmos.

- Podemos aprender com os irmãos a este respeito. Nós também precisamos ter uma preocupação com o bem-estar dos outros. Muitas vezes, nossas vidas são consumidas com os desejos e planos egoístas. Muitos dão pouca atenção às necessidades e sentimentos dos outros. Devemos seguir o exemplo de nosso Senhor. Ele certamente estava preocupado com a humanidade; tanto assim que, Ele voluntariamente deu sua vida como expiação pelos nossos pecados. Certamente podemos perceber e responder às necessidades dos outros também.

B. O compromisso. V. 32-34 - Judá revela que ele tinha feito uma promessa a seu pai garantindo o retorno seguro de Benjamin. Ele estava disposto a tomar o lugar de Benjamin e permanecer no Egito para cumprir sua promessa. Finalmente Judá e os outros estavam aceitando a responsabilidade e mostrando o seu compromisso com o pai e toda a família.

- A oferta de Judá aponta para o sacrifício que Cristo faria na cruz para cada um de nós e toda a humanidade. Ele é a nossa garantia de salvação. Ele estava comprometido com a vontade do Pai e tomou o nosso pecado para trazer redenção e reconciliação.

- Certamente isso deveria servir como um desafio para cada um de nós. Temos recebido tanto em Cristo. Temos sido adotados na família de Deus, tornando-se herdeiros da promessa. Como filhos de Deus, temos a responsabilidade de servir a Ele e outros. Devemos ser testemunha de Cristo, procurando influenciar o mundo e alcançá-los com o evangelho. Talvez Deus colocou um copo em seu saco esta noite para revelar a necessidade de um compromisso renovado. Ele não é digno de nosso serviço e compromisso?

C. O semblante - Quando consideramos o contexto desta passagem, vemos uma mudança definitiva nos irmãos mais velhos. Uma vez endurecido, homens pecadores, eles já perceberam o erro de seus caminhos e estão procurando conciliar o passado. O Senhor levou-os a um lugar de arrependimento e que vemos e mudança genuína tendo lugar em seus corações e vidas. As relações tensas do passado em breve serão consertadas e a família vai ficar junta novamente.

- Quando eu pensei na mudança real visto em suas vidas, me perguntava sobre as necessidades dentro de nossa igreja. Certamente há necessidades e cargas que precisam ser abordados e tratados. Na verdade, acredito que o Senhor colocou alguns copos nos sacos de indivíduos. Ele fez isso com um propósito. Ele deseja que reconheçamos nossa necessidade e respondamos como Judá e os outros fizeram. O arrependimento genuíno, procurando os caminhos de Deus e abandonar o pecado que nos impede é a única solução.

Conclusão: Você está cansado de lidar com o pecado em sua vida? Existe um problema que dificulta continuamente a sua caminhada com o Senhor? Falta a alegria e a paz que você já teve? Se assim for, por que não trazer essa taça diante do Senhor e lidar com ela esta noite? Ele colocou lá para revelar sua necessidade e ele está disposto a restaurar a comunhão que você precisa.

Talvez a sua taça revelou a necessidade de salvação. Talvez o Espírito trouxe convicção e você percebeu que você precisa vir a Cristo pela fé, recebendo-o como seu Salvador. Se assim for, por favor, venha. Novamente eu pergunto: Quem tem a Taça de Prata?

15 de abril de 2016

Lembre-Se: Estamos Em Guerra Espiritual
Lembre-Se: Estamos Em Guerra Espiritual
Texto: Josué 5:13-15
Introdução: Como povo de Deus, precisamos nos levantar contra as forças do mal sabendo que temos o Senhor como nosso general para nos liderar na batalha e nos conduzir em vitória.

"pois não é contra carne e sangue que temos que lutar, mas sim contra os principados, contra as potestades, conta os príncipes do mundo destas trevas, contra as hostes espirituais da iniquidade nas regiões celestes" Efésios 6:12

"pois as armas da nossa milícia não são carnais, mas poderosas em Deus, para demolição de fortalezas; derribando raciocínios e todo baluarte que se ergue contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência a Cristo" 2 Coríntios 10:4-5

"Mas em todas estas coisas somos mais que vencedores, por aquele que nos amou. Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem anjos, nem principados, nem coisas presentes, nem futuras, nem potestades, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor" Romanos 8:37-39.

I. O Desafio diante de Josué

A. Preparando-se para a batalha.
1. Depois da morte de Moisés, Josué recebeu a grande responsabilidade de levar o povo de Deus para a Terra Prometida. Deus disse a Josué para "Esforça-te, e tem bom ânimo, porque tu farás a este povo herdar a terra que jurei a seus pais lhes daria".
2. Os israelitas tinham que estar preparados espiritualmente antes de enfrentar o inimigo no campo de batalha e entrar na Terra Prometida. Esta geração não tinha mantido o pacto abraâmico, a prática da circuncisão durante seu cativeiro no Egito. Todos os jovens do sexo masculino que nasceram durante seus quarenta anos no deserto tinham que ser circuncidados também. A circuncisão era um sinal da separação do povo de Deus de todas as outras pessoas. Deus chamou o lugar onde acamparam durante a circuncisão, Gilgal, o que significa "Eu tenho removido de vós o opróbrio do Egito”
3. Esta é uma lição espiritual para nós. A velha natureza não pode experimentar as bênçãos espirituais de Deus. "Porque a carne luta contra o Espírito, e o Espírito contra a carne; e estes se opõem um ao outro, para que não façais o que quereis" Gálatas 5:17
4. A Páscoa comemora a libertação dos israelitas do Egito. (Êxodo 7-12). Eles deveriam observar a Páscoa antes de entrar na Terra Prometida. Era um lembrete de sua redenção pelo sangue.
5. Da mesma forma, devemos estar em constante lembrança de nossa redenção no Calvário, e viver nossas vidas na sombra da cruz.
B. O Local da batalha. (Jericó)
1. A primeira batalha de Israel era com o povo de Jericó. Havia um muro completamente em torno da cidade. Este era um verdadeiro desafio para Josué. Estas muralhas teriam que ser derrubadas antes de Jericó ser derrotada. Como poderia Josué conduzir o povo de Deus para a vitória contra esta cidade murada? 

II. O Capitão Sobre Josué

A. Aparência do Capitão. "estava em pé diante dele um homem"
1. Enquanto Josué estava pensando em como ele iria derrotar Jericó, um homem "estava defronte dele com sua espada desembainhada na mão" Josué foi até o homem e perguntou-lhe: "És tu por nós, ou pelos nossos adversários?"
B. A grandiosidade do capitão.
1. Josué rapidamente reconheceu que este homem não era um homem comum. Este homem se identificou como o "príncipe do exército do Senhor". Josué reconheceu-o como mais do que um anjo. Ele "prostrando-se com o rosto em terra, o adorou". O capitão não era outro senão o Cristo pré-encarnado.
C. O exército do capitão. "Exército do Senhor"
1. "Exercito" fala dos grandes exércitos angelicais, sob a autoridade do Senhor.
D. A autoridade do capitão. "Tira os sapatos dos pés"
1. Josué era um general, mas ele rapidamente se submeteu à autoridade do capitão. Se queremos ser vencedores, temos de nos submeter ao Senhor Jesus Cristo. Nós não temos nenhuma autoridade contra o inimigo em nossa própria capacidade. Devemos permanecer em Cristo, sabendo que sem ele não podemos fazer nada.

III. A Conquista de Jericó

A. A promessa do Capitão. (6:2) "tenho dado na tua mão a Jericó"
1. O crente em Cristo tem a promessa do céu. (João 14: 1-3)
B. O plano do Capitão. (6:3-5)
1. Os israelitas conquistaram Jericó por um plano estranho. O Senhor só exigiu que eles obedecessem e confiassem nele. Eles não usariam espadas, facas ou lanças. Em vez disso, eles iriam marchar ao redor de Jericó seguindo sete sacerdotes, enquanto carregavam a Arca. Ao comando de Deus, eles deveriam soprar as trombetas e gritar. Este seria um ato de fé para Josué e para todos os israelitas.
2. O plano do Senhor eliminou qualquer ostentação ou orgulho dos israelitas em derrotar Jericó.
C. A presença do capitão. (6:27)
1. O Senhor prometeu a Josué que Ele lhe daria a vitória. Josué foi bem-sucedido porque o Senhor estava com ele. Nossas vitórias espirituais dependem do Senhor e não da nossa própria força.

Devemos desejar estar na presença de Deus permanecendo em Cristo.

Conclusão: Os inimigos de Cristo estão em ascensão. A igreja está perdendo o seu poder e influência. Isso pode mudar se o Senhor trabalhar poderosamente através do Seu povo como Ele fez com Israel. Não podemos confiar em nossos métodos mundanos e esquemas para alcançar os perdidos. Temos de confiar no Senhor e não em nosso talento ou esquemas.

Lembre-Se: Estamos Em Guerra Espiritual; lembremo-nos do Capitão de nossa salvação. A Bíblia descreve o sofrimento e a morte de Jesus para que os pecadores possam ser perdoados e salvos.

"vemos, porém, aquele que foi feito um pouco menor que os anjos, Jesus, coroado de glória e honra, por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos. Porque convinha que aquele, para quem são todas as coisas, e por meio de quem tudo existe, em trazendo muitos filhos à glória, aperfeiçoasse pelos sofrimentos o autor da salvação deles" Hebreus 2:9-10.

Pr. Aldenir Araujo

14 de abril de 2016

Divindade, Declaração e Domínio de Cristo
Divindade, Declaração e Domínio de Cristo
Texto: Apocalipse 1:17-18
Introdução: João estava bem familiarizado com Jesus. Suas mães eram irmãs, o que torna Jesus e João primos. João tinha passado três anos íntimos com Jesus. João tinha ouvido sua pregação e ensino. Ele havia testemunhado os milagres realizados por Jesus desde a cura do coxo a ressuscitar os mortos. João se inclinou sobre o peito de Jesus na última ceia da Páscoa. João tinha testemunhado a crucificação de Jesus. Quando Jesus estava pendurado na cruz, Jesus confiou Maria, Sua mãe, aos cuidados de João. Ele foi o primeiro a correr para o túmulo naquela primeira manhã de Páscoa. Jesus apareceu a João e a outros discípulos inúmeros vezes durante os 40 dias antes de sua ascensão ao céu. Nenhum destes encontros com Cristo teve o efeito sobre João como este registrado em Apocalipse. Desta vez, ele estava na presença gloriosa de Cristo ressuscitado.

I. A Divindade de Cristo. V. 17

A. As reivindicações de Cristo
1. Reivindicou o título "EU SOU" (Apocalipse 1:17; João 8:56-58 auto existente, eterno)
a. Pão da vida. (João 6:35, 41, 48, 51)
b. Luz do mundo. (João 8:12, João 9:5)
c. Porta das ovelhas. (João 10:7, 9)
d. Bom pastor. (João 10:11, 14)
e. Ressurreição e a vida. (João 11:25)
f. A Verdade, A Vida, o Caminho. (João 14:6)
g. Videira verdade. (João 15:1, 5)
2. Reivindicou igualdade com o Pai. (João 10:30)
B. As Credenciais de Cristo.
1. Testemunho do Pai. (João 5:37; 8:18)
2. Testemunho das Escrituras. (João 5:39; Lucas 24:27; 44-46)
3. Testemunho das obras de Cristo. (João 5:36; 10:37-38)

II. A Declaração de Cristo.

A. Sua vida pré-existência. (Eu sou o que vive)
B. Sua morte passada. (Estive morto, tornou-se morto)
C. Sua vida presente.
1. Sentado à direita do Pai. (Hebreus 1:3; Filipenses 2:9-11)
2. Intercedendo pelos crentes. (Romanos 8:34; Hebreus 7:25).

III. O Domínio de Cristo.

A. Chaves do inferno. (Lucas 12: 5; Apocalipse 20:11-15)
B. Chaves da morte. (I Coríntios 15:26, 54-57; Hebreus 2:14)
C. Chaves do céu. (Mateus 16:19; João 10:9).

Conclusão:
1. Jesus está governando a partir de Sua exaltada posição no céu.
2. Jesus está voltando para destruir todos os seus inimigos e estabelecer Seu reino.
3. Jesus é a nossa alegria porque Ele virá para Seus filhos.
O Maravilhoso Jesus
O Maravilhoso Jesus
Texto: Mateus 4:23-25
Introdução: Dois obreiros cristãos entraram em uma aldeia na Índia e foram convidados a orar por um homem que estava de cama por 20 anos. Depois de orar, os obreiros deixaram a aldeia com a promessa de voltar na semana seguinte. Quando eles voltaram, o homem anteriormente acamado saiu para encontrá-los. "Eu aceitei Jesus Cristo com grande fé". Ele chorou. "Ele me ajudou e me deu uma nova vida. Minha família inteira crê nele, e vamos louvá-lo com todas as nossas vidas"

Vejamos algumas preciosidades sobre o Maravilhoso Jesus
I. Sua Pregação
A. Seu ensino. (7:28-29)
B. Sua pregação. (V. 23)
1. Ele pregou o evangelho. (Boas novas)
2. Ele pregou a palavra. (Marcos 2:2)
3. Ele pregou sobre o reino.
II. Seu Poder
A. Poder sobre as doenças e males. (V.23)
B. Poder sobre os demônios. (Mateus 8: 28-34; Marcos 1:23-28.)
C. Poder sobre a morte. (João 11:25)
D. Poder para salvar o pecador. (Marcos 2: 1-12; Lucas 19:10)
Na Etiópia, uma mulher deu todos os seus recursos para os curandeiros em uma tentativa fútil de obter a cura. Quando soube que um missionário Batista estava na área, ela foi a ele. Ele a levou em oração, e ela foi curada. Como resultado de seu testemunho, o feiticeiro e outras quatro pessoas se converteram a Cristo.
III. Sua Popularidade
A. Sua fama. (V. 24)
1. Ressuscitando os mortos. (Mateus 9: 23-26.)
2. Curando o cego. (Mateus 9:27-31)
3. Cura do leproso. (Lucas 5: 12-16)
B. Seus seguidores. (V. 25)
Conclusão:
1. O tema de toda mensagem do evangelho deve ser sobre o Jesus maravilhoso.
2. Multidões um dia unirão suas vozes em louvor ao maravilhoso Senhor Jesus no céu. (Apocalipse 19:1, 6)
3. O evangelho de Cristo é o "poder de Deus para salvação de todo aquele que crê" (Romanos 1:16)

13 de abril de 2016

Ressurreição: Jesus Cristo Está Vivo
Ressurreição: Jesus Cristo Está Vivo
Texto: Apocalipse 1:17-18
Introdução: O grande Harry Houdini foi notícia em 6 de agosto de 1926, permanecendo debaixo d'água por 91 minutos em uma caixa hermética contendo apenas ar suficiente para sustentar um homem durante 5 ou 6 minutos. Aos 52 anos de idade, o artista de escape tinha praticado o controle da respiração e tinha permanecido absolutamente imóvel, a fim de minimizar o seu consumo de oxigênio, mas ele sofreu uma lesão posterior no estômago e morreu de inflamação da membrana que reveste o abdômen em 31 de outubro.

Houdini tinha desafiado a morte em muitas ocasiões, mas como todos nós, ele não poderia vencer a morte. Houve apenas uma pessoa que pôde desafiar a morte; Jesus Cristo. Ele está Vivo!

I. O Cristo Impressionante

A. O relacionamento de João com Jesus. (Relacionamento terreno)
1. João comeu com Jesus.
2. João caminhou e conversou com Jesus.
3. João colocou a cabeça no peito de Jesus.
B. A revelação de João de Cristo. (Revelação divina)

II. A Garantia de Cristo

A. Seu toque.
1. Crianças abençoadas com um toque.
2. Olhos cegos foram curados com um toque.
3. Leprosos foram curados com um toque.
4. Surdos foram curados com um toque.
B. Suas palavras.1. "Não temas"
2. "Vinde a mim, todos os que estais cansados ​​e oprimidos, e eu vos aliviarei" (Mateus 11:28)
3. "Não se turbe o vosso coração" (João 14:1-3)

III. A Afirmação de Cristo

A. Afirmou sua divindade. (vv. 8,11,17,18; eterno, auto existente)   
B. Afirmou sua morte. ("estive morto")      
C. Afirmou sua ressurreição. ("Estou vivo para todo o sempre")

IV. A Autoridade de Cristo

A. Autoridade absoluta. 1. Jesus tem a chave do céu. (João 14:6)
2. Jesus tem a chave do inferno. (Mateus 10:28)
3. Jesus tem a chave da morte. (João 11:25-26) - "Todo o poder me foi dado no céu e na terra" (Mateus 28:18)
B. Autoridade para perdoar pecados. (Marcos 2:5-11) Veja nesse artigo Porque a ressurreição de Jesus Cristo é tão importante?

“E não temais os que matam o corpo, e não podem matar a alma; temei antes aquele que pode fazer perecer no inferno tanto a alma como o corpo” (Mateus 10:28) Leia também: Em Defesa de Cristo: Sua Ressurreição
Ló: No Mundo, Não Do Mundo
No Mundo, Não Do Mundo
Texto: Gênesis 19:15-17
Introdução: Este é um trecho da Escritura que estamos todos familiarizados. É uma passagem que não é muito tratada por causa da verdade que ela revela. Estamos vivendo em uma época onde a verdade é muitas vezes rejeitada e ignorada, especialmente quando não está de acordo com os nossos desejos e comportamentos.
 
Antes de entrar na mensagem, precisamos considerar os eventos que levaram até a posição atual. Ló era o sobrinho de Abraão e foi levado para fora da terra de Ur para a terra de Canaã com ele. As coisas estavam indo bem até que os rebanhos de Abraão e Ló aumentaram até o ponto de haver contenda e discórdia entre os pastores de Ló e Abraão. Eles chegaram ao lugar que eles tiveram que separar e Abraão ofereceu a Ló a escolha em relação à direção. Ló escolheu a terra para Sodoma. Gênesis 13:10-11 – “Então Ló levantou os olhos, e viu toda a planície do Jordão, que era toda bem regada (antes de haver o Senhor destruído Sodoma e Gomorra), e era como o jardim do Senhor, como a terra do Egito, até chegar a Zoar. E Ló escolheu para si toda a planície do Jordão, e partiu para o oriente; assim se apartaram um do outro”. Este foi o início da queda de Ló.
 
Agora precisamos entender onde Ló estava espiritualmente. Ele não era um homem que não tinha ouvido falar e recebido a verdade. Na verdade, podemos estar certos de que Ló era um filho de Deus. 2 Pedro 2:7-8 – “e se livrou ao justo Ló, atribulado pela vida dissoluta daqueles perversos (porque este justo, habitando entre eles, por ver e ouvir, afligia todos os dias a sua alma justa com as injustas obras deles) ”. A Bíblia é clara no que diz respeito ao relacionamento de Ló com o Senhor, mas também revela seu desejo de permanecer entre o mundo. Observe o verso 16 novamente: “Ele, porém, se demorava; pelo que os homens lhe pegaram pela mão a ele, à sua mulher, e às suas filhas, sendo-lhe misericordioso o Senhor. Assim o tiraram e o puseram fora da cidade”. Ló pertencia a Deus e, no entanto, havia uma forte ligação com o mundo.
 
Muitos em nossos dias enfrentam a mesma situação. Eles são salvos e ainda permanecem no mundo e se agarram ao que ele oferece. Eu quero que nós consideremos os princípios revelados no texto relativo ao perigo de permanecer no mundo enquanto eu prego sobre o pensamento: No mundo, não do mundo.

Gênesis 19:15 – “E ao amanhecer os anjos apertavam com Ló, dizendo: levanta-te, toma tua mulher e tuas duas filhas que aqui estão, para que não pereças no castigo da cidade”. Os anjos apertaram a Ló; eles literalmente exigiram, eles pressionaram e insistiram para que ele os seguisse. Nós também precisamos sentir a urgência revelada no texto. Estas não são opções a considerar, mas ordens a obedecer. Primeiro, vemos que:

I. É Hora De Levantar

- Este é o primeiro comando que os anjos deram; “Levanta-te”. Isto tem a ideia de "elevar, ressurgir, para ser estabelecido ou provado, para cumprir ou confirmar". Os anjos enfatizaram a necessidade de Ló se levantar para as coisas de Deus. Era hora de estabelecer quem ele era, aos olhos do mundo, para provar sua fé e confirmá-la a eles. Era hora de tomar uma posição!
1. É tempo de a Igreja e o corpo de Cristo se levantar em nossos dias. Nós precisamos nos levantar e ser diferentes para fazer a diferença. Precisamos estabelecer quem somos e onde estamos e provar a nossa postura pela vida que vivemos. É o momento que devemos cumprir as obrigações que o Senhor nos deu.
2. Temos permanecido em silêncio por muito tempo. Não podemos esperar que o mundo mude ou ter a vitória em nossas vidas se não estivermos dispostos a nos levantar. Isso não vai ser fácil e eu posso garantir que não vai ser popular, mas temos de nos levantar. Salmo 1: 1 – “Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores”.
3. Nós nunca vamos ganhar a vitória sobre o mundo enquanto nós estivermos sentados contentes entre o mundo. É hora de levantar-se e ser contados entre os fiéis!

II. É Hora De Reunir

“levanta-te, toma tua mulher e tuas duas filhas que aqui estão”. Esta não era uma obrigação somente para Ló. Ele deveria reunir sua família com ele. Ele era responsável por eles e ele precisava levá-los juntos para fugir do mundo. Ele os havia levado para lá e agora era hora de levá-los para fora.
1. Precisamos sentir a urgência de reunir em nossos dias. Precisamos de pais que assumam a responsabilidade por seus filhos. É uma época triste em que vivemos. Muitas vezes, os professores da escola dominical ou pastor, recebe a culpa, mas a responsabilidade em última instância, cai dentro de casa.
2. Se você está esperando seus filhos triunfar neste mundo escuro com base exclusivamente no que eles recebem na casa de Deus, você está redondamente enganado. Eles precisam ser cercados pela verdade de Deus em uma base diária. Não podemos esperar que nossos filhos triunfem quando não há nenhuma justa instrução dentro da casa. Oxalá que mães e pais em nossos dias reúnam suas famílias e incutam as verdades da Palavra de Deus neles. Vivam a sua fé diante deles. A maçã geralmente não cai muito longe da árvore.
3. Efésios 5:23; 25 – “porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o Salvador do corpo. Vós, maridos, amai a vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela”. Efésios 6:4 – “E vós, pais, não provoqueis à ira vossos filhos, mas criai-os na disciplina e admoestação do Senhor”.
4. Tito 2:3-5 – “as mulheres idosas, semelhantemente, que sejam reverentes no seu viver, não caluniadoras, não dadas a muito vinho, mestras do bem, para que ensinem as mulheres novas a amarem aos seus maridos e filhos, a serem moderadas, castas, operosas donas de casa, bondosas, submissas a seus maridos, para que a palavra de Deus não seja blasfemada”.
5. Precisamos ficar longe do egoísmo dentro de nossas igrejas também. Muitas vezes, nós nos tornamos complacentes quando nossa família é salva e fazendo bem espiritualmente, mas precisamos sentir a urgência e obrigação para com os outros também.

III. É Hora De Admitir

“para que não pereças no castigo da cidade”. As coisas estavam desesperadas para Ló. Era hora de ele admitir onde ele estava com o Senhor. Se ele não saísse, o juízo era tudo o que restava.
1. Não estamos jogando jogos aqui hoje. Isso é muito sério. Perturba-me ver a atitude indiferente e irreverente que muitos têm em nossos dias a respeito do Senhor e seu relacionamento com ele. Estamos vivendo em dias de desespero e é hora de nós admitirmos onde estamos com o Senhor. Sabemos onde estamos e o que precisamos fazer, mas temos atitude de mudança; não enfrentamos a realidade. Nós simplesmente ignoramos, em vez de admitir.
2. Por que é que as pessoas vêm à igreja semana após semana e ainda não há nenhuma mudança em suas vidas? É simples: elas não estão dispostas a admitir que existem áreas em suas vidas que precisam ser trabalhadas. O primeiro passo para lidar com os problemas da vida é admitir que há um problema! Deus já sabe e você também; por que não o admitir, para que você possa lidar com ele?

IV. É Hora De Agir. V. 17

“Quando os tinham tirado para fora, disse um deles: Escapa-te, salva tua vida; não olhes para trás de ti, nem te detenhas em toda esta planície; escapa-te lá para o monte, para que não pereças”. Aqui descobrimos que Ló tinha uma decisão a tomar. Era hora de agir. Os dias de vida entre o mundo tinha acabado e com ele o juízo estava chegando a menos que ele escolhesse agir a fim de escapar. A palavra “escapar” significa "escapulir, para salvar ou se livrar." Isso era algo que Ló não podia mais ignorar ou ser passivo.
1. Não precisamos olhar muito longe para determinar que é hora de ação entre o povo de Deus. Temos sido complacentes com as necessidades dos nossos dias por muito tempo. Nós nos tornamos uma vida confortável entre o mundo e temos chegado ao lugar que nos recusamos a lidar com isso.
2. Sabemos o que a Bíblia diz e nós sabemos o que precisa ser feito. A pergunta é: o que vamos fazer sobre isso? Será que vamos continuar vivendo entre o mundo e, em muitos casos, participando do mundo, ou vamos agir e escapar do mundo?
3. Você nunca vai encontrar libertação e vitória em sua vida espiritual, enquanto você se contentar em morar em Sodoma. É tolice continuar fazendo as mesmas velhas coisas e esperar um resultado diferente! É tempo de a igreja do Deus vivo agir quando se trata do pecado em nossas vidas e da condição do nosso mundo. Você está disposto a fazer esse movimento para o Senhor hoje?

V. É Hora De Abandonar

“Escapa-te, salva tua vida; não olhes para trás de ti”. Foi dito a Ló não só para escapar de Sodoma, mas abster-se de olhar para trás quando ele saísse. Ele ia afastar-se da vida que ele conhecia e nunca olharia para trás. Não ia ser nada para voltar.
1. Este é um problema que parece afetar a muitos em sua jornada cristã. Eles vêm para o lugar que eles estão dispostos a admitir sua necessidade, e até mesmo fazem algo sobre essa necessidade, mas demasiadas vezes eles estão olhando para trás. Eles questionam se eles fizeram a decisão certa. Os desejos da carne se levantam novamente e eles querem voltar para seus prazeres.
2. Se quisermos superar e suportar, devemos completamente e totalmente abandonar a carne. Não podemos adivinhar nossas ações. Não podemos continuar a olhar para as coisas antigas e pensar que foram melhores.
3. O mundo não tem nada para voltar. Ele oferece nada além de sofrimento, destruição e dor. A vida que agora vivo não pode ser comparada com a vida que eu vivi lá. Houve momentos em que eu questionei e me afastei de Deus, mas naqueles tempos eu nunca fui feliz. Eu não trocaria o que tenho em comunhão com Jesus por tudo o que o mundo pode oferecer.
4. Você está disposto a se afastar do mundo sem olhar para trás? Isto é muito mais fácil dizer do que fazer. O adversário vai tentar colocar dúvida, dentro de seu coração. Ele vai dizer que você cometeu um erro grave. Você não deve ouvir suas mentiras, mas abandonar o mundo para o poder de Deus.
5. Lucas 9:62 - E Jesus disse-lhe: Ninguém, que lança mão do arado e olha para trás é apto para o reino de Deus. Filipense 3:13-14 – “Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo pelo prêmio da vocação celestial de Deus em Cristo Jesus”.

VI. É Hora De Subir

“Escapa-te, salva tua vida; não olhes para trás de ti, nem te detenhas em toda esta planície; escapa-te lá para o monte, para que não pereças”. Claramente Ló era deveria fazer uma viagem para cima. Deus não queria que ele ficasse nas planícies que cercam Sodoma, mas fugir para a segurança das montanhas.
1. Há uma grande aplicação espiritual aqui. Precisamos estar subindo mais para o Senhor em vez de manter uma altitude constante. Muitos cristãos estão contentes em habitar entre as planícies e não têm qualquer desejo de alcançar alturas ainda maiores para o Senhor.
2. É tempo de a igreja subir em nossa geração. Habitamos em terras baixas, entre o mundo, o tempo suficiente. Precisamos buscar um pico mais alto para o Senhor.
3. Esta não será uma jornada fácil. Ló argumentou com o Senhor a respeito de sua capacidade de fazer a viagem. Nós também colocamos uma luta quando chamados para subir mais alto. Estou convencido de que Deus tem mais para nós do que aquilo que desfrutamos atualmente. Há muito mais do que poderíamos experimentar em nossa caminhada com Deus, e só nós nos comprometermos a fazer a subida.
4. O fator decisivo é saber se estamos contentes nas planícies do mundo ou, se queremos subir mais alto. Eu certamente quero subir mais alto; e você?
 
Conclusão: Esta não foi uma passagem fácil de lidar, mas revela grandes verdades sobre nossas vidas. Estou convencido de que o Espírito Santo tem falado aos nossos corações hoje. Você está disposto a fazer um movimento em direção ao Senhor e o que Ele deseja para você ou você vai ser como Ló foi e resistir ao chamado de Deus? Este altar está aberto se você estiver disposto a receber o Senhor e obter a vitória.
 
Pr. Aldenir Araujo
O Paraíso de Deus
O Paraíso de Deus
Texto: Apocalipse 2:7
Introdução: "Paraíso" é uma palavra persa adotada pelos autores da Bíblia. Originalmente, a palavra se refere a um belíssimo parque. No Novo Testamento a palavra é usada como sinônimo de céu.

I. A Promessa

A. Os destinatários do céu. "Quem é o que vence o mundo, senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus?" (1 João 5:5)
B. As vestes para o céu. "O que vencer será assim vestido de vestes brancas..." (Apocalipse 3:5)

II. O Peregrino

A. A viagem do peregrino. (Abraão e Sara) "...confessaram que eram estrangeiros e peregrinos na terra" (Hebreus 11:13)
"No mundo tereis tribulações; mas tende bom ânimo; Eu venci o mundo" (João 16:33)
B. A alegria do peregrino.  "Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós cada vez mais abundantemente um eterno peso de glória; não atentando nós nas coisas que se veem, mas sim nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, enquanto as que se não veem são eternas" 2 Coríntios 4:17-18

III. O Paraíso

A. A promessa do paraíso. (Ladrão; Lucas 23:43) “Respondeu-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso”.
B. A visão do paraíso. "foi arrebatado ao paraíso, e ouviu palavras inefáveis, as quais não é lícito ao homem referir" (2 Coríntios 12:2-4)
C. A abertura do paraíso. (Estevão) "Eis que vejo os céus abertos, e o Filho do homem em pé à direita de Deus" (Atos 7:55-56)
D. A descrição do paraíso.
1. Pátria melhor. "Mas agora desejam uma pátria melhor, isto é, a celestial. Pelo que também Deus não se envergonha deles, de ser chamado seu Deus, porque já lhes preparou uma cidade" (Hebreus 11:16)
2. Cidade Celestial.
a. O construtor da cidade. "porque esperava a cidade que tem os fundamentos, da qual o arquiteto e edificador é Deus" (Hebreus 11:10)
b. A beleza da cidade. (Apocalipse 21:2) “E vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que descia do céu da parte de Deus, adereçada como uma noiva ataviada para o seu noivo”.
3. Lar preparado. (João 14:1-3) Veja nesse artigo: Como viveremos no céu? Teólogo afirma que a vida no paraíso será parecida com a terrena

"Porque não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura" Hebreus 13:14

Árvore da Vida Gênesis 2:8-10; Árvore da vida Apocalipse 22:1-3; Árvore da morte 1 Pedro 2:24

Ceia: A Comunhão Com O Nosso Senhor
Ceia: A Comunhão Com O Nosso Senhor
Texto: 1 Coríntios 1:1-9

Introdução: Nós podemos esquecer rapidamente as coisas que são mais importantes na vida. Esta é a razão porque o Senhor instituiu a Ceia do Senhor.

A Ceia do Senhor é um lembrete de que a nossa relação com Cristo é essencial. A Ceia do Senhor é uma lembrança da morte de Cristo para nós e quando cremos nEle nós morremos com Ele. É também um lembrete de nossa nova vida derivada de Cristo. O Senhor quer ter comunhão com o Seu filho. Ele quer que nós cresçamos na graça, para que possamos ser mais semelhantes a Ele.

I. O Foco Em Cristo

Paulo mencionou Cristo nove vezes nos primeiros nove versículos de nosso texto. Jesus deve ser o foco e o centro da vida do cristão. Os nomes dados a Jesus fala de Sua majestade e a razão porque devemos cultuar e adorá-Lo.
A. A Majestade de Cristo.
1. Senhor significa Mestre, Soberano. (Senhorio de Cristo)
2. Jesus significa Salvador.
3. Cristo significa ungido, o Messias, o Filho de Deus.

B. A Mensagem de Cristo.
1. Há apenas um evangelho. A mensagem do evangelho é Cristo crucificado, sepultado e ressuscitado. A mensagem do evangelho é o "poder de Deus para a salvação"
2. "nós pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus, e loucura para os gregos, mas para os que são chamados, tanto judeus como gregos, Cristo, poder de Deus, e sabedoria de Deus" (1 Coríntios 1:23-24)

C. O Ministério de Cristo.
1. Cada dom espiritual, privilégio e uma bênção que temos é o resultado da graça de Deus. Não temos nada para se vangloriar ou se exaltar. "Aquele que se gloria, glorie no Senhor." (1 Coríntios 1:31). Nesses poucos versos, aprendemos algumas das maneiras que Ele nos abençoou.
a. Salva aqueles que invocam o Seu nome. (v. 2)
b. Santifica aqueles que são seus. v. 2 (separado para Deus)
c. Fonte de graça para aqueles que são Dele. v. 3-4
d. Os dons espirituais para os que são seus. v. 5
e. Protege os que são seus. v. 8 "vos confirmará até o fim"

II. A Comunhão Com Cristo

A. Responsabilidade do cristão
1. A palavra "comunhão" tem o sentido de associação e de parceria. Como parceiros com Cristo, nós compartilhamos sua vida, sofrimentos e glória.
2. A Ceia do Senhor é chamado de "comunhão" nas Escrituras.
3. "Porventura o cálice de bênção que abençoamos, não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos, não é porventura a comunhão do corpo de Cristo?" (1 Coríntios 10:16)
4. Jesus descreveu a nossa união e comunhão com Ele a luz de comer sua carne e beber seu sangue. (João 6:48-56)
5. Cristo nos associa com Ele mesmo. Essa comunhão chama o cristão à santidade. O plano eterno de Deus para Seus filhos é que sejamos conformes à imagem de Seu Filho. (Romanos 8:29)
6. A Ceia do Senhor é um momento para examinar nossas vidas. Devemos confessar e arrepender de todos os pecados conhecidos.
7. Nossa incapacidade de fazê-lo resultará em nosso castigo.
8. "Mas, se nós nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados; quando, porém, somos julgados pelo Senhor, somos corrigidos, para não sermos condenados com o mundo" (1 Coríntios 11:31-32)
9. "e já vos esquecestes da exortação que vos admoesta como a filhos: Filho meu, não desprezes a correção do Senhor, nem te desanimes quando por ele és repreendido; pois o Senhor corrige ao que ama, e açoita a todo o que recebe por filho" Hebreus 12:5-6
10. "Respondeu-lhe Jesus: Se alguém me amar, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos a ele, e faremos nele morada" João 14:23
11. "Se vós permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedi o que quiserdes, e vos será feito" (João 15:7)
12. "Se dissermos que temos comunhão com ele, e andarmos nas trevas, mentimos, e não praticamos a verdade; mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus seu Filho nos purifica de todo pecado" (1 João 1:6-7)

B. A confiabilidade do Senhor. v. 9 "Deus é fiel" 
1. As promessas de Deus serão cumpridas porque Ele é fiel. Nossa esperança está no caráter imutável do Deus santo que nos chama a Si mesmo por meio de Cristo pela graça.
2. É Deus quem "também vos confirmará até o fim" (v. 8)
3. Nosso futuro depende de Deus. Nós somos infiéis, mas Ele se mostrou verdadeiro para nós incontável número de vezes.
4. Abraão creu na fidelidade de Deus. Deus havia prometido a Abraão e Sara um filho. Seu filho seria o herdeiro de Abraão. Deus pediu a Abraão que sacrificasse Isaque sobre o altar. Apesar da ordem de Deus, Abraão creu em Deus, se necessário matar seu único filho Ele iria traze-lo de volta à vida.
5. "Pela fé Abraão, sendo provado, ofereceu Isaque; sim, ia oferecendo o seu unigênito aquele que recebera as promessas, e a quem se havia dito: Em Isaque será chamada a tua descendência, julgando que Deus era poderoso para até dos mortos o ressuscitar; e daí também em figura o recobrou" (Hebreus 11:17-19)

III. O Futuro Com Cristo

A. A expectativa do crente. (v. 7b)
1. "aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Salvador Cristo Jesus, que se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniquidade, e purificar para si um povo todo seu, zeloso de boas obras" Tito 2:13-14

B. A perfeição do crente. (v. 8)
1. O filho de Deus vai estar diante de Cristo irrepreensível o que significa a ausência de quaisquer ónus ou acusação. Deus imputou a culpa do nosso pecado sobre Jesus Cristo.
2. É Deus quem "Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeçar, e apresentar-vos ante a sua glória imaculados e jubilosos" (Judas v. 24)
3. "Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus" Romanos 8:1
"Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica; Quem os condenará? Cristo Jesus é quem morreu, ou antes quem ressurgiu dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós" Romanos 8:33-34
 
Conclusão: A Ceia do Senhor nos ajuda a se concentrar em Cristo, nosso Salvador que logo voltará como Rei. Se somos salvos, nós desejamos ter um relacionamento íntimo com nosso Senhor. Nós não queremos que nada impeça a nossa comunhão com Ele. A Ceia do Senhor nos leva a examinar nossas vidas e confessarmos os nossos pecados. Vamos crescer na graça e no conhecimento d'Aquele que nos ama e se entregou por nós. Você ama Jesus?