Chegamos ao final da nossa série sobre a vida do profeta Elias.

A Vida do profeta Elias – Final
Chegamos ao final da nossa série sobre a vida do profeta Elias.  A história de Elias reflete a necessidade do povo de Deus de andar com Ele pela fé através do privilégio da oração e do conhecimento de Sua Palavra.

XI. Juízo e Misericórdia. 18:40-46

Uma vez que Deus havia respondido à oração de Elias com fogo e as pessoas haviam demonstrado pelo menos um arrependimento superficial, apenas mais um passo era necessário antes que Deus pudesse enviar chuva. Esta seria a destruição dos profetas de Baal de Israel. Eles estavam mantendo o povo em escravidão espiritual e eram uma constante ameaça para o futuro desenvolvimento do povo de Deus. Os israelitas pertenciam a Deus, e a presença entre eles de sacerdotes e profetas de uma religião falsa era uma invasão do território de Deus. Permitir que os profetas de Baal continuassem vivendo e exercendo todas as suas más práticas teria exposto os israelitas à corrupção. Teria deixado a impressão na mente destes sacerdotes, bem como dos Israelitas, que os profetas de Baal, embora agentes da apostasia, fossem imunes ao juízo de Deus. Deus disse que todos seriam destruídos. Nenhum deles podia escapar.

A. Elias obedeceu ao Senhor e matou os profetas de Baal. V. 40
1. Não sabemos exatamente como isso foi realizado.
2. Mas foi em alguma forma de execução em massa.
3. Isto sinalizava a ira de Deus para com a idolatria e Sua determinação de purificar Seu próprio povo. (Deuteronômio 13:5) "E aquele profeta, ou aquele sonhador, morrerá, pois falou rebeldia contra o Senhor vosso Deus, que vos tirou da terra do Egito e vos resgatou da casa da servidão, para vos desviar do caminho em que o Senhor vosso Deus vos ordenou que andásseis; assim exterminareis o mal do meio vós”
4. Os falsos profetas de Baal certamente cumpriam as qualificações do versículo acima.

B. Elias instrui Acabe a se preparar para a chuva que viria. V. 41-42
1. Este era um testemunho da fé de Elias.
a. Não havia nuvens no céu, nem trovões e relâmpagos, nada que desse prova visível de que a chuva era iminente.
b. Não havia um sinal físico em qualquer lugar que a chuva estava a caminho.
c. A declaração de Elias foi baseada em sua fé na Palavra de Deus.
2. Mais uma vez, Acabe obedece a palavra de Elias e deixa o monte.
3. Elias foi orar no monte Carmelo.

C. Elias ora por chuva. V. 42b-44
1. Quando Elias declarou que havia o som de abundante chuva, nenhuma chuva tinha caído ainda.
2. Elias sabia que o Senhor era o Criador e que a chuva era possível somente quando Ele permitisse.
3. Deus enviou juízo sobre o mundo no tempo de Noé através da chuva, mas também usou a falta de chuva como juízo. (Amós 4:7) "Além disso, retive de vós a chuva, quando ainda faltavam três meses para a ceifa; e fiz que chovesse sobre uma cidade, e que não chovesse sobre outra cidade; sobre um campo choveu, mas o outro, sobre o qual não choveu, secou-se"
4. Foi por isso que não choveu por três anos e seis meses, quando Elias orou fervorosamente para que não chovesse.
5. Também explica por que, quando orou novamente, "E orou outra vez e o céu deu chuva, e a terra produziu o seu fruto" (Tiago 5:18).
6. Ele não ficou por perto para receber os parabéns do povo pelo êxito do seu desafio com os profetas de Baal.
7. Mais uma vez, ele precisava ficar a sós com Deus.

D. Elias estava buscando a resposta de Deus. V. 43-44 (Hebreus 11:1) "Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se veem" - (Hebreus 11:6) "Ora, sem fé é impossível agradar a Deus; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam".
1. Elias tinha seu moço com ele quando ele foi para o topo do Carmelo orar, e depois que ele tinha intercedido ele disse-lhe para ir procurar sinais de chuva.
2. Quando seu moço voltou dizendo que não havia nada, a fé de Elias não foi abalada.
3. Ele disse-lhe para continuar olhando.
4. Na sétima vez, o moço viu apenas uma pequena nuvem, mas isso foi suficiente para assegurar a Elias que Deus havia respondido às suas orações.
5. Ele enviou seu moço para entregar outra mensagem a Acabe.
6. Ele ordenou a Acabe que fosse para Jizreel.

E. A corrida começa. V. 44b-46
1. Acabe foi incitado a correr rapidamente para o seu destino.
2. A pequena nuvem do tamanho da mão de um homem era apenas a primeira das tremendas nuvens que cobriam o céu e derramavam as suas águas.
3. Não foi somente Acabe que cavalgou em direção a Jizreel, mas Elias correu diante dele até a entrada da cidade.
a. A chuva caiu, e sem dúvida, a maioria das pessoas que estavam no Carmelo logo foram encharcadas.
b. À luz das condições de seca que haviam existido durante tanto tempo, todos teriam ficado gratos, apesar de estarem completamente encharcados.
4. A cena descrita aqui é notável.
a. Acabe provavelmente ainda estava cercado por seus nobres, andando em toda sua pompa para Jizreel - pelo menos 16 milhas de distância.
b. Então a chuva começou a cair, e à frente do rei correu Elias no poder do Senhor.
c. A mão do Senhor estava sobre o Seu profeta, e Elias subiu no carro às portas da cidade.

XII. Um poderoso homem cai

A. Introdução 1 Reis 19:1-4. Os eventos no Monte Carmelo proporcionaram um dia de triunfo para o servo de Deus.
1. Seguindo o milagre do fogo que caiu e consumiu a oferta, a chuva veio e acabou a seca em resposta à oração de Elias.
2. Enquanto Acabe correu em direção a Jizreel sob a chuva torrencial, Elias, sob o poder do Senhor, ultrapassou o carro do rei por pelo menos 16 milhas. Acabe foi para casa e contou a Jezabel tudo o que tinha acontecido no Monte Carmelo. Isto incluiu como Elias havia matado todos os profetas de Baal com a espada. A rainha então enviou uma mensagem ao profeta: ela não ficou intimidada por Elias ou pela demonstração do grande poder de Deus no Monte Carmelo. Ela ameaça matar Elias da mesma maneira que seus profetas foram executados. Elias se dirige para o deserto com medo, para preservar sua vida.
  • Elias estava no meio de uma guerra espiritual contra forças visíveis e invisíveis.
  • Os poderes satânicos tinham lutado contra ele, mas com a força proporcionada pelo Senhor ele tinha ganhado uma grande vitória sobre eles.
  • A armadura de Deus estava sobre ele enquanto se envolvia na batalha e emergia triunfante.
  • Então, pouco depois, ele sofreu uma queda espiritual.
  • Como tal coisa poderia acontecer, e como podemos nós, que somos pessoas de natureza semelhante, escapar a tal queda?
a. A guerra espiritual deve começar e ser levada adiante com humildade.
b. O Senhor nos ensinou, por exemplo, que devemos viver e servir não em orgulho, mas em humildade.
c. Elias estava, sem dúvida, esperando um avivamento em Israel.
d. Ele queria ver o que aconteceria quando a notícia desses acontecimentos chegasse a Jezabel, que era, na realidade, a causa da idolatria em Israel.
e. Talvez, ele pensou que ela se voltaria para Deus como o povo tinha feito quando eles clamaram: "O senhor é Deus! O Senhor é Deus!" (1 Reis 18:39).
f. Acabe concordou com a morte dos profetas de Baal.
g. Elias deve ter sentido que havia a possibilidade de um real avivamento.
h. Acabe contou a Jezabel tudo o que Elias havia feito, mas não o que o Senhor tinha feito.
1) A diferença é simplesmente isso: Acabe estava convencido de que Elias era um profeta de Deus.
2) Mas ele não podia ver que os acontecimentos no Monte Carmelo eram obra do Senhor.
3) Acabe elogiou um homem.
4) Jezabel decidiu destruir esse homem.

B. A ameaça de Jezabel
1. O caráter vicioso e vingativo de Jezabel apareceu na mensagem que enviou a Elias.
2. Ela era o prenúncio da mulher religiosa mencionada em Apocalipse 2:20, “Mas tenho contra ti que toleras a mulher Jezabel, que se diz profetisa; ela ensina e seduz os meus servos a se prostituírem e a comerem das coisas sacrificadas a ídolos”
3. Aqui ela é usada como um símbolo de uma sedutora ímpia, levando o povo de Deus para o mau caminho
4. Jezabel era insensível à presença do poder divino
5. Ela sabia que ela não poderia prejudicar o Senhor, mas ela procurou vingar-se do servo escolhido de Deus.

C. O Medo de Jezabel
1. Jezabel sabia que Deus era todo-poderoso, e apesar de ter ameaçado o servo de Deus, ela tinha medo dele.
2. Ela tinha a autoridade para enviar soldados para tirar a vida de Elias imediatamente, mas seu anúncio lhe deu 24 horas para fugir.
3. Aparentemente, ela esperava que sua ameaça o fizesse sair do país.
4. A reação de Elias à ameaça de Jezabel não era consistente com seu caráter.
a. Esperávamos que demonstrasse confiança em Deus. (Isaías 26:3-4) “Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti; porque ele confia em ti. Confiai sempre no Senhor; porque o Senhor Deus é uma rocha eterna”
b. Mas Elias não tinha paz de espírito ou coração. Ele correu para salvar sua vida.
c. Antes disso, quando ele era confrontado com o perigo, a palavra de Deus veio a ele muito claramente.
d. Deus o advertiu a se esconder, e quando o ribeiro se secou, ​​ele o enviou a Sarepta.
e. Essas ordens eram claras e definitivas.
f. Mas nenhuma palavra lhe veio de Deus a respeito dessa ameaça; ele foi deixado por sua conta.

D. Três razões possíveis por que Deus não especificamente instruiu Elias neste assunto.
1. Ele fez isso por causa de Elias.
a. Ele não queria que Seu servo se tornasse uma vítima de orgulho e fosse inútil para Ele.
b. Elias precisava ver que por si mesmo não podia fazer a obra de Deus.
c. O orgulho é sutil e, a menos que seja verificado, pode acabar com nossa utilidade.
2. Deus pretendia disciplinar Israel porque não tinham retornado a Ele com todo o seu coração.
a. Eles tiveram que colher o fruto de sua própria semeadura.
b. Se Elias tivesse ficado com eles, sua presença poderia estar no caminho de sua justa punição.
3. Deus possivelmente queria levar Elias para um lugar solitário onde Ele pudesse falar com ele sozinho e revelar-se a ele de uma maneira fresca.
a. Elias chegou a uma decisão antes que a vontade de Deus fosse esclarecida.
b. Foi por isso que ele correu.
c. Elias não foi abandonado, Deus simplesmente o colocou de lado para lidar com ele.
4. Elias viajou a pé cerca de 95 milhas até a fronteira sul de Judá, então ele foi mais um dia de viagem para o deserto.
a. Isto estava fora do reino de Acabe.
b. Naquela momento, ele estava completamente exausto.
c. Então ele continuou viagem de um dia para o deserto,
d. Ele tinha força física notável e resistência, mas ele se estendeu até o ponto de ruptura.
5. Elias sentou-se debaixo de uma árvore de zimbro e pediu a Deus para deixá-lo morrer.

E. Deus ministra a Elias. V. 5-7
1. Deus tratou delicadamente com Seu servo e enviou um anjo para despertá-lo e mandá-lo comer.
a. Elias foi refrescado e fortalecido e deitou-se e dormiu mais uma vez.
b. Elias foi instruído na segunda vez que o anjo veio.
2. Elias deve ter percebido então que ele tinha dependido de si mesmo em vez de esperar em Deus.
3. Precisamos depender da sabedoria de Deus, não da nossa.
a. Ló fez a escolha errada.
b. Os dez espias fizeram a escolha errada.
c. Elias tinha feito a escolha errada.
d. Muitas vezes fazemos a escolha errada.

XIII. A bondade de Deus para com Elias.

A. Quando Elias estava desanimado, ele recebeu o amor de Deus de uma maneira muito especial.
1. Deus não o repreendeu, mas forneceu alimento, descanso, proteção, conforto e força através de um anjo.
2. Se ele não tinha aprendido isso antes, Elias aprendeu que o amor de Deus é constante.
3. O amor de Deus nunca muda, embora a nossa consciência disso o faça.
4. Como o sol por trás das nuvens, nem sempre podemos estar conscientes do amor de Deus, mas ele sempre nos rodeia.

B. Depois de descansar e se refrescar, Elias estava pronto para a próxima fase de seu ministério.
1. Elias se levantou e comeu e caminhou na força da comida fornecida por 40 dias e 40 noites.
2. Quando chegou a Horebe, o monte de Deus, encontrou uma caverna e entrou.
3. Deus lhe fez uma pergunta: "Que fazes aqui, Elias?" (I Reis 19:9).
4. Esta pergunta, como muitas perguntas feitas por Deus, foi projetada para estimular o pensamento de Elias sobre sua atual situação e futuro ministério.
5. Elias não estava na vontade de Deus quando fugiu de Jezabel, mas aparentemente o Senhor dirigiu seus passos para Horebe, a fim de torná-lo útil novamente.

XIV. Elias em Horebe

A. Enquanto ele estava sozinho na caverna, possivelmente pensando que ele estava abandonado, Deus lhe perguntou: "Que fazes aqui, Elias?" (I Reis 19: 9).
1. Deus estava bem ali com ele, apesar de todo o medo e tensão que Elias tinha estado.
2. A passagem diz que a "palavra do Senhor" veio a Elias.

B. A pergunta "O que fazes aqui, Elias?" Era um apelo à consciência.
1. Este tipo de questão leva ao autoexame.
2. Devemos abrir nossos corações ao Senhor e deixar que Ele faça esta mesma pergunta sobre nós.
3. Ele tem o direito de perguntar: "O que você está fazendo aqui?" (Provérbios 16:3) "Entrega ao Senhor as tuas obras, e teus desígnios serão estabelecidos" - (2 Crônicas 16:9) "Porque, quanto ao Senhor, seus olhos passam por toda a terra, para mostrar-se forte a favor daqueles cujo coração é perfeito para com ele; nisto procedeste loucamente, pois desde agora haverá guerras contra ti".

C. A resposta de Elias à pergunta de Deus foi muito franca.
1. Ele não procurou evadir a questão.
2. Nota: 1 Reis 19:10
3. Tudo o que ele disse era verdade, mas ele não sabia a verdade sobre tudo em conexão com sua própria vida.
4. Ele não estava ciente do plano de Deus para Israel e para si mesmo.
5. Ele teve que aprender que Deus não cumpre necessariamente todo o seu plano na vida de um só homem.
a. Um servo pode acrescentar uma parte à obra de Deus, e outro pode acrescentar outra parte.
b. Todas essas peças juntas formam o todo.
c. Isso era o que Deus estava preparando para ensinar Elias.

D. A resposta de Deus à resposta de Elias foi para seguir adiante.
1. Nota: 1 Reis 19:11-12
2. Elias permaneceu na caverna durante o tempo desta grande tempestade e terremoto e fogo, todos os quais demonstraram o poder de Deus.
3. Nota v. 11, "E eis que o Senhor passou ..."
4. Deus, porém, não falou no vento, nem no terremoto, nem no fogo.
5. A voz mansa e delicada fala da graça de Deus.
a. Agora o Senhor está pronto para reconduzi-lo.
b. Embora Deus falasse através das grandes demonstrações da natureza, Ele ainda iria falar a Seu povo em graça.
c. Demasiadas vezes procuramos grandes manifestações, multidões e todos os tipos de atividade, mas Deus provoca o avivamento ao lidar com o indivíduo na quietude da graça.

E. Elias é novamente comissionado por Deus. v. 13-18
1. Deus falou a Elias como Ele fez a fim de prepará-lo para uma nova comissão.
2. Ele deveria ungir Hazael para ser rei sobre a Síria: este homem iria ser uma vara para castigar Israel.
3. Ele também ungiu Jeú para ser rei sobre Israel: O que Hazael deixasse escapar, Jeú estava para terminar.
4. A terceira parte da comissão foi que Elias deveria ungir Eliseu para ser um profeta em seu lugar.
5. A obra de Elias ainda não estava terminada, mas Deus havia escolhido uma pessoa em particular para continuar a obra que começou.

F. Elias e Eliseu trabalhadores juntos
1. O fato de que ninguém vê todo o plano de Deus e ninguém vê todo o fruto de seu trabalho para Deus em sua vida é ensinado muito claramente em Hebreus 11:37-39, "Foram apedrejados e tentados; foram serrados ao meio; morreram ao fio da espada; andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, necessitados, aflitos e maltratados (dos quais o mundo não era digno), errantes pelos desertos e montes, e pelas covas e cavernas da terra. E todos estes, embora tendo recebido bom testemunho pela fé, contudo não alcançaram a promessa”
2. Embora fossem todos fiéis e fiéis ao Senhor, não viram os resultados completos de seus trabalhos em suas vidas.
3. Leva todo o povo de Deus desde o início do tempo até o fim para cumprir tudo o que Ele planejou.
4. Elias não estava conscientemente fugindo de Deus, nem estava amargurado.
a. Ele ficou desapontado e deprimido porque não viu nenhum avivamento nacional entre os israelitas.
b. Ele não via o futuro como Deus via.
c. Outros colheriam onde ele tinha semeado.
5. Uma vez que Elias foi restaurado a comunhão com o Senhor, ele foi reconduzido.
a. Elias tinha que pegar o caminho de volta para cumprir esta comissão.
b. Ele tinha uma longa jornada pela frente.
c. Isto é verdade para qualquer um que temporariamente saiu da vontade direta de Deus.
d. Eles devem voltar para o lugar onde a vontade de Deus pode ser seguida uma vez mais.
e. A jornada de Elias o levaria de volta pelo deserto, pela terra de Jezabel e até Damasco.
 
Deus usa vários instrumentos para fazer Sua obra. Hazael, o rei da Síria, trouxe um juízo implacável sobre Israel. Jeú tornou-se um flagelo para a casa de Acabe e para os seguidores de Baal. Eliseu, por seu uso da Palavra de Deus e do poder de Deus, matou os inimigos do Senhor e confortou Seu povo. Deus às vezes usa homens perversos para disciplinar Seus próprios filhos, mas quando estes homens ultrapassam os limites que Deus estabeleceu para eles, o juízo cai sobre suas cabeças também. Deus também lembrou a Elias que havia 7.000 pessoas que não tinham se curvado a Baal. Tudo isso estava no trato de Deus através da voz mansa e suave da graça. Isso trouxe consolo ao coração do profeta. Ele assegurou-lhe que o bom trabalho que tinha começado seria consumado sob a mão de Deus e no tempo de Deus. Elias não viu o fruto em seu dia, mas lhe foi prometido uma colheita fecunda para o futuro.

XV. Elias anuncia o castigo de Acabe. 1 Reis 21

Após a nomeação de Eliseu, cinco ou seis anos se passaram antes que o ministério de Elias se tornasse novamente público. Ele não estava inativo durante esse período, mas parece ter formado escolas de profetas, escolas nas quais a Bíblia era ensinada a jovens que, por sua vez, eram instrutores e professores da Palavra de Deus. Elias era um pai espiritual e o mestre de muitos desses jovens servos de Deus. Durante este mesmo tempo, grandes guerras ocorreram entre Israel e Síria. Então um dia Deus novamente disse a Elias para comparecer diante de Acabe para anunciar a desgraça do monarca.

A. A ação terrível. 1 Reis 21:1-16
1. Na cidade de Jizreel, perto do palácio de Acabe, havia uma vinha de Nabote.
2. O rei quis esta vinha para si mesmo e pediu a Nabote que a vendesse.
3. Nabote, declarou que estava proibido ao Senhor vender a vinha, porque era a herança de seus pais.
4. Acabe agiu como uma criança mimada quando ele retornou ao seu palácio.
a. Ele foi para a cama e virou o rosto e se recusou a comer.
b. Quando Jezabel soube de seu comportamento amuado e infantil, ela o interrogou para descobrir a causa.
c. Sua mente cruel logo inventou uma solução, e ela disse ao marido para se levantar e se alegrar, pois a vinha era dele.
d. Ela colocou seu plano em ação.
1) Através de cartas forjadas e falsas testemunhas e um julgamento que era um escárnio, ela matou Nabote com a sanção da lei.
2) Aparentemente seus filhos também foram assassinados neste momento, embora não nos sejam dados detalhes sobre suas mortes. (2 Reis 9:26) "Certamente vi ontem o sangue de Nabote e o sangue de seus filhos, diz o Senhor; e neste mesmo campo te retribuirei, diz o Senhor. Agora, pois, levanta-o, e lança-o neste campo, conforme a palavra do Senhor"
3) Embora o esquema fosse de Jezabel, a culpa era compartilhada por seu marido fraco e amuado.

B. A Confrontação. 1 Reis 21:17-20
1. Fiel à confiança que Deus lhe confiou, Elias não perdeu tempo em se apresentar diante do rei.
2. Observe as primeiras palavras de Acabe para ele. (1 Reis 21:20) "Ao que disse Acabe a Elias: Já me achaste, ó inimigo meu? Respondeu ele: Achei-te; porque te vendeste para fazeres o que é mau aos olhos do Senhor”
3. Jezabel e Acabe puderam ter pensado que encobriram bem o seu crime, mas Deus tinha visto o que haviam feito.
4. Nada estava escondido dos olhos de Deus. (Salmo 121:4) "Eis que não dormitará nem dormirá aquele que guarda a Israel". (Hebreus 4:13) "E não há criatura alguma encoberta diante dele; antes todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos daquele a quem havemos de prestar contas".

C. Deus sempre denuncia o pecado.
1. Acabe logo soube do desgosto e da ira de Deus por esta terrível ação.
2. Os alertas de Deus hoje são tão claros e definitivos.
3. Podemos todos estar certos de que nossos pecados nos encontrarão.
4. Acabe era responsável conjuntamente com sua esposa pelo assassinato de Nabote.
5. Ele não podia escapar do olho de Deus. (Judas 1:14-15) "Para estes também profetizou Enoque, o sétimo depois de Adão, dizendo: Eis que veio o Senhor com os seus milhares de santos, para executar juízo sobre todos e convencer a todos os ímpios de todas as obras de impiedade, que impiamente cometeram, e de todas as duras palavras que ímpios pecadores contra ele proferiram".

D. Os juízos de Deus. 1 Reis 21:21-29
1. Porquanto Acabe se vendeu para fazer o mal, Deus disse por meio de Elias que Ele traria o mal sobre ele.
2. Mas não só sobre ele, sua família também sofreria como resultado de seu pecado.
3. O juízo contra Jezabel é dado também.
4. Acabe adiou seu juízo por sua resposta à mensagem. V. 29
5. A morte de Acabe foi, no entanto, uma morte violenta.
a. Três anos mais tarde, ele foi gravemente ferido em batalha e morreu como resultado. 1 Reis 22:34-35
b. A profecia foi cumprida. 1 Reis 22:37-38
6. Jezabel também não escapou do juízo de Deus.
a. Vários anos depois, quando Jeú chegou a Jizreel, a retribuição divina caiu sobre Jezabel.
b. Novamente, a profecia foi cumprida. 2 Reis 9:30-37.
c. Este era um juízo terrível, mas ela era uma rebelde impenitente contra Deus.
d. Ela havia introduzido a adoração a Baal no palácio e no reino.
e. Ela simplesmente colheu o que tinha semeado.
7. A família de Acabe foi julgada. (2 Reis 10:7) “Sucedeu pois, que, chegada a eles a carta, tomaram os setenta filhos do rei e os mataram; puseram as cabeças deles nuns cestos, e lhas mandaram a Jizreel” - (2 Reis 10:10-11) "Sabei, pois, agora que, da palavra do senhor, que o Senhor falou contra a casa de Acabe, nada cairá em terra; porque o Senhor tem feito o que falou por intermédio de seu servo Elias. E Jeú feriu todos os restantes da casa de Acabe em Jizreel, como também a todos os seus grandes, os seus amigos íntimos, e os seus sacerdotes, até não lhe deixar ficar nenhum de resto”
a. Os juízos de Deus são certos.
b. O pecado de Acabe era triplo.
1) Primeiro, ele provocou a ira de Deus pecando contra Ele.
2) Então fez Israel pecar.
3) E terceiro, ele vendeu-se para trabalhar a maldade.
c. O juízo futuro de Deus será severo contra homens como Acabe.

E. A última tarefa de Elias. 2 Reis 1
1. Este incidente nos dá uma visão do caráter dos filhos de Acabe.
2. É também o último ato público do Profeta Elias.
3. O juízo sobre Acazias.
a. Seguindo Acabe como rei estava Acazias, seu filho.
b. Seu governo foi muito breve, e sua morte é uma ilustração do juízo de Deus sobre os rebeldes que persistem em desafiar a Deus.
c. Isto começa com sua queda através de uma grade do seu quarto em sua câmara superior em Samaria.
d. A queda foi aparentemente grave, pois ele estava muito doente e se perguntou se ele iria se recuperar.
e. Enviou mensageiros com estas instruções: (2 Reis 1:2) "Ora, Acazias caiu pela grade do seu quarto alto em Samaria, e adoeceu; e enviou mensageiros, dizendo-lhes: Ide, e perguntai a Baal-Zebube, deus de Ecrom, se sararei desta doença".
1) Baal-Zebube era o nome sob o qual Baal era adorado pelos filisteus.
2) Ele era o deus da medicina e também o deus das moscas.
3) Esta era a mesma adoração falsa que causou desastre a Acabe e a Israel.
f. Elias foi ao encontro dos mensageiros com uma mensagem do Deus Verdadeiro e Vivo. V. 3-4
g. Elias imediatamente partiu depois de entregar esta mensagem.
h. Esta foi a última tarefa que Deus lhe deu.
i. Assim como o profeta tinha sido enviado para repreender Acabe, agora ele foi enviado para repreender o filho de Acabe.
j. A resposta de Acazias. V. 5-8
1) O rei imediatamente identificou o homem como Elias, o Tisbita.
2) Ele não ignorava a parte que Elias tinha desempenhado na história de Acabe e Israel, mas, apesar de seu conhecimento, enviou um capitão e 50 soldados para tomar Elias como prisioneiro. V. 9
k. Deus demonstrou Seu poder e a proteção de Seu profeta.
1) Fogo do céu consumiu o primeiro destacamento. V. 10-12
2) Houve a repetição para o segundo destacamento.
3) O terceiro capitão veio com uma atitude totalmente diferente. V. 13-15
4) Elias pronunciou juízo sobre Acazias. V. 16-17

F. O arrebatamento de Elias. 2 Reis 2:1-11
O incidente de encerramento na vida de Elias foi talvez o mais emocionante de todo o seu ministério. Ele foi arrebatado para o céu sem ter que morrer. Seu ministério cobriu um período de 15 ou 20 anos, mas o aspecto público foi muito mais breve do que isso. Numa época de grande depressão em sua vida, quando estava deitado sob uma árvore de zimbro, ele orara pela morte, mas quando o momento do seu arrebatamento chegou, ele estava grato por Deus não ter respondido a essa oração. O arrebatamento do profeta deveria acontecer em um lugar especial e designado. Elias havia aprendido há muito tempo que a obediência absoluta às instruções de Deus era necessária para as bênçãos de Deus. Então Elias sabia como era essencial estar no lugar certo para ver o cumprimento das promessas de Deus.
1. O teste de Eliseu v. 1-2
a. A jornada de Elias começou em Gilgal.
b. Este lugar é digno de nota porque uma das escolas de Elias estava lá.
c. Este foi o lugar onde Eliseu foi testado pela primeira vez quando ele declarou que queria seguir Elias.
d. Eliseu tinha a oportunidade de ficar em Gilgal, mas ele escolheu ir com Elias.
2. A chegada em Betel. V. 3 – 4
a. Elias disse que o Senhor o tinha enviado de Gilgal a Betel.
b. Sua vida tinha sido receber ordens diretas de Deus e obedecê-las explicitamente.
c. Como Eliseu passaria nestas coisas?
d. Esse era o teste, mas Eliseu não hesitou.
3. Em direção a Jericó. V. 5
a. Os profetas questionaram Eliseu.
b. Eles sabiam o que estava acontecendo e conversavam com Eliseu sobre isso, mas ele não queria falar.
4. Até ao ponto da decolagem: Jordão v. 6-7
a. Eliseu escolheu ir com Elias a Jericó, assim como tinha escolhido ir com ele a Betel.
b. Mas agora sua viagem os levou ainda mais longe.
c. Elias pediu a Eliseu que ficasse em Jericó e novamente ele se recusa a fazê-lo.
d. Juntos chegam ao Jordão.
e. Cinquenta dos profetas em treinamento ficaram de longe para assistir.
5. O Princípio da Fé
a. Elias não ficou nas margens do rio esperando que Deus fizesse alguma coisa.
b. A verdadeira fé resulta em ação.
c. O rio teve que se abrir, e Elias o feriu com seu manto.
1) Deus abrira o rio para Josué e para os israelitas muito antes disto; assim este milagre particular não era novo.
2) O que Deus fez uma vez, certamente Ele faria novamente.
d. As águas se separaram como Elias desejava. V. 8
1) A água parou de repente como se alguém tivesse construído uma barragem.
2) Nenhuma barragem era visível assim como a mão de Deus não é visível.
3) Cada um dos passos em que Eliseu deu com Elias era uma questão de fé.
6. O Pedido de Eliseu. V. 9-10
a. A pergunta de Elias tinha um potencial ilimitado.
b. Eliseu foi o primeiro a se perguntado o que queria que Elias fizesse por ele.
c. Eliseu mostrou o que era profundo em seu próprio coração.
d. Havia um potencial ilimitado diante de Eliseu, e ele não perdeu tempo em fazer conhecido o seu desejo dado por Deus.
7. Elias concede o pedido de Eliseu baseado em sua fidelidade para estar com ele até o fim. V. 10-11
a. Elias disse que era uma "coisa difícil".
b. Elias sabia o que significaria para Eliseu
c. Enquanto caminhavam e conversavam, Deus tomou Elias em uma carruagem de fogo. V. 11
8. Eliseu recebe o manto de Elias. v. 12-15
a. Eliseu esteve sentado aos pés de Elias por cerca de 10 anos.
b. Ele tinha visto o que significava ser um servo de Deus, ter um coração rendido e uma vida santa.
c. Ele havia passado por muitos testes desde o dia em que Elias lhe lançara seu manto (1 Reis 19:19)
d. Eliseu confirmou que Deus lhe tinha dado o poder e o espírito de Elias. V. 14
e. Cinquenta jovens profetas estavam ao lado do rio observando, mas não viram o que Eliseu viu. V. 15-18
1) Eles não tinham visto o arrebatamento de Elias.
2) O que viram foi Eliseu retornando através do Jordão da mesma maneira que tinha ido com Elias.
3) Eles imediatamente entenderam que Deus tinha dado a Eliseu o poder e o espírito de Elias.
4) Eles pediram permissão para procurar Elias, mas eles não puderam encontrá-lo.
 
O arrebatamento de Elias é paralelo ao arrebatamento dos crentes vivos. Seremos arrebatados nas nuvens para estar com Ele. O relato da libertação de Noé é uma ilustração daqueles que serão salvos durante a tribulação. Eles vão sentir a força das tempestades, mas estarão seguros dentro da Arca, Jesus Cristo.

Gostou desse esboço? Olha a novidade que tenho para você!

Eu preparei um e-book com 365 sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! Clique Aqui para adquirir seu livro.

Aldenir Araujo

Postar Um Comentário:

0 comentário, adcione o seu

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:
1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!