Preparando nosso Coração e Mente (Parte 2)

Preparando nosso Coração e Mente (Parte 2)
Texto: Filipenses 4:4-9
 
Introdução: Começamos a considerar esses poderosos versículos em nosso último sermão, e espero concluí-los hoje. Paulo estava bem ciente das várias lutas que a igreja enfrentava. A sociedade apresentava desafios particulares e havia desentendimentos e lutas dentro da própria igreja. No entanto, Paulo sabia que uma das maiores batalhas que qualquer crente enfrentaria era dentro de seu próprio coração e mente. Para a igreja ser vitoriosa em Cristo, os crentes precisam estar cientes das táticas do inimigo e preparados para enfrentar seus ataques.
 
Estou certo de que você concordará que muitas das batalhas que enfrentamos em relação à nossa caminhada espiritual com o Senhor se originam na mente. Nós também devemos nos preparar para a batalha, guardando nosso coração e mente dos ataques. Quero retomar nosso olhar sobre os desafios que Paulo ofereceu à medida que consideramos: Preparando nosso Coração e Mente. Rapidamente, vamos rever nosso último sermão. Nós falamos sobre:
 
I. Um apelo para se alegrar. V. 4
A. A admoestação - Esta não foi uma mera sugestão.
B. A expectativa - Alegrai-vos sempre no Senhor ... e novamente digo: Alegrai-vos!
 
II. Um apelo para permanecer. v. 5-7
A. Resilientes. V. 5 - Permanecendo humilde e gracioso em dificuldade; resilientes na fé.
B. Confiantes. V. 6a - Não irresponsavelmente, mas sem ansiedade e preocupação.
 
C. Dependentes. V. 6b“antes em tudo sejam os vossos pedidos conhecidos diante de Deus pela oração e súplica com ações de graças”. Paulo estava bem ciente de sua dependência do Senhor para cada área da vida, especialmente quando enfrentava o ataque do inimigo. Para superar, ele sabia que devia permanecer em constante comunicação com o Senhor através da oração, sendo totalmente dependente dEle para receber força e sabedoria para vencer.
 
- Eu sei que isso parece elementar para aqueles que andaram com o Senhor por anos, mas é impossível enfatizar demais a importância da oração. Nós não somos páreo para o inimigo dentro de nossa própria força e sabedoria. Se quisermos guardar nossos corações e mentes, estando preparados para enfrentar os ataques do inimigo, devemos estar comprometidos com a diligência na oração. Devemos levar nossas necessidades ao Senhor, dependendo somente dele para nos prover e nos equipar para a batalha.
 
- Um olhar apressado para este versículo perderia a sua grande importância. Paulo realmente fornece um olhar detalhado sobre os vários tipos de oração que devemos oferecer ao Senhor. Na verdade, cada um desses aspectos deve estar presente cada vez que oramos. Ele fala de:
 
Oração - Isto fala de um tempo especial de adoração e devoção ao Senhor. Nunca devemos nos aproximar do trono da graça, sem um tempo de adoração e devoção ao Senhor, em reconhecimento ao Seu soberano poder e graça.
Súplica - Refere-se ao nosso foco em uma necessidade especial ou particular. Envolve ir diante do Senhor e derramar nosso coração diante Dele, declarando nossa necessidade e rogando a Ele que intervenha em nosso favor.
Ação de Graças - Esta é uma oferta de louvor e ação de graças ao Senhor por Sua grande provisão em nossas vidas e a graça que Ele diariamente concede.
Petições - Paulo exortou a igreja a fazer petições específicas sobre necessidades específicas. Ele desejou que a igreja se afastasse da oração casual e genérica, e buscasse o Senhor para atender às necessidades específicas que eles ou outras pessoas enfrentavam. Deus já conhece todas as necessidades que temos, mas deseja que levemos essas necessidades diante dEle, fazendo pedidos específicos a respeito dessas necessidades.
 
D. Expectante. V. 7“e a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus”. À medida que seguimos a orientação que Paulo ofereceu até este ponto, podemos viver na expectativa de que o Senhor trabalha em nosso favor. Podemos esperar plenamente que a paz de Deus inunde nossos corações e mentes. Penso que todos estamos conscientes dos benefícios da paz de Deus, mas isso é bastante significativo. Os benefícios que podemos esperar em relação à paz de Deus são, na verdade, duplos.
 
- Paulo declarou que a paz de Deus ultrapassa todo entendimento. Sabemos que Deus é soberano. Sabemos que Ele possui todo o poder e é mais do que capaz de satisfazer as nossas necessidades, e, no entanto, Ele muitas vezes trabalha de maneiras que nunca esperávamos, de maneiras que excedem a nossa compreensão. Deus gosta de se mostrar poderoso, de satisfazer nossas necessidades de tal maneira que não há dúvida de que Ele se move e responde nossas orações. Ele é capaz de trabalhar em nossas vidas além do que podemos até mesmo pedir ou pensar. Efésios 3:20 – “Ora, àquele que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera”.
 
- “A paz de Deus ... guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus”. Quando nos aproximamos de Deus em oração, compartilhando nossa grande necessidade com Ele, Ele não só atende às nossas necessidades além do que podemos imaginar - Ele também guarda nossos corações e mentes. Isso é essencial para obter a vitória sobre o inimigo quando ele ataca nossos corações e mentes. A palavra guardar é na verdade um termo militar que tem a ideia de "uma guarnição". Enquanto buscamos a Deus em oração, Ele fornece a paz que fortalece nossas mentes, construindo uma parede impenetrável que o inimigo não pode romper. Se quisermos vencer a batalha em nossas mentes, devemos passar tempo em oração para receber a paz de Deus que protege nossas mentes.

III. Um apelo para refletir. V. 8-9

- Em um apelo final, Paulo desafiou a igreja a refletir sobre certos aspectos da vida. Paulo sabia que seria muito mais fácil resistir ao ataque do inimigo e ser vitorioso contra seus ataques, se nossas mentes estivessem cheias de bons pensamentos. Ele mencionou:
 
A. Os atributos a considerar. V. 8“Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai”. Paulo ofereceu uma lista de atributos positivos para nossa consideração e desafiou o crente a pensar nessas coisas. Se nossas mentes estiverem cheias de pensamentos positivos, focadas no Senhor, haverá muito pouco espaço para pensamentos negativos e ataques do inimigo.
 
- Eu realmente gosto dos pensamentos de John Butler sobre este verso, e eu adaptei a aplicação de seu comentário. - Primeiro, pensamentos honestos. "Tudo que é verdadeiro ... honesto". Mantenha a mentira fora de sua mente, fofocas, disse me disse e religião falsa precisa colocar no lixo. - Segundo, pensamentos santos. "Tudo o que é justo ... puro". "justo" aqui significa correto, os pensamentos santos mantêm a mente limpa, uma mente suja é uma mente doente e vai contaminá-lo. - Terceiro, pensamentos harmoniosos - "amável". O significado da palavra traduzida "amável" envolve harmonia. Uma pessoa precisa ter pensamentos que promovam a harmonia em vez de divisão desnecessária e cisma. - Quarto, pensamentos felizes. Isso não significa desânimo, nem pensamentos deprimentes, mas isso não significa colocar a cabeça no lugar da irrealidade, mas sim encher a mente de pensamentos felizes: "Alegrai-vos no Senhor" (Filipenses 4:4). - Quinto, pensamentos saudáveis. "Se há alguma virtude". Falamos aqui da saúde de sua vida espiritual, que é mais importante do que a saúde de seu corpo físico. Livros sujos e revistas - coisas sem virtude - não estimulam pensamentos saudáveis. - Sexto, pensamentos celestiais. “Se há algum louvor”. Isso deve motivar pensamentos de Deus, que certamente é mais digno de louvor. Eu acho que você concordará que tais pensamentos, ocupando nossa mente, ajudará em nossa batalha dentro da mente.
 
B. A admoestação a cumprir. V. 9“O que também aprendestes, e recebestes, e ouvistes, e vistes em mim, isso praticai; e o Deus de paz será convosco”. Novamente Paulo usou a si mesmo como um exemplo piedoso para seguir. Ele os ensinou a viver com justiça; ele tinha modelado um estilo de vida antes deles. Agora ele admoestou a igreja a imitar a vida que ele viveu antes deles. Ao fazê-lo, lhes garantiriam a presença e o poder de Deus em suas vidas.
 
- Eu disse antes que eu tenho mais problemas com as passagens que eu entendo do que com aquelas que eu não entendo. A maioria de nós está na igreja a maior parte de nossas vidas, ou pelo menos tempo suficiente para ter uma compreensão do que é esperado para a vida cristã. Sabemos como se espera que vivamos, e sabemos onde encontrar a força e a sabedoria necessárias para viver uma vida correta. Embora o mero conhecimento não é suficiente. Devemos estar dispostos a lutar por uma vida de justiça. Devemos estar dispostos a fugir da carne e resistir ao diabo. Devemos encher nossas mentes com pensamentos que estimulem e promovam o crescimento espiritual. Somos mais do que vencedores em Cristo, mas devemos estar dispostos a envolver o inimigo na batalha em vez de abrir a porta, convidá-lo e dar-lhe um lugar para morar. Devemos nos esforçar diariamente para nos conformarmos a imagem de Cristo. Romanos 12:1-2 “Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos como um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus”.
 
Conclusão: Este foi um sermão muito prático e relevante. Vivemos no que se tornou conhecido como a era da informação. Temos acesso a uma riqueza de material, tanto bom quanto ruim, ao nosso alcance. O inimigo procura continuamente encher nossas mentes com a sujeira deste mundo, ao plantar sementes do medo, da preocupação, e da dúvida. A batalha dentro de nossos corações e mentes continuará enquanto vivemos, mas não temos de nos render em derrota. É possível ter vitória sobre o inimigo. Olhe para Cristo por força e sabedoria que você precisa. Alegre-se Nele, além do medo e da dúvida. Passe um tempo em oração em uma base contínua e ocupe sua mente com pensamentos espirituais.
 
Se você está lutando nesta área, faça sua petição conhecida diante do Senhor. Ele pode proporcionar paz que ultrapassa todo o entendimento, excedendo suas expectativas. Se você não é salvo, você não tem o benefício da assistência do Senhor. Satanás faz guerra em sua mente também, mas você deve lidar com ele sozinho. Venha a Cristo para a salvação para que você possa receber o perdão do pecado e desfrutar de um companheiro e guia constante.

Gostou desse esboço? Olha a novidade que tenho para você!

Eu preparei um e-book com 365 sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! Clique Aqui para adquirir seu livro.

Preparando nosso Coração e Mente (Parte 2) Reviewed by Aldenir Araujo on segunda-feira, janeiro 09, 2017 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:
1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

All Rights Reserved by O Pregador © 2014 - 2015
Designed by Blogger

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.