E se Cristo não tivesse ressuscitado? Quais seriam as consequências?

E se Cristo não tivesse ressuscitado? Quais seriam as consequências?Texto: 1 Coríntios 15:12-22
Introdução: Quando você pensa de homem morrendo na cruz, você provavelmente pensa imediatamente em Jesus Cristo. Mas, ao longo dos anos, muitos homens morreram por crucificação. Em 519 AC, por exemplo, o rei persa Dario crucificou 3.000 babilônios. Em 66 DC, os romanos crucificaram 3.600 judeus que iniciaram uma revolta.
Não é meramente porque Jesus de Nazaré morreu por crucificação que faz as pessoas buscarem a ele para a salvação. É o fato de que, três dias depois, o túmulo estava vazio. Jesus Cristo ressuscitou dos mortos.
[post_ad]
Durante seu ministério terreno, Jesus disse que ele seria ressuscitado. "Desde então começou Jesus Cristo a mostrar aos seus discípulos que era necessário que ele fosse a Jerusalém, que padecesse muitas coisas dos anciãos, dos principais sacerdotes, e dos escribas, que fosse morto, e que ao terceiro dia ressuscitasse" (Mateus 16:21). Até mesmo os seus inimigos disseram a Pilatos: "e disseram: Senhor, lembramo-nos de que aquele embusteiro, quando ainda vivo, afirmou: Depois de três dias ressurgirei" (Mateus 27:63).
De acordo com Jesus, a ressurreição seria o maior sinal para a humanidade sobre quem ele realmente era. Quando os fariseus pediram-lhe um sinal em Mateus 12, ele se referiu a Jonas permanecer no ventre do grande peixe por três dias e três noites e disse que esse era o tempo que ele estaria no coração da terra.
Se não fosse pela ressurreição, o ministério de Jesus teria terminado, suas reivindicações teriam sido ignoradas, ele teria sido apenas mais um mártir religioso, e teria sido esquecido há muito tempo.
Por isso, é essencial que cheguemos a uma decisão em nossas mentes a respeito da ressurreição de Cristo. Ou ele se levantou do túmulo, ou ele não ressuscitou. Essa doutrina é central para a fé cristã. E os cristãos de Corinto tinham aceitado essa verdade. Nos primeiros 10 versos de I Coríntios 15, Paulo fala sobre algumas das evidências da ressurreição não tanto como uma prova, mas como um lembrete, porque ele diz no versículo 11: "assim pregamos e assim crestes”.
O fato de a ressurreição ser a base do argumento de Paulo neste capítulo: Porque Cristo ressuscitou, a nossa ressurreição dos mortos é, obviamente, possível. As duas ressurreições permanecem ou caem juntos; não poderia haver uma sem a outra.
Parece estranho para nós que alguns desses cristãos aceitaram uma parte da verdade sem a outra. Sem dúvida, eles haviam sido influenciados pelas filosofias pagãs e as religiões de onde tinham vindo. As pessoas daquela época, assim como nos nossos dias, tinham muitas ideias errôneas sobre o que acontece com os seres humanos após a morte.
Algumas religiões têm ensinado o sono da alma, em que o corpo morre e se desintegra, enquanto que a alma ou espírito descansa. Os materialistas acreditam na extinção total, a aniquilação total. Nada de humano, ou de outra forma física, sobrevive após a morte. A morte termina tudo. Algumas religiões ensinam a reencarnação, que a alma ou espírito é continuamente reciclado de uma forma para outra - mesmo de humano para animal ou de animais para humanos. Outros acreditam no que é geralmente descrito como uma absorção, em que o espírito retorna à sua fonte e é absorvido de volta para a mente divina ou ser.
Em todos esses pontos de vista, a individualidade humana é perdida para sempre na morte. Seja como for, se alguma coisa, sobrevive não é mais uma pessoa, não é mais um indivíduo, não é mais um ser único.
Por outro lado, uma grande quantidade da filosofia grega era baseada no dualismo - a ideia de que tudo espiritual é bom e tudo o físico é ruim. Essa foi a visão dos gnósticos que João estava lidando em I João. Para qualquer um que tenha esse ponto de vista, a ideia de um corpo ressuscitado era uma ideia repugnante. Para eles, a própria razão de ir para a vida após a morte era escapar de todas as coisas físicas. Eles consideravam o corpo em um túmulo, ou um cadáver, porque, nesta vida, seus espíritos estavam algemados. Para os gregos, seus corpos eram as últimas coisas que eles queriam levar para a próxima vida.
Eles acreditavam na imortalidade da alma, mas eles se opuseram fortemente à ideia de uma ressurreição do corpo. Paulo descobriu isso quando ele pregou em Atenas: “Mas quando ouviram falar em ressurreição de mortos, uns escarneciam, e outros diziam: Acerca disso te ouviremos ainda outra vez" (Atos 17:32)..
É possível que até mesmo alguns membros judeus da igreja de Corinto duvidavam da ressurreição. Apesar do fato de a ressurreição ser ensinada no Antigo Testamento, alguns dos judeus, como os saduceus, não criam nela.
Mas, enquanto o ensino do Antigo Testamento sobre a ressurreição era limitado e incompleto, o ensino do Novo Testamento é extenso. Jesus disse: "Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou não o trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia" (João 6:44). Para Marta, ele disse, "Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá" (João 11:25).
O fundamento do ensino apostólico foi que Cristo ressuscitou dos mortos e que todos os que crerem nele também seria ressuscitados. Pedro e João estavam pregando em Jerusalém logo após o Pentecostes, os sacerdotes, o capitão do templo, e os saduceus, estavam muito perturbados que ensinassem o povo e anunciassem em Jesus a ressurreição dentre os mortos. (Atos 4 :1-2).
Mas, apesar do fato de que a ressurreição dos crentes é ensinada no Antigo Testamento, no ensino de Jesus durante o seu ministério terreno e no ensinamento dos apóstolos, muitos dos cristãos de Corinto estavam tendo sérias dúvidas sobre isso. São essas dúvidas que Paulo lida com força em I Coríntios 15.
Seu primeiro argumento é simples e lógico: "Ora, se prega que Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, como dizem alguns entre vós que não há ressurreição de mortos?” (15:12). Os irmãos de Corinto acreditavam na ressurreição de Cristo. Então, como poderiam eles logicamente negar a verdade geral da ressurreição? Se Cristo ressuscitou dentre os mortos, obviamente a ressurreição é possível.
"Se não há ressurreição dos mortos, também Cristo não ressuscitou" (I Coríntios 15:13).
Os leitores de Paulo teriam dito: "Sim, nós concordamos que Jesus ressuscitou dentre os mortos, nós apenas não acreditamos que o resto de nós vai ressuscitar" Mas Paulo quer que eles vejam a implicações do que estão dizendo. Se os mortos não podem ser ressuscitados, então Jesus não ressuscitou dos mortos. Os Corintos consideraram esse fato? Se você tirar a ressurreição, Jesus permanece na sepultura.
Mas a ressurreição de Cristo é uma grande realidade. Pedro disse falando de Davi "prevendo isto, Davi falou da ressurreição de Cristo, que a sua alma não foi deixada no hades, nem a sua carne viu a corrupção. Ora, a este Jesus, Deus ressuscitou, do que todos nós somos testemunhas." (Atos 2:31-32). Em sua visão a João na ilha de Patmos, Cristo declarou: "Eu sou o Primeiro e o Último. Eu sou aquele que vive e fui morto, mas eis que estou vivo para sempre" (Apocalipse 1:17-18).

I. Se Cristo não tivesse ressuscitado. Quais seriam as consequências?

Nos versículos 14-19, Paulo demonstra que a ressurreição de Cristo é essencial para a nossa fé. Ele dá aqui seis consequências desastrosas que resultariam se Cristo não tivesse ressuscitado dentre os mortos.
A. A pregação do Evangelho não teria sentido - "E, se Cristo não ressuscitou, a nossa pregação é vã...” (I Coríntios 15:14a).
O primeiro de não haver ressurreição de Cristo seria a de que a pregação do evangelho seria vã, completamente sem sentido.
Como Paulo havia dito anteriormente, o coração do evangelho é a morte e a ressurreição de Cristo em nosso favor. "Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras; que foi sepultado; que foi ressuscitado ao terceiro dia, segundo as Escrituras" (I Coríntios 15:3-4).
Sem a ressurreição, Jesus não poderia ter vencido a morte, e a morte seria para sempre o conquistador do homem. Sem a ressurreição, a boa nova seria uma má notícia e não haveria nada que valesse a pena pregar. Sem a ressurreição, o evangelho seria uma mensagem desesperada, vazio, de bobagens, sem sentido. Se o Senhor não venceu o pecado e a morte, fazendo um caminho para os homens seguir em vitória, não há evangelho para proclamar.
B. A fé em Cristo seria inútil - "E, se Cristo não ressuscitou, então... a vossa fé também é vã" (I Coríntios 15:14).
Assim como sem ressurreição não faria sentido pregar a Cristo, a fé nele também seria inútil. A fé em tal evangelho seria inútil - vazia, vã, sem propósito. Um salvador morto não poderia dar vida. Se os mortos não ressuscitam, Cristo não ressuscitou e não vamos ressuscitar. Nós, então, só poderíamos dizer com o salmista: "Certamente eu tenho purificado o meu coração em vão" (Salmo 73:13).
Se não houvesse ressurreição, a galeria dos fiéis em Hebreus 11, ao invés, seria a galeria dos insensatos. Abel, Enoque, Noé, Abraão, Sara, Moisés, Raabe, Davi, os profetas, e todos os outros teriam sido fieis para nada. Eles teriam sido escarnecidos, açoitados, presos, apedrejados, afligidos, maltratados e mortos completamente em vão. Todos os crentes em todas as épocas teriam crido em nada, vivido para nada e morreram por nada.
C. Todas as testemunhas e pregadores da ressurreição seriam mentirosos.
"E assim somos também considerados como falsas testemunhas de Deus que ele ressuscitou a Cristo, ao qual, porém, não ressuscitou, se, na verdade, os mortos não são ressuscitados" ( I Coríntios 15:15).
Se Cristo não ressuscitou dos mortos, então toda pessoa que alegou ter testemunhado o Cristo ressuscitado e toda pessoa que pregou o Cristo ressuscitado é um mentiroso, inclusive Paulo e os outros apóstolos.
Negar a ressurreição é chamar os apóstolos e todos os outros líderes da igreja do Novo Testamento de mentirosos. Não há possibilidade, como algumas pessoas afirmam que tal erro poderia ter sido inocente ou ingênuo. Essas testemunhas não poderiam ter sido homens honestos que apenas estavam enganados. Se Cristo não ressuscitou dentre os mortos, eles eram mentirosos que conspiraram juntos por suas mentiras para ser coerente e harmonizada.
E se os apóstolos, os profetas e os escritores do Novo Testamento mentiram sobre o coração do evangelho, por que deveríamos crer em qualquer outra coisa que eles disseram? Por que os seus ensinamentos morais seriam considerados inspirados e sublimes, se assim flagrantemente falsificaram seu ensino sobre a ressurreição de Jesus? Toda a verdade do Novo Testamento se mantém de pé ou cai junto com base na ressurreição.
Embora Paulo não mencione especificamente, segue-se claramente que, se a ressurreição não fosse verdade, o próprio Cristo mentiu, ou na melhor das hipóteses estava tragicamente enganado. Em qualquer caso, ele não poderia qualificar-se como o divino Filho de Deus ou Salvador do mundo e Senhor. Ou, se os escritores do Novo Testamento completamente deturparam o que Cristo e os apóstolos ensinaram; então o Novo Testamento seria um documento sem valor que nenhuma pessoa razoável poderia confiar.
D. Todos os homens ainda estariam em seus pecados
"Porque, se os mortos não são ressuscitados, também Cristo não foi ressuscitado. E, se Cristo não foi ressuscitado, é vã a vossa fé, e ainda estais nos vossos pecados" (I Coríntios 15:16-17 ) .
Se Cristo não ressuscitou dos mortos, então os cristãos não seriam melhores espiritualmente do que o não cristão.
A razão é que, se Jesus não ressuscitou dos mortos, então o pecado ganhou a vitória sobre ele e, portanto, continuará a ser vitorioso sobre todos os homens. Se Jesus permaneceu morto, então, quando morrermos, nós também permaneceremos mortos e condenados. "O salário do pecado é a morte" (Romanos 6:23) , e se permanecermos mortos , então a morte e a punição eterna são a única perspectiva para crentes e descrentes. Se Cristo não ressuscitou, então ele não trouxe o perdão dos pecados ou a salvação ou a reconciliação ou a vida espiritual, seja para agora ou para a eternidade.
Mas o fato é que Deus ressuscitou "mas também por causa de nós a quem há de ser imputado, a nós os que cremos naquele que dos mortos ressuscitou a Jesus nosso Senhor; o qual foi entregue por causa das nossas transgressões, e ressuscitado para a nossa justificação." (Romanos 4:24-25 ). Porque Jesus realmente vive, nós também viveremos (João 14:19) . "O Deus de nossos pais ressuscitou a Jesus, ao qual vós matastes, suspendendo-o no madeiro; sim, Deus, com a sua destra, o elevou a Príncipe e Salvador, para dar a Israel o arrependimento e remissão de pecados" (Atos 5:30-31).
E. Todos os cristãos de todas as épocas estão perdidos eternamente
"Logo, também os que dormiram em Cristo estão perdidos" (I Coríntios 15:18).
"Dormir" era um eufemismo comum para a morte. Se não há ressurreição dos mortos, então cada um dos santos, do Antigo Testamento que morreram estão para sempre perdidos. Obviamente, a mesma consequência se aplica a todos os cristãos que morreram desde que Paulo escreveu esta carta. O próprio Paulo, os outros apóstolos, e todos os cristãos de todos os outros anos iria passar a eternidade em tormento, sem Deus e sem esperança. Sua fé teria sido em vão, seus pecados não teriam sido perdoados, e seu destino seria a condenação.
F. Os cristãos seriam as pessoas mais miseráveis ​​da terra.
"Se é só para esta vida que esperamos em Cristo, somos de todos os homens os mais dignos de lástima" (I Coríntios 15:19) .
À luz das outras consequências, esta última é bastante óbvia. Sem a ressurreição, e a salvação e as bênçãos que ela traz, o cristianismo seria inútil e lamentável. Sem a ressurreição, não teríamos Salvador, não haveria perdão, não haveria evangelho, não haveria fé significativa, sem vida, e sem esperança de qualquer uma dessas coisas.
Colocar a nossa fé em Cristo e não têm nada de olhar para frente seria ensinar, pregar, sofrer, sacrificar e trabalhar inteiramente por nada. Se Cristo ainda está morto, então ele não pode ajudar-nos em relação à vida futura, e ele não pode nos ajudar agora. Se ele não pode nos dar a vida eterna, ele não pode melhorar a nossa vida terrena. A vida cristã seria uma zombaria, uma farsa, uma piada trágica.
Portanto, se Cristo não ressuscitou, ele não está vivo, e nossa vida cristã é sem vida. Nós não teríamos nada para justificar nossa fé, nosso estudo da Bíblia, a nossa pregação, o nosso serviço para ele ou nossa adoração a ele, e nada para justificar nossa esperança tanto para esta vida ou na próxima. Nós merecemos nada, mas a compaixão reservada para os tolos.
Mas nós não devemos lamentar, pois Paulo continua imediatamente: "Mas na realidade Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, sendo ele as primícias dos que dormem" (I Coríntios 15:20) .

II. O fato da ressurreição

"Mas na realidade Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, sendo ele as primícias dos que dormem. Porque, assim como por um homem veio a morte, também por um homem veio a ressurreição dos mortos. Pois como em Adão todos morrem, do mesmo modo em Cristo todos serão vivificados" (I Coríntios 15:20-22).
Paulo aqui chama Jesus de as primícias dos mortos. No Antigo Testamento, antes de os israelitas colherem suas colheitas, deveria trazer uma amostra representativa, chamado os primeiros frutos, aos sacerdotes como oferta ao Senhor. A colheita total não poderia ser feita até que fossem oferecidos os primeiros frutos.
Essa é a imagem que é usada aqui. O fato de que Jesus é a primícias dos que dormem indica que o restante da safra vai ser colhido. Sua ressurreição significa que há mais a seguir. Mais uma vez, aqueles que dormem são aqueles que já morreram; neste caso os justos mortos cujos corpos ainda estavam nas sepulturas.
Assim como Adão foi o precursor de todos os que morrem, Cristo é o precursor de todos os que serão ressuscitados para a vida. Adão trouxe a morte ao mundo e todos nós morreremos. Mas Cristo trouxe a vida eterna a este mundo, e todos os cristãos vão viver através dele.
Um missionário descobriu uma tribo de índios em uma parte remota da selva. Eles viviam perto de um grande rio. A tribo era amigável e estava precisando de atendimento médico. A doença contagiosa estava devastando a população e as pessoas estavam morrendo diariamente. Uma enfermaria estava localizada em outra parte da floresta e o missionário determinou que a única esperança para esta tribo, seria irem à enfermaria para receber tratamento e vacinas. Porém a fim de chegar a enfermaria, os índios teriam de atravessar o rio - algo que eles não estavam dispostos a fazer.
Eles acreditavam que o rio era habitado por espíritos malignos. Entrar na água significava morte certa. Se você fosse aquele missionário, o que você faria com a difícil tarefa de superar o medo daquela tribo?
Então, o missionário começou explicando como ele tinha atravessado o rio e chegou ileso. Sem resultado. Ele conduziu o povo para as margens do rio e colocou a mão na água. As pessoas ainda não acreditam nele. Ele chegou a beira do rio e jogou água em seu rosto. As pessoas assistiram de perto, mas ainda estavam hesitantes. Por fim, o missionário se virou e mergulhou na água. Nadou abaixo da superfície, até que ele emergiu do outro lado.
Tendo provado que o poder do rio era uma farsa, o missionário ergueu um punho triunfante no ar. Ele tinha entrado na água e saiu ileso. Os índios romperam em aplausos e seguiram-no.
Jesus veio a este mundo e encontrou um povo escravizado pelo medo da morte (Hebreus 2:15). Ele poderia ter explicado que o rio da morte não havia nada a temer, mas as pessoas não iriam acreditar nele. Ele tocou um menino e o chamou de volta à vida, mas seus seguidores ainda não estavam convencidos. Ele trouxe vida ao corpo de uma menina, mas as pessoas ainda estavam cínicas. Ele até deixou um homem morto passar quatro dias em um túmulo e, em seguida, chamou-o para fora. Isso foi o suficiente? Aparentemente não.
Foi necessário o próprio Jesus Cristo entrar no rio, submergir-se nas águas da morte e surgir depois de três dias do outro lado. Então, e só então podemos acreditar que a morte foi conquistada, que Jesus "destruiu, aquele que tinha o poder da morte" (Hebreus 2:14).

Conclusão: Como dissemos no início, temos de chegar a uma decisão firme em nossas mentes sobre a ressurreição, porque sem a ressurreição, não haveria cristianismo. Tanto a ressurreição de Cristo e a nossa própria ressurreição no futuro; faz toda a diferença no mundo.
O homem pode ter um grande poder - Um motor a jato capaz de ir de Saturno à Lua, um raio laser capaz de cortar diamantes, uma explosão nuclear capaz de esmagar uma cidade. O homem pode destruir a vida, talvez alongá-la, alguns dizem até criá-la. Mas, o poder de Deus é maior ainda. Só ele pode ressuscitar os mortos. A ressureição de Jesus depois de três dias na sepultura foi o mais poderoso evento de todos os tempos.
E através dessa grande demonstração de poder, encontramos a esperança para o futuro. Algo melhor está por vir para todos nós. Se ressuscitamos com Cristo no batismo, estamos confiantes de que seremos ressuscitados com ele por toda a eternidade.

Pr. Aldenir Araújo

Gostou desse esboço? Olha a novidade que tenho para você!

Eu preparei um e-book com 365 sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! Clique Aqui para adquirir seu livro.

E se Cristo não tivesse ressuscitado? Quais seriam as consequências? Reviewed by Aldenir Araujo on sexta-feira, abril 11, 2014 Rating: 5

Um comentário:

  1. A ressureição so existiu no pos Cristo. E os que se foram antes de Cristo por onde andam.

    ResponderExcluir

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:
1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

All Rights Reserved by O Pregador © 2014 - 2015
Designed by Blogger

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.