A Bíblia e a saúde mental II

A Bíblia e a saúde mental II
Texto: Filipenses 4:7

Introdução:

1. Você não pensaria conscientemente em permitir que um ladrão entrasse em sua casa. Ou você faria?
2. Considere os seguintes inimigos da mente. Nós muitas vezes permitimos que esses “ladrões" roubem a nossa saúde mental.

I. Culpa - A Espada de Dois Gumes.

A. O que é a culpa?
1. Um sentimento de culpabilidade (merecedor de reprovação) por conta de um mal que foi feito.
2. Um dos maiores fatores emocionais. A culpa pode ser boa ou ruim, dependendo de como o homem responde a essa emoção.
[post_ad]
B. Se Deus não existisse, não haveria tal coisa como a culpa.
1. Outras formas de vida biológica (ex: pinheiro, cão, etc) não experimentam culpa.
2. A consciência do homem de culpa (como reflete em sua consciência) são sinais de que há conhecimento moral dentro da alma, indicando assim a fonte suprema moral - Deus.
C. A culpa pode ser subjetiva ou objetiva.
1. Subjetiva é a culpa que uma pessoa sente, mas na verdade não tem fundamento. Ex: Quando uma pessoa comete suicídio, um ser querido sobrevivente pode se sentir um sentimento injustificado de culpa. Uma pessoa pode atropelar acidentalmente uma criança com o seu automóvel e se sentir culpado, mesmo que o acidente pode ter sido inevitável.
2. Objetiva (real) a culpa é o resultado de violar a lei de Deus. Devemos sentir-se culpado, como consequência de fazer errado. Considere a resposta de muitos dos que ouviram a pregação de Pedro no dia de Pentecostes (Atos 2:37).
3. "A tristeza segundo Deus" é uma emoção particularmente valiosa (II Coríntios 7:10). Quando a pessoa aproveita-se da cura para esse tipo de culpa (a relação com Deus), esta culpa não tem de ser devastadora (Isaías 1:18, Atos 3:19).
4. Quando nós permitimos perdurar a nossa culpa, a culpa pode privar-nos de nosso sono à noite, e arruinar as nossas horas de vigília. A culpa pode perseguir-nos como um animal até que já não sinta mais alegria de viver.
D. Infelizmente, em vez de lidar adequadamente com a sua culpa, o homem muitas vezes nega a sua responsabilidade.
1. O homem nega a existência do pecado.
2. Os homens chamam o pecado por nomes menos ofensiva (ex: a homossexualidade se torna um "estilo de vida" alternativo" ou simplesmente "gay").
3. Os homens racionalizam seu pecado (ex: se justificando ou alegando ser mero "produto de seu meio ambiente"). Os homens ocultam sua culpa ou legalizam o seu pecado (ex: o assassinato de inocentes, o aborto, torna-se o “direito de escolher”).

II. As muitas dores do materialismo.

A. Paulo alerta a Timóteo em I Timóteo 6:9-10: "Ora, os que querem ficar ricos caem em tentação, e cilada, e em muitas concupiscências insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens na ruína e perdição. Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores. Porque o amor ao dinheiro é a raiz de todo mal..." Considere o seguinte:
1. As palavras de Paulo descreve uma pessoa que está continuamente obcecado com a obtenção de "coisas" para seu próprio uso.
2. O termo "rico" é um presente do infinitivo que denota uma ambição para a prosperidade sustentável.
3. "Ruína" é um verbo no tempo presente e indica o destino daqueles cujo objetivo na vida é a busca das coisas materiais.
4. Aquelas pessoas que são obcecadas em ganhar dinheiro ou obter as coisas materiais serão finalmente capturadas em uma armadilha e destruídas.
B. Uma paixão pelo dinheiro pode levar a uma infinidade de problemas.
1. Na parábola do semeador, Jesus advertiu contra a sedução das riquezas (Mateus 13:22) “O que foi semeado entre os espinhos é o que ouve a palavra, porém os cuidados do mundo e a fascinação das riquezas sufocam a palavra, e fica infrutífera”
2. O dinheiro promete muito, mas não pode entregar. Não há segurança nas coisas materiais.
C. Considere a parábola do rico insensato.
1. O homem tinha colocado mercadorias no celeiro para muitos anos.
2. Mas Deus disse: "...Louco, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?" (Lucas 12:20). A língua original indica, "Esta noite, eles exigem a sua alma"

III. Preocupação: O ladrão da tranquilidade.

A. A preocupação (stress) é um assassino.
1. O Dr. S. I. McMillen discutiu as diferenças entre o "stress" glândulas do leão e o do crocodilo.
2. O leão, no seu habitat na selva, é constantemente submetido a estresse. Conseqüentemente, sua vida é relativamente breve. As glândulas do crocodilo são pequenas e relativamente inativas. Ele não está sujeito ao stress "constante" do leão e vive muito mais tempo.
3. Autópsias em seres humanos têm demonstrado que as glândulas supra-renais em pessoas que tenham sido expostos a grandes quantidades de stress são maiores do que aqueles que não têm.
B. Jesus abordou o problema da preocupação no Sermão da Montanha.
1. Jesus advertiu: "Não andeis (não estar constantemente preocupado) ansiosos pela vossa vida (física) (Mateus 6:25). Jesus alegou que há mais vida do que apenas o físico.
2. Jesus salientou que, se Deus cuida de suas criaturas menores (os animais), ele certamente irá prover para o seu povo.
C. As palavras de Jesus apontam para a inutilidade de se preocupar.
1. Nenhum homem pode acrescentar anos à sua vida, por se preocupar.
2. Jesus também observou que a preocupação é "paganismo". Nota: "Porque todas estas coisas os gentios procuram" (Mateus 6:32). Os cristãos não devem se preocupar sobre as questões físicas.

Conclusão:

1. Você está deixando esses inimigos da sua mente roubar-lhe da saúde emocional?
a. Culpa.
b. O materialismo.
c. Preocupação.

Pr. Aldenir Araújo

Gostou desse esboço? Olha a novidade que tenho para você!

Eu preparei um e-book com 365 sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! Clique Aqui para adquirir seu livro.

A Bíblia e a saúde mental II Reviewed by Aldenir Araujo on quarta-feira, junho 23, 2010 Rating: 5

2 comentários:

  1. @Presb. Fabio Scofield
    Amado, fiquei felicissimo com sua participação, em breve estarei visitando seu blog. Sucesso!

    Deus te abençoe

    Um forte abraço

    ResponderExcluir
  2. Sinto culpa por um pecado cometido. Arrependi. Pedi perdão a deus. Mudei de vida e continuo triste. Comendo mal e dormindo pouco. Estou triste demais ha mais de um mês

    ResponderExcluir

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:
1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

All Rights Reserved by O Pregador © 2014 - 2015
Designed by Blogger

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.