PORQUE DEUS PERMITIU O PECADO?
Lição 17

Gênesis 3:6

I. INTRODUÇÃO

A. O problema do pecado é óbvio do ponto de vista do homem, pois Adão voluntariamente desobedeceu a Deus. Mas, do aspecto divino, o problema do pecado é muito mais complexo, pois porque um Deus onipotente, santo, justo e amoroso permitiria que o pecado entrasse em Sua criação?

B. A origem do pecado é realmente inexplicável. É um mistério e inescrutável para a mente humana. Nenhum humano, deste lado da glória, jamais compreenderá totalmente o problema do pecado. O cristão pode contemplar porque Deus permitiu o pecado, mas além disso o assunto é incompreensível e deve ser deixado nas mãos de Deus. A resposta final é bem afirmada por Lutero, que disse: "Isso é tão alto que nenhuma outra resposta pode ser dada, que isso agradou a Deus".

C. O problema do pecado remonta a Adão e Eva, e o que se aplica a eles se aplica ao problema do pecado em geral.

II. OBSERVAÇÕES GERAIS SOBRE O PECADO

A. Deus é e o pecado é; portanto, o pecado deve fazer parte do plano, pois Deus não pode ser separado de nenhuma parte do Seu plano, pois Ele é soberano. Se Ele é separado, não é soberano e, se não é soberano, não é Deus.

B. A Bíblia sempre coloca a responsabilidade pelo pecado no homem, nunca em Deus. O homem em sua experiência sempre reconhece isso.

C. Deus odeia o pecado, mesmo que esteja incluído no plano.

III. CONFISSÃO DE FÉ DE WESTMINSTER

A. “Desde toda a eternidade, Deus, pelo muito sábio e santo conselho da Sua própria vontade, ordenou livre e inalteravelmente tudo quanto acontece (Efésios 1:11; Romanos 11:33; Hebreus 6:17; Romanos 9:13-14): porém de modo que nem Deus é o autor do pecado (Tiago 1:13,17; 1 João 1:5), nem violentada é a vontade da criatura, nem é tirada a liberdade ou contingência das causas secundárias, antes estabelecidas”(Atos 2:23; Mateus 17:12; Atos 4:27-28; João 19:11; Provérbios 16:33).

B. “Ainda que Deus sabe tudo quanto pode ou há de acontecer em todas as circunstâncias imagináveis (Atos 14:10; 1 Samuel 23:11-12; Mateus 11:21-23); Ele não decreta coisa alguma por havê-la previsto como futura, ou como coisa que havia de acontecer em tais e tais condições”(Romanos 9:11,13,16,18).

IV. A PERMISSÃO DO PECADO

A. Deus, em Sua onisciência, sabia que Adão e Eva pecariam e poderia ter evitado, visto que Ele é onipotente, mas não o fez.

B. Cristo foi um cordeiro predestinado antes da fundação do mundo para o pecado (1 Pedro 1:20). Portanto, concluímos que Deus sabia sobre o primeiro pecado, porque Ele fez provisões para ele no passado eterno.

C. Deus, sendo perfeito e santo, não pode cometer nenhum ato de pecado. No entanto, de alguma forma, o pecado está incluído no plano de que o homem é sempre responsável por ele e, no entanto, Deus sempre tem controle sobre ele.

D. Deus quis permitir, mas Ele não é, de modo algum, a causa imputável, pois foram Adão e Eva quem pecaram, não Deus. Deus, com permissão, desejou a possibilidade do pecado. O próprio fato de que Ele permitiu que acontecesse e não o impedisse, mostra que Ele desejou sua permissão.

NOTA: Deus assume a responsabilidade pela inclusão do pecado em Seu plano. Deus não está evitando esse relacionamento. No entanto, Deus não assume a responsabilidade direta pelo pecado. Quando Deus escolheu incluir o pecado em Seu plano, Ele entrou em um certo relacionamento com esse pecado de tal maneira que o homem ainda é considerado responsável.

E. Quando Deus quis permitir o pecado, isso permitiu que Ele fosse soberano sobre o pecado e, no entanto, não fosse o autor dele. Deus é o governador do pecado, pois Ele determina seu exercício e regula seus limites com permissão (Salmo 76:10). Ele não é o inspirador nem o infusor do pecado em nenhuma de Suas criaturas, mas ele é seu mestre, com isso queremos dizer que a administração de Deus dos ímpios é tão completa que eles nada podem fazer senão o que Sua mão e conselho, desde a eternidade, determinado deve ser feito.

F. Quando Deus quis permitir o pecado, Ele também preservou a responsabilidade do homem (vontade de escolher o bem ou o mal). O decreto permissivo apenas faz de Deus o autor de agentes morais livres, que são os próprios autores do pecado. O homem não é uma máquina sem vontade ou um fantoche sem escolha ou um animal sem responsabilidade moral. A nobreza do homem exige que ele seja um agente moral livre sob a soberania de Deus.

G. A inclusão do pecado no plano de Deus é o melhor plano e isso trará a maior glória a Deus.

V. OPINIÕES SOBRE A PERMISSÃO DA QUEDA DE ADÃO

A. Arminiano (livre arbítrio): Alguns arminianos dizem que Deus sabia da queda de Adão, mas não podia fazer nada a respeito, pois Deus nunca pode anular o livre arbítrio do homem. Outra escola de arminianos acha que Deus era um espectador ocioso, sentado em dúvida enquanto Adão caiu e ficou bastante surpreso. Deus foi frustrado pela criatura de Suas mãos.
OBJEÇÕES
1. Se Deus sabia do pecado de Adão e não fez nada a respeito, quando teve o poder de fazê-lo, então ele é Deus sem piedade.
2. Se o pecado de Adão pegou Deus de surpresa, então ele frustrou o plano original de Deus, tornando-o maior que Deus.

B. Calvinista (soberania): A Queda foi predestinada por Deus em Sua vontade permissiva. Em nenhum sentido, foi uma surpresa para Ele e que, depois que ocorreu, Ele não sentiu que havia cometido um erro ao criar o homem.

NOTA: Deus poderia ter impedido a queda, mas não o fez; assim, Deus tinha o propósito de permitir a queda, ordenando-a para Sua própria glória.

1. Deus não obrigou Adão a pecar. Ele simplesmente reteve a graça imerecida e reprimida, que Deus não tinha obrigação de conceder, e deixou o Homem com seu livre arbítrio, e ele escolheu contra Deus. Adão agiu livremente, mas estava sob permissão divina.
2. Possivelmente, uma das razões pelas quais Deus permitiu a Queda foi mostrar o que o livre-arbítrio faria, e então, ao anulá-lo, Ele mostrou o que as bênçãos de Sua graça e os julgamentos de Sua justiça podem fazer.

VI. PORQUE DEUS PERMITE O PECADO?

A. Se não houvesse pecado, Deus não poderia manifestar Sua graça e amor. Se não houvesse pecado, nunca haveria uma cruz.

B. Deus permitiu ao pecado para que os homens pudessem apreciar o bem, em contraste com o mal. Se não conhecêssemos o bem do mal, nunca obedeceríamos ou desobedeceríamos. Seríamos máquinas.

NOTA: O homem foi criado para ter comunhão com Deus e amá-lo. A comunhão forçada não traria glória a Deus. O homem é moralmente responsável diante de Deus.

C. O pecado era um princípio hipotético que sempre existiu e foi permitido manifestar-se para que pudesse ser julgado.

VII. CONCLUSÃO

A. Nossa mente pecaminosa, caída e escravizada não pode começar a compreender as coisas incompreensíveis e insondáveis ​​de Deus e Seus propósitos. Devemos ser humildes e ter a coragem de admitir ignorância.

B. Martinho Lutero disse: “Nos mandamentos e assuntos de Deus, devemos deixar de lado nossa sabedoria e pensar assim: Parece tolice para mim? Então, na verdade, a única razão é que sou um grande tolo que não pode compreender a sabedoria divina”


Gostou Desse Esboço? Olha a Novidade Que Tenho Para Você!

Eu preparei um E-book Com 365 Esboços de Sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! CLIQUE AQUI para adquirir seu livro.

Postar Comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postagem Anterior Próxima Postagem