Quando o Coração Perdeu Sua Canção

Quando o Coração Perdeu Sua Canção
Texto: Salmo 137

Introdução: Este é o salmo do desviado. Pinta uma das imagens mais tristes do Antigo Testamento. Os filhos de Judá foram capturados pelos babilônios por volta de 587 aC. Os profetas os advertiram continuamente que Deus julgaria seus pecados dessa maneira. Agora tinha acontecido.

O termo "desviado" é usado com muita frequência em nossos dias atuais, mas é puramente uma palavra do Antigo Testamento. A palavra em si não é usada no Novo Testamento. Falamos daqueles que não vivem de acordo com os princípios de nossa fé como "desviados". A palavra, nas escrituras, é uma palavra reservada ao Israel nacional. No entanto, as desvantagens de Israel revelam alguns princípios básicos que podemos usar em nossas vidas hoje.

A vida cristã é uma vida do Espírito. Quando andamos no Espírito, nossos desejos são espirituais. Quando deixamos de permitir que o Espírito tenha preeminência em nossas vidas, começamos a jornada de "retrocesso". A vida espiritual é uma vida que traz uma canção para nossos corações. Mesmo em oposição e problemas, o Espírito torna real uma canção em nossos corações. Somente o pecado pode roubar essa canção.

Quando os judeus estavam em segurança em sua terra natal, não consideravam Deus e Seus princípios muito importantes. Agora, cativos na Babilônia, choram de saudade de suas terras e de suas vidas antigas. Quando o cântico do coração é exigido de seus cativos, eles descobrem que não podem "cantar o cântico do Senhor em uma terra estranha". Vamos examinar esse salmo em um estudo expositivo e ver os paralelos com a vida cristã hoje.

I. A Triste Reprovação. V. 1-2

1. Uma reunião ... nos assentamos ...
2. Um luto ... nos pusemos a chorar ...
3. Uma miséria ... penduramos as nossas harpas...

Babilônia é conhecida por seus rios. Existem pelo menos quatro rios principais que atravessam o reino. Os rios eram o equivalente de nossas principais rodovias. Eles eram locais de transporte, comércio e lazer. Eles também eram lugares em que era necessário muito trabalho escravo. Esses judeus provavelmente estavam perto dos locais de trabalho forçado, talvez até descansando desse trabalho.

Eles se sentaram. Ou seja, eles foram propositadamente reunidos como um grupo. Os escravos judeus tinham uma herança e interesses comuns. É natural que eles se reunissem. Eles "choraram", o que traz consigo um lamento e um pranto. O choro deles não era do tipo silencioso e privado. Foi uma tristeza que os venceu. O verbo está no clima perfeito, o que nos diz que eles choraram até não poderem mais chorar.

Eles "lembraram" de Sião. Eles se lembraram de suas vidas passadas de liberdade e felicidade. Eles abusaram de sua liberdade e desrespeitaram a Deus. No passado, eles não honravam o Deus de Sião, nem Lhe obedeceram. Eles deram como certo as grandes bênçãos e benefícios que Jeová lhes dera.

Quanto somos cristãos culpados pelo mesmo pecado? Subconscientemente, sentimos o direito às bênçãos de Deus. Ao menor sinal de problemas ou provações, perguntamos "porque eu?". Quanto mais longe estamos de Deus, mais sentimos o direito à sua misericórdia. Quanto mais próximos estamos de Deus, mais indignos e inaptos nos sentimos.

Uma transformação está em andamento aqui. O desviado estava tomando seu lugar como pecador reprovado. As lembranças das bênçãos passadas agora os dominam e Sião parece muito distante.

Os judeus eram conhecidos como um povo alegre e feliz. Seu estilo de cantar e adorar era incomparável no mundo antigo. A adoração deles era real porque o Deus deles era real. As harpas eram instrumentos de adoração nos cultos do templo. A intenção era adorar a Deus. Suas lágrimas haviam revitalizado seu patriotismo. Alguém começou a tocar. Mas não adiantava. É impossível adorar a Deus quando você está fora da vontade Dele. Deus desejou arrependimento, não adoração. Como o filho pródigo do Novo Testamento, os cativos judeus chegaram ao vazio e à pobreza de espírito.

II. A Canção Requerida. V. 3-4

1. Um poderoso captor ... nos pediam canções...
2. Uma demanda perseguidora ... eles exigiram de nós alegria ....
3. Uma pergunta penetrante ... como podemos cantar ......

A razão pela qual sua tristeza era tão esmagadora foi que eles sentiram que estavam sendo criticados e ridicularizados por seus captores. Os babilônios haviam visto sua pequena reunião e visto os instrumentos. Uma multidão se reuniu para ouvir a canção que os judeus iam cantar.

Não está claro as intenções dos babilônios. Não podemos dizer pelas palavras se eles eram sinceros em seu desejo de ouvir as canções de Sião ou se estavam zombando delas. Isso não importa. As intenções de Deus estavam sendo cumpridas pelo pedido. De repente, os judeus se sentiram longe de casa. Os pecados que os levaram a este lugar parecem tão tolos e ridículos agora.

Aqueles que "atormentavam" exigiam "alegria", isto é, regozijo e alegria. Canções de adoração não são sombrias e agourentas. Elas estão felizes e de regozijo. O escritor do salmo tem um cuidado especial em mencionar seus captores sob uma luz negativa. Os judeus não haviam esquecido o que os babilônios haviam feito com eles e sua terra. A cena aqui lembra Sansão após sua grande queda moendo milho como um boi, enquanto os inimigos de Deus riem de sua impotência.

No versículo quatro, encontramos uma pergunta retórica que aparentemente é feita a ninguém e a todos ao mesmo tempo. "Mas como entoaremos o cântico do Senhor em terra estrangeira?" É uma pergunta que não tem resposta. De fato, é quase uma afirmação em si. O livro de Efésios nos dá a contrapartida do Novo Testamento a essa pergunta. O capítulo 5 e o versículo 18 nos dizem: "E não vos embriagueis com vinho, no qual há devassidão, mas enchei-vos do Espírito"; O versículo 19 nos diz os resultados desse enchimento: "falando entre vós em salmos, hinos, e cânticos espirituais, cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração"

Não pode haver canções de coração para o cristão que vive na carne. Ele, como os cativos judeus, perdeu a capacidade de cantar no altar do mundo e da carne. 1 João nos diz: "... se alguém ama o mundo, o amor do pai não está nele". Eles não se recusaram a cantar, não podiam cantar! Veja também João 15:18-21.

III. A Recuperação do Santo. v. 5-6

1. Uma promessa "Se eu me esquecer de ti..."
2. Uma preferência "se não me lembrar de ti..."
3. Uma preeminência "... se eu não preferir Jerusalém..."

Nos versículos 5-6, os judeus estão de volta em casa em sua terra. Este salmo é projetado para lembrá-los da falta de sentido de seu cativeiro passado e da importância da verdadeira adoração. Existem três grandes "ses" nesses versículos que revelam a profundidade do sentimento que esses judeus compartilhavam.

"Se eu me esquecer ..." significa deixar de se importar ou ignorar. Essa é exatamente a condição do coração que levou Deus a julgá-los. Eles ignoraram e deixaram de se preocupar com as coisas de Deus. A adoração no templo não era importante. Os idólatras, que tinham seus lugares de sacrifício nos "lugares altos", não lhes interessavam antes do cativeiro. Mas agora, o salmista promete não esquecer; "esqueça-se a minha destra da sua destreza.." Ele quer dizer que ele perderá a firmeza de sua mão antes de esquecer Jerusalém novamente. A firmeza da mão era imperativa na guerra e no trabalho de um homem. Ele seria inútil sem uma mão firme.

"se não me lembrar de ti..." significa trazer conscientemente à lembrança. Significa manter em memória como manter um memorial. Essa é uma promessa mais profunda que a primeira. O salmista não apenas promete não esquecer, mas agora promete se lembrar conscientemente das coisas de Deus.

"... se eu não preferir Jerusalém à minha maior alegria" é uma promessa de manter Deus preeminente em sua vida. Aqui temos o segredo para uma vida santa e espiritual. "Preferir" aqui significa ascender, subir, sobressair, seguir após. A palavra "maior" significa o principal ou o melhor. Você vê o que ele está dizendo? O serviço de Deus não será uma tarefa árdua ou chata. Ele terá toda a sua atenção na mente e no coração.

Querido cristão, qual é a sua "maior alegria"? É um trabalho, um hobby, uma esposa ou filho? É algum tipo de ministério? Nossa maior alegria deve ser o próprio Cristo.

IV. O Soberano Reconhecimento. V. 7-9

1. Uma lembrança. v. 7
2. Uma recompensa. v. 8
3. Uma restituição. v. 9

Os teólogos e pregadores liberais têm dificuldade com esses versículos. Hoje em dia, os religiosos querem respostas fáceis e pequenas pepitas de verdade agradáveis ​​e bem embrulhadas para dispensar a seus seguidores. Esses versículos não permitem uma irmandade universal do homem ou uma salvação alternativa.

No versículo sete, os filhos de Edom são considerados. Eles eram os vizinhos dos judeus. O salmista pede a Deus que se lembre de seus gritos de encorajamento aos captores enquanto eles assolavam a cidade. Os judeus não esperavam ajuda dos edomitas, mas provavelmente ficaram um pouco chocados quando se transformaram em uma seção de aplausos da Babilônia. "Arrasai-a, arrasai-a", eles disseram. Isso significa "desnudar-se, destruir completamente.

Os filhos de Edom eram descendentes de Esaú. Eles tinham uma herança comum, mas os edomitas negaram a Deus e ao povo de Deus. Esses edomitas hoje correspondem aos liberais e modernistas. Temos ancestrais comuns, mas o liberal religioso recusa o Deus da Bíblia. Eles tentam destruir as verdades e os princípios nos quais o cristianismo histórico foi construído.

No versículo oito, vemos o princípio do Antigo Testamento de "Faça aos outros o que eles fizeram a você". O princípio "olho por olho". Hoje, essa não deve ser a nossa atitude em nossos relacionamentos pessoais, mas Deus se vingará daqueles que prejudicam Seus filhos.

A "filha da Babilônia" correspondem ao sistema mundial de hoje. Os babilônios não tinham nada em comum com os judeus na adoração. Eles eram idólatras que adoravam uma variedade de deuses falsos, incluindo seu líder. Nosso sistema mundial hoje é comparável. Hoje não há padrões para a maioria das pessoas. Não há "certo" e "errado". Observe que o salmista diz: "... quem deve ser destruído ..." Precisamos ter em mente que este mundo "passa".

O versículo nove é um dos versos mais perturbadores da Bíblia. Na verdade, é um anseio por uma profecia cumprida. Isaías 13:16 diz sobre Babilônia: "Seus filhos também serão despedaçados diante de seus olhos; suas casas serão destruídas e suas esposas arrebatadas". Os babilônios haviam feito isso com as crianças judias e a visão delas horrorizou os judeus naturalmente. Os medos cumpriram esta profecia e fizeram exatamente o que este versículo diz aos babilônios.

Há uma justiça divina, uma retribuição divina com Deus. Neste dia de compromisso e "irmandade", essa mensagem não é bem-vinda com a maioria dos religiosos. Não estamos em casa neste mundo, percebemos ou não! Não é verdadeiramente nenhum amigo da graça.

Conclusão: Vivemos em um mundo frio e cruel. É natural que desejemos coexistir, "nos dar bem". Mas, como cristãos, somos advertidos a nunca ter prazer nas coisas deste mundo.

Um grande hino cristão diz: "Eu tenho uma canção que Jesus me deu, que foi enviada do céu; nunca houve uma melodia mais doce, é uma melodia de amor".

E outro hino igualmente grande diz: "Este mundo não é meu lar, sou apenas um peregrino; meus tesouros estão guardados em algum lugar além do azul. O anjo me chama, pela porta aberta do céu; e eu não posso me sentir em casa neste mundo mais.

Tome cuidado para não perder sua canção!

Gostou Desse Esboço? Olha a Novidade Que Tenho Para Você!

Eu preparei um E-book Com 365 Esboços de Sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! CLIQUE AQUI para adquirir seu livro.

Quando o Coração Perdeu Sua Canção Quando o Coração Perdeu Sua Canção Reviewed by Aldenir Araújo on outubro 26, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Tecnologia do Blogger.