A Imagem de Deus, A Dignidade do Homem

A Imagem de Deus, A Dignidade do Homem
Texto: Gênesis 1:26-31

Introdução: Li uma reportagem na semana passada em que uma mulher visitava a Disney e, enquanto estava lá, entrou em trabalho de parto. Ela entrou em um banheiro, teve o bebê e deixou a menina no banheiro. Alguém encontrou o bebê e sua vida foi salva. A parte realmente triste disso é que estamos ouvindo relatos como esse constantemente. Um par de semanas atrás, um bebê foi deixado em uma porta.

Nós relegamos as pessoas a algum canto de nossas mentes e descartamos sua própria existência. É incrível como nossa sociedade barateou nossa humanidade. Um esforço terrível tem sido nos tornar menos do que somos. Os burocratas tentam repetidamente transformar-nos em nada mais do que estatísticas. Para os anunciantes, podemos ser apenas consumidores direcionados. O exército considera nossa humanidade nas figuras terríveis de 'contagens de corpos' e 'perdas aceitáveis'. A medicina pode nos ver como coleções de células, com o DNA a ser manipulado, definimos nossos parentes e amigos pelo que fazem em seus empregos - como engenheiros, donas de casa, vendedores, advogados - e quando não trabalham mais, nós os relegamos à status de 'inúteis'.

A coisa surpreendente sobre a maioria dos programas de televisão hoje é que a singularidade é retratada como o caminho a percorrer. A maioria das estrelas é solteira ou divorciada e não quer a bagagem que vem com um relacionamento. Se a estrela opta por um relacionamento, a relação é geralmente muito curta. Acredite ou não, isso é indicativo da maneira como nossa sociedade está indo. Esta é uma sociedade que quer aproveitar as emoções momentâneas de uma noite ou de um relacionamento em que não há compromisso (se realmente existe), onde os resultados podem ser jogados no vaso sanitário. O único compromisso que as pessoas fazem hoje é com elas mesmas. Afinal, a sobrevivência do mais apto é como chegamos. Nós testemunhamos parceiros de casamento em seus cinquenta e sessenta anos se divorciando depois de trinta ou quarenta anos sendo casados ​​com a mesma pessoa. Nós certamente somos livres para tomar essas decisões, mas será Deus quem toma a decisão final.

É incrível como estamos gradualmente nos movendo em direção a sermos desconectados de Deus e uns dos outros. Incidentes como esses indicam que perdemos nossa dignidade. Estamos perdendo nossa dignidade porque perdemos nossa identidade com Deus. Nossa dignidade nunca será recuperada até entendermos que Deus nos criou à sua própria imagem.

Não cabe a nós avaliar o valor da vida de alguém. Nosso valor e dignidade são intrínsecos como uma pessoa que foi criada à imagem de Deus. Nossa dignidade e valor estão diretamente relacionados à nossa origem. Somos os produtos do desígnio e propósito divinos, e até entendermos isso, nunca nos atribuiremos o valor que Deus nos deu a cada um de nós. Da maneira mais singular somos filhos de Deus desde a criação. Portanto, nossa avaliação de si e dos outros é diretamente proporcional à nossa estimativa de Deus. Se deixarmos ao homem, que Deus nos ajude a todos? Nossa dignidade e valor não são determinados por nossa avaliação de nós mesmos ou pela apreciação de alguém por nós.

Estamos perdendo nossa dignidade porque perdemos nossa identidade com Deus. Nossa dignidade nunca será recuperada até entendermos que Deus nos criou à sua própria imagem.

A Estima de Deus Por Nós

Gênesis 1:26-30 desafia as noções diminuídas que temos sobre o valor humano. Você é criado à imagem de Deus. Isso nos diz que nossa própria existência é de grande valor, independentemente de qualquer coisa que façamos. Cada um de nós é criado à imagem de Deus, que é um alto chamado. Esta é uma afirmação incrível que Deus coloca em cada um de nós. Este é o nosso direito inato, não algo que devemos trabalhar para adquirir ou algo que se adquire quando se torna um cristão.

Vivemos em uma sociedade que precisa desesperadamente entender que cada pessoa é singularmente valorizada e abençoada por Deus. Este é o nosso direito de primogenitura porque somos feitos à imagem de Deus. Como seria maravilhoso se cada criança começasse a saber o quão incrivelmente preciosas elas são. Não haveria nada a provar, não há necessidade de ganhar amor. Seria um direito de nascença, porque somos filhos de Deus.

O ensino a seguir é diretamente da Bíblia. Não é um esforço para deificar o homem, como algumas religiões se esforçam para fazer, mas é um esforço para nos ensinar a estima de Deus por cada um de nós. Até nos estimarmos como Deus nos estima, os relacionamentos continuarão a falhar, e os dilemas éticos e morais que enfrentamos em relação ao respeito da dignidade humana só continuarão a aumentar.

O salmista pergunta. "O que é o homem ...?". Esta é uma questão que devemos nos perguntar porque é na resposta que encontramos nossa dignidade.

Salmo 8:1-9 1 Ó Senhor, Senhor nosso, quão admirável é o teu nome em toda a terra, tu que puseste a tua glória dos céus! 2 Da boca das crianças e dos que mamam tu suscitaste força, por causa dos teus adversários para fazeres calar o inimigo e vingador. 3 Quando contemplo os teus céus, obra dos teus dedos, a lua e as estrelas que estabeleceste, 4 que é o homem, para que te lembres dele? e o filho do homem, para que o visites? 5 Contudo, pouco abaixo de Deus o fizeste; de glória e de honra o coroaste. 6 Deste-lhe domínio sobre as obras das tuas mãos; tudo puseste debaixo de seus pés: 7 todas as ovelhas e bois, assim como os animais do campo, 8 as aves do céu, e os peixes do mar, tudo o que passa pelas veredas dos mares. 9 Ó Senhor, Senhor nosso, quão admirável é o teu nome em toda a terra”!

O salmista percebeu a honra que Deus nos concedeu. Deus nos coroou com glória e honra e nos deu domínio sobre a terra.

As pessoas religiosas vieram a Jesus discordando dele dizendo: "Não é por nenhuma obra boa que vamos apedrejar-te, mas por blasfêmia; e porque, sendo tu homem, te fazes Deus". (João 10:33) Então Jesus deu a eles a estima de Deus pelo homem. "34 Tornou-lhes Jesus: Não está escrito na vossa lei: Eu disse: Vós sois deuses? 35 Se a lei chamou deuses àqueles a quem a palavra de Deus foi dirigida (e a Escritura não pode ser anulada), 36 àquele a quem o Pai santificou, e enviou ao mundo, dizeis vós: Blasfemas; porque eu disse: Sou Filho de Deus?” (João 10:34-36)

O salmista se refere à assembleia dos santos no Antigo Testamento como "deuses".

"Deus está na assembleia divina; julga no meio dos deuses" (Salmo 82:1). Então o salmista diz novamente "6 Eu disse: Vós sois deuses, e filhos do Altíssimo, todos vós. 7 Todavia, como homens, haveis de morrer e, como qualquer dos príncipes, haveis de cair" (Salmo 82:6-7)

Se somos filhos de Deus, suponho que sejamos deuses! Eu tenho medo de dizer isso porque eu não entendo muito bem, e também porque somos arrogantes o suficiente. Mas isso é o que a Bíblia claramente ensina. Eu sei que Deus disse isso e é verdade, e eu sei que a reflexão apropriada não diminui o poder, autoridade ou a glória de Deus.

Nós Somos a Contraparte de Deus.

Quando falamos de ser feitos à imagem de Deus, não é nossa aparência ou nossa constituição física que é como Deus. É mais como ser a contraparte de Deus. Quando Deus pegou uma costela do lado de Adão e fez uma mulher, Adão proclamou: "Ela é osso do meu osso e carne da minha carne" era indicativo do fato de que Eva era sua contraparte. As experiências pelas quais Deus havia conduzido Adão antes da criação de Eva ensinaram a Adão, a partir de sua própria experiência, que ele não estava completo sem Eva. Adão havia dado nome aos animais e, sem dúvida, viu que eles tinham companheiros. Eva foi criada para completá-lo.

A menina relatou em casa o que havia aprendido na escola dominical sobre a criação de Adão e Eva: "O professor nos contou como Deus fez o primeiro homem e a primeira mulher. Ele fez o homem primeiro. Mas o homem estava muito solitário sem ninguém para conversar com ele. Então Deus colocou o homem para dormir. E enquanto o homem estava dormindo, Deus tirou o cérebro e fez uma mulher dele"

Eva era uma contraparte essencial. Assim é com Deus. Deus escolheu não administrar este mundo sem nos dar domínio. Deus escolheu salvar outros através da nossa pregação do evangelho. Nós vemos os humanos como a contraparte de Deus em que Deus deu à humanidade domínio total sobre a terra. Deus criou os humanos com liberdade de escolha para tomar as decisões necessárias para ter esse domínio. Mesmo no mandamento de ser frutífero e multiplicar-se na terra, Deus estava dando ao homem parte de seus poderes criativos.

Somos feitos à imagem de Deus. A comunhão pessoal com Deus é o que é feito à imagem de Deus. Esta é uma relação que Deus se coloca em relação aos seres humanos. É um relacionamento em que nos tornamos a contraparte de Deus, seu representante e sua glória na terra. Temos papéis importantes e distintos para preencher nosso mundo. . . agir como se Deus estivesse em nosso lugar. É nosso dever como amigos, filhos, pais, avós, voluntários, motoristas de ônibus, professores, policiais, comerciantes, ecologistas, agricultores, enfermeiros, planejadores financeiros, psicólogos, advogados ou médicos, descobrir como Deus agiria em nosso lugar.

O que Deus valorizaria em nosso mundo? Como Deus valorizaria os outros? Como Deus trataria os companheiros de trabalho? Como Deus lidaria com conflito ou mágoa ou raiva? Como Deus resolveria a injustiça? A história da criação nos diz que Deus não criou o mundo de uma vez por todas, está sendo criado agora mesmo em você e eu e nossos filhos e netos ainda a nascer, todos têm um papel a desempenhar nele. Somos co-criadores de Deus, e isso é tanto um presente incrível quanto uma responsabilidade incrível.

Quando Deus deu aos humanos domínio sobre o mundo, ele nos deu o poder e a liberdade para moldar nosso mundo. Nós fomos encarregados de cuidar da criação. Temos sido encarregados da oportunidade e responsabilidade de agir como se Deus atuasse na criação. . . usar nossos dons, nossa energia, nossa sabedoria, nossa força e nossa criatividade. . . para beneficiar a criação.

Eu estava com medo de citar João 10:34 onde Jesus disse: "Vós sois deuses" porque já agimos como deuses por nossa própria conta, explorando, manipulando o mundo físico de Deus e outros para nossos próprios fins, sem qualquer consideração pelos resultados. Uma mulher descarrega um bebê no vaso sanitário, médicos que querem emitir Certificados de Vida depois de determinarem o valor de um ser humano. Tudo isso é indicativo do fato de que nos tornamos Deus no verdadeiro sentido da concepção, e nos dissociamos de Deus, nosso criador. As decisões que estão sendo tomadas não são para o benefício ou bem-estar do bebê deixado no banheiro, mas a decisão é baseada nas necessidades daqueles que tomaram parte na concepção e, especialmente, na que a colocou lá. A decisão não é para o bebê quando um Certificado de Vida seria ou não emitido, a decisão é, em última análise, para aqueles que teriam que prestar assistência se vivessem uma vida anormal. Não estamos tomando essas decisões para melhorar a humanidade, mas sim para proteger nossos próprios interesses.

Não pense nem por um momento que Deus não vai julgar esta nação por sua desumanidade àqueles feitos à sua imagem.

Restaurando Nossa Dignidade

A coisa surpreendente sobre o pecado é que ele nos leva a nos esconder da presença de Deus. Em essência, o pecado nos afasta da presença de Deus. O pecado nos faz perder a visão de Deus, e quando perdemos a visão de Deus, não podemos ver a imagem de Deus e não podemos entender como devemos reagir em nosso mundo. Não apenas o pecado nos afasta da presença de Deus, mas também nos separa uns dos outros. No momento em que o pecado entrou no mundo, tornou-se um grande separador. Separou Adão e Eva da Árvore da Vida, separou-os um do outro, eles se envergonharam e costuraram folhas de figueira para cobrir sua vergonha e os separaram de Deus. O pecado amaldiçoou o solo, amaldiçoou suas vidas introduzindo trabalho duro e morte. O pecado roubou sua dignidade.

Inicialmente Moisés estava escrevendo Gênesis para aqueles que vagavam pelo deserto e haviam acabado de passar 430 anos em escravidão. Eles perderam a dignidade no Egito. Eles foram comandados pelo faraó para matar os meninos e certamente isso deve ter depreciado suas vidas em sua própria avaliação. Como escravos, seus senhores no Egito não se sentariam à mesa para comer com eles. Eles foram tratados de forma desumana. Eles tinham visto os deuses impessoais do Egito que exigiam sacrifícios humanos. Moisés ao escrever se esforça para retratar Deus como um Deus pessoal que deseja um relacionamento com esses "párias". Para um povo que havia perdido sua dignidade no Egito, era necessário restaurar sua dignidade através de uma compreensão correta do Deus que os guiava numa nuvem durante o dia e uma coluna de fogo à noite.

Moisés enfatiza no livro de Gênesis que Deus está "com" o homem por causa de uma escolha pessoal que Deus havia feito. Era essencial para esses fugitivos ver que Deus é o criador e sustentador do universo, embora Ele não seja limitado de forma alguma por ele. No entanto, Ele está sempre presente na vida de cada pessoa e perto de tudo e de todos que Ele fez. Moisés enfatiza que Deus está com eles.

Os israelitas precisavam ver Deus como um Deus vivo. Eles precisavam vê-lo como vivo e pessoalmente ativo em suas vidas, ou então seria inútil orar para que ele fizesse alguma coisa por eles ou louvá-lo e agradecê-lo por ter feito algo por eles. Eles precisam se ver como sua contraparte.
Moisés disse: "7 Pois que grande nação há que tenha deuses tão chegados a si como o é a nós o Senhor nosso Deus todas as vezes que o invocamos? 8 E que grande nação há que tenha estatutos e preceitos tão justos como toda esta lei que hoje ponho perante vós?" (Deuteronômio 4:7-8)

Deus não está apenas presente, mas está preocupado com nossas necessidades. Gênesis 1-2 enfatiza que na criação Deus providenciou as necessidades de todas as suas criaturas. Fez água para o peixe, ar para os pássaros, terra seca para animais terrestres e para o homem, vegetação para comida e mulher para o homem. Quando eu penso em toda o alimento delicioso que comemos e como nós gostamos dele (às vezes muito), eu percebo que esses alimentos foram criados para o paladar do homem antes do homem ser criado. Isso é indicativo da preocupação e cuidado pessoal de Deus por nós. Ele não estava preocupado que nós tivéssemos pão e água mas que nós teríamos um relacionamento com este alimento vendo, sentindo, cheirando saboreando e desfrutando. Através da natureza básica da criação, Deus revela sua natureza básica. Ele é o Deus que desfruta de um relacionamento com todas as suas criaturas e isso se manifesta provendo o mundo e tudo o que ele contém antes que o homem seja criado. É como prover a um príncipe ou princesa um palácio antes de ele nascer.

Deus Está Procurando Por Nós

Deus não está longe, distante, indescritível e oculto. Antes, o que a história da Escritura revela é que Deus é Aquele que está sempre procurando por nós. Isso é verdade desde o princípio. No Jardim do Éden, não é Adão quem está procurando por Deus. Na verdade, Adão está se escondendo. "Eu estava com medo", diz Adão, "então eu me escondi". (Gênesis 3:10)

Quando falamos de sermos à imagem de Deus, podemos querer perguntar: "Exatamente qual é a imagem de Deus? Como Deus se parece?" O escritor hebreu diz: "O Filho é o esplendor da glória de Deus e a representação exata (imagem exata de sua pessoa) de seu ser, sustentando todas as coisas por sua poderosa palavra. Depois de ter provido a purificação dos pecados, sentou-se em a mão direita da Majestade no céu". (Hebreus 1:3) Jesus disse a Filipe "... Quem me viu a mim, viu o Pai". (João 14:9)

Na Bíblia, vemos o poder de Deus derramado em favor da humanidade. Deus realmente se colocou na posição de servo dos seres humanos. Jesus é a representação exata de Deus servindo a humanidade perdida. (Hebreus 1:3; Mateus 20:28). Era Deus no cenáculo, de joelhos, lavando os pés do discípulo. Era Deus servindo a salvação para os pecadores e oprimidos. Deus veio como pastor, dando a vida pelas ovelhas.
O Senhor assumiu nossa carne, veio não somente para nos alimentar, mas também para compartilhar nossa fome e sede. Sua vida encarnada também dependia de pão, o pão de cada dia.

Este Senhor ressurreto entrou em uma sala fechada e trancada para ser conhecido pelos discípulos no partir do pão; foi Ele quem parou no poço para beber alguma coisa - compartilhou água e uma boa notícia com uma mulher samaritana, adúltera e inimiga dos judeus. Ele, nosso pão do Céu, convidou-se para a casa de um coletor de impostos para jantar, depois jantou com fariseus. Aquele que alimentou os 5.000 que transformou a água em vinho no casamento, foi quem gritou da cruz: "Tenho sede", e levaram vinagre para ele beber nas mãos de um soldado romano. Este Jesus que partiu o pão para a Última Ceia com aqueles que o trairiam e abandonariam, Ele é aquele que prepararia o café da manhã para esses mesmos homens nas margens do lago uma semana depois. Agora imagine, um Jesus ressuscitado ainda com fome, assando peixe sobre brasas para os discípulos que retornaram à Galileia após a ressurreição.

Este Senhor dos Senhores foi quem nos lembrou de quem somos e veio a essa terra para nos tornar sua nova criação em Jesus Cristo. Este Senhor dos Senhores foi quem nos lembrou que quando vemos o menor desses famintos e lhes damos algo para comer, nós O alimentamos. Quando olhamos no rosto de um mendigo, Cristo quer que vejamos a Deus. (Mateus 25:41-46). Quando olhamos para o rosto de uma criança indesejada, Cristo quer que vejamos a Deus. Quando olhamos para o rosto de alguém que foi relegado a uma existência não humana no fundo de nossas mentes, Cristo quer que vejamos a Deus. E dar a essa pessoa o lugar apropriado está dando a Deus seu lugar apropriado neste mundo.

Cristo veio para nos elevar ao nosso lugar de direito. "6 e nos ressuscitou juntamente com ele, e com ele nos fez sentar nas regiões celestes em Cristo Jesus, 7 para mostrar nos séculos vindouros a suprema riqueza da sua graça, pela sua bondade para conosco em Cristo Jesus. 8 Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. 9 não vem das obras, para que ninguém se glorie. 10 Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus antes preparou para que andássemos nelas". (Efésios 2:6-10)

Cristo veio para nos criar de novo. "17 Pelo que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo. 18 Mas todas as coisas provêm de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Cristo, e nos confiou o ministério da reconciliação; 19 pois que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões; e nos encarregou da palavra da reconciliação. 20 De sorte que somos embaixadores por Cristo, como se Deus por nós vos exortasse. Rogamos-vos, pois, por Cristo que vos reconcilieis com Deus. 21 Àquele que não conheceu pecado, Deus o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus”. (2 Coríntios 5:17-21)

Enquanto nos escondermos de Deus, nunca veremos que ele se pregou na cruz pelos nossos pecados. Deus veio a esta terra vivendo e morrendo como homem para fazer uma declaração sobre nossa dignidade. Fazer uma declaração sobre o relacionamento que ele deseja ter com cada um de nós.

Cristo veio para que pudéssemos nascer de novo. (João 3:3-5). Isso nos restaurará ao nosso legítimo lugar ao lado de Cristo. Cristo veio para que pudéssemos nos arrepender de nossos pecados e caminhar na nova vida que ele oferece ao seguirmos seus passos. Os passos daquele que é a imagem expressa ou representação de Deus.

Cristo veio para que pudéssemos ser transformados nessa mesma imagem ao contemplarmos seu reflexo.
"Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor" (2 Coríntios 3:18)

Mas para fazer isso você deve enterrar seu passado, aquela velha pessoa pecadora no túmulo da água do batismo e ressuscitar para a nova vida em Cristo. (Romanos 6:3-4)

Gostou Desse Esboço? Olha a Novidade Que Tenho Para Você!

Eu preparei um E-book Com 365 Esboços de Sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! CLIQUE AQUI para adquirir seu livro.

A Imagem de Deus, A Dignidade do Homem A Imagem de Deus, A Dignidade do Homem Reviewed by Aldenir Araújo on agosto 15, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Tecnologia do Blogger.