A Visão do Carneiro e o Bode

A Visão do Carneiro e o Bode
Texto: Daniel 8:1-27

Tema: Deus dá uma visão do sofrimento de seu povo sob os reinados dos impérios mundiais grego e medo-persa.

O capítulo oito contém uma segunda visão, dada diretamente a Daniel, sobre os tempos dos gentios. É também um terço das visões paralelas relativas às carreiras dos quatro grandes impérios mundiais (a primeira dada no capítulo dois, relativo ao sonho que Nabucodonosor tem da grande imagem; e o segundo dado no capítulo sete, relativo ao sonho que foi dado a Daniel sobre as quatro bestas). A visão de Daniel no capítulo oito dá detalhes expandidos sobre as duas primeiras das quatro bestas descritas no capítulo sete.

Uma importante mudança de foco é indicada na língua original do livro de Daniel. Do 1:1-2:3, a língua era hebraica - a linguagem do povo cativo. Do 2:4 até o final do capítulo sete, no entanto, a língua era aramaica - a linguagem comum usada pelo povo da Caldéia, e a linguagem mundial comum da época. Isso sugere que a mensagem dos capítulos 2-7 se destina a ser ouvida não apenas pelo povo de Israel, mas também por todos os povos do reino dos gentios. Mas agora, com o capítulo oito, a língua original retorna novamente ao hebraico - e permanece assim até o final do livro.
Isso sugere que o foco agora é especificamente em Israel. Deus está aqui deixando seu povo cativo saber qual é o seu futuro.

Outra característica importante do capítulo oito é o tempo profético em vista. Ao longo deste capítulo, os eventos futuros imediatos relativos ao império Medo-Persa e o Grego são o que está em foco. Mas começando com o verso 23, os detalhes claramente apresentam um tipo de ascensão de um governante mundial particular no fim dos tempos. Assim, o oitavo capítulo de Daniel oferece uma visão "telescópica" dos eventos proféticos no futuro - lidando com eventos futuros "futuros" e eventos futuros "longínquos" ao mesmo tempo.

I. A Circunstância da Visão (vv. 1-2).

A visão foi dada durante o terceiro ano do reinado do rei Belsazar (v. 1). Isso significa que essa visão foi dada dois anos depois da visão do capítulo sete (7:1). E isso também significa que os detalhes dessa visão dizem respeito a dois impérios mundiais que não existiam - no momento - mas que alcançaram o domínio. Daniel afirma que ele foi o destinatário desta visão, dando particular ênfase ao fato de que a visão "apareceu-me uma visão, a mim, Daniel, depois daquela que me apareceu no princípio" (v. 1). Isso poderia enfatizar que o conhecimento de Daniel dessa visão era de primeira mão; ou poderia falar da honra que Daniel sentiu por tê-la recebido. Mas também poderia enfatizar a continuidade que essa visão traz à visão que a precedeu.

Embora a visão anterior tenha sido dada por meio de um sonho, não há indicação de que essa segunda visão tenha sido dada dessa forma. Daniel diz que ele estava olhando enquanto a visão estava sendo dada; e que de repente ele se viu em um local completamente diferente na visão. Especificamente, ele estava em Susã (cerca de 400 quilômetros a leste da Babilônia), na cidadela (isto é, a fortaleza). Isso mais tarde se tornaria uma das capitais do império medo-persa (Neemias 1:1; Ester 1:2). Deus estava levando Daniel para o local dos eventos descritos na visão. Ele estava junto ao rio Ulai - um ponto central neste local; e, portanto, foi levado para o centro principal de eventos futuros.

II. O Conteúdo da Visão (vv. 3-14).

Daniel levantou os olhos e viu primeiro um carneiro que tinha dois chifres (vv. 3-4). Mais tarde, somos levados a entender que essa era uma imagem do império medo-persa (v. 20). Tinha dois chifres - um representando Medo e o outro Persa. Ambos os chifres eram altos; mas um cresceu mais do que o outro e subiu por último; uma vez que a Pérsia mais tarde ganhou maior domínio sobre o império. Este "carneiro" empurrou as direções gerais de sua conquista - para o oeste, para o norte e para o sul (note que ele não avançou para o leste). Ninguém poderia resistir à expansão do poderoso império medo persa.

Enquanto Daniel observava este carneiro, outro animal entrou em cena - um bode macho vindo do oeste; a quem nos é dito depois é a Grécia (v. 21). Este era um bode notável – um bode 'unicórnio'; tendo apenas um chifre proeminente. Este chifre, nos é dito, é "o primeiro rei" do império grego (v. 21); isto é, Alexandre, o Grande. O bode é descrito como vindo sobre o carneiro com grande ferocidade e velocidade; e atropelando completamente o carneiro. Os dois grandes chifres do império Medo-Persa foram quebrados por Alexandre. (A ira com a qual a Grécia conquistou o Medo-Persa pode ter sido inspirada pela conquista que o Medo-Persa tinha feito contra a Grécia anos antes).

Alexandre foi cortado repentinamente - tendo morrido repentinamente aos 32 anos de idade no ano 331 aC. Em seu lugar, cresceram quatro chifres (que representam os quatro generais que assumiram seu governo após sua morte: Cassandro a oeste, Lisímaco a leste, Ptolomeu ao sul e Seleuco ao norte - ver v. 8). De um desses quatro veio um pequeno chifre que cresceu extraordinariamente. Sabemos quem é pelo fato de que cresceu “muito para o sul, e para o oriente, e para a terra formosa” (isto é, Palestina a oeste). Isso significa que o chifre é do norte. Refere-se ao oitavo rei da dinastia selêucida; isto é Antíoco Epifânio, que subiu ao trono em 175 a.C. Sua carreira é de terrível destruição do povo judeu. Ele se engrandeceu até o exército do céu e derrubou algumas das estrelas (uma descrição de seu abuso dos líderes judeus - veja o v. 10). Ele até mesmo se exaltou contra o Deus de Israel, e eliminou os sacrifícios diários e profanou o templo (vv. 11-12). O tempo de sua opressão foi limitado, porém, a 2.300 dias (vs. 13-14). Seu reinado de terror começou em 171 aC e terminou em 25 de dezembro de 165 aC, através da revolta dos Macabeus - quando os sacrifícios do templo foram restaurados.

III. A Explicação da Visão (vv. 15-25).

Daniel estava buscando o significado dessas coisas; e foi dada uma explicação autorizada pelo anjo Gabriel (ver Lucas 1). Daniel foi dominado pela visão de Gabriel; mas é fortalecido para lhe ser dada a interpretação. É lhe dito que essas coisas se relacionam com os reinos Medo-Persa e Grego. Mas ele também é informado de que eles dizem respeito a coisas que pertencem ao “fim” designado em um momento determinado (v. 19; ver também v. 26).

Essas coisas são paralelas aos eventos também falados do Anticristo em 2 Tessalonicenses 2 e Apocalipse 12-13. Antíoco Epifânio é um tipo do Anticristo vindouro - cuja crueldade contra os judeus e o desafio orgulhoso a Deus excederá em muito o de Antíoco.

IV. A Afirmação da Visão (v. 26).

Daniel é informado de que essas coisas são "verdadeiras". Elas são confiáveis ​​e podem ser contadas para ocorrer como previsto. E o que é mais, o povo de Israel pode colocar sua confiança no desdobramento do plano de Deus.

Daniel e também é chamado para "selar" a visão. Isso se refere ao fato de que ela tem um cumprimento futuro e deve ser mantida até aquele momento. (Note que, em Apocalipse 22:10, é dito a João: “Não sele as palavras da profecia deste livro, pois o tempo está próximo”)

V. A Resposta à Visão (v. 27).

Daniel responde por estar enfermo "alguns dias". Foi uma visão exaustiva. Ele voltou a servir ao rei; mas guardou estas coisas, e continuou espantado por elas. Ninguém as entendeu.

Que profecia impressionante! Por vivermos historicamente no lado da "realização" dessas promessas, devemos fazer como Deus disse: "Lembrai-vos das coisas passadas desde a antiguidade; que eu sou Deus, e não há outro; eu sou Deus, e não há outro semelhante a mim; que anuncio o fim desde o princípio, e desde a antiguidade as coisas que ainda não sucederam; que digo: O meu conselho subsistirá, e farei toda a minha vontade” (Isaías 46:9-10).

Gostou Desse Esboço? Olha a Novidade Que Tenho Para Você!

Eu preparei um E-book Com 365 Esboços de Sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! CLIQUE AQUI para adquirir seu livro.

A Visão do Carneiro e o Bode A Visão do Carneiro e o Bode Reviewed by Aldenir Araújo on dezembro 19, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Tecnologia do Blogger.