Propiciação: A Ira Apaziguada

Propiciação: A Ira Apaziguada
Texto: 1 João 2:2

Introdução: À medida que continuamos nossa série: quero considerar uma das palavras mais bonitas e encantadoras da língua portuguesa - Propiciação. O dicionário Michaelis define a propiciação como "Sacrifício para aplacar a ira ou a justiça divina”. A palavra propiciar é definida como "ganhar ou recuperar o favor da boa vontade"; apaziguar". Embora a propiciação não seja usada amplamente na conversa diária, é certamente uma palavra que todos os crentes devem estar familiarizados e agradecidos.

A verdadeira palavra propiciação só é encontrada três vezes na Escritura - Romanos 3:25; 1 João 2:2; e 1 João 4:10. A definição bíblica de propiciação fala de "um sacrifício, uma cobertura, pagamento e apaziguamento para o pecado, satisfazer plenamente as exigências justas do Pai - literalmente afastar Sua ira e ser reconciliado com Ele". Certamente você concordará com essa doutrina e esse ato divino da graça deve ser entendido e abraçado por todos os crentes.

Embora a palavra propiciação seja encontrada três vezes na Escritura, o ato de propiciação é encontrado em toda a Bíblia. Em um sentido secular ou não teológico, a propiciação é encontrada na relação entre Jacó e seu irmão Esaú, Gênesis 32. Jacó enganou seu pai, Isaque e, essencialmente, roubou a bênção e a herança de Esaú. Tendo fugido de seu irmão e morando no exílio durante 20 anos, Jacó desejou retornar. Quando ele retornava para casa, Jacó foi informado de que Esaú estava indo para encontrá-lo com 400 homens. Temendo por sua vida, Jacó enviou um enorme presente com centenas de animais na tentativa de apaziguar a ira de seu irmão. O presente que Jacó enviou a Esaú pode ser visto como uma propiciação - um pagamento para apaziguar a ira e produzir a reconciliação.

Em uma aplicação teológica, vemos o princípio da propiciação revelado no Antigo Testamento no Dia da Expiação. O sumo sacerdote tomava o sangue do sacrifício atrás do véu no Tabernáculo, e mais tarde no Templo, colocando-o no propiciatório. Dentro do propiciatório estavam as tábuas de pedra inscritas na Lei de Deus. Quando o Senhor olhava para o propiciatório, tendo o sangue aplicado, via o sangue cobrir a Lei, e seu justo juízo era apaziguado. Sabemos que esta oferta não foi permanente porque o sumo sacerdote tinha que repetir a oferta todos os anos no dia da expiação. No entanto, apontava para a propiciação que Cristo asseguraria eternamente à medida que Ele satisfizesse plenamente a justiça de Deus, apaziguando Sua ira e expiando o pecado.

À medida que continuamos a nossa série, quero examinar as verdades eternas no texto, como consideramos: Propiciação - A Ira Apaziguada.

I. O Dom da Propiciação

- V. 2a “E ele é a propiciação pelos nossos pecados...” João revela o gracioso dom da propiciação para a humanidade. Observe:

A. A Fonte. V. 2a - “E ele é a propiciação pelos nossos pecados...”. João declarou que Jesus Cristo, o Filho do Deus vivo é a propiciação pelos nossos pecados. Considerando o que discutimos na introdução, sabemos que os sacrifícios do Antigo Testamento trouxeram o apaziguamento temporário, mas estes nunca poderiam satisfazer plenamente as justas exigências de Deus pelo pecado. Para que o pecado fosse expiado, e Deus ficasse satisfeito com a oferta, teria que haver um sacrifício perfeito. Em essência, o próprio Deus teria que ser essa oferta. Através do plano eterno de Deus, Cristo veio à Terra sob a forma de um homem para providenciar o sacrifício expiatório pelo pecado. A propiciação pelo pecado não teria sido possível sem o sacrifício sem pecado e perfeito do Filho de Deus. Os homens haviam oferecido inúmeros sacrifícios ao longo dos tempos, todos de acordo com a Lei de Deus, mas estes não conseguiram apaziguar o juízo de Deus. Isso exigiria um sacrifício perfeito. Hebreus 10:1-4 – “Porque a lei, tendo a sombra dos bens futuros, e não a imagem exata das coisas, não pode nunca, pelos mesmos sacrifícios que continuamente se oferecem de ano em ano, aperfeiçoar os que se chegam a Deus. Doutra maneira, não teriam deixado de ser oferecidos? Pois tendo sido uma vez purificados os que prestavam o culto, nunca mais teriam consciência de pecado. Mas nesses sacrifícios cada ano se faz recordação dos pecados, porque é impossível que o sangue de touros e de bodes tire pecados”.

B. O Sacrifício. V. 2a - “E ele é a propiciação pelos nossos pecados...”. Tendo em mente a natureza da propiciação (sacrifício e pagamento para apaziguar o pecado), sabemos que tal sacrifício foi exigido. Este sacrifício teve que ser oferecido em sangue. Para que a expiação fosse feita para o pecado, o sacrifício teve que morrer. Jesus, sendo nossa propiciação, ofereceu-se como o sacrifício expiatório pelo pecado. Não havia outra forma de expiação pelo pecado ou apaziguamento da justiça de Deus por causa do pecado. Se havia alguma esperança para que a humanidade fosse reconciliada com Deus, Cristo teve que morrer por nosso pecado!

- É impossível compreender plenamente o preço que foi pago para nos resgatar do pecado e conciliar-nos com Deus. A morte de Cristo na cruz, propiciando o nosso pecado foi horrível. Não foi uma morte rápida e fácil. Quando ele foi crucificado na cruz, o pecado do mundo foi colocado sobre ele. Ele suportou nosso pecado em Seu corpo enquanto Ele morria na cruz. O perfeito Filho de Deus tornou-se pecado, para que pudéssemos ser perdoados e aceitáveis ​​para Deus. 2 Coríntios 5:21 – “Àquele que não conheceu pecado, Deus o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus”. Como Cristo carregou nossos pecados em Seu corpo, Deus Pai, em completa justiça, julgou nosso pecado no corpo de Seu Filho. A ira e o juízo de Deus foram derramados no Filho pelo pecado. Jesus suportou o juízo que mereceríamos enquanto levava nosso pecado na cruz. 1 Pedro 3:18 – “Porque também Cristo morreu uma só vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; sendo, na verdade, morto na carne, mas vivificado no espírito”.

II. A Graça da Propiciação

- V. 2a “E ele é a propiciação pelos nossos pecados...”. Aqui descobrimos a maravilhosa graça estendida através da propiciação. Observe:

A. A Presença do Pecado. V. 2a - “E ele é a propiciação pelos nossos pecados...”. João declarou uma verdade eterna que devemos compreender. Jesus é a propiciação pelos nossos pecados. Nascemos no pecado devido à queda de Adão. Nós não somos pecadores porque pecamos; nós pecamos porque somos pecadores, seguindo a natureza do nosso nascimento. Não há uma única pessoa nascida nessa vida, a não ser o Senhor Jesus Cristo, que não é pecador e necessita que seu pecado seja expiado. Nossas vidas eram vividas de acordo com a carne, separadas de Deus. Romanos 3:23 – “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus”. Romanos 3:10 – “...como está escrito: Não há justo, nem sequer um”. Isaías 53:6 – “Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas, cada um se desviava pelo seu caminho; mas o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós”.

B. A Penalidade do Pecado. V. 2a - “E ele é a propiciação pelos nossos pecados...”. Ao considerar a verdade de nossos pecados, sabendo que todos nós nascemos no pecado, separados de Deus, também devemos considerar a penalidade pelo pecado. Romanos 6:23 – “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor”. Tiago 1:15 – “então a concupiscência, havendo concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte”. O pecado trouxe uma sentença de morte para toda a humanidade. Por causa do pecado, a morte entrou na raça humana. Além da propiciação de Cristo, apaziguando Deus para o pecado e proporcionando expiação pelo pecado, a morte eterna é o resultado final. Nascemos no pecado e não conseguimos apaziguar as justas exigências de Deus. Se Cristo não estivesse disposto a suportar o nosso pecado e oferecesse-se o sacrifício expiatório pelo pecado, todos seríamos condenados à morte eterna.

C. O Pagamento do Pecado. V. 2a - “E ele é a propiciação pelos nossos pecados...”. Pode parecer que estou sendo repetitivo, mas quero enfatizar o fato de que a propiciação exigiu um sacrifício para apaziguar a justiça de Deus. Ele teve que ser um sacrifício perfeito - um que agradasse ao Pai e expiasse o pecado. O sangue de touros e cabras não conseguiu traze expiação. Cristo entregou Sua vida na cruz do Calvário para pagar o preço pelo pecado. O pecado foi expiado, satisfazendo plenamente as justas exigências de Deus, mas chegou a um preço elevado. Jesus morreu para podermos viver. Ele suportou o nosso pecado e provou a ira de Deus para que pudéssemos escapar do juízo de Deus e da morte que acompanha o pecado. Não podemos descrever completamente a propiciação sem o sacrifício divino que Cristo fez em nosso favor. Quando o sangue dele foi derramado, o Pai ficou eternamente satisfeito. Nunca haverá necessidade de derramar sangue novamente para expiar o pecado. Nossa salvação foi assegurada através da propiciação de Cristo nosso Senhor. Hebreus 10:10, 12, 14 - “É nessa vontade dele que temos sido santificados pela oferta do corpo de Jesus Cristo, feita uma vez para sempre. [12] mas este, havendo oferecido um único sacrifício pelos pecados, assentou-se para sempre à direita de Deus. [14] Pois com uma só oferta tem aperfeiçoado para sempre os que estão sendo santificados”.

III. A Garantia na Propiciação

- V. 2b “E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo”. Aqui encontramos a garantia na propiciação. Observe:

A. O Alcance. V. 2b“...e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo”. João estava falando com outros fiéis naquele momento, mas ele também revelou uma verdade graciosa - essa propiciação não foi fornecida somente para eles. A propiciação de Cristo satisfazia plenamente as exigências justas de Deus em relação ao pecado. Seu sacrifício na cruz trouxe a redenção, completa e gratuita. Enquanto ele se regozijava na propiciação de Cristo, João declarou que a graciosa propiciação de Cristo não estava reservada somente para eles. Ele providenciou expiação pelos pecados do mundo inteiro. Quando Cristo morreu na cruz, propiciando o pecado, Ele proporcionou a oportunidade da salvação para todos os que vieram a Ele pela fé. Ele fez o caminho da salvação para quem quiser.

- Cristo morreu na cruz há milhares de anos, mas o sacrifício propiciatório que Ele fez então, continua a expiar hoje. Seu sacrifício providenciou a nossa salvação e de todos os que vieram a Ele pela fé para a salvação. Seu sacrifício propiciatório não foi reservado para os judeus da igreja primitiva, ou aqueles de um contexto religioso ou econômico específico - Cristo proporcionou a salvação plena e gratuita!

B. A Satisfação. V. 2b - “...e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo”. Nisto também descobrimos o pleno apaziguamento do pecado. Seu sangue foi suficiente para redimir toda a humanidade. Ao oferecer o seu sangue derramado como expiação pelo pecado, o Pai ficou completamente satisfeito. Seu sangue abriu caminho para redenção e reconciliação para todos os que respondem ao chamado à salvação. Cristo consumou a obra da redenção quando morreu na cruz pelo pecado. O Pai ficou satisfeito com o sacrifício de Seu Filho, e aceita todos os que recebem a salvação nele.

- A prática de oferecer sacrifícios de sangue continua até hoje. Muitas culturas continuam sacrificando animais e, em alguns casos horríveis, seres humanos, na tentativa de apaziguar os deuses e ganhar seu favor. Deus ficou satisfeito apenas com o sacrifício de Cristo, Seu Filho. Não existe outra maneira de aceitação para Deus. Se você está separado de Cristo na salvação, seu pecado não se apaziguou aos olhos do Pai. Você continua responsável por seu pecado e permanecerá em juízo por causa do pecado. Isso é muito trágico e desnecessário. Cristo providenciou a nossa salvação, mas devemos chegar a Ele com arrependimento e fé se quisermos recebê-la! João 3:16-18 - “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é julgado; mas quem não crê, já está julgado; porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus”.

Conclusão: Por causa do pecado, todos devemos uma dívida que não podemos pagar. Nós fomos condenados em pecado e a pena por nosso pecado era a morte eterna. Cristo providenciou o pagamento do nosso pecado enquanto Ele se ofereceu como sacrifício propiciatório pelo pecado.

Você já se arrependeu do seu pecado e respondeu à Sua graciosa oferta de salvação pela fé? Não há outro caminho! Sem de Cristo, você continua responsável perante Deus pelo pecado. Venha pela fé e seja salvo hoje!

Gostou desse esboço? Olha a novidade que tenho para você!


Eu preparei um e-book com 365 sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá á  disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! Clique Aqui para adquirir seu livro.

Propiciação: A Ira Apaziguada Propiciação: A Ira Apaziguada Reviewed by Aldenir Araujo on março 17, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Tecnologia do Blogger.