O amor que Deus odeiaTexto: I João 2:15-17
 
Introdução: É um título estranho para um sermão - o amor que Deus odeia. Como Deus pode odiar qualquer tipo de amor? Deus odeia o amor pelo mundo e proíbe o cristão de amar o mundo. Ele diz: "Não ameis o mundo, nem as coisas que há no mundo" Por quê? Deus proíbe o amor pelo mundo por causa do que é o mundo e por causa do que o amor ao mundo faz para os cristãos.
 
O amor ao mundo é mundanismo. Alguma vez ouviu uma pessoa dizer de outra pessoa: "Ele é mundano?" O que essa pessoa quer dizer? O que significa o termo mundano?

Para algumas pessoas, ser mundano é participar de certas atividades questionáveis. No entanto, o mundanismo não é tanto uma questão de atividade, pois é uma questão de atitude. É possível um cristão ficar longe de atividades questionáveis ​​e ainda amar o mundo, porque o mundanismo é uma questão do coração.
 
Esta mensagem lida com mundanismo - amor ao mundo. Será um exame da ordem de Deus para não amar o mundo. Quando os cristãos amam o mundo, é um amor que Deus odeia.

I. A ordem expressa. (I João 2:15a)

Uma vez que Deus proibiu amar o mundo e as coisas do mundo, é essencial que nós compreendamos claramente o que o amor para com o mundo representa. Se é um amor que Deus odeia, é preciso evitá-lo a todo custo. Vamos voltar nossa atenção, em seguida, para a fonte da ordem, o principio da ordem, e o alcance da ordem.

A. A fonte da ordem
Devemos entender que a fonte desta ordem é o próprio Deus.
A Bíblia não é apenas um registro do que os cristãos do primeiro século pensavam acerca dos assuntos. É a autoridade, a Palavra eterna de Deus.

Quando a Bíblia fala, é Deus falando e nós devemos recebê-lo como tal. Hebreus 4:2 nos admoesta a misturar a Palavra de Deus com fé, quando a ouvimos. "Porque também a nós foram pregadas as boas novas, assim como a eles, mas a palavra da pregação nada lhes aproveitou, porquanto não estava misturada com a fé naqueles que a ouviram"

Que a Palavra nada lhes aproveitou significa que ela não produziu o efeito desejado, porque não misturaram com fé. Em outras palavras, eles não creram e agiram sobre ela.
Quando o homem de Deus dá uma exposição das Escrituras, não é apenas um homem falando, mas é Deus falando através do homem.

Portanto, devemos prestar atenção a esta ordem, pois é Deus quem dá a ordem.

B. O principio da ordem
Devemos entender completamente esta ordem, a fim de obedecê-la.
Talvez a melhor maneira de se entender a ordem é definir alguns termos.
Vamos começar com o verbo "amor". Este é o mesmo verbo que é usado em Mateus 22:37, onde nos é dito "amaras ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma e com toda tua mente"

"Amar o Senhor teu Deus" dessa maneira é amá-Lo acima de todos os outros amores. Trata-se de dar-Lhe o primeiro lugar em nossas vidas.

O verbo é usado aqui em I João 2:15 com a partícula de proibindo o amor ao mundo e as coisas do mundo. Amar o mundo é dar-lhe o primeiro lugar em nossas vidas. É a cortejar o favor do mundo, seguir seus costumes, adotar seus ideais, cobiçar seus prêmios, e buscar a sua comunhão.

Por causa do que é o mundo, amar o mundo, nesse sentido, é o equivalente a abandonar a Deus. Tiago 4:4 nos adverte que ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus. "Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus”.

Este versículo constitui uma forte censura à mentalidade mundana ou o pensamento mundano.
Por uma questão de fato, equivale mentalidade mundana com a idolatria. Os mundanos são chamados de "adúlteros e adúlteras" "Ou não sabeis" denota que essas pessoas sabiam muito bem que não deveriam ser amigos do mundo.

"Amizade com o mundo" denota uma atitude que é marcada por amabilidade e afeto pelo mundo. “Amizade" vem de um verbo que significa "amar, ter afeição por" algo ou alguém. A palavra significa também, "beijar" como uma indicação de afeto. A frase "do mundo" marca o "mundo" como o objeto deste afeto.

Claramente os destinatários da repreensão são entretidos com um sentimento de afeto pelo mundo. A mensagem é que ser controlado pelo espírito do mundo é totalmente incompatível com a lealdade a Deus e torna culpado de adultério espiritual.

"Inimizade" denota uma atitude de hostilidade pessoal, o oposto da amizade. A declaração "Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus" declara que a decisão de promover a amizade do mundo, o indivíduo toma sua posição como um inimigo de Deus.
O presente do indicativo do verbo “será" aponta para a condição de continuar, enquanto a voz do meio faz uma posição de auto escolhido.

Como podemos ver, então, os cristãos estão proibidos de amar o mundo e as coisas do mundo.
O que significa o termo "mundo"? "Mundo" é usado de três maneiras diferentes nos escritos do Espírito Santo através do apóstolo João.

Em primeiro lugar, a palavra mundo é usada para se referir ao mundo da natureza, a ordem criada, o universo material (João 1:10; I João 4:17).

Em segundo lugar, a palavra é usada para se referir à raça humana que por causa do pecado está na necessidade de redenção. Este é o mundo que Deus ama (João 3:16).

Em terceiro lugar, a palavra mundo refere-se a uma sociedade pagã descrente considerada como um fim rebelde incorporando as influências e as forças hostis a Deus. É este mundo que os cristãos são proibidos de amar. João falou deste mundo, um sistema espiritual invisível, como estando em oposição ao povo de Deus e ameaçando sua própria existência. É o amor para este mundo que Deus odeia.

C. O alcance da ordem.
A proibição é o mundo e as coisas do mundo.
A frase "as coisas que estão no mundo" refere-se às paixões, ambições, motivações e princípios dominantes do mundo.
As coisas que estão no mundo encontram-se resumidas no versículo dezesseis.

II. A escolha explicada. (I João 2:15b -16)

Os cristãos são confrontados com uma escolha; entre o amor ao mundo e o amor do Pai.
Não podemos amar ambos, porque eles são mutuamente exclusivos. Ao considerarmos a escolha que enfrentamos, vamos considerar a natureza exclusiva do amor e uma exposição de apelo mundano.

A. A natureza exclusiva do amor. (I João 2:15b)
A afirmação "Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele", significa que o amor ao mundo exclui o amor do Pai.
O uso do presente do indicativo deixa claro que o amor pelo mundo e o amor pelo Pai governam os princípios da vida. Como tal, eles são mutuamente exclusivos. Onde um está o outro não pode estar.
Uma vez que Deus e o mundo pertencem a duas esferas diferentes, o amor por um exclui o outro.
É impossível buscar o favor de Deus, seguir os seus mandamentos, e buscar a Sua comunhão enquanto cortejamos o favor do mundo, seguimos seus costumes, e buscamos sua comunhão.

B. A exposição de apelo mundano. (I João 2:16)
"As coisas que estão no mundo" são totalmente diferentes e diretamente antagônicas a tudo o que é "do Pai".
Deus tem um plano ou programa de vida para o seu povo e o mundo tem outro.
Ao dizer que essas coisas não são "do Pai", o escritor quer dizer que elas não se originam em Deus, não mostram nenhuma semelhança de Seu caráter, e são contrárias à vida que Ele quer para o seu povo.

Como já observamos anteriormente, as coisas que estão no mundo encontram-se resumidas no versículo dezesseis.
"A concupiscência da carne" refere-se aos desejos ilícitos que são produzidos pela natureza carnal.

A palavra “carne” descreve a natureza humana corrompida pelo pecado. É a "natureza inferior" ou "a natureza não regenerada" A concupiscência da carne inclui todos os desejos e apetites que estão centrados na natureza física do homem e são exercidas sem levar em conta a vontade de Deus.

"A concupiscência dos olhos" fala do desejo ilícito por aquilo que seduz nossos olhos.
Esta frase é ampla o suficiente para incluir todo o tipo de desejo ilícito que apela para o olho. Abrange o entretenimento ímpio, a procura pelo materialismo, e o desejo de coisas. Os olhos são a porta de entrada para a mente. Portanto, a concupiscência dos olhos pode incluir atividades intelectuais, que são contrárias à Palavra de Deus.

"A soberba da vida" significa algo como o orgulho, ou uma exibição pomposa, a riqueza material e as vantagens mundanas. A frase implica um espírito arrogante de autossuficiência e uma sensação vã de segurança, as quais são baseadas em uma falsa estimativa de estabilidade e no valor das coisas mundanas.

A palavra "soberba" sugere exibição arrogante. Ela decorre de uma garantia vã em seus próprios recursos, ou na estabilidade das coisas terrenas, que emite o desprezo pelas leis divinas.
"Vida" denota a forma de apoiar a vida e pode ser entendido como "modo de vida" ou "bens".

"Soberba da vida" então descreve uma atitude que ignora Deus e Sua vontade para a vida.
O mundo apela para os cristãos através da concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida. Quando entendemos esta verdade e submetemos nossas vidas ao controle de Deus, seremos vitoriosos em nossas vidas cristãs. Lembre-se que essas coisas podem nos levar a um amor pelo mundo, um amor que Deus odeia.

III. O contraste exposto. (I João 2:17 )

Deus ordena aos cristãos "Não ameis o mundo, nem as coisas que há no mundo”.
Os cristãos são confrontados com uma escolha. O mundo atrai os cristãos através de nossa natureza carnal. Essas coisas que nos atraem não são de Deus, no entanto. Deus nos dá o contraste do resultado da escolha do mundo, ou a escolha do Pai. Ele o faz, apontando o sistema mundano que passa e a vontade permanente de Deus.

A. O sistema do mundo passa
O verbo traduzido "passa" está no presente do indicativo apontando o fato de que o mundo já está passando. O sistema do mundo que se opõe a Deus já está fracassando ou morrendo.

Lembre-se que o "mundo" refere-se ao sistema organizado que é marcado pela hostilidade a Deus.
A palavra "concupiscência" pode ser entendida como desejo pelo mundo, como a luxuria que o mundo estimula ou, simplesmente, como a luxúria ou desejo de pertencer ao mundo.

B. A vontade permanente de Deus
Deve-se notar que o mundanismo não afeta apenas a resposta de alguém ao amor de Deus, mas também afeta a resposta de alguém à vontade de Deus.

Um dos benefícios adicionais de ser salvo é o privilégio de conhecer a vontade de Deus. Na verdade, Deus quer que sejamos "cheios do conhecimento da Sua vontade" (Colossenses 1:9).
Deus revela Sua vontade a nós através da Bíblia, a Palavra de Deus.
Aquele que "faz a vontade de Deus permanece para sempre"
A palavra "faz" é um particípio presente ativo e tem o sentido de "aquele que continua a fazer a vontade de Deus" ou "aquele que pratica a vontade de Deus"

A vontade de Deus não é algo que nós consultamos ocasionalmente como uma enciclopédia. É algo que controla nossas vidas.
Devemos praticar a vontade de Deus para nossas vidas.
A pessoa que prática a vontade de Deus "permanece para sempre"
O verbo "permanece" está no presente do indicativo e significa alguém que vai permanecer.
O termo "para sempre" significa o tempo e a eternidade.
 
Conclusão: Há um amor que Deus odeia. É o amor ao mundo ou ao mundanismo por parte dos cristãos.
 
Ele nos ordena "Não ameis o mundo, nem as coisas que há no mundo" É realmente uma ordem para deixar de amar o mundo ou não ter o hábito de fazê-lo. O amor ao mundo exclui o amor do Pai. Portanto, Deus odeia. Somos tolos quando amamos o mundo, porque ele está agora mesmo passando.
 
Devemos praticar a vontade de Deus, amando o Pai, e guardando os Seus mandamentos. Aqueles que assim fazem, permanecerá para sempre. Vamos tomar cuidado com o amor que Deus odeia. Devemos amar a Deus, não o mundo.

Gostou Desse Esboço? Olha a Novidade Que Tenho Para Você!

Eu preparei um E-book Com 365 Esboços de Sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! CLIQUE AQUI para adquirir seu livro.

Postar Comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postagem Anterior Próxima Postagem