Ads (728x90)

Serie: Caminhos para o avivamento – Mensagem # 6
Verdadeira adoração
Texto: II Crônicas 29:10-36
 
Introdução: A fase final da reforma de Ezequias, que resultou em um grande avivamento de Judá foi a restauração da verdadeira adoração. Há muitas pessoas hoje que deixa de apreciar o poder da verdadeira adoração. Ao invés de ver um culto de adoração como uma oportunidade real para entrar na presença de Deus, eles muitas vezes sentem que ir à igreja é algo que tem que fazer... portanto, não há alegria!
 
A verdadeira adoração é uma experiência transformadora, e é certamente um sinal de uma Igreja ou crente avivado.  A tragédia real é que qualquer Igreja pode estar no avivamento o tempo todo, a oportunidade para a verdadeira adoração em qualquer culto está lá, só precisamos entrar em adoração da maneira correta. 

A Bíblia nos ensina que há uma enorme alegria em adorar a Deus da maneira correta, com o coração. O caminho para uma Igreja ou crente avivado pode ser encontrado na adoração verdadeira.

I. Preparação na adoração. 29:10-19

A. Pacto. 29:10-11
1. Ezequias entendeu que Judá tinha perdido a sua paixão pela adoração, o templo tinha sido fechado por seu pai Acaz e as pessoas não adoravam já a algum tempo.
a. Simplesmente levar as pessoas a Igreja não iria funcionar, os líderes precisavam se preparar adequadamente e dar o exemplo.
b. Adoração começa com um compromisso com Deus!
c. Era importante que a liderança demonstrasse a paixão pela adoração em primeiro lugar.
2. Nenhuma igreja pode esperar que seus membros tenham uma paixão para a adoração se os seus líderes não tem!
3. Adoração não é apenas uma rotina que atravessamos, é um pacto com Deus para torná-lo importante em nossas vidas, e dar prioridade a ele.
a. Nós não adoramos para impressionar outras pessoas, nós adoramos a Deus para ter impacto em nossas vidas!
b. Muitas vezes julgamos uma experiência de adoração por aquilo que os outros fazem, devemos julgá-lo pelo que fazemos!
4. A verdadeira adoração começa com um compromisso (pacto) para adorar a Deus!
B. Desordem. 29:12-19
1. Uma vez que o compromisso é compreendido e aceito; o primeiro trabalho é remover toda a desordem que pode dificultar a nossa adoração!
a. Observe que quando Ezequias tem a liderança; ele faz uma aliança para retornar Judá a verdadeira adoração a primeira tarefa era limpar a bagunça que desviava a atenção da capacidade de adorar corretamente!
b. Grande parte da negligência teve como resultado a desordem e a corrupção.
2. A negligência do Templo tinha deixado um legado de detritos e a aparência de um passado glorioso era o seu único testemunho.
3. Onde há uma Igreja viva o movimento da vida mantém a Igreja em ação. Um templo morto, só tem bagunça! 
Igrejas vivas estão mudando constantemente. - Igrejas mortas não precisam. 
Igrejas vivas têm muitas crianças barulhentas. - igrejas mortas são bastante tranquilas. 
As despesas da igreja viva é sempre superior a sua renda. - Igrejas mortas recebem mais do que nunca sonhou em gastar. 
Igrejas vivas estão melhorando constantemente para o futuro. - Igrejas mortas adoram seu passado. 
Igrejas vivas se movem pela fé. - Igrejas mortas operam totalmente por olhos humanos. 
Igrejas vivas foca nas pessoas. - Igrejas mortas focam em programas. 
Igrejas vivas são cheias de dizimistas. - Igrejas mortas estão cheias de avarentos. 
Igrejas vivas sonham os grandes sonhos de Deus. - Igrejas mortas revive pesadelos. 
Igrejas vivas não tem "não podemos" em seu dicionário. - Igrejas mortas não têm nada, mas... 
Igrejas vivas evangeliza. - Igrejas mortas fossiliza.
4. Observe que os líderes levaram toda essa desordem e o colocaram no vale de Cedrom, era o deposito de lixo do Oriente Médio!
a. Quando chegamos para adorar a Deus, precisamos deixar a bagunça em um deposito de lixo em algum lugar!
b. Essas distrações nos mantém longe da presença de Deus.
c. Era imperativo remover as distrações de modo que a experiência de adoração fosse tudo o que deveria ser.
5. Estes foram apenas os preparativos para a adoração, mas eles foram importantes.
a. E assim é com a gente, como nos preparamos para um culto de adoração?
b. Quando em um culto o nosso foco está cheio de desordem?
c. Temos que remover a impureza da nossa vida antes de entrar na presença de Deus?
d. Por que estamos aqui? O que esperamos? Onde está o nosso foco?

II. Participação em adoração. 29:20-36

A. Limpeza. 29:20-24
1. O primeiro ato de adoração quando as portas do templo foram abertas novamente, era a necessidade da purificação do pecado!
a. É sempre onde a adoração começa, devemos nos apresentar diante de um Deus santo; limpos!
b. Muitas pessoas veem um culto de adoração como o lugar onde eles vão ter um bom momento ou eles não vão voltar... o problema hoje com a abordagem da maioria das pessoas para adorar é que eles acreditam mesmo na adoração que é a busca da felicidade que é o foco, quando deveria ser a busca da santidade!
2. Muita ênfase na adoração nos dias de hoje é o que NÓS vamos obter dela! 
Quando os homens deixam de adorar a Deus, eles imediatamente começam a adorar o homem, com resultados desastrosos.
3. Grande parte dos problemas que temos em apreciar uma experiência de adoração seria eliminado se o nosso foco fosse colocado corretamente.
4. Não se podia mesmo entrar no "Lugar Santo" até que você tivesse parado no Altar do Sacrifício pelos seus pecados!
a. Limpeza é o passo preliminar para entrar em adoração.
b. Não pode haver experiência de adoração verdadeira sem os nossos pecados purificados primeiro!
c. Inclusive o segundo item antes da porta para o Lugar Santo indicava a necessidade de limpeza, era a pia de bronze... uma grande bacia de água onde os pés dos sacerdotes e as mãos eram lavadas antes de entrar na presença de Deus.
1) Havia primeiro um sacrifício de sangue pelos pecados – Justificação
2) Em seguida, um lava-pés e as mãos para indicar a limpeza de nossa caminhada – Santificação.
d. O pátio externo tinha todo o metal em bronze... o símbolo de julgamento, todos os itens no Lugar Santo no entanto eram de ouro, o símbolo da presença de Deus -, portanto, a celebração!
B. Celebração. 29:25-30
1. Uma vez dentro do Lugar Santo, a atmosfera muda drasticamente, fora estava o cheiro da morte dos sacrifícios de sangue, por dentro o cheiro doce do incenso do altar do incenso e o brilho quente da luz do candeeiro de ouro... junto com o pão sobre a mesa dos pães da proposição, que era a imagem das provisões de Deus para nós.
a. Aqui era CELEBRAÇÃO!
b. O foco não estava na multidão, estava em Deus!
c. Não era para ser uma experiência chata, era uma experiência maravilhosa!
2. Muitas pessoas veem a adoração como um ritual chato, mas não é!
3. É chato quando não entendemos o proposito ou a dinâmica de participação de adoração. Se o nosso foco está errado, a experiência não será o que Deus pretendia que fosse.
4. Adoração não é principalmente o que temos, mas o que nós damos.
a. Todo o culto deve ser visto como uma "oferta" para Deus!
5. A celebração incluiu oferta de canções... expressões da nossa alegria pela salvação de Deus!
a. Observe no texto a grande alegria que todos os adoradores experimentaram; sacerdotes, os levitas, os leigos, os estrangeiros, etc - quando todos eles experimentaram a verdadeira adoração, os resultados foram os mesmos para todos!
b. Enquanto cantavam e ofereciam sacrifícios e colocavam o foco em Deus em vez de uns nos outros ou nos próprios eventos a alegria eclodiu entre todos os povos!
c. Quando Deus se torna o nosso foco, sua presença não é apenas sentida, impacta nossas vidas!
6. Deus é o único foco correto de um culto de adoração!
7. Onde está o seu foco em um culto de adoração?
C. Compromisso. 29:31-36
1. Assim, muitas das pessoas de Judá vieram para adorar pelos motivos certos, os sacerdotes não podiam lidar com as multidões, tantos sacrifícios estavam sendo feitos tanto para os pecados como ofertas de ação de graças que os sacerdotes tinham que recorrer mais a ajuda dos levitas para continuar o compromisso do povo!
a. Certamente este era um sinal de avivamento no campo!
b. Não seria maravilhoso ter muitas pessoas comprometidas, de modo que a equipe Pastoral não pudesse de forma alguma atender todas as pessoas que desejam se envolver?
2. Para demasiadas pessoas hoje há desculpas prontas, por isso que eles devem perder Igreja... mas um povo avivado não pode abandonar a Igreja!
3. Observe que a reação a todos estes passos para adorar a Deus da maneira correta resultou em um povo que estava cheio de alegria!
a. O foco correto e a maneira correta de adoração nos dá algo, nos dá a grande sensação de alegria na presença de Deus!
b. A busca pela santidade também lhes tinha dado uma grande felicidade.
c. A verdadeira adoração faz isso... faz tanto o coração de Deus se alegrar, como os corações de Seu povo!
4. A declaração final neste capítulo é interessante também "E Ezequias regozijou-se, e com ele todo o povo, por causa daquilo que Deus tinha preparado a favor do povo; pois isto se fizera de improviso" 29:36
a. Um povo avivado são alguns dos mais trabalhadores no reino de Deus!
b. Não haveria necessidade em uma Igreja de implorar as pessoas para fazer as coisas se fôssemos verdadeiros adoradores, a alegria só tornaria emocionante fazer para Deus o que precisa ser feito.
5. A verdadeira adoração é um grande caminho para o avivamento, e para manter o poder de um avivamento!
6. Esses mesmos caminhos tomados por Ezequias e Judá estão disponíveis para nós hoje também... você está disposto a andar por eles?
 
Conclusão: A verdadeira adoração não é algo que apenas "acontece", é algo que nos preparamos e, em seguida, participamos! Inclusive no avivamento a adoração foi equilibrada e abrangente. O resultado final da adoração foi uma sensação alegre da presença de Deus na vida do indivíduo e da comunidade do povo de Deus. Senhor, nos envie um avivamento!
 
Pr. Aldenir Araújo 

Postar um comentário

Blogger Disqus