A Biblia
Creio que muitas pessoas têm dúvidas relativas a possíveis diferenças entre a Bíblia Católica e a Bíblia Evangélica.
 
Seriam essas diferenças que levam evangélicos a discordar dos católicos e vice-versa?
Como ex-católico, conheço as duas bíblias e creio que as duas diferenças existentes entre elas são: Número de livros e tradução.

1. NUMERO DE LIVROS.

A bíblia evangélica tem sete livros a menos em relação à bíblia católica. Estes livros são: Tobias, Judite, I Macabeus, II Macabeus, Baruque, Sabedoria e Eclesiástico.
Estes livros foram considerados pelos judeus da palestina como não sendo inspirados pelo Espírito Santo e por isto os evangélicos os rejeitam como parte da bíblia. Colabora ainda o fato destes livros não terem sido citados por nenhum autor do Novo Testamento.

2. TRADUÇÃO

Primeiro, é preciso entender que a bíblia foi originalmente escrita em hebraico e aramaico (antigo testamento) e grego (novo testamento). Posteriormente o AT foi traduzido para o grego.
As bíblias escritas em outros idiomas como inglês, espanhol, francês, alemão, português, etc, são versões do grego original. Desta forma, cada tradutor usou expressões diferentes em seu próprio idioma para representar aquilo que estava escrito em grego.
As diferentes versões da bíblia, normalmente não alteram o sentido original, por isto, tanto a tradução católica como a evangélica tem o mesmo princípio. Evidentemente que alguns termos podem ter sido adaptados a uma comunidade em detrimento de outra.

3. TRADUÇÃO DA BIBLIA PARA O PORTUGUÊS

A bíblia evangélica usada no Brasil foi traduzida para o português por João Ferreira de Almeida, um português católico que se converteu ao protestantismo em 1642 e logo em seguida iniciou o trabalho de tradução. A versão de Almeida foi a primeira em língua portuguesa.
A bíblia católica possui diversas traduções. Não sei precisar se há alguma versão preferida. Soube recentemente que a versão “Nova Tradução em Linguagem de Hoje” (versão evangélica) da Sociedade Bíblica do Brasil foi adotada por uma importante editora católica.
 

CONCLUSÃO: As diferenças entre a bíblia católica e a bíblia evangélica não torna uma verdadeira e outra falsa. Ela é única em sua essência e tem o mesmo propósito que é apresentar a salvação em Jesus Cristo.

Católicos e evangélicos submetem à mesma palavra. O critério de salvação para um evangélico é o mesmo para um católico. Se os evangélicos insistem que é necessário aceitar a Jesus Cristo como seu salvador e obedecer à palavra de Deus, a bíblia católica não desmente isto, pelo contrário, ela confirma isto.
Portanto, a diferença entre evangélicos e católicos não é pelo que está na bíblia e sim pelo que não está na bíblia. Enquanto que os evangélicos têm sua fé fundamentada exclusivamente nas sagradas escrituras, os católicos baseiam-se também na tradição e nos dogmas da igreja, como: a  assunção de Maria, a infalibilidade do papa, o purgatório, o culto aos mortos, entre outros. Estes ensinamentos não são bíblicos e, portanto são alguns dos pilares que distanciam evangélicos de católicos.
Fiquemos com a bíblia, pois a bíblia é a palavra de Deus, inspirada pelo Espírito Santo e fonte de toda a informação que o homem precisa para conhecer a Deus.

http://www.evangelizacao.blog.br


Postar um comentário Blogger Disqus

  1. Valeu o esclarecimento. Meu conhecimento do assunto era bem superficial. Do tipo ouvir falar.

    ResponderExcluir
  2. Graça e Paz!

    Bastante esclarecedor este texto,bom seria que todos pudessem "ler" a BÍBLIA em sua essencia,pedindo orientação ao ESPIRITO SANTO.

    Em Cristo

    Ailton
    www.extremosulgospel.com.br

    ResponderExcluir
  3. @CCMaia
    Que bom Carla que suas dúvidas foram esclarecidas. Leia a Bíblia, porque ela é a palavra de Deus.
    Deus te abençoe! Tenha um ótimo dia.
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. @extremosulgospel@gmail.com
    Querido irmão Ailton, agradeço de coração seu comentário, enriquece.
    Um forte abraço

    ResponderExcluir
  5. Graça e Paz!
    Muito bom o artigo, bem exclarecedor. Há muitos que precisam conhecer esse assunto. Que Deus continue te abençoando. Aproveito para pedir sua autorização para postar esse artigo na integra, em meu blog, e também tirar uma cópia para apresentar aos meus alunos do curso teológico, no IBETEO.
    Cordialmente em Cristo,
    Pr. José Nilton Barbosa
    http://ministdapalavra.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. @Ministerio da Palavra
    Graça e paz amado, tem a liberdade de postar e repassar para todos que precisam ouvir eta palavra.
    Um forte abraço

    ResponderExcluir
  7. Quanto à diferença nas traduções, encontrei uma na Biblia em Espanho da tradução Reina Valera. Na tradução João Ferreira no português lemos:

    -Portanto, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça.(Romanos 12:20)

    Na tradução Reina Valera de 1995 está assim:
    -Así que, si tu enemigo tiene hambre, dale de comer; si tiene sed, dale de beber, pues haciendo esto, harás que le arda la cara de vergüenza.(Romanos 12:20)

    ResponderExcluir
  8. @Genilda Silva
    Parabéns minha querida irmã! Sempre trazendo coisas boas, fantatisca esta tradução. Eu particularmente gosto muito da Reina Valera.
    Um forte abraço

    ResponderExcluir
  9. obrigado por esclarecer minha duvida/eu oro eu reso para que um dia evangelicos e catolicos se encontre e chamem de irmaos pois é o que todos somos

    ResponderExcluir
  10. A
    Bíblia protestante é constituída por 66 livros, 39 dos quais formam o Antigo Testamento e 27 o Novo Testamento. Já a Bíblia católica possui, além desses 66 livros, outros sete livros completos (Tobias, Judite, I Macabeus, II Macabeus, Baruque, Sabedoria e Eclesiástico) e alguns acréscimos ao texto dos livros de Ester (10:4 a 11:1 ou a 16:24) e Daniel (3:24-90; caps. 13 e 14). Esses livros e fragmentos adicionais são chamados de deuterocanônicos , pelos católicos, e de apócrifos, pelos protestantes. Os apócrifos (ou deuterocanônicos) foram produzidos, em sua maioria, durante os dois últimos séculos a.C. Embora não fizessem parte da Bíblia hebraica dos judeus da Palestina, eles foram incorporados à tradução da Bíblia ao latim (Vulgata Latina), que preservou e popularizou esses acréscimos durante a Idade Média.

    Já o Concílio de Trento decretou em sua Quarta Sessão, reunida em 8 de abril de 1546, o reconhecimento dos apócrifos da Vulgata Latina como genuinamente "sagrados e canônicos ". Conseqüentemente, todas as versões católicas da Bíblia preservam até hoje esses escritos. Os protestantes, por sua vez, reconhecem o valor histórico dos apócrifos, mas não os consideram como canônicos ou inspirados. Esta posição deriva do fato de tais escritos não fazerem parte do cânon hebraico do Antigo Testamento, não haverem sido citados por Cristo ou pelos apóstolos no Novo Testamento e apresentarem ensinamentos contrários ao restante das Escrituras.

    Entre esses ensinamentos encontram-se, por exemplo, as falsas teorias da existência do purgatório, criadas no século XV (ver Sabedoria 3:1-9; contrastar com Salmo 6:5; Eclesiastes 9:5, 10); das orações pelos mortos (II Macabeus 12:42-46; contrastar com Isaías 38:18 e 19); de que anjos bons mentem (Tobias 5:10-14; contrastar com Mateus 22:30; João 8:44); de que o fundo dos órgãos de um peixe, postos sobre brasas, espantam os demônios (Tobias 6:5-8; contrastar com Marcos 9:17-29); de que as esmolas expiam o pecado (Tobias 12:8 e 9; Eclesiástico 3:30; contrastar com I Pedro 1:18 e 19; I João 1:7-9).

    Obviamente isso impede que a Comunidade Acadêmica Protestante aceite a inspiração e a canonicidade dos escritos apócrifos (ou deuterocanônicos).

    ResponderExcluir
  11. Acho que os protestantes deveriam ler a Bíblia com mais atenção, e não interpretá-la como melhor lhes convém.
    Decorar trechos da Bíblia e bater na porta dos outros achando-se conhecedores da mesma é fácil. Gostaria de vê-los, por exemplo, falar nossa Igreja e nosso amado Jesus Cristo, ao invés de minha Igreja, meu jesus, como se Jesus Cristo fosse só daquela pessoa e a Igreja assim também o fosse.

    ResponderExcluir
  12. Bom achei seu texto muito bem esclarecedor, mas como Seminarista, eu estudo a Palavra de Deus e poderia lhe indicar alguns erros de informação tais como:
    .........Dizer que os Dogmas Católicos não são fundamentados na Biblia, e isso seria loucura, pois todos os dogmas possuem citações biblicas
    .........Outro é dizer que deve-se apenas fundamentar-se apenas na Biblia (solas scriptura - afirmada por martinho lutero) e isso seria também um erro historico, póis sem a Igreja Católica a Biblia nunca teria existido, pois Cristo fundou uma igreja para que nessa igreja fosse compilada a suas Escrituras, até porque a biblia é uma parte da historia do cristianismo...e a Biblia só é válida se estiver de acordo com a própria Tradição, sabemos disso, pela tradição dos primeiros cristãos é que se pode compilar a biblia, a Igreja nunca iria criar uma Biblia para que a mesma fosse de contra a ela mesma...

    Na verdade o que afasta católicos de evangélicos e uma unica e exclusiva ação: "soberba", é pela soberba que Satanás caiu, e é pela soberba que a igreja se separa, por isso achismo, interpretações propria das sagradas escrituras não podem ser verdadeiras, pois o sentimentalismo posto em cima de uma escritura é desfavorável ao estudo profundo e profetico da mesma...Ler biblia sem fundamento historico e com a mente fechada dificulta seu entendimento e a Ação do Espirito Santo: pois evangelicos levantaram inumeros versiculo(fechados) contra a igreja catolica, assim como catolicos levantaram, inumeros versiculos que os defendram e deixaram evangelicos calados, então essa guerra continuaria, o que se deve entender é: Como a palavra de Deus pode nos unir? ou não afirmar com quem ficar, mas quem seguir, e seguir é a Cristo caminho verdade e Vida, afirmado por ambas as denominações, até porque a Igreja catolica com 2 mil anos de historia fundada pelo proprio Senhor não seria ela falsa..e sim mal interpretada...existem inumeras igreja cristãs que seguem Jesus, mas só uma Igreja de Cristo...isso é Historia e não fundamento de fé e sim Historia comprovada.

    ResponderExcluir
  13. Você de fato foi muito esclarecedora mas, foi infeliz ao finalizar seu texto apontando a direção protestante a ser seguida através da palavra, mas todos sabemos que a igreja de fato possue dogmas e mistérios que se fossem escritos na bblia não haveria páginas suficientes para caber em tal livro, logo, precisamos sim da palavra mas, o que é a palvra sem a igreja e sem aqueles que sucederam os apóstolos e ales os mistérios da igreja e do cristo chegaram até nós?

    ResponderExcluir
  14. Verificamos que nos livros do Novo Testamento há citações dos livros que os judeus nacionalistas da Palestina rejeitaram. Por exemplo: Rom 1,12-32 se refere a Sb 13,1-9; Rom 13,1 a Sb 6,3; Mt 27,43 a Sb 2, 13.18; Tg 1,19 a Eclo 5,11; Mt 11,29s a Eclo 51,23-30; Hb 11,34 a 2 Mac 6,18; 7,42; Ap 8,2 a Tb 12,15. Portanto você foi infeliz ao dizer que os livros excluidos pelos judeus não teriam sido citados por nenhum autor do Novo Testamento. observe pois esta claro... A VERDADE LIBERTA..

    ResponderExcluir
  15. A matéria foi muito interessante, com uma tendência evangélica, porém muito boa. Eu só gostaria de fazer uma pergunta. O conjunto de livros existentes hoje, inclusive no novo testamento, utilizado pelos católicos e evangélicos, foram definidos pela igreja católica em seus concílios. Pode-se dizer então que, aos evangélicos utilizarem a bíblia, originalmente católica, ela está em comum acordo com a tradição da Igreja Católica? pois sem a tradição católica talvez nem existiria o Novo Testamento. Não encarem isto como crítica e sim uma discussão para realmente sanar uma dúvida de meus estudos sobre Lutero.

    ResponderExcluir
  16. http://www.veritatis.com.br/apologetica/123-imagens-santos/594-imagens-catolicas-idolos-pagaos
    seria Legal se os irmãos tanto os católicos como os evangélicos, lessem estes artigo (link a cima), que é o testemunho de um católico que recebeu um casal testemunha de jeová em sua casa.
    é bem esclarecedor sobre as imagens e sobre maria mãe de Jesus.
    Paz e Bem!

    ResponderExcluir
  17. A Bíblia Sagrada foi montada e canonizada pela Igreja Católica no Concílio de Hipona (393 d.C.). Durante pelo menos 10 séculos os monges católicos copiavam manualmente os exemplares das Sagradas Escrituras em pergaminhos. Soemnte com a invencao da gráfica, por volta de 1450 d.C (Bíblia de Guttemberg) é que foi possível reproduzí-la maquinalmente.

    Os protestantes retiraram propositalmete 7 livros das Sagradas Escrituras (tiraram outros, como o apocalipse e as cartas de Sao Tiago, mas depois voltaram atrás, pois estes desmascaravam as falsas doutrinas que buscavam ensinar (intercessao dos santos, por exemplo).

    Qual era a autoridade dos protestantes em retirar livros do cânon sagrado? Se eles se baseiam na tradicao judaica de Jerusalém pra tirar os livros do AT, porque nao rasgaram todo o NT de suas bíblias, já deveras mutiladas, haja visto que esse mesmo concílio de Jamnia renegou todo o NT, pois nao consideravam Jesus Cristo como o Messias? Preferem seguir em parte a Tradicao Judaica à Tradicao apostólica. Mui "cristaos", nao acham?

    A Septuaginta, largamente usada por Jesus e seus discípulos, foi aceita pelos judeus alexandrinos e da Etiópia. Logo é errado afirmar que todos os judeus negaram a inspiracao dos livros retirados.

    Basear-se somente na bíblia (sola scriptura) em si já é u erro. Afinal, durante quase 400 anos a cristandade nao teve a Bíblia assim como a temos hoje. A prova bíblica da falsa doutrina da sola scriptura (onde está escrito na Bíblia que somente a bíblia é a única fonte de revelacao do depósito de fé?) é um assunto que os protestantes claramente evitam e até hoje nao conseguiram provar!

    Católico ignorante, futuro protestante!

    Pax et bonum!

    ResponderExcluir
  18. LUTERO REJEITOU OS LIVROS QUE OS PROTESTANTES TEM COMO CANÔNICOS

    "Lutero além de tirar os 7 livros deuterocanônicos ainda removeu mais 4 livros (Judas, Ester, Apocalipse e Tiago)"

    Agora veremos como Lutero rejeitou os livros que hoje os protestantes aceitam como inspirados bem como os livros deuterocanônicos, mostrando que na realidade, ele quem modificou o cânon bíblico que era aceito na Igreja de Cristo deste o primeiro século, baseando se apenas no que ele achava certo ou não. As citações de Lutero foram retiras do seu livro “Conversas de Mesa” e da American edition of Luther's Works, vol 35, presente neste site protestante “Bible Reseacher”.

    Nas Conversas de Mesa ele nega a inspiração de Ester (Livro que os protestantes aceitam) e também o livro deuterocanônico de II Macabeus;

    “Eu sou tão grande inimigo do segundo livro dos Macabeus, e de Ester, que eu gostaria que eles não tivessem chegado a nós em tudo, pois eles têm perversidades pagãs demais. Os judeus estimam mais o livro de Ester do que qualquer um dos profetas; Pois eles são proibidos de lê-lo antes de terem atingido a idade de trinta anos, em razão da matéria mística que ele contém.” (Conversas de Mesa, 24).

    Lutero neste comentário parece odiar o livro de Ester bem como o de Macabeus, até chegar o ponto de dizer que é “inimigo” deles.

    Em 1522, no prefácio, de sua tradução alemã , às Epístolas de S. Tiago e S. Judas, nega a inspiração de Ambos, e assume que a Epistola de Tiago contradiz a epístola de Paulo aos romanos, e que Judas não deve ser contada entre os livros para confirmaçào da fé:

    “Embora esta epístola de São Tiago fosse rejeitada pelos anciãos, eu elogio-a e considero-a um bom livro, porque estabelece não doutrinas de homens, mas vigorosamente promulga a lei de Deus. No entanto, afirmo a minha própria opinião sobre isso, embora sem prejuízo para ninguém, eu não considero como uma escrita de um apóstolo, e as minhas razões seguem.”

    Em primeiro lugar, é terminantemente contra São Paulo e todo o resto da Escritura em atribuir a justificação às obras. Ela diz que Abraão foi justificado por suas obras, quando ofereceu seu filho Isaac, embora em Romanos, São Paulo ensine o contrário, que Abraão foi justificado sem as obras, por sua fé, antes que ele tivesse oferecido seu filho, e prova isso por Moisés em Gênesis 15. Agora, embora esta epístola pode ser ajudada e uma interpretação concebida para essa justificação pelas obras, não pode ser defendida em sua aplicação às obras da declaração de Moisés em Gênesis 15. Pois, Moisés está falando aqui apenas da fé de Abraão, e não de suas obras, como São Paulo demonstra em Romanos. Esta falha, portanto, prova que esta epístola não é o trabalho de qualquer apóstolo.”

    Aqui ele assume que o livro de Tiago tem falhas e contradiz toda a bíblia ou seja para ele é uma obra puramente humana, tudo quando os protestantes rejeitam!
    continua...

    http://www.apologistascatolicos.com.br/index.php/apologetica/deuterocanonicos/531-lutero-tinha-o-mesmo-canon-biblico-que-seus-seguidores-protestantes

    ResponderExcluir

 
Top