Quando Deus Diz Não: Como Lidar Com as Orações Não Respondidas
Eu era um sonhador intenso quando criança, e uma das minhas fantasias favoritas era ter meu próprio gênio. Eu passava horas simplesmente desejando coisas. Como eu usaria três desejos? Você precisaria ter muito cuidado para não desperdiçá-los.

Eu cresci e percebi que nada acontece sem um trabalho árduo. Mesmo sendo adulto agora, ainda vejo essa tendência em mim e em outros cristãos também, às vezes, de querer um gênio mágico que podemos chamar para nos conceder instantaneamente nossos desejos. Receio, porém, que estejamos tentando enfiar nosso Pai Celestial em uma lâmpada ou uma garrafa.

Chegamos a Deus em oração, muitas vezes como os personagens das histórias que viriam para o Gênio. "Gostaria de A, B e C. Muito obrigado". Usamos versículos sobre a oração tão drasticamente fora de contexto que nos convencemos de que Deus nos deve uma resposta para nossas orações. Se somos bons humanos, Ele fará o que pedimos. Não é esse o acordo?

Na verdade, não, não é esse o caso. Muitos de nós interpretam mal a oração desde o início. Não, é de admirar que nos tornemos amargos e desiludidos quando Deus não responde às nossas orações.

O Que Deve Ser a Oração?

Se você estuda história ou estuda os Filhos de Israel no Antigo Testamento, verá que eles tiveram que lidar com muitas religiões falsas. A terra prometida dos hebreus estava cheia de idolatria e falsas religiões. Os hebreus deveriam ser diferentes. Eles deveriam se destacar em suas práticas físicas, em suas práticas sociais e em suas práticas religiosas.

Uma das principais coisas que eram diferentes entre os hebreus e as falsas religiões que os cercavam era a maneira pela qual eles oravam. As religiões falsas passavam grande parte do tempo tentando convencer seus deuses falsos a fazer isso, ou não. Sacrifícios precisavam ser feitos, às vezes até humanos. Santuários eram erguidos, bosques de árvores eram plantados, estátuas foram construídas. Praticamente todas as incríveis realizações arquitetônicas do mundo antigo foram construídas para apaziguar um deus falso ou outro.

Se você perceber, os Filhos de Israel não têm muitas realizações antigas em construções para serem vistas hoje. A razão é porque Deus não exigiu esse tipo de coisa. Deus não exigiu que a oração fosse para agradá-lo ou convencê-lo. Podemos aprender sobre o que era a oração quando voltamos ao Jardim do Éden.
8 E, ouvindo a voz do Senhor Deus, que passeava no jardim à tardinha, esconderam-se o homem e sua mulher da presença do Senhor Deus, entre as árvores do jardim. 9 Mas chamou o Senhor Deus ao homem, e perguntou-lhe: Onde estás?” (Gênesis 3:8-9)
Aqui vemos que Deus estava realizando suas atividades habituais. Quais eram suas atividades habituais? Visitando Adão no jardim, no frescor do dia (à tardinha). Deus não era uma entidade mística pela qual Adão e Eva deveriam sofrer ou construir estátuas. Deus veio a eles, bem ali no jardim, e as palavras implicam que ele fazia isso todos os dias durante a "tarde".

Desde o início, no Jardim do Éden, o que Deus queria em seu relacionamento com o homem era comunhão. Isso diferencia Deus de todos os outros deuses chamados no mundo antigo. Deus queria comunhão. Existem muitos outros casos em que isso é provado em toda a Bíblia.

Em 2 Crônicas 20:7, vemos o que Deus pensava de um de Seus servos.
“Ó nosso Deus, não lançaste fora os moradores desta terra de diante do teu povo Israel, e não a deste para sempre à descendência de Abraão, teu amigo?” (2 Crônicas 20:7)
A Bíblia diz que Abraão era amigo de Deus. Essa é uma dinâmica muito diferente da que os servos de deuses falsos tinham com seus deuses. Mesmo uma compreensão superficial da adoração a ídolos antigos mostra que essas entidades eram vistas como seres severos, geralmente malévolos, que precisam ser constantemente apaziguados. Deus não estava procurando por isso. Deus queria andar com Adão no jardim e ter comunhão. Deus queria ser amigo de Abraão.

Existem muitos exemplos de Deus desejando essa comunhão com Seus filhos.
“sim, o que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que vós também tenhais comunhão conosco; e a nossa comunhão é com o Pai, e com seu Filho Jesus Cristo” (1 João 1:3)
“Respondeu-lhe o Senhor: Eu mesmo irei contigo, e eu te darei descanso” (Êxodo 33:14)
“Porque assim diz o Alto e o Excelso, que habita na eternidade e cujo nome é santo: Num alto e santo lugar habito, e também com o contrito e humilde de espírito, para vivificar o espírito dos humildes, e para vivificar o coração dos contritos” (Isaías 57:15)
O que esses versículos nos mostram? Eles nos mostram que Deus quer que a oração seja sobre comunhão. Essa é a única coisa que torna nosso Pai Celestial muito diferente dos falsos deuses deste mundo. As falsas religiões do mundo antigo foram construídas sobre seres humanos que se degradavam e, às vezes, se sacrificavam, ou a seus entes queridos. Nosso Deus é diferente porque tudo o que Ele pede é que lhe dêmos espaço em nossos corações e que arranjemos tempo para Ele ter comunhão com Ele em oração.

O que deve ser a oração? A oração deve ser o momento em que paramos nosso mundo tão selvagem e nos movemos para um lugar a sós com Deus e permitimos que nossos corações e mentes tenham comunhão com ele.

Isso significa que a oração não é apenas um momento para lançar nossa lista de desejos e começar a instruir Deus sobre o que Ele precisa fazer por nós.

Porque a Bíblia Diz Pedis e Recebereis?

Embora o principal objetivo de Deus em nosso tempo de oração seja a comunhão conosco, também é um momento de conversar com Deus sobre as coisas que precisamos e até as que desejamos. Deus quer ouvir isso. Deus quer que levemos esses pedidos a ele.

Uma das razões pelas quais a oração é tão incompreendida é porque tomamos certos versículos da Bíblia e os usamos de maneira completamente não intencional. O versículo de oração mais popular para ser mal utilizado é Mateus 21:18-22
18 Ora, de manhã, ao voltar à cidade, teve fome; 19 e, avistando uma figueira à beira do caminho, dela se aproximou, e não achou nela senão folhas somente; e disse-lhe: Nunca mais nasça fruto de ti. E a figueira secou imediatamente. 20 Quando os discípulos viram isso, perguntaram admirados: Como é que imediatamente secou a figueira? 21 Jesus, porém, respondeu-lhes: Em verdade vos digo que, se tiverdes fé e não duvidardes, não só fareis o que foi feito à figueira, mas até, se a este monte disserdes: Ergue-te e lança-te no mar, isso será feito; 22 e tudo o que pedirdes na oração, crendo, recebereis”.
Nesses versículos, os discípulos tinham acabado de ver Jesus fazer algo milagroso. Ele fez a figueira murchar. Jesus assegura a eles que, quando sua fé é viva, você poderá fazer isso e muito mais. Ele continua dizendo a eles que, quando sua fé é viva, você pode pedir qualquer coisa em oração e você a receberá.

Então, aqui é onde as pessoas começam a ficar frustradas com Deus. Elas leem este versículo. Elas reivindicam esse versículo e então começam a perguntar. Quando Deus não fornece algo que é solicitado, elas ficam frustradas. Sua fé de repente fica atrasada. Deus realmente não responde às orações.

Qual é o problema? Se Mateus 21 está na Bíblia, e Deus quer que apresentemos nossos pedidos a Ele, por que Ele não responde a todas as orações?

A chave dos versículos em Mateus 21 é a palavra fé. Fé pode significar tanto a nossa fé em Deus, a nossa crença nele, bem como a nossa prática da fé. Portanto, é uma questão de nossa confiança em Deus, bem como de nossa prática no dia a dia em nossa caminhada com Cristo.

Há um elemento chave aqui para a prática de nossa fé, no entanto. Eu acredito que esse elemento chave, que é importante na compreensão de porquê e quando Deus responde às nossas orações, é encontrado em Romanos 8:26-27.
26 Do mesmo modo também o Espírito nos ajuda na fraqueza; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o Espírito mesmo intercede por nós com gemidos inexprimíveis. 27 E aquele que esquadrinha os corações sabe qual é a intenção do Espírito: que ele, segundo a vontade de Deus, intercede pelos santos”.
Nossas orações sendo respondidas dependem inteiramente daquelas orações sendo alinhadas com a vontade de Deus. No entanto, em nossas formas humanas, com nossas mentes humanas, muitas vezes é difícil saber exatamente o que é isso. É por isso que Romanos 8:26 diz que muitas vezes nem sabemos o que devemos orar como deveríamos. Quando isso acontece, o Espírito Santo faz intercessão por nós, de acordo com a vontade de Deus.

Se oramos por algo, e Deus não o deu a nós, ou respondeu a oração por nós da maneira que esperávamos, então devemos admitir que a coisa não fazia parte da vontade de Deus para nós.

Em Que a Oração Deve se Concentrar

Se permitíssemos que a maior parte de nosso tempo de oração se concentrasse em alinhar nosso espírito mais estreitamente com o Espírito Santo, não perderíamos tanto tempo pedindo coisas que não são a vontade de Deus para nós.

À medida que você se aproxima do Espírito Santo, ao alinhar seu espírito ao espírito de Deus, o que acontece é que a vontade de Deus se torna mais clara para você. O que você está pedindo começará a mudar. Você se encontrará pedindo mais do que está na vontade de Deus. Nesse ponto, Deus pode começar a responder mais de suas orações, porque você e Deus estão agora na mesma sintonia. Isso só acontece com o tempo, e com orações de comunhão, não com orações de desejo por isto ou aquilo.

Quando a Resposta é Não

Também cometemos o erro de pensar que a única maneira de Deus responder às nossas orações é dando-nos uma resposta positiva. Isto também não é verdade. Deus quer que apresentemos todos os pedidos a ele? Sim. Deus quer conhecer os desejos do nosso coração? Sim. Isso significa que Deus vai nos dar tudo o que pedimos? Não. Mesmo quando estamos na vontade de Deus, haverá momentos em que a resposta ainda é não.

Em 2 Coríntios 12:7-9, vemos um exemplo perfeito de Deus dando um de seus servos não como resposta.
7 E, para que me não exaltasse demais pela excelência das revelações, foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás para me esbofetear, a fim de que eu não me exalte demais; 8 acerca do qual três vezes roguei ao Senhor que o afastasse de mim; 9 e ele me disse: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. Por isso, de boa vontade antes me gloriarei nas minhas fraquezas, a fim de que repouse sobre mim o poder de Cristo”.
Aqui o apóstolo Paulo fez um pedido legítimo de oração a Deus. Não sabemos ao certo o que era o espinho na carne de Paulo. Muitas pessoas acreditam que era uma doença física. Então, acredita que era uma pessoa que estava perseguindo ele. De qualquer maneira, este era um problema sério para ele. Era tão sério que ele rogou a Deus três vezes.

É seguro presumir que o apóstolo Paulo estava na vontade de Deus enquanto orava? Sim. Paulo já havia obtido resposta de muitas outras orações milagrosas antes? Sim. E, no entanto, quando ele faz essa oração, esse pedido pessoal, Deus diz que não.

À primeira vista, parece que Deus está sendo cruel. Imagine que fosse você. Você literalmente passou a vida inteira servindo a Deus. Você viajou pelo mundo conhecido para compartilhar o evangelho. Milhares de pessoas foram salvas porque você foi fiel em compartilhar o evangelho com elas. Você foi preso por Cristo. Sua vida foi ameaçada por Cristo em várias ocasiões. Você não faz nada noite e dia, mas se concentra em Deus e em Sua vontade. Como você se sentiria se Deus lhe dissesse não?

A decepção é sempre uma pílula difícil de engolir. No entanto, o apóstolo Paulo não fica amargo ou zangado. Ele não dá as costas a Deus por causa dessa resposta. De fato, não ter sua oração respondida da maneira que ele esperava o leva a verdades espirituais ainda maiores.
2 Coríntios 12:10 “Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco, então é que sou forte”.
Esta passagem nos ensina muitas coisas. Uma das coisas mais importantes que ela nos ensina é que estar na vontade de Deus não significa que você saiba tudo o que Deus sabe. Até o apóstolo Paulo, um dos mais poderosos servos de Deus que já viveu, não sabia tudo o que Deus sabia. Deus sabia que Paulo poderia aprender uma lição melhor sem remover o espinho.

A oração não é nosso acesso a um gênio mágico. Viver na vontade de Deus também não é nosso acesso mágico a conhecer a vontade soberana de Deus. Há coisas sobre nossa vida que Deus nunca pode optar por revelar para nós. Ele pode ter razões para dizer não e que nunca entenderemos até chegarmos ao céu. Nós devemos aceitar isso. Nós devemos nos submeter à soberania de Deus.

Isto é difícil. Isso também é diferente da maneira como muitos de nós vemos a oração. Direi isso de novo. Muitas pessoas pensam que se são boas pessoas e por isso Deus deve responder suas orações. Precisamos remover esse pensamento de nossas mentes. Deus não opera assim. Ele não fez isso para o apóstolo Paulo toda vez que orou, e também não fará isso por nós.

Como Podemos Ser Felizes Então?

Se devemos apenas aceitar o fato de que os desejos do nosso coração nem sempre se tornam realidade, como devemos ser felizes.

Deveríamos ser felizes da mesma maneira que Paulo se sentiu feliz. Quando nos submetemos à vontade soberana de Deus, encontraremos um novo nível de paz. Quando liberamos nosso controle de nossos desejos, os colocamos aos pés de Deus e os deixamos lá, Deus fará uma de duas coisas. Ele nos concederá esses desejos ou nos dará uma nova graça, como fez com Paulo, para lidar com a resposta do não. O que Paulo encontrou depois de ouvir um não ao seu pedido, foi que a nova graça e a nova força eram melhores do que qualquer coisa que ele pudesse imaginar.

Às vezes, ouvir a resposta não é nossa única porta para um novo nível de espiritualidade. Deus em Sua soberania sabe que maiores tesouros espirituais ainda nos aguardam. Ele também é o único que pode saber o que será necessário para nos levar até lá.

A fé que Jesus está falando em Mateus 21 é o tipo de fé que se submete ao plano soberano de Deus, mesmo quando contradiz tudo o que desejamos em nossos corações. Quando Deus vê esse tipo de fé em nós, Ele ainda pode não nos dar todos os pedidos, mas Ele nos dará o poder que descreve em Mateus 21. O mais importante é que ele começará a moldar nossos desejos para se alinharem com Seus desejos. Este é o aspecto mais poderoso da submissão a Deus.

A Reação Comum ao Não

Infelizmente, a maioria das pessoas não reage à resposta não com graça. Muitas pessoas imediatamente interpretam um não como significando que Deus não as ama. Se Deus me amasse, me daria o que eu quero. Poucas pessoas percebem como são infantis quando pensam assim.

Mesmo um pai natural não pode dar a seus filhos tudo o que eles querem. Porquê? Porque os pais têm sabedoria que a criança não tem. Os pais sabem mais sobre as consequências da criança obter essa certa coisa. Os pais podem ver mais adiante na estrada do que a criança. Os pais veem uma criança irritada de manhã se preparando para a escola porque ficou acordada até tarde. Os pais veem os problemas dentários em um ano se a criança não escovar os dentes.

É o mesmo conosco, mas em uma escala maior. Deus pode ver mais adiante na estrada. Na verdade, ele é o único que pode ver o quadro geral. Nós vemos apenas pequenos instantâneos de dias. Deus vê toda a obra-prima que é a nossa eternidade. Deus pode ver como uma pequena decisão estaria errada no esquema maior das coisas. Não conseguimos entender porque parece tão bom para nós agora.

Então, o que a maioria das pessoas faz é ficar com raiva. Eles se tornam amargos. Algumas pessoas até desistem completamente de Deus ou do cristianismo. É o mesmo que uma criança fazendo birra quando não consegue o que quer. Eles não se importam com mais adiante. Eles não se importam com o quadro geral. Eles são ignorantes e míopes. Os cristãos que se zangam com Deus por não responderem a todas as suas orações também são ignorantes e míopes.

Conclusão

Fé, a fé sobre a qual Jesus falou em Mateus 21, é a fé que se submeterá à vontade de Deus, mesmo quando Deus disser que não. É o tipo de fé que acredita e confia que Deus vê uma imagem maior do que a nossa. É o tipo de fé que reivindica Isaías 55:8-9.
8 Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor. 9 Porque, assim como o céu é mais alto do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos”.
Quando realmente acreditamos nisso, quando confiamos plenamente que Deus sabe melhor, ainda podemos ter alegria e fé, mesmo quando Deus não responde às nossas orações. Mesmo quando Deus diz, não.

1 Comentários

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postar um comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postagem Anterior Próxima Postagem

Gostou? Olha a Novidade Que Tenho Para Você!

Eu preparei um E-book Com 365 Esboços de Sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! CLIQUE AQUI para adquirir seu livro.