Uma História da Graça
Texto: 1 Timóteo 1:12-17

Introdução: Se eu lhe pedisse para dar um testemunho de como Deus mudou sua vida, o que você diria a mim? Se você é cristão, tem uma história para contar. As escrituras estão cheias de histórias antes e depois.

Quando o apóstolo Paulo escreve sua primeira carta para seu jovem protegido, Timóteo, ele faz uma pausa para dar seu próprio testemunho.

1 Timóteo 1:12-17 – “Dou graças àquele que me fortaleceu, a Cristo Jesus nosso Senhor, porque me julgou fiel, pondo-me no seu ministério, ainda que outrora eu era blasfemador, perseguidor, e injuriador; mas alcancei misericórdia, porque o fiz por ignorância, na incredulidade; e a graça de nosso Senhor superabundou com a fé e o amor que há em Cristo Jesus. Fiel é esta palavra e digna de toda a aceitação; que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais sou eu o principal; mas por isso alcancei misericórdia, para que em mim, o principal, Cristo Jesus mostrasse toda a sua longanimidade, a fim de que eu servisse de exemplo aos que haviam de crer nele para a vida eterna. Ora, ao Rei dos séculos, imortal, invisível, ao único Deus, seja honra e glória para todo o sempre. Amém”.

Entender a graça de Deus é vê-la em ação. A graça não é apenas um conceito teológico ou uma palavra bíblica. Graça é o que Deus fez e o que Ele continua a fazer em resposta às escolhas pecaminosas dos homens. A graça de Deus muda tudo. Ela mudou você?

I. Antes da Graça. V. 12-13

- Paulo é frequentemente encontrado expressando agradecimento a Deus em suas cartas. Não é difícil entender por que Paulo, antes conhecido como Saulo de Tarso, apreciava a graça de Deus. Ele sabia o que era antes de Cristo e antes que Deus estendesse Sua graça. Ele devia tudo somente a Cristo. Ele não é um produto de boa sorte e trabalho duro.

A. “...eu era blasfemador, perseguidor, e injuriador...”. As escrituras mostram um pouco do passado de Paulo para nós. O testemunho da conversão de Saulo de Tarso, mais tarde conhecido como Paulo, ocorre 6 vezes no Novo Testamento. Quem era ele?

1. Paulo disse a Agripa que ele vivia como um fariseu, a seita mais estrita dos judeus, e “Eu, na verdade, cuidara que devia praticar muitas coisas contra o nome de Jesus, o nazareno; o que, com efeito, fiz em Jerusalém. Pois havendo recebido autoridade dos principais dos sacerdotes, não somente encerrei muitos dos santos em prisões, como também dei o meu voto contra eles quando os matavam. E, castigando-os muitas vezes por todas as sinagogas, obrigava-os a blasfemar; e enfurecido cada vez mais contra eles, perseguia-os até nas cidades estrangeiras”. (Atos 26:9-11)

2. Ele descreve seu antigo eu a Timóteo:
a. Em seu relacionamento com Deus - Ele era um blasfemo - um blasfemo é aquele que difama Deus, que abertamente fala mal dele. Paulo não apenas tinha sido um blasfemo, como ele tinha obrigado outros a blasfemarem. Atos 26:11 “E, castigando-os muitas vezes por todas as sinagogas, obrigava-os a blasfemar; e enfurecido cada vez mais contra eles, perseguia-os até nas cidades estrangeiras”.
b. Em sua relação com os cristãos - Ele era um perseguidor - Ele tentou destruir a igreja colocando cristãos na prisão e facilitando o assassinato deles. Gálatas 1:13 “Pois já ouvistes qual foi outrora o meu procedimento no judaísmo, como sobremaneira perseguia a igreja de Deus e a assolava”.
c. Em seu relacionamento com os outros - Ele era um homem injuriador - (algumas traduções têm “insolente” aqui). Ele era alguém que não estava disposto a mostrar bondade e insultava os outros. Dado o passado violento de Paulo, não é de admirar que Ananias (Atos 9:13) e os discípulos (Atos 9:26) demorassem a aceitá-lo.
d. Atos 8:3 diz que Paulo “porém, assolava a igreja, entrando pelas casas e, arrastando homens e mulheres, os entregava à prisão”.
e. Atos 9:1 diz que Paulo estava “respirando ainda ameaças e mortes contra os discípulos do Senhor”. Paulo consentiu com o apedrejamento de Estêvão. Em nenhum lugar Paulo tenta justificar suas ações. Ele admite plenamente sua culpa e, sem dúvida, sempre se arrependeu de sua vida antes da graça.

B. Qual é a sua história “antes da graça”? Aqueles de nós que cresceram no banco da igreja, por assim dizer, e que conheceram toda a vida sobre Jesus, podem ter um falso conceito de nossa própria bondade, como se nunca tivéssemos corações pecaminosos ou rebeldes. Assim como Paulo foi brutalmente honesto sobre sua pecaminosidade, precisamos ser honestos sobre onde estávamos antes de Cristo. Como sua vida realmente era antes de conhecer Cristo? Aqueles que crescem com pais cristãos às vezes têm um conceito falso de sua bondade como se nunca tivessem corações pecaminosos. Devemos nos ver como realmente éramos - como Deus nos descreve - mortos em nossos pecados, sem esperança.

1. No versículo 15 Paulo descreve a si mesmo como um "principal pecador" - NVI diz "o pior pecador de todos" Você já pensou em si mesmo como o pior? O apreço de Paulo pela graça de Deus se fundamentava em sua avaliação honesta e precisa de sua pecaminosidade. "Aquele a quem mais perdoou, mais ama" (Lucas 7)

II. Depois da Graça. V. 14-16

- Conhecemos a história da conversão de Paulo. O Senhor apareceu para ele e tudo mudou. Cristo arrancou o perseguidor assassino do seu caminho da morte e colocou-o no caminho da vida e da redenção. No versículo 12, Paulo agradece a Cristo pela força, por considerá-lo digno de confiança no evangelho e por designá-lo para o serviço de Cristo. Um perseguidor foi encarregado do evangelho. Aquele que estava tentando destruir o cristianismo é agora seu porta-voz. Como isso poderia ser?

A. 1 Timóteo 1:14 - “e a graça de nosso Senhor superabundou com a fé e o amor que há em Cristo Jesus” - No verso 16 ele diz: “Alcancei misericórdia”. Saulo de Tarso tornou-se Paulo, o apóstolo, pela misericórdia de Deus. Ele não fez nada para merecer o perdão ou a nomeação. Isso foi tudo de Deus. 1 Coríntios 15:9-10 “Pois eu sou o menor dos apóstolos, que nem sou digno de ser chamado apóstolo, porque persegui a igreja de Deus. Mas pela graça de Deus sou o que sou; e a sua graça para comigo não foi vã, antes trabalhei muito mais do que todos eles; todavia não eu, mas a graça de Deus que está comigo”.

1. Por que Jesus proveria graça para Saulo de Tarso? A resposta está no v. 15 - “Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores”. A conversão de Saulo é um exemplo da missão de Jesus para o mundo inteiro. Ele veio para salvar os pecadores e Saulo era um pecador. Eu também precisava de tanta graça quanto Saulo. Cristo não deixou seu trono no céu para ajudar algumas pessoas boas que precisavam de um pouco de ajuda. Graça (misericórdia) foi o catalisador da grande mudança na vida de Saulo.

B. Qual é a sua história depois da graça? Como a misericórdia de Deus mudou sua vida? Como a graça amorosa de Cristo mudou seus desejos? Como o amor dele erradicou pecados antigos da sua vida? Que fruto foi produzido em sua vida? Você busca objetivos diferentes, faz escolhas diferentes, ama mais, dá mais, sacrifica mais, tem menos pecado? Como o amor e a fidelidade de Cristo resgataram você daqueles dias sombrios? Como ele continua a redimir você? Responder a essas perguntas em uma natureza específica nos faz ver e apreciar o quanto Cristo mudou nossa vida. Teremos confiança de que a graça de Cristo nos levará através de nossas batalhas atuais com provações e tentações.

C. Graça para um propósito. O propósito da graça estendida de Deus para Paulo foi além de seu perdão. Ele foi limpo e separa para um trabalho em particular. Observe o testemunho de Paulo a Agripa em Atos 26:15–18: “Disse eu: Quem és, Senhor? Respondeu o Senhor: Eu sou Jesus, a quem tu persegues; mas levanta-te e põe-te em pé; pois para isto te apareci, para te fazer ministro e testemunha tanto das coisas em que me tens visto como daquelas em que te hei de aparecer; livrando-te deste povo e dos gentios, aos quais te envio, para lhes abrir os olhos a fim de que se convertam das trevas à luz, e do poder de Satanás a Deus, para que recebam remissão de pecados e herança entre aqueles que são santificados pela fé em mim”. Paulo foi escolhido para o trabalho específico e único do apostolado. Mas também recebemos graça por um propósito. Nós temos um trabalho a fazer. Para que trabalho você foi redimido? Efésios 4:1 fala de evangelistas, mestres e pastores que alimentam o rebanho. Romanos 12:6-8 fala de servos, mestres, encorajadores, líderes, aqueles que são generosos e aqueles que mostram abundante misericórdia. Todas essas obras e dons são essenciais para o funcionamento do corpo de Cristo. Que trabalho você está fazendo que demostra a graça de Deus em sua vida? Você é um mestre, um incentivador dos outros, um generoso doador, um líder, um servo dos necessitados? Deus providenciou Sua graça para que você pudesse se unir a uma igreja e participar de um par de reuniões por semana? Ou tem mais?

1. Você é cristão? Você precisa encontrar o papel que a graça de Deus providenciou para você. Você foi redimido da culpa de seus pecados passados ​​para fazer um trabalho. Cresça nessa direção que Deus lhe deu. Sua graça não deve ser estagnada. Estude e ore por clareza. Considere seus pontos fortes. Faça algo que você nunca tentou antes. A graça é uma história de onde estivemos e também de para onde estamos indo.

III. Graça em Exibição. V. 16

- Observe como o versículo 16 expõe outro propósito a essa história da graça. 1 Timóteo 1:16 – “mas por isso alcancei misericórdia, para que em mim, o principal, Cristo Jesus mostrasse toda a sua longanimidade, a fim de que eu servisse de exemplo aos que haviam de crer nele para a vida eterna”. A graça de Deus para Paulo foi um “exemplo”. A NVI diz ... “Cristo Jesus demonstrasse toda a grandeza da sua paciência, usando-me como um exemplo para aqueles que nele haveriam de crer para a vida eterna”. (NIV) Paulo nos diz que Jesus semeou misericórdia para que Ele pudesse colocar sua perfeita paciência em exibição para o mundo inteiro.

A. A disponibilidade da graça de Deus está em exibição. Se Cristo mostrou misericórdia e paciência a Saulo de Tarso, o grande adversário do cristianismo e principal de todos os pecadores, então quem não pode receber a graça de Cristo? Ninguém pode pecar tanto que a graça de Deus seja insuficiente. Isso não é verdade porque o meu pecado não é tão ruim assim, mas porque o sangue de Jesus é mais que suficiente. Hebreus 9:13-14 – “Porque, se a aspersão do sangue de bodes e de touros, e das cinzas duma novilha santifica os contaminados, quanto à purificação da carne, quanto mais o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus, purificará das obras mortas a vossa consciência, para servirdes ao Deus vivo?”.

B. O poder da graça de Deus está em exibição. Se a graça de Cristo é poderosa o suficiente para mudar o coração do pior dos pecadores, ela é poderosa o suficiente para mudar você e qualquer um que venha a Cristo. O testemunho de Paulo é uma prova para o mundo do poder do evangelho de salvar os pecadores e mudar o coração dos homens. “Graça maior do que todos os meus pecados” - 1 Coríntios 6:9-11 – “Não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbedos, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus. E tais fostes alguns de vós; mas fostes lavados, mas fostes santificados, mas fostes justificados em nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus”.

• Ezequiel 11:19-20 – “E lhes darei um só coração, e porei dentro deles um novo espírito; e tirarei da sua carne o coração de pedra, e lhes darei um coração de carne, para que andem nos meus estatutos, e guardem as minhas ordenanças e as cumpram; e eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus”.

Conclusão: Precisamos ter uma noção da nossa história da graça. Assim como Paulo avançou a mensagem do evangelho recontando sua história de graça, nós também podemos dizer aos outros o que Deus fez por nós.

Nosso testemunho deve vir de um verdadeiro sentido de nossa antiga pecaminosidade e desesperança diante da graça. Devemos, portanto, contar nossa história com grande humildade e não usá-la como meio de autoglorificação. Graça é sobre o que Deus fez e faz, não eu.

Devemos mostrar aos outros as mudanças que a graça de Deus fez e está fazendo em nossas vidas. Se não somos mudados pela misericórdia de Deus, então nossa história não tem significado.

Precisamos contar aos outros nossa história com paixão. Nós estávamos perdidos, mas fomos encontrados. Nós estávamos mortos, mas agora estamos vivos. Nós celebramos aniversários físicos, mas raramente reconhecemos os espirituais. Todas as três parábolas de Lucas 15 - dracmas perdidas; a ovelha perdida; e o filho perdido; terminar em uma festa - "...regozijemo-nos.." - "...E começaram a regozijar-se".

Aqueles que são salvos pela graça contam sua história na santidade de sua nova vida. Devemos continuar em pecado que a graça possa abundar? Certamente não! - Nós morremos para o pecado; ressuscitamos para a justiça.

Todo cristão, salvo pela graça, é um farol para o mundo perdido que Jesus ama e Jesus salva. Nós devemos mostrar Deus a eles, como luzes no mundo das trevas. É disso que Isaías estava falando em Isaías 55:13: “Em lugar do espinheiro crescerá a faia, e em lugar da sarça crescerá a murta; o que será para o Senhor por nome, por sinal eterno, que nunca se apagará”. Somos sinais e monumentos ao mundo da graça e misericórdia do Senhor.

Minha história da graça é parte de uma história contínua de vidas mudadas. Eu sei sobre Jesus por causa daqueles que viveram antes de mim que foram transformados pela mensagem do evangelho da graça. Deus tem transformado vidas por 2000 anos com a mesma mensagem de graça que salvou Saulo de Tarso.

Observe como esta grande obra da graça de Cristo afetou Paulo no versículo 17. “Ora, ao Rei dos séculos, imortal, invisível, ao único Deus, seja honra e glória para todo o sempre. Amém”. Conhecer nossa história da graça de Cristo nos fará explodir em louvor e contar aos outros sobre essa graça.