Guerra Espiritual e PregaçãoSempre que o assunto da guerra espiritual é mencionado, existe o perigo de cair em um dos dois extremos. Por um lado, é fácil tornar-se paranoico, "vendo demônios atrás de cada árvore" e dando a Satanás muito mais crédito do que ele merece.
 
Por outro lado, é fácil tornar-se excessivamente relaxado e, essencialmente, tratar o reino espiritual como não tendo qualquer efeito sobre nossas vidas. No entanto, se há um domínio em que devemos estar cientes de guerra espiritual, certamente é no reino da pregação.
 
Certamente o inimigo gostaria de romper ou danificar a proclamação da Palavra de Deus, a apresentação do Evangelho, o encorajamento dos crentes e o louvor de Deus.
[post_ad] 
Hoje eu gostaria de apenas a arranhar a superfície do assunto.
 
Primeiro de tudo, a guerra espiritual e o pregador.
 
Que táticas o inimigo usa contra nós como pregadores?
 
Aqui estão algumas delas, talvez você tenha outras a acrescentar.
 
Um perigo que constantemente nos enfrenta é o de orgulho, o que leva a uma falta de dependência de Deus.
 
Depois, há a tentação ao pecado - quantas vezes nos deparamos com ondas de tentação em áreas de vulnerabilidade durante a preparação para pregar, ou no dia seguinte que pregamos?
 
Talvez a distração é uma ferramenta do inimigo - as coisas atiradas em nosso caminho que nos impede de realizar a tarefa em mãos. Depois, há mentiras, os desânimos destinados a derrubar nossos objetivos.
 
Eu gostaria de prosseguir este assunto ainda, mas deixe-me perguntar - quais táticas o inimigo parece empregar em relação ao seu ministério de pregação?
 
Tenho certeza de que não estou sozinho em dificuldades técnicas incomuns antes de pregar, ou as tensões familiares comuns na manhã de domingo. Depois, há os ataques mais evidentes, tanto antes como após a pregação. Nem sempre, mas às vezes. Mas se estamos pensando sobre o trabalho do inimigo, é importante lembrar que ele também pode ter como alvo os ouvintes em um evento de pregação. Nosso antigo inimigo procura trabalhar em várias frentes.
 
2 Coríntios 4:4 afirma que, o inimigo trabalha para cegar os ouvintes do evangelho de maneira que eles não possam ver a verdade. Há também a possibilidade de distração antes e durante a pregação, assim como o desencorajamento sussurrado diretamente. Eu não quero dar qualquer crédito a um inimigo que está derrotado, mas seria ingênuo ignorar esta dimensão da pregação. Nós não tememos por ele, mas devemos ter certeza de nos manter firme em nosso papel como porta-vozes de Deus.
 
Minha esperança com este artigo é estimular o pensamento nesta área. Por favor, comente sobre as estratégias que você percebe contra si ou contra seus ouvintes. Haverá uma parte 3, e vamos considerar maneiras práticas para nos manter firmes e ser eficazes em nosso ministério. Louvado seja o Senhor, o homem certo, da escolha de Deus, está do nosso lado, e o seu reino é para sempre.
 
Pr. Aldenir Araújo