Sete leis bíblicas da oração

Sete leis bíblicas da oração
Texto: Tiago 5:16
Introdução: Hoje vamos refletir sobre a oração. A verdadeira oração é o nosso meio da liberação de fé e apresentar nossos corações a vontade do Senhor. Simplificando, a oração envolve entre outras coisas: Adoração, Confissão, ação de graças e súplica (Atos) no Espírito. A verdadeira oração não é apenas um monólogo unidirecional. Envolve também estar quieto e em silencio diante de Deus e dando tempo para ouvi-Lo. Muitos fazem todo o falar; quando ouvir a voz mansa de Deus é uma grande alegria! Alguns dizem. "Eu não consigo sentir nada, então eu desisto" A oração real e eficaz é um bom momento para o exercício e a liberação de nossa fé. Quando você não pode "sentir" que suas orações são ouvidas, pode ser um tempo de prova - para ver se você realmente acredita ou estão apenas falando![post_ad]Nosso tempo de oração deve sempre ser uma íntima comunhão com Deus e não apenas a mera repetição de palavras conhecidas e frases piedosas. Boa oração deve surgir de um coração sensível, e não apenas de uma boca falante. Além disso, a palavra de Deus faz a obra de Deus, assim também podemos olhar para a Bíblia e refletir sobre algumas orações encontradas na mesma. Mais coisas boas são operadas pela oração do que pelo sonhar. 

Hoje, vamos olhar para as sete leis bíblicas da oração.

1. A lei de um coração puro. Salmos 66:18.

Deus está sempre à procura de corações puros. Qualquer pessoa do campo sabe que, se uma vaca come cebola o tempo todo, não só o hálito da vaca vai cheirar mal, mas o produto da vaca vai ter cheiro e gosto ruim. Deus olha mais no nosso interior do que no nosso exterior. Nossos ouvidos devem ser abertos para as palavras de Deus e nossos corações obedientes à Sua vontade, se quisermos ser ouvidos (Provérbios 28:9 - I Samuel 14:37 - 28:6). Nosso coração deve ser lavado pelo poder purificador do sangue do Cordeiro (Isaías 59:2 - Miqueias 3:4).

2. A lei de um espírito perdoador. I Pedro 3:7.

Amargura, raiva e ódio são frequentes na comunidade, na escola, no trabalho, e infelizmente até mesmo nas igrejas cristãs e lares! Tal falha descoberta e ira entram e neutralizam a eficácia da nossa oração. Dissensões e divisão em casa e na igreja local podem matar tanto as nossas orações como a nossa vida de oração! Portanto, um espírito de perdão é necessário para romper o trono da graça de Deus (Marcos 11:25-26). Irmãos, se as respostas esperadas para as suas orações parecem muito atrasadas ou impedidas por muito tempo, sinceramente examine quem você amargurou, irou ou não perdoou!

3. A lei da fé. Marcos 11:24 - Tiago 1:6.

Como é triste que oramos muitas palavras e depois nos preocupamos! A preocupação é um tipo de dúvida. A dúvida é um tipo de medo. Os guerreiros de oração antigos usados para "orar por" o que significava que eles permaneciam em seus joelhos até que eles sabiam com certeza que tinham sido tocados por Deus. Que pena que oramos na igreja, vamos para casa e imediatamente nos preocupamos sobre o que temos orado por! Sem fé é impossível agradar a Deus e obter respostas às nossas orações. (Hebreus 11:1 - I Timóteo 2:8 - Marcos 11:23). Os incrédulos vivem o ditado, "ver para crer", enquanto para os cristãos o ditado é: "crer para ver!"

4. A lei do motivo certo. Tiago 4:3.

Um dia, um pastor sonhava. Em seu sonho, viu Jesus chorando. O pastor perguntou-Lhe: "Senhor, por que você está chorando?" Jesus respondeu: "Porque eu tenho mais pedidos de oração por dinheiro do que para as almas perdidas!" Deus não é um gênio ou o Papai Noel! A oração, para que seja real, é para o bem de todos e não só para você. Deus me dê isso e Deus me deu aquilo! Alguns só oram para o seu conforto e conveniência. Prazer pessoal torna-se o motivo de muitos cristãos. O prazer de Deus é muitas vezes ignorado, mas deve ser a nossa principal motivação. I João 3:22.

5. A lei da vontade de Deus. I João 5:14.

Jesus nos deu um exemplo brilhante de buscar e submeter-se a vontade de Deus, mesmo que isso significasse a cruz (Lucas 22:41-42 - João 6:38). Nós presumimos que conhecemos a vontade de Deus, e isso nem sempre é verdade. Nunca se esqueça da soberania de Deus. Procura conhecer a vontade e você nunca vai orar errado.

6. A lei da oração no Espírito. Judas 20.

O Espírito Santo conhece o coração do Pai e os desejos do Filho. Romanos 8:26. Nossa oração deve subir para o céu com as asas do Espírito de Deus. Quando nós perseveramos na oração, quando nós nos submetemos à liderança do Espírito, nós recebemos as respostas de forma mais eficaz. Efésios 6:18.

7. A lei do nome de Jesus. João 14:14.

Uma vez eu recebi pelo correio um cheque de oferta, mas minha alegria durou pouco, quando eu descobri que o remetente se esqueceu de assiná-lo! Legalmente o mesmo é inútil sem uma assinatura válida. Nós não oramos pela autoridade de um nome qualquer debaixo do céu. Pelo contrário, oramos ao Pai, em nome do Senhor Jesus Cristo. Jesus é o único caminho para o Pai e não há outro mediador. João 14:6 - I Timóteo 2:5

Conclusão: Tal como acontece com a oração, a salvação do Inferno e a entrada para o Céu é por meio de Jesus Cristo. Atos 4:12. É preciso um verdadeiro arrependimento diante de Deus e uma oração de fé a Jesus para que você possa ser perdoado e purificado. Atos 20:21.

Amigo não crente clame o Senhor Jesus e serás salvo hoje!

Pr. Aldenir Araújo

Gostou desse esboço? Olha a novidade que tenho para você!


Eu preparei um e-book com 365 sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá á  disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! Clique Aqui para adquirir seu livro.

Sete leis bíblicas da oração Sete leis bíblicas da oração Reviewed by Aldenir Araujo on abril 26, 2011 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Tecnologia do Blogger.