Predestinação: Deus versus Homem

Predestinação Deus versus HomemIntrodução: É certo que existem muitas nuances e diversos tipos de predestinação ensinada pelo homem. No entanto, este estudo deve centrar-se sobre as questões fundamentais da predestinação. Nosso português "predestinar" é a partir do grego “proorizo”. "Pro, de antemão," e “honzo”, denota “marcar de antemão" Na verdade, a predestinação é um tema bíblico: "Porque os que dantes conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho..." (Romanos 8, 29). Novamente, “de acordo como ele nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade ... " (Efésios 1: 4, 5).
[post_ad]

I. Muitos acusam Deus de fazer acepção de pessoas baseados em sua compreensão da predestinação.

A. No entanto, a Bíblia claramente afirma e confirma que Deus não faz acepção de pessoas. "Então, Pedro abriu a boca, e disse: Reconheço, por verdade, que Deus não faz acepção de pessoas" (Atos 10:34, ver também Romanos 2:6-11, Efésios 6:9 , Colossenses 3:25). Qualquer doutrina, então, que coloca Deus em posição de fazer uma acepção arbitrária de pessoas é obviamente falsa. Pedro não só declara que Deus não faz acepção de pessoas, mas ele continua a mostrar inequivocamente aqueles que Deus aceita. "Mas em cada nação que temê-lo, e praticar a justiça, é aceito por ele."
B. Alguns confundem e igualam divina presciência e predestinação:
a. Definição de Calvino. Reprovação foi, por Calvino, envolvidos na eleição, e Divina presciência e predestinação eram idênticos. O modo Calvino de definir a predestinação: “O conselho eterno de Deus pelo qual ele determinou o que deveria fazer com cada ser humano. Porque ele não criou todos em igual condição, mas ordenou uns para vida eterna e os demais para a condenação eterna. Assim, conforme a finalidade para a qual o homem foi criado, dizemos que foi predestinado para a vida ou para a morte”. Calvino confessa que este é um "decreto horrível..." (The International Standard Bible Enclyclopaedia, vol. 4, pg. 2436).
b. No entanto, Deus pode conhecer um assunto de antemão sem predeterminar o assunto a tal ponto que as pessoas (neste caso) são excluídas, na medida em que a sua vontade e participação estão em causa (ver mais adiante). Alguns religiosos, no entanto, mantém essa visão radical da predestinação, que ao insistir na soberania de Deus, eliminam totalmente a vontade e o papel do homem.

II. A predestinação como ensinada na Bíblia.

A. As escrituras ensinam a presciência de Deus. Deus é capaz de "declarar o fim desde o princípio, e desde a antiguidade, as coisas que ainda não foram feitas..." (Isaías 46: 10). Desde que o esquema de Deus da redenção foi planejado a partir da criação original, é óbvio que Deus sabia que Adão e Eva iriam pecar, etc. (I Pedro 1: 20, Efésios 1: 4,5, cf. Mateus 25: 34, Apocalipse 13: 8, 17: 8).
B. Embora Deus soubesse que Adão e Eva iriam pecar, ele não força ou programa-os para o pecado. Como agentes morais livres, Adão e Eva escolherem cometer o pecado (Gênesis 3). A vontade do homem está envolvida em sua salvação, e não a coerção irresistível de Deus (João 3:16, Mateus 11:28-30). Entretanto, Deus sabia que alguns aceitariam; mesmo antes que eles aceitassem (Atos 18:9-11). Assim, alguns foram "ordenados para a vida eterna", porque Deus sabia que eles obedeceriam ao evangelho quando ouvissem (Atos 13:48, Romanos 10:16).

III. A predestinação como ensinada pelo homem.

A. "Desde toda a eternidade, Deus, pelo muito sábio e santo conselho da sua própria vontade, ordenou livre e inalteravelmente tudo quanto acontece...", escreve o homem (Confissão de Fé Filadélfia cap. 6 º, parág. 2 - 4). O Calvinismo ensina que o homem é tão depravado que ele não pode aceitar a graça de Deus sem um irresistível trabalho especial do Espírito Santo, independente da vontade do homem.
B. Muitas vezes, é nesse sentido que o homem ensina que Deus decidiu os que seriam salvos e os seriam perdidos antes da criação e que este decreto foi arbitrário da parte de Deus (que não envolvem o homem). Ouvir João Calvino: “Conforme o que a Escritura mostra claramente, dizendo que o Senhor constituiu uma vez por todas, em seu conselho eterno e imutável, aqueles que ele quis tornar para a salvação, e aqueles que ele quis deixar em abandono. Quando aos que ele chama para a salvação, dizemos: que ele os recebe por sua misericórdia gratuita, sem levar em conta a dignidade deles; que, ao contrário, o acesso à vida é vedado a todos aqueles que ele quis deixar entregues à condenação; e que isso é realizado por seu juízo oculto e incompreensível, conquanto justo e imparcial. Ensinamos, ademais, que a vocação dos eleitos é como uma demonstração e um testemunho da sua eleição. Semelhantemente dizemos que a justificação deles é outro símbolo e sinal dela, até quando eles chegarem à glória, na qual se dará o seu cumprimento e a sua consumação." ( As Institutas Vol.3).
a. Há muitas discussões religiosas em relação ao papel de Deus e do homem na salvação do homem. Parece que o homem está determinado a perverter o simples plano de Deus para a salvação do homem neste ensino o homem ganha sua salvação (a graça de Deus não é necessária) ou em afirmar que a salvação é toda de Deus (a obediência do homem não está envolvida). Como o homem não é sem pecado, Deus dá a graça necessária pelo qual o homem obediente pode ser salvo. No entanto, a graça de Deus não é "Sola Gratia" como os calvinistas sustentam.
b. Um debate inicial envolvendo a questão da predestinação foi realizado entre Agostinho de Hipona e Pelágio. Na verdade, Agostinho originalmente foi quem ensinou o sistema de cinco pontos da predestinação de João Calvino.
1. Agostinho ensinou que o homem não tem nada a ver com a sua própria salvação. O homem herdou a natureza totalmente depravada de Adão e Eva ao ponto que são espiritualmente incapazes de aproveitar-se da graça de Deus, ele ainda sustentou. Como resultado da natureza adâmica depravada ser herdada, os bebês nascem em pecado e com uma natureza pecaminosa. Agostinho argumenta que a única maneira de salvar é de Deus intervir e escolher alguns a quem ele chama seus escolhidos para serem salvos. Essa escolha é totalmente arbitrária e independente dos escolhidos. Aqueles que assim escolhidos, não pode jamais ser perdido ou cair da graça. Ao inverso, aqueles que não foram escolhidos arbitrariamente antes da fundação do mundo para a vida eterna está irrevogavelmente condenado ao inferno, com absolutamente nenhuma esperança de salvação, independentemente do que fazem ou não fazem. Tal doutrina, formulada por Santo Agostinho constitui o verdadeiro "calvinismo de hoje".
2. Pelágio, por outro lado, ensinou que cada homem é criado livre assim como Adão e que cada homem deve escolher se ele vai servir a Deus ou o diabo. Todos os homens, sustentou Pelágio, não são pecadores, porque Adão pecou, mas porque cada homem violou a lei de Deus. Pelágio argumentou que, quando Deus estendeu o plano de salvação é para todos os que obedecem, e não apenas uns poucos a quem Deus escolheu arbitrariamente, de forma totalmente independente de si mesmo. Cada homem pode cooperar com Deus e ser salvo por sua fé e obediência à vontade de Deus. É trágico que a maioria dos que se pronunciou sobre os resultados do debate no Conselho Ecumênico de Éfeso (431 dC), favoreceu as opiniões de Agostinho. É igualmente lamentável que muitos continuam a abraçar a doutrina atéia de Agostinho hoje sob o nome de calvinismo.

IV. Deus é um Deus de amor e equidade final.

A. A graça de Deus que traz a salvação é acessível a todos (Tito 2:11-14). Os eleitos de Deus são aqueles que apropriaram da graça de Deus, em simples submissão à sua vontade.
B. A eleição é iniciada, continuada, e culminada no homem que exerce o seu livre arbítrio moral e escolhendo aceitar a extensão da graça de Deus (I Pedro 1:2; I Tessalonicenses 1:4-8, II Pedro 1:5-11).

Conclusão: Para concluir, a predestinação bíblica é uma prova da onisciência de Deus.

Além disso, a profecia bíblica é baseada na presciência de Deus e a predestinação (marcar de antemão).

Além disso, o fato de que Deus sabia que poucos aceitariam seu Filho também é indicativo do amor de Deus ao enviar seu Filho. "Os poucos" que serão salvos, não são um grupo a quem Deus de forma totalmente arbitrária, sem qualquer participação de sua parte, escolheu para serem salvos, mas aqueles que "entrarem pela porta estreita" e seguir o "caminho estreito" (Mateus 7:13-14).

Pr. Aldenir Araújo

Gostou desse esboço? Olha a novidade que tenho para você!

Eu preparei um e-book com 365 sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! Clique Aqui para adquirir seu livro.

Predestinação: Deus versus Homem Reviewed by Aldenir Araujo on sábado, maio 01, 2010 Rating: 5

4 comentários:

  1. muito bom alias ,o livre arbitrio tanbem tem sido mal entendido , um abraço na paz do senhor

    ResponderExcluir
  2. Muito bom amigo, belo texto, palavras de amor.
    Abraços forte

    ResponderExcluir
  3. @Anônimo
    Sem dúvida, vamos tratar desse assunto em outra ocasião.
    Abraços

    ResponderExcluir

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:
1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

All Rights Reserved by O Pregador © 2014 - 2015
Designed by Blogger

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.