29 de junho de 2017

Série: Comunhão - Cuidados na Comunhão
Série: Comunhão - Cuidados na Comunhão
Texto: I João 4:1-21

Introdução: Nosso tema nas últimas semanas nas noites de domingo tem sido "Verdadeira Comunhão". Estudamos a primeira epístola de João para ver uma série de coisas relacionadas à comunhão. No capítulo um, analisamos algumas das condições para a comunhão, no capítulo dois discutimos a conduta correta na comunhão, e no capítulo três consideramos as características da comunhão.

Esta noite, começaremos a olhar para o capítulo quatro e descobrimos que João oferece um aviso em relação à comunhão.

I. Sobre espíritos mentirosos. V. 1-6

A. Advertência em relação aos falsos profetas. V. 1
1. “...não creiais a todo espírito...”
2. “..., mas provai se os espíritos vêm de Deus;
a. Devemos colocar esses espíritos à prova.
b. Não podemos aceitar que todo espírito seja o de Deus.
3. Porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo.
a. Muitos nos dias de João, então haverá muitos mais nestes dias.
b. Paulo nos advertiu sobre eles em sua epístola a Timóteo. 2 Timóteo 3:1; 13 "Sabe, porém, isto, que nos últimos dias sobrevirão tempos penosos... Mas os homens maus e impostores irão de mal a pior, enganando e sendo enganados".
c. O próprio Jesus advertiu sobre falsos profetas que viriam. Mateus 7:15: "Guardai-vos dos falsos profetas, que vêm a vós disfarçados em ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores".
B. Marcas dos falsos profetas. V. 2-3
1. Todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus.
2. Todo espírito que não confessa que Jesus Cristo veio em carne não é de Deus.
a. Esta é uma negação do nascimento virginal.
b. Esta é uma negação da Deidade de Cristo como Filho de Deus.
3. Esse tipo de espírito é o espírito do anticristo.
a. Foi profetizado que viria.
b. Estava presente no mundo então e agora!
4. Se você quer uma maneira rápida de saber o que uma pessoa ou algum grupo ensina, descubra o que eles creem sobre Jesus Cristo!
C. ALGUNS ENSINANTES DE FALSOS PROFETAS:
1. As Testemunhas de Jeová acreditam que Cristo foi um ser criado
2. Os modernistas acreditam que Jesus foi um grande profeta e um grande mestre, mas não Deus.
3. Os judeus acreditam que Jesus era um mestre religioso, mas não o Messias.
4. Os mórmons acreditam que Adão-Deus e Maria trouxeram Jesus ao mundo por concepção natural.
5. Os muçulmanos acreditam que Jesus foi o sétimo profeta.
6. A unidade ensina que todo homem tem o potencial de se tornar Cristo.
7. Os católicos acreditam que Jesus era sem pecado porque Maria era sem pecado.
8. A Igreja de Cristo e as Igrejas cristãs acreditam que Jesus se tornou filho de Deus no seu batismo.
9. Os adventistas do sétimo dia acreditam que Cristo nasceu pecador.
10. Os cientistas cristãos acreditam que Jesus não era um ser pessoal, mas apenas um conceito da comunhão de Maria com o espírito supremo.
D. Os crentes são vencedores. V. 4-6
1. O Espírito Santo que habita em nós é maior do que todos os espíritos falsos que estão no mundo. João 14:16-17: "E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Ajudador, para que fique convosco para sempre. A saber, o Espírito da verdade, o qual o mundo não pode receber; porque não o vê nem o conhece; mas vós o conheceis, porque ele habita convosco, e estará em vós".
2. Somos diferentes dos falsos espíritos.
3. O mundo os ouve porque são do mundo.
4. Somos de Deus: "quem conhece a Deus nos ouve; quem não é de Deus não nos ouve".
a. Os crentes nascidos de novo não são facilmente enganados pelos pregadores de falsa doutrina.
b. O mundo ouve um falso pregador porque ele prega para agradar o mundo.
c. Os verdadeiros crentes ouvem o ministro de Deus porque o Espírito Santo no coração do ministro testemunha ao coração do crente.
d. Os incrédulos não conseguem suportar a doutrina sã por mais de um curto período de tempo, então declaram guerra ao pregador.
e. Quando a Palavra de Deus é pregada verdadeiramente, ela irá dividir as pessoas.

Hebreus 4:12: " Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até a divisão de alma e espírito, e de juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração".

Veja também:

II. Sobre um espírito verdadeiro e amoroso. V. 7-21

A. O amor é a marca de identificação do crente. V. 7-11
1. A exortação. V. 7
a. "Amado ..." esta é a nossa posição, somos amados por Deus.
b. "... amemo-nos uns aos outros..."; esta é a nossa responsabilidade para com outros membros da família.
c. "... todo o que ama é nascido de Deus e conhece a Deus…”
d. Esta é a nossa característica ou a nossa marca de identificação.
2. A explicação. V. 8
a. "Deus é amor"
b. Deus pode ser conhecido por aqueles cujas vidas são caracterizadas pelo amor.
c. No entanto, não poderíamos conhecer, nem ser capazes de amar sem conhecer a Deus.
d. Ele é a essência do amor.
3. A expressão do amor. V. 9-10
a. Deus enviou Seu Filho como uma manifestação de Seu amor por nós.
b. Ele enviou Cristo para que possamos ter vida.
c. Ele nos amou e enviou o Filho para ser a propiciação (pagamento satisfatório) pelos nossos pecados.
d. Ele nos amou primeiro.
4. O exemplo do amor. V. 11
a. Deus nos amou, portanto;
b. Devemos amar uns aos outros: seguindo nosso exemplo em Cristo.
c. Como Deus nos ama, devemos amar uns aos outros.
B. O amor é a segurança do crente. V. 12-16
1. O amor evidencia a presença de Deus. V. 12
a. Ninguém jamais viu a Deus
b. Deus é amor.
c. Como o mundo pode conhecer essa verdade?
d. Quando amamos uns aos outros, manifestamos Seu amor e Sua presença.
2. O amor evidencia a presença de Deus dentro do crente. V. 13-16
a. Sabemos que nós habitamos nele e ele em nós.
b. Ele nos deu o Seu Espírito. Romanos 8:16: "O próprio Espírito testifica com nosso espírito, que somos filhos de Deus"
c. Ele nos deu Seu Filho para ser Salvador.
d. Deus habita dentro daqueles que confessam que Jesus é o Filho de Deus.
e. Viver uma vida cheia de amor é viver uma vida cheia da presença de Deus.
C. O amor é a confiança do crente. V. 17
1. O crente que praticou o amor durante sua vida terrena poderá se aproximar do juízo de Cristo sem vergonha.
2. Amor como Cristo é a base para essa confiança.
D. O amor é o conforto do crente. V. 18
1. Não há medo no amor.
a. O amor "lança fora o medo"
b. Eles não existem juntos
2. Este não é um medo reverente, como o temor do Senhor ...
3. Isso é medo e terror de juízo ou punição.
4. O amor perfeito (ou maduro) afasta esse tipo de medo.
5. O amor de Deus, vivido e experimentado na vida do crente traz conforto.
E. O amor é o mandamento do crente. V. 19-21
1. Nós amamos porque fomos amados primeiro por Ele.
2. Nossa caminhada deve estar de acordo com nossa fala.
3. Lembre-se: a presença de Deus se manifesta na vida do crente.
4. Se não amamos nossos irmãos em Cristo, não amamos a Deus.
5. E nosso Senhor nos mandou amar uns aos outros.

Neste capítulo, João comparou o "espírito falso mentiroso" com o "espírito verdadeiro e amoroso". Ele nos lembrou que o amor é a marca de identificação do crente, a segurança do crente, a confiança do crente, o conforto do crente e o mandamento do crente.

Jesus disse: "Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros". (João 13:35) Que tipo de "espírito" demostramos para este mundo perdido e moribundo?

Conclusão: Será que realmente importa o que uma igreja ensina? Muitos diriam que não, mas acredito que a Palavra de Deus ensina que é extremamente importante.

Somos advertidos a "provar os espíritos" ou colocá-los à prova para ver se é de Deus! Se algum ensinamento ou pregação não se alinha com a Palavra de Deus, os crentes que estão em comunhão com o Senhor devem ser capazes de reconhecê-lo!

A Palavra de Deus é a nossa "linha de prumo". O fundamento de nossa fé deve ser a Palavra de Deus!

27 de junho de 2017

Série: Jesus no Evangelho de João - Jesus: O Ganhador de Almas
Série: Jesus no Evangelho de João - Jesus: O Ganhador de Almas
Texto: João 4:1-30

Introdução: (Provérbios 11:30) “O fruto do justo é árvore de vida; e o que ganha almas sábio é”.

"...o que ganha almas sábio é". O conhecimento é o acúmulo de informações, mas a sabedoria está em ver as coisas da perspectiva de Deus. Sabemos que Deus está interessado no destino eterno das almas. Se quisermos ser sábios, também devemos estar interessados ​​em almas. Nenhum exemplo maior pode ser encontrado na Escritura do que o de Jesus Cristo. Em nosso texto esta noite, Ele é apresentado como aquele que cuida das almas dos outros. De Natanael no início de Seu ministério ao ladrão na cruz no final de Seu ministério, Jesus estava ocupado em levar os pecadores a Si. Ele realmente se importava com os caídos e estava disposto a chegar a todos, seja qual fosse o custo!

Nestes versículos, vemos Jesus enquanto fala com uma mulher pobre, perdida e pecadora. Enquanto nos preparamos para examinar esta passagem, deixe-me fazer algumas perguntas. Você conhece o Senhor? Você está realmente salvo hoje? Caso contrário, saiba desde o início que Jesus se importa com você.

(Salmo 142:4) “Olha para a minha mão direita, e vê, pois não há quem me conheça; refúgio me faltou; ninguém se interessa por mim”.

Esse foi o choro de Davi há muitos anos, quando ele se encontrou no meio de uma crise. Na verdade, pode ser verdade que nenhum homem nesta terra realmente se preocupa com você ou com o que acontece com sua alma. Mas Jesus se importa! Ele se importou tanto que, voluntariamente, deixou o Céu e provou o Seu amor morrendo por seus pecados e os meus na cruz.

(Romanos 5:8) “Mas Deus dá prova do seu amor para conosco, em que, quando éramos ainda pecadores, Cristo morreu por nós”.

Para aqueles aqui sem Cristo, deixe o Senhor falar o seu coração esta noite. Venha a Jesus para a salvação. Ele se importa com você, e Ele irá demonstrar esse fato, se você o permitir a oportunidade.

Crente, aprenda com o exemplo do Salvador. Ele deseja usá-lo para alcançar esse mundo perdido e moribundo.

I. O confronto com uma mulher pecadora. V. 1-8

A. Primeiro, vemos o Salvador
1. Nestes versículos iniciais, Jesus é mostrado em Sua compaixão e em Sua humanidade.
2. Enquanto Jesus é Deus, ele ainda era um homem e estava familiarizado com as provações e os problemas da vida.
3. Ele demonstra que Ele realmente se importa com os perdidos.
B. Em seguida, vemos a pecadora
1. Aqui está uma mulher que é pecadora e que precisa da salvação.
2. De acordo com o versículo 6, era cerca da sexta hora ou cerca de 12 horas.
3. Para uma mulher tirar água a esta hora seria uma ocorrência incomum.
4. Normalmente, as mulheres da aldeia se reuniam no início da manhã, enquanto o dia ainda era fresco.
5. Este também era um momento social para as mulheres, pois elas tiravam água para suas necessidades diárias.
6. Porque esta mulher estava sozinha e chegando durante o momento mais quente do dia é uma indicação de que ela era uma marginalizada pela sociedade.
7. Parece que as outras mulheres da aldeia não teriam nada a ver com ela.
8. Provavelmente foi ao poço sozinha para evitar os insultos e os ataques de outras mulheres.

C. Todos pecaram ...
1. Esta senhora não é diferente de qualquer outro pecador que já tenha andado sobre a face da terra.
2. Como todos os pecadores, ela tinha problemas mais profundos do que ser uma marginalizada social.
3. O problema que ela e todos os pecadores enfrentam é que, como pecadores, estamos afastados de Deus. (Isaías 59:2) “mas as vossas iniquidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados esconderam o seu rosto de vós, de modo que não vos ouça”.
4. É o nosso pecado que está entre nós e um relacionamento com o Senhor.
5. Até que possamos chegar a Jesus pela fé, continuaremos a ser um pária espiritual de Deus.
6. Mas, Jesus é a ponte entre Deus e o homem. (1 Timóteo 2:5) “Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem”

II. A conversa com uma mulher pecadora

A. Eles falaram sobre poços. V. 9-11
1. Quando Jesus pediu água, aparentemente, ele não tinha meios para tirar água.
2. Ela respondeu com espanto que um judeu pediria água a mulher, e muito menos uma samaritana.
3. Era considerado inadequado um rabino falar com uma mulher em público.
4. Jesus, então, oferece-lhe a "água viva".
5. Ela confunde o físico com o espiritual.
6. A salvação não é uma transação que pode ser explicada em termos humanos.
7. Neste ponto, ela não está pronta para a salvação, mas Jesus a está conduzindo nessa direção.
B. Eles falaram de água. V. 12-15
1. Jesus diz a ela que ela pode beber do poço de Jacó todos os dias e ela ainda terá sede e terá que voltar e beber de novo.
2. No entanto, ele diz a ela que Ele pode lhe dar uma água que a satisfará para sempre.
3. Esta é a natureza da salvação.
4. Pode-se beber dos prazeres deste mundo, como esta pobre mulher, e ainda terá que tentar encontrar mais maneiras de se satisfazer.
5. No entanto, uma viagem à fonte de água viva satisfará para sempre a alma sedenta.
6. Vir para Jesus satisfará para sempre as necessidades da vida e do coração.
7. Mas ela ainda está confundindo o físico e o espiritual.
C. Eles falaram de iniquidade. V. 16-19
1. Em um esforço para despertá-la para sua necessidade espiritual, Jesus claramente toca o que deve ter sido o ponto mais grave na vida desta mulher.
2. Ele apontou sua pecaminosidade!
3. Eu quase posso imaginar a culpa que esta mulher vivia dia após dia.
4. Eu imagino que seu coração estava em constante turbulência por causa de seus pecados. (Provérbios 13:15) “O bom senso alcança favor; mas o caminho dos prevaricadores é áspero”.
5. Isso pode parecer cruel da parte do Senhor, mas ninguém jamais virá a Jesus para a salvação até que eles sejam primeiro despertados para sua própria necessidade pessoal.
6. Até que um pecador saiba que ele está perdido, ele nunca desejará ser encontrado.
D. Eles falaram de adoração. V. 20-24
1. Uma vez que eles estão no tema da religião, a mulher prossegue para mostrar a Jesus que ela também não é indolente nessa área.
2. Ela tenta começar um argumento sobre o lugar apropriado para adorar.
3. Jesus simplesmente ignora sua tentativa de argumentar e diz a ela que o verdadeiro culto nunca é encontrado em rituais externos e substitutos de Deus.
4. A adoração verdadeira só pode ser encontrada na adoração que vem do Seu Espírito que habita em nós.
5. Há bilhões que se entregam a formas externas de culto hoje em um esforço para aproximar-se do Senhor.
6. Essas coisas nunca funcionarão!
7. O culto não é algum ritual ou forma, o culto é um estado do coração que exalta um grande deus.
8. Para fazer isso, você só precisa do Seu Espírito e uma vontade de dar glória a Deus.
Veja também:
E. Eles falaram sobre a sabedoria. V. 25-26
1. Essa senhora mostra abertura para as palavras de Jesus.
2. Ela revela que está preocupada com a salvação e com as coisas de Deus.
3. Jesus simplesmente se revela como o suprimento que ela precisa.
4. Isto é o que ele faz para cada pecador.
5. Ele não vem julgar ou condenar.
6. Ele simplesmente vem como o Caminho, a Verdade e a Vida e se oferece como o único meio de salvação

III. A conversão de uma mulher pecadora. V. 27-30

A. Foi imediato. V. 28ª
1. Assim que Jesus se revelou a ela; Ela respondeu com fé e sua salvação foi instantânea.
2. Não houve um longo processo para realizar, não houve oração de confissão e etc.
3. Ela simplesmente confiou e ela foi salva instantaneamente.
4. Ainda funciona da mesma maneira hoje.
5. Quando um pecador vem a Jesus e coloca a fé em Cristo, a transformação é imediata.
6. O pecador é mudado instantaneamente de um pecador morto e perdido em um filho eternamente vivo de Deus.
7. Que mudança ocorre!
B. Foi incrível. V. 28b
1. Ela correu na sua excitação e esqueceu de por que ela até foi até o poço.
2. Ela simplesmente deixou seu pote de água para trás.
3. Ela chegou ao poço para a água física e descobriu a água espiritual.
4. Ela conheceu Jesus e foi transformada para sempre.
5. Quando um pecador vem a Cristo, há uma transformação imediata que ocorre. (2 Coríntios 5:17) “Pelo que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo”.
C. Foi evidente. V. 28c-29
1. Ela correu para a cidade para contar aos outros sobre esse homem que conheceu.
2. Ela se sentiu compelida a contar aos outros sobre a salvação que acabara de experimentar.
3. A Salvação lhe dará uma mensagem para compartilhar e um coração para compartilhá-la.
4. Quando você é libertado da morte e do inferno, você quer ajudar outros a encontrar o caminho para sair do pecado também.

Conclusão: Jesus faz a diferença em cada vida que ele toca. Ele tocou sua vida? Ele o redimiu de seus pecados? Convido você a vir a Jesus hoje e a permitir-lhe salvar suas almas eternas. Não há absolutamente nada mais importante do que onde passaremos a eternidade, e que tudo repousa sobre o que decidimos sobre Jesus. Venha até ele hoje e seja salvo.

24 de junho de 2017

Série: Comunhão - Características da Comunhão - Parte 3
Série: Comunhão - Características da Comunhão - Parte 3
Texto: I João 3

Introdução: Consideramos as características da verdadeira comunhão nas últimas semanas. Examinamos essas características em relação à nossa perspectiva, em relação à nossa posição, e esta noite queremos olhar para elas em relação às nossas orações.

João nos dá três coisas que o crente possui em relação à oração quando estão em verdadeira comunhão.

I. O crente tem segurança. V. 19-20

A. "Nisto conheceremos..." v. 19ª
1. Isso nos remete para os versículos anteriores que já estudamos.
2. Sabemos que Deus nos ama porque "Cristo deu a sua vida por nós". V. 16
3. Sabemos que somos da verdade se sabemos que amamos os irmãos; em ação e não apenas em palavras. V. 14
B. Nós "... diante dele tranquilizaremos o nosso coração". V. 19b
1. Se somos da verdade, então somos verdadeiramente dele.
2. Nós conhecemos em nossos corações e temos a certeza de que somos salvos!
C. "porque se o coração nos condena..." v. 20
1. Nossos corações (consciências) nos condenarão porque sabemos que nem sempre amamos os irmãos como deveríamos.
2. João nos afasta dos sentimentos e direciona ao nosso Deus que conhece todas as coisas.
3. Graças a Deus, nossa salvação e segurança não se baseiam nos sentimentos de nossos corações, mas em nosso grande e poderoso Deus.

II. O crente tem confiança. V. 21-22

A. Nossa confiança vem de um coração seguro.
B. Nossa confiança é direcionada a Deus em oração.
1. Se houver pecado no meu coração, não posso orar com confiança.
2. O Espírito Santo me faz lembrar desse pecado e me convence de que eu posso confessá-lo e voltar para a comunhão com o Pai.
3. Quando um cristão está fora da comunhão com um dos irmãos, então ele não pode orar com confiança.
4. Isto também é verdade para o lar do crente. 1 Pedro 3:1: "Semelhantemente vós, mulheres, sede submissas a vossos maridos; para que também, se alguns deles não obedecem à palavra, sejam ganhos sem palavra pelo procedimento de suas mulheres”
C. Nossas orações serão respondidas: v. 22
1. Porque guardamos os Seus mandamentos;
2. Porque fazemos as coisas que lhe agradam.

III. O crente tem uma testemunha. V. 23-24

A. Mandamento em duas partes do Pai.
1. Que creiamos no nome de Seu Filho, Jesus Cristo.
2. Que nos amemos uns aos outros.
B. Como resultado, temos uma testemunha.
1. Permanecemos em Cristo, e Ele habita em nós
2. Sabemos que Ele habita em nós por causa do testemunho do Espírito.

Conclusão: Quando estamos em estreita comunhão com DEUS, devemos ter algumas características visivelmente diferentes em nossa vida.

21 de junho de 2017

Série: Jesus no Evangelho de João - Jesus: O Mestre Divino
Série: Jesus no Evangelho de João - Jesus: O Mestre Divino
Texto: João 3:1-7

Introdução: Devemos lembrar que quando Jesus veio a esta terra, Ele veio ensinar os homens como escapar das trevas e chegarem à luz. Ele veio ensinar os homens a escapar da morte e a entrar na vida.

Neste capítulo, encontramos Jesus realizando seu ministério como mestre divino. Aqui, ele tem a oportunidade de ensinar um doutor da lei e ele faz exatamente isso! No entanto, Jesus usa esta passagem para nos instruir também. À medida que tomamos o tempo de observar esses versículos nesta noite, pode haver alguns dentre nós que estão da mesma forma que Nicodemos.

Aqui está um homem de sucesso que tinha tudo. Ele era respeitado, tinha dinheiro, poder, posição e todas as coisas que são consideradas fundamentais para uma vida bem-sucedida. No entanto, ele não tinha a única coisa que lhe garantiria a vida eterna. Faltava um relacionamento pessoal com o Senhor Jesus Cristo. Esta grande falta na vida de Nicodemos torna-se o tema da lição de Cristo.

Nestes versículos, Jesus explica a salvação a Nicodemos e no processo; Ele também explica isso para nós.

Leia: João 3:1-7


I. O caráter de Nicodemos. v. 1

A. Ele era um dos principais dos judeus - provavelmente um membro do sinédrio.
1. Como tal, ele estava entre os homens mais poderosos naquela época.
2. Ele era um juiz, bem como um membro do Supremo Tribunal.
B. Ele era religioso - Ele foi chamado de fariseu.
1. Isso significa que ele aderiu ao mais rigoroso dos padrões religiosos e éticos.
2. Nem todos os fariseus eram hipócritas.
3. Alguns realmente faziam o melhor para viver diante do Senhor em verdadeira santidade.
4. Parece que Nicodemos era desse calibre.
C. Ele era verdadeiro - Sua abordagem a Jesus indica que Ele era sincero em sua busca pela verdade.
1. Aqui está um homem que queria encontrar a verdadeira paz para sua alma.
2. Ele provavelmente veio de noite, não por medo, mas para que ele pudesse ter uma conversa ininterrupta com Jesus.
3. Eu não me importo com alguém que faz perguntas quando são sinceras e está procurando a verdade.
4. Nem o Senhor!

II. O cumprimento de Nicodemos. v. 2

A. Ele dirigiu-se a Jesus com respeito
1. Nicodemos chama Jesus de "Rabi".
2. Ele se refere a Ele como um mestre, e parece manter Jesus em grande consideração.
B. Ele aborda Jesus com uma percepção
1. Parece que Nicodemos, pelo menos, entendeu que Jesus havia sido enviado de Deus para o mundo.
2. Nicodemos, ao que parece, tinha pelo menos uma vaga compreensão de quem realmente era Jesus.
C. Ele aborda Jesus com raciocínio humano
1. Nicodemos está dando honra a Cristo e está mostrando respeito pelo poder de Cristo que ele viu, (Os milagres).
2. No entanto, ele tinha um conhecimento limitado em sua estimativa de quem realmente era Jesus.
3. Para Nicodemos, Jesus não era mais do que um mestre, ou um profeta que Deus havia enviado.
4. Este é sempre o problema da religião!
5. Conhecimento limitado de quem realmente é Jesus Cristo.
6. Eles querem dizer que Jesus é necessário, mas você deve adicionar o batismo, ou a confirmação, ou a participação da igreja, ou a comunhão, qualquer uma das mil outras coisas.
7. Se a fé deixa de reconhecer Jesus Cristo como o único meio de salvação, então você não tem salvação!
8. É Jesus, mais nada, menos nada.
9. É só Jesus e Jesus somente que podem salvar a alma do pecado.

Veja também:
(João 14:6) “Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim”.

(Efésios 2:8-9) “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie”.


III. O desafio de Jesus - Jesus aborda a necessidade do coração de Nicodemos.

A. Jesus diz a Nicodemos que sua religião não é suficiente para salvar sua alma.
1. Ele diz a Nicodemos que ele deve experimentar o "Novo nascimento".
2. Jesus usou uma ilustração comum para esclarecer seu pensamento.
a. O nascimento é uma experiência universal.
b. Todo mundo passou por isso.
c. Mas Jesus está falando sobre um tipo diferente de nascimento.
B. A natureza do novo nascimento
1. A palavra "de novo" significa "de cima ou de um lugar mais alto".
2. Refere-se a coisas que vêm somente de Deus.
3. Essa é a natureza do novo nascimento.
4. O homem não pode realizá-lo.
5. É uma obra de Deus e de nenhum outro!
C. A Necessidade do Novo Nascimento
1. A palavra "se", no texto é um imperativo.
2. Significa literalmente que uma pessoa não tem outras escolhas no domínio da salvação.
3. Ou você vem da maneira de Deus ou não experimenta a Sua salvação.
4. Em outras palavras, é Jesus ou nada!

(Atos 4:12) “E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, em que devamos ser salvos”.

IV. A confusão de Nicodemos. V. 4

A. Nicodemos, como tantos outros, confundiu as coisas de Deus com as coisas da carne.
1. Ele pensou que Jesus estava se referindo a um retorno ao ventre de sua mãe.
2. Uma coisa que seria uma impossibilidade absoluta.
B. Há muitos que não entendem o plano da salvação.
1. Quando alguém tenta pensar sobre isso em termos humanos, não faz absolutamente nenhum sentido.
2. É uma coisa espiritualmente discernida e a menos que o Espírito de Deus desperte a mente para a verdade do plano de Deus, então não pode haver entendimento e, em última análise, nenhuma salvação.
3. É por isso que Jesus ressalta a necessidade de o Pai levar os homens à verdade.

(João 6:44) “Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou não o trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia”.

V. O esclarecimento de Jesus V. 5-13

- Em um esforço para esclarecer as coisas para Nicodemos, Jesus passa a explicar a forma desse "novo nascimento". 
A. Os instrumentos do novo nascimento
1. Nascido da água.
a. Muitos estão confusos quanto ao que a água aqui se refere.
b. Alguns pensam no batismo, mas isso é impossível, pois isso acrescentaria obras à graça.
c. Refere-se ao nascimento natural.
1) Nicodemos pensava em termos naturais.
2) Jesus explicou que havia necessidade de dois nascimentos ... o natural e o espiritual.
d. Refere-se à Palavra de Deus.
1) É a Palavra de Deus que regenera e move o coração do pecador.
2) É a Palavra de Deus que o torna extremamente consciente de Sua necessidade de Cristo.
3) É a Palavra de Deus que provoca a convicção do pecado e a possibilidade de fé, (Romanos 10:17) “Logo a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Cristo”.
2. Nascido do Espírito
a. Depois que a convicção chega e o Espírito do Senhor move nosso coração, nós temos uma decisão a tomar.
b. Quando voltamos para Jesus para a salvação, nós recebemos a vida eterna.
c. Este é o novo nascimento. (1 João 5:4-5) “porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé. Quem é o que vence o mundo, senão aquele que crê que Jesus é o Filho de Deus? ”
d. Cremos que Jesus Cristo é o que Ele disse que Ele é ... o Filho de Deus!
B. O Imperativo do Novo Nascimento. V. 6-7
1. Jesus novamente enfatiza que há dois nascimentos.
2. O nascimento natural ou carnal, e o nascimento sobrenatural ou espiritual.
3. "Não te admires" ... não se surpreenda com esta declaração simples.
4. "Te" = Nicodemos, mas "Te" também significa todos os homens em todos os lugares.
5. Devemos nascer de novo ... não há outra maneira de ver o reino de Deus ... não há outro meio de ser salvo ... não há outro caminho para ter a vida eterna.

Conclusão: A escolha é nossa ... como responderemos ao Senhor hoje? Continuaremos a nos apegar a falsas esperanças e promessas vazias ... ou abraçaremos a verdade da Palavra de Deus hoje? Venha e nasça de novo!

12 de junho de 2017

Série: Jesus no Evangelho de João - Jesus: A Fonte da Vida
Série: Jesus no Evangelho de João - Jesus: A Fonte da Vida
Texto: João 2:1-11

Introdução: Os relatos dos quatro evangelhos nos dão uma boa compreensão da vida e do ministério de Jesus Cristo enquanto nesta terra. Em cada um deles, Jesus nos é apresentado da perspectiva particular do autor humano.

Esta noite eu quero que consideremos uma breve imagem de Cristo que encontramos no segundo capítulo de João. Aqui encontramos Jesus participando de um casamento. Casamentos são momento muito especiais para todos os envolvidos. Há uma sensação de excitação quando duas pessoas prometem seu amor um ao outro. Os casamentos ocorrem todos os dias do ano. Não importa se são grandes festar, ou se são pequenas reuniões íntimas de apenas alguns amigos. Eles são únicos e especiais por sua própria natureza.

Em nosso texto, nesta noite, encontramos Jesus e seus discípulos presentes em um casamento. Nós não conhecemos as identidades da noiva ou do noivo, porque isso não é o que é importante. O que Deus inspirou João para gravar para nós é o fato de que Jesus se preocupa e se envolve nos problemas e situações da vida cotidiana comum. Você não está contente que Ele se preocupa?

Leia: João 2:1-11

I. A participação de Cristo nos eventos da vida.

A. As Circunstâncias. V. 1-2
1. Um casamento nos dias bíblicos era um grande evento social.
2. A celebração podia durar até uma semana.
3. Mais uma vez, não nos é dito quem vai se casar, mas provavelmente é alguém que é relacionado com Jesus.
4. Eu digo isso porque Maria, a mãe de Jesus, estava envolvida na supervisão das festividades.
5. Se isso nos ensina alguma coisa, nos diz que Jesus escolheu participar desse evento comum, rotineiro e cotidiano.
6. Você vê, Jesus não é apenas para o domingo!
7. Ele deseja e merece ser incluído em toda a nossa vida!
8. De fato, Ele é o Senhor de tudo, ou Ele não é o Senhor de todo!
B. O Convite
1. Jesus está na festa porque foi convidado!
2. Alguém possuía a pretensão e a consideração para chamar Jesus para este evento.
3. Nunca devemos ser culpados de tentar excluir Jesus de qualquer área de nossa vida.
4. Em virtude de Seu sacrifício para nós no Calvário, Ele merece inclusão em tudo o que somos e em tudo o que fazemos. (1 Coríntios 6:19-20) “Ou não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que habita em vós, o qual possuís da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo”.
5. Se somos verdadeiramente dele, então ele tem direitos de acesso a tudo!
a. Alguns, aqui hoje, precisam abrir algumas áreas de suas vidas para Deus.
b. Pare de resistir e dê acesso a Deus a tudo!
c. Em muitas vidas, Jesus permanece de pé olhando para dentro. (Apocalipse 3:20) “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo”.
6. Há momentos em que Jesus está pronto com a solução dos nossos problemas, mas Ele espera pacientemente pelo nosso convite!
7. Por que não faz com que isso aconteça hoje?
C. A Consideração de Cristo
1. Note que quando Ele foi chamado, Jesus foi!
2. Nós nunca nos perguntamos se Jesus vai nos ajudar!
3. Ele se importa e quando chamamos, Ele responderá. (Mateus 7:7-8) “Pedí, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei e abrir-se-vos-á. Pois todo o que pede, recebe; e quem busca, acha; e ao que bate, abrir-se-lhe-á”.

II. O Poder de Cristo nos Eventos da Vida. V. 3-9

A. Um Problema. V. 3
1. Em algum momento durante as festividades, eles ficaram sem vinho.
2. Isso não parece muito problema para nós, mas para os judeus, pode ser ruinoso!
3. Primeiro, era uma questão de honra. O noivo era responsável por fornecer suprimentos adequados.
4. Em segundo lugar, ficar sem vinho causaria constrangimento público para o noivo e sua família.
5. Portanto, este era um problema de tamanho considerável para essas pessoas.
6. A vida nem sempre é como planejamos!
7. Há momentos em que surgem problemas e os problemas vem em nosso caminho.
B. Um procedimento
1. Maria nos mostra exatamente o que precisamos fazer quando surgem problemas em nossa vida.
2. Ela nos dá dois passos que devemos sempre tomar nos momentos difíceis da vida.
a. Leve seu problema a Jesus
1) Quando surgiu o problema, Maria o levou ao Senhor.
2) Isto é exatamente o que precisamos fazer! (Filipenses 4:6-7) “Não andeis ansiosos por coisa alguma; antes em tudo sejam os vossos pedidos conhecidos diante de Deus pela oração e súplica com ações de graças; e a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus”.
b. Siga os Seus Comandos
1) Este é o único comando emitido por Maria em toda a Bíblia.
2) Para aqueles que acham que Maria deve ser reverenciada, adorada, cultuada e obedecida, este é um excelente conselho!
3) Faça o que Jesus diz!
3. A lição para nós é clara!
a. Quando surgem problemas, e os problemas sacodem nossas vidas, a melhor coisa que podemos fazer é simplesmente fazer o que Jesus diz para fazer.

Super recomendo   >>>>>> Seminário de Pregadores <<<<<<<<<< Super recomendo 

b. Agora, o que ele diz para fazer?
1) Mateus 11:28 – Venha a ele.
2) 1 Pedro 5:7 - lance sobre ele toda a sua ansiedade.
3) Romanos 8:28 - Confie nele.
4) Atos 16:31 - Creia nele para salvação.
C. Sua atuação. V. 6-9
1. Jesus tomou o lugar comum e o tornou extraordinário!
2. Ele pode mudar qualquer situação se Ele tiver a oportunidade de fazê-lo.
3. Não era convencional - (Água em vinho!)
4. Jesus não fará as coisas da maneira que pensamos que deveriam ser feitas.
5. Devemos lembrar que os caminhos de Deus não são os mesmos que os nossos! (Isaías 55:8-9) “Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor. Porque, assim como o céu é mais alto do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos”.
6. Note o verso 9 “Quando o mestre-sala provou a água tornada em vinho, não sabendo donde era, se bem que o sabiam os serventes que tinham tirado a água”
7. A maioria das pessoas não tem conhecimento dos milagres de Deus ..., mas isso não significa que eles não existam!

III. As provisões de Cristo nos eventos da vida

A. Ele proveu o que dizia respeito às necessidades físicas dele.
1. Eles tinham uma necessidade imediata que somente Jesus podia resolver.
2. Ele supriu essa necessidade e Ele fará o mesmo por nós!
3. Nota: Filipenses 4:19 “Meu Deus suprirá todas as vossas necessidades segundo as suas riquezas na glória em Cristo Jesus”.
B. Ele proveu o que dizia respeito a fé deles.
1. Observação v. 11 - "e os seus discípulos creram nele".
2. Este foi o primeiro dos muitos milagres que Jesus faria.
3. Foi o início de seu ministério público.
4. Proveu fé para aqueles que o seguiriam.
5. Nossa fé em Jesus nunca está fora de lugar!
6. Quando o Senhor faz algo incrível em nossas vidas, fortalece nossa fé nele!

Conclusão: Deixe-me concluir esta noite com algumas perguntas para você. Primeiro, você conhece pessoalmente Jesus Cristo como seu Salvador? Caso contrário, o convite é para você vir e recebê-lo hoje. Em segundo lugar, você entende que Jesus deseja fazer parte dos eventos de sua vida? Ele se preocupa com os menores detalhes de nossa vida!

Ele está esperando que nós o invoquemos e o convidemos para o nosso momento de necessidade para que Ele possa nos ministrar.

(Mateus 10:29-31) “Não se vendem dois passarinhos por um asse? E nenhum deles cairá em terra sem a vontade de vosso Pai. E até mesmo os cabelos da vossa cabeça estão todos contados. Não temais, pois; mais valeis vós do que muitos passarinhos”.

Qual é a nossa necessidade hoje? Faça como Maria fez, leve-a para um Senhor que se importa. Leve-a para Jesus.

10 de junho de 2017

Série: Comunhão - Características da Comunhão - Parte 2
Série: Comunhão - Características da Comunhão - Parte 2
Texto: I João 3

Introdução: Nas últimas semanas, vimos a primeira epístola de João e vimos o que Deus tem a dizer sobre a "verdadeira comunhão". Algumas semanas atrás, analisamos as características da comunhão em relação à nossa perspectiva ou futuro.

Hoje queremos considerar as características da comunhão em relação à nossa posição. Nota: 1 João 3

I. Precisamos reconhecer a rebeldia do pecado. V. 4-9

A. O pecado e o pecador são definidos. V. 4
1. Um pecador - quem comete pecado.
a. Isso não se refere a um único ato, mas a um estilo de vida contínuo caracterizado pelo pecado.
b. O contraste é feito com o versículo 6, onde João fala sobre "todo aquele que permanece nele"
2. O pecado = transgressão da lei.
a. O pecado é a transgressão do mandamento de Deus.
b. Não estamos sob o domínio da lei, mas a lei de Deus nos lembra que temos obrigações. Romanos 6:14-15: "Pois o pecado não terá domínio sobre vós, porquanto não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça. Pois quê? Havemos de pecar porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? De modo nenhum"
c. A graça de Deus enche o coração do verdadeiro crente para que ele queira cumprir essas obrigações.
3. Todos nós, em um momento ou outro, nos encaixamos na definição acima de um pecador.
a. No entanto, um cristão não é apenas um pecador, ele é um pecador salvo pela Graça!
4. A diferença está nos estilos de vida - um é caracterizado pelo pecado e o outro pela justiça.

B. A missão de Cristo é declarada. V. 5
1. Seu único propósito aqui na Terra era lidar com o pecado.
a. João 1:29, "Eis o Cordeiro ..."
b. Lucas 19:10, "O Filho do Homem ..."
2. Nele não havia pecado.
a. Nota: 1 Pedro 1:18-20
b. Isso não era apenas fato, mas era uma necessidade divina.

C. A comparação dos estilos de vida. V. 6
1. Todo aquele que permanece nele não peca;
a. Se nós permanecemos nele (que é sem pecado), não faremos do pecado nosso estilo de vida.
b. O problema com o qual João estava lidando é aquele que nos confronta hoje, que se você pecar ou não, não faz diferença.
c. Isso é uma mentira do Diabo!
2. Todo aquele que pecar não o viu, nem o conheceu.
a. Mais uma vez, a palavra "pecar" refere-se a uma prática contínua do pecado.
b. A pessoa que adota esse tipo de estilo de vida, diz João, nunca o viu como o Cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo.
c. João diz que essa pessoa nunca o conheceu como seu Salvador
d. Outro problema que nos confronta hoje, são aqueles que dizem que se você comete um único pecado, então você não é mais filho de Deus.
e. Isso é uma mentira do diabo!
f. Em l João 2:1, João lida com estas duas mentiras.

D. A fonte desses estilos de vida. V. 7-8 - NOTA: Um aviso é dado, "ninguém vos engane" quando Deus prefacia uma passagem com tal aviso, precisamos tomar nota, porque é algo em que provavelmente nos enganaremos. Observe alguns avisos semelhantes: Gálatas 6:7; 1 Coríntios 6: 9; Efésios 5:6
1. A fonte do estilo de vida justo é Ele que é justo.
a. Essa vida justa decorre da nova natureza dentro de nós. Cf. O fruto do espírito. Gálatas 5:22
b. Não é nossa justiça que é considerada justa, mas a justiça de Cristo.
2. A fonte de um estilo de vida de pecado contínuo é o Diabo.
a. O diabo peca desde o começo; ele é a fonte do pecado. NOTA: Ele não foi criado como a fonte do pecado, mas tornou-se fonte quando ele cobiçou a posição de Deus. Isaías 14:12-15
b. Novamente, João declara o propósito de Cristo destruir as obras do diabo (que é o PECADO).

E. A característica principal. V. 9
1. Identificação = “Aquele que é nascido de Deus”.
a. Não se refere a nenhum grupo de cristãos.
b. Não se refere ao seu crescimento espiritual.
2. Característica = “não peca habitualmente”.
a. Refere-se novamente à prática contínua e não a um único ato de comissão.
b. Não deixa nenhuma dúvida, sem condições, positiva.
3. Razão: “porque a semente de Deus permanece nele, e não pode continuar no pecado, porque é nascido de Deus”.
a. A semente = a nova natureza (Espírito Santo)
b. A carne (natureza antiga) pode pecar, mas não o espírito. João 3:6
c. A nova natureza ou o homem interior nasce de Deus. Romanos 7:15-25
d. Paulo escreve sobre o conflito das naturezas.

II. Precisamos reconhecer a manifestação da justiça. V. 10-18

A. Nossas vidas estão em exibição.
1. Filhos de Deus:
a. Pratica a justiça.
b. Ama seu irmão.
2. Filhos do diabo:
a. Não pratica a justiça.
b. Não ama seu irmão.

B. Nossas ordens não foram alteradas.
1. A mensagem é a mesma que foi desde o início. João 15:10-12
2. Amar uns aos outros.
a. Não é uma sugestão ou uma opção.
b. Um comando direto.
c. O verdadeiro amor é mais do que emocional, é motivacional: o amor verdadeiro produz ação, deve fazer algo, deve dar, praticará na caminhada o que declara na fala.
d. Deus é o nosso exemplo: João 3:16 Onde estaríamos se Deus amasse, mas não desse?

C. Um exemplo de uma família anormal. V. 12-13
1. Os verdadeiros crentes não acham difícil amar uns aos outros. O amor entre os irmãos é natural.
2. Uma família onde nenhum amor existe não é uma família normal. Se um irmão não ama o outro, se uma irmã não ama a outro, não é natural.
3. Para ilustração, João se refere a Caim e Abel.
a. Caim era daquele perverso. (João 8:44; Efésios 2:3)
b. Abel era de Deus. (Hebreus 11:4)
c. Por que Caim matou Abel? Porque suas obras eram malignas e as de Abel era justa.
d. Caim e Abel viveram em duas diferentes esferas da vida: um na escuridão e o outro na luz. João 3:19-20
4. Meus irmãos, não vos admireis se o mundo vos odeia.
a. Você não pode amar o mundo e amar a Deus também.
b. Se você ama a Deus, então, o mundo o odiará.
c. Se você está vivendo como o diabo e não vê nada de errado nisso, dê uma olhada em 2 Coríntios 2:14. Você é cego para o espiritual.

D. O verdadeiro amor produzirá segurança. V. 14-15
1. Sabemos que passamos da morte para a vida.
a. Sem dúvida, sabemos!
b. Um filho de Deus sabe se ele é um filho ou não, por um ou todas essas maneiras:
1) Testemunho da Palavra. João 5:24, 1 João 5:10-13
2) Testemunho do Espírito. Romanos 8:16
3) Testemunho de nosso próprio coração - o novo coração que Deus coloca dentro de nós no novo nascimento. 1 João 3:20
4) Testemunho do nosso amor pelos irmãos. Nota: Não somos salvos por amar os irmãos; amamos os irmãos porque somos salvos. João 13:35
2. O que não ama os seus irmãos permanece na morte.
a. Isto é dito com a mesma certeza.
b. Se você não ama os outros membros da família, então você não é parte dessa família.
3. Se você odeia, então você é um assassino: você sabe que os assassinos não têm a vida eterna!

E. O exemplo supremo do amor. V. 16-18
1. O exemplo: "Nisto conhecemos o amor..."
a. Podemos dizer que Deus lhe ama.
b. Podemos citar a Escritura após a Escritura de que Deus é amor, por Deus tão amado ...
c. A única maneira que podemos entender com qualquer grau de compreensão é perceber que "Cristo deu a sua vida por nós..."
d. Nossa compreensão disso não significará nada até que possamos perceber isso de forma pessoal. Ele deu a Sua vida por mim!
e. O amor de Deus é pessoal NOTA: Romanos 10:9 - A salvação de Deus é salvação pessoal.
2. Nossa Resposta: "e nós devemos dar a vida pelos irmãos"
a. Não da mesma maneira que Cristo deu Sua vida por nós, não podemos ser o Salvador de ninguém!
b. Ele ilustra o que Ele significa nos seguintes versículos: (17-18)
1) Se você tem a riqueza deste mundo, e vê um irmão necessitado
2) Se, quando você vê um irmão em necessidade, você não tem compaixão por ele.
3) Então, como o amor de Deus habita em Ti?
c. Não há nada de errado em ser rico - o pecado contra Deus está em possuir riqueza sem qualquer compaixão pelos irmãos.
1) Note o exemplo de Cristo:
· Mateus 9:36: "Vendo ele as multidões, compadeceu-se delas, porque andavam desgarradas e errantes, como ovelhas que não têm pastor".
· Mateus 14:14: "E ele, ao desembarcar, viu uma grande multidão; e, compadecendo-se dela, curou os seus enfermos".
· Mateus 15:32: "Jesus chamou os seus discípulos, e disse: Tenho compaixão da multidão, porque já faz três dias que eles estão comigo, e não têm o que comer; e não quero despedi-los em jejum, para que não desfaleçam no caminho".
· Mateus 20:34 "E Jesus, movido de compaixão, tocou-lhes os olhos, e imediatamente recuperaram a vista, e o seguiram".
· Marcos 1:41: "Jesus, pois, compadecido dele, estendendo a mão, tocou-o e disse-lhe: Quero; sê limpo".
· Marcos 5:19: "Jesus, porém, não lho permitiu, mas disse-lhe: Vai para tua casa, para os teus, e anuncia-lhes o quanto o Senhor te fez, e como teve misericórdia de ti".
· Marcos 6:34: "E Jesus, ao desembarcar, viu uma grande multidão e compadeceu-se deles, porque eram como ovelhas que não têm pastor; e começou a ensinar-lhes muitas coisas".
· Lucas 7:13: "Logo que o Senhor a viu, encheu-se de compaixão por ela, e disse-lhe: Não chores".
2) Jesus foi compassivo, Ele é o nosso exemplo, Cristão, significa ser como Cristo.
3) Sua única motivação foi a compaixão.
4) Nossa advertência: Filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obras e em verdade.
a) Em termos simples e simples, Ele está dizendo: "Não basta falar sobre isso - faça isso!"
b) Tiago 1:22 diz que você se engana se você não é cumpridor da Palavra.
c) A fé é justificada pelas obras. NOTA Tiago 2:18-24
i. Abraão poderia ter ficado perto do acampamento e dito a Deus tudo sobre o quanto Ele o amava e queria obedecer seus mandamentos.
ii. Mas: Ele foi justificado quando se propôs a fazer o que Deus lhe ordenara que fizesse.

Conclusão: A verdadeira comunhão, em relação à nossa posição, caracteriza-se por reconhecer a rebeldia do pecado e a manifestação da justiça. A justiça é manifestada pela nossa obediência, amor e compaixão.

6 de junho de 2017

Série: Jesus no Evangelho de João - Jesus: A Palavra de Deus
Série: Jesus no Evangelho de João - Jesus: A Palavra de Deus
Texto: João 1:1-15

Introdução: O evangelho de João foi escrito pelo velho apóstolo em cerca de 85 dC. Foi o último dos quatro Evangelhos a serem escritos. Quando o livro foi distribuído entre a comunidade cristã, os outros Evangelhos eram bem conhecidos. As pessoas de todo o mundo já tinham os relatos da vida de Cristo, conforme registrado por Mateus, Marcos e Lucas. Estes três primeiros Evangelhos são chamados de Evangelhos Sinópticos. A palavra "sinóptico" significa "visto junto". Isso significa que os três primeiros Evangelhos contêm muitas das mesmas histórias e ensinamentos, mas contados de um ângulo diferente. No entanto, cada um deles totalmente inspirado pelo Senhor.

O Evangelho de João é diferente! Nas páginas deste livro maravilhoso, vemos um lado de Cristo que os outros escritores evangélicos não tocam. João era parte desse círculo interior abençoado, aquele grupo de discípulos que estavam com Cristo durante alguns de seus momentos mais íntimos. Neste evangelho, João nos dá 21 capítulos que, à medida que cada um se desenrola, apresentam uma nova faceta do caráter divino de Jesus Cristo.

Neste capítulo de abertura, João pinta uma imagem de Jesus como "A Palavra de Deus". Há três verdades reveladas nestes versículos sobre Jesus como A Palavra de Deus.

I. Jesus é a Palavra Preexistente. V. 1-3

A. Ele é a Palavra Constante. V. 1a
1. De acordo com este versículo, Jesus sempre existiu!
2. Ele não veio a existir em Belém, mas Ele esteve aqui durante todos os eternos tempos das eternidades.
3. Eu nasci há cerca de 49 anos, mas Jesus sempre foi, e sempre será!
4. Ele é a constante e imutável Palavra de Deus. (Hebreus 13:8) “Jesus Cristo é o mesmo, ontem, e hoje, e eternamente”.
5. É por isso que podemos depender de Jesus, Ele não nos faltará!
6. Ele nunca vai nos deixar nem nos deixar - Hebreus 13:5.
B. Ele é a Palavra Controversa. V. 1b
1. Quando Jesus veio pregando arrependimento, os homens achavam que Ele era estranho.
2. Quando Ele começou a curar e a fazer milagres, os homens achavam que Ele era um profeta enviado por Deus.
3. Quando Ele falou a Palavra de Deus com poder, os homens achavam que Ele era incrível.
4. Mas quando Jesus reivindicou igualdade com Deus, os homens achavam que Ele era um louco.
5. Foi quando Ele parou de ser uma benção e tornou-se uma controvérsia.
6. Os homens ainda lutam com essas verdades!
a. Eles estão dispostos a aceitar o Cristo humilde, o ensino de Cristo, o Cristo manso, o Cristo Servo e o Cristo morto.
b. Mas eles não querem reconhecer a Jesus como Deus!
c. Mas ele não é apenas um bom mestre; Ele não é apenas outro profeta; Ele é Deus!
C. Ele é a Palavra Criativa. V. 3
1. Este versículo nos diz que Jesus era o poder por trás da criação do universo.
2. Ele falou e aconteceu!
3. Ele ficou à beira do nada e chamou tudo a existência, (Colossenses 1:16-17) “porque nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado por ele e para ele. Ele é antes de todas as coisas, e nele subsistem todas as coisas”.
D. Jesus é a Palavra de Deus Preexistente.
1. Ele sempre foi e Ele sempre será!
2. Isso é de grande conforto para o crente!
3. Não importa onde acabemos, ou o que temos de enfrentar à medida que caminhamos por este mundo, podemos ter a certeza de que o pré-existente é, e sempre será, para nós!
4. Ele é a Palavra preexistente do Deus Vivo!

II. Jesus é a Palavra Personalizada

A. A Forma da Sua Encarnação. V. 14a
1. Este versículo nos diz: "E o Verbo [Palavra] se fez carne, e habitou entre nós".
2. Como Deus poderia se tornar um homem?
3. A resposta a esta pergunta está somente na mente de Deus.
4. Uma vez que o próprio Jesus existia desde todas as eternidades passadas, Ele tomou sobre si um manto de carne ali em Belém.
5. Este versículo diz que Deus "habitou" entre nós.
a. Essa palavra é rica em significado.
b. Significa literalmente que Jesus colocou sua tenda aqui entre os mortais.
c. Ele morou entre nós, trabalhou entre nós, orou entre nós, sofreu entre nós e morreu entre nós.
d. Deus caminhou sobre a terra e não foi reconhecido por muitos que entraram em contato com ele.
e. Que tragédia que os homens entraram em contato com o Salvador e ainda assim não o reconheceram.
B. A Majestade da Sua Encarnação. V. 14b
1. "e vimos a sua glória"
2. João realmente viu a glória de Jesus em um sentido muito real.
a. Em Mateus 17, João, juntamente com Tiago e Pedro acompanharam Jesus em um monte.
b. É chamada de Transfiguração, porque Jesus literalmente se transfigurou diante deles para revelar Sua glória.
3. Mas a sua maior glória foi revelada no dia em que Ele se permitiu ser pregado em uma cruz e morreu por nós. (Romanos 5:8) “Mas Deus dá prova do seu amor para conosco, em que, quando éramos ainda pecadores, Cristo morreu por nós”.

III. Jesus é a Palavra Proclamadora. V. 18

A. Jesus veio revelar Deus ao homem.
1. A palavra "conhecer" significa "revelar".
2. Tudo o que o Senhor fez foi simplesmente revelar mais da revelação de Deus para o homem.
3. Os homens precisavam ver Deus não apenas como um legislador, mas também como aquele que os amava e se entregaria por eles.
4. Jesus fez isso por Sua vida.
B. Nota: João 1:4-9
1. Ele chegou a um mundo em trevas espirituais e iluminou a luz da verdade de Deus para os homens que vagavam pela escuridão.
2. Esta luz irá realizar uma das duas coisas...
3. Ela fará com que os homens se arrependam de seus pecados e corram para os braços abertos do Senhor.
4. Ou fará com que eles rejeitem a luz e continuem no caminho da escuridão.
5. Uma levará à salvação; a outra levará à condenação! (João 3:36) “Quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, porém, desobedece ao Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus”.
C. Nota: João 1:10-13
1. Jesus veio proclamar que havia um caminho para ir ao Pai e experimentar a vida eterna.
2. Que resposta triste no versículo 11, "Veio para o que era seu, e os seus não o receberam”.
3. O versículo 12-13 faz claro que todo aquele que ir a Jesus pela fé e o receber no seu coração e vida, experimentará o novo nascimento e entrará na vida eterna.

Conclusão: Existe apenas uma entrada para a vida eterna e essa é através do Filho de Deus. Se você nunca conheceu Jesus e recebeu o perdão de seu pecado, agora é o momento. Jesus está pronto para revelar o Pai para você. Ele espera que você responda a Sua luz para que ele possa dar-lhe a vida dele. Você fará o que precisa fazer hoje e vir a Jesus?

5 de junho de 2017

O Temor do Senhor
O Temor do Senhor
Texto: Provérbios 1:7

Introdução: No início do livro de Provérbios, o sábio começou a enfatizar "o temor do Senhor" (1:7).

Ao longo do livro, ele explicou por que devemos temer o Senhor. Este sermão considerará o que o sábio ensinou sobre o temor do Senhor.

1. O que é o temor do Senhor?

A. Palavra hebraica (yirah) - medo, terror, respeito, reverência (Brown, Driver, Briggs Hebrew Lexicon)
B. Respeito / reverência por quem é Deus (Salmo 33:6-11)
C. Terror pelo que Deus pode fazer (Hebreus 10:30-31) - não que devamos ter medo, mas devemos reconhecer Seu poder para destruir os ímpios

O que o Livro de Provérbios nos ensina sobre o temor do Senhor

2. É o princípio do conhecimento (1:7)

A. Sem temor, não há motivo para ouvir Sua Palavra
B. Discernir / entender o temor do Senhor leva a descobrir o conhecimento de Deus (2:5) - temer a Deus não significa que nós entenderemos automaticamente Sua vontade, mas é o ponto de partida necessário
C. Uma passagem semelhante sobre a sabedoria (9:10; 15:33) - adquirimos sabedoria através da aquisição de conhecimento (1:7; 9:9-10)

3. É uma escolha (1:29)

A. "A sabedoria grita nas ruas" para que as pessoas recebam instrução dela (1:20-23) - infelizmente, as descritas nesta passagem rejeitam a sabedoria (1:24-25)
B. Elas não escolheram o temor do Senhor (1:29) - esta é uma escolha que todos devemos fazer
C. Escolha viver no temor do Senhor sempre em vez de invejar os pecadores (23:17) - apesar dos "benefícios" que eles gozam no pecado, eles não têm "futuro" (24:19-20)

4. É valioso (22:4)

A. Se o temor do Senhor é escolhido, por que escolheríamos? - Bênçãos terrenas (22:4; 3:16); para evitar a calamidade (28:14; 13:15); bênçãos espirituais (15:16)
B. É muito melhor temer ao Senhor do que não o temer (Eclesiastes 8:12; Provérbios 23:17-18)

5. Prolonga a Vida (10:27)

A. Verdadeiro nesta vida porque evitaremos muitas das consequências do pecado (28:14; 13:15)
B. Também é verdade porque leva à vida eterna (10: 27-28) - esperança após a morte (14:27, 32)
C. Se queremos ter esperança depois desta vida, devemos temer o Senhor (Atos 10:34-35)

6. Ele faz com que o homem se afaste do mal (3:7; 16:6)

A. A razão é porque reconheceremos a habilidade e disposição de Deus para punir o pecado (1 Coríntios 10:5-11)
B. Mais do que simplesmente se afastar do pecado, odiaremos o mal (8:13) - o Senhor odeia o pecado (6:16-19); se o seguirmos, também o faremos (Salmo 119:104)

7. Ele faz com que se ande em retidão (14:2)

A. Se afastar do mal [ponto anterior] é sobre evitar o pecado - trata-se de buscar ativamente um curso específico
B. Caminharemos na retidão (14:2) - continuaremos indo em certa direção
C. Esta palavra significa retidão - não nos desviamos do caminho que Deus deu (Deuteronômio 5:32; Provérbios 4:26-27); se o temermos, obedeceremos a ele (Eclesiastes 12:13)

8. Ele faz com que o homem durma satisfeito (19:23)

A. O que é necessário para o sono satisfeito? - Consciência limpa (2 Coríntios 7:10; Atos 23: 1); Falta de preocupações (Eclesiastes 5:12; Mateus 6: 31-34); Proteção (Provérbios 30:5; Mateus 10:28)
B. Se não tememos a Deus, teremos culpa, nossas preocupações serão ampliadas e estaremos em perigo espiritual

9. Dá confiança (14:26)

A. Não há excesso de confiança ou confiança em si mesmo - essa é uma confiança em Deus (Salmo 118:6)
B. Como observamos, o temor leva à obediência (Eclesiastes 12:13) – a medida que obedecemos, podemos ter confiança (1 João 2:28-29)
C. Essa confiança está enraizada em uma confiança nas promessas de Deus (Hebreus 6:11-12, 18-19)

10. Dá estabilidade (24:21)

A. Instrução para temer ao Senhor e ao rei e não associar com aqueles que "gostam de mudanças" (24:21) - eles querem mudança por causa da mudança; nunca estão contentes.
B. O contraste é que o temor de Deus leva à estabilidade em vez de estar em um estado de mudança perpétua
C. Aqueles que são justos não serão movidos (12:3) - apesar das tempestades da vida (Mateus 7:24-27)

11. Faz com que o homem seja digno de louvor (31:30)

A. Isso vem ao final da descrição da mulher virtuosa - ela é digna de louvor porque teme ao Senhor (31:30); O princípio é verdadeiro para todos os que temem ao Senhor
B. Devemos respeitar e imitar aqueles que seguem fielmente o Senhor (Hebreus 13:7)
C. Nós também seremos exaltados pelo Senhor, se formos fiéis a Ele (1 Pedro 5:6; 1:3-7)

3 de junho de 2017

Série: Comunhão - Características da Comunhão - Parte 1
Série: Comunhão - Características da Comunhão - Parte 1
Texto: I João 2:28 - 3:3

Introdução: Observamos o tema da verdadeira comunhão, como abordado por João nesta primeira epístola. Vimos as condições da verdadeira comunhão e como deve ser a conduta da verdadeira comunhão.

Esta noite queremos ver o que ele tem a dizer sobre as características da verdadeira comunhão.

João tem muito a dizer sobre esta área da comunhão. Primeiro, queremos considerar as características da comunhão em relação à nossa perspectiva.

I. Nossa Prática. 2:28-29

A. Permanecer em Cristo.
1. Este princípio da vida permanente é repetido por João.
2. É nossa obediência à Sua Palavra que mantém nossa comunhão com Deus.
3. Isso trará confiança e não seremos envergonhados quando comparecermos diante de nosso Senhor na Sua vinda.

B. Fazer a justiça.
1. Saber que Cristo é justo, obriga aquele que permanece nele a exibir a justiça em suas vidas.
2. João não está dizendo que todos os que nasceram de novo farão justiça, porque é possível que um filho de Deus ande na escuridão, fora da comunhão com Deus.
3. Ele está dizendo que somente aqueles que nasceram de novo podem praticar a verdadeira justiça.

II. Nosso privilégio. 3:1-2

A. '... Nós somos chamados de filhos de Deus ...'
1. Por causa do modo de amor de Deus.
2. Não por causa da "Paternidade de Deus e da Irmandade do homem".
a. Pelo aspecto natural somos irmãos porque todos somos descendentes de Adão.
b. Nós não somos todos irmãos espiritualmente!
c. Jesus falou sobre aqueles que não nasceram de novo, em João 8:44, "Vós tendes por pai o Diabo".
d. Paulo escreveu em Gálatas: "Vós sois todos filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus". 3:26
e. Duas famílias básicas existem hoje nesta terra: a família de Deus e a família de Satanás.
1) Uma família da vida; a outro da morte.
2) Uma família da luz; a outro da escuridão.
3) Uma família da justiça; a outro da maldade.
f. A única maneira de passar da família de Satanás para a família de Deus é pela "Graça de Deus".
g. A graça é o favor não merecido de Deus. João 1:12-13: "Mas, a todos quantos o receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus".

B. '.... Por isso o mundo não nos conhece...'
1. Os incrédulos não entendem por que os cristãos vivem do jeito que eles vivem.
a. Somos considerados fanáticos ou bíblias.
b. Nossos intelectos são muitas vezes atacados porque "uma pessoa é ignorante por virar as costas para os prazeres mundanos apenas para a igreja e a religião".
c. Paulo nos lembra que o homem natural não consegue entender as coisas espirituais. 1 Coríntios 2:14
2. Os incrédulos não entendem porque não estão conscientes do que nos motiva.
a. Nosso primeiro motivo para servir a Deus deve ser por amor de nosso Salvador.
b. Também devemos querer servi-Lo porque desejamos ser obedientes.
c. Deus tem muito reservado para aqueles que o servem fielmente. Salmo 84:11: "Porquanto o Senhor Deus é sol e escudo; o Senhor dará graça e glória; não negará bem algum aos que andam na retidão".

C. "Porque não o conheceu ..." - João 1:10, "Ele estava no mundo, e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o conheceu". - Gálatas 6:14: "Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo".
1. A título ilustrativo: entramos em um mortuário onde dois mortos estão em seus caixões: que companheirismo esses dois têm?
2. NENHUM! E com razão, o mundo está morto para um crente de mentalidade espiritual e ele está morto para o mundo.
3. Amós 3:3, pergunta: "Acaso andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?"
4. Se somos verdadeiros crentes, caminhando na luz, o mundo não nos conhece e não quer nos conhecer. João 3:19: "E o julgamento é este: A luz veio ao mundo, e os homens amaram antes as trevas que a luz, porque as suas obras eram más".
5. Se você voltar para o mundo, não será porque o mundo o desviou! Será porque você se impôs sobre o mundo até que o levou para dentro.

D. "Amados, agora somos filhos de Deus..."
1. Deus é muito específico aqui, Ele não diz que podemos ser ou nós poderíamos ser ou que, uma vez que chegarmos ao céu; Deus diz agora!
2. Todo crente verdadeiramente nascido de novo é um filho de Deus e o Espírito Santo habita dentro dele.
a. Nós nascemos do Espírito. João 3:5
b. Somos batizados no corpo de Cristo pelo Espírito. 1 Coríntios 12:12-13
c. Somos guiados pelo Espírito. Romanos 8:14
d. Nós somos assegurados pelo testemunho do Espírito. Romanos 8:16
e. Nós somos selados pelo Espírito. Efésios 4:30

E. "...e ainda não é manifesto o que havemos de ser...."
1. Depois da ressurreição, Jesus ascendeu ao Pai e depois voltou à Terra novamente (talvez em questão de segundos).
2. Seu corpo de ressurreição não estava limitado pelo tempo, espaço ou matéria: ele desapareceu depois de conversar com os dois na estrada para Emaús.
3. Ele apareceu no meio dos discípulos no quarto superior através de portas fechadas e, no entanto, seu corpo tinha substância porque Tomé sentiu as cicatrizes.
4. Seu corpo tinha a capacidade de comer alimentos terrenos, independentemente de ter ou não a necessidade.
5. Mesmo que Deus tivesse tomado o tempo para explicar tais mistérios, é duvidoso que possamos compreender.

F. ".... Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é, o veremos".
Filipenses 3:20-21: "Mas a nossa pátria está nos céus, donde também aguardamos um Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o corpo da nossa humilhação, para ser conforme ao corpo da sua glória, segundo o seu eficaz poder de até sujeitar a si todas as coisas".

1 Coríntios 15:51-52: "Eis aqui vos digo um mistério: Nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados, num momento, num abrir e fechar de olhos, ao som da última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos serão ressuscitados incorruptíveis, e nós seremos transformados".

João 20:29: "Disse-lhe Jesus: Porque me viste, creste? Bem-aventurados os que não viram e creram".

III. Nossa perspectiva. 3:3

A. "E todo o que nele tem esta esperança..."
1. O que é "essa esperança"?
a. Aqui, a palavra "esperança" não tem qualquer dúvida sobre isso.
b. Significa "expectativa favorável e confiante"
c. Como é usado na passagem aqui, ele se refere ao versículo dois, aguardando o retorno de Jesus. Tito 2:13, "aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus"
d. A segunda vinda de Jesus Cristo é tão certa quanto Sua primeira vinda. Os mesmos profetas que predisseram Sua primeira vinda falam de Sua segunda vinda!
2. A quem se refere “todo”?
a. Não a todos os homens do mundo, mas para aqueles nos versículos anteriores que foram chamados filhos de Deus.
b. A "esperança" está dentro de nós, se você é salvo, você tem o Espírito Santo vivendo dentro de você.
c. Se você não está esperando Jesus voltar a qualquer momento, então você será pego despreparado!
d. Será tarde demais para fazer as coisas que você sabe que você deveria fazer, muito tarde para começar a testemunhar, muito tarde para começar a entregar o dízimo, muito tarde para desistir de seus ídolos pessoais que impedem que você seja um cristão eficaz aqui na Terra.

B. "... E todo o que nele tem esta esperança, purifica-se a si mesmo, assim como ele é puro".
1. "Purifique-se a si mesmo" é ensinar obras; não para a salvação, mas para o serviço.
2. A palavra significa limpar da impureza.
3. Tiago nos ordena que nos purifiquemos em Tiago 1:18-25. - João 15:3: "Vós já estais limpos pela palavra que vos tenho falado". - Efésios 5:26: "a fim de a santificar, tendo-a purificado com a lavagem da água, pela palavra"
4. "assim como ele é puro", só pode se referir a Jesus.
a. Ele é o nosso ponto de referência padrão.
b. Quando você quer ver o quanto um copo está limpo é só você o segurar em direção a luz, e a luz irá revelar todos os lugares que precisam de limpeza adicional.
c. Os cristãos cujas vidas têm pecado não confessado também não são reflexos muito agradáveis ​​para Jesus.
5. Aquele que "nele tem esta esperança; purifica".
a. Nossa esperança está fixada em ver Cristo e se tornar como Ele.
b. E nosso esforço deve ser viver como Ele agora mesmo.

Filipenses 3:13-14: "Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo pelo prêmio da vocação celestial de Deus em Cristo Jesus".

Conclusão: O simples fato de que estamos à espera de Jesus retornar a qualquer momento deve motivar-nos a querer nos purificar para o Seu retorno. Nós demostramos as características de uma verdadeira comunhão em nossas vidas? Esta noite consideramos nossa prática (permanecer em Cristo e fazer justiça), nosso privilégio (ser chamado de filhos de Deus) e nossa perspectiva (aguardar e buscar a vinda de Cristo).