Mostrando postagens com marcador Familia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Familia. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Treinando nossos filhos

treinando-nossos-filhosTexto: Provérbios 22:6

 

Introdução: Qual é o seu objetivo na criação dos seus filhos?

A Bíblia ensina que a prioridade dos pais na educação dos filhos deve ser espiritual. Provérbios 22:6 diz: "Ensina a criança no caminho em que deve andar, e até quando envelhecer não se desviará dele"

Nossa tarefa principal é preparar nossos filhos e filhas para andar de acordo com o plano, vontade e o propósito de Deus para suas vidas. Devemos incutir neles uma fé inabalável que irá protegê-los do ataque do Diabo.

I. O que dizem as Escrituras?

A. Os pais devem conversar diariamente com seus filhos sobre as coisas do Senhor (Deuteronômio 6:7).

B. Deus confiou aos pais um papel único na vida de seus filhos. Você pode se sentir muito ocupado com sua carreira, tarefas, e passatempos para investir em seus filhos. Mas não deixe esta importante tarefa para outra pessoa.

III. Como você deve ensinar o seu filho?

A. Investindo tempo de qualidade. Não há substituto para uma mãe ou um pai. Certifique-se de investir em seus filhos cedo e frequentemente.

B. Ouvindo-os. Quando seus filhos estão dispostos a falar com você, dê-lhes a sua atenção. Eles estarão mais propensos a fazer o mesmo por você quando for a hora certa.

C. Admitindo quando você está errado. Não deixe o orgulho impedi-lo de ser transparente. Você vai se surpreender ao ver como a confissão remove as barreiras à intimidade e confiança. E seus filhos vão admitir com mais facilidade quando eles pecarem também.

D. Amando-os incondicionalmente. Não faça que a sua aceitação dependa de sua aparência, personalidade, ou de desempenho (1 Coríntios 13:8). Mostre uma genuína afeição por seus filhos, e eles vão fazer o melhor para agradá-lo.

E. Disciplinando seus filhos. Muitos livros para os pais modernos desencoraja corrigir, punir e castigar os filhos, mesmo quando eles voluntariamente desobedecem. Esta ideia é diametralmente o oposto ao ensino claro da Escritura (Provérbios 3:12).

F. Incentivando-os a desenvolver seu potencial. Vez após vez, minha mãe me dizia: "Aldenir, você precisa buscar o seu melhor, fazer o seu melhor, e ser o seu melhor." Sem criticar ou envergonhar seus filhos, desafie-os a subir para o seu pleno potencial.

G. Ensinando-os a prestar contas a Deus. Até seus filhos compreender que o Pai celestial vê tudo o que eles fazem, eles são susceptíveis de se rebelar quando você não estiver por perto.

H. Enfatizando a importância de um relacionamento com Jesus. Através de suas palavras, bem como o seu estilo de vida, ensine seus filhos a importância de se comprometer com o Senhor.

I. Incentivando-os a ler a Palavra. A leitura diária da Bíblia e a oração vai dar aos seus filhos uma forte bússola moral. A menos que a luz da Palavra de Deus brilha em seus caminhos, seus filhos vão tropeçar ao longo da vida (Salmo 119:105).

J. Ensinando-lhes que Deus tem um plano para suas vidas. Diga a seus filhos que o Senhor tem o cônjuge certo, uma determinada carreira, e um chamado específico para eles. Quando as crianças são criadas sabendo que Deus planejou o seu futuro, elas são motivadas a procurá-lo para a direção.

K. Dizendo-lhes para obedecer a Deus e deixar todas as consequências para ele. Nesta declaração, você está ensinando-os a reconhecer a soberania do seu Criador e seu interesse pessoal neles, este princípio vai ajudá-los saber que podem confiar nele para cuidar das consequências.

 

Recomendo que você leia:  Filhos rebeldes: De quem é a culpa?

 

Conclusão: Treine seus filhos de tal maneira que eles vão seguir a Jesus todos os dias de suas vidas (Provérbios 22:6). Com sua orientação e apoio, eles estarão prontos para superar os ataques do inimigo, corajosamente defenderem a sua fé, e tomar uma posição pela verdade. Apesar de um mundo que é hostil a nossa fé, eles serão capazes de atingir seu pleno potencial, não apenas espiritualmente, mas também em todos os aspectos.

 

Pr. Aldenir Araújo

sexta-feira, 15 de março de 2013

Como Jesus dá o exemplo perfeito para todo marido

marido-mulherTexto: Efésios 5:25-28

 

Introdução: A noiva de Cristo é a Igreja e Ele é o exemplo perfeito do que um marido deve ser, deve fazer e deve se esforçar para realizar. Paulo escreve: "Maridos, amai as vossas mulheres, como Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela para a santificar, purificando-a pela lavagem de água pela palavra, para a apresentar a si mesmo como igreja gloriosa, sem mancha nem ruga ou qualquer outro defeito, mas santa e irrepreensível. Assim também, os maridos devem amar suas esposas como seus próprios corpos" (Efésios 5:25-28)

 

Como Jesus demonstrou o exemplo perfeito para todo marido?

 

1. O proposito maior de Jesus para a Sua noiva, a igreja, é a santidade. Todo marido deve amar a sua esposa, e não apenas para ela se sentir bem, mas para ajudá-la a tornar-se mais semelhante a Jesus. Quando o marido visa trazer a si mesmo e sua esposa a um nível maior de maturidade espiritual, Ele vai seguir nas pisadas de Jesus.

 

2. Jesus cumpriu seus propósitos para a igreja através do poder do amor. Motivado por um amor incondicional por sua noiva, a igreja, Ele voluntariamente deu a Sua vida para o benefício da igreja.

 

3. Jesus reconheceu que todo relacionamento exige constante renovação, refino e restauração. Todo relacionamento entre marido e mulher exige um fluxo continuo de cuidados. Ninguém que não está disposto a gastar uma grande quantidade de energia no casamento deve celebrar este contrato sagrado.

 

4. Jesus assumiu dores semelhantes, condições e realidades com a sua noiva, a igreja. Um grande marido está disposto a assumir as mesmas condições de vida, problemas, realidades humanas, juntamente com sua esposa. O marido não deve tentar viver acima das realidades cotidianas de sua esposa, mas compartilhar o que têm em comum.

 

5. Jesus viu a sua noiva como um meio de trazer uma boa notícia para as comunidades vizinhas. O Senhor sabia que a boa notícia do perdão, da vida eterna e a vida abundante seria melhor promovida através da vida e ministério de sua noiva, a igreja. Da mesma forma, os maridos e esposas formam uma grande equipe promocional para a apresentação de exemplos e propósitos da vida de Cristo. Quando um marido e uma esposa compartilham um ministério de reconciliação, amor e serviço; eles são atraídos mais próximos.

 

6. Jesus viu a sua noiva, a igreja, como possuidora de riqueza incalculável, beleza e dignidade. Todo marido que vê a sua mulher como alguém que é tão valiosa como joia preciosa estima-a a cada minuto.

 

7. Jesus viu o crescimento de sua noiva, a igreja. O Senhor prometeu: "Eu edificarei a minha Igreja e as portas do inferno (Todas as forças opostas do mal) não prevalecerão contra ela" (Mateus 16:18)

Todo bom marido trabalha diligentemente para edificar sua esposa espiritualmente, emocionalmente, mentalmente e fisicamente.

 

8. Jesus remove as doenças de sua noiva, a igreja. Todo marido recém-casado se preocupa com o menor resfriado da sua amada. No entanto, depois de décadas de casamento muitos maridos, apenas diz a sua esposa: “tome uma aspirina e vá para a cama”. Não é assim com Jesus.

 

9. Jesus continua a proteger, preservar e evitar que danos atinja a Sua noiva, a igreja. Maridos amorosos protegem suas esposas de qualquer desconforto desnecessário.

 

10. Jesus sempre admira a beleza e o valor de sua noiva, a igreja. Um marido atencioso está disposto a lembrar constantemente sua noiva como ela é bela, formosa.

 

O ministério do marido de afirmação, louvor e agradecimento garante a esposa de Seu amor.

 

Pr. Aldenir Araújo

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Um verdadeiro lar

Um verdadeiro larTema: Família

 

Texto: Salmos 127:1

 

Introdução:

A. O que é um verdadeiro lar?

1. Edward Purinton enumerou 10 coisas que caracterizam um verdadeiro lar.

a. Um verdadeiro lar é um ginásio. O ideal de um corpo saudável é o primeiro que se deve dar para uma criança.

b. Um verdadeiro lar é um farol. Um farol que revela os disjuntores em frente e mostra de forma clara por eles.

c. Um verdadeiro lar é um parque de diversões. Cuidado com a casa onde "não há alegria" - há mal que está sendo preparado para alguém.

d. Um lar é uma oficina. Que pena do menino sem um kit de ferramentas ou a menina sem uma cesta de costura. Eles não aprenderão a diversão de fazer as coisas - e isso não é divertido.

e. Um verdadeiro lar é um fórum. Honesta, a discussão aberta dos grandes problemas da vida pertence originalmente ao círculo familiar.

f. Um verdadeiro lar é uma sociedade secreta. Lealdade a uma família significa manter em silêncio sobre as questões de família - apenas isso e nada mais.

g. Um verdadeiro lar é um centro de saúde. Mães são médicas naturais.

h. Um verdadeiro lar é uma cooperativa. Famílias florescem quando os interesses de cada um são feito no interesse de todos.

i. Um verdadeiro lar é um lugar de refúgio. O mundo não faz isso por nós: ele nos dá é uma fome de um amor simpático e um toque de amor, calmante suave.

j. Um verdadeiro lar é um templo de adoração.

B. Como podemos fazer de nossa casa um verdadeiro lar?

1. Faça de Deus a Fundação.

A. Isaías 28:16 "Portanto, assim diz o SENHOR Deus: Eis que eu assentei em Sião uma pedra, pedra já provada, pedra preciosa, angular, solidamente assentada; aquele que crer não foge”

B. Mateus 7:24-27 "Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica será comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha; e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, que não caiu, porque fora edificada sobre a rocha. E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será comparado a um homem insensato que edificou a sua casa sobre a areia; e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, e ela desabou, sendo grande a sua ruína”

2. Faça de Deus o construtor.

A. Salmos 127:1 "Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam..."

3. Faça de Deus a sentinela

A. Salmos 127:1 "... Se o Senhor não guardar a cidade, em vão, vigia a sentinela"

4. Faça de Deus a força unificadora.

A. I Coríntios 12:12: "Porque, assim como o corpo é um e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, constituem um só corpo, assim também com respeito a Cristo”

5. Faça de Deus o seu refúgio.

A. Salmo 90:1-2: "Senhor, tu tens sido o nosso refúgio, de geração em geração. Antes que os montes nascessem e se formassem a terra e o mundo, de eternidade a eternidade, tu és Deus”

 

Conclusão:

A. Lema para o lar
“Entra na minha casa, entra na minha vida”.

 

Pr. Aldenir Araújo

terça-feira, 23 de novembro de 2010

A difícil tarefa de viver de acordo com as prioridades corretas

A difícil tarefa de viver de acordo com as prioridades corretasIntrodução
1. O maior problema de muitos casamentos é estabelecer prioridades corretas.
2. As prioridades marcam a vida completamente.
3. As prioridades se escolhem.
4. Só os seres humanos tem a capacidade de escolher.
5. Sem dúvida, não se “educa para a vontade” habitualmente pelo sentimento, por isso tantas pessoas não sabem viver conforme as prioridades baseadas em princípios.
 
Conceito básico
Se as prioridades em um casamento não são ordenadas de maneira adequada, então, se obterá, em longo prazo, resultados não desejáveis que não só afetará o cônjuge, mas também a seus filhos e aos seus descendentes.

Ordem de prioridades corretas

1. Deus

a. “Mas buscai primeiro o reino de Deus e a sua justiça” (Mateus 6: 33).
b. “Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam” (Sal 127: 1).
c. Isto implica:
· Viver uma vida devocional permanente.
· Estabelecer um tempo regular para o culto familiar.
· Investir em recursos que sirvam para que a família possa ter uma vida devocional adequada (livros, revistas, folhetos, participação em congressos, etc.).
· Assistência regular a igreja.
d. “A primeira obra que se deve fazer em um lar cristão é assegurar-se de que o Espírito de Cristo more ali”

2. Cônjuge e família
a. “Portanto deixará o homem seu pai e sua mãe e se unirá a sua mulher” (Gênesis 2:24)
b. Isso não implica “o abandono dos deveres filiais e do respeito ao pai e a mãe, mas principalmente se refere que a esposa deve de ser a primeira no afeto do esposo e que seu primeiro dever é para com ela”.
c. Não fazer da esposa uma prioridade é ser desleal: “E perguntais: Por quê? Porque o SENHOR foi testemunha da aliança entre ti e a mulher da tua mocidade, com a qual tu foste desleal, sendo ela a tua companheira e a mulher da tua aliança. Não fez o SENHOR um, mesmo que havendo nele um pouco de espírito? E por que somente um? Ele buscava a descendência que prometera. Portanto, cuidai de vós mesmos, e ninguém seja infiel para com a mulher da sua mocidade.” (Malaquias 2:14-15).
d. Você se torna desleal toda vez que não coloca o cônjuge como a segunda prioridade depois de Deus.
e. “Pais, vosso lar é o primeiro campo em que sois chamados a trabalhar”.
f. “Vosso primeiro dever é para com vossos filhos”.
g. “Aquele que quer ser santo no céu deve ser primeiro santo em sua própria família”.
h. “O primeiro trabalho missionário consiste em cuidar de que o amor, a luz e o gozo reinem em seu lar”.
i. Este principio vale para todos, incluindo os pregadores e pastores: “Os deveres próprios do pregador lhe rodeiam, longe e perto; mas seu primeiro dever é para com seus filhos. Não deve deixar-se embaraçar por seus deveres exteriores ao ponto de descuidar da instrução que seus filhos precisam”.
j. “Por maiores que sejam os males devidos a infidelidade paternal em qualquer circunstancia, são dez vezes maiores quando existem nas famílias de quem foram designados mestres do povo. Quando estes não governam suas próprias casas, desviam por seu mal exemplo a muitos do bom caminho. Sua culpabilidade é tanto maior que a dos demais quanto maior é a responsabilidade de seu cargo”.
k. O principio paulino é que o líder deve ser uma pessoa que “governe bem a sua casa, que tenha seus filhos em sujeição com toda honestidade (pois quem não sabe governar a sua própria casa, como cuidará da igreja de Deus?)” (I Timóteo 3:4-5)

3. Trabalho.
a. A Bíblia fala do trabalho como uma benção.
b. Não se vive para trabalhar, mas se trabalha para viver.
c. Quem transforma o trabalho em uma prioridade, se tornam viciados e desequilibrados.
d. Um erro dos que trabalham às vezes para Deus.
e. Consideram que trabalhar para Deus está acima da família.
f. Sem dúvida, é um erro. Eli e Samuel, personagens bíblicos, servem de exemplo do que não se deve fazer.
· “Os filhos de Eli eram homens ímpios, que não tinham conhecimento de Deus” (1 Sam 2:12).
· “Eli era sacerdote e juiz de Israel […] mas ainda que houvesse sido nomeado para governar o povo, não governava bem sua própria casa.”
· “A advertência dirigida a Eli não havia exercido no ânimo de Samuel a influencia que deveria ter exercido. Ele havia sido até certo ponto, demasiado indulgente com seus filhos, e os resultados eram óbvios em seu caráter e em sua vida”.

 

Conclusão

1. A Bíblia ensina a lei da semeadura: “Tudo o que o homem semear, isso também ceifará” (Gálatas 6:7).
2. Ter lares estáveis não é resultado da casualidade, mas de estabelecer prioridades corretas.
3. O que decidimos marcará o resto de nossa vida.
4. Se as prioridades não são adequadas se altera o desenho de Deus.
5. Se o desenho divino é alterado, então, não se pode ser plenamente feliz.


Pr. Aldenir Araújo

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

A receita para um grande casamento

A receita para um grande casamentoTema: Casamento

 

Introdução:

1. O que faz a diferença entre um bom casamento e um grande casamento?

 

1. Deus deve estar no seu casamento.

- Não é por acaso que este é o primeiro da lista, o casamento não pode ser verdadeiramente grande sem Deus.

- Casais que se esforçam para construir um lar com Cristo como o centro usufrui de vantagens enormes em relação àqueles que não fazem. Eclesiastes 4:9-12.

2. Lembre-se de seus votos.

- Marido, vocês prometeu, amar, honrar, dar carinho, e proteger o seu cônjuge, na saúde e na doença na riqueza e na pobreza?

- Esposa, você prometeu, amar, honrar, dar carinho, e ser submissa a seu esposo, em todos os momentos? Mateus 19:9 - Hebreus 13:4.

3. Aproveitem a vida juntos.

- Enquanto a vida é cheia de altos e baixos, não devemos permitir que os "baixos" nos impeça de gozar a vida.

- A ênfase deve ser colocada em ambos "desfrutar" e "juntos". Observe Provérbios 5:18 - Eclesiastes 9:9.

4. Apreciem um ao outro.

- Quando você parar para contar suas bênçãos, não se esqueça de incluir o seu cônjuge.

- Uma atitude de ingratidão acabará por manifestar-se no egoísmo e desrespeito. Provérbios 18:22 - Provérbios 19:14.

5. Trate o outro como a pessoa mais importante do mundo.

- Afinal, quem neste mundo é mais importante para você do que o seu cônjuge?

- Em termos de seus relacionamentos com os outros, ninguém deve ser mais significativo do que o seu relacionamento com seu cônjuge. Gênesis 2:24.

 

Conclusão:

1. Seu casamento não tem que ser apenas bom, ele pode ser grande.

 

Pr. Aldenir Araújo

Virgindade e fornicação

pureza

Texto: I Coríntios 6:19-20

 

Introdução: Pode até parecer estranho falar de virgindade nos dias de hoje em um mundo no qual os valores morais estão tão banalizados. Conceitos como honrar pai e mãe, viver uma vida honesta, não procurar os seus próprios interesses, fidelidade conjugal, fornicação e virgindade estão fora de moda; mais isto já era de se esperar, haja vista o mundo estar “debaixo” do maligno e de toda a sua influência. No entanto, para a igreja os conceitos do mundo não interessam (não somos deste mundo e não devemos nos conformar com ele) somos sal e luz nesta terra.


Hoje estaremos estudando um assunto importante para a família cristã, trata-se da virgindade e da fornicação. O assunto é relativo aos pais e aos filhos e deve ser aprendido, pois o índice de impureza sexual na igreja cresce assustadoramente e diariamente a mídia e as escolas ensinam (contrariando a Bíblia) que o sexo antes do casamento é normal.


Os resultados disto são vidas arruinadas, marcas profundas na alma e no corpo, gravidez precoce e doenças sexualmente transmissíveis.

Parte I-  O pecado contra o corpo

A fornicação é o sexo antes do casamento. Este pecado é condenado por Deus e faz marcas profundas na vida de quem o pratica. Em troca de alguns minutos de prazer, são feitas feridas profundas na alma e no corpo, que podem deixar consequências irreparáveis. Embora não exista pecado que Deus não possa perdoar, com exceção da blasfêmia contra o Espírito Santo, a fornicação pode deixar estragos irreparáveis ainda nesta vida.
O apóstolo Paulo fala da gravidade do pecado sexual em sua Primeira Epístola aos Coríntios, capítulo seis, versículos 12 a 20. O pior de todo este problema é que o corpo é o templo do Espírito Santo.
Não existe instinto sexual no ser humano como no animal, somos seres racionais! Nos versículos de 12 a 14, Deus deixa claro esta verdade, e no versículo 13, vemos o motivo para o qual o nosso corpo serve. Este corpo será ressuscitado na volta do Senhor e para aquele que estiver vivo, este mesmo corpo será transformado. Existem crentes que andam dizendo que Deus só quer o coração, isto é uma mentira! I Tessalonicense 5.23,24
Quando um jovem cristão comete fornicação, ele está contaminando o templo do Espírito Santo, além de tirar a santidade de algo que pertence ao Senhor! I Coríntios 6. 19,20.
Na epístola aos Gálatas vemos os pecados na área sexual fazendo parte da lista das obras da carne e o Senhor afirma que os que cometem tais coisas, não herdaram o reino dos céus! (Gálatas 5.19,21).

Parte II- A virgindade como símbolo de santidade

A virgindade é símbolo de santidade.
Jesus nasceu de uma virgem (Isaias 7.14). A virgindade na Bíblia é tão importante que é usada por Deus como figura da Santidade da igreja (II Coríntios 11.2).
O ensino Bíblico é de que a virgindade deve ser mantida pelos jovens. Existe uma tendência de se pensar que virgindade é um assunto somente para mulheres, o que é um engano, os homens também devem procurar manter a santidade do seu corpo; o pecado é o mesmo para ambos, embora seja verdade que as consequências físicas da fornicação sejam na maior parte das vezes piores para as mulheres.

Conservar a virgindade é muito mais do que não ter relação sexual antes de casar, é muito mais do que ter o hímen intacto; ser virgem é conservar a pureza e santidade!

Parte III- A Diferença entre a fornicação para o ímpio e para o crente

Quando um ímpio cai em pecado na área sexual, como em qualquer outra área da sua vida, ele o faz sem ter Deus em seu coração, desconhecendo a vontade do Senhor, embora a maior parte saiba que é errado (Atos 17.30). Quando uma moça que não é mais virgem aceita a Cristo como seu Senhor, para Deus ela se torna como uma virgem e os seus pecados são perdoados (Isaias 1.18; II Coríntios 5.17; Hebreus 8.12; 10.17).
Não podemos comparar este caso com o de uma pessoa que já entregou a vida Jesus; neste caso, o pecado de fornicação é bem mais sério; vejamos:
1º) O seu corpo é o templo do Espírito Santo ( I Coríntios 6.19,20)
2º) Conhece a vontade de Deus
3º) Quebra a santidade da igreja (I Coríntios 3.16,17)
4º) Traz consequências sérias para terceiros
Quando uma pessoa cai neste tipo de pecado, é necessário passar pela disciplina, pois:
A) A disciplina restaura o ferido
B) A disciplina mantém a pureza da igreja
C) A disciplina evita a propagação do erro (I Coríntios 5.6)
D) A disciplina mantém a liberdade no púlpito da igreja
Daí vem mais um motivo da gravidade deste pecado: Fatalmente a mentira um dia virá à luz e com ela a vergonha.
Deus perdoará (I João 2.1), a igreja perdoará, mais certamente existirão feridas que poderiam ser evitadas. Outros problemas poderão ocorrer, como por exemplo:
1-Quando as pessoas envolvidas não casam alguém pode se machucar e a comunhão ser abalada;
2-Problemas familiares;
3-Problemas com parentes ímpios;
4-Quando as pessoas se casam, mais a igreja já  sabe, o tratamento deverá ser de um modo que não leve os outros a fazerem o mesmo, etc...
Devemos levar em conta ainda o fato de que nenhum caso é igual, e, portanto, nenhuma postura de correção será igual.

Parte IV- Fugindo da fornicação e mantendo a santidade

Fatores que levam a fornicação entre jovens:
a) Falta de temor a Deus
b) Falta de temor da igreja com a banalização da disciplina
c) Falta de vigilância
d) Carícias (certas intimidades- Provérbios 6.27)
e) Contato com material pornográfico
f) Ensino mundano
g) Propaganda na mídia

 

Conclusão: Melhor é para o jovem manter a pureza na sua mocidade, a virgindade é importante para o servo de Deus e deve ser cultivada na família e na igreja. A fornicação, ao contrário, causa diversos problemas para quem a pratica, contaminando o próprio corpo e a igreja do Senhor, sendo portanto um pecado gravíssimo, devendo ser tratado.

sábado, 20 de novembro de 2010

A hora da decisão (O casamento de Isaque)

A hora da decisão (O casamento de Isaque)Tema: Casamento

Texto: Gênesis 24:1-10; 61-67

A Bíblia recomenda cuidado na hora de escolher namorado (a)

É dito que Sócrates, o filósofo grego, ensinou aos seus discípulos o seguinte:

De todo jeito, casem-se. Se vocês conseguirem boas esposas, vocês serão duplamente abençoados. Se conseguirem más esposas, vocês tornar-se-ão filósofos... O que é bom para qualquer homem.

Observem que, segundo esta filosofia de vida, a pessoa com quem você se casa não importa tanto assim, porque o resultado final vai ser bom de qualquer jeito – Se você acertar com a escolha da esposa, você será feliz e abençoado; Se você errar, você será virtuoso. Porém, o que encontramos na Bíblia é o oposto deste conceito. Por exemplo, a maneira como Abraão abordou este assunto é oposta à maneira de Sócrates encarar a questão do matrimônio.

Contrário de Sócrates, o cuidado do Patriarca com a tentativa de encontrar a esposa certa para Isaque seu filho, reflete o valor que ele dava ao casamento. Se não, observe.

Não sei se você já notou, mas o capítulo mais longo de Gênesis não é o da criação (Gênesis 1 – com apenas 31 versículos!), por exemplo, mas o do casamento de Isaque (Gênesis 24 – com 67 versículos! – mais que o dobro de versículos de Gênesis 1). Por quê?

Como na Escritura Sagrada nada é por acaso, penso que a explicação fundamental é teológica. É que desde o Livro dos Princípios, Deus quer deixar claro o valor do casamento aos seus olhos. Mas, por quê? --

O casamento reflete a imagem do amor de Deus em Cristo pelo seu povo! (Efésios 5.22-33)

Cf. Mateus 22.1-14; 2Co 11.2-3; Romanos 7.4

O namoro é o caminho para o casamento. Por isso ele não pode ser banalizado nem menosprezado. É exatamente isto que Abraão procura pontuar aqui no capítulo 24 de Gênesis.

Porém, o que mais vemos são as pessoas usando de métodos aleatórios para escolher um namorado (a). São basicamente três os métodos mais usados pelas pessoas:

a) O MÉTODO CARNAL – Forma, tamanho, aparência, sex appeal (apelo sexual), personalidade – ou seja, neste método, a imagem é a consideração mais importante. A marca registrada desta abordagem é usar de astúcia e manipulação a fim de se obter o que se quer, às custa do discernimento e do amor.

b) O MÉTODO SUPER ESPIRITUAL – Esta abordagem deixa tudo na mão de Deus, abandonando toda e qualquer responsabilidade e iniciativa pessoal. As pessoas envolvidas veem até segundos de “coincidência” como “sinais” de Deus. Elas raramente passam junto tempo suficiente para se conhecerem a fim de tomarem decisões racionais. Elas simplesmente “rompem em fé”

c) O MÉTODO NATURAL – Poderíamos chamar este método de “namore quem você conseguir

namorar”. Isto geralmente acontece em comunidades pequenas, cidades pequenas, igrejas pequenas, onde não há muitas pessoas. Porém, “escolher” o que está disponível, por falta de opção, não é necessariamente escolher o melhor.

Princípios confiáveis na hora de decidir

Há três decisões fundamentais na vida de qualquer ser humano:

  • Sobre a salvação (diz respeito à vida eterna)
  • Sobre a relação (diz respeito à vida a dois e à família)
  • Sobre a vocação (diz respeito ao serviço)

Graças a Deus que na Escritura nós podemos encontrar respostas e diretrizes abundantes para cada uma dessas áreas. Aliás, a Bíblia foi escrita para nos dar respostas relativas a todas elas, especialmente no que diz respeito à primeira – a nossa salvação.

Por ora, iremos nos concentrar nos princípios que Abraão nos deixou sobre como decidir na hora de escolher com quem namorar e casar.

A juventude (e também seus pais) ganharia muito se estudasse cuidadosamente este capítulo de Gênesis em busca de princípios norteadores, visando a preparação para o namoro e o casamento, à medida que contemplam estas possibilidades. É o que faremos agora.

Antes de cairmos nos princípios propriamente ditos, faremos bem em entender a estrutura deste capítulo tão longo de Gênesis.

Gênesis 24

Há cinco atos neste episódio:

1) O pedido solene de Abraão ao seu servo de confiança (v. 1-9);

2) A viagem do servo pelo deserto e o seu encontro com Rebeca (v. 10-27);

3) A explicação do servo sobre sua missão aos pais de Rebeca e a resposta positiva (v. 28-53);

4) O pedido do servo de voltar imediatamente com Rebeca e o seu consentimento (v. 54-58);

5) A partida de Rebeca, a bênção de seus familiares, o encontro e o casamento com Isaque (v. 59-67)

Com isso em mente, vejamos quais são os princípios que nós podemos aprender na hora de decidir sobre namoro e casamento. Destaco 7!

1. Ouça e acate os conselhos piedosos de seus pais. v. 1-9

Aqui está um ancião (com seus 120 / 135 anos de idade). Ele acabou de sepultar a sua esposa (Gênesis 23). Ele sabe que o próximo grande acontecimento de sua vida será a sua partida para estar com o SENHOR (Gênesis 25).

  • Logo, ele se preocupa em ajudar seu filho a encontrar a sua outra metade (Gênesis 24).

Só que neste caso, o casamento é mais importante do que o normal. A descendência de Isaque abençoaria as nações. Dela nasceria o messias (Gênesis 3.15). É por isso que ele destaca o seu mais importante e confiável servo para esta importantíssima tarefa. Veja o texto (v. 1-9):

Abraão tinha ouvido e visto a mão de Deus (Gênesis 22.20-24) preservando a sua descendência. Ele sabia que era Deus agindo em favor de Isaque e sua descendência!

Ouça as palavras piedosas e de sabedoria de seus pais. Isto é mandamento do SENHOR: (Provérbios 4.1-6)

Os conselhos piedosos dos pais são joias de sabedoria com as quais Deus presenteia os filhos. Precisamos valorizar esses tesouros.

Não siga a tendência dos últimos dias: 1 Sabe, porém, que nos últimos dias haverá tempos difíceis; 2 pois os homens amarão a si mesmos, (...) arrogantes, (...) desobedientes aos pais, (...),

4 orgulhosos, (...) 5 com aparência de religiosidade” (2 Timóteo 3.1-5).

2. Encharque o processo com oração (v. 10-14)

O servo fiel de Abraão partiu para a sua missão e, a postos, pôs-se a orar!

NOTA: Observe que, com exceção da intercessão de Abraão por Sodoma (Gênesis 18), esta é a primeira oração registrada na Bíblia. Impressionante! Ele aprendeu a orar com Abraão e colocou em prática o que aprendeu na ora de achar a esposa de Isaque!

Ele ora buscando o discernimento do SENHOR. Sua oração é cheia de questões que ele levanta.

3. Procure por qualidades que revelem caráter (v. 15-20)

A beleza e a formosura passam, mas a qualidade do caráter permanece para sempre. É por isso que o servo de Abraão se concentra na beleza do caráter de Rebeca (quando ele orou).

E foi exatamente o que ele viu, enquanto ele ainda orava de olhos bem abertos...

Essa jovem vem de berço e, além de bonita, ela é de um belíssimo caráter:

  • Sensível às necessidades dos outros;
  • Serva solícita, sempre pronta a ir além do que os outros pediam;
  • Determinada, diligente, hospitaleira, compassiva, delicada; esforçada;
  • Trabalhadora (1 camelo bebe em média 75,5 litros; 10 camelos juntos bebem 755 litros; ela com um balde de 12 litros deve ter feito mais ou menos 63 viagens!).

4. Reflita cuidadosamente sobre as evidências (v. 21-27)

É muito importante notar a forma como o servo de Abraão está procedendo a esta altura. Ele não se precipita em dizer que Deus o respondeu! Ele para e reflete nas evidências. (Gênesis 24.21)

Faltava-lhe ainda mais uma evidência. Ela tinha de ser da descendência de Abraão. Não podia ser de outro lugar! (Fica aqui o princípio de que não pode haver jugo desigual – aquela história de que fulano (a) só falta ser crente, não serve para ele 2 Coríntios 6.14-18!).

Rebeca tinha todas as qualidades, mas precisava ser descendente de Abraão. Era isso que o servo queria ouvir. Por isso pergunta...

23 e perguntou: De quem tu és filha? Dize-me, peço-te, se há lugar na casa de teu pai onde se possa passar a noite. 24 Ela lhe respondeu: Eu sou filha de Betuel, filho de Milca, que ela deu a Naor. 25 E prosseguiu: Temos bastante palha e forragem, e lugar para o pernoite. (Gênesis 24.23-25)

Esse servo orou, buscou, esperou, avaliou, refletiu e agora ele está certo de que Deus o dirigiu; por isso ele louva:

26 Então o homem inclinou-se e adorou o SENHOR, 27 dizendo: Bendito seja o SENHOR, Deus de meu senhor Abraão, que não retirou do meu senhor a sua bondade e a sua fidelidade; quanto a mim, o SENHOR me guiou no caminho à casa dos irmãos de meu senhor. (Gênesis 24.26-27)

  • Reflita cuidadosamente sobre as evidências, aja em obediência a Deus e na hora certa você haverá de louvar ao SENHOR. Tenha Fé!

5. Observe as relações entre os membros da família (v. 28-32)

Rebeca corre para contar toda a história à sua família. É a chance de o servo conhecer a forma como os familiares de Rebeca se relacionavam.

28 A moça correu e relatou essas coisas aos da casa de sua mãe. 29 Rebeca tinha um irmão chamado Labão, que saiu correndo ao encontro daquele homem até a fonte, 30 pois tinha visto o pendente e as pulseiras nos braços de sua irmã, e ouvido as palavras de sua irmã Rebeca, que disse: Assim me falou aquele homem. Ele foi encontrar o homem, que estava em pé junto aos camelos, ao lado da fonte. 31 E disse: Entra, bendito do SENHOR. Por que estás aqui fora? Pois já preparei a casa e o lugar para os camelos. 32 Então o homem foi a casa e descarregou os camelos; deram palha e forragem para os camelos e água para lavar os pés dele e dos homens que o acompanhavam.

Qualidades e defeitos de família geralmente são carregados para os lares que formamos.

Essa atitude interesseira vista em Labão, será reproduzida na família de Rebeca e Isaque! (Gênesis 25.27-28)

Observe as relações entre os membros da família! Pense e pondere. Não se precipite.

6. Veja se há compromisso espiritual em ambas as partes (v. 33-60)

À mesa, na casa dos familiares de Rebeca, o servo de Abraão não comeu até contar o que lhe fazia estar ali (v. 33-38). Ele repete toda a história nos seus mínimos detalhes (v. 39-48).

Ao terminar a sua história ele lhes faz uma pergunta penetrante:

Portanto, se agora haveis de tratar com bondade e com fidelidade o meu senhor, dizei-o; se não, também dizei-o, para que eu vá para a direita ou para a esquerda. (Gênesis 24.49)

A resposta deles é positiva. Eles entenderam que era a mão do SENHOR:

50 Então Labão e Betuel responderam: Isso procede do SENHOR; nada podemos dizer, nem de mal nem de bem. 51 Rebeca está diante de ti, toma-a e vai; que ela se torne a mulher do filho de teu senhor, como disse o SENHOR. 52 Quando o servo de Abraão ouviu as palavras deles, prostrou-se em terra diante do SENHOR. (Gênesis 24.50-52)

Chegara o momento de Rebeca discernir por ela mesma (Gênesis 24.53-60):

53 Então o servo tirou joias de prata, joias de ouro e vestidos, e deu-os a Rebeca; também deu presentes de valor ao irmão e à mãe dela. 54 Então ele e os homens que estavam com ele comeram, beberam e passaram a noite. Quando se levantaram de manhã, o servo disse: Deixai-me ir de volta ao meu senhor. 55 E o irmão e a mãe da moça disseram: Deixa que ela fique conosco alguns dias, pelo menos dez dias, e depois ela irá. 56 Porém ele lhes respondeu: Não deveis me deter, visto que o SENHOR tem dado sucesso à minha missão; deixai-me partir, para que eu volte ao meu senhor. 57 E eles disseram: Chamaremos a moça e perguntaremos a ela mesma. 58 Então chamaram Rebeca e lhe perguntaram: Tu irás com este homem? Ela respondeu: Irei. 59 Então se despediram de sua irmã Rebeca, de sua ama, do servo de Abraão e dos homens que estavam com ele; 60 e abençoaram Rebeca, dizendo-lhe: Nossa irmã, sê tu a mãe de milhares de milhares, que a tua descendência domine a cidade de seus adversários!

Rebeca também entendeu o propósito e a mão de Deus por traz de tudo e, por isso, estava pronta a se submeter (e se submeter rapidamente, sem rodeios) à vontade do SENHOR.

Compromisso e sensibilidade espiritual são essenciais em ambas as partes.

7. Estabeleça um fundamento sólido para o casamento (v. 61-67)

Namoros saudáveis são importantes. Portanto, cultive hábitos santificadores que farão toda a diferença hoje e sempre, enquanto você se relaciona com alguém em potencial.

Há cinco elementos que eu gostaria de destacar nestes versos finais, que estabelecem um fundamento sólido para o casamento, e que são importantes ainda no tempo de namoro:

a) ANTECIPAÇÃO SAUDÁVELOlhando para a história de Rebeca e Isaque nós percebemos que ambas as partes estavam esperando com expectativa pelo grande momento do encontro e da consumação.

Rebeca (Gênesis 24.58, 61)

58 Então chamaram Rebeca e lhe perguntaram: Tu irás com este homem? Ela respondeu: Irei. (...) 61 Assim Rebeca se levantou com as suas servas e, montando nos camelos, seguiram o homem; e o servo partiu, levando Rebeca.

Isaque (Gênesis 24.62-63)

62 Isaque tinha vindo do caminho de Beer-Laai-Roi, pois habitava na terra do Neguebe. 63 Isaque havia ido ao campo numa tarde para meditar e, levantando os olhos, viu que camelos se aproximavam.

Deve haver o desejo de unir a vida em matrimônio e desfrutar a vida na plenitude da vida a dois, como Deus planejou que fosse. Sem obsessão e pecado, é claro.

b) RELAÇÃO SANTIFICADAAcho linda a forma tão decorosa como Rebeca aproximou-se de seu futuro marido (Gênesis 24.64-65):

64 Rebeca também levantou os olhos e, quando viu Isaque, desceu do camelo 65 e perguntou ao servo: Quem é aquele homem que vem pelo campo ao nosso encontro? O servo respondeu: É o meu senhor. Então ela pegou o véu e se cobriu.

Rebeca era linda (nesis 24.16), mas ela não queria explorar os seus contornos, ela queria revelar o seu caráter. É assim que uma mulher de Deus (e também um homem de Deus) deve se portar e se revelar.

c) PARTICIPAÇÃO SIMULTÂNEAObservem que tanto Isaque como Rebeca partem para encontrarem-se um com o outro. É participação mútua e simultânea. Um relacionamento saldável envolve as duas partes contribuindo para o bem do outro e dos dois. Alguma coisa está errada quando uma parte só toma iniciativas. Essas iniciativas de participação simultânea devem começar e ser cultivadas no namoro.

d) COMUNICAÇÃO SINCERA Quando Isque e Rebeca finalmente se encontraram, eles ouviram tudo o que o servo tinha para contar (v. 66). Saber ouvir começa no namoro.

e) EMOÇÕES SARADASSe há algo que o relacionamento de Rebeca e Isaque começa a nos mostrar nesse ponto da história é que as suas emoções começam a ser saradas no momento em que eles se conhecem. Principalmente as emoções dele.

Isaque levou Rebeca para a tenda de Sara, sua mãe; tomou-a, e ela se tornou sua mulher; e ele a amou. Assim Isaque foi consolado depois da morte de sua mãe. (Gênesis 24.67)

Intimidade, conforto, consolo e amizade compõem o ambiente certo para que haja confronto que produz crescimento. No namoro isso deve ser cultivado. Sem relacionamento sexual, é claro; mas com diálogo, afeto e Palavra de Deus.

Oito entre dez namorados transam pela primeira vez fazendo as pazes. Não estou inventando. O IBGE tem as estatísticas. (Luís Fernando Veríssimo)

Temo que Luís Fernando Veríssimo esteja correto em seu diagnóstico. E se estiver, arrisco dizer que esses oito entre dez namorados que transam para fazer as pazes, não aprendem a dialogar, não aprendem a curar as feridas emocionais uns dos outros, e não terão um bom relacionamento sexual, caso venham a se casar (já que é exatamente o diálogo e a saúde emocional que proporcionam sustentação para a vida sexual). É no namoro que se começa a lutar pela cura das emoções.

Algumas questões práticas

  • Não entra em jugo desigual (Isaque e Rebeca são descendentes de Abraão).
  • Rebeca foi conhecida em um local de respeito (não foi no “Bar-Zeado”).
  • Ela não era uma moça “folgada” (trabalhava pesado e era de muita iniciativa).
  • Ela não ficava de insinuação por aí; era modesta, apesar de muito bonita (subiu o véu).
  • Ela não ficou enrolando; quando o servo chamou, ela foi logo.

Procurando a sua metade

Adote os princípios ensinados neste capítulo da vida de Abraão. Eles não estão aqui por acaso. Sim, eles são custosos. Mas valerão a pena.

  • Abandone o método carnal (fazer como todo mundo, apelando para a sensualidade)
  • Não se escore no método super espiritual (deixar tudo com Deus)
  • Não espere no método natural (agir pressionado pela falta de opção)

1 Portanto, irmãos, exorto-vos pelas compaixões de Deus que apresenteis o vosso corpo como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. 2 E não vos amoldeis ao esquema deste mundo, mas sede transformados pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. (Romanos 12.1-2)

Autor: Pr. Leandro B. Peixoto

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Controvérsia sobre “casamentos” homossexuais

Controvérsia sobre “casamento” homossexuaisIntrodução: O tema: “Casamento entre homossexuais” (pessoas do mesmo sexo) tem se tornado intenso atualmente. Alguns são contra outros são a favor. Alguns países já liberaram outros não, mas, e a Bíblia?

O que a Bíblia diz sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo?

Sempre que um assunto político ou social agita a sociedade, os cristãos podem encontrar grandes oportunidades para conversar com outras pessoas sobre as Escrituras. Com esta questão em mente, vamos lembrar-nos de algumas coisas e estar pronto para ensiná-las a outros.

1. O casamento é uma instituição divina

Quando os fariseus questionaram Jesus sobre o casamento, Ele os dirigiu para o início da Criação. "Não tendes lido que aquele que os criou desde o princípio os fez macho e fêmea...? Portanto o que Deus ajuntou, não o separe o homem”
(Mateus 19:4,6). Deus instituiu o casamento. Portanto, só Ele é o único com autoridade para estabelecer regras a respeito do casamento.

2. O casamento é entre um homem e uma mulher

Depois de lembrar-lhes que Deus "os fez macho e fêmea", Jesus disse: "Por esta razão, o homem deixará seu pai e mãe e se unirá à sua mulher, e os dois serão uma só carne" (Mateus 19:5). Em nenhum momento na Bíblia Deus reconheceu a relação de dois homens ou duas mulheres como um casamento.

3. Os tribunais humanos não podem redefinir o matrimônio

O estado pode ter alguns critérios que um casal pode cumprir para ser reconhecido como casados. Mas a real união dos dois no vínculo do matrimônio é feito por Deus em Seus termos (Mateus 19:4-6). Se o tribunal decidir reconhecer o homem como sendo "casado" com outro homem, um cachorro ou um robô (não riam, isso pode não ser tão inverossímil como você pensa), não força a Deus reconhecer uma união que existe em outros termos do que aquilo que Ele nos tem dado.

4. A palavra de Deus não muda

Muitas coisas mudam ao longo dos anos: a tecnologia, costumes, línguas, etc., mas o que não muda é a palavra de Deus. O salmista escreveu: "Para sempre, ó Senhor, a tua palavra está firmada nos céus" (Salmo 119:89). As regras de Deus sobre o casamento que encontramos na Bíblia são tão relevantes e verdadeiros hoje como eram anteriormente.

5. A homossexualidade é um pecado

Nenhuma pessoa honesta, ao ler as passagens que falam da homossexualidade, pode chegar à conclusão de que a homossexualidade é aceitável a Deus. É claramente descrito como um pecado. Ele foi condenado antes da Lei de Moisés (Gênesis 19; Judas 7), durante a Lei de Moisés (Levítico 18:22, 20:13), e no Novo Testamento (Romanos 1:26-27; I Timóteo 1:9 -11), mostrando um padrão consistente de desaprovação de Deus para a prática da homossexualidade.

6. Deus quer que os homossexuais sejam salvos

Pedro nos diz que Deus "não querendo que nenhum pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento" (II Pedro 3:9). Não há exceções para isso. Deus quer que todos os homens sejam salvos - incluindo os homossexuais. Assim, embora seja verdade que os homossexuais não herdarão o reino de Deus (I Coríntios 6:9), Deus está disposto a salvá-los se eles se arrependerem de seus pecados e forem lavados, santificados e justificados em nome de Cristo (I Coríntios 6:11).

7. Devemos orar e querer a salvação dos homossexuais

Muitos veem o pecado do homossexualismo como sendo muito pior do que outros pecados. Até certo ponto, isso é compreensível. Mas, ao mesmo tempo, não devemos permitir que nossos sentimentos sobre o pecado destrua a preocupação que devemos ter para a prática do pecado. Judas nos diz que devemos "ter misericórdia com temor, odiando até a roupa contaminada pela carne" (Judas 23). Quando vemos outros perdidos no pecado, inclusive o pecado do homossexualismo, devemos ter piedade dos indivíduos que praticam o pecado e desejar a sua salvação. Isto não significa que ignoramos o seu pecado. Isso significa que tentamos tirá-los do seu pecado para o reino de Deus.

Conclusão: Aqueles que promovem a agenda homossexual vão continuar com seus ataques contra a Bíblia e suas mentiras sobre o que a Bíblia quer dizer. Não importa o que dizem, ou o que nossa cultura aceita, a palavra de Deus é a mesma. A homossexualidade não pode ser defendida a partir da Bíblia.

Como com qualquer outro pecado, nós faríamos bem em parar de tentar defendê-lo, ou torcer as Escrituras para justificá-lo, e sim trabalhar para viver em conformidade com o padrão que Deus nos deu em Sua Palavra.

Pr. Aldenir Araújo
 

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Não é bom que o homem esteja só

Não é bom que o homem esteja sóTema: Casamento

 

Textos: Gênesis 2.18 e Eclesiastes 4.8-12

 

Introdução: Deus viu que todas as coisas que fez eram boas, e a única coisa que Deus fez e não gostou, foi a dever o homem sozinho. O homem também não gostou de ficar sozinho olhando todos aqueles animais vivendo em companhia um do outro e em relacionamento mútuo. E imaginava: Qual desses animais poderia ser minha companheira? Mas, a girafa era grande demais, a leoa muito forte, etc. Brincadeiras à parte...

I. Por que Deus não queria o homem sozinho?

A. Um homem sozinho é meio-homem.

Os rabinos em seu comentário na Torá dizem que um homem solteiro é incompleto, é meio-homem.

B. Porque a vida é feita de relacionamentos.

1. Deus se relaciona com o Filho e com o Espírito. O relacionamento do céu tem de ser visto na terra.

2. Uma pessoa solitária é presa fácil para as artimanhas de Satanás. Eva estava só quando o Diabo a tentou.

2. Salomão mostrou a importância do relacionamento a dois em Eclesiastes 4.8-12.

A. Por que precisamos nos relacionar?

1. É preciso ter alguém com quem compartilhar os momentos de tristeza e de alegria; de descobertas e de perdas.

2. Quando vivemos sozinhos temos a tendência de criarmos “manias” de pessoas que vivem sós. Nosso companheiro ou companheira nos ajuda a nos livrar das manias. (Meter o dedo no nariz; fuçar o ouvido; ringir os dentes; comer de boca aberta; dizer coisas sem sentido...).

3. Nosso cônjuge é vigilante atento. Ele passa a nos conhecer e sabe se alguma coisa está errada até quando abrimos a fechadura da porta.

4. Nosso companheiro (a) é também ajuda espiritual, puxando-nos sempre para mais perto de Deus; insistindo para lermos as escrituras, para a oração, etc.

5. A vida a dois – duas pessoas de raças e culturas diferentes – é um milagre social criado por Deus.

 

Conclusão: O maior mistério do casamento é a união de duas pessoas que cresceram em lares diferentes, culturas diferentes, alguns têm aspectos físicos diferentes; gostos diferenciados e, no entanto, se unem para cumprir e levar adiante o propósito de Deus na terra. E, há muito o que dizer daqui em diante para os noivos.

 

Autor: Pastor João A. de Souza Filho

Irás com este homem?

Irás com este homem?Tema: Casamento

 

Texto: Gênesis 24:58

 

Introdução: Rebeca foi a esposa que enganou seu marido. Ela não foi a primeira nem a última, mas seu nome nos lembra o romance que teve início à beira de um poço da histórica Mesopotâmia.

Aquela bela e doce jovem sofreria grandes transformações ao longo da vida. Isaque também.

I. O começo da história.

A. À beira de um poço no Oriente. Tiremos os poços das cenas bíblicas e teremos roubado deste livro extraordinário sua beleza e encanto. Porque:

1. Foi à beira de um poço que o anjo salvou Agar e Ismael de morrerem de sede.

2. Foi à beira de um poço de Mídiam que Moisés encontrou-se com Zipora.

3. Foi à beira de um poço que Jacó beijou Raquel pela primeira vez e esperou 14 anos por outra oportunidade.

4. Foi à beira do poço de Jacó que a samaritana se encontrou com Jesus.

Numa tarde, quando o sol se punha sobre o deserto, perto da cidade de Naor, aproximava-se uma caravana. Seu chefe era Eliezer.

II. Irás?

A. Irás com este homem?

1. Depois de dar graças a Deus pelo feliz acontecimento, Eliezer explica sua missão e decide regressar imediatamente para Canaã. Labão, então, pergunta à sua irmã: “Irás com este homem?”. Ela, sem vacilar, respondeu: “Irei”.

2. O sentido destas palavras. Rebeca acompanha um homem estranho e inicia a longa viagem. Isaque estava no campo meditando.

3. Quantas moças casam e continuam apegadas à saia da mamãe e trazem problemas para seu casamento (Gênesis 2.24). E homens também que não se desprendem da mamãe e arrumam problemas para a esposa.

3. Depois de vinte anos de casamento nasceram-lhes dois filhos: Esaú e Jacó (Gênesis 25.21).

a) Isaque tinha preferência por Esaú. Era “macho”, peludo, caçador, corajoso (Gênesis 25.28).

b) Rebeca sabe que Isaque está ficando velho, não vê direito (Gênesis 27.1).

4. Um dia Raquel ouve se esposo fazer uma proposta a Esaú, e brotou nela uma astuta ideia. A bênção patriarcal era importante (Gênesis 27.5).

III. O que o homem semear...

A. A lei da semeadura cobra seu preço.

1. Quando Esaú chegou. O desespero de saber que seu irmão o traíra pela segunda vez. Jacó, aconselhado pela mãe trai a seu pai e a seu irmão.

2. As lágrimas de Esaú. Chorou amargamente. Mas ele era o culpado (Gênesis 27.34)

3. Anos depois Jacó seria traído pelo sogro, pelas mulheres, por seus filhos, e colheria traição a vida toda.

4. Judas disse: Pequei.

5. O pródigo disse: Pequei!

6. Davi disse: Pequei.

Você pode dizer: Pequei

IV. Uma grande mãe.

A. O que uma mãe não faz por seu filho!

1. Apesar de todas as suas faltas Rebeca foi uma grande mãe. Lançou mão do engano e da fraude com um propósito elevado. Não era para ela. Mas, para Jacó.

2. Como Salomé, mãe de Tiago e de João. Ela pediu para Jesus o melhor para seus filhos (Mateus 20.21).

No Antigo Testamento pode-se ver mães interferindo, direcionando ou abençoando a vida de seus filhos.

3. Mães! O que vocês estão pedindo para seus filhos? Estão pedindo que eles sejam salvos?

 

Conclusão: Hoje lhe apresento a mesma pergunta: Você irá com este homem? Sabe que ao contrair as núpcias você entrega seus sonhos, nas mãos de um homem; e você homem entrega seus sonhos nas mãos de uma mulher.

 

Autor: Pastor João A. de Souza Filho

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Transformando meu lar num vale de bênçãos

Transformando meu lar num vale de bençãosTema: Família

 

Texto: II Crônicas  20:1-30 

 

Introdução: O plano de Deus para as famílias é sempre de felicidade, paz e harmonia. Nascido no coração de Deus para a felicidade do gênero humano e a gloria de Deus a família é alvo constante do inesgotável amor de Deus. Mas infelizmente muitas vezes o lar ao invés de ser um lugar de paz harmonia e felicidade é o lugar do medo, da discórdia e da tristeza.

 

No texto que lemos temos as famílias de Jerusalém que estão vivendo um tempo assim. Após receberem a noticia de que seus inimigos marchavam contra eles para a guerra, são tomados pelo medo (vs.3) e no vs. 12 o rei Josafá ora dizendo que não sabiam o que fazer. Diante desta crise que agora se instalara nas famílias de Jerusalém, Josafá não se entrega, mas lidera seu povo a uma reação que os leva a experimentar um verdadeiro milagre em suas famílias: o vale do medo transformado num vale de bênçãos. Assim como foi nos dias de Josafá assim também pode ser com minha família e a sua.

 

Vejamos o que fazer quando no meio da crise não “sabemos o que fazer”:

I. Uniram-se para buscar ao Senhor com oração e jejum. (V. 3,4)

  • A palavra de Deus no ensina que devemos orar sempre, mas principalmente quando não sabemos o que fazer. A oração e o Jejum é o meio estabelecido por Deus para desenvolvermos nosso relacionamento com Ele. Através da oração conhecemos a Deus como fonte de poder e conhecemos a nós mesmos como dependentes de Deus.
  • Infelizmente nos tempos da pós-modernidade quando temos inúmeros recursos feitos pelo homem, muitas famílias já não oram mais. Preferem resolver seus problemas nos consultórios, nas terapias, nos conselhos de “auto-ajuda” nos escritórios e nos gabinetes dos magistrados.
  • A oração e o jejum é um meio de graça para a vida toda, mas principalmente em tempos de crise é o primeiro recurso a ser usado para transformarmos nosso lar num vale de bênçãos.

II. Deram ouvidos á palavra de Deus. (V. 14,15 )

  • Após um período de oração e jejum o Espírito do Senhor veio no meio da congregação e disse: “Daí ouvidos.. .vós moradores de Jerusalém ...ao que vós diz o Senhor.”
  • Um lar de bênçãos é edificado pela Palavra de Deus. Jesus disse “todo aquele que ouve estas minhas palavras e as pratica será comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha.” Mateus 7:24
  • A palavra de Deus vivifica (Salmo 119: 25) fortalece (Salmo 119: 28) guia (Salmo 119: 105) prazer (Salmo 119: 143) paz (Salmo 119: 165) tudo que um lar precisa para ser um lar abençoado.
  • Uma vez que deram ouvidos a palavra do Senhor agora sabiam o que fazer (Vs.15-17) A palavra de Deus uma vez recebida expulsa o medo dos nossos corações “Não temais, nem vos assusteis por causa desta grande multidão, pois a peleja não é vossa, mas de Deus”.

III. Dispuseram-se para adorarem e louvarem ao Senhor com todas as suas forças. (V. 18,19,21,22)

  • Agora as palavras que expressavam medo, lamento, queixume, revolta são substituídas por palavras de louvor a Deus.
  • O louvor que brota de corações sinceros tem o poder de transformar um ambiente de medo num ambiente de segurança, de discórdia num ambiente de paz, de tristeza num ambiente de verdadeira alegria e confiança. “enchei-vos do Espírito, falando entre vós com salmos, entoando e louvando de coração ao Senhor com hinos e cânticos espirituais, dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai, em nome do nosso Senhor Jesus Cristo.” Efésios 5:18,19 “...a língua dos sábios é medicina” Proverbios12:19 “a língua serena é arvore da vida mas a perversa quebranta o espírito” “palavras agradáveis são como favo de mel: doces para a alma e medicina para o corpo.” Proverbios16:24

IV. Confiaram em Deus e nos seus profetas a despeito das circunstancias adversas.

“Crede no Senhor, vosso Deus e estarei seguros; crede nos seus profetas e prosperareis.”

  • Ouviram a palavra do Senhor e agora deveriam confiar e fazer tudo que o Senhor através de seus profetas haviam dito. Os inimigos eram poderosos, cruéis e não tinham nenhum respeito para com as famílias, pois queimavam seus próprios filhos em sacrifícios aos deuses, no entanto as famílias de Jerusalém deveriam confiar no Senhor, que certamente lhes daria vitória.

Conclusão. Tendo eles começado a cantar e a dar louvores, pôs o Senhor emboscadas contra os inimigos e foram desbaratados e finalmente destruídos. Ao quarto dia, o vale do medo foi transformado no Vale da bênção. Creia !!! Assim será também com o meu lar e o seu lar !!! 

 

Rev. Honório Portes

Convém a Jesus estar hoje em minha casa

zaqueuTexto: Lucas 19:1-10


Introdução. No texto que lemos encontramos uma expressão única de Jesus em relação a família que nos chama atenção no Novo Testamento. “ME CONVÉM FICAR HOJE EM TUA CASA”. Através deste texto vamos aprender porque “convém a Jesus estar em minha casa” vejamos:


I. Porque famílias precisam de um salvador
As famílias se perderam no jardim do Éden quando escolheram desobedecer a Deus.  Com a desobediência o pecado entrou no mundo e a morte passou a reinar. A paz, a harmonia, a felicidade que reinavam absolutos em todas as áreas da vida humana agora dá lugar ao caos, a insatisfação, a insegurança. A família com medo foge da presença de Deus e tenta lidar com a crise a seu modo. A família agora está perdida e precisa de um Salvador. “Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus.” Romanos 3:23,24. 
À semelhança de Zaqueu, as famílias estão perdidas e procuram encontrar um Salvador. Embora Zaqueu não soubesse Deus já estava procurando por ele e sua família. Essa é a boa noticia: Deus não desistiu da família. Ele vai atrás e busca reconciliar o homem consigo mesmo e com Deus. ”Zaqueu desce depressa, pois me convém ficar hoje em tua casa”.
Jesus é o único que pode salvar famílias (Ler Romanos 5:18,19). Ele criou a família e sabe perfeitamente como a família funciona. Disse Jesus “O ladrão vem somente para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância.” “...Para isto se manifestou o Filho de Deus: para destruir as obras do diabo”. I João 3:8  “Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo a nossa fé. Quem é que vence o mundo, senão aquele que crê ser Jesus o Filho de Deus?” I João 5:4,5


II. Porque só jesus pode efetivamente resolver conflitos  familiares.
Depois que o pecado entrou no mundo as relações familiares tornaram-se conflituosas. Ao serem indagados por Deus sobre o que aconteceu? Adão responsabilizou a Eva e esta por sua vez transferiu a responsabilidade para o diabo. Ambos, homem e mulher agora estão voltados para si mesmos. O egoísmo e a insegurança agora imperam nas relações a ponto de ambos estarem dispostos a sacrificarem tudo para fazerem prevalecer seu ponto de vista e seus desejos. Por causa da dureza dos corações o divorcio tornou-se a solução mais viável. 


A semelhança de Zaqueu muitos estão vivendo conflitos profundos em sua alma. Zaqueu significa “Reto” “Justo”, mas a sua vida por muitos anos era o oposto. O maioral dos publicanos roubava seus próprios irmãos cobrando impostos a mais, e com a diferença fazia sua riqueza a custa do sofrimento de seu povo. Somente Jesus poderia libertá-lo daquela vida. Ele tornara-se escravo de sua própria cobiça.
Somente Jesus pode livrar o homem de si mesmo e curar seu coração corrompido. Ele veio para restabelecer a paz e a harmonia na família. “Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos fez um; e tendo derribado a parede da separação que estava no meio, a inimizade... para que dos dois criasse em si mesmo, um novo homem, fazendo a paz, e reconciliasse ambos em um só corpo com Deus, por intermédio da cruz, destruindo por ela a inimizade.” Efésios 2:14,15. “Tende o mesmo sentimento uns para com os outros, em lugar de serdes orgulhosos, condescendei com o que é humilde; não sejais sábios aos vossos próprios olhos.” Romanos 12:16


III. Porque somente Jesus pode realizar a verdadeira transformação.
Com alegria Zaqueu agora recebe Jesus em sua casa e decorrido um tempo de conversa algo extraordinário acontece: O verdadeiro arrependimento na vida daquele homem (v. 8). Então Jesus declara: “Hoje houve salvação nesta casa” (vs09). Depois do arrependimento de seus pecados Deus opera a fé para a salvação no coração de Zaqueu. 


Enquanto as soluções humanas propõem mudanças de fora para dentro, Jesus transforma o interior do homem e consequentemente seu comportamento egoísta e pecaminoso
Jesus faz uma transformação completa e não apenas uma mudança. Algo impossível ao homem que só Jesus pode fazer: transformar o homem, transformar uma família. “Crê no Senhor Jesus e serás salvo tu e tua casa”


Aplicação: O que mais chamou a sua atenção na historia de Zaqueu e que lições você poderia aplicar na sua vida e na sua família

 

Leia também: Cinco homens e cinco árvores

 

Rev. Honório Portes

Pródigos na família, a esperança é Jesus

Pródigos na família, a esperança é JesusTexto: Lucas 15:11-12


Introdução: Há esperança para a FAMÍLIA.  O amor de Deus alcança, até mesmo os pecadores, decepcionados, machucados e os de alma abatida, enfim, todos os que se voltam para  Jesus com o coração quebrantado. A gloriosa verdade que brilha nesta parábola, é o maravilhoso amor de Deus. Podemos aprender com este jovem, como é importante tomarmos ATITUDES  voltadas para Jesus na esperança de alcançarmos RESTAURAÇÃO.


(ATITUDE: “ Penso em atitude como um sentimento interior que se expressa pelo comportamento exterior ” -  John Maxwell )


Sabemos que a atitude pode ser positiva ou negativa. Porém, olhando para a parábola, precisamos explorar a palavra atitude no contexto voltado para nosso Senhor Jesus e seu Evangelho.

1) Atitude tomada pelo pródigo: encarar a realidade olhando para Jesus. V. 17- 20a

Existe a possibilidade de um novo começo, e isso para todos, mesmo para aqueles que parecem estar além de toda esperança. Não podia haver caso pior do que o do filho pródigo. Todavia até mesmo ele pode começar de novo. Ora, o primeiro passo no caminho da volta, é enfrentar a situação com honestidade e franqueza.

 

Lemos que esse jovem “caiu em si”. Foi exatamente o que ele fez!  Compreendeu que seus problemas eram resultados exclusivos de suas próprias ações. Ele olhou para si  e mau conseguiu acreditar no que viu! Olhou para os porcos e as bolotas à sua volta. Encarou a  realidade, olhando para o seu pai. Devemos urgentemente olhar para o nosso Salvador, nos arrependendo e tornando o coração sensível ao único que tem o poder de  transformar, JESUS.

2) Resultado desta atitude: Jesus contempla as nossas atitudes restaurando a nossa autoridade. V. 20b - 22

No entanto, quando o pródigo volta a presença de seu pai, ele compreendeu que já não existia nenhuma soberba em seu coração. Assim aprendemos de que quando voltamos para a presença de Jesus, não devemos pleitear nada, exceto a Sua misericórdia e compaixão.

 

Quando o pródigo abandonou o lar, sua exigência foi: “Dá-me!” “Ele exigiu seus direitos. Estava cheio de auto-confiança  presunção. Mas quando voltou para casa, o seu vocabulário mudou e o que ele diz agora é : “Faz-me”. Quando o nosso coração se encontra quebrantado, humilde e disposto à aprender o Caminho da Verdade, somos Amados, Perdoados, Restaurados, Santificados, Curados. Este conjunto de ações Divinas em nosso “ser” se transforma em Autoridade Espiritual.

3) Atitude do filho mais velho: uma vida totalmente sem espiritualidade. V. 25- 28

E então, o filho mais velho insulta seu pai publicamente, e se demonstra completamente “perdido”. O pai manifesta o mesmo amor em humilhação, porém nada disso resulta em quebrantamento e reconhecimento de rebelião. Ao invés disso, o filho mais velho inicia uma série de murmurações contra seu pai. Este argumento nos revela uma vida sem espiritualidade, uma vida de “religiosidade e legalismo” verdadeiros pródigos que não se humilham diante de Jesus. 


Aplicação: Pense com  a sua célula:
Eu já passei por alguma situação em minha família em que tive que “cair em mim” e mudar de atitude?
Em minha família, já vivi situações em que perdi a autoridade? Ou, perdi a razão, como marido, esposa ou filho... Como restaurei a confiança?

 

Rev. Ivan Moreira

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Como vai a sua família?

familia211 Texto-Base: Gênesis 24.63-67; 25.20-21; 26.7-11; 27.1-46

Introdução:

1. Casaram-se e foram felizes para sempre. 
Isso é frase de impacto, mas não é real. Não existe felicidade automática. Ela precisa ser construída com renúncia e investimento.

2. 50% das pessoas que vão sorrindo para o altar no dia do casamento, passam o resto da vida chorando por causa do casamento. 
70% das pessoas que se casavam de novo, descobrem que o segundo casamento é mais problemático do que o primeiro. O impacto do divórcio na vida de algumas crianças é mais forte do que a própria morte de um dos pais.

3. Ao atender uma jovem senhora em prantos, com a palma da mão rasgada numa briga conjugal. Perguntei-lhe: quantos anos de casamento? Ela me respondeu: dois meses.
Outra mulher com seis meses de casamento, disse-me: eu não sei o que é ser feliz no casamento.

4. No casamento:

a. É possível começar bem e terminar mal.

b. É possível começar na dependência de Deus e perder o temor de Deus no meio do caminho.

c. É possível começar em harmonia e terminar com feridas e mágoas.

d. É possível fazer um casamento dentro da vontade de Deus e destruí-lo com as próprias mãos.

e. É possível começar com intenso amor e afogar o casamento do mar da indiferença, da amargura e da separação.

5. Como está seu casamento? É aquilo que você sonhou? Como está sua família? É o que você planejou?

Vejamos agora um casal que começou bem e terminou mal, uma família que tinha tudo para dar certo e sofreu revezes terrível.

I. Uma família que tinha tudo para dar certo

1. Isaque era um excelente partido

a. Ele era jovem – Ele casou-se com 40 anos (25:20).
Tendo em vista que ele morreu com 180 anos (35:28-29). É o mesmo que um homem que chega aos oitenta, casar-se com 20 anos. Estava no auge do seu vigor físico.

b. Ele era herdeiro único de uma grande fortuna – Isaque era o herdeiro único da grande fortuna de Abraão (24:35-36). 
Era um jovem rico, com vida financeira estável.

c. Ele era herdeiro de um futuro espiritual glorioso – A descendência espiritual de Abraão seria através de Isaque (21:12). 
Isaque seria pai de uma multidão.

d. Ele era um homem espiritual – Isaque tinha o hábito de meditar nas coisas de Deus (24:63). 
Ele era um homem de oração. Ele temia a Deus. Ele aprendeu isso aos pés do seu pai Abraão.

2. Rebeca foi a escolhida especialmente por Deus

a. Abraão entendeu que Isaque precisava casar-se com uma jovem fiel a Deus (24:3)

b. Abraão sabia que Isaque não podia casar-se com uma cananita (24:3). Eles não serviam ao mesmo. Eles adoravam outros deuses. Abraão estava decidido em orientar o seu filho nessa área vital da vida. Os pais precisam ser mais participativos no processo da escolha do cônjuge para os seus filhos. Abraão mandou buscar uma jovem de dentre o seu povo.
    Abraão estava convencido de que Deus é quem dá a esposa prudente (Pv 19:14; 18:22).

c. Abraão procurou o seu servo mais velho para fazer isso (24:2) – É significativo que Abraão não chamou um jovem, um boy, um garotão, mas o seu servo mais velho, mais experiente para escolher uma esposa para o seu filho. Os jovens precisam ouvir os conselhos dos mais velhos na área do casamento.

d. Abraão e seu servo buscaram a direção divina na escolha (24:7,14) – Precisamos orar a Deus pelo casamento dos nossos filhos. A vontade Deus precisa ser feita nesta importante área da vida.

e. Rebeca tinha todos os dotes desejados – Ela era bonita (24:16), trabalhadora (24:15), prestativa (24:20), amada (24:55), decidida (24:57-58) e recatada (24:65).

f. Isaque a amou (24:67) – Foi amor à primeira vista.

g. Isaque orou por Rebeca 20 anos (25:21, 26).

II. Uma família ameaçada pela imprudência

1. A falta de transparência – 26:7-11 - Isaque imita os erros do pai e expõe sua mulher ao perigo (26:7). A beleza da sua mulher tornou-se um fator de crise no casamento.

a. A mentira – O mesmo Isaque que tivera tantas vitórias com Deus, agora fracassa na área moral. Ele que já vencera provas maiores, agora cai diante de uma prova menor.

· Israel venceu Jericó e caiu diante de Ai.

· Davi venceu um leão e caiu na teia da impureza.

· Sansão matou mil filisteus com uma queixada de jumento, mas caiu se deixou derrotar no colo de uma filistéia.

ü Isaque para poupar a sua vida afirma que Rebeca é sua irmã.

ü Ele nega o mais estreito dos relacionamentos.

ü Para salvar a sua pele, ele coloca a sua mulher em risco.

ü Ele colocou a sua mulher na vitrine dos desejos.

ü Em vez de amá-la e protegê-la, Isaque a expõe. Mas a mentira tem pernas curtas: a mentira contada (26:7), torna-se mentira descoberta (26:8). Isaque era marido dentro do quarto e irmão na rua. Ele estava vivendo uma mentira. A mentira descoberta, torna-se mentira reprovada (26:10-11). Isaque havia feito um grande mal a si, à esposa e ao povo filisteu. Seu mentira era uma loucura consumada que abalou os alicerces da confiança do seu casamento.

b. O egoísmo – Isaque pensou só em si. Ele olhou a sua mulher como um objeto que podia ser usado para a sua proteção. Ele abusou de Rebeca sem respeitar o seu caráter e sua dignidade. Sua mentira e seu egoísmo era uma negação do seu amor e do seu romantismo. Ele acaricia a sua mulher no recesso do quarto e nega o seu casamento em público. Sua covardia é maior do que o seu amor. Há cônjuges que só conseguem ter intimidade na cama, mas não expressam mais a harmonia conjugal nas suas palavras e atitudes. A partir daquele momento Rebeca não dialoga mais com Isaque. Eles fingem uma harmonia que não mais existe. O diálogo morreu na vida daquele casal. Quem planta egoísmo colhe solidão.

c. O medo – O amor lança fora todo o medo. O amor tudo sofre, tudo crê, tudo suporta. O medo de Isaque foi desamor à esposa e descrença em Deus. Isaque conseguiu grandes vitórias na vida profissional. Tornou-se um homem riquíssimo, mas fracassou no casamento. O pecado é maligníssimo. Isaque aprendeu a mentira com seu pai. Rebeca aprendeu a mentir com seu marido. Jacó com a sua mãe.

2. A falta de confiança e comunicação entre o casal – 27:5

§ O tempo e o rotina começaram a desgastar aquele lar. O relacionamento de Isaque e Rebeca ficou estremecido. A comunicação morreu entre eles. Não havia mais diálogo. A harmonia do casamento era coisa do passado.

§ Esse casal que começou de maneira tão bonita, agora chega à velhice sem intimidade, sem comunhão, sem diálogo. Agora Rebeca escuta os comentários do marido detrás da porta. Isaque não partilha com ela os desejos do seu coração. Um silêncio impera entre eles. Eles não confiam mais um no outro.

3. A falta de sabedoria na criação dos filhos – 25:28; 26:5-8

a. Eles têm preferência por um filho em detrimento do outro (25:28) – Eles ficaram 20 anos sem ter filhos e agora os filhos nasceram e são transformados em problemas. Eles transforam uma bênção num problema. Os filhos em vez de unir, separam o casal. Isaque tem preferência por Esaú e Rebeca por Jacó. Têm favoritismos. Eles fizeram dos filhos um motivo de tropeço para o casamento. Eles cometem um grave pecado contra os filhos. Eles têm preferência por um filho em prejuízo do outro. Jacó aprendeu esse erro com os pais e o comete mais tarde, amando mais a José do que os seus irmãos.

b. Eles semeiam o ciúme, a competição e o ódio no coração dos filhos (27:5-8) – Eles lançaram no coração dos filhos o ciúme, a inveja, a disputa, a competição. Em vez de amigos, os filhos cresceram como concorrentes e rivais. Eles se esqueceram de que na família, primeiro vem o cônjuge e depois os filhos. Rebeca ensina Jacó a mentir. Esaú passa nutrir ódio pelo seu irmão e a desejar sua morte (27:34,36,41). Jacó precisa fugir de casa para salvar sua vida. Esaú para vingar-se dos pais, pune-se a si mesmo casando com mulheres filistéias, que se tornam amargura de espírito para seus pais.

4. A falta do temor de Deus nas decisões – 27:13

a. A atitude pecaminosa de Isaque – Isaque peca contra Deus e contra seus filhos ao querer inverter o propósito de Deus (25:23).

b. A atitude pecaminosa de Rebeca – Rebeca tenta dar uma mãozinha para Deus usando o expediente da traição e da mentira. Rebeca estava fraca espiritualmente e começou a duvidar do cumprimento da promessa de Deus a Jacó. Isaque estava prestes a dar a bênção que Deus prometera a Esaú. Então, ela tomou os destinos na sua própria mão. Ela não acreditou em Deus. Ela duvidou de Deus. Ela agiu na frente de Deus. Ela fez as coisas do seu modo. Ela não aproveitou o momento para conversar com o marido. Ela decidiu enganar o marido e trair o filho Esaú. Ela instiga Jacó a mentir, a enganar, a trapacear. A mentira vem do maligno. Mas Rebeca estava tão cega e tão longe de Deus, que chega ao ponto de perder o temor de Deus (27:13).

c. Esaú ao ver o seu lar vivendo de aparências desprezou a Deus – Esaú passou a desprezar as coisas de Deus.
Tornou-se um profano. Ele menosprezou os dons de Deus. Ele vendeu o seu direito de primogenitura. Esaú ao perceber que os seus pais viviam apenas uma coreografia de espiritualidade, casou-se com mulheres pagãs. Esse casamento foi uma tragédia na sua vida e na vida de seus pais (26:34-35).

d. Jacó aprendeu a ser um enganador dentro de casa – Jacó movido pela vontade inflexível da sua mãe enganou ao seu velho pai. Mentiu, forjando sua identidade. Passou-se por Esaú. Blasfemou contra Deus e deu um beijo de mentira em seu pai (27:18-20,24,26,27). Ele aprendeu com a mãe e daí para frente viveu como suplantador, enganador.

IV. Uma família que colhe os tristes resultados da sua imprudência

1. Isaque e Rebeca não aprenderam com os erros e foram deixando a família fracassar pouco a pouco

· Todo casal precisa aprender a reconhecer as falhas e se corrigir. O fracasso só é fracasso quando não aprendemos com ele. O fracasso não pode ser o nosso coveiro, precisa ser o nosso pedagogo. Isaque e Rebeca não faziam correção de rota. Eles não discutiam os problemas e nem se perdoavam. 
Eles iam deixando as coisas acontecer.

· As sequóias na California são as maiores árvores do mundo. Mas os besouros pequenos as colocam ao chão.

2. A família toda sofre as inevitáveis consequências do pecado

a. Isaque – O nome dele significa RISO, mas nunca mais Isaque teve motivo para rir. Em certo sentido ele perdeu os seus dois filhos num único dia. Um sai de casa fugido. O outro sai para vingar-se dos pais, punindo-se a si mesmo (28:9).

b. Esaú – Ele perdeu o respeito pela mãe. Ficou revoltado. Amargo. Desgostou-se com o seu lar. Passou a alimentar um ódio assassino por Jacó. Rebeca armou uma guerra dentro da sua própria casa. Seus filhos eram inimigos mortais.

c. Jacó – Jacó precisou fugir de casa. Sai como mentiroso, traidor, embusteiro. Sai com a consciência culpada, deixando um pai enganado, um irmão traído e uma mãe protetora fracassada.

d. Rebeca – Ela prometera a Jacó: “Retira-te para a casa de Labão e fica com ele alguns dias… e te farei regressar de lá” (27:42-45). Vinte anos se passaram e Jacó não voltou. Rebeca nunca mais vê o seu filho.
Morre sem cumprir a promessa. Viveu amargamente a sua velhice ao ver o seu lar desmoronado pelas suas próprias mãos. Rebeca ainda foi incapaz de prever todo o alcance dos seus atos. O ódio despertado no coração de Esaú continuou por gerações futuras. Durante muitos séculos, os edomitas, descendentes de Esaú, seria inimigos de Israel (Obadias). Herodes, o grande, o homem que quis matar Jesus em Belém e o seu filho Herodes Antipas, o homem que ridicularizou Jesus no seu julgamento eram edomitas, descendentes de Esaú.

Conclusão

· Toda a família sofreu as consequências da imprudência de um casal que começou bem, mas não soube resolver os assuntos familiares com sabedoria.

· ISAQUE ficou só, envergonhado, sem sorriso, um grande homem, um grande empresário, um homem rico, mas um marido descuidado e um pai parcial.

· REBECA perdeu o seu filho predileto, perdeu o respeito de Esaú, traiu seu marido, não levou Deus a sério.

· JACÓ perdeu a casa, perdeu a mãe protetora, perdeu o amor do irmão e a consciência tranquila.

· ESAÚ puniu a si mesmo para vingar-se dos pais (28:6-9). Esperou o pai morrer para vingar-se do irmão.

- Como está a sua família? 
Como está o seu relacionamento conjugal?
Há transparência? 
Há amor comprometido? 
Há fidelidade?
Há brigas e mágoas dentro do seu lar?
Como os seus filhos se relacionam? 
Eles são amigos?
Vocês os tratam de forma justa e imparcial?

- Como está a comunicação no seu lar? Como está a reverência pelas coisas de Deus? Os nossos lares estão precisando urgente de um avivamento espiritual. Consagre hoje seu lar ao Senhor. Consagre seus filhos ao Senhor. Coloque o seu casamento no altar.

- Vinte anos depois Deus restaurou a amizade Jacó e Esaú. Mas Rebeca não viu e o pai estava muito velho para alegrar-se nessa restauração. Peça a Deus que faça você ver um milagre na sua família!

Esboço da pregação feita pelo Pr. João Filho

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Intimidade sexual no casamento

intimidade “A intimidade sexual é limitada ao matrimônio. somente nesta condição ela é aceita e abençoada por Deus. mediante o casamento, marido e mulher tornam-se uma só carne, segundo a vontade de Deus. os prazeres físicos e emocionais normais, decorrentes do relacionamento conjugal fiel, são ordenados por Deus e por ele honrados”.

Uma só carne
“Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e eles se tornarão uma só carne.” Gênesis 2:24 (nvi)

Deus presenteou Adão e Eva com o matrimônio. Eles foram criados perfeitos um para o outro. O casamento não foi uma conveniência, tampouco foi criado por qualquer cultura. Ele foi instituído por Deus e possui três aspectos básicos: (1) o homem deixa seus pais e, em ato público, promete-se a si mesmo à sua esposa; (2) o homem e a mulher são unidos, assumindo responsabilidades pelo bem-estar mútuo e amando um ao outro antes das outras pessoas; (3) ambos tornam-se um na intimidade e no comprometimento de união sexual que são reservados para o casamento. Casamentos sólidos incluem estes três aspectos. (beap)

Mantenha o leito conjugal puro
“Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula; porque Deus julgará os impuros e adúlteros.” Hebreus 13:5

Respeitar o casamento, seus votos sagrados e sua intimidade física é um outro aspecto da vida santificada à qual Deus chama o seu povo. O “leito sem mácula” é um eufemismo para a intimidade e as relações sexuais entre o marido e a esposa. Ao contrário do estilo de vida sexualmente promíscuo do mundo, o alto padrão de Deus para a sexualidade humana consiste na pureza e na fidelidade. A união e a intimidade sexual são reservadas para o casamento, e Deus as considera como honradas e puras. A intrusão sexual de uma terceira pessoa na relação do casamento a contamina, e é condenada por Deus. (cbp)
A fim de prevenir-se contra a imoralidade sexual, Deus ordenou o sagrado relacionamento do matrimônio. SEM MÁCULA contém mais do que uma aprovação do relacionamento conjugal, mas também vincula a responsabilidade do casal de preservar sua intimidade das práticas perversas e degradantes de uma sociedade lasciva. (bep)

Desfrute da intimidade sexual
“O marido deve cumprir os seus deveres conjugais para com a sua mulher, e da mesma forma a mulher para com o seu marido. - A mulher não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim o marido. Da mesma forma, o marido não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim a mulher. – Não se recusem um ao outro, exceto por mútuo consentimento e durante certo tempo, para se dedicarem à oração. Depois, unam-se de novo, para que Satanás não os tente por não terem domínio próprio.” I Coríntios 7:3-5 (nvi)

Estes são versículos notáveis, porquanto revelam pontos-de-vista que parecem estar muito adiantados para o seu tempo: uma saudável percepção da sexualidade da mulher, e a compreensão da completa igualdade existente entre um homem e uma mulher, na área mais íntima de seu relacionamento. As Escrituras não dão qualquer apoio à noção de que as relações sexuais visam unicamente o aprazimento do marido.
A relação sexual é uma expressão íntima de afeição entre marido e esposa. O apóstolo sublinha sua importância no casamento declarando aquilo que, na verdade, é um dever: o marido deve estar disponível para sua esposa quando ela desejar, e a esposa, para seu esposo quando ele desejar.

Dentro do casamento, a união sexual é natural, saudável e prazerosa, não somente durante um momento, mas durante toda a vida conjunta.

O livro de Cantares
Cantares é uma canção de amor que honra o matrimônio. As alusões mais explícitas sobre sexo na Bíblia podem ser encontradas neste livro, que, muitas vezes, tem sido criticado por causa da linguagem sensual empregada pelo escritor. Contudo, a pureza e a santidade do amor representado nele são muito necessárias nos dias de hoje, nos quais o amor, o sexo e o casamento são banalizados. Deus criou o sexo e a intimidade; mas para serem desfrutados dentro do casamento. Um marido e uma esposa honram a Deus quando se amam e desfrutam um do outro

Ame e seja feliz
“Beije-me ele com os beijos da sua boca; porque melhor é o seu amor do que o vinho.” Cantares 1:2

Essa vívida descrição de um relacionamento amoroso começa com a figura do próprio amor, que é “melhor do que o vinho”; faz com que aqueles que se amam sejam felizes. O texto em Atos 10:9-16 nos ensina que não devemos interpretar mal ou chamar de comum aquilo que Deus criou e purificou. Podemos desfrutar o amor. Deus o criou como um presente para nós e um deleite para todos os nossos sentidos.

Tenha tempo para seu cônjuge
“Aparecem flores na terra, e chegou o tempo de cantar; já se ouve em nossa terra o arrulhar dos pombos. - A figueira produz os primeiros frutos; as vinhas florescem e espalham sua fragrância. Levante-se, venha, minha querida; minha bela, venha comigo.” Cantares 2:12-13 (nvi)

Aqueles que se amam celebram sua alegria na criação e em seu amor. Deus criou o mundo, a beleza da natureza, presenteou-nos com o amor e o sexo e nos deu os sentidos para que desfrutemos deles. Nunca deixe os problemas, os conflitos ou as assolações do tempo arruinarem sua capacidade de alegrar-se com os presentes de Deus. Tenha tempo para desfrutar aquilo que Deus criou. (beap)

Pertencer e ser desejada
“Eu pertenço ao meu amado, e ele me deseja.” Cantares 7:10 (nvi) Ver 7 a 13

Quando o relacionamento amadurece, deve haver mais amor e liberdade entre os cônjuges. Aqui, vemos que a jovem tomou a iniciativa de convidar seu esposo para o amor. Muitas culturas têm estereótipos sobre o papel que o homem e a mulher devem desempenhar no ato sexual. Porém a segurança do verdadeiro amor dá a ambos os cônjuges a liberdade de tomar a iniciativa de exprimir seus sentimentos e desejos. (beap)

Pertencer um ao outro
“Eu sou do meu amado, e o meu amado é meu.” Cantares 6:3a (nvi)

O amor que os dois enamorados têm um pelo outro é genuíno e fiel. Não há desejo nem espaço para outra pessoa. No casamento, deve haver tal amor mútuo e dedicação, que a fidelidade conjugal seja da máxima importância na vida do casal. (bep 2.16)

Elogie sempre o seu cônjuge
“Tu és toda formosa, querida minha, e em ti não há defeito. O seu falar é muitíssimo doce; sim, ele é totalmente desejável. Tal é o meu amado, tal, o meu esposo, ó filhas de Jerusalém.” Cantares 4:7 e 5:16; ver 4:1-7 e 5:10-16

Como espectadores, é possível que fiquemos embaraçados ao ler estas passagens em que os amantes expõem sua intimidade. No êxtase de seu amor, eles se elogiam mutuamente, usando belas imagens. Suas palavras podem ser estranhas para os leitores de uma cultura diferente, porém o intenso sentimento de amor e de admiração são universais. Comunicá-los através de palavras e ações fortalecem qualquer relacionamento.

REFLETINDO

Sexualidade, um dom do criador - Embora a palavra “sexo” não apareça na Bíblia, a linguagem bíblica descreve o plano de Deus para o comportamento sexual humano, inclusive para a geração de uma descendência e para o prazer sexual no casamento. O sexo foi planejado pelo Criador como um presente especial, que permite ao marido e à esposa expressarem sua unidade em amor íntimo e exclusivo e compartilhar do plano dele para a procriação. Os impulsos sexuais são dados por Deus como um meio de atingir o êxtase natural mais elevado que o corpo humano pode experimentar.

Cônjuges: Aprendam a arte perdida do amor verbal. Aprendam a dizer palavras de amor que acariciam a alma do/a seu/sua companheiro/a.

Entenda e creia que o Senhor continua a ver o relacionamento sexual dentro da santidade do casamento como “muito bom” e o abençoa.
Exalte, no casamento, as virtudes do seu cônjuge acima das virtudes de outros.

Reserve momentos regulares, periódicos, com seu cônjuge para revigorar e renovar o romance em seu casamento.

Pr. João da Cruz Parente