Escravos de Cristo

Escravos de Cristo
Texto: Êxodo 21:1-6
Introdução: Existe uma velha história sobre Abraham Lincoln. A história diz que ele foi a um mercado de escravos para comprar de volta uma garota escrava. Quando ela viu o homem branco oferendo lances, ela pensou que era outro homem branco, que ia comprá-la e, em seguida, abusar dela. Ele venceu o leilão e quando ele estava indo embora com sua propriedade, ele disse: "Jovem, você está livre". Ela disse: "O que significa isso?" "Isso significa que você está livre". "Isso significa que eu posso dizer o que eu quero dizer?" Lincoln disse: "Sim, minha querida, você pode dizer o que você quer dizer". "Isso significa que eu posso ser o que eu quero ser?" Lincoln disse: "Sim, você pode ser o que você quer ser". "Isso significa que eu posso ir para onde eu quero ir?" Ele disse: "Sim, você pode ir para onde você quer ir" ... A garota, com lágrimas escorrendo pelo rosto, disse: "Então eu escolho ir com você".

Para ser bem honesto, eu não acredito que isso realmente tenha acontecido. Mas se for verdade, essa história pinta um quadro bonito da servidão voluntária. Ela ilustra como todos e cada cristão deve responder ao nosso Mestre. Como cristãos, fomos "comprados por preço". (I Coríntios 6:20) - Jesus nos buscou e comprou-nos. Nós não fomos compradas com prata ou ouro. Fomos redimidos pelo "precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro sem defeito e sem mancha" - (I Pedro 1:19)

Redenção é o ato de comprar de volta algo que havia sido perdido, pelo pagamento de um resgate.

Jesus veio para nos libertar..., mas Ele não veio para nos libertar para viver como queremos viver e fazer o que queremos fazer. Jesus nos resgatou para que pudéssemos ser livres do pecado, da Lei, de Satanás, da morte e do inferno.

Mas devemos ser escravos dele. As pessoas adoram a ideia de Jesus como "Salvador". Somos rápidos para proclamar que Ele nos chamou de seus "amigos". Nós nos referimos a ele como "O Bom Pastor". Nós professamos que Ele é "O Cristo". Nós o chamamos de "Emanuel" (Deus conosco). Acreditamos que Ele é o Filho de Deus. Sem dúvida Ele é todas essas coisas e muito mais. Mas em última análise, Ele é o Senhor!

Muitas pessoas hoje se referem a Ele como Senhor, mas, infelizmente, isto tornou-se nada mais do que retórica Cristã vazia. Poucas pessoas compreendem o conceito de Jesus como Senhor de suas vidas. Esta é uma relação bilateral. Se há um Mestre ou Senhor, então deve haver um escravo. Não há dúvida de que Jesus é o Senhor. A questão é ... você é Seu escravo? Ele é o SEU SENHOR E MESTRE? Essa é uma pergunta que eu espero que você possa responder antes de sair daqui hoje.

Eu gostaria de olhar para a Palavra de Deus e pregar sobre o assunto "Escravos de Cristo". A fim de ilustrar a relação adequada entre o escravo e seu mestre, gostaria de olhar para uma parte bonita da escritura que se encontra em Êxodo capítulo 21. Aqui nos encontramos os regulamentos relativos aos escravos hebreus e seus mestres.

As escrituras nos dizem que, se um (hebreu) mestre comprasse um escravo hebreu ele só poderia servi-lo por 6 anos. No 7º ano, conhecido como o "Ano do Jubileu", esse escravo seria libertado. Quando o 7º ano chegava o escravo tinha a oportunidade de permanecer com seu mestre. Se ele dissesse: "Eu amo o meu senhor", ele era autorizado a permanecer como um escravo. Quando isso acontecia, havia uma cerimônia legal que ocorria. O escravo seria levado diante de juízes e testemunhas públicas e uma "sovela" seria introduzida através de sua orelha. Isso significava que ele pertencia a seu mestre para sempre.

Quando pensamos em escravidão ou ouvimos a palavra escravo nossas mentes são imediatamente levadas de volta para os eventos horríveis do passado de nossa nação. Mas as imagens em nossas mentes são muito diferentes do contexto destes versos. Em certos casos os Hebreus voluntariamente se tornavam escravos. Isto era geralmente motivado pela pobreza extrema. Este processo é explicado em Levítico 25:39-42 "Também, se teu irmão empobrecer ao teu lado e vender-se a ti, não o farás servir como escravo. Como jornaleiro, como peregrino estará ele contigo; até o ano do jubileu te servirá; então sairá do teu serviço, e com ele seus filhos, e tornará à sua família, à possessão de seus pais. Porque são meus servos, que tirei da terra do Egito; não serão vendidos como escravos”.

Esta escravidão que era permitida por lei não se destinava a oprimir ou punir. Era permitido como uma maneira de proteger e prover para as pessoas.

Suponha que havia um proprietário da vinha, que investiu tudo o que tinha para a próxima colheita. Quando acabou seu dinheiro, ele foi e pediu emprestado uma grande soma de um vizinho. Ele trabalhou e investiu tudo o que tinha nesta vinha e, em seguida, uma seca veio e a colheita foi destruída. Ele perdeu seu investimento, ele não fez nenhum lucro, ele ainda devia seus credores e pior de tudo, ele perdeu seus meios de sustento de sua família. Uma safra ruim fez com que este homem se tornasse completamente falido. Os cobradores do débito estão batendo à porta. Sua família está passando fome e as coisas parecem sem esperança. O que este homem vai fazer?

A lei dava-lhe a opção de se vender como escravo por um período de seis anos. Ele poderia pegar o dinheiro da venda e pagar seus devedores e cuidar de sua família. Sabendo o tempo todo que, após 6 anos ele estaria livre e poderia voltar para casa e começar de novo. Agora vamos supor que o 7º ano chegou e de acordo com a Lei, este escravo teria de receber a liberdade. Alguém lhe diz, seu tempo acabou ... VOCÊ ESTÁ LIVRE PARA IR! Este escravo olha para sua situação, ele percebe que ele está bem alimentado, ele tem um teto sobre sua cabeça, ele tem roupa para vestir, ele é protegido e provido e ele tem um mestre que o ama e o trata como um filho. Ele examina a alternativa e decide que ele prefere permanecer com seu mestre.

Este escravo tinha todo o direito de optar por permanecer com o mestre que ele amava. Após esta escolha ser feita o mestre levava o escravo perante o juiz e as testemunhas. O mestre, então, levava o escravo até uma porta e com uma "sovela" a introduzia através de seu lóbulo da orelha. Esta cerimônia significava que ele estava livre, e ele voluntariamente optou por se tornar um escravo do seu mestre pelo resto da vida.

Quando nascemos de novo, Jesus torna-se nosso Senhor. Isto significa que Ele é o nosso Mestre. Você não tem a opção de escolher a Jesus como Salvador, mas recusa-Lo como Senhor. Esta é uma proposição tudo ou nada! Um escravo é alguém cuja vida pertence inteiramente a outra pessoa.

A Bíblia contradiz diretamente o que ouvimos de muitos púlpitos hoje. Basta observar ... a vida é sobre o Mestre ... não o escravo! No grego, a palavra para "escravo" é "doulos". No texto original esta palavra é encontrada no Novo Testamento mais de 130 vezes. Mas em toda a ARC você o encontra apenas uma vez. Da mesma forma, a maioria das versões modernas da Bíblia traduzem "doulos" como "servo". Infelizmente, isso dilui a nossa verdadeira relação com Cristo.

Pense por um momento sobre a terminologia que usamos ao testemunhar para as pessoas perdidas. Falamos de "nascer de novo". Convidamos as pessoas a "pedir a Jesus para entrar em seu coração". Nós usamos termos como "entregar a Jesus", "voltar-se para Jesus" e "confiar em Jesus". É verdade que estes são elementos de salvação, mas, na realidade, a salvação é sobre pessoas que se tornam escravos de Jesus Cristo. Trata-se de entregar os nossos desejos e segui-Lo. Devemos nos humilhar diante do mestre e dizer: "Eu não tenho vontade, mas a Tua vontade, não tenho nenhum plano, mas Seu plano ... Eu não tenho desejo, mas seu desejo".

Examinar a diferença entre escravos e servos nos dará uma melhor compreensão da nossa relação com Cristo. Servos são contratados para trabalhar por salários. Aqueles que são contratados tem a opção de sair. Escravos pertencem ao mestre. Se um escravo saísse ou fugisse ele era caçado, preso, espancado e possivelmente morto.

É tempo de nós, como cristãos cessar a retórica vazia. Temos de perceber a nossa verdadeira posição em Cristo. É hora de parar de brincar e levar a sério. É o momento que devemos plenamente nos submeter e entregar-nos ao nosso Mestre. Sim, nós somos cristãos ... nós somos crentes ... nós somos filhos de Deus ... nós somos discípulos de Cristo. Somos todas essas coisas e muito mais ... MAS devemos ser escravos de Cristo!

Ao olharmos para o nosso texto no Êxodo. O contexto refere-se a um escravo hebreu. Mas eu gostaria de usar isso como uma ilustração de nossa posição como "escravos de Cristo". Eu gostaria de observar 5 aspectos do escravo de Cristo a partir destes versos. O primeiro que eu gostaria de considerar é:

I. A submissão de um escravo de Cristo. V. 5

“Mas se esse servo expressamente disser: Eu amo a meu senhor, a minha mulher e a meus filhos, não quero sair forro”

Esse escravo hebreu tinha uma escolha a fazer. Seus 6 anos de escravidão estavam completos. Ele tinha todo o direito de seguir sua própria vida e deixar seu mestre. Mas ele tomou a decisão consciente de se submeter ao seu mestre. Tornar-se cristão é mais do que simples "crença" em Cristo. Este processo envolve mais do que conhecimento simples da cabeça. Não é o suficiente acreditar que Jesus deixou as glórias do Céu, viveu uma vida perfeita, morreu pelos pecados do mundo, subiu ao céu e está voltando algum dia. Satanás crê nisso ... ele sabe que isso é um fato! Tiago disse que os "demônios creem e estremecem".

Para "herdar o Reino de Deus" devemos fazer de Cristo o Senhor de nossas vidas. É uma questão de submissão. Aprendemos isso com o próprio Jesus.

Lucas 9:23-24 “Em seguida dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome cada dia a sua cruz, e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas quem perder a sua vida por amor de mim, esse a salvará”.

Lucas 14:26 “Se alguém vier a mim, e não aborrecer a pai e mãe, a mulher e filhos, a irmãos e irmãs, e ainda também à própria vida, não pode ser meu discípulo”.

Mateus 7:21 “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! Entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus”.

Jesus deixa claro que para se tornar um escravo dEle exige submissão. Você já fez isso?

Você já se rendeu a Cristo? Você já submeteu sua vontade a Ele. Ele é o Senhor da sua vida? Se Jesus não é o Senhor ... você não está salvo! - 2 Coríntios 5:17 “Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo”.

Se você é um escravo de Cristo, então você tem um grande amor por seu Mestre. Vamos considerar isso por um momento:

II. A afeição de um escravo de Cristo. V. 5

"Mas se esse servo expressamente disser: Eu amo a meu senhor..."

O escravo hebreu, que escolhesse permanecer com seu mestre, fazia isso por amor. O mestre se importava com o escravo e o tratava bem. Na verdade, isto era requerido na Lei. Deus deixou claro que foi Ele que livrou os hebreus do Egito e eles finalmente lhe pertencia. Através da Lei do mestre foi dito para tratar o escravo como um "jornaleiro e peregrino". Embora o escravo fosse obrigado a trabalhar e obedecer a seu mestre, o mestre era obrigado a tratá-lo gentilmente. Em muitos casos, grandes relacionamentos eram desenvolvidos. Tanto é assim que, quando "o ano do jubileu" chegava, o escravo voluntariamente escolhia permanecer com o mestre para sempre.

Ser escravo de Cristo não é uma tarefa difícil quando nós consideramos tudo o que Ele tem feito por nós. Ele nos libertou do cativeiro, garantiu a nossa salvação e nos deu uma nova vida. Ele supriu-nos com a vida eterna e nos prometeu um lar no céu. Ele caminha conosco e fala com a gente. Ele é o nosso refúgio em tempos de angústia. Ele provê para nós diariamente. Nós temos uma relação íntima com Ele. Estas coisas devem motivar-nos a servi-Lo todos os dias de nossas vidas. Nosso serviço deve ser inspirado por nosso amor por nosso mestre! Este amor para com o nosso Mestre nos fará permanecer fielmente dedicado a ele. Considere:

III. A devoção de um escravo de Cristo. V.5c

"...não quero sair forro"

Pense sobre esse escravo hebreu por um momento. Ele tinha estado em escravidão por 6 anos. O ano do jubileu chega e seu tempo está cumprido. Ele está totalmente livre. Ele não tinha qualquer obrigação com seu mestre. Ele tinha a oportunidade de ir para onde ele quisesse ir e fazer o que Ele quisesse fazer. O que ele escolher fazer? ... ele opta por permanecer com seu mestre.

Há muitas pessoas hoje que afirmam pertencer a Jesus. No entanto, não há nenhuma evidência de uma relação pessoal com Ele. Suas vidas são contradições diretas do que Ele ordenou em Sua Palavra. Estas são as pessoas que tiveram uma "experiência emocional". Eles fizeram uma profissão de fé, mas eles realmente não possuem salvação. O escravo de Cristo é aquele que vê o que o mundo tem para oferecer e diz: "Eu não vou deixar o meu mestre". O escravo de Cristo é aquele que vive com uma perspectiva eterna em vez de terrena.

Há momentos em que você será tentado a seguir o seu próprio caminho. O diabo pinta um retrato bonito do pecado. Ele fará tudo o que puder para arrastá-lo para longe do seu Mestre. Sua própria carne natural vai ter desejos que irá levá-lo para longe do seu Mestre. Nunca se esqueça que como um "escravo de Cristo" você não pertence mais a você ... você pertence a Jesus! Não importa o que o inimigo lhe ofereça, permaneça firme e dedicado e proclame "Eu não vou deixar o meu Mestre!"
Passando para o versículo 6, eu gostaria de considerar:

IV. A identificação de um escravo de Cristo. V. 6

“Então seu senhor o levará perante os juízes, e o fará chegar à porta, ou ao umbral da porta, e o seu senhor lhe furará a orelha com uma sovela; e ele o servirá para sempre”.

Uma vez que o escravo tomasse a decisão de permanecer com seu mestre para sempre uma cerimônia ocorria. O escravo era levado perante os juízes e testemunhas e uma "sovela" era conduzida através de sua orelha. Isto significava a submissão dos escravos ao seu mestre.

Qual é a primeira coisa que fazemos quando somos salvos? ... somos batizados. Isso não é algo que fazemos nos bastidores. Somos batizados publicamente. Corajosamente diante de Deus e muitas testemunhas proclamamos que nos rendemos a Cristo. Identificamo-nos como escravos do nosso "Senhor e Mestre". Mas isso vai muito mais além do batismo. Nossas vidas e as nossas ações devem identificar-nos como escravos de Cristo.

Quando alguém via um escravo hebreu, que tinha passado por esta cerimônia eles sabiam que a pessoa pertencia a outra pessoa. Ele não era mais seu próprio dono! O mesmo é verdadeiro para o escravo de Cristo. 1 Coríntios 6:20 “Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus”.

Quando alguém examina sua vida, quando eles veem como você vive ... eles devem imediatamente saber "que você pertence a Jesus Cristo. Muitas pessoas professam conhecer a Jesus, mas é muito raro encontrar alguém cuja vida demostra que ele é um escravo do Mestre Jesus.

Paulo disse em Gálatas 6:17 .... "eu trago no meu corpo as marcas do Senhor Jesus". Lá, ele está explicando que ele levava sobre si o "estigma" ou as marcas de marca de seu Mestre. Assim como as cicatrizes eram visíveis no corpo do Apóstolo, deve haver evidência visível do fato de que nós pertencemos a Jesus!

Jesus é o nosso Mestre e devemos nos submeter a Ele, amá-Lo, ser dedicado a Ele e nos identificar como escravos dele. Finalmente, gostaria de examinar:

V. A obrigação de um escravo de Cristo. V. 6b

“…ele o servirá para sempre"

Quando o escravo hebreu tomava a decisão de permanecer com seu mestre era um compromisso de vida. E este compromisso o obrigava a servir ao seu mestre para sempre! Este não era um relacionamento onde o escravo poderia usufruir dos benefícios e segurança sem qualquer expectativa de sua parte. Ele era obrigado a servir. E este serviço durava para sempre. O escravo não podia optar por servir apenas quando era conveniente para ele. Ele não tinha reservado o direito de recusar uma tarefa que era passada pelo seu Senhor. Ele não podia sair e fazer sua própria coisa e depois voltar para seu mestre quando ele sentisse vontade. Sua vida era uma vida de serviço consistente ao seu mestre!

Jesus disse em - João 14:15 "Se me amais, guardareis os meus mandamentos". - Como servos de Cristo, somos obrigados a servi-Lo! Muitas pessoas querem os benefícios de um relacionamento com Jesus sem servi-Lo. Isso não funciona dessa forma.

As pessoas querem ser libertas de seus pecados. Elas querem ser resgatadas do inferno. Elas querem herdar a vida eterna. Elas querem possuir um lar no céu. Elas querem ser capazes de chamar por Jesus em momentos de dificuldade. Elas querem os privilégios, mas elas se recusam a se render completamente a Ele. Estas são as pessoas que querem professar Jesus, mas elas querem continuar a viver a vida do seu jeito. Elas querem ir onde bem querem. Elas querem fazer o que querem. Elas só querem servir a Jesus quando é conveniente para elas. Essa não é a vida de um escravo, essa é a vida de uma criança mimada!

Você é um verdadeiro servo de Cristo? Eu não estou perguntando se você fez "uma oração", ou se você "pediu a Jesus para entrar em seu coração", ou mesmo que tenha "decidido seguir Jesus". Eu quero que você examine sua vida e veja se alguma vez houve um momento em sua vida em que você se rendeu a Jesus como seu Senhor e Mestre?

Quando se trata de salvação ouvimos muito sobre "crer e confessar". Romanos 10:9 “Porque, se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo” Romanos 10:13 “Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo”.

A salvação é mais do que simplesmente acreditar que Jesus é o Filho de Deus. Trata-se de mais do que crer que Ele morreu por seus pecados e ressuscitou no terceiro dia. Não é suficiente simplesmente acreditar e confiar que Jesus é o Caminho a Verdade e a Vida. A salvação exige crer e confessar. Mas o que estamos crendo e confessando? Estamos confessando que Jesus é o Senhor! "se com a tua boca confessares a Jesus como Senhor" ........ "todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo"

Se você fizer isso ... ele te livrará! Se Ele te salvou, você deve ser um servo de Cristo!

Se somos Seus escravos, devemos ter a mentalidade do escravo hebreu. Devemos nos submeter ao nosso Mestre. Devemos amar o nosso Mestre. Devemos ser dedicados ao nosso Mestre. Devemos ser identificados como escravos de nosso Mestre e somos obrigados a servir o nosso Mestre. Isso descreve você? Se não .... deixe que hoje seja o dia em que você entrega sua vida a Ele!

Servir não é um fardo! É um verdadeiro privilégio ser "Escravo de Cristo".

Gostou desse esboço? Olha a novidade que tenho para você!

Eu preparei um e-book com 365 sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! Clique Aqui para adquirir seu livro.

Escravos de Cristo Reviewed by Aldenir Araujo on domingo, maio 22, 2016 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:
1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

All Rights Reserved by O Pregador © 2014 - 2015
Designed by Blogger

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.