Definindo Fidelidade

Definindo FidelidadeA maioria das coisas boas que aconteceram no Reino de Deus foi consequência de transição.
· As águas do diluvio que salvou o justo Noé.
· Abraão negociando sua casa por uma barraca, Ur para Canaã.
· Israel viajando do Egito para a Terra Prometida.
· Invasões que conduziram a um Israel arrependido e uma série de juízes.
· Davi arrependendo-se e virando uma nova página.
· Pedro descendo do barco para seguir a Jesus.
· Saulo caindo do cavalo na estrada de Damasco para se tornar um Apóstolo.
· O evangelho passando de Jerusalém a Antioquia para o mundo.
[post_ad]
São os períodos de estabilidade que representam o verdadeiro perigo para o reino de Deus (como contra intuitivo que isso possa parecer): momentos em que o povo de Deus se torna confortáveis ​​e complacentes... quando os afetos das pessoas diminuem e seu foco muda.
No antigo Israel, foram as eras de paz e abundância que fizeram nascer a apatia espiritual, o materialismo, a idolatria, e o abandono de Deus. Como remédio, Deus realmente provocou transições e traumas significativos (guerra e escravidão, fome e seca, agitação política e confronto profético) como aguilhões para despertar seu povo e reordenar suas prioridades.
Na igreja do primeiro século, os problemas espirituais significativos não surgiram de perseguição ou debate teológico vigoroso ou tensões culturais desafiadoras, mas da falta (ou intolerância) deles. Foi quando as pessoas ficaram muito confortável, também resolvido, que a podridão espiritual os atingiu: apatia, acomodação à cultura, a adoção de atitudes e valores mundanos, um sentimento de autossuficiência, uma ilusão de riqueza e sabedoria, um declínio no testemunho, uma perda da missão.
O problema de Laodicéia não foi muita mudança, mas muito pouco: "Nem quente nem frio" só uma igreja que perdeu seu impulso pode ser “Nem frio nem quente”. Da mesma forma, o problema de Jerusalém não foi muita transição, mas muito pouco: a resistência a um novo público, a recusa de uma prática diferente de fé, a rígida aderência aos velhos hábitos e costumes confortáveis ​​e perspectivas.
Os problemas enfrentados pelas igrejas tendem a se apresentar durante os períodos de transição - como sintomas de uma doença. É fácil culpar os problemas nas transições. Mas, na verdade, os problemas geralmente precedem as transições... na verdade, eles muitas vezes provocam transições, e não o contrário.
Quando as igrejas perdem o seu foco, esquecem o seu propósito, ficam muito confortável com os costumes e consenso, encontram-se mal equipadas e despreparadas para lidar com novos desafios, questões e perspectivas. Não são os desafios que atrapalham a igreja; é um estado de espírito calmo e estagnado que não vai permitir que as igrejas se comprometam com os desafios.
O que evidencia uma atitude estranha e desconcertante entre o povo de Deus a respeito da definição de fidelidade. Por reflexo, habitualmente, o povo de Deus tende a definir a fidelidade em relação ao status quo. Mantendo-se os velhos caminhos. Mantendo as tradições. Protegendo as convenções. Guardando os padrões de pensamento e de culto herdados de nossos pais.
Os fariseus talharam esta definição de fidelidade em seus conflitos com Jesus. Mas ele não guardou suas tradições. Seus ensinamentos foram "novos". Ele continuou transgredindo suas noções de decoro religioso: o que ele fez, o que ele falou, para onde ele foi, o que ele disse. No pensamento do fariseu, Jesus não era fiel porque não apoiava o seu status quo.
Os crentes judeus de Jerusalém estavam discutindo esta mesma definição na metade do primeiro século. Fidelidade significa abraçar a cruz e a lei... praticando a nova fé dentro dos costumes e tradições do velho. Paulo e sua turma não guardaram os costumes ou observou a lei. Ele transgrediu as noções de Jerusalém de decoro religioso: o que ele ensinou, como ele viveu, com quem ele comeu. No pensamento de muitos cristãos de Jerusalém, Paulo não era fiel porque não apoiava o seu status quo.
Jesus e Paulo definiu a fidelidade de maneira muito diferente dos grupos que os criticavam. Para eles, a fidelidade tinha pouco a ver com a tradição e muito a ver com a missão. A fidelidade não é uma questão de apoiar o status quo, mas perseguir os propósitos eternos de Deus. Jesus expressa a fidelidade ao ignorar os rituais de pureza tradicionais (como a lavagem das mãos) para que ele pudesse se concentrar no tipo de pureza que Deus mais deseja: a do coração. Paulo expressa a fidelidade ao se recusar a observar as tradições judaicas em relação a roupas e comida e associação para que ele pudesse se concentrar em "Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns" (1 Coríntios 9:22) e cumprir a sua missão dada por Deus. A fidelidade não é uma questão de proteger nossas rotinas. A fidelidade é sobre como responder aos ritmos do reino de maneira fiel!
Nós não temos nenhum controle sobre os ritmos do reino de Deus. Deus decide quando é hora da igreja crescer e quando é hora de diminuir. Deus decide quando as igrejas prosperam e são perseguidas. Deus determina os tempos fracos e os tempos fortes de seu povo.
Tudo o que controlamos é a nossa maneira de responder a esses ritmos. Podemos resistir e rejeitar quaisquer mudanças em nossa rotina. Nós podemos agarrar-se teimosamente a nossa zona de conforto. Podemos passar a vida olhando para trás, perdido em nostalgia, desejando os tempos passados​​.
Ou, pela fé, podemos dar um passo corajosamente para o futuro, antecipando o novo que vem de Deus.
O desafio para o povo de Deus é ser fiel. Mas a fidelidade não exige que lutemos para manter as coisas do mesmo jeito, mas que lutemos para responder de forma piedosa aos novos desafios e novas oportunidades do reino de Deus.

Gostou desse esboço? Olha a novidade que tenho para você!

Eu preparei um e-book com 365 sermões selecionados criteriosamente durante meus mais de 20 anos de ministério. Organizei eles por livros bíblicos para simplificar a busca. Quero que você utilize livremente em suas pregações e possa transformar a vida das pessoas com a Palavra de Deus.

Se você deseja investir em seu ministério, ainda hoje, terá à disposição Um Sermão para Cada Dia do Ano! Clique Aqui para adquirir seu livro.

Definindo Fidelidade Reviewed by Aldenir Araujo on segunda-feira, novembro 17, 2014 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:
1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

All Rights Reserved by O Pregador © 2014 - 2015
Designed by Blogger

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.